Você está na página 1de 2

ACREDITEM

Antnio Torrado
escreveu e Cristina Malaquias ilustrou

31 de Maro Dia Mundial da Terceira Idade

Era uma vez uma senhora que tinha trs ces. Um era
j velhote. Outro, assim assim. O terceiro era um cachorro ladino, que nunca estava quieto. Os trs da mesma raa. No me perguntem qual, porque nisso de marcas de ces e raas de automveis perdo! de raas de ces e marcas de automveis sou muito ignorante. O co velho, deitado no capacho da entrada, vendo o mais novo a correr atrs de uma aranha, de uma borboleta, at da prpria sombra, comentava para o co do meio: Tambm j fui assim. No acredito latia o cachorrinho, sem deixar de correr. Tu nunca brincaste. Brinquei, podes estar certo. E, s vezes, ainda me apetece. Se no me sentisse to pesado, ainda te apanhava. No acredito insistia o cachorrinho, de riso nos dentes muito brancos. 1
APENA - APDD Cofinanciado pelo POSI e pela Presidncia do Conselho de Ministros

Mas deves acreditar aconselhou o co do meio. Ns que somos mais velhos, j fomos to ligeiros como tu. No acredito teimava o cachorrinho, sempre a correr. Como que havemos de convenc-lo que j passmos pela idade dele e que ele h-de chegar nossa? perguntou o co do meio ao co mais velho. Vai ser difcil concluiu o co velhote, sem se despegar do capacho. A senhora, dona dos trs ces, que toda esta conversa ouvira ou adivinhara, trouxe um lbum de fotografias, poisou o cachorrinho no colo e mostrou-lhe: Este o retrato do velho Piloto, quando ainda s comia sopinhas de leite. A fotografia est tremida, porque ele era um vivo demnio. Nunca se cansava de correr. No acredito protestava o cachorrinho, no colo da dona. Pginas adiante, a senhora apontou outro cozinho de grandes olhos brilhantes e orelhas espetadas: Este o Xana, quando veio c para casa, dentro de um cestinho. Era um brincalho. No acredito esbraveja o cachorro, no colo da dona. E sem querer saber de mais histrias antigas, o cozinho soltou-se das mos da dona e desatou a correr. No acreditava, no acreditava, no acreditava que aqueles dois cozarres sisudos, muito dignamente sentados nas patas traseiras, j tivessem sido como ele. Era mentira. Era impossvel. Era um disparate. No acreditava, pronto. Mas, com o tempo, acabou por acreditar... FIM 2
APENA - APDD Cofinanciado pelo POSI e pela Presidncia do Conselho de Ministros