Você está na página 1de 2

HISTRIAS EM QUADRADINHOS

Antnio Torrado
escreveu e Cristina Malaquias ilustrou

Numa folha de papel quadriculado passa-se cada


coisa... s vezes, passam-se contas. o mais normal. Nem sempre as contas batem certo, apesar dos quadrados quadradinhos, muito certinhos, terem sido feitos para contas muito bem contadas, certeiras, certinhas, acertadas. Quando a conta no est certa, risca-se ou apaga-se. A folha quadriculada tudo consente, mas no fundo, muito exigente. Mas h mais: Onde esto contas, podem estar contos... s vezes, numa folha de papel quadriculado, acontecem histrias. So estas as autnticas, as primeiras histrias em quadradinhos. Como a que vamos contar. Numa folha de papel quadriculado dum caderno escolar, encontraram-se um quadrado, completamente quadrado, e um tringulo muito tringulo. E muito impertinente. 1
APENA - APDD Cofinanciado pelo POSI e pela Presidncia do Conselho de Ministros

Dizia o tringulo para o quadrado: Ests sempre na mesma. s quadrado, s quadrado e, ds as voltas que deres, ficas sempre quadrado. Pff! Que figura geomtrica mais sem jeito. Que monotonia. O quadrado calado, muito calado, s ouvia. Continuava o tringulo: Eu sim, sou varivel. Umas vezes fao-se tringulo equiltero. Outras, issceles. Outras, escaleno. Sou um tringulo de muitas formas e feitios. Gosto de variar. O quadrado calado, calado ficou. Ento o tringulo arrebitado, espevitou-o: No dizes nada? V-se que ests amachucado com a minha sapincia, com a minha variedade. No assim, quadrado? Ento o quadrado no se conteve mais e ripostou: Vai falando, vai, tringulo presunoso, mas olha que iguais a ti j eu tenho dois, c dentro! Ento o tringulo ficou to enfiado que pediu a uma borracha que o apagasse.

FIM

2
APENA - APDD Cofinanciado pelo POSI e pela Presidncia do Conselho de Ministros