Você está na página 1de 30
1 710 945 05:05-55 Edição 1 pb Comfort shift, CS Descrição de funcionamento © Scania
1 710 945 05:05-55 Edição 1 pb Comfort shift, CS Descrição de funcionamento © Scania

1 710 945

05:05-55

Edição 1 pb

Comfort shift, CS

Descrição de funcionamento

1 710 945 05:05-55 Edição 1 pb Comfort shift, CS Descrição de funcionamento © Scania AB,

© Scania AB, 1998-04, Sweden

Índice

Índice

Generalidades

3

Componentes do sistema CS

5

 

Caixa de mudanças (velocidades)

6

Cilindro de curso longitudinal

6

Cilindro de curso lateral

7

Cilindro de comando para as faixas de marcha

7

Sensores de posição

8

Sensor de velocidade

10

Válvulas solenóide

11

Interruptores do pedal de embreagem

11

Conjunto da alavanca de mudança

12

Indicador de marchas e alarme

14

Unidade de comando

15

Interruptor de diagnóstico do programa de teste

15

Soquete de diagnóstico

15

Relé temporizador

15

Padrão de mudança de marcha

16

Localização dos componentes da caixa de mudanças (velocidades)

17

Características de segurança integradas

19

Localização dos comandos

22

Condução

23

Percursos de sinal

27

Mudança de marcha de emergência

28

Generalidades

Generalidades

Generalidades Generalidades Comfort shift O Comfort Shift (CS) é um sistema eletro-pneu- mático de mudanças de

Comfort shift

O Comfort Shift (CS) é um sistema eletro-pneu- mático de mudanças de marcha, projetado e desenvolvido pela Scania para facilitar as mudanças de marcha e dar maior conforto ao condutor. A alavanca do CS é semelhante à ala- vanca de um carro de passageiros, e sua opera- ção é tão fácil quanto. Além disso, as marchas podem ser pré-selecionadas.

A unidade de comando e as funções operacio- nais do sistema CS são as mesmas daquelas do CS2 da Série 3, ao passo que a caixa de mudan- ças (velocidades) e a carcaça do seletor de mar- chas são as mesmas do Opticruise.

Generalidades

O sistema CS possui uma caixa de mudanças (velocidades) manual

O sistema CS é um complemento da caixa de

mudanças (velocidades) manual, na qual o mecanismo de mudança de marcha foi substitu- ído por cilindros de comando para engatar e

desengatar as marchas.

Dois cilindros de comando, um para curso lon-

gitudinal e outro para curso lateral, estão dispo- níveis na caixa principal. As faixas alta e baixa da caixa de mudanças (velocidades) são opera- dos pelos cilindros de comando da caixa de mudanças (velocidades) GR801. Os cilindros

de comando na caixa principal operam em dire-

ções que correspondem ao mesmo padrão do seletor de marchas.

Os cilindros de comando de curso longitudinal

e lateral foram projetados para fazer a mudança das marchas de forma rápida e confiável. Para

os movimentos de curso longitudinal foi colo-

cado um dispositivo amortizador, que adapta as

operações da caixa de mudanças (velocidades) ao processo de sincronização.

Um determinado número de sensores de posi- ção na caixa de mudanças (velocidades) informa à unidade de comando quando cada passo do processo de mudança de marcha foi completado e indica a marcha que foi engatada.

Existem sete válvulas solenóide no sistema CS. Cinco das quais são usadas para os cursos lon- gitudinal e lateral na caixa principal. As outras duas válvulas restantes na caixa de mudanças (velocidades) são para as faixas alta e baixa.

Unidade de comando

A unidade de comando lê a rotação do motor e

a marcha que está engatada. Quando o condu- tor seleciona uma marcha com a alavanca CS e libera o pedal de embreagem, a unidade de comando faz a mudança para a marcha pro- posta usando os cilindros de ar comprimido da

caixa de mudanças (velocidades).

A unidade de comando está programada de

acordo com o motor e a caixa de mudanças (velocidades) instalados no veículo. Os diag- nósticos de falha podem ser feitos pelo pro- grama de diagnóstico de falhas integrado ou por um equipamento de testes externo.

103 571
103 571

Componentes

Componentes do sistema CS

2 3 6 4 5 7 1 5 103 702
2
3
6
4
5 7
1
5
103 702
13 11 8 10 9 14 12 103 574
13
11
8
10
9
14
12
103 574

1 Caixa de mudanças (velocidades) manual

2 Cilindro de curso longitudinal

3 Cilindro de curso lateral

4 Cilindro de comando para seção range

5 Sensor de posição

6 Sensor de velocidade

7 Válvulas solenóides

8 Interruptores do pedal de embreagem

9 Alojamento da alavanca de mudança

10 Indicador de marcha e alarme

11 Unidade de comando e conector de código

12 Interruptor de diagnóstico do programa de teste

13 Soquete de diagnóstico

14 Relé temporizador

Componentes

1. Caixa de mudanças

(velocidades)

A caixa de mudanças (velocidades) é do tipo

manual com cilindros de ar comprimido monta-

dos no alojamento do seletor de marcha.

2. Cilindro de curso longitudinal

O cilindro de curso longitudinal realiza os movi-

mentos de mudança de marchas longitudinais. Ele tem um pistão de ação dupla e três conexões de ar para:

- Curso longitudinal à frente

- Curso longitudinal para trás

- Posição de Neutro.

As tomadas de ar dos cilindros dianteiro e tra- seiro de curso longitudinal são equipadas com válvulas do tipo borboleta para um engate mais macio das marchas.

O amortecedor de vibrações é instalado dentro

do cilindro de curso longitudinal. Ele adapta os movimentos quando uma marcha é engatada ao processo de sincronização. O amortecimento vai do Neutro para as posições à frente ou para trás.

103 572
103 572

Caixa de mudanças (velocidades)

GR801

para trás. 103 572 Caixa de mudanças (velocidades) GR801 Cilindro de curso longitudinal 6 © Scania

Cilindro de curso longitudinal

Componentes

3. Cilindro de curso lateral

O cilindro de curso lateral realiza os movimen-

tos de mudança de marchas laterais:

- Curso lateral direito

- Curso lateral esquerdo.

A posição lateral neutra é obtida com a ajuda de

um mecanismo de mola localizado na tampa do cilindro de curso lateral.

4. Cilindros de comando para a

seção range

Os cilindros de comando para a seção range mudam da faixa alta para baixa e vice-versa. Os cilindros, que ficam na caixa de mudanças (velo- cidades), trabalham em paralelo.

caixa de mudanças ( velo- cidades ), trabalham em paralelo. Cilindro de curso lateral 0 5

Cilindro de curso lateral

cidades ), trabalham em paralelo. Cilindro de curso lateral 0 5 : 0 5 - 5

Componentes

5. Sensores de posição

Os sensores de posição informam a unidade de comando quando um movimento de mudança de marcha foi completado. A mudança de marcha na caixa principal consiste de um máximo de três movimentos:

- Posição de Neutro - confirmação

- Lateral, direita/esquerda - confirmação

- Longitudinal, à frente/para trás. - confirmação

Os movimentos de mudança de marcha e as sub- seqüentes confirmações também estão envolvi- das nas mudanças entre as marchas altas e baixas da seção range.

A caixa de mudanças (velocidades) possui dois tipos diferentes de sensores de posição:

- Sensores Hall

- Interruptores de confirmação das marchas altas e baixas da seção range.

103 682
103 682

Localização dos sensores de posição

Componentes

Sensores Hall

Os sensores Hall são uma forma sem-contato de confirmação dos movimentos de mudança de marcha realizados na caixa da mudanças (velo- cidades) principal. A peça de confirmação do sensor reage e é comandada por um campo mag- nético. Ela consiste de duas partes:

- Carcaça do magneto

- Carcaça do sensor

A carcaça do magneto está localizada por baixo

do eixo do seletor de marchas. As peças eletrô- nicas dos sensores estão inseridas na carcaça do sensor. A localização dos sensores é de tal modo

que a unidade de comando pode ler os movi- mentos do seletor de marchas da caixa de mudanças (velocidades). Veja a seção sobre ”padrão de mudança de marcha” para maiores informações.

Quando se inicia um movimento de mudança de marcha, os sensores são ativados e a linha de sinal torna-se condutiva.

O circuito de sensores tem 5 linhas de sinal for-

necendo nove combinações de sinal que podem

ser lidas pela unidade de comando: N, NL, NR,

F, FL, FR, B, BL e BR. Um movimento é divi-

dido em marchas laterais tais como N NL e marchas longitudinais tais como NL BL.

Nota: O seletor de marchas da GR801 não pos- sui marcha para trás à direita (BR). Veja as figu- ras abaixo.

marcha para trás à direita (BR). Veja as figu- ras abaixo. Sensores Hall L = Esquerda

Sensores Hall

à direita (BR). Veja as figu- ras abaixo. Sensores Hall L = Esquerda R = Direita

L

= Esquerda

R

= Direita

F

= À frente

B

= Para trás

Padrão de movimentos do seletor de marchas da GR801

Componentes

Interruptores de confirmação

Os interruptores elétricos de confirmação de per- cepção de movimento estão localizados na seção de range da caixa de mudanças (velocidades) e estão fechados quando não influenciados.

6. Sensor de velocidade

Um sensor de velocidade lê a velocidade do veí- culo através do movimento giratório de uma roda dentada. O sinal informa à unidade de comando a velocidade do veículo.

informa à unidade de comando a velocidade do veículo. Interruptor de confirmação Interruptor de confirmação na

Interruptor de confirmação

a velocidade do veículo. Interruptor de confirmação Interruptor de confirmação na seção de range A =

Interruptor de confirmação na seção de range

A = Alto

B = Baixo

de confirmação na seção de range A = Alto B = Baixo Sensor de velocidade 10

Sensor de velocidade

Componentes

103 704

7. Válvulas solenóides

As válvulas solenóides são comandadas pela unidade de comando. Elas regulam o fluxo de ar para os cilindros de comando.

Quando um movimento de mudança de marcha foi completado, os sensores de posição infor- mam a unidade de comando e a ativação é termi- nada. O cilindro de comando é então liberado pela válvula solenóide.

Existem sete válvulas solenóides no sistema CS, cinco das quais são usadas para marchas longi- tudinais e laterais na caixa principal. As duas outras válvulas restantes são usadas para as fai- xas alta e baixa da seção range.

8. Interruptores do pedal de

embreagem

A posição do pedal de embreagem é lida por um interruptor superior e outro inferior.

- O interruptor superior detecta que o pedal está na posição liberada, de modo que a uni- dade de comando pode verificar se o sensor de velocidade está funcionando. Quando o pedal é pressionado, o interruptor conecta um relé à massa, o qual transmite um sinal de +24V para a unidade de comando.

- O interruptor inferior fecha sempre que o pedal de embreagem é completamente pressio- nado, fazendo com que a unidade de comando o perceba e ative as válvulas solenóide.

Ambos os interruptores têm de estar fechados e o pedal de embreagem pressionado para que se possa mudar uma marcha.

embreagem pressionado para que se possa mudar uma marcha. Interruptores do pedal de embreagem A =
embreagem pressionado para que se possa mudar uma marcha. Interruptores do pedal de embreagem A =

Interruptores do pedal de embreagem

A = Interruptor superior

B = Interruptor inferior

Componentes

103 590

9. Alojamento da alavanca de mudança

O alojamento da alavanca de mudança de mar-

chas consiste do seguinte:

-

alavanca CS

-

microinterruptores

-

uma válvula de bloqueio

-

um botão de mudança de marchas de emer- gência

Alavanca CS

A alavanca CS é usada para comandar a marcha

desejada. Existem sete marchas à frente e uma à

ré. Para engatar a primeira e a ré, uma trava mecânica deve primeiramente ser levantada na alavanca CS.

A alavanca CS tem quatro posições laterais e

cinco longitudinais (veja a ilustração).

Quando o condutor move a alavanca para a posi- ção desejada, a alavanca CS pára na posição de mudança de marcha. Quando a mudança for completada na caixa de mudanças (velocidades), o condutor move a alavanca CS para a posição de condução para completar a operação de mudança de marcha.

Microinterruptores

A alavanca CS ativa sete microinterruptores,

quatro laterais (A-D) e três longitudinais (X-Z).

Veja as ilustrações.

Os microinterruptores lêem a posição da ala- vanca CS e transmitem a informação da marcha desejada para a unidade de comando.

103 589
103 589

Alojamento da alavanca de mudança

R

2

4

6

A

B

C

D

1

3

5

7

ZR 2 4 6 A B C D 1 3 5 7 Y X Y Z

YR 2 4 6 A B C D 1 3 5 7 Z X Y Z

X2 4 6 A B C D 1 3 5 7 Z Y Y Z A-D.

Y2 4 6 A B C D 1 3 5 7 Z Y X Z A-D.

Z4 6 A B C D 1 3 5 7 Z Y X Y A-D. Posições

A-D. Posições laterais

X. Neutro

Y. Posição de mudança de marcha

Z. Condução

Componentes

Válvula de bloqueio

A válvula de bloqueio mantém a alavanca CS na posição de mudança de marcha até que a opera- ção de mudança de marcha tenha sido comple- tada na caixa de mudanças (velocidades). O bloqueio é então desfeito e o condutor pode mover a alavanca para a posição de condução.

Se o condutor mover a alavanca CS muito rápido e a válvula de bloqueio não conseguir tra- var a alavanca a tempo, uma chave mecânica no alojamento da alavanca de marcha evitará que a alavanca CS passe para a posição de condução até que a caixa de mudanças (velocidades) tenha terminado de completar a operação de mudança de marcha.

Botão para mudança de marcha de emergência

Existe uma portinhola atrás da alavanca CS. Embaixo desta portinhola há um botão de emer- gência para mudança de marcha e um interrup- tor para a marcha-à-ré.

mudança de marcha e um interrup- tor para a marcha-à-ré. 0 5 : 0 5 -

Componentes

108377

10. Indicador de marcha e alarme

O indicador de marcha é uma peça do instru-

mento combinado. Ele consiste de quatro

peças:

-

um visor de 8 dígitos

-

um alarme

-

iluminação de fundo

-

uma luz indicadora (não influencia as fun- ções do sistema)

O

indicador de marchas realiza duas funções

durante a condução:

Indica a marcha selecionada

Um número ou letra no meio do indicador mostra com uma luz fixa a marcha engatada.

Informa mau funcionamento com um código

Veja a seção sobre ”Características de segu- rança integradas”.

Sinais de alarme

O alarme é comandado pela unidade de

comando. A sua função é informar ao condutor através de sinais sonoros que a unidade de comando descobriu uma falha no sistema ou que o condutor fez algo errado, tal como sele- cionar uma marcha muito baixa.

Veja a seção sobre ”Características de segu- rança integradas”.

sobre ”Características de segu- rança integradas”. Indicador de marchas Iluminação de fundo O indicador de

Indicador de marchas

Iluminação de fundo

O indicador de marchas tem uma iluminação de fundo para assegurar a sua visibilidade. Quando o interruptor de luz está em 0, a ilumi- nação de fundo está com plena carga; quando está na posição de estacionamento ou farol baixo, a iluminação de fundo acompanha o reostato para a iluminação dos instrumentos.

Nota: A luz da iluminação de fundo deve estar em bom estado para que o indicador de mar- chas funcione.

Componentes

11. Unidade de comando

A unidade de comando recebe informação da

alavanca CS e comanda a escolha da marcha. Ela também comanda o processo de mudança de marcha na caixa de mudanças (velocidades) através das válvulas solenóides e sensores de posição.

A adaptação aos diferentes trans de força é feita

através de um conector de código que programa a unidade de comando para a caixa de mudanças (velocidades) e o motor em questão. (Veja a tabela ”Especificações” na descrição de serviço) Há um conector de 55 pinos na unidade de comando que conecta os vários componentes no sistema CS. A unidade de comando possui um programa de teste integrado.

12. Interruptor de diagnóstico do

programa de teste

A unidade de comando possui um programa de

teste integrado que é ativado através de um interruptor na unidade elétrica central (o veículo deve estar estacionado). O programa localiza

rapidamente quaisquer falhas.

13. Soquete de diagnóstico

Até a presente data, não há programa de diag- nóstico disponível para o sistema CS nos ônibus da série 4.

14. Relé temporizador

Se uma marcha ainda estiver engatada quando o motor é desligado com a chave de partida (arranque), o relé temporizador mantém uma tensão de alimentação por mais dez segundos. O Temporizador possibilita à unidade de comando avisar ao condutor que uma marcha ainda está engatada e fornece ao condutor a possibilidade de desengatar esta marcha sem ter que ligar o veículo para realizar a mudança.

Control Unit Gearbox xyzzxy xxyy zz xx11 xyzzxy xxyy zz xyzzxy xxyy zz xx11 xyzzxy
Control Unit Gearbox
xyzzxy xxyy zz
xx11 xyzzxy xxyy zz
xyzzxy xxyy zz
xx11 xyzzxy xxyy zz
xx11 xyzzxy xxyy zz
xyzzxy xxyy zz
xx11 xyzzxy xxyy zz
xyzzxy xxyy zz
A
B
Unidade de comando
103 592

A = Conector de código

B = Conector

de comando 103 592 A = Conector de código B = Conector Interruptor do programa de

Interruptor do programa de teste integrado

B = Conector Interruptor do programa de teste integrado Soquete de diagnóstico 0 5 : 0

Soquete de diagnóstico

Padrão de mudança de marcha

Padrão de mudança de marcha

Um veículo equipado com o sistema CS possui uma caixa de mudanças (velocidades) manual. As posições das marchas correspondem, por- tanto, ao padrão de movimento do seletor de marchas.

por- tanto, ao padrão de movimento do seletor de marchas. L = Esquerda R = Direita

L

= Esquerda

R

= Direita

F

= À frente

B

= Para trás

R = Direita F = À frente B = Para trás Padrão de movimentos do seletor

Padrão de movimentos do seletor de marchas da GR801

Localização dos componentes

Localização dos componentes da caixa de mudanças

(velocidades)

dos componentes da caixa de mudanças ( velocidades ) Válvulas solenóides Denominação Função Conexão

Válvulas solenóides

Denominação

Função

Conexão

V20

Curso lateral, direita

A5

V21

Curso lateral, esquerda

A4

V22

Curso longitudinal, Neutro

A2

V23

Curso longitudinal, para trás

A1

V24

Curso longitudinal, à frente

A3

V63

Faixa baixa

A6

V78

Faixa alta

A7

Localização dos componentes

Localização dos componentes Interruptores Denominação Função B16 Luzes de ré B500 Neutro - caixa

Interruptores

Denominação

Função

B16

Luzes de ré

B500

Neutro - caixa de mudanças (velocidades)

Conectores

Denominação

Função

C97

7-pinos

C99

10-pinos

C142

7-pinos

C202

2-pinos

C203

2-pinos

Sensores de posição

Denominação

Função

 

Direita

Esquerda

E6

Para trás

Neutro

À frente

B41

Range, alto

B42

Range, baixo

Sensor de velocidade

Denominação

Função

T17

Sensor de freqüência

Características de segurança integradas

Características de segurança integradas

Proteção contra excesso de rota- ção

A proteção contra excesso de rotação previne que uma marcha selecionada seja muito baixa para a velocidade do veículo.

Se a marcha desejada fizer o motor girar acima de 3.000 rpm, esta marcha não será engatada e o alarme disparará. O alarme desliga quando a alavanca for posicionada em Neutro ou se o veículo perder velocidade.

Monitoramento da velocidade

Sensor de velocidade

Uma função de controle da unidade de comando monitora a velocidade. Se a embrea- gem estiver liberada e uma marcha com uma relação menor que 8:1 estiver engatada (i.e., marchas de 2 a 7 na GR801), a unidade de comando presume que a velocidade seja regis- trada pelo sensor de velocidade.

Se a leitura estiver incorreta ou for interpretada como zero pela unidade de comando por um período de 10 segundos, o alarme soará e só será possível a seleção de uma marcha mais alta ou Neutro. A falha pode ocorrer devido a um curto-circuito ou a uma ruptura da fiação.

Interruptores do pedal de embreagem

Existe um interruptor inferior e um superior próximos ao pedal de embreagem. Eles infor- mam à unidade de comando através de um sinal se o pedal está na posição liberada ou pressionada.

Ambos os interruptores devem estar funcio- nando corretamente para que uma mudança de marcha seja possível. Se um deles estiver emi- tindo um sinal de falha, só será possível mudar a marcha para Neutro ou para uma marcha mais alta.

O interruptor superior registra até mesmo leves pressões no pedal, o que significa que informa- ções incorretas podem ser transmitidas à uni- dade de comando se o condutor estiver dirigindo com o pé sobre o pedal de embreagem.

Se houver uma quebra em algum dos interrup- tores do pedal de embreagem, não será possível mudar as marchas.

Para reiniciar a unidade de comando:

- Desligue o motor.

- Ligue o motor novamente.

Características de segurança integradas

Retardamento de tempo para a marcha-à-ré

Quando o condutor seleciona a marcha-à-ré, há um retardamento de três segundos antes de a marcha ser engatada, de modo a proteger a caixa de mudanças (velocidades).

Bloqueio de marcha

Uma válvula de bloqueio no alojamento da ala- vanca de mudança trava a alavanca CS na posi- ção de condução se o motor for desligado quando uma marcha ainda estiver engatada. Para engatar Neutro na caixa de mudanças (velocidades), o condutor deve primeiro liberar a embreagem e posicionar a alavanca CS na posição Neutro. Se isto não for feito, a baixa pressão de ar pode dificultar o pressionamento do pedal de embreagem quando o motor for ligado novamente.

Proteção contra mudança de marcha de emergência em condições normais

Se a função de mudança de marcha de emer- gência for usada em condições de condução normal, a unidade de comando fará com que a caixa de mudanças (velocidades) engate Neu- tro e permaneça assim enquanto o veículo esti- ver se movendo. A unidade de comando então irá se auto-desconectar permitindo apenas o uso das marchas de emergência. Para que a unidade de comando retome as suas funções operacionais, a alimentação de energia para a unidade de comando deve ser interrompida e o botão deve ser colocado na posição D.

Características de segurança integradas

108 379

Sinais de alarme

Sinais curtos de alarme avisam ao condutor para não deixar o veículo com uma marcha engatada

e o motor desligado. Devido ao fato de a embre-

agem trabalhar com ar comprimido, ficará difícil de operá-la se o veículo permanecer por muito tempo nessa condição e o sistema de ar compri-

mido perder toda a pressão. O sinal é emitido por 10 segundos.

Sinais rápidos são um aviso de que a velocidade está incorreta.

Sinais ultra-rápidos informam ao condutor que

a proteção contra excesso de rotação foi conec- tada.

Mensagens de falha

Algumas mensagens de falha aparecem no indi- cador de marchas quando o veículo está sendo conduzido.

”CODEPLUG”

O conector de código está

”BLACKBOX”

danificado, ausente ou inde- finido. 1) Falha interna na unidade de

”ERROR1”

comando. 1) O indicador está recebendo

”ERROR2”

sinais falhos da unidade de controle. 2) O indicador não está rece- bendo nenhum sinal da uni- dade de comando. 2)

1) O veículo não pode ser conduzido sem engatar

a função de mudança de marcha de emergência.

2) A unidade de comando está trabalhando nor- malmente mas o condutor não está recebendo informações com relação à marcha engatada.

recebendo informações com relação à marcha engatada. 0 5 : 0 5 - 5 5 p
recebendo informações com relação à marcha engatada. 0 5 : 0 5 - 5 5 p
recebendo informações com relação à marcha engatada. 0 5 : 0 5 - 5 5 p
recebendo informações com relação à marcha engatada. 0 5 : 0 5 - 5 5 p

Condução

Localização dos Comandos

1 2 3 103 594
1
2
3
103 594

1 Indicador de marchas e alarme

2 Alavanca CS

3 Botão de mudança de marcha de emergência

Condução

108 378

108 380

Condução

Ligando o motor

1 Gire a chave de partida (arranque) para a posição de condução.

2 Pise na embreagem se o indicador de mar- chas não exibir N. Posicione a alavanca de mudança em Neutro.

A caixa de mudanças (velocidades) engatará

Neutro, desde que haja pressão de ar suficiente.

Se a pressão de ar for insuficiente, pressione o pedal de embreagem ao ligar o motor. O pedal

ficará difícil de operar se não houver pressão de

ar

no sistema.

3

O indicador de marchas exibe N.

4

Ligue o motor.

Saindo com o veículo

1 Pise na embreagem.

2 Selecione a marcha inicial com a alavanca CS. Quando o movimento for completado, uma confirmação é enviada para a unidade de comando a qual então envia um sinal para a alavanca de mudança. A trava é libe- rada e a alavanca CS pode ser movida para a posição de condução.

3 Libere o freio de estacionamento (travão de parque).

4 Libere a embreagem e acelere.

( travão de parque ). 4 Libere a embreagem e acelere. 0 5 : 0 5
( travão de parque ). 4 Libere a embreagem e acelere. 0 5 : 0 5
( travão de parque ). 4 Libere a embreagem e acelere. 0 5 : 0 5
( travão de parque ). 4 Libere a embreagem e acelere. 0 5 : 0 5

Condução

108 380

Mudança de marcha

Mudando de marcha sem pré-seleção

1 Pise na embreagem.

2 Mova a alavanca de mudanças para a posi- ção desejada. Quando a mudança for com- pletada na caixa de mudanças (velocidades), a alavanca CS pode ser movida para a posi- ção de condução.

3 Libere a embreagem.

Mudança de marchas com pré-seleção

Quando uma marcha é engatada, a alavanca CS pode ser movida para fora da posição de condu- ção sem pressionar o pedal de embreagem e pode ser colocada em outra posição de mudança de marcha para a pré-seleção.

1 Mova a alavanca CS para a posição dese- jada. Segure a alavanca na posição, caso contrário, ela retornará à posição de Neutro.

2 Pise na embreagem, fazendo com que a marcha engate na caixa de mudanças (velo- cidades) e a alavanca CS possa ser movida para a posição de condução.

3 Libere a embreagem.

para a posição de condução. 3 Libere a embreagem. 103 596 103 597 24 © Scania
103 596
103 596
103 597
103 597

Condução

Marcha-à-ré

Mudando de marcha sem pré-seleção

Nota: é importante observar a ordem correta. O veículo deve estar estacionário, caso contrário, a caixa de mudanças (velocidades) pode ser danifi- cada.

1 Pise na embreagem e espere cinco segundos.

2 Levante a luva por baixo da alavanca CS e mova a alavanca para a posição de marcha-à- ré.

3 Quando a marcha-à-ré estiver engatada e a trava liberada, mova a alavanca CS para a posição de condução.

4 Libere a embreagem e acelere.

Mudança de marchas com pré-seleção

O veículo deve estar estacionário, caso contrário a caixa de mudanças (velocidades) pode ser danifi- cada. A caixa de mudanças (velocidades) deve estar em Neutro.

1 Levante a luva por baixo da alavanca CS e mova a alavanca para a posição de marcha-à-ré.

2 Pise na embreagem. Após três segundos, a marcha engata na caixa de mudanças (veloci- dades), a trava é liberada e a alavanca CS pode ser movida para a posição de condução.

3 Libere a embreagem e acelere.

5s 103 598
5s
103 598
de condução. 3 Libere a embreagem e acelere. 5s 103 598 0 5 : 0 5
de condução. 3 Libere a embreagem e acelere. 5s 103 598 0 5 : 0 5
de condução. 3 Libere a embreagem e acelere. 5s 103 598 0 5 : 0 5

Condução

103 595

Estacionamento

1 Pise na embreagem.

2 Posicione a alavanca CS em Neutro. O indi- cador de marchas exibe N.

3 Aplique o freio de estacionamento (travão de parque).

4 Sinais curtos do alarme avisam que a caixa de mudanças não está em Neutro quando o motor é desligado. Os sinais são emitidos por 10 segundos.

N 103 599
N
103 599

Percursos de sinal

Percursos de sinal

A unidade de comando recebe informações de várias funções. A seleção de marchas é comandada pela alavanca CS. Quando o pedal de embreagem é pressionado, a unidade de comando recebe uma ordem para mudar de marcha. O sinal é enviado para as válvulas solenóides que realizam a operação usando ar comprimido. Um bloqueio na alavanca CS indica que a operação de mudança de marcha está completada. O alarme no indicador de marchas avisa qualquer mau funcionamento.

103 571
103 571

Sinal para a unidade de comando proveniente de:

A unidade de comando percebe:

O

sensor de velocidade

Velocidade atual.

Os sensores de posição

Marcha engatada e movimentos de mudança de marcha completados.

A

alavanca CS

A

unidade de comando percebe a marcha

 

selecionada.

Os interruptores do pedal de embreagem (2)

A

posição do pedal de embreagem.

Sinal da unidade de comando enviado para:

Resultados em:

O

indicador de marchas

Um símbolo no meio com uma luz fixa - marcha engatada.

O

alarme

Aviso sobre mau funcionamento.

As válvulas solenóides

Controle do processo de mudança de marcha.

A

válvula de bloqueio na alavanca CS

Indicação da mudança de marcha completada.

Mudança de marcha de emergência

103 699

Mudança de marcha de emergência

Se o sistema CS não estiver funcionando, o sis- tema de mudança de marcha de emergência pode ser usado em seu lugar.

Ele pode ser usado se houver uma falha na ala- vanca CS, unidade de comando ou sensores de posição. Entretanto, o sistema de ar compri- mido, cilindros de ar comprimido e válvulas solenóides devem estar funcionando.

A troca de função para a mudança de marcha de emergência é feita através de um botão locali- zado por baixo de uma portinhola no alojamento da alavanca de mudanças. Marcha-à-ré (R) e três marchas à frente (2ª, 4ª e 5ª) ficam acessíveis.

Se a função de emergência não estiver funcio- nando devido a uma falha na unidade de comando, então a unidade de comando deve ser desconectada retirando-se o conector de 55- pinos.

Indicador de marchas

Devido ao fato de que a função de mudança de marchas de emergência é usada quando existe uma falha no sistema CS, é possível que a infor- mação mostrada no indicador de marchas, quanto à marcha engatada, não esteja correta.

Preparações para a mudança de marcha de emergência

Verifique os fusíveis 5 e 14 e troque-os se necessário.

Verifique os fusíveis 5 e 14 e troque-os se necessário. RP14 RP15 RP16 RP17 RP18 RP19
RP14 RP15 RP16 RP17 RP18 RP19 RP20 RP21 RP22 RP23 RP24 RP25 RP26 RP27 RP28
RP14
RP15
RP16
RP17
RP18
RP19
RP20
RP21
RP22
RP23
RP24
RP25
RP26
RP27
RP28
RP7
RP8
RP9
RP10
RP11
RP12
RP13
RP29
RP30
RP31
RP32
RP33
46
47
48
49
50
51
RP1
RP2
RP3
RP4
RP5
RP6
RP34
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12 13
14 15
16 17
18
19 20
21
22
23
24
25 26
27
28 29
30
31 32
33
34
35
36
37
38
39

Mudança de marcha de emergência

Dirigindo com a função de mudança de marcha de emergência

Desparafuse a portinhola atrás da alavanca CS.

!
!

ATENÇÃO!

A função de emergência não está equi- pada com a proteção contra excesso de rotação. Tome muito cuidado ao mudar de marcha.

excesso de rotação. Tome muito cuidado ao mudar de marcha. Dirigindo para frente 1 Pise na
excesso de rotação. Tome muito cuidado ao mudar de marcha. Dirigindo para frente 1 Pise na

Dirigindo para frente

1 Pise na embreagem.

2 Gire o botão para a posição 2.

3 Libere a embreagem e acelere.

Selecione as outras marchas usando o botão de emergência e libere a embreagem normalmente.

o botão de emergência e libere a embreagem normalmente. 103 600 0 5 : 0 5
o botão de emergência e libere a embreagem normalmente. 103 600 0 5 : 0 5
103 600
103 600

Mudança de marcha de emergência

Marcha-à-ré

1 Pise na embreagem.

2 Gire o botão para a posição R.

3 Pressione o interruptor à esquerda do botão e mantenha-o pressionado por cinco segundos.

4 Libere a embreagem e acelere.

Após dirigir com a função de mudança de marcha de emergência

IMPORTANTE! O botão deve estar na posição D quando a função de mudança de marcha de emergência não estiver em uso.

de mudança de marcha de emergência não estiver em uso. 30 © Scania CV AB 1998
de mudança de marcha de emergência não estiver em uso. 30 © Scania CV AB 1998