Você está na página 1de 4

Entre a Finlândia e o Piauí

"Os sistemas educativos que deram certo


no mundo são simples, óbvios e robustos.
Praticam o feijão-com-arroz da educação”.

Claudio de Moura Castro

A Finlândia tem o melhor sistema educativo do mundo. O Piauí possui a melhor escola
secundária do Brasil. O que mais haverá de comum entre a Finlândia e o Piauí? É simples,
ambos praticam a teoria do feijão-com-arroz educativo.

Ouvindo alguns oráculos da nossa educação, sentimos falta de um dicionário para entender
certas palavras e de suplemento de oxigênio para navegar nos ares rarefeitos das teorias
recitadas. Para outros, sem doses fartas de tecnologia nada se vai resolver. Mas,
esquadrinhando o mundo em busca dos sistemas educativos que deram certo, vamos
descobrir que são simples, óbvios e robustos. Praticam o feijão-com-arroz da educação.
Vejamos o que dizem as pesquisas peneirando os traços comuns das boas escolas e dos
bons sistemas.

• Boas escolas têm clara percepção dos rumos em que navegam, isto é, possuem metas.
Além disso, são poucas metas, que não mudam de uma hora para outra e são
compartilhadas por todos. E não é só isso. As metas são quantificadas (exemplo: em dois
anos, ganhar tantos pontos nos testes).

• O ambiente é sempre saudável, os fluidos são bons e os professores estão satisfeitos. De


fato, para os professores, a atmosfera da escola é pelo menos tão importante quanto o
salário. Ademais, a sociedade valoriza e prestigia os professores.

• As autoridades dão às escolas muita autonomia para operar. Há forte liderança do diretor
("a escola tem a cara do diretor"). Ele manda. É um real gerente, estando livre para se
mover. Mas deve atingir as metas estabelecidas, e seu desempenho é avaliado com rigor.
Quase não é preciso dizer: nem sua indicação é moeda de troca na política nem ele é eleito
pelos seus pares.

• Sejam públicas ou privadas, as escolas são administradas como as boas empresas. Há


cobrança de resultados e vantagens para quem desempenha bem seu papel. Os melhores
mestres são colocados nas turmas mais difíceis. Ao mesmo tempo, malandros e
incompetentes ganham puxões de orelha.

• Provavelmente, os professores nunca ouviram falar nem nos autores nem nas teorias da
moda pedagógica. Contudo, conhecem bem os assuntos que ensinam e aprenderam a
ensinar. De fato, pedagogia para eles significa saber ensinar cada ponto da matéria.

• Há muita ênfase em aplicar as teorias em problemas da vida real – em vez de decorar


fatos, fórmulas e definições. Os livros são de boa qualidade, detalhados e universalmente
usados. Os professores não precisam "criar" sua aula (embora não esteja proibido), pois
existe uma retaguarda de planejamento e explicitação de tudo o que acontece na aula (os
livros e os guias dos professores oferecem bancos de perguntas, de exercícios e de
aplicações práticas).

• Os currículos oficiais são claros e precisos, dizendo exatamente o que é para ser ensinado
e aprendido. Segundo um funcionário do Ministério da Educação da Finlândia: "Nosso
currículo prescreve, nossos professores ensinam e nossos alunos aprendem as mesmas
competências e conhecimentos que são avaliados no Pisa (Programa Internacional de
Avaliação de Alunos)".

• A sala de aula é convencional. Existem avaliações freqüentes, bastante dever de casa e


muito feedback para o aluno. A jornada de trabalho é longa (pelo menos cinco horas), mas
não há necessariamente tempo integral. Os alunos são seriamente cobrados e precisam
estudar. A disciplina é "careta" (por exemplo, não se pode conversar durante a aula).

• A família acompanha a vida escolar do aluno e o vigia de perto, para assegurar que ele fez
o dever de casa. Além disso, conversa muito com ele e garante a existência de um ambiente
físico e psicológico que favorece o estudo e o aprendizado. Televisão berrando ou
sintonizada na novela pode ser a distração da família, mas desvia o aluno do seu maior
projeto de vida, que é a educação.

Quando examinamos as melhores escolas do Enem, lá está também a predominância da


doutrina do feijão-com-arroz, observada nas melhores escolas de outros países. Colecionam
os melhores lugares as instituições (confessionais ou não) de tradição rígida, os colégios
militares e outras do mesmo estilo. Ainda bem que não são necessárias fórmulas
mirabolantes para oferecer uma boa educação.

Claudio de Moura Castro é economista (Claudio&Moura&Castro@attglobal.net)

Fonte: http://veja.abril.com.br/040407/ponto_de_vista.shtml

Relação professor aluno faz escola se destacar na Prova Brasil

Erika Vieira

Um corpo docente estável e integrado, professores que conhecem bem a realidade dos
alunos e do entorno da escola. Esse é o segredo que faz a Escola Municipal Olavo Pezzotti
se destacar na avaliação da Prova Brasil, realizada pelo Ministério da Educação. De acordo
com a Diretora Maria de Fátima Borges de Oliveira, um corpo docente comprometido com
a escola é fundamental para o bom andamento da instituição.

A Prova Brasil foi aplicada nas escolas estaduais e municipais de todo o país, sendo
avaliados alunos de 4º e 8º série, divididos em português e matemática. Os testes foram
compostos de 350 pontos, desses os estudantes da 8º série da Olavo Pezzotti alcançou
248,40 em português e 259,35 em matemática. Ficando acima da média nacional, 222,63 e
237,46 respectivamente. Já as crianças da 4º série obtiveram 186,43 em português e 184,35
em matemática. Também superaram a nota nacional de 172,91 na primeira disciplina e
179,98 na segunda.
”Fora do período escolar as crianças têm atendimento, que não se confunde com programas
como o pós-escola. Sempre tivemos a preocupação de utilizar o que o bairro tem: Instituto
Tomie Ohtake , a Sala UOL de Cinema, os postos de saúde que são parceiros, os estagiários
mandados pelas universidades. As crianças estão cercadas de muitos interlocutores que as
ajudam ver o mundo de maneira diferente”, explica a diretora. Para ela estar inserida dentro
de um bairro educativo que valoriza a arte e a educação, como a Vila Madalena, estimula os
jovens a gostar de aprender, pois ficam suscetíveis a absorver novos conhecimentos.

Uma dos pontos que contribui para o bom desenvolvimento dos alunos é dentro do Projeto
Político Pedagógico da Olavo Pezzotti ser priorizado a relação da escola com instituições
parceiras. Como acontece com a PUC e a USP que preparam os professores para lidar com
as crianças deficientes em sala de aula; a Rotary que oferece formação profissional aos
alunos; a ACM (Associação Cristã de Moços), a ONG Cidade Escola Aprendiz, igrejas,
entre outras que aplicam atividades com os estudantes. “As crianças tem um atendimento e
atenção em tempo integral”, fala Maria de Fátima.

Apesar das iniciativas de inclusão fazerem diferença no ensino, a diretora enfatiza que o
mais importante é a relação do professor com o aluno. “Relação professor aluno tem um
peso muito grande”. E quanto mais estabilizado o corpo docente melhor se concretiza essa
relação. “Nesse semestre calculamos que o comportamento piorou, porque recebemos um
contingente de novos professores que ainda não estão afinados com a escola. Isto está
diretamente relacionado com a pichação, depredação do patrimônio escolar, etc”, diz a
diretora da EMEF Olavo Pezzotti.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/dimenstein/cbn/m_sp_120706.shtml

Interesses relacionados