P. 1
Lei n. 10.741.2003 - Estatuto Do Idoso

Lei n. 10.741.2003 - Estatuto Do Idoso

5.0

|Views: 1.717|Likes:
Publicado porTâmara Monteiro

More info:

Published by: Tâmara Monteiro on Jun 11, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/25/2015

pdf

text

original

LEI Nº 10.741, DE 1º DE OUTUBRO DE 2003-(DOU 03.10.

2003)-Dispõe sobre o Estatuto
do Idoso, e dá outras providências.
O Presidente da Repb!ica
"a#o saber $ue o %on&resso 'aciona! decreta e eu sanciono a se&uinte (ei)
*+*U(O ,
D,-PO-,./0- PR0(,1,'2R0-
2rt. 13 4 institu5do o 0statuto do ,doso6 destinado a re&u!ar os direitos asse&urados 7s
pessoas co8 idade i&ua! ou superior a 90 (sessenta) anos.
Doutrina :incu!ada
2rt. 23 O idoso &o;a de todos os direitos <unda8entais inerentes 7 pessoa =u8ana6 se8
pre>u5;o da prote#?o inte&ra! de $ue trata esta (ei6 asse&urando-se-!=e6 por !ei ou por
outros 8eios6 todas as oportunidades e <aci!idades6 para preserva#?o de sua sade <5sica
e 8enta! e seu aper<ei#oa8ento 8ora!6 inte!ectua!6 espiritua! e socia!6 e8 condi#ões de
!iberdade e di&nidade.
2rt. 33 4 obri&a#?o da <a85!ia6 da co8unidade6 da sociedade e do Poder Pb!ico asse&urar
ao idoso6 co8 abso!uta prioridade6 a e<etiva#?o do direito 7 vida6 7 sade6 7 a!i8enta#?o6 7
educa#?o6 7 cu!tura6 ao esporte6 ao !a;er6 ao traba!=o6 7 cidadania6 7 !iberdade6 7
di&nidade6 ao respeito e 7 convivência <a8i!iar e co8unitária.
Pará&ra<o nico. 2 &arantia de prioridade co8preende)
, - atendi8ento pre<erencia! i8ediato e individua!i;ado >unto aos @r&?os pb!icos e privados
prestadores de servi#os 7 popu!a#?oA
,, - pre<erência na <or8u!a#?o e na eBecu#?o de po!5ticas sociais pb!icas espec5<icasA
,,, - destina#?o privi!e&iada de recursos pb!icos nas áreas re!acionadas co8 a prote#?o
ao idosoA
,: - viabi!i;a#?o de <or8as a!ternativas de participa#?o6 ocupa#?o e conv5vio do idoso co8
as de8ais &era#õesA
: - priori;a#?o do atendi8ento do idoso por sua pr@pria <a85!ia6 e8 detri8ento do
atendi8ento asi!ar6 eBceto dos $ue n?o a possua8 ou care#a8 de condi#ões de
8anuten#?o da pr@pria sobrevivênciaA
:, - capacita#?o e recic!a&e8 dos recursos =u8anos nas áreas de &eriatria e &eronto!o&ia
e na presta#?o de servi#os aos idososA
:,, - estabe!eci8ento de 8ecanis8os $ue <avore#a8 a divu!&a#?o de in<or8a#ões de
caráter educativo sobre os aspectos biopsicossociais de enve!=eci8entoA
:,,, - &arantia de acesso 7 rede de servi#os de sade e de assistência socia! !ocais.
1
2rt. C3 'en=u8 idoso será ob>eto de $ua!$uer tipo de ne&!i&ência6 discri8ina#?o6 vio!ência6
crue!dade ou opress?o6 e todo atentado aos seus direitos6 por a#?o ou o8iss?o6 será
punido na <or8a da !ei.
D 13 4 dever de todos prevenir a a8ea#a ou vio!a#?o aos direitos do idoso.
D 23 2s obri&a#ões previstas nesta (ei n?o eBc!ue8 da preven#?o outras decorrentes dos
princ5pios por e!a adotados.
2rt. E3 2 inobservFncia das nor8as de preven#?o i8portará e8 responsabi!idade 7 pessoa
<5sica ou >ur5dica nos ter8os da !ei.
2rt. 93 *odo cidad?o te8 o dever de co8unicar 7 autoridade co8petente $ua!$uer <or8a
de vio!a#?o a esta (ei $ue ten=a teste8un=ado ou de $ue ten=a con=eci8ento.
2rt. G3 Os %onse!=os 'aciona!6 0staduais6 do Distrito "edera! e 1unicipais do ,doso6
previstos na (ei n3 H.HC26 de C de >aneiro de 1IIC6 ;e!ar?o pe!o cu8pri8ento dos direitos
do idoso6 de<inidos nesta (ei.
*+*U(O ,,
DO- D,R0,*O- "U'D210'*2,-
%2P+*U(O ,
DO D,R0,*O J :,D2
2rt. H3 O enve!=eci8ento K u8 direito persona!5ssi8o e a sua prote#?o u8 direito socia!6
nos ter8os desta (ei e da !e&is!a#?o vi&ente.
2rt. I3 4 obri&a#?o do 0stado6 &arantir 7 pessoa idosa a prote#?o 7 vida e 7 sade6
8ediante e<etiva#?o de po!5ticas sociais pb!icas $ue per8ita8 u8 enve!=eci8ento
saudáve! e e8 condi#ões de di&nidade.
%2P+*U(O ,,
DO D,R0,*O J (,L0RD2D06 2O R0-P0,*O 0 J D,M',D2D0
2rt. 10. 4 obri&a#?o do 0stado e da sociedade6 asse&urar 7 pessoa idosa a !iberdade6 o
respeito e a di&nidade6 co8o pessoa =u8ana e su>eito de direitos civis6 po!5ticos6
individuais e sociais6 &arantidos na %onstitui#?o e nas !eis.
D 13 O direito 7 !iberdade co8preende6 entre outros6 os se&uintes aspectos)
, - <acu!dade de ir6 vir e estar nos !o&radouros pb!icos e espa#os co8unitários6
ressa!vadas as restri#ões !e&aisA
,, - opini?o e eBpress?oA
,,, - cren#a e cu!to re!i&iosoA
,: - prática de esportes e de diversõesA
: - participa#?o na vida <a8i!iar e co8unitáriaA
2
:, - participa#?o na vida po!5tica6 na <or8a da !eiA
:,, - <acu!dade de buscar re<&io6 auB5!io e orienta#?o.
D 23 O direito ao respeito consiste na invio!abi!idade da inte&ridade <5sica6 ps5$uica e 8ora!6
abran&endo a preserva#?o da i8a&e86 da identidade6 da autono8ia6 de va!ores6 idKias e
cren#as6 dos espa#os e dos ob>etos pessoais.
D 33 4 dever de todos ;e!ar pe!a di&nidade do idoso6 co!ocando-o a sa!vo de $ua!$uer
trata8ento desu8ano6 vio!ento6 aterrori;ante6 veBat@rio ou constran&edor.
%2P+*U(O ,,,
DO- 2(,10'*O-
2rt. 11. Os a!i8entos ser?o prestados ao idoso na <or8a da !ei civi!.
2rt. 12. 2 obri&a#?o a!i8entar K so!idária6 podendo o idoso optar entre os prestadores.
2rt. 13. 2s transa#ões re!ativas a a!i8entos poder?o ser ce!ebradas perante o Pro8otor de
Nusti#a6 $ue as re<erendará6 e passar?o a ter e<eito de t5tu!o eBecutivo eBtra>udicia! nos
ter8os da !ei processua! civi!.
2rt. 1C. -e o idoso ou seus <a8i!iares n?o possu5re8 condi#ões econO8icas de prover o
seu sustento6 i8põe-se ao Poder Pb!ico esse provi8ento6 no F8bito da assistência
socia!.
%2P+*U(O ,:
DO D,R0,*O J -2PD0
2rt. 1E. 4 asse&urada a aten#?o inte&ra! 7 sade do idoso6 por inter8Kdio do -iste8a
Pnico de -ade - -U-6 &arantindo-!=e o acesso universa! e i&ua!itário6 e8 con>unto
articu!ado e cont5nuo das a#ões e servi#os6 para a preven#?o6 pro8o#?o6 prote#?o e
recupera#?o da sade6 inc!uindo a aten#?o especia! 7s doen#as $ue a<eta8
pre<erencia!8ente os idosos.
D 13 2 preven#?o e a 8anuten#?o da sade do idoso ser?o e<etivadas por 8eio de)
, - cadastra8ento da popu!a#?o idosa e8 base territoria!A
,, - atendi8ento &eriátrico e &eronto!@&ico e8 a8bu!at@riosA
,,, - unidades &eriátricas de re<erência6 co8 pessoa! especia!i;ado nas áreas de &eriatria e
&eronto!o&ia socia!A
,: - atendi8ento do8ici!iar6 inc!uindo a interna#?o6 para a popu!a#?o $ue de!e necessitar e
este>a i8possibi!itada de se !oco8over6 inc!usive para idosos abri&ados e aco!=idos por
institui#ões pb!icas6 <i!antr@picas ou se8 <ins !ucrativos e eventua!8ente conveniadas co8
o Poder Pb!ico6 nos 8eios urbano e rura!A
3
: - reabi!ita#?o orientada pe!a &eriatria e &eronto!o&ia6 para redu#?o das se$Qe!as
decorrentes do a&ravo da sade.
D 23 ,ncu8be ao Poder Pb!ico <ornecer aos idosos6 &ratuita8ente6 8edica8entos6
especia!8ente os de uso continuado6 assi8 co8o pr@teses6 @rteses e outros recursos
re!ativos ao trata8ento6 =abi!ita#?o ou reabi!ita#?o.
D 33 4 vedada a discri8ina#?o do idoso nos p!anos de sade pe!a cobran#a de va!ores
di<erenciados e8 ra;?o da idade.
D C3 Os idosos portadores de de<iciência ou co8 !i8ita#?o incapacitante ter?o atendi8ento
especia!i;ado6 nos ter8os da !ei.
2rt. 19. 2o idoso internado ou e8 observa#?o K asse&urado o direito a aco8pan=ante6
devendo o @r&?o de sade proporcionar as condi#ões ade$uadas para a sua per8anência
e8 te8po inte&ra!6 se&undo o critKrio 8Kdico.
Pará&ra<o nico. %aberá ao pro<issiona! de sade responsáve! pe!o trata8ento conceder
autori;a#?o para o aco8pan=a8ento do idoso ou6 no caso de i8possibi!idade6 >usti<icá-!a
por escrito.
2rt. 1G. 2o idoso $ue este>a no do85nio de suas <acu!dades 8entais K asse&urado o direito
de optar pe!o trata8ento de sade $ue !=e <or reputado 8ais <avoráve!.
Pará&ra<o nico. '?o estando o idoso e8 condi#ões de proceder 7 op#?o6 esta será <eita)
, - pe!o curador6 $uando o idoso <or interditadoA
,, - pe!os <a8i!iares6 $uando o idoso n?o tiver curador ou este n?o puder ser contactado e8
te8po =ábi!A
,,, - pe!o 8Kdico6 $uando ocorrer i8inente risco de vida e n?o =ouver te8po =ábi! para
consu!ta a curador ou <a8i!iarA
,: - pe!o pr@prio 8Kdico6 $uando n?o =ouver curador ou <a8i!iar con=ecido6 caso e8 $ue
deverá co8unicar o <ato ao 1inistKrio Pb!ico.
2rt. 1H. 2s institui#ões de sade deve8 atender aos critKrios 85ni8os para o atendi8ento
7s necessidades do idoso6 pro8ovendo o treina8ento e a capacita#?o dos pro<issionais6
assi8 co8o orienta#?o a cuidadores <a8i!iares e &rupos de auto-a>uda.
2rt. 1I. Os casos de suspeita ou con<ir8a#?o de 8aus tratos contra idoso ser?o
obri&atoria8ente co8unicados pe!os pro<issionais de sade a $uais$uer dos se&uintes
@r&?os)
, - autoridade po!icia!A
,, - 1inistKrio Pb!icoA
,,, - %onse!=o 1unicipa! do ,dosoA
4
,: - %onse!=o 0stadua! do ,dosoA
: - %onse!=o 'aciona! do ,doso.
%2P+*U(O :
D2 0DU%2.RO6 %U(*UR26 0-POR*0 0 (2S0R
2rt. 20. O idoso te8 direito a educa#?o6 cu!tura6 esporte6 !a;er6 diversões6 espetácu!os6
produtos e servi#os $ue respeite8 sua pecu!iar condi#?o de idade.
2rt. 21. O Poder Pb!ico criará oportunidades de acesso do idoso 7 educa#?o6 ade$uando
curr5cu!os6 8etodo!o&ias e 8ateria! didático aos pro&ra8as educacionais a e!e destinados.
D 13 Os cursos especiais para idosos inc!uir?o contedo re!ativo 7s tKcnicas de
co8unica#?o6 co8puta#?o e de8ais avan#os tecno!@&icos6 para sua inte&ra#?o 7 vida
8oderna.
D 23 Os idosos participar?o das co8e8ora#ões de caráter c5vico ou cu!tura!6 para
trans8iss?o de con=eci8entos e vivências 7s de8ais &era#ões6 no sentido da
preserva#?o da 8e8@ria e da identidade cu!turais.
2rt. 22. 'os curr5cu!os 85ni8os dos diversos n5veis de ensino <or8a! ser?o inseridos
contedos vo!tados ao processo de enve!=eci8ento6 ao respeito e 7 va!ori;a#?o do idoso6
de <or8a a e!i8inar o preconceito e a produ;ir con=eci8entos sobre a 8atKria.
2rt. 23. 2 participa#?o dos idosos e8 atividades cu!turais e de !a;er será proporcionada
8ediante descontos de pe!o 8enos E0T (cin$Qenta por cento) nos in&ressos para eventos
art5sticos6 cu!turais6 esportivos e de !a;er6 be8 co8o o acesso pre<erencia! aos respectivos
!ocais.
2rt. 2C. Os 8eios de co8unica#?o 8anter?o espa#os ou =orários especiais vo!tados aos
idosos6 co8 <ina!idade in<or8ativa6 educativa6 art5stica e cu!tura!6 e ao pb!ico sobre o
processo de enve!=eci8ento.
2rt. 2E. O Poder Pb!ico apoiará a cria#?o de universidade aberta para as pessoas idosas
e incentivará a pub!ica#?o de !ivros e peri@dicos6 de contedo e padr?o editoria!
ade$uados ao idoso6 $ue <aci!ite8 a !eitura6 considerada a natura! redu#?o da capacidade
visua!.
%2P+*U(O :,
D2 PRO",--,O'2(,S2.RO 0 DO *R2L2(UO
2rt. 29. O idoso te8 direito ao eBerc5cio de atividade pro<issiona!6 respeitadas suas
condi#ões <5sicas6 inte!ectuais e ps5$uicas.
5
2rt. 2G. 'a ad8iss?o do idoso e8 $ua!$uer traba!=o ou e8pre&o6 K vedada a
discri8ina#?o e a <iBa#?o de !i8ite 8áBi8o de idade6 inc!usive para concursos6
ressa!vados os casos e8 $ue a nature;a do car&o o eBi&ir.
Pará&ra<o nico. O pri8eiro critKrio de dese8pate e8 concurso pb!ico será a idade6
dando-se pre<erência ao de idade 8ais e!evada.
2rt. 2H. O Poder Pb!ico criará e esti8u!ará pro&ra8as de)
, - pro<issiona!i;a#?o especia!i;ada para os idosos6 aproveitando seus potenciais e
=abi!idades para atividades re&u!ares e re8uneradasA
,, - prepara#?o dos traba!=adores para a aposentadoria6 co8 antecedência 85ni8a de 1
(u8) ano6 por 8eio de est58u!o a novos pro>etos sociais6 con<or8e seus interesses6 e de
esc!areci8ento sobre os direitos sociais e de cidadaniaA
,,, - est58u!o 7s e8presas privadas para ad8iss?o de idosos ao traba!=o.
%2P+*U(O :,,
D2 PR0:,DV'%,2 -O%,2(
2rt. 2I. Os bene<5cios de aposentadoria e pens?o do Re&i8e Mera! da Previdência -ocia!
observar?o6 na sua concess?o6 critKrios de cá!cu!o $ue preserve8 o va!or rea! dos sa!ários
sobre os $uais incidira8 contribui#?o6 nos ter8os da !e&is!a#?o vi&ente.
Pará&ra<o nico. Os va!ores dos bene<5cios e8 8anuten#?o ser?o rea>ustados na 8es8a
data de rea>uste do sa!ário-85ni8o6 pro rata6 de acordo co8 suas respectivas datas de
in5cio ou do seu !ti8o rea>usta8ento6 co8 base e8 percentua! de<inido e8 re&u!a8ento6
observados os critKrios estabe!ecidos pe!a (ei n3 H.2136 de 2C de >u!=o de 1II1.
2rt. 30. 2 perda da condi#?o de se&urado n?o será considerada para a concess?o da
aposentadoria por idade6 desde $ue a pessoa conte co86 no 85ni8o6 o te8po de
contribui#?o correspondente ao eBi&ido para e<eito de carência na data de re$ueri8ento do
bene<5cio.
Pará&ra<o nico. O cá!cu!o do va!or do bene<5cio previsto no caput observará o disposto no
caput e D 23 do art. 33 da (ei n3 I.HG96 de 29 de nove8bro de 1III6 ou6 n?o =avendo
sa!ários-de-contribui#?o reco!=idos a partir da co8petência de >u!=o de 1IIC6 o disposto no
art. 3E da (ei n3 H.2136 de 1II1.
2rt. 31. O pa&a8ento de parce!as re!ativas a bene<5cios6 e<etuado co8 atraso por
responsabi!idade da Previdência -ocia!6 será atua!i;ado pe!o 8es8o 5ndice uti!i;ado para
os rea>usta8entos dos bene<5cios do Re&i8e Mera! de Previdência -ocia!6 veri<icado no
per5odo co8preendido entre o 8ês $ue deveria ter sido pa&o e o 8ês do e<etivo
pa&a8ento.
6
2rt. 32. O Dia 1undia! do *raba!=o6 13 de 8aio6 K a data-base dos aposentados e
pensionistas.
%2P+*U(O :,,,
D2 2--,-*V'%,2 -O%,2(
2rt. 33. 2 assistência socia! aos idosos será prestada6 de <or8a articu!ada6 con<or8e os
princ5pios e diretri;es previstos na (ei Or&Fnica da 2ssistência -ocia!6 na Po!5tica 'aciona!
do ,doso6 no -iste8a Pnico de -ade e de8ais nor8as pertinentes.
2rt. 3C. 2os idosos6 a partir de 9E (sessenta e cinco) anos6 $ue n?o possua8 8eios para
prover sua subsistência6 ne8 de tê-!a provida por sua <a85!ia6 K asse&urado o bene<5cio
8ensa! de 1 (u8) sa!ário-85ni8o6 nos ter8os da (ei Or&Fnica da 2ssistência -ocia! - (oas.
Pará&ra<o nico. O bene<5cio >á concedido a $ua!$uer 8e8bro da <a85!ia nos ter8os do
caput n?o será co8putado para os <ins do cá!cu!o da renda <a8i!iar per capita a $ue se
re<ere a (oas.
2rt. 3E. *odas as entidades de !on&a per8anência6 ou casa-!ar6 s?o obri&adas a <ir8ar
contrato de presta#?o de servi#os co8 a pessoa idosa abri&ada.
D 13 'o caso de entidades <i!antr@picas6 ou casa-!ar6 K <acu!tada a cobran#a de
participa#?o do idoso no custeio da entidade.
D 23 O %onse!=o 1unicipa! do ,doso ou o %onse!=o 1unicipa! da 2ssistência -ocia!
estabe!ecerá a <or8a de participa#?o prevista no D 136 $ue n?o poderá eBceder a G0T
(setenta por cento) de $ua!$uer bene<5cio previdenciário ou de assistência socia! percebido
pe!o idoso.
D 33 -e a pessoa idosa <or incapa;6 caberá a seu representante !e&a! <ir8ar o contrato a
$ue se re<ere o caput deste arti&o.
2rt. 39. O aco!=i8ento de idosos e8 situa#?o de risco socia!6 por adu!to ou nc!eo <a8i!iar6
caracteri;a a dependência econO8ica6 para os e<eitos !e&ais.
%2P+*U(O ,W
D2 U2L,*2.RO
2rt. 3G. O idoso te8 direito a 8oradia di&na6 no seio da <a85!ia natura! ou substituta6 ou
desaco8pan=ado de seus <a8i!iares6 $uando assi8 o dese>ar6 ou6 ainda6 e8 institui#?o
pb!ica ou privada.
D 13 2 assistência inte&ra! na 8oda!idade de entidade de !on&a per8anência será prestada
$uando veri<icada ineBistência de &rupo <a8i!iar6 casa-!ar6 abandono ou carência de
recursos <inanceiros pr@prios ou da <a85!ia.
7
D 23 *oda institui#?o dedicada ao atendi8ento ao idoso <ica obri&ada a 8anter
identi<ica#?o eBterna vis5ve!6 sob pena de interdi#?o6 a!K8 de atender toda a !e&is!a#?o
pertinente.
D 33 2s institui#ões $ue abri&are8 idosos s?o obri&adas a 8anter padrões de =abita#?o
co8pat5veis co8 as necessidades de!es6 be8 co8o provê-!os co8 a!i8enta#?o re&u!ar e
=i&iene indispensáveis 7s nor8as sanitárias e co8 estas condi;entes6 sob as penas da !ei.
2rt. 3H. 'os pro&ra8as =abitacionais6 pb!icos ou subsidiados co8 recursos pb!icos6 o
idoso &o;a de prioridade na a$uisi#?o de i8@ve! para 8oradia pr@pria6 observado o
se&uinte)
, - reserva de 3T (três por cento) das unidades residenciais para atendi8ento aos idososA
,, - i8p!anta#?o de e$uipa8entos urbanos co8unitários vo!tados ao idosoA
,,, - e!i8ina#?o de barreiras ar$uitetOnicas e urban5sticas6 para &arantia de acessibi!idade
ao idosoA
,: - critKrios de <inancia8ento co8pat5veis co8 os rendi8entos de aposentadoria e
pens?o.
%2P+*U(O W
DO *R2'-POR*0
2rt. 3I. 2os 8aiores de 9E (sessenta e cinco) anos <ica asse&urada a &ratuidade dos
transportes co!etivos pb!icos urbanos e se8i-urbanos6 eBceto nos servi#os se!etivos e
especiais6 $uando prestados para!e!a8ente aos servi#os re&u!ares.
D 13 Para ter acesso 7 &ratuidade6 basta $ue o idoso apresente $ua!$uer docu8ento
pessoa! $ue <a#a prova de sua idade.
D 23 'os ve5cu!os de transporte co!etivo de $ue trata este arti&o6 ser?o reservados 10T
(de; por cento) dos assentos para os idosos6 devida8ente identi<icados co8 a p!aca de
reservado pre<erencia!8ente para idosos.
D 33 'o caso das pessoas co8preendidas na <aiBa etária entre 90 (sessenta) e 9E
(sessenta e cinco) anos6 <icará a critKrio da !e&is!a#?o !oca! dispor sobre as condi#ões para
eBerc5cio da &ratuidade nos 8eios de transporte previstos no caput deste arti&o.
2rt. C0. 'o siste8a de transporte co!etivo interestadua! observar-se-á6 nos ter8os da
!e&is!a#?o espec5<ica)
, - a reserva de 2 (duas) va&as &ratuitas por ve5cu!o para idosos co8 renda i&ua! ou in<erior
a 2 (dois) sa!ários-85ni8osA
8
,, - desconto de E0T (cin$Qenta por cento)6 no 85ni8o6 no va!or das passa&ens6 para os
idosos $ue eBcedere8 as va&as &ratuitas6 co8 renda i&ua! ou in<erior a 2 (dois) sa!ários-
85ni8os.
Pará&ra<o nico. %aberá aos @r&?os co8petentes de<inir os 8ecanis8os e os critKrios
para o eBerc5cio dos direitos previstos nos incisos , e ,,.
2rt. C1. 4 asse&urada a reserva6 para os idosos6 nos ter8os da !ei !oca!6 de ET (cinco por
cento) das va&as nos estaciona8entos pb!icos e privados6 as $uais dever?o ser
posicionadas de <or8a a &arantir a 8e!=or co8odidade ao idoso.
2rt. C2. 4 asse&urada a prioridade do idoso no e8bar$ue no siste8a de transporte
co!etivo.
*+*U(O ,,,
D2- 10D,D2- D0 PRO*0.RO
%2P+*U(O ,
D2- D,-PO-,./0- M0R2,-
2rt. C3. 2s 8edidas de prote#?o ao idoso s?o ap!icáveis se8pre $ue os direitos
recon=ecidos nesta (ei <ore8 a8ea#ados ou vio!ados)
, - por a#?o ou o8iss?o da sociedade ou do 0stadoA
,, - por <a!ta6 o8iss?o ou abuso da <a85!ia6 curador ou entidade de atendi8entoA
,,, - e8 ra;?o de sua condi#?o pessoa!.
%2P+*U(O ,,
D2- 10D,D2- 0-P0%+",%2- D0 PRO*0.RO
2rt. CC. 2s 8edidas de prote#?o ao idoso previstas nesta (ei poder?o ser ap!icadas6
iso!ada ou cu8u!ativa8ente6 e !evar?o e8 conta os <ins sociais a $ue se destina8 e o
<orta!eci8ento dos v5ncu!os <a8i!iares e co8unitários.
2rt. CE. :eri<icada $ua!$uer das =ip@teses previstas no art. C36 o 1inistKrio Pb!ico ou o
Poder Nudiciário6 a re$ueri8ento da$ue!e6 poderá deter8inar6 dentre outras6 as se&uintes
8edidas)
, - enca8in=a8ento 7 <a85!ia ou curador6 8ediante ter8o de responsabi!idadeA
,, - orienta#?o6 apoio e aco8pan=a8ento te8poráriosA
,,, - re$uisi#?o para trata8ento de sua sade6 e8 re&i8e a8bu!atoria!6 =ospita!ar ou
do8ici!iarA
,: - inc!us?o e8 pro&ra8a o<icia! ou co8unitário de auB5!io6 orienta#?o e trata8ento a
usuários dependentes de dro&as !5citas ou i!5citas6 ao pr@prio idoso ou 7 pessoa de sua
convivência $ue !=e cause perturba#?oA
9
: - abri&o e8 entidadeA
:, - abri&o te8porário.
*+*U(O ,:
D2 PO(+*,%2 D0 2*0'D,10'*O 2O ,DO-O
%2P+*U(O ,
D,-PO-,./0- M0R2,-
2rt. C9. 2 po!5tica de atendi8ento ao idoso <ar-se-á por 8eio do con>unto articu!ado de
a#ões &overna8entais e n?o-&overna8entais da Uni?o6 dos 0stados6 do Distrito "edera! e
dos 1unic5pios.
2rt. CG. -?o !in=as de a#?o da po!5tica de atendi8ento)
, - po!5ticas sociais básicas6 previstas na (ei n3 H.HC26 de C de >aneiro de 1IICA
,, - po!5ticas e pro&ra8as de assistência socia!6 e8 caráter sup!etivo6 para a$ue!es $ue
necessitare8A
,,, - servi#os especiais de preven#?o e atendi8ento 7s v5ti8as de ne&!i&ência6 8aus tratos6
eBp!ora#?o6 abuso6 crue!dade e opress?oA
,: - servi#o de identi<ica#?o e !oca!i;a#?o de parentes ou responsáveis por idosos
abandonados e8 =ospitais e institui#ões de !on&a per8anênciaA
: - prote#?o >ur5dico-socia! por entidades de de<esa dos direitos dos idososA
:, - 8obi!i;a#?o da opini?o pb!ica no sentido da participa#?o dos diversos se&8entos da
sociedade no atendi8ento do idoso.
%2P+*U(O ,,
D2- 0'*,D2D0- D0 2*0'D,10'*O 2O ,DO-O
2rt. CH. 2s entidades de atendi8ento s?o responsáveis pe!a 8anuten#?o das pr@prias
unidades6 observadas as nor8as de p!ane>a8ento e eBecu#?o e8anadas do @r&?o
co8petente da Po!5tica 'aciona! do ,doso6 con<or8e a (ei n3 H.HC26 de 1IIC.
Pará&ra<o nico. 2s entidades &overna8entais e n?o-&overna8entais de assistência ao
idoso <ica8 su>eitas 7 inscri#?o de seus pro&ra8as6 >unto ao @r&?o co8petente da
:i&i!Fncia -anitária e %onse!=o 1unicipa! da Pessoa ,dosa6 e e8 sua <a!ta6 >unto ao
%onse!=o 0stadua! ou 'aciona! da Pessoa ,dosa6 especi<icando os re&i8es de
atendi8ento6 observados os se&uintes re$uisitos)
, - o<erecer insta!a#ões <5sicas e8 condi#ões ade$uadas de =abitabi!idade6 =i&iene6
sa!ubridade e se&uran#aA
,, - apresentar ob>etivos estatutários e p!ano de traba!=o co8pat5veis co8 os princ5pios
desta (eiA
10
,,, - estar re&u!ar8ente constitu5daA
,: - de8onstrar a idoneidade de seus diri&entes.
2rt. CI. 2s entidades $ue desenvo!va8 pro&ra8as de instituciona!i;a#?o de !on&a
per8anência adotar?o os se&uintes princ5pios)
, - preserva#?o dos v5ncu!os <a8i!iaresA
,, - atendi8ento persona!i;ado e e8 pe$uenos &ruposA
,,, - 8anuten#?o do idoso na 8es8a institui#?o6 sa!vo e8 caso de <or#a 8aiorA
,: - participa#?o do idoso nas atividades co8unitárias6 de caráter interno e eBternoA
: - observFncia dos direitos e &arantias dos idososA
:, - preserva#?o da identidade do idoso e o<ereci8ento de a8biente de respeito e
di&nidade.
Pará&ra<o nico. O diri&ente de institui#?o prestadora de atendi8ento ao idoso responderá
civi! e cri8ina!8ente pe!os atos $ue praticar e8 detri8ento do idoso6 se8 pre>u5;o das
san#ões ad8inistrativas.
2rt. E0. %onstitue8 obri&a#ões das entidades de atendi8ento)
, - ce!ebrar contrato escrito de presta#?o de servi#o co8 o idoso6 especi<icando o tipo de
atendi8ento6 as obri&a#ões da entidade e presta#ões decorrentes do contrato6 co8 os
respectivos pre#os6 se <or o casoA
,, - observar os direitos e as &arantias de $ue s?o titu!ares os idososA
,,, - <ornecer vestuário ade$uado6 se <or pb!ica6 e a!i8enta#?o su<icienteA
,: - o<erecer insta!a#ões <5sicas e8 condi#ões ade$uadas de =abitabi!idadeA
: - o<erecer atendi8ento persona!i;adoA
:, - di!i&enciar no sentido da preserva#?o dos v5ncu!os <a8i!iaresA
:,, - o<erecer aco8oda#ões apropriadas para recebi8ento de visitasA
:,,, - proporcionar cuidados 7 sade6 con<or8e a necessidade do idosoA
,W - pro8over atividades educacionais6 esportivas6 cu!turais e de !a;erA
W - propiciar assistência re!i&iosa 7$ue!es $ue dese>are86 de acordo co8 suas cren#asA
W, - proceder a estudo socia! e pessoa! de cada casoA
W,, - co8unicar 7 autoridade co8petente de sade toda ocorrência de idoso portador de
doen#as in<ecto-conta&iosasA
W,,, - providenciar ou so!icitar $ue o 1inistKrio Pb!ico re$uisite os docu8entos
necessários ao eBerc5cio da cidadania 7$ue!es $ue n?o os tivere86 na <or8a da !eiA
W,: - <ornecer co8provante de dep@sito dos bens 8@veis $ue recebere8 dos idososA
11
W: - 8anter ar$uivo de anota#ões onde conste8 data e circunstFncias do atendi8ento6
no8e do idoso6 responsáve!6 parentes6 endere#os6 cidade6 re!a#?o de seus pertences6 be8
co8o o va!or de contribui#ões6 e suas a!tera#ões6 se =ouver6 e de8ais dados $ue
possibi!ite8 sua identi<ica#?o e a individua!i;a#?o do atendi8entoA
W:, - co8unicar ao 1inistKrio Pb!ico6 para as providências cab5veis6 a situa#?o de
abandono 8ora! ou 8ateria! por parte dos <a8i!iaresA
W:,, - 8anter no $uadro de pessoa! pro<issionais co8 <or8a#?o espec5<ica.
2rt. E1. 2s institui#ões <i!antr@picas ou se8 <ins !ucrativos prestadoras de servi#o ao idoso
ter?o direito 7 assistência >udiciária &ratuita.
%2P+*U(O ,,,
D2 ",-%2(,S2.RO D2- 0'*,D2D0- D0 2*0'D,10'*O
2rt. E2. 2s entidades &overna8entais e n?o-&overna8entais de atendi8ento ao idoso
ser?o <isca!i;adas pe!os %onse!=os do ,doso6 1inistKrio Pb!ico6 :i&i!Fncia -anitária e
outros previstos e8 !ei.
2rt. E3. O art. G3 da (ei n3 H.HC26 de 1IIC6 passa a vi&orar co8 a se&uinte reda#?o)
X2rt. G3 %o8pete aos %onse!=os de $ue trata o art. 93 desta (ei a supervis?o6 o
aco8pan=a8ento6 a <isca!i;a#?o e a ava!ia#?o da po!5tica naciona! do idoso6 no F8bito das
respectivas instFncias po!5tico-ad8inistrativas.Y ('R)
2rt. EC. -erá dada pub!icidade das presta#ões de contas dos recursos pb!icos e privados
recebidos pe!as entidades de atendi8ento.
2rt. EE. 2s entidades de atendi8ento $ue descu8prire8 as deter8ina#ões desta (ei
<icar?o su>eitas6 se8 pre>u5;o da responsabi!idade civi! e cri8ina! de seus diri&entes ou
prepostos6 7s se&uintes pena!idades6 observado o devido processo !e&a!)
, - as entidades &overna8entais)
a) advertênciaA
b) a<asta8ento provis@rio de seus diri&entesA
c) a<asta8ento de<initivo de seus diri&entesA
d) <ec=a8ento de unidade ou interdi#?o de pro&ra8aA
,, - as entidades n?o-&overna8entais)
a) advertênciaA
b) 8u!taA
c) suspens?o parcia! ou tota! do repasse de verbas pb!icasA
d) interdi#?o de unidade ou suspens?o de pro&ra8aA
e) proibi#?o de atendi8ento a idosos a be8 do interesse pb!ico.
12
D 13 Uavendo danos aos idosos abri&ados ou $ua!$uer tipo de <raude e8 re!a#?o ao
pro&ra8a6 caberá o a<asta8ento provis@rio dos diri&entes ou a interdi#?o da unidade e a
suspens?o do pro&ra8a.
D 23 2 suspens?o parcia! ou tota! do repasse de verbas pb!icas ocorrerá $uando
veri<icada a 8á ap!ica#?o ou desvio de <ina!idade dos recursos.
D 33 'a ocorrência de in<ra#?o por entidade de atendi8ento6 $ue co!o$ue e8 risco os
direitos asse&urados nesta (ei6 será o <ato co8unicado ao 1inistKrio Pb!ico6 para as
providências cab5veis6 inc!usive para pro8over a suspens?o das atividades ou disso!u#?o
da entidade6 co8 a proibi#?o de atendi8ento a idosos a be8 do interesse pb!ico6 se8
pre>u5;o das providências a sere8 to8adas pe!a :i&i!Fncia -anitária.
D C3 'a ap!ica#?o das pena!idades6 ser?o consideradas a nature;a e a &ravidade da
in<ra#?o co8etida6 os danos $ue de!a proviere8 para o idoso6 as circunstFncias
a&ravantes ou atenuantes e os antecedentes da entidade.
%2P+*U(O ,:
D2- ,'"R2./0- 2D1,',-*R2*,:2-
2rt. E9. DeiBar a entidade de atendi8ento de cu8prir as deter8ina#ões do art. E0 desta
(ei)
Pena - 8u!ta de RZ E00600 ($uin=entos reais) a RZ 3.000600 (três 8i! reais)6 se o <ato n?o
<or caracteri;ado co8o cri8e6 podendo =aver a interdi#?o do estabe!eci8ento atK $ue
se>a8 cu8pridas as eBi&ências !e&ais.
Pará&ra<o nico. 'o caso de interdi#?o do estabe!eci8ento de !on&a per8anência6 os
idosos abri&ados ser?o trans<eridos para outra institui#?o6 a eBpensas do estabe!eci8ento
interditado6 en$uanto durar a interdi#?o.
2rt. EG. DeiBar o pro<issiona! de sade ou o responsáve! por estabe!eci8ento de sade ou
institui#?o de !on&a per8anência de co8unicar 7 autoridade co8petente os casos de
cri8es contra idoso de $ue tiver con=eci8ento)
Pena - 8u!ta de RZ E00600 ($uin=entos reais) a RZ 3.000600 (três 8i! reais)6 ap!icada e8
dobro no caso de reincidência.
2rt. EH. DeiBar de cu8prir as deter8ina#ões desta (ei sobre a prioridade no atendi8ento
ao idoso) Pena - 8u!ta de RZ E00600 ($uin=entos reais) a RZ 1.000600 (u8 8i! reais) e
8u!ta civi! a ser estipu!ada pe!o >ui;6 con<or8e o dano so<rido pe!o idoso.
%2P+*U(O :
D2 2PUR2.RO 2D1,',-*R2*,:2 D0 ,'"R2.RO J- 'OR12- D0 PRO*0.RO 2O
,DO-O
13
2rt. EI. Os va!ores 8onetários eBpressos no %ap5tu!o ,: ser?o atua!i;ados anua!8ente6 na
<or8a da !ei.
2rt. 90. O procedi8ento para a i8posi#?o de pena!idade ad8inistrativa por in<ra#?o 7s
nor8as de prote#?o ao idoso terá in5cio co8 re$uisi#?o do 1inistKrio Pb!ico ou auto de
in<ra#?o e!aborado por servidor e<etivo e assinado6 se poss5ve!6 por duas teste8un=as.
D 13 'o procedi8ento iniciado co8 o auto de in<ra#?o poder?o ser usadas <@r8u!as
i8pressas6 especi<icando-se a nature;a e as circunstFncias da in<ra#?o.
D 23 -e8pre $ue poss5ve!6 7 veri<ica#?o da in<ra#?o se&uir-se-á a !avratura do auto6 ou
este será !avrado dentro de 2C (vinte e $uatro) =oras6 por 8otivo >usti<icado.
2rt. 91. O autuado terá pra;o de 10 (de;) dias para a apresenta#?o da de<esa6 contado da
data da inti8a#?o6 $ue será <eita)
, - pe!o autuante6 no instru8ento de autua#?o6 $uando <or !avrado na presen#a do in<ratorA
,, - por via posta!6 co8 aviso de recebi8ento.
2rt. 92. Uavendo risco para a vida ou 7 sade do idoso6 a autoridade co8petente ap!icará
7 entidade de atendi8ento as san#ões re&u!a8entares6 se8 pre>u5;o da iniciativa e das
providências $ue viere8 a ser adotadas pe!o 1inistKrio Pb!ico ou pe!as de8ais
institui#ões !e&iti8adas para a <isca!i;a#?o.
2rt. 93. 'os casos e8 $ue n?o =ouver risco para a vida ou a sade da pessoa idosa
abri&ada6 a autoridade co8petente ap!icará 7 entidade de atendi8ento as san#ões
re&u!a8entares6 se8 pre>u5;o da iniciativa e das providências $ue viere8 a ser adotadas
pe!o 1inistKrio Pb!ico ou pe!as de8ais institui#ões !e&iti8adas para a <isca!i;a#?o.
%2P+*U(O :,
D2 2PUR2.RO NUD,%,2( D0 ,RR0MU(2R,D2D0- 01 0'*,D2D0 D0 2*0'D,10'*O
2rt. 9C. 2p!ica8-se6 subsidiaria8ente6 ao procedi8ento ad8inistrativo de $ue trata este
%ap5tu!o as disposi#ões das (eis n3s 9.C3G6 de 20 de a&osto de 1IGG6 e I.GHC6 de 2I de
>aneiro de 1III.
2rt. 9E. O procedi8ento de apura#?o de irre&u!aridade e8 entidade &overna8enta! e n?o-
&overna8enta! de atendi8ento ao idoso terá in5cio 8ediante peti#?o <unda8entada de
pessoa interessada ou iniciativa do 1inistKrio Pb!ico.
2rt. 99. Uavendo 8otivo &rave6 poderá a autoridade >udiciária6 ouvido o 1inistKrio Pb!ico6
decretar !i8inar8ente o a<asta8ento provis@rio do diri&ente da entidade ou outras 8edidas
$ue >u!&ar ade$uadas6 para evitar !es?o aos direitos do idoso6 8ediante decis?o
<unda8entada.
14
2rt. 9G. O diri&ente da entidade será citado para6 no pra;o de 10 (de;) dias6 o<erecer
resposta escrita6 podendo >untar docu8entos e indicar as provas a produ;ir.
2rt. 9H. 2presentada a de<esa6 o >ui; procederá na con<or8idade do art. 9I ou6 se
necessário6 desi&nará audiência de instru#?o e >u!&a8ento6 de!iberando sobre a
necessidade de produ#?o de outras provas.
D 13 -a!vo 8ani<esta#?o e8 audiência6 as partes e o 1inistKrio Pb!ico ter?o E (cinco) dias
para o<erecer a!e&a#ões <inais6 decidindo a autoridade >udiciária e8 i&ua! pra;o.
D 23 08 se tratando de a<asta8ento provis@rio ou de<initivo de diri&ente de entidade
&overna8enta!6 a autoridade >udiciária o<iciará a autoridade ad8inistrativa i8ediata8ente
superior ao a<astado6 <iBando-!=e pra;o de 2C (vinte e $uatro) =oras para proceder 7
substitui#?o.
D 33 2ntes de ap!icar $ua!$uer das 8edidas6 a autoridade >udiciária poderá <iBar pra;o para
a re8o#?o das irre&u!aridades veri<icadas.
-atis<eitas as eBi&ências6 o processo será eBtinto6 se8 >u!&a8ento do 8Krito.
D C3 2 8u!ta e a advertência ser?o i8postas ao diri&ente da entidade ou ao responsáve!
pe!o pro&ra8a de atendi8ento.
*+*U(O :
DO 2%0--O J NU-*,.2
%2P+*U(O ,
D,-PO-,./0- M0R2,-
2rt. 9I. 2p!ica-se6 subsidiaria8ente6 7s disposi#ões deste %ap5tu!o6 o procedi8ento
su8ário previsto no %@di&o de Processo %ivi!6 na$ui!o $ue n?o contrarie os pra;os
previstos nesta (ei.
2rt. G0. O Poder Pb!ico poderá criar varas especia!i;adas e eBc!usivas do idoso.
2rt. G1. 4 asse&urada prioridade na tra8ita#?o dos processos e procedi8entos e na
eBecu#?o dos atos e di!i&ências >udiciais e8 $ue <i&ure co8o parte ou interveniente
pessoa co8 idade i&ua! ou superior a 90 (sessenta) anos6 e8 $ua!$uer instFncia.
D 13 O interessado na obten#?o da prioridade a $ue a!ude este arti&o6 <a;endo prova de
sua idade6 re$uererá o bene<5cio 7 autoridade >udiciária co8petente para decidir o <eito6
$ue deter8inará as providências a sere8 cu8pridas6 anotando-se essa circunstFncia e8
!oca! vis5ve! nos autos do processo.
D 23 2 prioridade n?o cessará co8 a 8orte do bene<iciado6 estendendo-se e8 <avor do
cOn>u&e supKrstite6 co8pan=eiro ou co8pan=eira6 co8 uni?o estáve!6 8aior de 90
(sessenta) anos.
15
D 33 2 prioridade se estende aos processos e procedi8entos na 2d8inistra#?o Pb!ica6
e8presas prestadoras de servi#os pb!icos e institui#ões <inanceiras6 ao atendi8ento
pre<erencia! >unto 7 De<ensoria Pub!ica da Uni?o6 dos 0stados e do Distrito "edera! e8
re!a#?o aos -ervi#os de 2ssistência Nudiciária.
D C3 Para o atendi8ento prioritário será &arantido ao idoso o <áci! acesso aos assentos e
caiBas6 identi<icados co8 a destina#?o a idosos e8 !oca! vis5ve! e caracteres !e&5veis.
%2P+*U(O ,,
DO 1,',-*4R,O PPL(,%O
2rt. G2. (:0*2DO)
2rt. G3. 2s <un#ões do 1inistKrio Pb!ico6 previstas nesta (ei6 ser?o eBercidas nos ter8os
da respectiva (ei Or&Fnica.
2rt. GC. %o8pete ao 1inistKrio Pb!ico)
, - instaurar o in$uKrito civi! e a a#?o civi! pb!ica para a prote#?o dos direitos e interesses
di<usos ou co!etivos6 individuais indispon5veis e individuais =o8o&êneos do idosoA
,, - pro8over e aco8pan=ar as a#ões de a!i8entos6 de interdi#?o tota! ou parcia!6 de
desi&na#?o de curador especia!6 e8 circunstFncias $ue >usti<i$ue8 a 8edida e o<iciar e8
todos os <eitos e8 $ue se discuta8 os direitos de idosos e8 condi#ões de riscoA
,,, - atuar co8o substituto processua! do idoso e8 situa#?o de risco6 con<or8e o disposto
no art. C3 desta (eiA
,: - pro8over a revo&a#?o de instru8ento procurat@rio do idoso6 nas =ip@teses previstas
no art. C3 desta (ei6 $uando necessário ou o interesse pb!ico >usti<icarA
: - instaurar procedi8ento ad8inistrativo e6 para instru5-!o)
a) eBpedir noti<ica#ões6 co!=er depoi8entos ou esc!areci8entos e6 e8 caso de n?o
co8pareci8ento in>usti<icado da pessoa noti<icada6 re$uisitar condu#?o coercitiva6
inc!usive pe!a Po!5cia %ivi! ou 1i!itarA
b) re$uisitar in<or8a#ões6 eBa8es6 per5cias e docu8entos de autoridades 8unicipais6
estaduais e <ederais6 da ad8inistra#?o direta e indireta6 be8 co8o pro8over inspe#ões e
di!i&ências investi&at@riasA
c) re$uisitar in<or8a#ões e docu8entos particu!ares de institui#ões privadasA
:, - instaurar sindicFncias6 re$uisitar di!i&ências investi&at@rias e a instaura#?o de in$uKrito
po!icia!6 para a apura#?o de i!5citos ou in<ra#ões 7s nor8as de prote#?o ao idosoA
:,, - ;e!ar pe!o e<etivo respeito aos direitos e &arantias !e&ais asse&urados ao idoso6
pro8ovendo as 8edidas >udiciais e eBtra>udiciais cab5veisA
16
:,,, - inspecionar as entidades pb!icas e particu!ares de atendi8ento e os pro&ra8as de
$ue trata esta (ei6 adotando de pronto as 8edidas ad8inistrativas ou >udiciais necessárias
7 re8o#?o de irre&u!aridades porventura veri<icadasA
,W - re$uisitar <or#a po!icia!6 be8 co8o a co!abora#?o dos servi#os de sade6 educacionais
e de assistência socia!6 pb!icos6 para o dese8pen=o de suas atribui#õesA
W - re<erendar transa#ões envo!vendo interesses e direitos dos idosos previstos nesta (ei.
D 13 2 !e&iti8a#?o do 1inistKrio Pb!ico para as a#ões c5veis previstas neste arti&o n?o
i8pede a de terceiros6 nas 8es8as =ip@teses6 se&undo dispuser a !ei.
D 23 2s atribui#ões constantes deste arti&o n?o eBc!ue8 outras6 desde $ue co8pat5veis
co8 a <ina!idade e atribui#ões do 1inistKrio Pb!ico.
D 33 O representante do 1inistKrio Pb!ico6 no eBerc5cio de suas <un#ões6 terá !ivre acesso
a toda entidade de atendi8ento ao idoso.
2rt. GE. 'os processos e procedi8entos e8 $ue n?o <or parte6 atuará obri&atoria8ente o
1inistKrio Pb!ico na de<esa dos direitos e interesses de $ue cuida esta (ei6 =ip@teses e8
$ue terá vista dos autos depois das partes6 podendo >untar docu8entos6 re$uerer
di!i&ências e produ#?o de outras provas6 usando os recursos cab5veis.
2rt. G9. 2 inti8a#?o do 1inistKrio Pb!ico6 e8 $ua!$uer caso6 será <eita pessoa!8ente.
2rt. GG. 2 <a!ta de interven#?o do 1inistKrio Pb!ico acarreta a nu!idade do <eito6 $ue será
dec!arada de o<5cio pe!o >ui; ou a re$ueri8ento de $ua!$uer interessado.
%2P+*U(O ,,,
D2 PRO*0.RO NUD,%,2( DO- ,'*0R0--0- D,"U-O-6 %O(0*,:O- 0 ,'D,:,DU2,-
,'D,-PO'+:0,- OU UO1OMV'0O-
2rt. GH. 2s 8ani<esta#ões processuais do representante do 1inistKrio Pb!ico dever?o ser
<unda8entadas.
2rt. GI. Re&e8-se pe!as disposi#ões desta (ei as a#ões de responsabi!idade por o<ensa
aos direitos asse&urados ao idoso6 re<erentes 7 o8iss?o ou ao o<ereci8ento insatis<at@rio
de)
, - acesso 7s a#ões e servi#os de sadeA
,, - atendi8ento especia!i;ado ao idoso portador de de<iciência ou co8 !i8ita#?o
incapacitanteA
,,, - atendi8ento especia!i;ado ao idoso portador de doen#a in<ecto-conta&iosaA
,: - servi#o de assistência socia! visando ao a8paro do idoso.
17
Pará&ra<o nico. 2s =ip@teses previstas neste arti&o n?o eBc!ue8 da prote#?o >udicia!
outros interesses di<usos6 co!etivos6 individuais indispon5veis ou =o8o&êneos6 pr@prios do
idoso6 prote&idos e8 !ei.
2rt. H0. 2s a#ões previstas neste %ap5tu!o ser?o propostas no <oro do do8ic5!io do idoso6
cu>o >u5;o terá co8petência abso!uta para processar a causa6 ressa!vadas as
co8petências da Nusti#a "edera! e a co8petência ori&inária dos *ribunais -uperiores.
2rt. H1. Para as a#ões c5veis <undadas e8 interesses di<usos6 co!etivos6 individuais
indispon5veis ou =o8o&êneos6 considera8-se !e&iti8ados6 concorrente8ente)
, - o 1inistKrio Pb!icoA
,, - a Uni?o6 os 0stados6 o Distrito "edera! e os 1unic5piosA
,,, - a Orde8 dos 2dvo&ados do Lrasi!A
,: - as associa#ões !e&a!8ente constitu5das =á pe!o 8enos 1 (u8) ano e $ue inc!ua8 entre
os <ins institucionais a de<esa dos interesses e direitos da pessoa idosa6 dispensada a
autori;a#?o da asse8b!Kia6 se =ouver prKvia autori;a#?o estatutária.
D 13 2d8itir-se-á !itiscons@rcio <acu!tativo entre os 1inistKrios Pb!icos da Uni?o e dos
0stados na de<esa dos interesses e direitos de $ue cuida esta (ei.
D 23 08 caso de desistência ou abandono da a#?o por associa#?o !e&iti8ada6 o 1inistKrio
Pb!ico ou outro !e&iti8ado deverá assu8ir a titu!aridade ativa.
2rt. H2. Para de<esa dos interesses e direitos prote&idos por esta (ei6 s?o ad8iss5veis
todas as espKcies de a#?o pertinentes.
Pará&ra<o nico. %ontra atos i!e&ais ou abusivos de autoridade pb!ica ou a&ente de
pessoa >ur5dica no eBerc5cio de atribui#ões de Poder Pb!ico6 $ue !ese8 direito !5$uido e
certo previsto nesta (ei6 caberá a#?o 8anda8enta!6 $ue se re&erá pe!as nor8as da !ei do
8andado de se&uran#a.
2rt. H3. 'a a#?o $ue ten=a por ob>eto o cu8pri8ento de obri&a#?o de <a;er ou n?o <a;er6 o
>ui; concederá a tute!a espec5<ica da obri&a#?o ou deter8inará providências $ue
asse&ure8 o resu!tado prático e$uiva!ente ao adi8p!e8ento.
D 13 -endo re!evante o <unda8ento da de8anda e =avendo >usti<icado receio de ine<icácia
do provi8ento <ina!6 K !5cito ao >ui; conceder a tute!a !i8inar8ente ou ap@s >usti<ica#?o
prKvia6 na <or8a do art. 2G3 do %@di&o de Processo %ivi!.
D 23 O >ui; poderá6 na =ip@tese do D 13 ou na senten#a6 i8por 8u!ta diária ao rKu6
independente8ente do pedido do autor6 se <or su<iciente ou co8pat5ve! co8 a obri&a#?o6
<iBando pra;o ra;oáve! para o cu8pri8ento do preceito.
18
D 33 2 8u!ta s@ será eBi&5ve! do rKu ap@s o trFnsito e8 >u!&ado da senten#a <avoráve! ao
autor6 8as será devida desde o dia e8 $ue se =ouver con<i&urado.
2rt. HC. Os va!ores das 8u!tas previstas nesta (ei reverter?o ao "undo do ,doso6 onde
=ouver6 ou na <a!ta deste6 ao "undo 1unicipa! de 2ssistência -ocia!6 <icando vincu!ados ao
atendi8ento ao idoso.
Pará&ra<o nico. 2s 8u!tas n?o reco!=idas atK 30 (trinta) dias ap@s o trFnsito e8 >u!&ado da
decis?o ser?o eBi&idas por 8eio de eBecu#?o pro8ovida pe!o 1inistKrio Pb!ico6 nos
8es8os autos6 <acu!tada i&ua! iniciativa aos de8ais !e&iti8ados e8 caso de inKrcia
da$ue!e.
2rt. HE. O >ui; poderá con<erir e<eito suspensivo aos recursos6 para evitar dano irreparáve!
7 parte.
2rt. H9. *ransitada e8 >u!&ado a senten#a $ue i8puser condena#?o ao Poder Pb!ico6 o
>ui; deter8inará a re8essa de pe#as 7 autoridade co8petente6 para apura#?o da
responsabi!idade civi! e ad8inistrativa do a&ente a $ue se atribua a a#?o ou o8iss?o.
2rt. HG. Decorridos 90 (sessenta) dias do trFnsito e8 >u!&ado da senten#a condenat@ria
<avoráve! ao idoso se8 $ue o autor !=e pro8ova a eBecu#?o6 deverá <a;ê-!o o 1inistKrio
Pb!ico6 <acu!tada6 i&ua! iniciativa aos de8ais !e&iti8ados6 co8o assistentes ou assu8indo
o p@!o ativo6 e8 caso de inKrcia desse @r&?o.
2rt. HH. 'as a#ões de $ue trata este %ap5tu!o6 n?o =averá adianta8ento de custas6
e8o!u8entos6 =onorários periciais e $uais$uer outras despesas.
Pará&ra<o nico. '?o se i8porá sucu8bência ao 1inistKrio Pb!ico.
2rt. HI. [ua!$uer pessoa poderá6 e o servidor deverá6 provocar a iniciativa do 1inistKrio
Pb!ico6 prestando-!=e in<or8a#ões sobre os <atos $ue constitua8 ob>eto de a#?o civi! e
indicando-!=e os e!e8entos de convic#?o.
2rt. I0. Os a&entes pb!icos e8 &era!6 os >u5;es e tribunais6 no eBerc5cio de suas <un#ões6
$uando tivere8 con=eci8ento de <atos $ue possa8 con<i&urar cri8e de a#?o pb!ica
contra idoso ou ense>ar a propositura de a#?o para sua de<esa6 deve8 enca8in=ar as
pe#as pertinentes ao 1inistKrio Pb!ico6 para as providências cab5veis.
2rt. I1. Para instruir a peti#?o inicia!6 o interessado poderá re$uerer 7s autoridades
co8petentes as certidões e in<or8a#ões $ue >u!&ar necessárias6 $ue ser?o <ornecidas no
pra;o de 10 (de;) dias.
2rt. I2. O 1inistKrio Pb!ico poderá instaurar sob sua presidência6 in$uKrito civi!6 ou
re$uisitar6 de $ua!$uer pessoa6 or&anis8o pb!ico ou particu!ar6 certidões6 in<or8a#ões6
eBa8es ou per5cias6 no pra;o $ue assina!ar6 o $ua! n?o poderá ser in<erior a 10 (de;) dias.
19
D 13 -e o @r&?o do 1inistKrio Pb!ico6 es&otadas todas as di!i&ências6 se convencer da
ineBistência de <unda8ento para a propositura da a#?o civi! ou de pe#as in<or8ativas6
deter8inará o seu ar$uiva8ento6 <a;endo-o <unda8entada8ente.
D 23 Os autos do in$uKrito civi! ou as pe#as de in<or8a#?o ar$uivados ser?o re8etidos6
sob pena de se incorrer e8 <a!ta &rave6 no pra;o de 3 (três) dias6 ao %onse!=o -uperior do
1inistKrio Pb!ico ou 7 %F8ara de %oordena#?o e Revis?o do 1inistKrio Pb!ico.
D 33 2tK $ue se>a =o8o!o&ado ou re>eitado o ar$uiva8ento6 pe!o %onse!=o -uperior do
1inistKrio Pb!ico ou por %F8ara de %oordena#?o e Revis?o do 1inistKrio Pb!ico6 as
associa#ões !e&iti8adas poder?o apresentar ra;ões escritas ou docu8entos6 $ue ser?o
>untados ou aneBados 7s pe#as de in<or8a#?o.
D C3 DeiBando o %onse!=o -uperior ou a %F8ara de %oordena#?o e Revis?o do 1inistKrio
Pb!ico de =o8o!o&ar a pro8o#?o de ar$uiva8ento6 será desi&nado outro 8e8bro do
1inistKrio Pb!ico para o a>ui;a8ento da a#?o.
*+*U(O :,
DO- %R,10-
%2P+*U(O ,
D,-PO-,./0- M0R2,-
2rt. I3. 2p!ica8-se subsidiaria8ente6 no $ue couber6 as disposi#ões da (ei n3 G.3CG6 de 2C
de >u!=o de 1IHE.
2rt. IC. 2os cri8es previstos nesta (ei6 cu>a pena 8áBi8a privativa de !iberdade n?o
u!trapasse C ($uatro) anos6 ap!ica-se o procedi8ento previsto na (ei n3 I.0II6 de 29 de
sete8bro de 1IIE6 e6 subsidiaria8ente6 no $ue couber6 as disposi#ões do %@di&o Pena! e
do %@di&o de Processo Pena!.
%2P+*U(O ,,
DO- %R,10- 01 0-P4%,0
2rt. IE. Os cri8es de<inidos nesta (ei s?o de a#?o pena! pb!ica incondicionada6 n?o se
!=es ap!icando os arts. 1H1 e 1H2 do %@di&o Pena!.
2rt. I9. Discri8inar pessoa idosa6 i8pedindo ou di<icu!tando seu acesso a opera#ões
bancárias6 aos 8eios de transporte6 ao direito de contratar ou por $ua!$uer outro 8eio ou
instru8ento necessário ao eBerc5cio da cidadania6 por 8otivo de idade)
Pena - rec!us?o de 9 (seis) 8eses a 1 (u8) ano e 8u!ta.
D 13 'a 8es8a pena incorre $ue8 desden=ar6 =u8i!=ar6 8enospre;ar ou discri8inar
pessoa idosa6 por $ua!$uer 8otivo.
20
D 23 2 pena será au8entada de 1\3 (u8 ter#o) se a v5ti8a se encontrar sob os cuidados ou
responsabi!idade do a&ente.
2rt. IG. DeiBar de prestar assistência ao idoso6 $uando poss5ve! <a;ê-!o se8 risco pessoa!6
e8 situa#?o de i8inente peri&o6 ou recusar6 retardar ou di<icu!tar sua assistência 7 sade6
se8 >usta causa6 ou n?o pedir6 nesses casos6 o socorro de autoridade pb!ica)
Pena - deten#?o de 9 (seis) 8eses a 1 (u8) ano e 8u!ta.
Pará&ra<o nico. 2 pena K au8entada de 8etade6 se da o8iss?o resu!ta !es?o corpora! de
nature;a &rave6 e trip!icada6 se resu!ta a 8orte.
2rt. IH. 2bandonar o idoso e8 =ospitais6 casas de sade6 entidades de !on&a
per8anência6 ou con&êneres6 ou n?o prover suas necessidades básicas6 $uando obri&ado
por !ei ou 8andado)
Pena - deten#?o de 9 (seis) 8eses a 3 (três) anos e 8u!ta.
2rt. II. 0Bpor a peri&o a inte&ridade e a sade6 <5sica ou ps5$uica6 do idoso6 sub8etendo-o
a condi#ões desu8anas ou de&radantes ou privando-o de a!i8entos e cuidados
indispensáveis6 $uando obri&ado a <a;ê-!o6 ou su>eitando-o a traba!=o eBcessivo ou
inade$uado)
Pena - deten#?o de 2 (dois) 8eses a 1 (u8) ano e 8u!ta.
D 13 -e do <ato resu!ta !es?o corpora! de nature;a &rave) Pena - rec!us?o de 1 (u8) a C
($uatro) anos.
D 23 -e resu!ta a 8orte) Pena - rec!us?o de C ($uatro) a 12 (do;e) anos.
2rt. 100. %onstitui cri8e pun5ve! co8 rec!us?o de 9 (seis) 8eses a 1 (u8) ano e 8u!ta)
, - obstar o acesso de a!&uK8 a $ua!$uer car&o pb!ico por 8otivo de idadeA
,, - ne&ar a a!&uK86 por 8otivo de idade6 e8pre&o ou traba!=oA
,,, - recusar6 retardar ou di<icu!tar atendi8ento ou deiBar de prestar assistência 7 sade6
se8 >usta causa6 a pessoa idosaA
,: - deiBar de cu8prir6 retardar ou <rustrar6 se8 >usto 8otivo6 a eBecu#?o de orde8 >udicia!
eBpedida na a#?o civi! a $ue a!ude esta (eiA
: - recusar6 retardar ou o8itir dados tKcnicos indispensáveis 7 propositura da a#?o civi!
ob>eto desta (ei6 $uando re$uisitados pe!o 1inistKrio Pb!ico.
2rt. 101. DeiBar de cu8prir6 retardar ou <rustrar6 se8 >usto 8otivo6 a eBecu#?o de orde8
>udicia! eBpedida nas a#ões e8 $ue <or parte ou interveniente o idoso)
Pena - deten#?o de 9 (seis) 8eses a 1 (u8) ano e 8u!ta.
2rt. 102. 2propriar-se de ou desviar bens6 proventos6 pens?o ou $ua!$uer outro rendi8ento
do idoso6 dando-!=es ap!ica#?o diversa da de sua <ina!idade)
21
Pena - rec!us?o de 1 (u8) a C ($uatro) anos e 8u!ta.
2rt. 103. 'e&ar o aco!=i8ento ou a per8anência do idoso6 co8o abri&ado6 por recusa
deste e8 outor&ar procura#?o 7 entidade de atendi8ento)
Pena - deten#?o de 9 (seis) 8eses a 1 (u8) ano e 8u!ta.
2rt. 10C. Reter o cart?o 8a&nKtico de conta bancária re!ativa a bene<5cios6 proventos ou
pens?o do idoso6 be8 co8o $ua!$uer outro docu8ento co8 ob>etivo de asse&urar
recebi8ento ou ressarci8ento de d5vida)
Pena - deten#?o de 9 (seis) 8eses a 2 (dois) anos e 8u!ta.
2rt. 10E. 0Bibir ou veicu!ar6 por $ua!$uer 8eio de co8unica#?o6 in<or8a#ões ou i8a&ens
depreciativas ou in>uriosas 7 pessoa do idoso)
Pena - deten#?o de 1 (u8) a 3 (três) anos e 8u!ta.
2rt. 109. ,ndu;ir pessoa idosa se8 discerni8ento de seus atos a outor&ar procura#?o para
<ins de ad8inistra#?o de bens ou de!es dispor !ivre8ente)
Pena - rec!us?o de 2 (dois) a C ($uatro) anos.
Doutrina :incu!ada
2rt. 10G. %oa&ir6 de $ua!$uer 8odo6 o idoso a doar6 contratar6 testar ou outor&ar
procura#?o)
Pena - rec!us?o de 2 (dois) a E (cinco) anos.
2rt. 10H. (avrar ato notaria! $ue envo!va pessoa idosa se8 discerni8ento de seus atos6
se8 a devida representa#?o !e&a!)
Pena - rec!us?o de 2 (dois) a C ($uatro) anos.
*+*U(O :,,
D,-PO-,./0- ",'2,- 0 *R2'-,*]R,2-
2rt. 10I. ,8pedir ou e8bara#ar ato do representante do 1inistKrio Pb!ico ou de $ua!$uer
outro a&ente <isca!i;ador)
Pena - rec!us?o de 9 (seis) 8eses a 1 (u8) ano e 8u!ta.
2rt. 110. O Decreto-(ei n3 2.HCH6 de G de de;e8bro de 1IC06 %@di&o Pena!6 passa a
vi&orar co8 as se&uintes a!tera#ões)
X2rt. 91. .....................................................................
...................................................................................
,, - ...............................................................................
....................................................................................
=) contra crian#a6 8aior de 90 (sessenta) anos6 en<er8o ou 8u!=er &rávidaA
...................................................................................Y ('R)
22
X2rt. 121. ...................................................................
...................................................................................
D C3 'o =o8ic5dio cu!poso6 a pena K au8entada de 1\3 (u8 ter#o)6 se o cri8e resu!ta de
inobservFncia de re&ra tKcnica de pro<iss?o6 arte ou o<5cio6 ou se o a&ente deiBa de prestar
i8ediato socorro 7 v5ti8a6 n?o procura di8inuir as conse$Qências do seu ato6 ou <o&e para
evitar pris?o e8 <!a&rante. -endo do!oso o =o8ic5dio6 a pena K au8entada de 1\3 (u8
ter#o) se o cri8e K praticado contra pessoa 8enor de 1C ($uator;e) ou 8aior de 90
(sessenta) anos.
..........................................................................^....Y ('R)
X2rt. 133. ........................................^^^^^.........
.........................................................................^.......
D 33 .............................................................................
....................................................................................
,,, - se a v5ti8a K 8aior de 90 (sessenta) anos.Y ('R)
X2rt. 1C0. ...................................................................
....................................................................................
D 33 -e a in>ria consiste na uti!i;a#?o de e!e8entos re<erentes a ra#a6 cor6 etnia6 re!i&i?o6
ori&e8 ou a condi#?o de pessoa idosa ou portadora de de<iciência)
.................................................................................Y ('R)
X2rt. 1C1. ...................................................................
..................................................................................
,: - contra pessoa 8aior de 90 (sessenta) anos ou portadora de de<iciência6 eBceto no
caso de in>ria.
.................................................................................Y ('R)
X2rt. 1CH. ......................................^^^^.............
..............................................................^.................
D 13 ...........................................................................
, - se a v5ti8a K ascendente6 descendente6 cOn>u&e do a&ente ou 8aior de 90 (sessenta)
anos.
.................................................................................Y ('R)
X2rt. 1EI. ..................................................................
.................................................................................
23
D 13 -e o se$Qestro dura 8ais de 2C (vinte e $uatro) =oras6 se o se$Qestrado K 8enor de
1H (de;oito) ou 8aior de 90 (sessenta) anos6 ou se o cri8e K co8etido por bando ou
$uadri!=a.
..............................................................................Y ('R)
X2rt. 1H3. ...............................................................
..............................................................................
,,, - se o cri8e K praticado contra pessoa co8 idade i&ua! ou superior a 90 (sessenta)
anos.Y ('R)
X2rt. 2CC. DeiBar6 se8 >usta causa6 de prover a subsistência do cOn>u&e6 ou de <i!=o 8enor
de 1H (de;oito) anos ou inapto para o traba!=o6 ou de ascendente invá!ido ou 8aior de 90
(sessenta) anos6 n?o !=es proporcionando os recursos necessários ou <a!tando ao
pa&a8ento de pens?o a!i8ent5cia >udicia!8ente acordada6 <iBada ou 8a>oradaA deiBar6 se8
>usta causa6 de socorrer descendente ou ascendente6 &rave8ente en<er8o)
............................................................................Y ('R)
2rt. 111. O art. 21 do Decreto-(ei n3 3.9HH6 de 3 de outubro de 1IC16 (ei das
%ontraven#ões Penais6 passa a vi&orar acrescido do se&uinte pará&ra<o nico)
X2rt. 21. ....................................................................
..................................................................................
Pará&ra<o nico. 2u8enta-se a pena de 1\3 (u8 ter#o) atK a 8etade se a v5ti8a K 8aior de
90 (sessenta) anos.Y ('R)
2rt. 112. O inciso ,, do D C3 do art. 13 da (ei n3 I.CEE6 de G de abri! de 1IIG6 passa a vi&orar
co8 a se&uinte reda#?o)
X2rt. 13 ......................................................................
..................................................................................
D C3 ............................................................................
,, - se o cri8e K co8etido contra crian#a6 &estante6 portador de de<iciência6 ado!escente ou
8aior de 90 (sessenta) anosA
...............................................................................Y ('R)
2rt. 113. O inciso ,,, do art. 1H da (ei n3 9.39H6 de 21 de outubro de 1IG96 passa a vi&orar
co8 a se&uinte reda#?o)
X2rt. 1H. ........................................................................
....................................................................................
,,, - se $ua!$uer de!es decorrer de associa#?o ou visar a 8enores de 21 (vinte e u8) anos
ou a pessoa co8 idade i&ua! ou superior a 90 (sessenta) anos ou a $ue8 ten=a6 por
24
$ua!$uer causa6 di8inu5da ou supri8ida a capacidade de discerni8ento ou de
autodeter8ina#?o)
................................................................................Y ('R)
2rt. 11C. O art. 13 da (ei n3 10.0CH6 de H de nove8bro de 20006 passa a vi&orar co8 a
se&uinte reda#?o)
X2rt. 13 2s pessoas portadoras de de<iciência6 os idosos co8 idade i&ua! ou superior a 90
(sessenta) anos6 as &estantes6 as !actantes e as pessoas aco8pan=adas por crian#as de
co!o ter?o atendi8ento prioritário6 nos ter8os desta (ei.Y ('R)
2rt. 11E. O Or#a8ento da -e&uridade -ocia! destinará ao "undo 'aciona! de 2ssistência
-ocia!6 atK $ue o "undo 'aciona! do ,doso se>a criado6 os recursos necessários6 e8 cada
eBerc5cio <inanceiro6 para ap!ica#?o e8 pro&ra8as e a#ões re!ativos ao idoso.
2rt. 119. -er?o inc!u5dos nos censos de8o&rá<icos dados re!ativos 7 popu!a#?o idosa do
Pa5s.
2rt. 11G. O Poder 0Becutivo enca8in=ará ao %on&resso 'aciona! pro>eto de !ei revendo os
critKrios de concess?o do Lene<5cio de Presta#?o %ontinuada previsto na (ei Or&Fnica da
2ssistência -ocia!6 de <or8a a &arantir $ue o acesso ao direito se>a condi;ente co8 o
está&io de desenvo!vi8ento socioeconO8ico a!can#ado pe!o Pa5s.
2rt. 11H. 0sta (ei entra e8 vi&or decorridos I0 (noventa) dias da sua pub!ica#?o6
ressa!vado o disposto no caput do art. 396 $ue vi&orará a partir de 13 de >aneiro de 200C.
Lras5!ia6 13 de outubro de 2003A 1H23 da ,ndependência e 11E3 da Repb!ica.
(U,S ,'_%,O (U(2 D2 -,(:2
25

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->