Nota: Este livro foi escaneado e corrigido por Norman P. J. Davis Jr.

, em agosto de 2005, para o uso exclusivo de pessoas com alguma deficiencia visual e sua distribuição ao público em geral, bem como para fins comerciais é extritamente proibida pela lei brasileira de direitos autorais. As notas do texto foram postas entre colchetes para facilitar sua identificação. Para ir direto para o texto localize ***. ANTONIO GERALDO DE AGUIAR SERVIÇO SOCIAL E FILOSOFIA DAS ORIGENS A ARAXÁ Antonio Geraldo de Aguiar é professor da Faculdade de Serviço Social de Lins, onde coordena os trabalhos de Conclusão de Curso e chefia o Departamento de Formação e Cultura. É também professor e Chefe do Departamento de Educação na Faculdade de Ciência de Bauru. Tem atuado de maneira singular na área de Serviço Social, participando de encontros, reuniões, congressos e simpósios, destacando-se por sua postura comprometida e comprometedora na linha da reconceituação e da prática junto aos marginalizados. "Serviço Social e Filosofia - das origens a Araxá" é o resultado final, publicado em livro, de "Serviço Social no Brasil - ensaio crítico ao Documento de Araxá", que deu ao professor Geraldo o Título de Mestre em Filosofia da Educação. O livro possui três capítulos, interligados pela seriedade no trato das questões pertinentes ao Serviço Social e suas origens no Brasil: o primeiro aborda o aparecimento da profissão, o segundo apresenta a questão do Desenvolvimento, assumido pelos profissionais como ideologia a nível nacional e o terceiro analisa os pressupostos do Documento de Araxá.

SERVIÇO SOCIAL E FILOSOFIA DAS ORIGENS A ARAXÁ

Copyright © do Autor Co-edição CORTEZ EDITORA / EDITORA UNIMEP (Universidade Metodista de Piracicaba) Conselho editorial: Elyeser Barreto César José Luiz Sigrist Elias Boàventura Hugo Assmann - editor executivo Capa: Jeronimo Oliveira Copidesque: Lenice Bueno Produção: Helen Diniz Revisão: Renato Nicolai Nenhuma parte desta obra pode ser reproduzida ou duplicada sem autorização expressa do Autor e dos editores. Direitos para esta edição CORTEZ EDITORA / UNIMEP Rua Banira, 387 - Tel.: (011) 864-0111 CEP 05009 - São Paulo - SP Impresso no Brasil 1982 ANTONIO GERALDO DE AGUIAR Prof. das Escolas de Serviço Social em Lins e Bauru; mestre em Filosofia da Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba. SERVIÇO SOCIAL E FILOSOFIA DAS ORIGENS A ARAXÁ CORTEZ EDITORA EDITORA Àw IMEP

CIP-Brasil. Catalogação-na-Publicação Câmara Brasileira do Livro, SP Aguiar, Antônio Geraldo de. A227s O serviço social no Brasil: das origens à Araxá / Antonio Geraldo de Aguiar. - São Paulo: Cortez: Piracicaba Universidade Metodista de Piracicaba, 1982. Originalmente apresentada como dissertação de mestrado à Universidade Metodista de Piracicaba. Bibliografia. 1. Serviço social - Brasil 2. Serviço social - Brasil História I. Título. 82-1428 C D D-361.981

Índices para catálogo sistemático: 1. Brasil: Serviço social 361.981 2. Brasil: Serviço social: História 361.981

SUMÁRIO PREFÁCIO ......... 11 INTRODUÇÃO ....... 13 CAPÍTULO I - A IGREJA, O TOMISMO E O SERVIÇO SOCIAL ..........17 A Igreja Católica no Século XX . .......... 17 A Igreja Universal ................... 17 A Ação Católica .................... 19 A Igreja no Brasil ............................................... 20 A Formação do Laicato ........ 21 A Ação junto aos intelectuais e universitários. Fundação das Faculdades Católicas ................... 24 As relações Igreja-Estado. A Liga Eleitoral Católica ........... 25 O Serviço Social no Brasil - Fundação das Primeiras Escolas de Serviço Social e Formação dos Assistentes Sociais ............. 28 Fundação das Primeiras Escolas de Serviço Social ......... 29 Escola de Serviço Social de São Paulo 29 Escola de Serviço Social do Rio de Janeiro 29 A Formação dos Assistentes Sociais e suas características ............ 31 A Formação dos Assistentes Sociais e os Congressos de Serviço Social 35 A Formação do Assistente Social e a ABESS ........... 37 Pressupostos Filosóficos - Neotomismo ........ 39 Renascimento do Tomismo ....................... 39 A Filosofia de Santo Tomás: Alguns Aspectos ................. 41 Código de Malinas ................................... 43 Neotomismo no Brasil ......................... 44 Leonardo Van Acker ............................. 45 Alexandre Correa ..................... 46 Pe. Roberto Sabóia de Medeiros - S. J. ................... 46 Pe. Leonel Franca - S. 1. ............................... 48 Pe. Eduardo Magalhães Lustosa - S. J. .......................... 50 Pe. Pedro Cerrutti - S. J. ............. 50 Jacques Maritain e o Humanismo Integral ...................... 51 Jacques Maritain e sua presença entre nós .................. 51 O Ideal Histórico .................. 53 A Presença Norte-Americana no início do Serviço Social Brasileiro através do Neotomismo e Funcionalismo ............... 57 Programa de Bolsas de estudos ........... 57 A convivência entre os postulados cristãos e neotomistas e as técnicas norte-americanas 60 A presença cristã e os processos de Caso, Grupo e Comunidade 61 O Serviço Social de Grupo e o neotomismo . .. ... .. ..

...

64

CAPÍTULO II - SERVIÇO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO ........... 67 Introdução ................. 67 ONU - A Organização das Nações Unidas e o desenvolvimento ............... 69 O Desenvolvimento de Comunidade de 1945 a 1953 ................... 71 O Desenvolvimento e os Governos de Dutra (1945-1950) e o de Vargas (1950-1954) O Serviço Social nos Governos Dutra e Vargas 74 Desenvolvimento de Comunidade de 1954 a 1967 ............. Período de 1954 a 1960 ............ 76 Final do Governo de Vargas e o Governo de Café Filho 76 O Governo de Juscelino Kubitschek e o Desenvolvimentismo 78 O Serviço Social de 1954 a 1960 ........... 86 Período de 1960 a 1967 .......... 91 Governo de Jânio Quadros, João Goulart e o Golpe de 1964 .......... 91 Governo de Jânio Quadros .......... 91 Governo de João Goulart .......... 93 Golpe de 1964 ............ 97 O Serviço Social de 1960 a 1967 ............. 98 O Desenvolvimento de Comunidade após 1967 ......... 105 Algumas Características do Regime Militar de 1964 .......... 106 O Serviço Social depois de 1967 ........... 109 CAPITULO III - DOCUMENTO DE ARAXÁ: SEUS PRESSUPOSTOS 110 Apresentação e Síntese do Documento de Araxá ......... 110 Apresentação do Documento de Araxá ......... 110 Síntese do Documento de Araxá .......... 110 76

71

Fatos e acontecimentos da história brasileira e a do Serviço Social na época do Documento de Araxá .......... 117 Fatos e acontecimentos da história brasileira na época do Documento de Araxá - Governo Castelo Branco ................ 117 Fatos e acontecimentos do Serviço Social na época do Documento de Araxá - A reconceituação do Serviço Social ........ 119 Anna Augusta de Almeida .......... 121 Ezequiel Ander-Egg ....... 121 Herman Kruse .......... 123

Myrtes de Aguiar Macedo ....... Teresa Porzecanski ......... 124 José Paulo Neto ..................... 124

........ 123

Documento de Araxá: Análise Crítica ......................... 125 Visão de Homem ................ 128 Necessidade de conhecer a realidade .............. 129 O Desenvolvimento e os conceitos de Participação, Conscientização Promoção e Desenvolvimento 131 Conscientização e Desenvolvimento 133 Integração e Desenvolvimento 134 Participação e Desenvolvimento ................. 136 Proposta de Modelo de Desenvolvimento ........... 138 Natureza do Serviço Social 140 CONCLUSÃO ..................................... 144 BIBLIOGRAFIA ........... 147

A José e Rosa, meus pais. A Giselda, minha esposa, pelo apoio, presença e incentivo para que este trabalho se concretizasse. A Carolina, Virgínia e Janaína, minhas três meninas. A todos que foram e são meus alunos na Faculdade de Serviço Social de Lins. AGRADECIMENTOS Este trabalho, originalmente, foi apresentado à Universidade Metodista de Piracicaba, como dissertação de Mestrado em Filosofia da Educação, fruto do incentivo e da colaboração de muita gente a quem quero agradecer. Ao Prof. Dr. José Luiz Sigrist, pela orientação e amizade manifestada durante todo o tempo em que convivemos, bem como pelo incentivo para que publicássemos nosso trabalho. Ao Dr. Hugo Assmann e Dra. Nobuco Kameyama pela análise e críticas feitas ao nosso trabalho como membros da Banca Examinadora. Aos professores do Centro de Pós-Graduação da Universidade Metodista de Piracicaba: Prof. Dr. Dermeval Saviani, Prof. Dr. Geraldo de Oliveira Tonaco, Prof. Dr. Antonio Joaquim Severino e Prof. Dr. José Luiz Sigrist, pela maneira estimulante com que desenvolveram suas aulas. Aos professores da Faculdade de Serviço Social de Lins pelo apoio e pela disponibilidade em assumir em 1979 tarefas nossas para que pudéssemos mais de perto nos dedicar ao trabalho. De modo particular à Profa. Maria Stela Lemos Borges. Ao Pe. José Oscar Beozzo pela colaboração e sugestões. À Faculdade de Serviço Social da PUC de São Paulo, à Cúria Arquidiocesana de São Paulo, à Faculdade de Serviço Social de Lins e Associação Brasileira de Ensino de Serviço Social - ABESS, por nos possibilitarem acesso a seus arquivos. Ao CBCISS pelo acesso à sua biblioteca e pela colaboração manifesta pelos seus funcionários. A todos que, direta ou indiretamente, colaboraram para a elaboração do presente trabalho.

*** INTRODUÇÃO O presente trabalho se originou de questionamentos feitos por nossos alunos na Faculdade de Serviço Social de Lins, que constantemente nos solicitavam uma reflexão que pudesse ajudá-los numa melhor compreensão de sua própria profissão. A partir desses questionamentos decidimos analisar o Documento de Araxá. Explicitar os seus pressupostos básicos, contribuir com os assistentes sociais através de um instrumento crítico sobre um dos documentos que embasam sua teoria e prática e contribuir para a reflexão de nóssos alunos da Faculdade de Serviço social de Lins, foram os objetivos que assumimos. Nossa preocupação central sempre foi a análise do Documento de Araxá, buscando explicitar em que bases ideológicas se assenta o Documento e a que realidade a proposta atende. Partimos do pressuposto de que o Documento de Araxá tem por base o neotomismo e o desenvolvimentismo. O primeiro, marcando a visão de hómem do documento e o segundo justificando sua intervenção num dado momento histórico de nossa política e economia. Tendo em vista a visão de sociedade homogênea - onde deve prevalecer a união das classes e não as contradições - e a percepção de um homem ideal, universal e a-histórico como medida de aferição do real, vemos que o documento se insere dentro de uma ideologia liberal. Para realizarmos essa análise, sentimos necessário retomar os fatos e acontecimentos que marcaram a vida do Serviço Social brasileiro, bem como as conexões desses fatos com a história brasileira. Essa busca no passado, para que melhor pudéssemos explicitar os pressupostos do documento, acabou ampliando os horizontes iniciais de nossa pesquisa. Analisando o Serviço Social desde a década de 30 até 1967, chegamos à análise do documento. Para encontrar respostas às nossas indagações, realizamos uma pesquisa bibliográfica. As fontes básicas de consulta foram textos escritos: artigos de revistas, anais de congressos, relatórios, livros e outras publicações. Realizamos também, informalmente, entrevistas com várias assistentes sociais que vivenciaram etapas importantes da vida do Serviço Social. A partir do material levantado, procuramos buscar as conexões dos fatos vivenciados pelos assistentes sociais protagonistas da história da profissão, buscando sua significação. O resultado de nossa reflexão é apresentado em três capítulos. No primeiro capítulo, A Igreja, o Tomismo e o Serviço Social, a preocupação p. 15 foi mostrar o surgimento do Serviço Social brasileiro atrelado ao projeto de reforma social da Igrëja Católica, bem como a presença do neotomismo, marcando sua visão de hómem e de sociedade; e o Humanismo Integral de Jacques Maritain, que dará suporte ideólógico à sua prática social no sentido de reconstruir a ordem social. Analisamos também a influência européia e norte-americana no Serviço Social brasileiro. No segundo capítulo, Serviço Social e Desenvolvimento, buscamos mostrar o atrelaménto do Serviço Social à ideologia desenvolvimentista. Veremos que o assumir dessa ideologia pelo Serviço Social se deu através da ação desenvolvida pela Organização das Nações Unidas e pelas posições de diferentes governos brasileiros. Essa ideologia se caracterizará por intervenção deliberada do Estado, no sentido de buscar o crescimento econômico, rompendo os quadros do subdesenvolvimento. Éssa ação deve processar-se de forma gradual e equilibrada, isto é, sem romper as bases da civilização ocidental e cristã e conseqüentemente desenvolver o sistema capitalista. Procuraremos mostrar nesse capítulo como se deu a articulação entre o projeto global da sociedade brasileira e a ação do Serviço Social, no sentido de colocar-se a serviço dessa ideologia. Os dois primeiros capítulos servem para mostrar, através do fazer-se da história do Serviço Social, os pressupostos que o Documento de Araxá assume. No terceiro capítulo, Documento de Araxá: seus pressupostos, buscamos situar o documento dentro do processo de reconceituação do Serviço Social e o momento histórico que era o da implantação do regime militar, oriundo do golpe de 1964, bem como procuramos realizar uma análise interna e uma crítica do próprio documento. Quando da escolha do tema deste trabalho, uma preocupação esteve presente: qual o sentido de abordarmos hoje o tema que escolhemos? Qual a sua contribuição? Hoje constatamos a presença de assistentes sociais e escolas de Serviço Social manifestando uma crescente preocupação no sentido de buscar um instrumental de intervenção

que possibilite um Serviço Social mais comprometido com as classes populares nas instituições - local tradicional do trabalho dos assistentes sociais - e principalmente nos trabalhos comunitários. Essa busca implica um questionamento dos pressupostos que até hoje nortearam a prática e a teoria do Serviço Social. Vemos hoje vários trabalhos no sentido de explicitar esses pressupostos, na caminhada da profissão em sua curta história entre nós. Há trabalhos concentrando sua preocupação numa análise teórica desses elementos básicos, outros buscando uma análise a partir da prática desenvolvida pelo Serviço Social. Gradativamente se consolida uma Teoria do Serviço Social. Acreditamos que nosso trabalho possa ser uma contribuição no sentido de clarificar alguns aspectos dessa caminhada do Serviço Social, motivar o debate crítico dos diferentes documentos, como o de Araxá, que serviram ou servem de base para muitos profissionais do Serviço Social. p. 16 CAPÍTULO I A IGREJA, O TOMISMO E O SERVIÇO SOCIAL A IGREJA CATÓLICA NO SÉCULO XX A IGREJA UNIVERSAL Para entendermos o surgimento das escolas de Serviço Social no Brasil - que está ligado à ação da Igreja Católica - parece-nos importante uma colocação rápida sobre as posições da Igreja em nosso século, e, em particular, nas primeiras décadas. De maneira especial, suas posições com relação à questão social. São colocações que terão por base os documentos do Magistério Eclesiástico que, no final do século passado e início deste, foram respostas aos problemas vividos essencialmente pela Europa. Essas posições serão mais tarde assumidas pelas igrejas dos demais continentes. No século XIX, na Europa, os operários viviam, em grau extremo, a miséria e a exploração decorrentes da industrialização e desenvolvimento do capitalismo. Essa situação dá uma grande dimensão à questão social, 1, levando a Igreja a se posicionar. Esta via a época como de grande crise, de decadência da moral e dos costumes cristãos. Essa situação decorre - segundo a Igreja - do liberalismo e do comunismo. Tendo em vista sua missão - encaminhar o homem à conquista da felicidade eterna - ela intervém na situação que é de desordem e que impede as pessoas de cumprir sua tarefa de dar glória a Deus, dadas as condições em que viviam. [ 1. A questão social decorre do problema social. E este, no dizer de Van Gestel, "se refere às perturbações que agitam o corpo social, isto é, aos diversos problemas concretos suscitados pela evolução e os desequilíbrios da vida social. Neste sentido, o problema social diz respeito à patologia da vida social". G. Van Gestel, A Igreja e a Questão Social, p. 20. ] A Igreja, a partir do final do século XIX, começa uma intervenção mais clara e definida no social. De início, tem-se a promulgação p. 17 da Encíclica Rerum Novarum, que vai chamar a atenção da Igreja Universal e do mundo 2 sobre a situação operária e mostrar sua tarefa e contribuição. E o faz afirmando "... que, a não se apelar para a religião e para a Igreja, é impossível encontrar-lhe uma solução eficaz". E "é a Igreja, efetivamente, que haure do Evangelho doutrinas capazes ou de pôr termo ao conflito ou ao menos de o suavizar, expurgando-o de tudo o que ele tenha de severo e áspero ..." 3. [ 2. A Encíclica é dirigida à Igreja Universal, mas responde aos problemas europeus. 3: Leão XIII, Encíclica Rerum Novarum, nº 10, p. 15. ] E Leão XIII, em sua encíclica, aponta como causa da situação trágica e decadente o liberalismo e o socialismo. E preconiza a intervenção do Estado como solução para o problema operário. Afirma o Papa: "Assim, como, pois por todos os meios, o Estado pode tornarse útil às outras classes, assim também pode melhorar muitíssimo a sorte da classe operária, e isto em todo rigor do seu direito, e sem ter a temer a censura de ingerências; porque, em virtude mesmo do seu ofício, o Estado deve servir o interesse comum". 4. [ 4. Leão XIII, Encíclica Rerum Novarum, nº 20, p. 29. ] Contrapondo ao socialismo, o Papa afirma que o que deve existir é a concordância das classes e não a luta entre elas. Diz Sua Santidade: "O princípio primeiro a pôr em evidência, é que o homem deve aceitar com paciência a sua condição; é impossível que na sociedade civil todos sejam elevados ao mesmo nível". E continua afirmando: "O erro capital na questão presente é crer que as duas classes são inimigas natas uma da outra, como se a natureza tivesse armado os ricos e os pobres para se combaterem mutuamente num duelo obstinado". Após a condenação desse erro, o Pontífice diz: "... as duas classes estão destinadas pela natureza a unirem-se harmonicamente e a conservarem-se mutuamente em perfeito equilíbrio". 5. [ 5. Ibid., nº 11, p. 16-17. ] Dentro de uma ação de Igreja, o Papa pede aos operários católicos que se associem. E diante da situação, afirma: "lembrem-se todos de que a primeira coisa a fazer é a restauração dos costumes cristãos ..." 6. [ 6. Ibid., nº 37, p. 51. ] Restauração dos costumes, reforma social, estas idéias serão bandeiras dos cristãos nessa época e também tema da Encíclica de Pio XI, quarenta anos após a Rerum Novarum, isto é, em 1931. O subtítulo do referido documento é "Sobre a Restauração e Aperfeiçoamento da Ordem Social em conformidade com a lei evangélica". Após analisar vários pontos, como direito à propriedade, relação capital e trabalho, liberação do proletariado, salário justo, passa a falar a respeito da restauração da ordem social. E afirma: "Já alguma coisa se faz neste sentido; para realizar o muito que ainda está por p. 18 fazer e para que a família humana colha vantagens melhores e mais abundantes, são de absoluta necessidade duas coisas: a reforma das instituições e a emenda dos costumes". 7. [ 7. Pio XI, Encíclica Quadragesimo Anno, nº 77, p. 33. ] É preciso erradicar o individualismo gerado pelo tipo de economia liberal e impedir o crescimento do comunismo, que foi condenado solenemente por Pio XI na Encíclica Divini Redemptoris, de 1937. É preciso reconstruir a sociedade. Essa reconstrução implica mudança da moral, dos costumes. É preciso recristianizar a sociedade. Respondendo aos apelos dos diferentes pontífices, os católicos, através de determinados grupos e, de início muito mais na Europa, organizam-se para uma luta contra 'a situação operária, procurando através de sua ação reconstruir a sociedade'. Trata-se de reconstruir, pois as bases fundamentais da sociedade não eram questionadas, hajam vista todas as diretivas de obediência à autoridade 9 e todas as afirmações referentes à harmonia entre as classes. [ 8. Antes mesmo da Rerum Novarum, muitos prelados e cristãos tinham uma ação social. Por exemplo: na Alemanha, D. Ketteler, que era chamado "o bispo combativo", escreveu a grande obra A Questão Operária e o Cristianismo. Na Suíça, vamos encontrar D. Mermillod e um estadista, Gaspar Decutins. D. Mermillod foi atuante, viajou muito e presidiu a Comissão de Estudos criada em 1882, por Leão XIII. Dessa comissão surgiu a União de Friburgo. Os estudos da referida comissão ajudaram muito na elaboração da Rerum Novarum. Na França, encontramos Léon Harmel, Tour da Pin, Albert de Mun. Na Inglaterra, o cardeal Henry-Edward Manning. Na Holanda, Schaepman, Ariens, Alberse, Poels. Na Bélgica, Edouard Ducpétiaux, Helleputte e Pe. Pottier. (Cf. Van Gestel, G., A Igreja e a Questão Social, p. 85-99.) 9. Encontramos referências ao respeito à autoridade nos documentos Immortale Dei (1885), Sapientia Christiana (1890) e Quod Apostolici (1878), de Leão XIII; Mirari' (1832), de Gregório XVI e Divini Illius Magistri (1829), de Pio XI. ] Apesar dessa postura de não questionamento das estruturas (por parte da igreja institucional), foi grande a repercussão dos documentos papais e do episcopado e da ação organizada pelos cristãos, a ação voltada para a organização operária e luta por uma legislação social. A ação da Igreja se desenvolve de maneira criativa na Holanda, França, Áustria, Alemanha, Bélgica e outros países. A ação da Igreja resulta nas Semanas Sociais; nas organizações católicas para operários, agricultores, profissões liberais, escolas. Várias personalidades surgem dentro do episcopado, do magistério, dos advogados etc. A AÇÃO CATÓLICA Dentro da ação da Igreja, a Ação Católica é outro movimento. Mas um movimento fundamental. Um movimento de leigos. A Ação Católica no dizer de Pio XI "... é a participação do laicato no apostolado p. 19 hierárquico da Igreja"10. A Ação Católica tem como missão a divulgação da doutrina da Igreja em vista à reforma social. Com relação a isto, ouçamos Pio X: "Veneráveis irmãos, o caráter, o objeto e as condições da Ação Católica, considerada em sua parte mais importante, qual é da solução da questão social, digna de que a ela todas as forças católicas se congreguem com denodo e constância grandíssimos". 11. E Pio XI: "Além do apostolado individual, quase sempre oculto, mas sobremaneira

salientamos o Cardeal Arcoverde. a conquista dos intelectuais.C. Leme inicia uma ação marcante. com sua Carta Pastoral de 1916. O cardeal impulsiona a Ação Católica em sua diocese. Encíclica Divini Illius Magistri. Após salientar a situação. p. p. Constatamos nos documentos papais vindos à luz no final do século passado e início deste. 17. ministrado por Mademoiselle Cristine de Hemptine. Um dos instrumentos que a Igreja utilizou para propagar sua doutrina social foi a escola católica. essa formação se dará pela Confederação Católica.. pedagógicas. Arcebispo de São Paulo e que organizou em 1911 o 1º Congresso da Confederação Católica. quando de sua posse no Arcebispado de Olinda. O referido curso terá uma participação intensa.C. Pio XI. discórdias intestinal das nações. D. descobre-se a tarefa dos leigos dentro do apostolado hierárquico. da Igreja Universal. Essa realização teve. analisa a situação do Brasil do ponto de vista religioso. em São Paulo. José Camargo de Barros e dinamizada por D. sob o título de Juventude Feminina Católica. quando padre na capital paulista. como "a co-participação do laicato no apostolado sacerdotal. num segundo momento. Junta Nacional da Ação Católica e Conselho Nacional da Ação Católica. na restauração da sociedade cristã. Nessa encíclica. decima para baixo. Nesse dia. num exército p. Leme numa doação total à causa da Igreja. no Rio Grande do Sul e de maneira especial o Cardeal Leme.se preocupa em formar o laicato. para comemorar os 5 anos de fundação. em cujo período temos a Revolução Constitucionalista de 1932. "Discurso às Associações Católicas de Roma".A. 306. 34. 12.B. a criação da Universidade Católica do Rio de Janeiro e aproximação com o governo. nº 85. p. FORMAÇÃO DO LAICATO D. com Pio XI. é que apresentaremos agora. bem como das dirigidas a vários países.: apostolado dos leigos. p. p. D. é a antecipação da Ação Católica preconizada por Pio XI. realiza a Semana de Ação Católica. O Cardeal Leme. Mas. 12. A Ação Católica tem uma organização que compreende: Homens da Ação Católica (H. Leme. os movimentos nela congregados passariam a ter ligações com a Ação Católica Brasileira. propõe um plano de ação que procurará concretizar durante toda sua vida. como baluarte do apostolado da Igreja. se dedicam a obra tão necessária". no Rio de Janeiro. familiares.C. Becker. do. Mademoiselle Hemptine terá papel marcante no início de nosso serviço social. a oficialização da Ação Católica dar-se-á a 9 de junho de 1935.F. A IGREJA NO BRASIL O Serviço Social no Brasil. percebemos que a preocupação da Igreja se coloca na perspectiva de uma reforma da sociedade (retorno ao ideal da Idade Média).. o cardeal percebe a importância da colaboração dos leigos com a hierarquia e cria todos esses movimentos que produzem uma ação concreta na sociedade brasileira. . ] Dessas rápidas colocações. os bispos brasileiros promulgam em suas dioceses os estatutos da Ação Católica Brasileira que têm por base o modelo italiano. O Papa via a Igreja como única força capaz de salvar o mundo. Justiça Social. D. Leme "via nela a promessa de uma solução de um problema vital: a transformação dos nossos católicos. se lançasse ao combate pelo reino de Cristo". no Rio de Janeiro . com a propaganda oral e escrita.). colocações sobre a Ação Católica onde D. Centraremos nossas colocações em torno de D. Encíclica II Formo Proposito. p. ] Portanto a A. Na medida em que estas estiverem preparadas. da Família e da Sociedade. luta de classes e. p. [ 17. de acordo com os documentos pontifícios". será marcante a atuação e a presença de D. principalmente nas primeiras décadas do nosso século.B. PIO XI. A Igreja brasileira aos poucos coloca em prática as diretrizes dos Papas Leão XIII. 18. 20 episcopado nacional. larga difusão dos princípios fundamentais que sirvam para a constituição duma ordem social cristã. Emílio. Domingo de Pentecostes. PIO XI. p.. diz Pio XI. econômico-sociais e parapolíticas". pois desde a proclamação da República há separação entre Igreja e Estado. 21 conquistador. que a preocupação fundamental da Igreja concentra-se na reforma social. Mostrou o "esforço titânico dos católicos europeus pela recristianização da sociedade em perigo . No Rio de Janeiro.esforço expresso em atividades de toda ordem: culturais. 34.). e que repercutirá sobre o ânimo dos seus participantes. D. in SALIM.útil e eficaz. da Juventude Feminina Católica. podemos dizer. Liga Feminina de Ação Católica (L. Pio XI. bem como o que desenvolveu junto aos intelectuais e universitários e outros tantos que D. Leme. 15. Na referida carta. um profundo amor à Pátria e uma visão muito grande de seu tempo. [ 14. 16. Todo esse trabalho. deve engajar-se seriamente na reconstrução da sociedade (sem participar da política partidária enquanto movimento).C. da Confederação.da participação dos leigos no apostolado hierárquico dá-se o nome de Ação Católica Brasileira. Leme . Sentindo já em Pio X a semente da Ação Católica. 22 da época. como já vimos. é obra genuinamente religiosa. Irmã Maria R. que sob as ordens da hierarquia. "é o primeiro esforço. Do curso constavam assuntos de Doutrina Social da Igreja e sobre Ação Católica. As-elites devem cristianizar o povo. como veremos. a fundação da Confederação Católica se dá em 08/12/1922 (Reunião inaugural a 27 de janeiro de 1923). antes dessas duas. Ibid. Duarte Leopoldo e Silva.C. Leme e ao episcopado brasileiro. A D. Encíclica Divini Redemptoris. a Confederação Católica já existia em São Paulo. 196. Leme a define. exige a criação da Ação Católica. 299. entre elas Ubi Arcano Dei e Qua Primas "denunciava o que se poderia chamar o estado de "beligerância moral" do mundo contemporâneo: inimizades entre os povos. produzida pelo liberalismo e comunismo.salvar as almas pela cristianização dos indivíduos. No Brasil. Mostra a ignorância e acomodação por parte dos católicos. E também nessa semana mostra que para reformar a sociedade é preciso ser santo. Leme. [ 15. e por isso especialíssimo dever da "Ação Católica". D. SANTO ROSÁRIO.como outros bispos . [ 13. Dentro da preocupação da recristianização da sociedade. num primeiro momento. com tanto zelo. a ausência da religião nas instituições.. nº 66. Ibid. 144. Leme a fundará em Olinda e no Rio de Janeiro. a preocupação de formação e revisão dos trabalhos e. a própria célula da sociedade contaminada pela paulatina desagregação da Família". dedicou uma delas à questão da educação. apesar de seus trabalhos já desenvolvidos como padre em São Paulo e como bispo-auxiliar no Rio. Terá papel relevante na organização do catolicismo no Brasil. serão capázes de influenciar na vida social. em várias nações. Essa aproximação merecerá toda uma estratégia.primeiro como administrador apostólico e depois como cardeal-arcebispo. cabe à Ação Católica fazer.C. logo. a Ação Católica contará com a Comissão Episcopal da Ação Católica. 13. através de suas encíclicas. de 7 a 22 de outubro de 1928. Essa Confederação terá apoio e incentivo de D. 32. bem como orienta o nascimento da Ação Católica Brasileira. por fim. Ibid. é fruto da ação desenvolvida pela Igreja no campo social.A. uma fidelidade sem vacilação ao Papa. pelo que são particularmente caras ao nosso coração paterno e dignas de grandes encômios aquelas associações especiais que. explicita: "À organização ou quadro oficial . no Rio de Janeiro. A reforma da sociedade virá através das elites. fundada por D. PIO XI. [ 16. antes de mais nada. A preocupação de formação da Ação Católica centrar-se-á nas elites. Para que possamos entender as posições iniciais do Serviço Social brasileiro. Na direção. Juventude Católica Brasileira (J. dada a sua capacidade de liderança e a de ser bispo na então capital da República. [ 10.) para maiores de 30 anos e casadas. tendo como objetivo coordenar e disciplinar o apostolado da Igreja. 11. Pio XI dirige a Carta Apostólica Quamvis Nostra. D. PIO X. Pio X e Pio XI. Brasilidade e catolicismo vão andar sempre juntos na atuação do cardeal. mostra-nos D. Duarte Leopoldo e Silva. Seu objetivo imediato é formar o laicato católico para colaborar na missão sublime da Igreja . inclusive da Ação Católica. 15. numa síntese. 19. ] Pio XI.C. entre suas encíclicas. e essa será a preocupação do episcopado brasileiro. Presidente Internacional da Juventude Feminina Católica. dado o papel relevante que desempenhou na Igreja Católica brasileira. em São Paulo. Juventude Feminina Católica (J. ] O trabalho desenvolvido junto à juventude feminina levou à realização de um curso de 1º de julho a 12 de agosto de 1932. Irmã Maria Regina do Santo Rosário. pelo reinado de Jesus Cristo".F.) para maiores de 30 anos e os casados de qualquer idade. através das encíclicas dirigidas à Igreja Universal. Dentro dessa situação e à luz de alguns teólogos p. Dentro do p. E a causa fundamental é a exclusão de Deus.. Nesse período. 14. a falta de organização temática das homilias e outros pontos. em seu livro O Cardeal Leme. diz: "Tudo o que fazem os fiéis para promover e defender a escola católica para seus filhos. No momento inicial a preocupação estará concentrada na formação dos chefes. Onde a Confederação Católica estivesse presente. ] Esse curso terá sua repercussão com o surgimento do primeiro agrupamento de Ação Católica. De início. sinceros mas inoperantes. da Ação Católica que. as posições assumidas pela Igreja no Brasil. Nos comentários dos estatutos da A. p. ] A Confederação cresce e. Leme vai desenvolvendo como bom estrategista. dada a decadência da moral e dos costumes. Formar consciências "primorosamente cristãs". é educativa". a ignorância religiosa dos intelectuais brasileiros. bem como na atuação junto ao governo civil. E esta é a característica básica da A. Leme se preocupará com a formação do laicato.

funda o Centro D.U.. apresenta o esquema das semanas de estudos. ] "a) Para a solução da nossa ordem social os antigos métodos são insuficientes. E sobre a Ação Católica diz: "A. Diz Pe. o que se concretiza na década de 40. A criação de uma universidade católica também foi a preocupação de D. Independente do regime ou do tipo de presidente. tinha ela um duplo fim: começar. O tema central será "Urgência e Necessidade da Ação Católica". De 1932 a 1933. Leme desde o início de seu episcopado. em seu livro Idéias Católicas no Brasil. Prova-se pelos documentos pontifícios e pela experiência quotidiana no exercício do apostolado. a Igreja se depara com um dever: aproveitar a mudança de regime para conseguir que se dessem à vida nacional moldes cristãos. ] Haverá mais tarde a inclusão de seções da J. entre outros. em 1942. p. FUNDAÇÃO DAS FACULDADES CATÓLICAS Um outro trabalho desenvolvido por D. Odilão. [ 19. circulará a revista A Vida. Jackson. ] Nessa perspectiva de recristianização da sociedade.) Tinha uma finalidade de formação religiosa e uma intenção política. quer através do engajamento. Diamantina e Campos. dos universitários. iniciam-se os preparativos. 20. É no fundo uma preocupação de definir o lugar da Igreja dentro da nova ordem. quando da comemoração do Jubileu Sacerdotal do Cardeal Arcoverde.. [ 24. A Ação Católica também se desenvolverá em São Paulo. 23. Vital nas seguintes cidades: São Paulo. Itajubá. 25/03/1943. com Perilo Gomes e Hamilton Nogueira. Vital. O Cardeal Leme. Circular do Arcebispo Metropolitano e Bispos Sufragâneos 26/11/1942. alguns exemplos.C. ] Conforme outra circular de 25/03/1943. Em 1935. D. 28. Após a morte de Jackson. que no Concílio Plenário Brasileiro de 1938 aponta a criação da universidade católica como uma necessidade. que terão também a finalidade de buscar uma aproximação com o governo. Leonel Franca. o centro será dirigido por Alceu Amoroso Lima. O Cardeal Leme. D. O desenvolvimento da Ação Católica também foi uma preocupação de D. [ 22.C.O. Embora a posição ao episcopado não fosse unànime com relação à revolução e a Vargas. pela aproximação de uma das classes mais representativas do País. Em 1922. Leme preparou com carinho. Ouro Preto. Leme aproveitará todos os momentos para mostrar a importância dos católicos na vida do país. uma questão fundamental para a Igreja no Brasil será o das relações com o Estado. 119. (Juventude Universitária Católica). e J. debates e ação. ] Em 1922. Circular do Arcebispo Metropolitano e Bispos Sufragâneos 26/11/1942. Fortaleza.O. No desenrolar da vida e da ação do Centro D. mas obrigatória". Em 1932. havia filiais do Centro D. A Igreja entre a Revolução de 1930. S. (Juventude Operária Católica). 338. E o próprio D. José Gaspar. Com essa fundação temos "sangue novo presente no laicato católico. 22. e dar p. Recife. Irmã Maria R. Arcebispo Metropolitano sobre as próximas Semanas de Estudos da Ação Católica. em nossa Pátria. J. que D. é arregimentação das forças católicas para campanha espiritual da cristianização do mundo". Vasconcelos em sua obra História da Província Eclesiástica. é uma questão de zelo e obediência.AUC. dá-se a instalação solene das faculdades católicas. Aracaju. D. Leme foi sempre um respeitador da ordem e da autoridade. PROVINCIA ECLESIÁSTICA DE SÃO PAULO. não é facultativa. Leme "via que a urgente obra recristianizadora exigia não só a intensificação do movimento religioso em geral e da Ação Católica em particular . Vital. temos em 1929. os aucistas se posicionam claramente numa perspectiva religiosa. Odilão Moura afirma: "A obra cultural católica do Centro D. p. E. preocupação de D. sai o decreto autorizando a Faculdade de Direito e Filosofia e. mas ele desejava gente mais nova que pudesse entender seu tempo. quando bispo-auxiliar de São Paulo e depois como arcebispo. com Alceu Amoroso Lima e Pe. com cursos de Filosofia e Sociologia. funda a revista A Ordem que "visava o combate de toda forma de rebelião. vários organismos antecedem a Ação Católica. Essa preocupação encontramos também numa circular do arcebispo e dos bispos sufragâneos de 1942. em 15/03/1941. quer na conquista da intelectualidade brasileira. Essa é também uma preocupação de D. do. do. p. D. p. o Cardeal intervém até conseguir salvá-la.. no da ética ou das instituições (.E. 28. realizou-se a Páscoa das Classes Armadas.C. Irmã Maria R. do. Este. p. Mas "além da homenagem prestada ao Cardeal. chegando a desfilar de carro aberto com o presidente. nasce o CEAS. Leme. Essa preocupação era compartilhada pelo episcopado nacional. para demonstrar a relação de apoio à autoridade civil. 180. Odilão. [ 20. 24. p. SANTO ROSÁRIO. como afirma Irmã Maria Regina do Santo Rosário. SANTO ROSÁRIO. E muitas realizações aconteceram. da unidade e eficiência de sua ação. Centro de Estudos e Ação Social. quando pesam ameaças contra a vida do presidente Epitácio Pessoa. Nos diversos debates nas faculdades. MOURA. falou a Santa Sé em termos claros e peremptórios". em todas as paróquias. PROVINCIA ECLESIÁSTICA DE SÃO PAULO. na Juventude Católica Brasileira. ] AÇÃO JUNTO AOS INTELECTUAIS E UNIVERSITÁRIOS. Essa preocupação de D. [ 21. São João del Rey. do seu contacto com o povo cristão que poderiam vir as normas salvadoras da tormenta". não propriamente partidária. sob a direção de D. D. informa-nos que.. em que se dá ciência da criação da Comissão Provincial da Ação Católica e se afirma a respeito da mesma: "A organização oficial da Ação Católica em nossa província é grave dever que nos incumbe. Vejamos. 28. Porto Alegre. José Oscar Beozzo que o cardeal e o episcopado utilizarão de grandes concentrações populares "a fim de pressionar o Governo Provisório no sentido de atender as reivindicações católicas e impedir que o mesmo se incline para a esquerda". jamais ultrapassada por outra. a cristianização do Brasil 'temporal'. com exatidão. rezavam juntos. D. que vai estar presente na Revolução de 1930. Tendo em vista a separação Igreja-Estado desde a Proclamação da República. Tanto a revista como o Centro D. Gaspar é apresentada por V. a Fundação da Ação Universitária Católica .E. dada a organização do seu exército laical. Este grupo foi crescendo. 25 o episcopado nacional procura formas de aproximação. visando a influenciar para fazer uma ordem social cristã. mas prática. com Tristão de Ataíde. Vital é a maior afirmação da inteligência cristã no Brasil". quer esta se manifestasse no campo filosófico ou literário. 26 . Leme pôde. ] Vejamos alguns movimentos desenvolvidos em caráter nacional e a tentativa de aproximação que se busca a todo custo com o governo. SANTO ROSÁRIO. Duarte Leopoldo e Silva. nos congressos etc. teremos em 1932 a fundação do Instituto Católico de Estudos Superiores. como diria mais tarde Tristão de Ataíde". 359-360. Duarte Leopoldo e Silva que deseja a instalação de uma universidade em São Paulo. Existiam alguns nomes. 19. José Oscar. a mais fecunda e a mais extensa realizada nos meios intelectuais. um contato sempre foi procurado. 23 CEAS é que terá a tarefa de organizar na capital paulista a Ação Católica. O esquema básico: [ 19. A LIGA ELEITORAL CATÓLICA Dentro da recristianização da sociedade. A 30 de outubro do mesmo ano. p. A circular inicialmente critica aqueles que apenas falam sobre a Ação Católica e nada fazem.C. O Cardeal Leme.C. p. Fará isto nas reuniões. em seguida. destinado a penetrar no meio intelectual p. ] Dentro dessa trilha. Vital foi. ARCEBISPADO DE SÃO PAULO. Além de estudos. BEOZZO." E "era da autoridade dos Pastores. (Juventude Estudantil Católica) e J. Leonel Franca e Tristão de Ataíde e será a semente da futura universidade católica. em 1921. Leme conta. D. Assim como no Rio de Janeiro. constatamos a programação de semanas de estudos sobre Ação Católica previstas para maio e junho do referido ano. A 1º de janeiro de 1940. o episcopado se utilizará de grandes concentrações.C. irmã Maria R. O grupo dirigente do p. Este instituto contará entre outros com Pe. [ 23. na Juventude Feminina Católica e da J. Juiz de Fora. Circular do Sr. Vital exercem influência fundamental em seu tempo.[ 18. No Congresso Eucarístico da Bahia. AS RELAÇÕES IGREJA-ESTADO. quando da intentona comunista.. Jackson Figueiredo será o primeiro com quem D. Leme e que terá repercussão nacional é o desenvolvimento junto aos intelectuais e universitários. Pe. O objetivo era homenagear o cardeal Arcoverde. Enfrentam sérios debates com os estudantes comunistas. 24 através de bibliotecas e publicação de livros selecionados. Em 1924. b) A instalação da Ação Católica. 21. escrever mais tarde: "O Centro D. Idéias Católicas no Brasil. o Estado Novo e a Redemocratização. Leme enfatiza a importância da ação dos católicos. no sentido da construção de uma pátria cristã.

LIMA. afirma: "O Brasil precisa do concurso de todas as outras forças vivas da Nacionalidade para se refazer na disciplina. a verdade de Cristo podia enfim marcar com seu cunho a comunhão nacional. na obediência à Lei. Criou-se para a Igreja uma situação sem precedentes na história do Brasil. ] O SERVIÇO SOCIAL NO BRASIL . Conforme Van Gestel. Pe. MOURA. 88. Odilão. in YASBECK. 146). 35. Idéias Católicas no Brasil. As Semanas Sociais nasceram na Europa. p. BEOZZO. mas não ao povo.a luta contra a desigualdade social . Irmã Maria R. p. 120). para entregar a Vargas as "Reivindicações Católicas em nome do episcopado". [ 27. 29 de formação e outras atividades baseadas na Doutrina Social da Igreja". 26. Da necessidade de uma ação mais coerente e organizada. há grandes solenidades. A Fundação das Duas Primeiras Escolas de Serviço Social no Brasil. Após a organização da Ação Católica. Stela de Faro e Alceu Amoroso Lima. após uma oposição dos não-católicos e livres pensadores. 114). Duarte Leopoldo e Silva.CEAS. na prática das virtudes. Para que exista vocação social. há os de ordem política. SANTO ROSÁRIO. Holanda. 1932/34. 27 A LEC. Os postulados essenciais passam a fazer parte da Constituição. Relatório do Centro de Estudos e Ação Social. esse movimento iniciou-se na França. do. temos a segunda escola de Serviço Social do país. ensino religioso nas escolas (art. [ 29. para cursarem a escola de Serviço Social e. 169. Conseguem os católicos que sejam introduzidos os seguintes postulados: "assistência religiosa às forças armadas.LEC. 30.embora por caminhos diferentes . E a finalidade básica do CEAS é "o estudo e a difusão da doutrina social da Igreja e a ação social dentro da mesma diretriz". Por lógica. no respeito da autoridade. FUNDAÇÃO DAS PRIMEIRAS ESCOLAS DE SERVIÇO SOCIAL Escola de Serviço Social de São Paulo A Escola de Serviço Social de São Paulo nasceu do Centro de Estudos e Ação Social . surgem grupos. Uma concentração com características religiosas e cívicas. Entre nós. que apoiaria os candidatos de qualquer partido que se comprometessem a lutar pelos postulados defendidos pela Igreja. entre outras. a família constituída pelo casamento indissolúvel (art. José Oscar. promovidas pelo Grupo de Ação Social do Rio de Janeiro. ] No Rio de Janeiro salientamos a realização. o Cardeal Arcoverde recebe em seu palácio o presidente Artur Bernardes. Irmã Maria R. 28. p. sob a orientação de D. Com as eleições marcadas para maio de 1933.deixa a direção da Ação Católica para preocupar-se com a organização da Escola de São Paulo. [ 28. Este enfatiza a necessidade da formação social. no trabalho útil e na independência responsável e sem ódios. de Semanas de Ação Social de 16 a 19/08/1936 e de 08 a 14/11/1937. No dia 5 de maio. o governo oferece um banquete ao cardeal e ao episcopado. Felix Pacheco. quando voltam ao nosso país. o CEAS como entidade . § 12º). O cumprimento do acordo terá uma vigilância. de 1º de abril a 15 de maio de 1932. No Brasil. O presidente da República. ministros e diplomatas estiveram presentes. hospitais e penitenciárias (art. Entre elas as de São Paulo. ] Em 1931. Foi um dos instrumentos utilizados para a formação social dos católicos. as militantes do centro passam também a participar da Ação Católica e dela recebem toda a sua formação característica. Lima. do Santo Rosário afirma: "Em 1934. Diz Pe. direito dos trabalhadores conforme a justiça social (art. a questão social . p. o CEAS envia para a Bélgica duas sócias. O Cardeal Leme. professora da École Catholique de Service Social de Bruxelas. 113. D. que se instala em 15 de fevereiro de 1936. 227. através da colaboração das bancadas de Pernambuco e São Paulo. devia-se tamanha conquista à visão criadora de D. O problema social no começo do século XX começa a ser assumido pelos católicos brasileiros. entre outros. O curso foi dirigido por Mademoiselle Adèle de Loneaux. Um dos motivos básicos para a fundação da escola foi a necessidade sentida de uma melhor preparação para a ação social dos quadros militantes da Ação Católica. e a saudação aos ilustres prelados foi feita pelo Ministro das Relações Exteriores que. Maria Camerlita. Irmã Maria R. Em vista disso. entre outras coisas. O convite ao corpo diplomático foi feito pelo Itamarati. Também aqui estiveram presentes as mais altas autoridades. foram organizadas mais as seguintes: Recife (1939). É baseada nesta idéia que "a Ação Católica desenvolveu uma programação de 'Semanas Sociais'. Elas servem à difusão da doutrina social da Igreja para grandes massas. Estudo da Evolução Histórica da Escola de Serviço Social de São Paulo no período de 1936 a 1945. Leme e à disciplina de um povo católico bem formado". Entre essas forças vivas a que aludo. [ 25. os referentes à lesgislação social foram aprovados. Após um tão longo período de inaceitação. Canadá. do. [ 31. Irmã Maria R. 113. em 1937. A idéia de um partido católico é rechaçada por D. cursos p. os católicos terão outra forma de atuação: procurar influir nas eleições e depois na Constituinte. semanas de estudos para formação de seus quadros. Leme convidava deputados para almoçar e contava com o trabalho de Alceu A. dada a Revolução de 30. p. economista social belga. é preciso formação social. casamento religioso com efeitos civis (art. quando Nossa Senhora Aparecida é proclamada Padroeira do Brasil. O Cardeal Leme.mais um passo na sonhada arregimentação dos homens católicos". Inglaterra e outros países. ultimam os preparativos para o surgimento da primeira escola de Serviço Social no Brasil. ] A luta maior será na Constituinte. Uma concentração seria uma demonstração de força. a livre prática do culto religioso nos cemitérios (árt. [ 30. Além dos motivos religiosos. Humanamente. para que seus postulados estivessem presentes. 27. ] Referindo-se a esses acontecimentos.mas sob o mesmo pano de fundo. Leme. o Estado Novo e a Redemocratização. associações que por sua vez organizam cursos. São Paulo. O Cardeal Leme. 40. levando-o a reencontrar a 'fisionomia de brasilidade' que estava perdendo. Dos postulados secundários. p. Dentro dos festejos. do. em 1904. fundado em 15 de junho de 1936. 153). 119.FUNDAÇÃO DAS PRIMEIRAS ESCOLAS DE SERVIÇO SOCIAL E FORMAÇÃO DOS ASSISTENTES SOCIAIS É dentro da visão da Igreja até aqui apresentada. § 7º). constatamos a realização de cursos de formação social e de semanas sociais. p. dias de estudos. que surgem as primeiras escolas de Serviço Social no Brasil. D. ] O CEAS é que coordenará a instalação da Ação Católica em São Paulo. venceram os católicos em toda a linha e o laicismo estatal recebeu um golpe mortal. em nome da imensa maioria católica do País". para discutir o estatuto da Igreja dentro da Nação e perante o Estado". Esse grupo originou-se de uma série de conferências pronunciadas por Pe. nenhuma maior que a Igreja". 25. Valere Fallon. ensino religioso facultativo e assistência eclesiástica facultativa às classes armadas. SANTO ROSÁRIO. 163. Esta redundaria em uma renovação "dos moldes políticos e legislativos. "Discurso no Itamaraty em homenagem ao Cardeal Arcoverde". as Semanas Sociais nasceram no Rio de Janeiro. SANTO ROSÁRIO. A Igreja entre a Revolução de 1930. in SANTO ROSÁRIO. 26.é uma preocupação assumida pela Igreja dentro de uma luta contra o liberalismo e o comunismo. na lealdade aos deveres políticos. o que é feito pela ação da hierarquia e organização do laicato. 321. 28. O Cardeal Leme. Leme aproveitou da Festa do Redentor e da presença de arcebispos e bispos. Rio de Janeiro. Posições referentes à próblemática social estarão no nível secundário. O Centro surge de um grupo de moças preocupadas com a questão social e que participaram ativamente no Curso de Formação Social organizado pelas cônegas regulares de Santo Agostinho. e indispensável ao trabalho urgente de reconstrução geral do País. 28 Muitas das escolas de Serviço Social nascem de grupos que participaram dos cursos de formação social e das semanas sociais. [ 32. autonomia e pluralidade sindical (art. 32. p. conseguiu eleger um grande número de constituintes. do. que foi apoiada de maneira geral pelo episcopado. A escola do Rio se tornou realidade pelo impulso do Cardeal Leme. § 6º). Propõe a criação da Liga Eleitoral Católica .como nos relata Carmelita Yasbeck . Escola de Serviço Social do Rio de Janeiro No Rio de Janeiro . alastrando-se pela Bélgica. 31. Itália. São . Estes postulados e sua luta interessaram à hierarquia e às elites. em que a Igreja deveria influir. Natal e Porto Alegre. Como já observamos. José Oscar Beozzo: "Depois de quarenta anos (desde a República) o Episcopado reaparece unido perante o governo. p. ] No mesmo ano foi inaugurado o Cristo Redentor no Corcovado. Arlete Alves. Além das semanas já citadas. D. O compromisso deve ser com os essenciais: indissolubilidade do casamento. Irmã Maria R. Há postulados essenciais e secundários. p.

ligadas à experiência social cristã no seu país. ficando acertado como estratégia que professores católicos deviam penetrar nessas escolas. Porém não se fala em reforma radical. Serviço Social. Dizendo não a o laicismo. O Assistente social deve combater os desajustamentos individuais e coletivos. existem alguns meios específicos: os círculos de estudo e a orientação individual. dez eram as escolas brasileiras (quase a totalidade) filiadas a esse organismo. pois a autoridade é intocável. 38. Pe. tais como vida física. integrando-a normalmente na marcha em conjunto de toda a sociedade". Nadir. Porto Alegre. Pe. são discutidos pontos das várias disciplinas. Roberto Sabóia de Medeiros. "A Formação de Assistentes Sociais". Rio. fosse constituído por católicos praticantes. técnica. de maneira a prejudicar a sua ação". a atividade da assistente será falha. prática e pessoal. na ajuda da restauração da ordem social cristã. in Resumo da Sessão internacional de Estudos promovida pelo Secretariado Latino-americano da UCISS. ] Emjunho de 1937. [ 40. nessa época. mas de todas as classes sociais. Só com o tempo é que teremos escola para rapazes e moças. afirmou: "De início a parte prática girava exclusivamente em torno de visitas realizadas a obras sociais e a famílias necessitadas. o Serviço Social era destinado só para as mulheres.. no Brasil e na América Latina. p. assumiam na prática a doutrina católica. 2(23):21. o Serviço Social nasce ligado à atuação da Igreja Católica. 40. "Serviço Social". Dada essa postura. educadores familiares e donas de casa que venham ser no meio em que vivam e trabalham. um trabalho legislativo no qual os políticos e os juristas desempenham um papel preponderante". O Serviço Social vai constituir parte. p. deles se pode reclamar a simpatia à autoridade no sentido de compreender suas dificuldades antes de criticá-las. deve levar em conta 4 pontos: formação científica. in LIMA. um dos requisitos era de que o corpo docente assumisse a doutrina social católica. Salvador (1946). Nessas reuniões. Vemos num artigo de Urbina Telles o seguinte: "Assistentes Sociais irão trabalhar para o restabelecimento da ordem social. Importa situar neste momento alguns conceitos básicos. o aspecto técnico só passará a ter significação com a influência americana. influenciaram o desenvolvimento da escola nessa perspectiva. Lelian de. Para isso forma assistentes sociais. tendo como sustentação filosófica o neotomismo. de todos-os problemas que dele se originam e neles se refletem". engajam-se na ação social com a finalidade de reconstruir a sociedade em bases cristãs. Além das atividades normais da escola. ao Assistente Social. porque lhe faltarão os elementos que garantem uma ação educativa. 37. como elementos de correção das anomalias sociais. E o Serviço Social. funda-se no Rio de Janeiro o Instituto de Educação Familiar e Social. condicionada por certo pelo respêito à autoridade. Na Europa. Albertina. "O Conceito Cristão de Serviço Social". "Formação Moral do Assistente Social". mostra que uma escola de Serviço Social. a criação ou o bom funcionamento dos quadros sociais necessários ou úteis ao homem". 34. Aylda Faria S. reside em organizar os estágios. Deve dar ao futuro Assistente Social uma formação moral muito sólida. 36. a economia. O Serviço Social é. tais como: Natal. o Estado. 38. Escola Masculina do Rio e de São Paulo. em 1949. Recife (1948). UCISS. José Coelho. conhecimento sobre o Serviço Social e dar-lhe condições de colocá-lo em prática. portanto. a civilização. verdadeiros elementos de renovação pessoal e católica". em 1949. Em 1949. Arlete Alves. tende a regularizar o seu andamento. ligando-se a determinada engrenagem da sociedade. 39. 32 profissional dos futuros assistentes sociais. o que importa é a formação doutrinária e moral. [ 34. o lugar. E deve proporcionar um conhecimento "exato do homem e da sociedade. Belo Horizonte. foi analisada também a questão das escolas que não tinham uma orientação católica. É a formação técnica que vai dar. ] Para realizar a tarefa que se propõe. baseados em dados científicos. É ele que dará nessa época as perspectivas do serviço social católico. no preparo p. antes de surgir o Serviço Social. de 1944. na Sessão Internacional da UCISS. Guiomar. Consiste no estudo das teorias do Serviço Social então existentes e sua adaptação à nossa realidade. [ 36. o Serviço Social católico é assim definido: "uma forma de ação social (no. os católicos pretendem uma nova ordem onde a família. Nessa linha. É que no fim do século passado e início do século XX. 2 (14): 4. Serviço Social. p. a ideologia que fundamentará essa formação doutrinária é a reconstrução da sociedade em bases cristãs. a serviço de sua ideologia. A formação deve levar em conta vários aspectos da vida do homem. A formação Científica se dará através das disciplinas científicas como a Sociologia. exercida sobre a estrutura mesma da sociedade. instrumento da Ação Social. Nesse ano. para bom número de escolas. onde estão os alunos e os orientadores de curso. 30 A FORMAÇÃO DOS ASSISTENTES SOCIAIS E SUAS CARACTERÍSTICAS Como constatamos. Além da ligação de sua prática. "Escola de Serviço Social". que é visada pelo Serviço Social". há sua ligação do ponto de vista teórico. É mais um movimento de idéias. p.União Católica Internacional de Serviço Social. . 1949. no artigo "Escola de Serviço Social". 437.o agente do Serviço Social. 4:85. [ 35. 31 A Ação Social: "é uma ação mais ampla (do que o Serviço Social). [ 37. 35. Nadir Kfouri. nas obras e a supervisão". em 1949. SOUZA. Vindas da França. uma parte da Ação Social. Foi fundado em 1925. A Fundação das Duas Primeiras Escolas de Serviço Social no Brasil. ] p. Relatório do Instituto Familiar e Social. portanto. e que. ao contrário. no Rio de Janeiro. FERREIRA RAMOS. Dada a relevância do tema. Porém não basta que sejam piedosos. se colocam os discursos de Stela de Faro e Alceu Amoroso Lima. noções de técnicas auxiliares e da moral profissional. O Serviço Social atua mais em relação ao indivíduo e em pequenas comunidades. A formação técnica compreende o estudo da natureza do Serviço Social. na abertura do 2º Congresso Pan-Americano de Serviço Social. por exemplo. Serviço Social. 84-88. encontra formas pedagógicas ou técnicas de fazer com que a ideologia assumida seja comunicada aos alunos. a maioria das escolas até 1950 terá a influência direta da Igreja Católica. ] Em 1949. Mais do que respeito. PEREIRA. respondendo aos apelos dos papas. 2(14):6. A exemplo das escolas de São Paulo e do Rio de Janeiro. Aylda Faria da Silva Ferreira. da Ação Social . cuja atividade e devotamento.. de 12-14/jul. Cf. A formação técnica é a formação específica do Assistente Social. Serviço Social. ] Servem também de sustentação ideológica para os assistentes sociais. O Assistente Social . ao comunismo. KFOURI. 11-12. ] A fundação da escola do Rio de Janeiro contou com uma equipe da Congregação das Filhas do Coração de Maria. Retomando. in Anais do II Congresso Pan-Americano de Serviço Social. com os seguintes objetivos: "formar entre as mulheres. Daí a formação técnica ensinar "como" fazê-lo. 33 Os círculos de estudos são reuniões. o Serviço Social não pode ter uma postura neutra na formação dos futuros assistentes sociais. Ádèle de Loneaux assim define o Serviço Social: "Conjunto de esforços feitos para adaptar o maior número possível de indivíduos à vida social. ao liberalismo. Depois surgem escolas masculinas. 1938. 41. a política e os costumes tenham por base o evangelho e que a sociedade seja organizada em bases corporativas. ou melhor. ] A formação pessoal: A escola deve se preocupar com o desabrochar da personalidade integral do aluno./1949. Diz Aylda Faria: "Sem uma formação moral solidamente edificada sobre uma base de princípios cristãos. 39. quer contribuir para a instauração ou manutenção da ordem social cristã favorecendo.sentido moderno e técnico da palavra) que. mental e moral. p. [ 42. Albertina. 66. não de uma classe. Mostraremos agora como se processava a formação do Assistente Social nesse período. Numa primeira fase do Serviço Social no Brasil. realizou-se em São Paulo uma Sessão Internacional de Estudos promovida pelo Secretariado Latino-americano dá UCISS. visando transformar ou adaptar os quadros existentes de acordo com a época. Serviço Social. por métodos técnicos apropriados. ] Essa formação pessoal será um dos aspectos importantes na formação doutrinária dos alunos. nasce a Ação Social. Toda visão de homem se dará sob os quadros católicos. econômica e jurídico-social. Psicologia e Biologia e também da Moral. No início. Nessa sessão são reafirmados todos os princípios que até então orientaram a formação do Assistente Social. mas também competentes.J. uma consciência de comunidade cristã que venha substituir o individualismo liberal mas sem cair na socialização inumana e estatal. É um organismo que se pauta pela doutrina da Igreja. ou para adaptar as condições de vida social às necessidades dos indivíduos". URBINA TELLES. nos institutos em que ensinam ou nos ambientes sociais em que atuam. no período noturno. 2(23):21. [ 33. 43. No final da década de 40 é que começam as organizações de estágios. as diretrizes e atividades da UCISS . os católicos. não esconde e nem camufla sua postura. Este assunto foi objeto de debates na reunião da UCISS. p. 33. teremos um tipo de formação marcadamente clara e definida. S. Belo Horizonte (1949 ou 1950) e Curitiba (1951). "A Formação de Assistentes Sociais".é assim definido: "pessoa metodicamente formada numa escola de Serviço Social. "Dificuldades e Soluções Encontradas na Formação de Assistentes Sociais". bem como dar-lhes condições para que possam utilizar o saber recebido como instrumentos de trabalho.Paulo (1940). A formação prática é a aprendizagem do "como fazer" na realidade das diferentes instituições com que os futuros assistentes sociais mantinham contatos. no 2º Congresso Pan-Americano. PAULA FERREIRA. Atualmente percebe-se que a preocupação maior. chegada ao Brasil em abril de 1937. Para isso. 42. [ 41. FERREIRA RAMOS.

o trabalho chama a atenção para a importância da ética para o Serviço Social. pela Escola Técnica de Assistência Social Cecy Dodsworth da Prefeitura do Distrito Federal (Brasil) e Dificultades para la Formación Práctica de Asistentes Sociales y Algunas Soluciones Aplicadas por Augusta Schroeder (Uruguai). "Escola de Serviço Social". Rio de Janeiro. um dos temas foi: "Dificuldades e soluções encontradas na formação de Assistentes Sociais". ] O aspecto doutrinário era enfatizado na formação do profissional. Diz Aylda Faria: "Excluir completamente do ensino toda ideologia. Essa preocupação será básica nas cadeiras do primeiro ano e nos círculos de estudos. sobreelevada pela caridade cristã. Esteve presente nos diferentes momentos do Serviço Social: em sua fase inicial católica. Hanns Lippmann mostra que o Assistente Social deve estar livre dos interësses de grupos econômicos e políticos. dizendo: "Doutrina que não se confunda nem com o individualismo. requerendo. Ibid. Nascida sob a orientação católica. e o do Brasil. ] Como percebemos.) Uma só p. Apostólica. Nadir Kfouri afirma: "A formação teórica fundamenta-se no conceito do homem e da sociedade. diretrizes. (. "A Formação dos Trabalhadores Sociais". Para que haja essa formação adequada e que se assuma como vocação. KFOURI. nos diz: "A exclusão. nem com o coletivismo. e principalmente dos brasileiros. [ 48. 46. [ 46. sua fundação se deu em 1946. devem concorrer para reforçar os ensinamentos ministrados na cadeira de Ética. Serviço Social.. princípios. que esclareça o espírito e oriente atos". Para que os alunos pudessem ser selecionados. um "período de provação" que antecipava o exame de admissão.no programa. isto é. 1949. [ 51. através da valorização das técnicas e de certos pressupostos funcionalistas.a CATÓLICA". Guiomar. 2(14):4. que completaremos a questão sobre a formação do Assistente Social. nas discussões em torno do desenvolvimento e na intervenção do Serviço Social. faz referência "às alunas" e "às orientadoras do curso". "A Formação de Assistentes Sociais". necessita ser selecionado. bem como a organização dos cursos. A autora em questão afirma: "Parte primordial na formação dos Assistentes Sociais . requer uma formação doutrinária definida. não é realizar trabalho educativo. reduzindo-se a um simples preparo técnico. 461-462.o do Chile. na reconceituação e outros.. PEREIRA. Serviço Social. as bases morais e sociológicas do serviço social são informadas pela conceituação cristã de vida que tem suas fontes na doutrina social católica. 1949. impossível seria dissociar-se a Assistência Social do Cristianismo. se nós tivéssemos a insensatez de querer afastar do plano assistencial as soluções fornecidas pela doutrina social da Igreja Católica. a pimeira da América Latina. que sejam competentes em suas áreas e possibilitem a interrelação entre as disciplinas. no Chile. Na maioria de nossas escolas. por assistentes sociais católicas. pois toda ação requer normas. quer materialmente.bem como ajudar a "desenvolver o raciocínio e despertar o sentido social". ou não querer informar o espírito dos alunos das Escolas de Serviço Social com a Doutrina e a Moral Católica. a moral cristã é aceita e reconhecida mesmo pelos não-cristãos. 456. no artigo em que aborda a questão. Requer uma ideologia. no sentido religioso da palavra.. ] Em que bases deve assentar a formação doutrinária? Urbina Telles nos responde. se tornaria 'incompreensível' e desprovido de seu nexo de sentido mais profundo. ] No trabalho da Escola-Técnica de Assistência Social da Prefeitura do Distrito Federal. Deve preponderar mesmo sobre a formação técnica. 36 E essa formação não pode ficar apenas a cargo da disciplina de Ética. Escola Técnica de Assistência Social Cecy Dodsworth. foi em comemoração ao 20º Aniversário de Fundação da Escola de Serviço Social de Santiago. pois ". no preparo social. "Formação Moral dos Assistentes Sociais". mas que fique no meio termo. Firma-se. ] p. conduzirá certamente à estreiteza de vistas. 45. da assessoria que sempre deu às escolas espalhadas pelo Brasil e dos cursos de aperfeiçoamento de docentes.. 2(23):23. Para que uma escola de Serviço Social possa realizar bem sua tarefa.a doutrinária .ABESS. 50. Os candidatos precisam ter o "mínimo de devotamento. pois este foi. 4:99.não deverá jamais ceder-lugar à técnica". [ 50. por Nadir Kfouri (Brasil). foram apresentados os seguintes trabalhos: Preparación Profesional del Asistente Social. um exemplo vivo da realização da moral preconizada. sobre o assunto. Utiliza-se o método da Ação Católica: ver. p. 34 doutrina. 49. 9(54):41. encontraremos . não levando em conta somente o aspecto de "informações necessárias porque terão utilidade na prática. através de seus professores sobretudo. E não serem nervosos em excesso". O primeiro congresso realizado em Santiago. são discutidos e analisados os problemas da realidade. FERREIRA RAMOS. A formação doutrinária é importante.. p. A FORMAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL E OS CONGRESSOS DE SERVIÇO SOCIAL A formação dos profissionais em Serviço Social. Essa percepção é advinda. de verdadeira formação. mas "todas as disciplinas. [ 43. Ureta (Argentina). e as soluções possíveis dentro da visão cristã. e traça as normas gerais para Ao ensino de Serviço p. da Escola . como já constatamos. ] Nas perspectivas até aqui colocadas. não existe prática profissional.. Nesse tópico. Quanto ao corpo discente. E Ferreira Ramos. de modo que o próprio ambiente da Escola seja. A FORMAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL E A ABESS Na formação do Assistente Social brasileiro e na organização das Escolas de Serviço Social.no início . É preciso professores que sejam exemplos a serem seguidos. apenas dar as noções sem fundamentá-las. porém começa a estar presente também a influência norte-americana. Sem uma perspectiva moral. ] Escrevendo sobre o assunto. uma vez que o Serviço Social era praticado apenas pelas mulheres. Para tanto. a ação social. logo se conclui da importância que há em coordenar e articular programas. Aylda Faria S. ] A orientação individual será o contato pessoal com o encarregado da formação. da Prefeitura do Distrito Federal (RJ). na expressão feliz de Delgado de Carvalho. Mas esse princípio não vale para a Religião. LIPPMAN. A questão formação foi tratada. 436. Hans L. o Serviço Social católico tem uma maneira própria de ver os homens e o mundo. Urbina Telles enfatiza que essa formação deve impregnar toda a formação e não ser coisa à parte. [ 49. Diz a autora: "Quanto à formação moral propriamente dita terá que se basear nos princípios cristãos . Nesses-dois congressos é marcante a posição católica através da presença e desempenho das escolas que seguem essa orientação. sem o que é impossível se atingir o bem comum e viver-se numa sociedade realmente democrática". muitas vezes parcial. in Anais do 11 Congresso Pan-Americano de Serviço Social. dos documentos papais e dos diferentes episcopados. tais como: critérios para admissão de candidatos. considerando a eminente dignidade da pessoa humana e a necessidade da sociedade para seu desenvolvimento. Para a realização deste último ponto. sob a liderança de D. julgar e agir. URBINA TELLES. Salientaremos aqui os dois primeiros . de critério e de senso prático. 2(14):4. Õdila Cintra Ferreira. dentro do que estamos abordando. Guiomar. Esse período de provação era feito em forma de curso. por Emma G. in Anais do II Congresso Pan-Americano de Serviço Social. o Prof. "Dificuldades e Soluções encontradas na Formação de Assistentes Sociais". foi preponderante a atuação da Associação Brasileira de Ensino de Serviço Social . serão básicas aulas de Doutrina Católica e de Moral. Daí que a escola não podia ter uma postura eclética. Romana. "o movimento que revelou a verdadeira caridade entre os homens". correndo o risco de conduzir à incerteza. "E: "Os ensinamentos cristãos representam a fonte onde os trabalhadores sociais irão abeberar-se. 35 Social. Dentro desse espírito se procura estabelecer a convicção de que o Serviço Social se prende a um plano de reestruturação da sociedade e de formação dos quadros sociais. Para a formação doutrinária. base da doutrina social dos Soberanos Pontífices". PEREIRA. No seguudo Congresso realizado no Rio de janeiro. Aylda Faria S. em 1945. conseqüentemente. [ 44. incluindo uma determinada filosofia. foi objeto de análise e debates nos congressos panamericanos. 45. Serviço Social... p. em função do qual os princípios filosóficos se assentam. as escolas tinham . à ação fruto das oportunidades. [ 47. Por outro lado. 44. o princípio de que o trabalho social lança suas raízes na justiça. Serviço Social.. salientamos. em 1949. ao erro. ineficaz senão prejudicial". o Serviço Social era assumido como uma vocação. de toda a ideologia. em 1949. Nadir. assim. Com relação à formação. o aspecto referente à formação ético-profissional. É a partir deles. pois este deveria ter uma concepção de vida que "deve ser fruto de princípios doutrinários fundados na Verdade". em 1945. Rio de Janeiro. é necessário que o ambiente da escola seja um ambiente adequado. quer psicologicamente. seriação e a função do Assistente Social. disciplinas.. URBINA TELLES. 48. mas de unidade de doutrina indispensável a uma boa formação moral". Sua atuação aconteceu e acontece por intermédio de suas convenções. "A Formação dos Assistentes Sociais em face das exigênciàs da hora presente". Albertina. com princípios que são imutáveis porque perfeitos. "Formação Moral do Assistente Social". Dificuldades e soluções encontradas na formação de Assistentes Sociais. A Formação dos Trabalhadores Sociais. 51. Com referência ao tema. 47. a escolha dos professores está ligada com sua orientação doutrinária. Serviço Social.

Os aspectos analisados foram a formação psicológica. p. [ 53. o significado do Serviço Social cristão. 39 força no final do século XIX. durante muito tempo. No século XVIII.data em que temos o Documento de Araxá .A Filosofia de Santo Tomás.corrente progressista . E será através dessa universidade que o tomismo vai irradiar sua força. 97. 38 metafísica e que devem ser melhorados para que possam provocar maior reflexão dos alunos. Uma delas foi o neotomismo. 1."deseja enriquecer o thomismo. as de Religião. J.O Código de Malinas. [ 52. aplicando-o aos nossos problemas. Nivaldo.de Serviço Social de São Paulo e.. salienta-se Mercier. por conseqüência.Neotomismo no Brasil. Faremos aqui uma retomada sintética dessa restauração. 949-950. "Alocução sobre Mercier". Até 1967 . ] Dentre as convenções realizadas pela ABESS. Direito. Quanto à formação moral. através da encíclica Aeterni Patris. . 57. mas se estenderá também aos leigos. Os princípios de dignidade da pessoa humana. conforme sua especialidade.NEOTOMISMO O Serviço Social . Ibid. A Ordem.. Ainda quando padre. 54. p. FRANCA. A Formação Cristã para o Serviço Social.Manifestações dessa formação através da atuação dos assistentes sociais. A filosofia de Santo Tomás. Terá seu apogeu e irradiará sua luz por um longo período. Serviço Social)". IV Convenção Nacional da ABESS. Ela começa a ser retomada com toda p. pois ". da escolha dos professores e supervisores." O Papa coloca ". recebe de Leão XIII a tarefa de ser responsável pela cadeira de Filosofia Tomista na Universidade de Lovaina. a oração. a Reforma Social e a importância da aula de Religião. para realizar essa tarefa. à nova escolástica o duplo caráter que faz a sua força: o da tradição e do progresso. vejamos algumas. p.. começa a haver uma ruptura por parte daqueles que começam a assumir uma postura na visão dialética. 52.. in Alocuções e Artigos. ] Em 1959. 37 missa solene e durante certo tempo havia um dia de recolhimento. aconteceu. Um outro grupo . embasa sua teoria e sua prática em diferentes filosofias. um dia antes da convenção. Apresentaremos o neotomismo da seguinte forma: . PRESSUPOSTOS FILOSÓFICOS .. a doutrina do Santo Angélico era apresentada. ao que parece. mas que no decorrer de sua história e em contextos diferentes. "O Thomismo e as Várias Correntes Neo-Thomistas". que devia ser repensado em toda a juventude de sua atualidade". no século XII. ] Essa restauração de Santo Tomás tinha uma intenção clara. KFOURI. nas disciplinas Moral. entre outros. ] Mas o desenvolvimento dessa corrente filosófica não se fará de maneira uniforme.". pois existe ligação entre ela e o surgimento do Serviço Social no Brasil.. hauridos em Santo Tomás. o pano de fundo era a doutrina católica. em Fortaleza. 53. em julho. análises e pesquisas em algumas convenções da ABESS. 56. 20(23):423. p. Toda a vida das escolas estava impregnada dessa maneira de ver. 55. do bem-comum. E que a exemplo de Maria. os assistentes sociais têm a tarefa de "Anunciar a Redenção". o propósito da Igreja ressuscitando o tomismo. A presença dessa filosofia restaurada não servirá apenas na formação dos padres. desde 1936 até 1960. realizou-se em Porto Alegre a IX Convenção. o retiro etc. do estudo da ética Profissional. p. sem uma preocupação de enriquecimento da doutrina do mesmo. O tema foi "A Formação Cristã para o Serviço Social e a Metodologia do Ensino de Serviço Social de Grupo e Organização de Comunidade". 1. [ 57. proporá a restauração da filosofia tomista. foi enviado um questionário para todas as escolas e a maioria respondeu.Renascimento do Tomismo. A formação cristã do profissional em Serviço Social foi objeto de estudos. Quanto ao aspecto psicológico. a Doutrina da Igreja e. tendo sua presença atuante nas primeiras décadas do século XX. Thonnard afirma: ". confrontá-la com a ciência moderna e estabelecer contatos com a filosofia moderna. Doutrina Social ou Doutrina Católica.. [ 55. enfatizou-se que o assistente social deve buscar a perfeição.. Tendo em vista seus objetivos iniciais. estão atuando bem. 1954. . Será Leão XIII que. [ 56. Sertillanges e Maritain. Sabemos que não existe a filosofia do Serviço Social.. mas de maneira explícita. ] O jovem padre percebe sua árdua tarefa. O chefe da restauração da filosofia de Santo Tomás e na perspectiva progressista foi o Cardeal Mercier. a filosofia tomista .. marcará por muito tempo a história da filosofia e do homem. de maneira preponderante. admitindo uma crítica thomista do conhecimento e assimilação das ciências modernas". está esquecida. para quem desejasse. Pelas respostas ao questionário..foram realizadas 14 convenções. Estudo da Evolução Histórica da Escola de Serviço Social de São Paulo no período de 1936 a 1945.apesar de uns poucos filósofos. Em 1960. Sob a ótica católica é que devemos entender a contribuição dada com relação à formação dos assistentes sociais até a década de 60.. a partir deste século. ] Mercier não realiza essa tarefa sozinho. Nadir. de 7 a 14 de julho.. a concepção católica se fez presente. Ética. 1954.como explicamos até agora . mas se não for é porque estão fracassando". Do ponto de vista filosófico. dado o preconceito com relação ao tomismo. em cujo temário encontramos a questão da formação cristã em suas dimensões moral e espiritual. Mesmo quando os temas eram específicos de Serviço Social. ficou claro que deve ser assumida por todos os membros da escola. Dentro do estudo das várias disciplinas. F. Procurará imprimir ". Franca. salientou-se: que o aluno seja acompanhado no processo de maturação e que ganhe maior conhecimento de si e que se dê maior participação dos alunos na vida da escola. a Associação Brasileira de Ensino de Serviço Social "exerceu um papel extremamente relevante no sentido de imprimir unidade no ensino das Escolas de Serviço Social. MONTE. RENASCIMENTO DO TOMISMO O neotomismo consiste numa retomada da filosofia expressa por Santo Tomás de Aquino. 953. A Formação Cristã para o Serviço Social . se a mentalidade cristã for reinante nas Escolas Católicas. foi enfatizada a importância de saber como se encontra a formação. segundo Thonnard: "Unir os pensadores católicos para a conquista do pensamento moderno tal é. 107. inclusive na sua versão materialista. A partir de 1960. . tivemos em São Paulo a IV Convenção da ABESS. a Diretora da Escola de Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.. Com relação ao tema "formação cristã". entre outras.Jacques Maritain e o Humanismo Integral. Leonel. São Paulo. Quanto aos aspectos espirituais. "a restauração escolástica não era a simples exumação de uma múmia antiga a ser colocada nos museus modernos. in: YASBECK. Higiene e Medicina Social. dois pontos essenciais: 1) necessidade de fazer uma escolha nas teorias a restaurar. São Paulo. p.. salientou a missão dos assistentes sociais: o cristianismo humanizante para a conquista da paz. também foram analisadas e reafirmadas como importantes para a formação integral do assistente social. ABESS. da Filosofia Tomista. Vemos diferentes posições. 58. o relator do tema constatou "que todas as Escolas acham que a Formação Cristã para o Serviço Social deve ser como o espírito e a vida que informa a alma das Escolas e de todo trabalhador social"54 Dos relatórios referentes à questão formação. É a partir da década de 60 que vemos o movimento chamado de reconceituação de Serviço Social. THONNARD. . que os programas de ética devem conter uma maior fundamentação p. Lúcio José dos. na discussão dos currículos e dos grandes temas". Doutrina Social da Igreja e Ética Profissional. Quando da análise dos resultados. iluminaram a teoria e prática do assistente social. Maria Carmelita. Em 1954. 2) necessidade de acolher o progresso científico e de ser do seu tempo no que ele tem de bom. continuarem a ensinar a doutrina do filósofo dominicano podemos dizer. vemos reafirmados os princípios da Doutrina Católica.. Compêndio de História de Filosofia. SANTOS.fundamenta-se na Doutrina Social da Igreja. criando uma equipe onde cada um estabelecia contato com o Doutor Angélico. Era um pensamento vivo como o espírito. era preciso: reabilitar historicamente a filosofia de Santo Tomás. Psicologia. na Universidade de Lovaina onde se juntava o . de troca de experiências e de garantir um certo padrão de ensino.". moral e espiritual. mas aglutina em torno de si discípulos. que essa busca de perfeição seja iluminada pelo espírito comunitário e pela doutrina do Corpo Místico de Cristo e que as aulas de religião não tenham o carater apologético e que valorizem as práticas tradicionais. As convenções normalmente iniciavam-se com p.. No encerramento da convenção. com o tema: "Formação da Personalidade do Assistente Social em todos os Aspectos". IV Convenção Nacional da ABESS. Um grupo voltará sua preocupação a apenas comentar Santo Tomás. [ 58. a X Convenção da ABESS. terá por base o neotomismo. Desse grupo. O tema foi "Renovação do Currículo das Escolas de Serviço Social e Estudos dos Programas de Algumas Cadeiras mais Importantes no Ensino do Serviço Social (Sociologia. Segundo Pe.

p. idéia análoga. Servicio Social. princípios positivos capazes de ditar lei ao apostolado social. p. de vontade. E como já vimos. [ 60. História da Filosofia. [ 71. Presença Filosófica (1. 70. p. conceitos de sociedade e bem-comum e questão ética como pressupostos básicos presentes na formação.. in História da Filosofia Cristã. 61. 67. E a pessoa é o ser mais perfeito no seu aspecto físico e espiritual.. 71. O desenvolvimento humano depende dos outros. 2 e 3):102-103. nunca instrumento". 960. A pessoa humana é composta de duas substâncias incompletas: a alma e o corpo. ] A FILOSÕFIA DE SANTO TOMÁS: ALGUNS ASPECTOS Santo Tomás estará presente no Serviço Social através do neotomismo. Mas isto depende de uma escolha do homem. teologia e filosofia. 68. o tomismo devia ir além do círculo eclesiástico e formar. 66. é necessário que viva como membro de uma multidão". evidente que se considera o homem uma natureza animal. afirma que. tomo I. portanto. Ibid.. [ 67. A União realizou vários encontros para estudo dos problemas na ótica cristã. tenderá a busca da virtude. Thonnard expondo Santo Tomás assim define o homem: "um composto substancial de matéria-prima e forma substancial". cria no homem a exigência de Deus.. E essa sociedade deve visar ao bem-comum que Santo Tomás define como "o bem-estar da sociedade. que é a fonte de todos os seres. ] A presença da filosofia de Santo Tomás no campo social também se dará através do Cardeal Mercier. este é um ser distinto de qualquer outro ser. 109. 40 escol do catolicismo belga. 29. Michele Federico.. Servicio Social. 959. demonstra claramente que o homem necessita viver em sociedade. Um dos objetivos da União era "o estudo dos problemas sociais à luz da moral católica". Essa dimensão racional produz. Compêndio de História de Filosofia.. O corpo humano é o mais perfeito. 42 da pessoa humana que é o homem como ser social. uma natureza sensitiva e uma natureza racional. Servicio Social. As leis que têm por base a lei eterna. " 59. 1.. a lei humana e a lei divina. A união dessas duas substâncias p. Apud COOK. p. J. 65. em perfeição. [ 59. Thonnard. ] Dentro da hierarquia dos seres. 64. os mesmos têm ficado restritos a um grupo de escol. ] Essa visão com relação à autoridade e ao Estado justifica a posição inicial do serviço social brasileiro de não questionamento da ordem vigente até suas raízes e de buscar sempre apenas reformar a sociedade. Buscando elaborar um pensamento coerente e harmônico.do assistente social. Mas o homem é também dotado de vontade e. p. p. à ação política.". ] Pela capacidade intelectiva. "La Filosofia Tomista en tos Princípios del Servicio Social de Grupo". Tomás de. [ 72. p. em sua filosofia. Este influenciou a restauração do neotomismo e marcará sua presença na ação social desenvolvida pelos cristãos. logo. fundada em Malinas. Servicio Social. toma por fundamento o princípio seguinte: "Tudo é inteligível pelo Ser. Etienne... conhecimento e realidade. Este código iluminou a ação dos cristãos na chamada questão social e marcará também os assistentes sociais católicos brasileiros. Na Assembléia de 1924. Ibid. diz Santo Tomás. Segundo a definição de pessoa de Santo Tomás.. Ela é sempre meta. A dignidade e a perfeição da pessoa humana nos mostram seu valor absoluto. É necessária uma colocação sintética de alguns pontos da filosofia do Doutor Angélico que penetrou o pensamento dos assistentes sociais. Santo Tomás. Referindo-se a esse trabalho.. mostra que a primeira realidade a ser explicada deve ser Deus. pode escolher os seus caminhos. analisa o homem. Vemos a análise desses dois aspectos no artigo "A pessoa humana em Santo Tomás" de Pedro Dalle Nogare. partirá da reflexão feita por Aristóteles e a trará sob nova luz ao cenário filosófico de sua época. Ibid. De Rege et Regno IV. Da própria natureza da pessoa humana decorre seu aspecto social.. 27. J. pois sem liberdade é impossível colocar a dimensão da moralidade. I. de progresso. Logo. Santo Tomás diz que a sociedade é "a união de homens com o propósito de efetuar algo comum". nos dá o ser humano. COOK. Santo Tomás tratará em sua reflexão de questões vitais para sua época. por ser um animal social é um "animal político". vol. SCIACCA. por isso. 62. fé e ciência. Compêndio de História de Filosofia. "A Pessoa Humana em Santo Tomás". E é nesta distinção que radica a dignidade da pessoa humana. leigo. homens políticos.. afirma: ". Diz Gilson: "é mister que a lei vise principalmente à felicidade comum e ao bem-estar da coletividade". Terence J. 9(9):34. não só padres. que ora explicitamos. melhorando conseqüentemente a ordem vigente. do bem. tais como: as relações entre Deus e o mundo. Ibid. dedicar-se-iam primeiro e principalmente em destacar das nossas crenças e da nossa filosofia. A questão da escolha é fundamental. à luz de Santo Tomás. o homem transformou-se em autor de desenvolvimento. Através da reflexão intelectual. "A Pessoa Humana em Santo Tomás". AQUINO. referindo-se a esse fato diz: ". Pedro Dalle. respeitá-la é respeitar a Deus. 41 numa substância única. Estas questões e outras mereceram tratamento e soluções dentro do pensamento tomista. apesar do valor dos estudos e debates. quando seus benefícios são distribuídos a todos". Isso nos remete a uma outra dimensão p. "S. 420. mas também magistrados. I.. Summa Theológica. para que haja o bem-comum é necessário o Estado.3. como conseqüência. ] . 9(9):31.. distingue a pessoa é sua racionalidade. embora composta. P. Por ser racional.p. F. está presente no "Código Social de Malinas". 43 "União Internacional de Estudos Sociais". conhecendo os caminhos. após analisar a existência de Deus. em 1920. Summa Theológica. Estado supõe autoridade. Deus criou "o corpo a serviço da alma e para com ela formar o composto humano. ] Ligada à definição de pessoa como ser social está também a de sociedade. Mas o que realmente. A inteligência. Vivendo seu tempo histórico. de saber. O Estado deve respeitar a Igreja. o homem. Art. elaborado pela p. [ 62. o homem tem consciência do seu eu e é capaz de situar-se como distinto dos outros seres. 60. durante a guerra de 1914 e depois esforçou-se por resolver. [ 70.. 228. THONNARD. [ 66. Pedro Nogare diz que "dizer que a pessoa tem um valor absoluto é o mesmo que dizer: a pessoa deve ser considerada sempre como fim e nunca como meio. tenderá a alcançar o fim último: Deus. COOK Terence J. capacita a pessoa ao conhecimento de Deus. A. A liberdade. Podemos dizer como Santo Tomás: "é. "a pessoa significa o que há de mais perfeito em todo o universo". q. 377. É na construção da sociedade que o homem não pode esquecer que o fim da mesma é a felicidade geral. 72. Ad. realizando-se no ato e na potência". 9(9):41. Código Social. I. THONNARD. é capaz de escolha. Tomás de Aquino". AQUINO. sob a presidência do Cardeal Mercier. 1. A partir desse princípio. Tomás de.. e se cada um procura realizar sua tarefa não há conflito entre Igreja e Estado. 65. AQUINO Tomás de. 68. o mais funcional e o mais complexo. Terence I. é ser dotado de inteligência. diretores de obras sociais. F. a alma humana espiritual tem natureza e funções superiores a qualquer outro ser criado. maioria (sem contar os estrangeiros). P.. É difícil separar aspectos de uma filosofia tão unitária e harmônica. Apud COOK. p. a qualquer outro corpo". desde que garanta os direitos da pessoa e o bem-estar da comunidade é boa. Ora. a pessoa humana. 73. toda forma de governo. Summa Tbeológica. O outro ângulo da racionalidade do homem é que esta faz a pessoa humana imagem de Deus. Philotheus e GILSON. Na vida social as leis devem servir para norteá-la. "La Filosofia Tomista en tos Princípios del Servicio Social de Grupo". 3. E "toda forma de autoridade deriva de Deus. 63. E assim a define: "Uma pessoa é a substância individual (indivisa) de uma natureza racional". 64. 364. "Santo Tomás repete com Aristóteles: "o homem é naturalmente um animal social". com essas reflexões e com diretrizes sobre diferentes questões sociais. BOEHNER. 2 e 3):101.. Porque inteligente. numa palavra chefes em todos os domínios. Q. Assim não existe conflito entre fé e razão. 69. VI. o princípio da consciência em si e da liberdade. UNIÃO INTERNACIONAL DE ESTUDOS SOCIAIS. através da Igreja Católica. mas podemos destacar a visão de pessoa humana. "La Filosofia Tomista en los Princípios del Servicio Social de Grupo'. NOGARE. o Cardeal Mercier. devem servir ao bem-comum e não ao indivíduo como tal. ] A pessoa humana tem também uma perfeição espiritual que se manifesta através da racionalidade. 69. na elaboração do Código de Malinas. E sugere como instrumento uma espécie de catecismo. associação fundada em 1921. cria-o de tal forma que possa desempenhar seu papel da melhor forma. Terence J. os graves problemas sociais que se apresentavam e pode dizer-se que a sua última obra filosófica foi em grande parte ativa na redação do 'Code sóciâl chrétien' composto pelos sociólogos da União Internacional de Estudos Sociais. não é uma vontade determinada. [ 61. sob sua presidência". Apud NOGARE. a capacidade de escolha é também manifestação da inteligência do homem. Por decorrência da natureza humana. o corpo humano é superior. "La Filosofia Tomista en tos Princípios del Servicio Social de Grupo". 9(9):44. p. a presença do grande filósofo do século XII virá até o Serviço Social. " 73. Santo Tomás. cap. Pedro Dalle. bem como a doutrina social da Igreja. ] Santo Tomás mostra que existem três espécies de leis que dirigem a comunidade ao bem-comum: a lei natural. 63. Enfatiza a necessidade de que as reflexões feitas penetrem as massas. CÓDIGO DE MALINAS A filosofia de Santo Tomás. Presença Filosófica (1.

o homem é criado à-imagem e semelhança de Deus. p. coloca sua vida em função da restauração da sociedade. Segundo Carmelita Yasbeck. entre nós.. um dos estudiosos e divulgadores de Blondel. A Faculdade de Filosofia de São Paulo. fermento da futura PUC do Rio de Janeiro. dos jesuítas. 165. em sua longa carreira de pensador escolástico. bem como através dos círculos de estudos. salientamos em São Pauïo: Alexandre Correia. no Rio de Janeiro. p. [ 76. a vida econômica. Leonardo Van Acker. através p. tendo um destino pessoal. em 1955. a exemplo de Helena Junqueira. principalmente os que exerceram em determinados períodos o magistério nas escolas de Serviço Social. [ 75. enfatizou sempre a necessidade de se colocar em prática as diretrizes papais. 78. Da 4ª Sessão das Semanas Sociais realizada em São Paulo. chamado Apóstolo da Ação Social. no sentido pleno da palavra. dos quais salientamos os seguintes: 1. através da Faculdade Livre de Filosofia e Letras de São Paulo. sendo. Odilão. C. 5. 62. o homem é um ser social. 82. não se basta sozinho. por iniciativa de D. no Brasil. MOURA. Pe. fomentar e aplicar toda espécie de trabalho social. quer por suas posiçoes teóricas. Essa Faculdade será um foco de irradiação do tomismo. no Rio de Janeiro: Pe.. onde em 1922 virá lecionar. Daí o seu significado importantíssimo na história da educação universitária no Brasil e a sua inapreciável contribuição para o pensamento católico". Outro foco de irradiação será o Rio de Janeiro. p. Em 1941. coloca-se na mesma linha de pensamento de Leonel Franca. Além de dirigir de maneira especial seu trabalho junto aos patrões e operários. exerce uma fiscalização legítima sobre a vida econômica". foi fundada em 15 de julho de 1908. dos estudos superiores de Filosofia e Letras e. 70-71. Recebeu sua formação na Faculdade de São Bento. D. fundada em 1908. a economia e a moral estão ligadas. Em todos os itens. em São Paulo e no Brasil. Idéias Católicas no Brasil. D. Hugon. fundado em 1939. Ibid. Leonardo. ao mesmo tempo que se abre ao diálogo com o pensamento moderno. o filósofo cristão distancia-se do individualismo e do coletivismo: ". Podem-se salientar quatro fases da faculdade: 1) 1908 a 1917. O neotomismo em São Paulo está ligado a um dos discípulos do Cardeal Mercier . tinha como finalidade o estudo e a divulgação das idéias no campo social. 75. Tomismo e Neo-tomismo no Brasil. 79. Fernando Arruda. encontramos os ensinamentos emanados do magistério da Igreja e do Doutor Angélico. através do Centro D.. Odilão. Desenvolveu estudos na área social subordinados à sua visão filosófica e à doutrina social da Igreja. recebendo sua doutrina através das disciplinas: Doutrina p. Trabalhou junto aos patrões e operários. a presença da posição belga se fará através dos professores Leonardo Van Acker e Alexandre Correia. em 1940. levando-os ao engajamento. Sabóia as que seguem. sua filosofia em vez de se servir de comentadores. podemos destacar. com saudosa gratidão". Nasceu em 1905. 81. CAMPOS. A chamada "questão social" foi uma preocupação constante do Pe. mais tarde. p. Esta entidade nasceu com o objetivo de "estudar. um dos mais expressivos representantes do neotomismo no Brasil". buscando sempre a harmonia entre as classes. entre as quais salientamos a pronunciada em fevereiro de 1941 sobre "As Bases do Serviço Social". No campo da filosofia sua postura foi "na direção da metafísica clássica.) ] Leonardo Van Acker Van Acker nasceu na Bélgica.. nasceu a "Comissão Permanente de Ação Social". Seu trabalho concentrou-se em São Paulo e no Rio de Janeiro. Atuou nas Semanas Sociais e passou a presidi-las a partir da 5ª sessão realizada em Porto Alegre. defendendo as doutrinas tradicionais da metafísica clássica. Alexandre Correia é "objetivo na crítica da filosofia moderna. Segundo D. Moral. aos quais ele se refere. Sentroul. Fernando Arruda. 76. "Foi dos leigos católicos que mais contribuiu para o pensamento filosófico nesta terra (São Paulo). Sentroul . 167. também ao nível da filosofia. Odilão. Fez estudos sobre Descartes e foi. Daí se deduz: "A Igreja. 4. os princípios referentes ao homem. A respeito dessa posição. o Instituto de Direito Social. VAN ACKER. Odilão. Realizou várias palestras. afirma: ". D. ] NEOTOMISMO NO BRASIL Apresentaremos os principais representantes . Deu sua contribuição ao Serviço Social. abriu os caminhos da Filosofia pura. Van Acker. com quem manteve correspondência sistemática. Vital. reestruturação em face da legislação brasileira e busca do reconhecimento oficial. que depois se transferiu para São Paulo. Maritain. discípulo de Santo Tomás. dos restauradores e dos reformuladores. desta soube aproveitar o que havia de verdadeiro e assimilável pelo tomismo".. Pe. Na "Ação Social" nasceram várias unidades: .do neotomismo no Brasil que marcaram a formação dos assistentes sociais brasileiros. atém-se fortemente às duas extremidades da cadeia. 126. 4) 1946 em diante. quer pela sua ação penetrante no campo social. em 1896. formando grandes nomes da filosofia e da cultura brasileira. Enquanto esta entidade estava mais voltada para a ação. Duarte Leopoldo e Silva. Contou com o apoio do arcebispo de São Paulo. in MOURA. Junto com Van Acker. p. dedicando-se toda a vida aos estudos metafísicos e jurídicos".que trouxe para o Brasil a visão renovada do tomismo. ] Pe. Ibid. entre outras. 3) 1936 a 1945. à eminente dignidade da pessoa humana e à necessidade da sociedade para seu desenvolvimento integral". Filósofo. busca sempre um diálogo da filosofia tomista com o pensamento moderno. Sabóia. presença de Leonardo Van Acker. Na Introdução 74 é que constatamos. Sabóia. desta forma. ] Alexandre Correia Outro nome é o de Alexandre Correia que nasceu em 1890. 80. com clareza. Leonel Franca e outros das mais diferéntes ordens religiosas. CAMPOS. 3. haurida nos anos universitários. Arruda diz: "O professor Leonardo Van Acker dedicou toda a sua vida ao serviço da filosofia. Assim procura fazer com que o neotomismo se firme entre as várias correntes do momento atual. a vida cívica. Essa faculdade foi depois agregada à Universidade de Lovaina e. Alexandre Correia foi professor de Princípios de Filosofia Moral. a escola de Serviço Social surgiu marcada pelo Serviço Social belga. Pe. A partir de 1944. Partindo do livro Pe. 44 Social.Mons. Van Acker conserva.) Referindo-se à Faculdade. Fernando Arruda de. Doutrina Católica. em seus estudos. inspirado nas diretivas da doutrina social da Igreja". p. Roberto Sabóia. Em 1944. Idéias Católicas no Brasil. Em São Paulo. isto é. Roberto Sabóia de Medeiros. Miguel Kruse. Idéias Católicas no Brasil. 77. 11-13. do Pe. Odilão Moura afirma: "A Faculdade de Filosofia e Letras de São Bento foi pioneira. a Universidade de Lovaina e as posições de Mercier. em 1921. e ocupou a cadeira de Filosofia na faculdade de Filosofia de São Bento. Eduardo Lustosa. [ 78. afirma: "sempre permaneci fiel à minha formação lovainense: repensar a filosofia aristotélica-tomista em contato com a Filosofia e a Ciência vigentes no ambiente". traduziu a Suma Teológica de Santo Tomás. e depois através das faculdades católicas. Tomismo e Neotomismo no Brasil. É doutor em Filosofia pela Faculdade de São Bento e pela Universidade de Lovaina. com algumas aberturas para o pensamento moderno". 79. 2) 1922 a 1935. a vida internacional e a vida sobrenatural. p. Entre os nomes que registramos. Foi aluno da 1ª turma de São Bento. entre as realizações do Pe. neste sentido. conseguiu entusiasmar inúmeros leigos. Ética. E. referindo-se a Pe. com a criação da Universidade Católica de São Paulo. 2. O pensador em questão divide o tomismo em três correntes: a dos tradicionalistas. abade do Mosteiro de São Bento. "o homem. Houve casos de assistentes sociais que antes de freqüentarem a escola de Serviço Social fizeram o curso de filosofia no Mosteiro de São Bento. [ 74. (Cf. D. José Coelho de Souza. incorpora-se à PUC de São Paulo. p. Os primeiros assistentes sociais foram marcados pela filosofia de Santo Tomás. Esses dois nomes tiveram como fonte. marcada pela presença de Mons. a sólida formação filosófica. 46 Pe. para os leigos católicos. depois Faculdade de São Bento.explicitando suas posições . 77. guarda da moral. Doutor em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. doutor em Filosofia e Letras pela Universidade de Lovaina. e morreu em São Paulo. fiel às suas origens filosóficas. no Mosteiro de São Bento. D. Veio para o Brasil. Pedro Cerrutti. Sabóia desenvolveu um trabalho intenso junto às mais diferentes categorias de pessoas.. Hélder Câmara. 45 dos mestres Mercier. a sociedade é para ele o meio necessário que o ajuda a atingir seu próprio fim". Uma de suas preocupações foi a de sempre buscar nos próprios textos do Doutor Angélico. Roberto Sabóia de Medeiros Outro nome que precisamos salientar é o do jesuíta Padre Roberto Sabóia de Medeiros. Pe. Conhecedor profundo da doutrina social da Igreja. 166. MOURA.O código é dividido em introdução e em cinco capítulos: a vida familiar. Van Acker foi professor de Princípios da Doutrina Social na Escola de Serviço Social de São Paulo. os membros do Instituto fizeram estudos sobre o Código de Malinas. foi professor na escola de Serviço Social em seus primórdios. Ele se coloca entre os restauradores. passou a chamar-se apenas "Ação Social".

Odilão. foi diretor da Escola de Serviço Social. Eduardo Magalhães Lustosa S. Apresenta nesse livro a teologia p. ] Pe.J. Eduardo foi professor de Ética. 86. Roberto Sabóia de Medeiros. Odilão. CAMPOS. 48 no Brasil. Sua maior preocupação centrou-se mais na relação Filosofia e Teologia do que Filosofia e Filosofia. apud SOUZA. 84. Franca". revista e ampliada nas primeiras edições. Clínica Santo Inácio. dentre as correntes que distinguem o neotomismo. por instantes. considerando somente aquilo que ele diretamente trouxe para a redescoberta e a compreensão do tomismo no Brasil. Tomismo e Neotomismo no Brasil. seja intermediário nos conflitos. por conseqüência. num relato seu ao Pe. Parece situar-se nesta terceira corrente sobre a qual afirma: "Nem tudo é para rejeitar depois de Descartes. outra p. Segundo o Anuário das Faculdades Católicas do Rio de Janeiro. Diz D.Escola Superior de Administração "Pandiá Calógeras". corria o risco de sair de circulação. ] Pe. p. 88. Odilão afirma: "Não é muito fácil descobrir qual a linha tomista que segue Pe. sendo uma mais conservadora.. Franca . mostrando ser fiel seguidor da doutrina do Angélico. palestras e seus escritos. 81. futura Universidade Católica do Rio. Leonel Franca. Vital. ] JACQUES MARITAIN E O HUMANISMO INTEGRAL . deveríamos talvez concluir com um balanço pobre . Sua primeira obra e que chegou a mais de 20 edições foi Noções de História da Filosofia. quando da fundação pelo Instituto Social. 88. 142-144. e CASTAGNOLA. Quando não. Pe. O Serviço Social recebeu também o impulso do Pe.. com cursos. 114.. Pe. Diz o Pe. pelo que concerne ao impulso dado à filosofia 86. Fernando Arruda. Luís Castagnola diz: "contribuiu de um modo decisivo para a vitória da filosofia tomista p. p. Leonel. Cf. então seu papel aparece como determinante. Carta do Pe. p. p. Pe. 49 mais progressista e finalmente a mais compreensiva. 83. p. Sabóia que a "Ação Social". pois. 50 da Igreja. 90. CF. 93. estes encontravam nele o orientador prudente e sábio". É quando o Pe. afirma em relação à restauração do tomismo: "A restauração moderna da escolástica e. Sabóia a assume e passa a ter a sua direção a partir do nº 31. Pe. in História da Filosofia. p. "ocupa-se no momento com uma intensa campanha entre os industriais paulistas para que cada um tome para sua fábrica um assistente social. Idéias Católicas no Brasil. plenitude. Esta posição do Pe. porque os conflitos de trabalho que se amiúdam e que às vezes são propositadamente provocados. Pe. na presença do neotomismo: Pe. D. Entre o tomismo lovainense e romano preferiu este último. Franca vê como grandes centros a Universidade Gregoriana e a Universidade de Lovaina. Leonel. pois "a existência de uma filosofia única e certa é a conseqüência óbvia da aptidão natural das potências cognoscitivas para a consecução da verdade"91'. mesmo aberto ao seu tempo e ao diálogo com outras correntes filosóficas. Pe.. para que tivessem um instrumento de como dar os primeiros passos no campo da Filosofia. Leonel Franca Há um nome que se destaca no Rio de Janeiro. PADOVANI. Franca dentro da corrente tradicionalista. p. Lustosa nasceu em 1905 e morreu em 1945. têm recebido. em 1944. Rousselot e Marechal assumem essa posição segundo Franca.J. que começou a circular em 1939. 89. 85. consideramos Leonel Franca de um ponto de vista mais amplo. Tendo em vista seu papel de liderança intelectual no Rio de Janeiro e sua ligação com as faculdades católicas. Noções de História da Filosofia. [ 93. Dentre as várias posições do tomismo. 90. FRANCA. Idéias Católicas no Brasil. afirma: "Se considerássemos a contribuição de Leonel Franca ao neotomismo de um ponto de vista estrito". os elementos sadios e salvá-lo da dissolução da anarquia ou da catástrofe de um suicídio". em função de sua problemática atual". Franca? D. 138. escrita em 1918. ibid. p. Nos textos que fazem referência ao Pe. 259. ] Pe. Franca sempre se preocupou em discernir o sistema verdadeiro dos errôneos. Pe. Sabóia. A fidelidade. p. D. 82. Pe. Na parte preliminar aborda problemas filosóficos. através da "Ação Social" e da revista Serviço Social. em que corrente podemos situar o Pe. Dentre suas publicações destaca-se a revista Serviço Social. a Divisão de Cultura Profissional. E acreditava na existência de uma filosofia verdadeira. de modo particular.nem sempre existem posições unânimes. Isto através de alguns de seus escritos e muito mais pela sua ação educacional e cultural. docilidade ao real. eduque o operário. 'no centro de sua geração'. 162. "Caracteres Fundamentais do Tomismo". MOURA. 84. "O Pensamento Filosófico no Brasil". Pedro foi professor da Escola de Serviço Social do Rio de Janeiro logo no seu início. Dadas essas características. exerceu influência na Escola de Serviço Social do Rio de Janeiro. Pe. em São Paulo. Faculdade de Engenharia. Cf. p. o Pe. respeito à tradição. ibid. José Coelho de. José Coelho de. Franca multiforme e eficientemente nos meios culturais brasileiros. Roberto Sabóia de Medeiros. Se. Van Acker. 172. por intermédio da Divisão de Moral Social. soluções indesejáveis. não tanto à letra quanto ao espírito de Santo Tomás. temos livros e artigos. p. 89. vai-se espalhando entre os operários a persuasão de que sempre têm direito contra os patrões. Lidia. Viveu a maior parte de sua vida de trabalho no Rio de Janeiro. 555. SOUZA. A "Ação Social" tinha 5 setores: a Divisão de Moral Social. Luís. MOURA. Pe. p. Humberto. Sabóia ao Provincial em 1941. Pe. da 'recatolização das inteligências') colocando-o no posto que lhe cabe. É o lançar no campo de luta do pensamento moderno a vitalidade de uma síntese do que lhe há de assimilar sem dificuldades. apazígüe os ânimos. 27. Leonel Franca não o impediu de estabelecer contato com correntes mais progressistas. A medida é de alcance. de 1929. É apenas um retomar o fio partido da grande tradição intelectual da humanidade. Fernando Arruda. 83. falando do Pe. Referindo-se ao padre.". Ibid. Por falta de verba e outros problemas. ACERBONI.. FRANCA. Mas um ponto há em comum: embora o Pe. Centro Técnico do Trabalho. [ 92. não representa. Diretor espiritual de universitários e intelectuais. Mas. No seu livro Noções de História da Filosofia. não foi este o caminho seguido pela Espanha? Se há remédio parece este consistir em que o assistente social. um movimento fictício e superficial que pretendesse. 93. elenca as seguintes características do tomismo: coesão doutrinal. Escreveu-a para os jovens. 87.. bem como professor de Doutrina Social e Moral Social. Escola de Desenho Técnico São Francisco de Borja. Sertillanges. na maior parte das vezes. Vejamos a importância dada pelo Pe. Instituto Superior de Estudos Sociais. onde ele possa achar o equilíbrio entre as suas exigências e as possibilidades sociais". José Coelho de. e se vai solapando o princípio da autoridade. Provincial. Leonel Franca. A Filosofia Contemporânea no Brasil. a Divisão de Medicina Social. Diretor da Faculdade Católica de Direito do Rio de Janeiro e primeiro redator da Revista Verbum. Odilão: "Atuou Pe. posição esta do núcleo de São Bento. Lidia Acerboni. Aceitando tiradas ocas sobre a miséria de classes proletárias. o do renascimento da cultura católica do Brasil (ou como dizia Jackson de Figueiredo. Na análise das várias correntes filosóficas e na relação que estabelece com o tomismo. CAMPOS. Sabóia ao Serviço Social e sua maneira de ver a ação p. E também o seu trabalho junto aos intelectuais que fez através do Centro D. desejo de Pio XI e do Cardeal Leme. doutorou-se em Filosofia e Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma. Franca situou-se dentro de uma perspectiva mais ortodoxa do tomismo. 87. Pe. pelo contrário. exerceu grande influência também no campo filosófico.. Nasceu em 1893 e morreu em 1948. José Coelho de Souza. Pedro Cerrutti S. e os encaminhe a um Círculo Operário. O suborno vai de mãos dadas com a petulância. sob a direção de um grupo de assistentes sociais da LBA. o dinheiro do patrão há de intervir para ter ganho de causa. [ 85. Escreveu várias monografias jurídico-sociais. É nessa perspectiva que vemos seu trabalho no sentido de criação e concretização das faculdades católicas. Tomismo e Neotomismo no Brasil. datado de 1941 e apresentado por Pe. SOUZA. No artigo "Caracteres Fundamentais do Tomismo". 92. 91. Políticos e Econômicos. Publicou Caminho da Verdade Suprema. Franca distribui as correntes neotomistas em três. Foi um dos grandes colaboradores do Cardeal Leme. 139. de 1943. 47 do Assistente Social. pelo papel que exerceu junto à intelectualidade e. coloca o Pe. Roberto Sabóia de Medeiros. in Alocuções e Artigos.os que conseguimos pesquisar . Franca não tenha sido um filósofo no sentido técnico. p. no tomismo. Com referência à sua produção filosófica. 90. Tipografia Canísio e várias publicações. E sua presença se deu também quando da Constituinte de 1934. [ 80. penetrando na fábrica. 100. 90. Ora. aberto à possibilidade de progresso. impõe o dever de repensar as questões modernas. subindo às Juntas de Conciliação e Julgamento. No início da restauração do tomismo. galvanizar um cadáver. a Divisão Trabalhista e a Divisão de Economia Social.

Jacques Maritain e sua presença entre nós Não podemos encerrar esta nossa rápida abordagem sobre o neotomismo sem uma referência explícita sobre Jacques Maritain. das idéias políticas e sociais. um Saint-Simon ou Fourier construíam uma utopia. p. um novo regime de civilização que se caracterizaria por um humanismo integral. pois descobre Raïssa. A primeira fase vai do nascimento a 1910. Ibid. as instituições do status quo tradicional. no Chile e Rafael Caldera. B. seu testemunho cristão foi marcante em várias gerações e suas idéias filosóficas e políticas influenciaram a muitos em todo o mundo e no Brasil. Em uma entrevista concedida a Antonio Carlos Villaça. Viveu intensamente seus 91 anos. Ibid. Nesse período foi embaixador do governo francês junto à Santa Sé. mas como obra que se está fazendo). A busca da verdade foi uma constante em sua existência.. Humanismo Integral . [ 99. Edgar de Godói da Mata Machado.. que perdera suas raízes religiosas. A reação foi violenta. Antonio Carlos. pois os que detinham o poder percebem uma pregação doutrinária que enfatiza uma ação prática que leva a Igreja a mudar de posição e. A nível da filosofia prática. agiu como uma terra de ninguém sem contraditores. Ao contrário. A conversão de Jacques e seus escritos possibilitaram um reencontro entre a intelectualidade e a Igreja. foi recebida. A partir da década de 50. Necessário se faz construir uma nova cristandade. por isso. no sentido de uma conversão dupla das gerações jovens. Bergson e Leon Bloy. Sigrist afirma: "Impulsionado pelo Ideal Histórico o movimento ganha impulso e experimenta momentos de grande dinamismo e força". e de todo clima histórico particular. Diferente de suas posições filosóficas e religiosas. Um de seus grandes discípulos. em 1934. exprimindo um máximo absoluto de perfeição social e política. entre 1947 e 1949. temos um documento assinado por' Dardo Regulas. suas idéias eram recebidas com reverência ou. antes do Humanismo Integral.Uma visão nova da Ordem Cristã. 53 capaz de agir na história e ajudar os homens . Caderno B. quer políticas e sociais. 4. os seguidores de Maritain. Foi ele o grande filósofo cristão do século XX que retomou com propriedade o legado de Santo Tomás. isolado de toda existência datada. 90 Anos". ] No Brasil. ou melhor. e apresentando somente precisamente porque implica uma ordem efetiva à existência concreta . José Luiz. O empenho de fazer surgir esse humanismo deve passar por uma mudança da sociedade em que vivemos. mas foram colocadas no campo prático. Essas suas idéias foram pronunciadas. ] No Serviço Social brasileiro. do positivismo e do agnosticismo. da crise da Action Française e 'a fase intensa do humanismo integral. havia uma separação entre os intelectuais e a religião. [ 96. As idéias políticas e sociais de Jacques Maritain. no Brasil. de 1939 a 1945. com respeito mesclado a uma admiração à distância. Juvenal Arduini e outros. pelo menos. no Rio de Janeiro. suas posições filosóficas não ficaram apenas na Metafísica. Lima./1972. dando início ao movimento. Cf. Jacques. Trabalhariam eles então para substituir. Em 1949. do Humanismo Integral: Uma visão nova da Ordem Cristã. 7. por influência do evolucionismo naturalista. ] Noção do Ideal Histórico "Que entendemos por 'ideal histórico concreto'? É uma imagem prospectiva que significa o tipo particular. Este período é marcado pela morte de sua grande companheira Raïssa e de sua entrada na Fraternidadedos Irmãozinhos de Foucauld *94. Nesse artigo. Doutrina Católica desenvolvidas nos cursos de Serviço Social. Seu brilho foi. É nessa estada nos Estados Unidos que escreveu A Filosofia Moral. p. Moral. propôs o humanismo integral. Esse movimento democrata-cristão nasce. Gustavo Corção. Analisando esse fato. Do ponto de vista filosófico. 98. E. Nessa época escreveu *94 Existência e o Existente. o que chamamos ideal histórico concreto não é um ser de razão. 4. "Jacques Maritain. A quinta fase é a do magistério nos Estados Unidos. a exemplo da Idade Média.. 11/12/1972. Alceu Amoroso Lima. 95. Alceu Amoroso. Veríamos p. no conjunto da América Latina. por isto que se trata de um modelo fictício proposto ao espírito no lugar da realidade. Maritain desceu de seu paraíso metafísico às arenas de combate das idéias e dos mais sangrentos preconceitos". no campo social e político. Converte-se ao catolicismo e descobre Tomás de Aquino. publicado em 1936. da Argentina. que se inicia em 1934. Alceu Amoroso Lima afirma: "A princípio a obra religiosa e filosófica de Maritain agiu num plano estritamente espiritual e intelectual.. em um artigo publicado em 1972. pode ser dividida em 6 fases. suas posições no campo social e político provocaram posições e debates contraditórios na América Latina e no Brasil. só que não mais sacral. p. Vital. [ 98. limitado. o período de Magistério em Paris. ] Dissemos acima da influência exercida por Jacques Maritain. "A influência de Maritain na América Latina". Manuel Ordonez. Ye. Do ponto de vista social. A sua obra escrita foi vasta. e da arquitetura do qual a minúcia imaginária é levada tão longe quão possível. pelo movimento de reforma que marca a Igreja após Leão XIII e Pio XI. Mas quando começou a esbarrar nas instituições ou nas convicções pessoais erigidas no espírito da burguesia dominante. Vital e da revista A Ordem. uma essência capaz de existência e chamando a existência para um dado clima histórico. C. tivemos duas experiências concretas por dois discípulos de Maritain.. João Camilo de Oliveira forres. 97. ao invés da relação Igreja-Estado. tendo em vista que os assistentes eclesiásticos eram conhecedores da obra de Jacques Maritain e. uma força cultural e temporal de inspiração cristã p. mas profana. a sexta fase. Rio de Janeiro. O projeto de Maritain propõe uma nova cristandade. mas decisivo. Ética. mais ou menos imperfeitamente é outro caso. e acima de tudo.. em sua geração inicial.. Trata-se de Eduardo Frei. Apresentaremos. conseqüentemente. E mostrando a importância desse fato para o movimento. p. A terceira fase. Jornal do Brasil. Jornal do Brasil. inclusive assistentes sociais. era um ser de razão que construíam. indisputável. SIGRIST. Esta é uma exigência. [ 97. as idéias básicas de sua proposição. Suas idéias políticas marcarão os partidos democrata-cristãos que surgem pela América Latina. na Venezuela. MARITAIN. Vejamos suas colocações. Alceu Amoroso Lima. podemos encontrar repercussões concretas das posições de Maritain. Tristão de Ataíde assim se expressa: "Antes de atingir os interesses econômicos e políticos e. em 1973. conforme nos diz Alceu A. Fenomenologia da Consciência Universitária Cristã no Brasil. Maritain passou pelo Brasil. Desse movimento político. 99. começa a delinear uma relação Igreja-Povo. ] Mas sua presença não se limita à esfera religiosa. face às tensões vividas entre o mundo moderno e a Igreja. A quarta fase. porém uma essência ideal realizável (mais ou menos dificilmente. 18/dez. VILLAÇA. Suas posições virão também até o Serviço Social pela Ação Católica. a JUC encontrou esse instrumental no Ideal Histórico. LIMA. ou nas tradições dos feudalismos existentes. ao regime inumano que agoniza aos nossos olhos. No Brasil. ] . Um marco dessas posições vemos em aulas ministradas em 1934 que depois se transformaram no livro Humanismo Integral. A segunda fase. temos um número especial de A Ordem. estarão unidos em torno do Centro D. Suas idéias penetraram sem muitas discussões. e. e não como uma obra feita. portanto. de 1945 a 1960. [ 95. o tipo específico de civilização ao qual tende certa era histórica. mas apresentou também uma reflexão dentro da filosofia prática.. sobre Maritain. de 1945 a 1948. 4. de certas mentes da geração jovem . mas uma abertura para o futuro. Orlando Machado. mas ansiosas por uma nova ordem que não se constituísse em retorno ao passado. 52 os nomes de alguns discípulos do grande mestre: Alceu Amoroso Lima. 96. Como vimos.Uma visão nova da Ordem Cristã. Em 1936. Maritain questiona o papel dos cristãos e diz que a tarefa destes é de suscitar ". pois se deu p. o grande filósofo cristão esteve presente através das aulas de Filosofia. p. Diante de um mundo marcado pela mediocridade e pelo humanismo liberal-burguês. Alceu Amoroso Lima mostra que no final do século passado e começo do atual.as linhas de força e os esboços ulteriores determináveis de uma realidade futura". C. e o povo que as conservara". do Uruguai. Sua proposta foi também uma resposta. Eduardo Frei. de 1910 a 1939. No dizer de José Luiz Sigrist. quer religiosas. apresentou-nos essas seis fases. foram encarnadas por muitos no decorrer deste século. correspondendo por conseqüência a um máximo relativo (relativo a este clima histórico) de perfeição social e política.. sem discussão. Pe. suas idéias. de 1960 até sua morte. tendo por base seu livro: Humanismo Integral . Em 1946. [ 94. o movimento precisava de unidade e de um instrumental teórico. face ao empenho da reforma social assumida por muitos militantes católicos. no movimento de legislação social e na Constituição de 1934. A obra de Maritain. do Chile. Esse período é vital. a ideologia do Humanismo Integral exerceram influência também junto à Juventude Universitária Católica (JUC). A luta por uma legislação social emerge em toda a América Latina e as posições de Maritain se fazem presentes. finalmente. sobretudo.". tomou posse de membro correspondente da Academia Brasileira de Letras e pronunciou conferência no Centro D. em particular. 101-102. Sua longa vida. que foram aceitas sem contestações.. 51 na perspectiva religiosa. quando completava 90 anos. na Universidade de verão de Santander e publicadas em 1936. Afrânio Coutinho. analisou "A influência de Maritain na América Latina". representou uma certa reconciliação entre a inteligência. do Brasil e representantes da Colômbia e do Peru. 39. no dizer do próprio Maritain. p. em seguida. por assim dizer. O Ideal Histórico Maritain não limitou sua filosofia à Metafísica. seu exílio em Nova York. B. como a obra de um mestre que nos reconduziu a nossas raízes espirituais históricas e ao mesmo tempo disciplinou nossas inteligências jovens em desordem. fruto de seus estudos sobre o existencialismo. Quando um Tomás Morus ou um Fénelon.

é do ideal histórico de uma nova cristandade que trataremos . em graus e segundo modos de resto muito variáveis. 140. As características que nortearam a cidade temporal na Idade Média: a comunitária. Ibid.. Dimensão comunitária . sendo superior. "Desembaraça-se destarte e se precisa a noção de cidade leiga vitalmente cristã ou de Estado leigo cristãmente constituído. econômico e jurídico. Ibid. designamos pois um regime temporal ou uma era de civilização cuja forma animadora seria cristã e corresponderia ao clima histórico dos tempos em que entramos". nas condições da era histórica em que entramos. "Em outros termos. p.. só há uma Igreja católica: pode haver várias civilizações cristãs.A cidade temporal é um momento na caminhada do homem para chegar ao seu fim último. não se podem colar nela novos pedaços. da autonomia das pessoas. não ao nível mais elevado dos interesses supratemporais desta. não se identificando com a soma dos bens individuais.. ] A concepção cristã sacro-temporal da Idade Média continha 5 notas típicas: tendência para uma unidade orgânica qualitativamente máxima.. ] A cidade temporal e suas características Constatamos que três são as características básicas de qualquer ordem temporal: comunitária. [ 106. isto é. [ 105.) da força ao serviço de Deus. mas a caminho. ] Dimensão peregrinal . Mas. p. Ibid. mas ao nível do plano temporal ele próprio. pois se trata de atingir a um primado vital da qualidade sobre a quantidade. ] Autonomia do temporal: existe uma autonomia do temporal a título de fim intermediário ou infravalente. p. é uma reconstrução total e como que substancial que está em causa.. Ibid. E a cidade temporal deve ter por base a dignidade da pessoa humana." 104. 136. o bem-comum temporal é fim intermediário ou infravalente: tem sua especificação própria. 105.deVe uma cristandade nova. fundamenta-se numa concepção profana cristã e não sacral cristã do temporal... 107. mas elevado". Ibid. pois os indivíduos fazem parte do todo social. da sabedoria sobre a ciência. Ibid. encarnando os mesmos princípios (analógicos).Noção de cristandade "Ademais. p. sim.. Haverá portanto uma unidade mínima com base nos princípios éticos comuns. [ 101. 101. e implicava imperiosamente a unidade da religião". emprego do aparelho temporal para fins espirituais. 106.. 102. Daí qUe ". 141.Os fins supratemporais da pessoa humana devem prevalecer. Não a liberdade do liberalismo e nem do poder do Estado "mas. p. A nova cristandade tem 5 notas características: Pluralismo: a sociedade será marcada por um pluralismo social.. Nova Cristandade O ideal de uma nova cristandade. 106.. 110. [ 102. Só existe uma verdade religiosa integral... E é em virtude disto que esta unidade temporal ou cultural não requer de si mesma a unidade de fé e de religião . isto não dispensa o homem de fazer a terra um lugar onde a pessoa humana se sinta bem através de uma estrutura social boa e apta a ser vivida por todos. [ 103. do humano sobre a técnica. diversidade de "raças sociais" e obra comum: um império de Cristo a edificar.. ] A PRESENÇA NORTE-AMERICANA NO INÍCIO DO SERVIÇO SOCIAL BRASILEIRO ATRAVÉS DO NEOTOMISMO E DO FUNCIONALISMO PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS . mas uma tarefa humana marcada pelo divino. Pensamos que uma nova era do mundo permitirá aos princípios de toda civilização vitalmente cristã realizarem-se segundo um novo 'analogado' concreto". mas em fazer acontecer dentro de nosso tempo os ideais do cristianismo. de um Estado em que o profano e o temporal possuem plenamente seu papel e sua dignidade de fim e p. Haverá a busca de uma unidade mínima "seu centro de formação e de organização sendo situado na vida da pessoa. Lembremos que essa palavra cristandade (tal como a p. p. que só correspondem a um mesmo conceito segundo uma Similitude de proporções".. 164. de outro lado. ] Cristandade Medieval O ideal histórico da Idade Média era dirigido por duas forças: "de um lado a idéia (. Ibid. ser concebida segundo um tipo essencialmente (especificamente) distinto daquele do mundo medieval. 54 entendemos) designa certo regime comum temporal cujas estruturas denotam. O princípio de Analogia Para falarmos em nova cristandade é preciso termos claro um princípio fundamental: o da analogia. do serviço comum das pessoas humanas sobre a ambição individual de enriquecimento indefinido ou a vontade estatista de poder ilimitado". tendo por base os princípios da Idade Média (por analogia). como fim próprio e especificador. 100. E isto podemos entender pelo princípio de analogia.. a marca da concepção cristã da vida. cristandades diversas.. A construção da nova sociedade é uma tarefa de todos e é através da concretização do ideal histórico que o cristianismo poderá salvar a nossa civilização. uma subversão dos princípios da cultura. Falando de uma nova cristandade. Ibid. 114. 103. Dimensão personalista . que não consiste em repetir a Idade Média. mas em sua especificação mesma está envolvida sua subordinação a este fim e a estes interesses. [ 104. 110. Obra comum: uma comunidade a realizar: a construção da sociedade não seria obra divina a ser realizada pelo homem. 56 de agente principal .Enfatiza o bem-comum material e moral. pela qual se distingue do fim último e dos interesses eternos da pessoa humana. personalista e peregrinal. "Não variam os princípios. predomínio do papel ministerial do temporal em relação ao espiritual. A Idade Média concretizou os caracteres da cristandade dentro de seu tempo histórico. dos quais recebe suas medidas dirigentes". ] Liberdade das pessoas: ao invés da força ao serviço de Deus (Idade Média) temos a conquista da liberdade. sua vocação espiritual e amor fraternal. que se confundem com sua perfeição espiritual". mas de maneira diferente. nem as supremas regras p. ] Unidade de raça social: dentro da nova cristandade deve-se respeitar a igualdade fundamental das pessoas e assumir uma democracia personalista. p. do trabalho sobre o dinheiro.. p. [ 100. a personalista e peregrinal devem estar presentes na nova cristandade.porém não de fim último nem de agente principal. 55 práticas da vida humana: mas se aplicam segundo maneiras essencialmente diversas. É possível falar de uma nova cristandade. E a sociedade é constituída não de pessoas instaladas. esse fato concreto de que a própria civilização temporal era de alguma sorte uma função do sagrado. Trata-se de reconstruir totalmente a sociedade como diz Maritain: "A civilização moderna é uma vestimenta muito usada. [ 107.

[ 112. o governo de Washington enviou a Missão Cooke que fez um levantamento dos recursos brasileiros em função do planejamento de mobilização brasileira. Carone diz: "À aproximação militar. O que se buscava. Nesse mesmo ano. Pensilvânia 1944/45 [ 111. Brasil: de Getúlio a Castelo. Parsons e mais recentemente Merton. assinados em 09 de março de 1939 . para aperfeiçoamento e especialização em escolas de Serviço Social norte-americanas". o chamado Serviço Social de Casos era o mais desenvolvido. de início. de Amanhã". [ 113. coloca à disposição do Brasil empréstimos a longo prazo em troca de garantias para suas bases militares. o Serviço Social norte americano aparece como solução. acrescida pelo conhecimento de que Vargas p. Isso se fez possível dado o desenvolvimento econômico dos Estados Unidos. suas emoções e sua personalidade. refletia uma mescla de motivos. em vista das necessidades norte-americanas de matérias-primas. Estudo da Evolução Histórica da Escola de Serviço Social de São Paulo no período de 1936 a 1945. do ponto de vista norte-americano. 115. teremos a importação das técnicas. Malinovisk. 4. os EUA nos despertaram para a práxis".. 123. 57 posições: o Serviço Social permanece na base dos princípios católicos e neotomistas. A CONVIVÊNCIA ENTRE OS POSTULADOS CRISTÃOS E NEOTOMISTAS E AS TÉCNICAS NORTE-AMERICANAS De início. técnicas essas que terão como pressuposto teórico o funcionalismo. afirma que. p. Maria de Lourdes Medeiros falando da presença americana afirma: "Assim como a Europa nos abrira às idéias e aos princípios filosóficos. Essa perspectiva marca preponderantemente até hoje o Serviço Social no Brasil. a ajuda para a montagem de uma indústria siderúrgica". 60. ] Dentro dessa política de aproximação do Brasil por parte dos Estados Unidos. p. in PINOTTI. o Brasil mantinha um maior relacionamento com os países europeus e. em virtude da 2ª Guerra e da política de aproximação. Em 1939. começa a impor-se uma fase de conteúdo técnico e metodológico. 109. esses acordos significaram a mudança na sua prática com a importação de técnicas de Serviço Social de Casos de início. pois a maioria de seus ministros nutriam simpatia pela posição nazista alemã. Thomas. Entre outras."E. Lúcia G. de Roosevelt. 100. o que não era e não é o caso do Brasil. mas apenas dos capítulos referentes às técnicas. Analisando esse fato. A Fundação das Duas Primeiras Escolas de Serviço Social no Brasil. O funcionalismo marcará sua presença através das Ciências Sociais com Durkheim. Odila Cintra. ao analisar os programas de filosofia de 48. inclusive via Estados Unidos e ao mesmo tempo incorpora as técnicas norte-americanas. O Serviço Social de Caso recebeu. demonstrava o desejo da administração New Deal. pelo contrário haverá uma convivência das duas p. p. em 1941. Referindo-se a esse período. 58. 112. que foram estudar na América do Norte. temos o de 20 milhões de dólares para a Companhia Siderúrgica Nacional. posteriormente instituído pelo governo americano. mas nem sempre eram traduções do livro inteiro. depois de Serviço Social de Grupo e de Comunidade. e CASTILHO.6% das 37 escolas . intensificou fortemente esse intercâmbio. em 1940. Arlete Alves. uma influência da Sociologia. o governo norte-americano. 114. numa conferência em 1958. Seguem-se outros cinco acordos. um aliado. p. Em continuação à política de Boa-Vizinhança. Na segunda metade da década de 40 e no início da de 50. após o primeiro contato em 1941. O Estado Novo. Essas relações sempre foram cultivadas pelo governo de Vargas.. as bolsas de estudos para o Serviço Social foram cortadas do programa do Ponto IV)". Nesse período. E acrescenta mostrando a passagem da fase franco-belga para a americana . em particular. A fundamentação do método e das técnicas não era lida e analisada. (No ano passado (1957). Nesse período não haverá ruptura radical da ideologia católica. como o Serviço Social brasileiro carecia de um aparato instrumental. Ao mesmo tempo.". em missão aos Estados Unidos. Ainda segundo os depoimentos. [ 109. FERREIRA. et al. M. Utilizaremos o quadro apresentado por Arlete Lima. E essa influência virá até nós pelas bolsistas. 115. Edgar. constatamos a presença da filosofia tomista aliada às técnicas norte-americanas. É claro que gradativamente vai entrando também a visão funcionalista presente nos métodos e na maneira de empregar as técnicas. aconteceram os da área cultural. Maria Carmelita. LIMA. Maria Carmelita. QUADRO Assistentes Sociais do Rio e de São Paulo Ano de ingresso na ESS Universidades ou instituições americanas Período Maria Josefina Rabello Albano (RJ) 1936 New York Shool of Social Work 1941/43 Marília Diniz Carneiro (RJ) 1938 Fordhan University School of Social Service 1942/44 Nadir Kfouri 1936 Universidade de Washington National Catholic School of Social Service 1942/43 Balbina Ottoni Veira (RJ) 1941 National Charities Nova York 1943/43 Maria Helena Correia de Araujo (RJ) 1942 National Catholic School of Service Washington 1944/46 Helena Iracy Junqueira (SP) 1936 Universidade de Pittsburg. com a Alemanha e a Inglaterra. A presença norte-americana se fará através de técnicas para o agir profissional. a presença européia ainda é muito significativa. assim se expressa Carmelita Yasbeck: "A influência norte-americana está relacionada neste início. Por um lado. cuja presença será marcante nas décadas seguintes. constatamos. Insere-se num quadro maior de intervenção dos Estados Unidos da América do Norte na América do Sul e coloca-se dentro da política de Boa-Vizinhança de Washington. 110. representava uma tentativa de realizar antigas ambições americanas de maior penetração comercial na América Latina.dada sua formação no Brasil . Um grande esforço. p. Odila Cintra. 60 conforme depoimentos verbais de assistentes sociais que viveram esse período. mas é a Psicologia que fundamentará esse método.. 54. 68. Salientamos que uma das preocupações das referidas bolsistas . Quando os assistentes sociais foram estudar nas universidades ãmericanas. 108. Estudo da Evolução Histórica da Escola de Serviço Social de São Paulo no período de 1936 a 1945. O Serviço Social no Brasil. um fato novo vai marcar a vida do Serviço Social brasileiro: o Serviço Social norte-americano. tendo o Brasil colocado o Serviço Social em 28º lugar na escala de prioridades. 56. "O largo programa de bolsas de estudos. MEDEIROS. Skidmore afirma: "Esse apoio ao investimento público na indústria básica.. de dar substância econômica à política de Boa-Vizinhança. em contraposição a um período pleno de conteúdos filosóficos. A boa vontade americana era. promovida pela American Association of Schools Work. Ibid. principalmente aos aspectos de instrumentação para o Serviço Social". era uma fundamentação em autores neotomistas ou de doutrina social da Igreja. Embora gradativamente o funcionalismo ganhe corpo. em 1942.era procurar nos Estados Unidos as escolas de Orientação Católica. no sentido de racionalização da ação do Serviço Social começa a se fazer notar". foram celebrados os famosos Acordos de Washington. desejada pelos americanos. Dentre esses empréstimos. 58 Osvaldo Aranha. ] Com a vinda do Serviço Social americano vem para o Serviço Social brasileiro a perspectiva funcionalista. seguem-se cinco acordos. nas relações Brasil-Estados Unidos em termos de Serviço Social. com a Alemanha nazista. ] Apresentaremos a seguir um quadro que contém as primeiras bolsistas do Brasil. Assim como houve os acordos na área financeira. 111. em um país subdesenvolvido. p. ] O programa de bolsas de estudos não é um fato isolado nas relações com os Estados Unidos. O Serviço Social e suas perspectivas face o progresso de desenvolvimento. Até o início da 2ª Guerra. havia traduções de livros referentes aos processos de caso. o ministro consegue resolver o problema cambial e faz acordos militares. p. "Serviço Social no Brasil de Ontem. Esse programa de bolsas de estudos se intensificará após a ida das primeiras bolsistas e chegará ao seu fim em 1957. Maria de Lourdes. YASBECK. indubitavelmente. Em termos de Serviço Social. p. 110. 59 havia negociado ativamente. YASBECK. uma das conclusões dessa conferência "foi a decisão de instituições norte-americanas de oferecer bolsas de estudos a assistentes sociais sul-americanos. Os Estados Unidos procuram aproximação com o Brasil e encontram no Ministério das Relações Exteriores. p. ] O intercâmbio do Serviço Social norte-americano com o latinoamericano e conseqüentemente com o brasileiro é marcado pelo convite formulado pelo governo dos Estados Unidos da América do Norte aos diretores das escolas de Serviço Social da América Latina para participarem da Conferência Nacional de Serviço Social que se realizou em Atlantic City. há preocupação com o indivíduo. 113. SKIDMORE. grupo e comunidade. 114. [ 108. Mas. p. CARONE.Na década de 40. mas gradativamente o eixo de influência mudará. Através das novas e heterodoxas medidas de ajuda governamental dos Estados aos programas de industrialização dirigidos pelo Estado.

Grupo e Comunidade. 125. existem escolas que "destacam os formulados pelo Padre SWITHUM BOWERS.. IZQUIERDO. 123. A presença do neotomismo até esse período se justifica pelo desenvolvimento que ele vai ter entre nós. a presença de cada membro é considerada vital: o que cada membro faz repercute no corpo todo. 111. publicada pela Revista de Servicio Social. vemos o seguinte: "O conjunto de escolas reconhece que o serviço social de casos. . um aspecto fundamental foi analisar os três métodos e o espírito cristão. p. pois argumentavam que "caso" estaria ligado ao anonimato e reduziria a pessoa a "coisa". "Serviço Social de Grupo". passando pela corrente sociológica e chegando à psicológica.L. Essa doutrina parte da analogia com o corpo humano que tem uma cabeça e vários membros.em 1956 . Nadir. (78):110.. portanto.M. 63 e não católicos. "Serviço Social de Grupo". Cook no qual orienta os princípios cristãos. "O ensino e a prática do Serviço Social de Casos em face do espírito cristão". KFOURI. com a influência de Jacques Maritain. p. [ 122. ] Vejamos agora o sentido cristão no Serviço Social de Comunidade. "Serviço Social de Grupo". afirma: p. nº 78. Dada essa dimensão comunitária é que essa doutrina é vista como básica para o Serviço Social de Grupo. no exercício do Serviço Social de Comunidade. [ 121. a Igreja. articulando seus pressupostos de Caso. Dentro da Igreja. Izquierdo e Helena Junqueira. Com referência ao respeito à personalidade que constitui o "embasamento do método de casos" e dos princípios que dele decorrem. de Nadir Kfouri (1956). Grupo e Comunidade Utilizaremos neste tópico os artigos de Nadir Kfouri. Para a sua fundamentação. 115. de Helena Iracy Junqueira (1956) e a Tese de Doutoramento do Pe. bem como o conhecimento seguro das realidades da sua comunidade. A presença cristã e os processos de Caso. ] O Serviço Social de Grupo e o neotomismo O trabalho que aborda a relação Serviço Social de Grupo e Filosofia Tomista . 116. utilizamos.. O.. Lima. A autora enfatiza a importância da Doutrina do Corpo Místico de Cristo para o Serviço Social de Grupo. Ibid. E a Igreja é vista como modelo de comunidade. recorre-se ultimamente à série de publicações já citadas. Nadir Kfouri mostra que algumas escolas não aceitavam p. desta técnica por pontos absolutamente concordantes com a filosofia de Santo Tomás". em 1951. ] Concluindo. (78):171-172. a presença marcante do neotomismo até início da década de 60. porque contém a marca da natureza divina. enquanto ser inteligente.foi a tese de doutoramento . Assim o Corpo Místico de Cristo tem muitos membros: os cristãos. entre outros. em seu estudo "A Natureza e os Princípios do Serviço Social de Casos" e a saber: individualização.M. os professores utilizam e orientam-se pelos escritos de Padre FELIX BIESTEX. Serviço Social. Outras salientam que o trabalhador social "deverá animar seu trabalho pela justiça social e caridade social. [ 116. a respeito do ensino. não foi difícil. esse corpo. 115. Esta posição da autora é de 1956. [ 118. procurando viver com ela. quando este é de formação cristã e trabalhar para o crescimento deste processo de Serviço Social "à base da paróquia".". pois Cristo-Deus é que a constituiu e santificou com seu Espírito.. 117.Reforçar a vida paroquial colaborando com o desenvolvimento do serviço social paroquial". No dizer da autora "esses princípios podem ser para o Serviço Social de Grupo um estímulo fecundo e um símbolo maravilhoso e podem contribuir poderosamente para levar o homem a obter a realização nesta terra do Reino de Deus". A autora acredita que essa argumentação é que fez com que os assistentes sociais canadenses dessem o título de "service social personnel" ao método. Helena I. em seu trabalho sobre o assunto e na questão referente à relação entre o Serviço Social de Grupo e os princípios cristãos.. pela presença da UCISS e pela elaboração do tomismo nos Estados Unidos e Canadá. em face de doutrinas contrárias à visão cristã. ] Outro ponto interessante incluído no questionário foi a relação do método de grupo com os princípios sobrenaturais do Corpo Místico de Cristo 122 e da Comunhão dos Santos. Serviço Social.. E para que a comunidade melhore. de Pio XII. de Swithum Bowers. E se possa. contudo "foi excelente a acolhida aos estudos realizados por pensadores católicos que . Vigário de Cristo. Nadir Kfouri mostra que a maioria das escolas no Brasil eram de orientação católica e que. Utilizamos a análise das questões que se referem aos métodos em face do espírito cristão. 124. Cristo é a Cabeça da Igreja. autodeterminação. A. Nadir Kfouri salienta o seguinte: "O livro de HAMILTOM GORDON. É Ele que a sustenta e a faz caminhar. constatou dois grupos de resposta: "Um que assimila os princípios gerais da caridade e Justiça que informam todo trabalho social católico e outro respondeu referindo-se ao trabalho do Revdo. para o desenvolvimento da pessoa humana. aceitação. Logo. Com referência a esses princípios. destarte. 118. Pe. O Serviço Social de Caso foi o primeiro a ser ensinado no Brasil. E na sua vida visível. 119.Estudo mais profundo da doutrina social da Igreja em face dos problemas básicos da vida econômica e política. no período de 50. Izquierdo (1956) e "Serviço Social de Comunidade". contrariando dessa forma os objetivos e intenções do Serviço Social de Caso. de 1956. é reputado básico pelos professores na parte do ensino da técnica. escritos para relatar uma pesquisa feita. Os princípios com relação ao conceito de Serviço Social de Comunidade são: A doutrina da pessoa humana. [ 120. da comunidade e do bem-comum. além da responsabilidade profissional e de cidadão". vejamos alguns pontos. A tarefa de ligar as técnicas aos princípios cristãos.Tomada de consciência dos problemas e da posição do católico. Serviço Social. JUNQUEIRA. ] A comunidade é vista como meio para o desabrochar. enquanto este é uma pessoa e dotado de um destino sobrenatural. data em que podemos perceber ainda a ênfase católica no Serviço Social. Nessa pesquisa. dos Padres SWITHUM BOWERS e FELIX BIESTEX. quando várias nações estavam em luta e o Papa chama a atenção para os cristãos dessas nações que são membros de um mesmo corpo: a Igreja.através da análise crítica e construtiva dos elementos constitutivos do método à luz dos princípios cristãos . dentro de uma concepção cristã. IZQUIERDO.. é possível afirmar que no Brasil . dado que o Serviço Social nos Estados Unidos se baseava em princípios democráticos. que viveu longos anos nos Estados Unidos.. E finalmente Helena Junqueira mostra que. não julgamento. [ 125. A. Ibid. 121. Quanto ao Serviço Social de Caso. livre e detentor de uma alma espiritual e destinado a uma transcendência da ordem temporal". Ibid. p. que afirma ser preciso um mínimo indispensável de condições. cujo bem-estar constitui em última análise a finalidade de todo trabalho social". Sobre a questão dos "princípios em que a conceituação do método se assenta". . 111. Para análise do neotomismo e da presença católica nesse período. método e da prática em caso. no dizer de Nadir Kfouri. Ele dá a vida através dos Sacramentos. ] Com relação ao Serviço Social de Grupo. pois é seu fundador. é importante que se viva a doutrina do Corpo Místico de Cristo. de A. p. 117. os assistentes sociais devem orientar-se da seguinte forma: ". Theory and Pratice of Social Case Work. A encíclica foi escrita durante a 2ª Guerra Mundial. A.L. E partindo da colocação de Santo Tomás. A. 61 o título dado ao método. O. foi fundamental a presença de Maritain. Cook sobre "A Filosofia Tomista en los princípios del Servicio Social de Grupo". os seguintes artigos: "La nature et les príncipes fundamentaux du Social Case-Work".e que serviu de orientação para muitos profissionais .o Serviço Social de Casos é aplicado dentro do espírito cristão. 62 "que o emprego do método de serviço social de casos deve ser concebido como parte integrante de um amplo trabalho social em que as demais técnicas sejam utilizadas haja vista aquelas que contribuam para a organização social da comunidade. Serviço Social. p. desenvolver uma atuação realmente eficaz em benefício da criatura humana. Devem assumir um trabalho de vanguarda. A Doutrina do Corpo Místico de Cristo encontra em nosso século uma sistematização através da Encíclica Mystici Corporis Christi. 120.existentes no período de 1936 a 1970. Ibid. Os artigos que ora utilizamos foram publicados na Revista Serviço Social. [ 124. . 123. Cada uma das assistentes sociais acima enviou um questionário para as escolas de Serviço Social. "O Ensino e a Prática do Serviço Social de Casos em face do Espírito Cristão". pois no trabalho em grupo todos os elementos são importantes e devem cooperar para o seu bom funcionamento. relacionamento". tem por princípio primeiro o respeito à personalidade do cliente. "Serviço Social de Comunidade". Os cristãos no Serviço Social de Comunidade devem empenhar-se para que se concretize a "doutrina social da Igreja no esforço de reforma social".ensejaram maior segurança ao trabalho paulatinamente elaborado pelos professores de nossas escolas". Izquierdo. é governado e dirigida pelo Papa. Para o desenvolvimento do tomismo na América do Norte.Aperfeiçoamento dos métodos e técnicas de ação. analisado por Helena I. (78): 152. Inicialmente. Junqueira. Terence J.recebemos também e concomitantemente uma influência neotomista fundamentando as técnicas encontradas pelo Serviço Social norte-americano. ] Com relação à bibliografia utilizada. Daí seu caráter eminentemente comunitário. 173. a fim de que ela possa atingir seu fim sobrenatural. bem como "respeitar as tradições e convicções de um povo". Acreditamos que a influência funcionalista não foi a única herdada dos Estados Unidos . 152. p. E esse corpo é Místico.embora possa ser predominante . Ibid. 119. Princípios com relação ao método: algumas escolas não vêem distinção entre católicos p. grupo e comunidade.

1943. O conceito tomista de grupo social como unidade de ação reafirma plenamente a importância do programa". dos comentadores da filosofia em pauta. 9(9):103-109. ainda na implantação do processo de "Serviço Social de Caso ". Thomas. A. Servicio Social. Catholic University of America Press. Aqui colocamos apenas os dados bibliográficos. que permanece até hoje. 126. S. além dos livros de Santo Tomás. FISKER. os assistentes sociais começam a tomar consciência da realidade brasileira e realizam um esforço de integração no processo de desenvolvimento nacional. E. 64 que algumas das necessidades são satisfeitas e. A filosofia social tomista é um guia para o trabalho e a prática do Trabalho Social de Grupo". Ficou evidente que o Serviço Social no Brasil se fez sob a inspiração e controle da Igreja Católica e que o neotomismo foi o inspirador de sua visão de pessoa humana e de mundo. Cook. A Study in Social Philosophy. 1956 é o início do governo de Juscelino Kubitschek. Cook. Luke Francis. 68 ou objetivos. várias definições foram sendo elaboradas. Cook. SMITH. O homem necessita viver para os outros e não somente para si. F. o desenvolvimento do indivíduo e do grupo". MURPHY. com o golpe militar. A quarta fase vai acontecer após 1964 e. 1921. Catholic University of America Press. ] p. ] Pe. 1939.. Ignatius. Desenvolvimento de Comunidade e Desenvolvimento e Organização de Comunidade). Wash. Cook analisa o "programa e assistência voluntária. "Documento de Araxá". integrar essas comunidades na vida nacional e capacitá-las a contribuir plenamente no progresso do país". Catholic University of America Press.. E na bibliografia utilizada. A terceira fase aconteceu entre 1956 e 1964. visando a obter a melhoria de vida e amadurecimento da comunidade. o Documento de Araxá a divide em 4 fases: a) experiências de Organização de Comunidade em moldes norte-americanos.. conseqüentemente. Philosophy of Social Change According to the Principies of Saint Thomas. Classnotes from Social Philosophy of St. D. WOLFE. O grupo social está acima do indivíduo. das mudanças sociais.. 1945. sociais e culturais das comunidades. que vai deliberadamente assumir a postura desenvolvimentista e.. BRENNAN. Este princípio se clarifica com o principio tomista "O homem é naturalmente um animal social". 1947-48. Salientamos aqui a divisão feita por Maria Dulce de Moura Beleza. .. bem como precisar algumas datas limite. com mais ênfase. HOBAN.. no período de 1945 a 1955. Colocaremos agora. Catholic University of America Press. a metafísica de relações e a perfeição da personalidade humana" que ajudou a entendê-lo melhor. Neste 2º capítulo. James Henry. vâmos estudar um novo elemento de conotação ideológica no Serviço Social. começam já pequenas experiências em comunidade.. Nesse momento. No seu trabalho. O.. em Araxá. O segundo princípio: "O objetivo primário do Trabalho Social de Grupo é o desenvolvimento do indivíduo por meio do grupo em p. Wash. The Thomistic Concept of Person and Some of its Social Implications. 1941. "La Filosofia Tomista en los Princípios del Servicio Social del Grupo". Desenvolvimento de Comunidade: "processo através do qual os esforços do próprio povo se unem com os das autoridades governamentais... Robert Edwar. Esta ideologia marcou e marca nossa história brasileira e. podemos ver acontecer em nossa história as duas primeiras fases. Pe. Neste capítulo. 127. Wash. COOK. Wash. A filosofia tomista nos esclarece que o membro do grupo é fator de mudança do grupo e. COX lohn F. Em termos de Serviço Social. Servicio Social. Quanto ao surgimento e à evolução do "Desenvolvimento de Comunidade" no Serviço Social. Limitamo-nos a apresentar as definições assumidas pelo Documento de Araxá. E finalmente Pe. em 1964. 66 CAPÍTULO II SERVIÇO SOCIAL E O DESENVOLVIMENTO INTRODUÇÃO No primeiro capítulo deste trabalho. Terence J. Saint Thomas Political Doctrine and Democracy. Existem outras formas de periodizar a questão do Desenvolvimento de Comunidade em Serviço Social. a educação e o trabalho social e o tomismo. [ 1. abordamos as relações entre o Serviço Social e a ideologia católica. Catholic University of America Press. [ 127. O que demonstra a fecundidade do tomismo nesse período da história americana. D. Este princípio só foi entendido após a análise dos conceitos tomistas de "pessoa humana. Terence J. C. O. mas acreditamos não ser útil explicitá-las aqui. e o mais importante é que o governo toma certas medidas que levarão mais tarde à implantação de Desenvolvimento de Comunidade. no Serviço Social brasileiro.. Este se ligará ao movimento de desenvolvimento de comunidade através do Serviço Social de Comunidade (que teve outros nomes: Organização de Comunidade. DUZY. encontra os recursos internos ou externos para tratá-los e estimula novas atitudes e práticas de cooperação mútua". acelerando-o. as ordena e hierarquiza. 3(4):21-22. a influência norte-americana é marcante. A. procurando articular fatos e acontecimentos de nossa história e a do Serviço Social. C. concluímos com palavras suas: "A sabedoria que flui da perene filosofia de Santo Tomás tem sido de imenso valor neste estudo. ele existe primeiro para o bem-estar de todos os membros do grupo e em segundo lugar para o bem do indivíduo. National Catholic School of Social Service. Desenvolvimento de Comunidade (DC). Nos acontecimentos brasileiros. desenvolve a confiança e vontade de trabalhar sobre essas necessidades p. no final da década de 50 até 1964. Cook. que também veio dos Estados Unidos. com o fim de melhorar as condições econômicas. Wash. para sermos mais precisos. D. em sua Dissertação de Mestrado sobre "Tendências atuais do Ensino de Serviço Social de Comunidade no Brasil". num longo trabalho e através de uma vasta bibliografia. ] p. "La Filosofia Tomista en los Princípios del Servicio Social del Grupo". Wash. Catholic University of America Press.. Com relação a este princípio foi a "teoria da matéria e da forma. Terence J.do Pe. Precisando essas etapas em termos de datas. provocando-o. Vejamos: Organização de Comunidade: "OC é o processo no qual uma comunidade identifica suas necessidades ou objetivos. a partir de 1968. C.. conseqüentemente. Serviço Social. O terceiro princípio: "No processo de Trabalho de Grupo a dinâmica interação entre os membros do grupo e o trabalhador e o grupo é o meio primário de crescimento pessoal. Macmillan Company. b) experiências isoladas voltadas apenas para melhoria imediata das condições de vida. vamos procurar basicamente mostrar a presença dessa nova perspectiva ideológica no Serviço Social. Debates Sociais. Em 1945. Saittt Thomas Aquinas and Human Social Life. c) reconhecimento de atender as problemáticas estruturais. C. orientando-o. Brote Stanislaus E. No decorrer dos anos. O primeiro princípio: "Todos os indivíduos têm necessidades humanas comuns que tratam de satisfazer em grupo". há ruptura da mobilização popular. A Thomistic Analysis of The Social Order. que é o desenvolvimentismo. C. mudança e desenvolvimento". Wash. por conseqüência. Este autor levantou alguns princípios básicos de Serviço Social de Grupo. Nova York.. Aspecto que nos parece relevante para o entendimento do objeto de nosso trabalho. 65 Com relação a esse estudo de Pe. Indicamos em nota abaixo alguns desses livros. D. não com a mesma intensidade. C. Discussão em torno de como denominar sua intervenção em comunidade: Desenvolvimento de Comunidade? Desenvolvimento e Organização de Comunidade? Serviço Social de Comunidade? Em 1954 aconteceu uma Convenção da ABESS onde essa discussão aconteceu. inicia-se o chamado movimento de reconceituação com o Seminário de Teorização do Serviço Social. [ 126. Desenvolvimento e Organização de Comunidade (DOC) e Serviço Social de Comunidade (SSC). Temos também a presença do desenvolvimentismo com Juscelino Kubitschek.. The Problem of Solidarism in St. P. 1939. definições de Organização de Comunidade (OC).. C. a influência do tomismo e do Serviço Social europeu. D. 1944. mediante ativa participação e trabalho cooperativo de seus membros". bem como perceber o essencial do Trabalho de Grupo. Thomistic Psychology. 128. Pe. para maior clareza. D. 2) 1954 a 1967: nessa fase. Ação Comunitária. P. d) participação popular no processo de desenvolvimento através de programas p. necessário se faz caracterizar algumas posturas. Cook faz uma pequena resenha de cada um. Os princípios apontados foram todos transcritos do trabalho do Pe. Desenvolvimento e Organização de Comunidade: "processo que consiste na intervenção deliberada e metódica de um agente técnico (uma equipe) que utiliza o processo natural de mudança. o Serviço Social. [ 128. da natureza da sociedade e a natureza do bem-comum tal como se aplica no grupo social". D. Para entendermos o Desenvolvimento de Comunidade no Serviço Social. 3) 1968 em diante: fase de reconceituação no Serviço Social brasileiro e o engajamento dos assistentes sociais na política social do governo. 67 vinculados com o governo'. encontramos livros que articulam a psicologia. ] Ela assim divide: 1) 1944 a 1953: nesse período temos a introdução da disciplina de Organização de Comunidade no currículo da Escola de Serviço Social de São Paulo e. 9(9):103. em seguida testou-os através de entrevistas com grupos de assistentes sociais e depois analisou esses princípios à luz de Santo Tomás. Sister Mary of Are. temos o fim de nossa experiência fortemente nacionalista com a morte de Vargas e o início do chamado modelo associado. demonstrou a ligação entre "a filosofia tomista e os princípios do Serviço Social de Grupo". Thomas Aguinas.

Em outubro estava pronto o projeto que implicava a participação de concessionárias estrangeiras. onde o Estado se torna-instrumento da burguesia nacional. Esta posição está alinhada com o grupo dominante da sociedade. Seu apoio à indústria vem desde o Estado Novo. entre eles: o Programa Ponto IV dos Estados Unidos e o Plano Colombo na Inglaterra. p. para melhorar a situação econômica. 71 comissão é instalada e recebeu poderes para análise da economia brasileira. p. com o processo de mobilização popular. [ 2. Industrialização sob forte controle estatal. o Governo Dutra cria um programa de controle de gastos públicos: o Programa SALTE (Saúde. 4. 2. entre outros fatores. é a que tem uma visão acrítica da realidade. as proposições da ONU serão assumidas e repercutirão através da CEPAL . data em que a "Comissão de Assuntos Sociais do Conselho Econômico Social" incluiu em seu programa de trabalho temas como "A Organização de centros rurais para motivar a própria comunidade" e "As contribuições oferecidas pelas Organizações de comunidade locais para ajudar a seus habitantes na solução de seus problemas". 4. Nesse período. há um esforço por parte dos diferentes organismos da ONU -. na Sub-Região do Cone Sul da América Latina. I 18. nasce voltada principalménte para resolver os problemas dos países arruinados pela guerra. Thomas. o presidente Dutra designa uma Comissão para elaboração de um novo plano de petróleo. sobre a base do pleno emprego nos países industrializados. Essa postura aconteceu à partir de 1960. para romper os pontos de estrangulamento. Criou-se o slogan: "O petróleo é nósso". Em fevereiro de 1947. começam as discussões sobre as fórmulas em relação ao desenvolvimento e qual delas seria melhor para o Brasil. através de uma economia mista. História do Serviço Social. Vargas nesse ponto soube utilizar-se da opinião pública que nutria sentimentos contrários ao capital estrangeiro para atacá-lo. p. AMMANN. A primeira postura. A mudança de governo norte-americano. Dois ou três anos após a criação da ONU. já em 1950. 3(4):48-50. industrialização e desenvolvimento econômico se equivalem. Trata-se de desenvolver um trabálho de reconstrução e de resolver os problemas de abastecimento desses países. Esta maneira de proceder se compõe de dois elementos essenciais: participação do povo para elevação de seu nível de vida. essa p. Partem do pressuposto de que as populações pobres têm maior receptividade ao comunismo. Três fórmulas estavam em discussão: 1) neoliberal: "baseava-se na suposição de que os mecanismos de preços deveriam ser respeitados como a determinante principal da economia. com Vargas novamente no poder. bem como o trabalho da ONU. integrá-las na vida da nação e torná-las capazes de contribuir decisivamente para o progresso nacional. O DESENVOLVIMENTO DE COMUNIDADE DE 1945 A 1953 DESENVOLVIMENTO E OS GOVERNOS DE-DUTRA (1945-50) E O DE VARGAS (1950-54) A industrialização brasileira começa a se impor de maneira hegemônica a partir de 1930. Na década de 50. mediante ação cooperadora". Em janeiro de 1952. onde não há lugar para as contradições. O representante desta corrente é o economista Eugênio Gudin. baseada na sua própria iniciativa e fornecimento de assistência técnica e de outros serviços para desenvolver esta iniciativa. A segunda postura é marcada por uma visão mais ampla das questões do desenvolvimento por mudanças estruturais da sociedade. a década de 50 será o período "de criação e implantação. . passando o nacionalismo econômico a exercer importante influência sobre os programadores e a funcionar como elemento central na cultura política do povo"'. conseguiu catalisar as opiniões. Maria Lúcia de Carvalho da. Ao lado dessas colaborações. visando a descobrir quais as variáveis que ajudam ou atrasam o desenvolvimento econômico. Este influenciará fortemente os debates em torno do petróleo e do capital estrangeiro em nossa economia. A questão do desenvolvimento social é colocada em plano secundário. refletindo as posições dos chefes da Comissão Abbink e Bulhões.Comissão Econômica para a América Latina. no sentido de como incentivar a participação nos programas. Historicamente aconteceu desde o início do Desenvolvimento de Comunidade no Serviço Social até nossos dias. Debates Sociais. que vê a comunidade como uma unidade consensual. bem como essas nações começam a perceber que os problemas dos países subdesenvolvidos não estão na reorganização dos países industrializados. 2) desenvolvimentista-nacionalista: esta corrente postula a industrialização. 118-119. WIRTH. Apud VIEIRA. Daí a busca de estratégias. SKIDMORE. Entre eles. vem a público o relatório da Comissão com posições neoliberais. apesar de ver com bons olhos o capital estrangeiro. Transporte e Energia). Balbina Ottoni. ONU. passou Ja ter uma significação maior a partir do surgimento da ONU . inserem-se na perspectiva de "preservar o mundo livre" de ideologias não democráticas. mas será a partir da década de 50 que seu crescimento se acelérará. É também durante essa década que a ONU volta-se para o Serviço Social como instrumento no processo de Desenvolvimento de Comunidade. articulação e orientação dos esforços dos indivíduos e grupos de uma comunidade para dotá-la dos recursos indispensáveis ao bem-estar e progresso de seus próprios membros. que sempre esteve presente. Safira Bezerra. [ 3. temos um decreto de limite na remessa de lucros. Nesse momento. Brasil: de Getúlio a Castelo. profundamente nacionalista. ] Na América Latina. de Truman para Eisenhower. A discussão do petróleo reavivará um aspecto presente na política brasileira a partir de 30 e que será determinante no Governo Vargas em 1951: o nacionalismo. Além de estudos. A questão do nacionalismo implica também o problema do capital' estrangeiro. [ 6. p. uma das quais será a implantação de programas de Desenvolvimento de Comunidade. Ideologia do Desenvolvimento de Comunidade no Brasil.de Comunidad: "processo que consiste na mobilização. Essas relações entre Desenvolvimento de Comunidade e ONU e Serviço Social e ONU farão com que "a preoculpação do Serviço Social brasileiro com Desenvolvimento de Comunidade atrele-se a um movimento de âmbito internacional. O capital estrangeiro é bem-vindo. Esta posição aparece também na ênfase que dá à industrialização. A ONU assim o define: "Esforços da população aliados aos do governo. SILVA. "Documento de Araxá". No governo Vargas. a ajuda mútua e a assistência podem ser p.Organização das Nações Unidas. a ONU cria vários organismos que irão assumir com clareza a questão do desenvolvimento. e outras várias organizações. a favor do monopólio estatal. 3. saúde e organização de cooperativas por parte da população a ser atingida. 20º Relatório da Comissão Administrativa.de oferecerem aos países subdesenvolvidos assistência técnica e financeira. manteve uma posição nacionalista. A terceira postura é assumida por alguns profissionáis que se comprometeram com as classes subalternas e se colocaram a seu serviço. Horta Barbosa. As discussões tãmbém aconteceram no Clube Militar entre os generais Júlio Caetano Horta Barbosa e Juarez Távora.A ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS E O DESENVOLVIMENTO A questão do desenvolvimento entre nós como nos outros países subdesenvolvidos. ] Uma questão 'que marcará o período final do Governo de Dutra é a do petróleo. Então é preciso melhorar e desenvolver o sistema capitalista. Segundo Maria Lúcia de Carvalho. XVII. Foi a posição mais disseminada.o que deu abertura para polêmicas futuras entre monetaristas e estruturalistas. temos a criação da "Divisão de Assuntos Sociais" e a "Unidade de Desenvolvimento de Comunidade". O Relatório foi contestado por jovens economistas . criada dentro da política de "ajuda" dos norte-americanos. Recebeu influência da CEPAL. temos o surgimento de programas dos países desenvolvidos no sentido de ajuda aos países pobres. Evolução do Conceito de Desenvolvimento de Comunidade no período de 1965/1970. Aceitam o capital estrangeiro. 33. Vargas. E hoje. Esta corrente era seguidora dos princípios ortodoxos. Essas discussões que começam no final do governo Dutra se devem. foram necessárias medidas para p. 69 reorganizar e vitalizar o sistema econômico internacional. Alimentação. apesar da presença norte-americana na vida brasileira. Em 1951. 7. Criaram-se Centros de Estudos e Defesa do Petróleo (CEDEP). Esta postura basicamente aconteceu de 1960 a 1964. várias são as conceituações de desenvolvimento. mas com severo controle. a questão da criação da Petrobrás congrega todos os segmentos da sociedade em função de uma solução nacionalista em detrimento do capital estrangeiro. ] ONU .entre eles Celso Furtado . Ao surgif em 1945. Em 1948. A industrialização de 1947 a 1950 se deveu à política cambial assumida por Dutra para resolver outros aspectos da economia. No final da década de 40 e início da de 50. Aponta os países desenvolvidos como causa dos subdesenvolvidos. Em 1949. 49. à "industrialização espontânea" e ao Relatório Abbink. Esta pressão levou à queda do Estatuto proposto pelo governo. a ONU deu assistência técnica aos governos que a solicitaram. John D. social e cultural das comunidades. 5. p. "decisão básica de industrializar o país se mostrou inequívoca. 3) nacionalismo radical: preconiza uma mudança radical da sociedade. 6. No início de 1947. os assistentes sociais têm condições de novamente rever suas posições. Ao mesmo tempo. em escala internacional e de forma sistemática. Mas as mudanças são no sentido de melhorar o próprio sistema capitalista. Percébém os antagonismos dentro da sociedade e assumem a luta de transformação das estruturas. Houve reação da opinião pública.. Esses programas. A Política do Desenvolvimento na Era de Vargas. nas áreas de educação fundamental. Temos diferentes posturas dos assistentes sociais nesses períodos. os problemas das nações pobres começam a aparecer nas assembléias gerais. informação agrícola. Nesse período. 70 expressas em programas visando grande variedade de campos de melhoramentos". dos primeiros planos e programas de desenvolvimento de comunidade". E o Relatório Abbink é fruto da Comissão Mista Brasil-Estados Unidos.

portanto.CBAR. do BNDE etc. Em 1954. como a construção de uma siderúrgica. no início de sua gestão. seu desejo de continuar no poder através de um golpe e responsabilizando-o pela inflação do país. ] No início da década de 50. [ 8. Podemos salientar os seguintes: em 1951. Este conceito dá a entender que os países. Em 1954. é um marco da presença do Desenvolvimento de Comunidade no Brasil. Voltando. Esta ótica é enfatizada p. existem greves. bem como na criação de diretrizes do Comércio Exterior. Nesse período houve uma "consciência de massa" e não "consciência de classe". sem que haja uma definição clara e precisa. caminhando depois para o desenvolvimentismo-nacionalista. ] No início do governo de Vargas. E. do "Seminário Interamericano de Educação de Adultos". Fala-se em "bem-estar". 55. 12. a "proteção" dos países ricos para os pobres. os diversos países encontram-se em linha. a conquista do interior ou a implantação de uma indústria petrolífera. ] DESENVOLVIMENTO DE COMUNIDADE DE 1954 A 1967 PERÍODO DE 1954 A 1960 Final do Governo de Vargas e o Governo de Café Filho Colocamos já as características básicas do governo de Vargas. 9. A partir daí outras publicações virão na década de 50. como o Serviço Social rural. in YASBECK. Wirth afirma: "raramente propunha novas questões. Apesar dessa experiência. através das Missões Rurais. AMMANN. chamado "Conceito Linear". uma vez que sua formação nessa época enfatizava que a sociedade é harmônica e que existem apenas alguns "desajustes". "ajustamento" e "desajustamento". coloca em risco a harmonia e o equilíbrio da sociedade. a proteção ao trabalho e conseqüente solução do "problema social". dele nasceu a CBAI. em 1948. Essa ambigüidade esteve presente na política interna e na externa. Balbina Ottoni. começa a existir Organização de Comunidade. pois esta adere e assume as recomendações da ONU. Dentro dessa perspectiva nacionalista. em. A relação com o operariado contará com as bases que Vargas havia montado no Estado Novo. de trabalho e esforço.também criou problemas de relacionamento. Salientaremos aqui apenas alguns pontos do final de seu governo. A autora. Além da UDN tinha contra si toda. afirma: "Desenvolvimento de Comunidade foi introduzido depois que eu fiz o meu curso nos Estados Unidos da América. nomeou um ministério que pudesse elaborar e executar uma política de estabilidade. embora sua presença marcante ocorra a partir de 1960. os quais partiram da ótica de que as populações eram "desajustadas" e era preciso "integrá-las". assistentes sociais foram estudar nos Estados Unidos e entre elas Helena Junqueira. e mais. a ideologia de que é preciso tudo fazer para crescer e assim chegar a um estágio de capitalismo maduro como o dos Estados Unidos ou dos países da Europa Ocidental. no sentido de superar os "setores atrasados". Buscou nesse período cortejar a classe trabalhadora e para isso nomeou João Goulart para o Ministério do Trabalho. 73 pois não mostra a origem da renda e nada diz da sua distribuição. E a classe operária continuará a ser explorada pelo paternalismo de Vargas. Helena Iracy. estão o Estado e as massas envolvidas na instalação da Petrobrás. Diante dos problemas. Essa visão de integração não levava em conta as contradições e desiguáldádes da sociedade. E era a visão sustentada por Vargas que sempre buscou o consenso entre as classes. 75 pelos técnicos dos organismos internacionais e esta preocupação está presente no governo de Vargas. os coronéis e tenente-coronéis lançam manifesto pedindo . a grande imprensa.conseguiu sensibilizá-los. A questão é de tempo. denunciando aliança com os peronistas. em entrevista para Carmelita Yasbeck. 77. XVII. [ 11. Então neste período a metodologia representou algo fundamental na evolução do Serviço Social". Outro acordo. das classes dominantes sobre as dominadas. Entre as três fórmulas para o desenvolvimento.Organização dos Estados Americanos. Essa ausência de clareza esconde a dominação dos países desenvolvidos sobre os subdesenvolvidos. Nasceu da realização. 10. em 1945. Já na metade de 1954. no seu processo de intervenção com a comunidade. VIEIRA. portanto. que foi a Missão Rural de Itaperuna. os pressupostos dessa primeira obra se assentam no positivismo comteano. Este conceito não explica o fenômeno da existência de uns desenvolvidos e muitos subdesenvolvidos. para os países subdesenvolvidos. É no caminhar de seu governo que o caráter nacionalista foi sendo assumido. E assim fomos introduzindo e verificando o seguinte: tínhamos uma base satisfatória do ponto de vista filosófico. Ideologia do Desenvolvimento de Comunidade no Brasil. 10. Esse conceito expressa que os países se acham num continuum. Carmelita. O SERVIÇO SOCIAL NOS GOVERNOS DUTRA E VARGAS É dentro da discussão sobre as fórmulas de desenvolvimento e do processo de industrialização que o Serviço Social. pois o novo presidente não via necessidade de medidas especiais para a América Latina. No início de seu governo. em 1953. a salvaguarda de recursos naturais. Antes do surgimento do Serviço Social rural. Inc. todos alcançarão o desenvolvimento pleno. Madras. É um marco importante. em programas das escolas de Serviço Social. O trabalho. a ABESS em convenção propõe a introdução de Organização de Comunidade nas escolas filiadas. diaristas e meeiros etc.do Serviço Social na área de Desenvolvimento de Comunidade no Brasil foi conseqüência dos programas da ONU. teve uma postura ortodoxa com relação ao desenvolvimento econômico. na Escola de Serviço Social do Rio de Janeiro. tivemos a presença da intervenção a nível de comunidade na zona rural. Não existia no currículo. AMMANN. É a partir do trabalho com as populações rurais que teremos a primeira obra em Desenvolvimento de Comunidade publicada no Brasil em 1952. p. E esse processo de desenvolvimento se dá sob rupturas parciais com o setor externo. no Rio de Janeiro. Estudo e Evolução Histórica da Escola de Serviço Social de São Paulo no período de 1936 a 1945. a ONU realizou o Seminário de Bem-Estar Social. irritaram os brasileiros. Trata-se de uma publicação do Ministério da Agricultura em que analisa uma experiência de trabalho em comunidades rurais. concepção. Cf. Outro acordo é celebrado com o Ministério da Educação visando à educação industrial. Por conseqüências de acordos no primeiro qüinqüênio da década de 40. começa a trabalhar na área e introduz. "referências a conceitos de "normalidade" e "anormalidade". pois como um setor "disfuncional". Nesse seminário começa-se a discussão em torno da criação do Serviço Social rural. hoje desenvolvidos.. em 1944. as tensões sociais são grandes. Em 1946. da política nacionalista e das críticas da oposição. povo da zona rural era no sentido de integrá-lo ao sistema. Essa experiência de Itaperuna contou com assistentes sociais. Em 1953. Segundo Safira Ammann. . p.União Pan-Americana . esses aspectos se acentuam. utilizando-se das análises feitas pela Missão Cooke e Abbink e do Plano SALTE. O desenvolvimento. mas estavam muito defasadas quanto à instrumentação. temos o começo de uma experiência em desenvolvimento de comunidade na zona rural. e está voltada para análise da comunidade local sem a perspectiva de uma visão mais ampla de comunidade. da Eletrobrás. Cf. em 1949. foram subdesenvolvidos e chegaram ao desenvolvimento. Até essa data toda literatura utilizada pelos profissionais era dos Estados Unidos. Mas identificava prontamente sua personalidade política com as idéias correntes e irradiava uma confiança no futuro econômico do Brasil. 11. em 1953. p. Vargas procurou sempre atacar os de solução a curto prazo e não foi um grande inovador. e a diferença entre eles é quantitativa. as tensões aumentam. Essas Missões partiam do pressuposto de que uma "educação de base" seria a forma de integrar os "marginalizados" e suprir o "atraso cultural" do povo da zona rural e." 8. Safira Bezerra. JUNQUEIRA. bem como esconde a dominação e exploração a nível interno do país. E esta visão reforça. surge um conceito. Vemos na época. aconteceu a Conferência Internacional sobre Desenvolvimento e. ganha corpo na profissão do assistente social. Ela mascara a "ajuda". A respeito dessa colocação. reuniam-se latifundiários. Uns estão num estágio mais avançado e outros mais atrasados. Vários seminários e conferências realizaram-se nesse período. 144. assumiu uma campanha frontal contra Vargas. em 1952. é processo de crescimento. A oposição. Teve uma política de ambigüidade. Dele surgiu a p. os atuais países subdesenvolvidos poderão superar os estágios de subdesenvolvidos e chegarem ao desenvolvimento. Safira Bezerra. marcadamente a UDN. A realização de atividades da UPA . na Escola de Serviço Social de São Paulo a cadeira de Organização de Comunidade. Ibid. 72 Essa posição internamente fortaleceu o nacionalismo radical. É uma questão de tempo. bem como dos vários acordos feitos entre o Brasil e Estados Unidos. A nacionalização dos recursos e a criação de indústrias de base mostram a política independente de Vargas. decorrentes da inflação. aproxima-se da neoliberal. A obra do Ministério da Agricultura foi escrita a partir da experiência de Itaperuna. esqueceram-se dos antagonismos de classe: para discutir os problemas das comunidades.E. a posição de Vargas. p. na Universidade Rural do Brasil. 30-31. mas soube aproveitar cada momento. A política nacionalista de Vargas inquietava a classe média. 74 Comissão Brasileiro-Americana de Educação das Populações Rurais . "adaptá-las" à sociedade. tivemos em Porto Alegre um seminário sobre Desenvolvimento de Comunidade promovido pela O. [ 9. p. para explicar a existência de países desenvolvidos e subdesenvolvidos. O trabalho com o. pois no fundo é um artifício estatístico. isto é.A. e. O indicador básico para demonstrar a posição no continuum é a renda Per capita. Ela conota uma visão acrítica e aclassista. Vargas procurou sempre a conciliação onde o consenso prevalecia sobre o conflito. História do Serviço Social. sobre educação rural entre o Ministério da Agricultura e a Inter-American Educacional Foundation. Os assistentes sociais não puderam perceber as contradições... p. Também as críticas dos Estados Unidos pela alta do café. na índia. 12. Ideologia do Desenvolvimento de Comunidade no Brasil. p. membros das Forças Armadas e outros setores da sociedade. a maioria dos assistentes sociais eram ainda insensíveis aos programas de Organização de Comunidade. E a política de Vargas com relação ao petróleo tornou as relações mais drásticas..

conseguiu atrair muitos intelectuais nacionalistas. Essa abertura ao capital estrangeiro foi o resultado da firme convicção do Ministro da Fazenda. em sua maioria. através do Dec. do estágio predominantemente agropecuário. contando este trabalho com o Vice-Presidente Goulart. de 08/04/1954. O ISEB . Juscelino Kubitchek encontrou oposição por parte da UDN e das esquerdas. pois procurou atender sempre a seus reclamos e ainda pôde contar com a fidelidade do Gal. O grifo é da autora. 202. 18. ao assumir a presidência. Cf. propagando os conhecimentos e técnicas relativas ao Serviço Social. Mas será a partir do final do governo de Juscelino Kubitschek e principalmente de 1960 a 1964. 76 série de conflitos na vida nacional. A posição dos isebianos. 79 Nação". que se superará o subdesenvolvimento. No dizer de Walderez Miguel. soberania. 77 O Governo de Juscelino Kubitschek e o Desenvolvimentismo Como já apresentamos até aqui. Essa atitude irritou aos nacionalistas. Brasil: de Getúlio a Castelo. Outra forma de ação contra a oposição era acusá-la de ser contra o desenvolvimento do Brasil. Também tomou algumas atitudes concretas para mostrar que não aceitaria posições que considerava radicais: em junho de 1956. que tinha a responsabilidade primordial de continuar a estabilidade econômica e presidir à eleição de seu sucessor constitucional". uma grande heterogeneidade dentro do grupo.Instituto Superior de Estudos Brasileiros.Brasil: JK e JQ. o caráter de dependência aumenta. p. ligados ao ISEB . 18. E para concretizá-la. Ideologia do Desenvolvimento . viu seu governo "como um regime interino. procurou contribuir para criar uma ideologia global do desenvolvimento. o Presidente procurou conciliar os operários. O presidente da SUMOC foi Octávio Gouveia de Bulhões. 13. é preciso ajuda temporária do capital estrangeiro. começa a intranqüilizar-se. fechou a Tribuna da Imprensa. tais como: desenvolvimento. Salientaremos agora alguns aspectos que explicitam a ideologia da sua proposta de desenvolvimento. de Carlos Lacerda. à cultura. O Serviço Social e a Promoção do Homem . deu a este incentivos especiais e procurou eliminar os pontos de estrangulamentos estruturais através de programas de investimentos. Os fazendeiros .Um Estudo de Ideologia. PEREIRA. o industrialismo e eram intervencionistas moderados. 3) o presidente soube atrair uma equipe de economistas e outros técnicos que tinham recebido influência da CEPAL .Instituto Superior de Estudos Brasileiros. de que o Brasil tinha grande necessidade de investimentos estrangeiros e deveria ser complacente dando aos mesmos incentivos especiais". representante da postura neoliberal. o governo tinha dois problemas a enfrentar: a inflação e déficits de pagamentos externos. SKIDMORE. "esses elementos podem participar na explicação da expectativa do puder político' em face da instituição educacional . alguns conceitos são chaves. [ 14. tendo também já perspectivas do desenvolvimento associado. Juscelino Kubitschek assume a presidência em 1956 e inicia um período marcante na história brasileira.Brasil: JK e JQ.equipamentos e salários e aumenta a desconfiança das Forças Armadas e da burguesia nacional. criou um clima de confiança. que o Serviço Social ocupará significativa presença no projeto nacional assumindo a ideologia desenvolvimentista. sempre defendida no passado. renunciou devido a concessões feitas por Café Filho. Gudin. Lott.Comissão Econômica para a América Latina e que receberam como tarefa elaborar o Plano de Metas. C. foi capaz de mobilizar cada classe para seu projeto desenvolvimentista. 3) para que o desenvolvimento aconteça. sem dúvida. regulamentou a Lei nº 1. contribui fundamentalmente a postura assumida pelo governo de Juscelino Kubitschek. Segundo Bresser Pereira. fruto da industrialização.889/53. principalmente nas áreas de transporte e energia. p. ] Após a morte de Vargas teremos um período de transição até a posse de Juscelino Kubitschek. O iSEB desenvolveu suas atividades através de cursos e publicações. Tratou-se da abertura "dos portos às nações amigas". durante o governo desenvolvimentista de Juscelino Kubitschek. O Ministro da Fazenda esteve nos Estados Unidos em reunião do Banco Mundial e do FMI e procurou convencê-los do programa antiinflacionário que pretendia desenvolver. A fase de Juscelino Kubitschek será uma nova etapa no processo de substituições de importações. A partir desse momento. Foi o fim da postura nacionalista. tivemos três presidentes: Café Filho. crescendo. E esta implica o nacionalismo. sendo dada uma classificação prioritária pelo governo. Bresser. fazem com que ele se suicide em agosto de 1954. O Ministro da Fazenda foi Eugênio Gudin. Em 1954. Finalmente. Juscelino Kubitschek. Os p. CARDOSO. nem tudo foi confiança e alegria. segundo Skïdmore. 182. Para entendermos a posição do Serviço Social brasileiro a partir dos anos 60. ] p. Seus membros assumiam uma postura marcadamente ortodoxa. prosperidade. entre os que não desejam que a Nação vá em frente". seus discursos nessa perspectiva aumentam.instrumento de manipulação: criar ambiente esclarecido que proporcione a solução adequada dos problemas sociais. através da Lei nº 1. segurança. o Presidente afirma: "Acentua-se (. [ 13. Do ponto de vista da economia. Podemos explicitar as seguintes características fundamentais da política econômica: 1) perspectiva da possibilidade de um desenvolvimento autônomo. Apesar de toda a característica de transitoriedade do governo nesse período. Estas criticavam a postura do Presidente em relação ao capital estrangeiro e por deixar de lado problemas cruciais como o da terra. . três fatos explicam a intervenção deliberada na industrialização: 1) Juscelino Kubitschek foi eleito pelas mesmas forças de 30 e que tinham como posições gerais o nacionalismo. Nesse período. "quem não estiver com o Governo estará. [ 16. 35. Assim os valores inculcados viriam criar as condições favoráveis ao controle dos conflitos que estão trazendo 'disfuncionalidade' no sistema nesse momento da historia brasileira". o Serviço Social vem assumindo gradativamente sua presença no projeto de desenvolvimento nacional. prejudicando sua política de estabilidade.311. nacionalismo. pois este não estava preocupado em intervir na questão da terra. mas a partir de 1959.) a fase de transição de nossa economia. capital estrangeiro. Café Filho. Esse fato se dá dentro do contexto internacional e da ideologia desenvolvimentista de evitar nos países subdesenvolvidos a presença do comunismo. MIGUEL. gerando sérias crises. ] A grande meta de Juscelino foi o desenvolvimento. 15. Esta teoria analisa a presença numa mesma sociedade de dois setores: o setor atrasado e o setor moderno.889. em agosto. com relação ao nacionalismo e à ideologia do desenvolvimento. Miriam Limoeiro. motivada pela inflação. p. para as indústrias de base". Thomas. que enfatizava ser o subdesenvolvimento conseqüência da dependência cultural em relação aos países desenvolvidos. Mas. através do modelo escolhido. assumem a concepção dualista de subdesenvolvimento. 223. Escolheu como símbolo de seu governo a construção de Brasília que serviu também para encobrir problemas agudos como os da reforma agrária e universitária. é preciso crescer e. Essa crise se processou por volta de 1958 e refletiu a grande crise por que passava a sociedade brasileira. há uma p. No período de 1954 a início de 1956. [ 17. Para as colocações que se seguem. sim. Teve seu fim com o Golpe de 1964. [ 15. aos quais seria permitido importar equipamentos industriais para produção de bens. E o fundamental: JK conseguiu contar com o apoio das Forças Armadas. o que conseguiu através de uma postura conciliatória em que evitava a emergência de problemas a nível de debates..os plantadores de café . p. fez apelo aos capitais nacional e estrangeiro. Juscelino Kubitschek. a nação pode prosperar. tem seu ensino regulamentado e as prerrogativas dos portadores de diplomas de assistentes sociais explicitadas. quando já se impõe evoluir na prática. subversão.. pelo medo característico dos militares golpistas ao pensamento. das simples indústrias de transformação. ambos de orientação comunista. Qualquer tipo de oposição era enquadrada na categoria de "inimigos da p. 2) a personalidade do presidente. Serviu para elaborar as diretrizes do pensamento brasileiro. É com Juscelino que o desenvolvimento econômico acelerado teve início. Desenvolvimento e Crise no Brasil. O rompimento desta situação se daria através de uma transformação das estruturas. 4) a base do crescimento é a iniciativa privada. 14. ao intelectual e ao povo.. quase exclusivamente. ] Café Filho montou um ministério para dar continuidade ao programa de estabilidade de Vargas. 78 industriais apoiavam o presidente. Essa decisão veio através da instrução 113 da SUMOC. para o estágio de industrialização intensiva. utilizaremos o texto de Miriam Limoeiro Cardoso. como vimos. nunca foi homogênea. E para tê-lo. de 13/06/1953. É pelo crescimento econômico. 2) a crise em que passava a sociedade era de transição e a solução está no desenvolvimento. "favorecendo os investidores estrangeiros. transformação. uma medida de longo alcance foi tomada no início de 1955: um decreto favorecendo o capital estrangeiro. O ISEB. Aos primeiros mostrava sua postura anticomunista e aos segundos procurava mostrar que sem o capital estrangeiro era impossível haver desenvolvimento. 17. pois este soubera motivá-los para investirem e lhes deu condições. em 1955. De início parte de seus integrantes. colocando em xeque a dependência externa. Não chega à percepção da dependência. 19. Foi esta heterogeneidade que serviu de matéria para que os reacionários dividissem o ISEB. A campanha política de Juscelino tinha-se pautado na ênfase sobre desenvolvimento com industrialização. Depois de um tempo à frente do Ministério. Com aumentos salariais e com a estrutura sindical montada por Vargas. Walderez Loureiro. pois pela primeira vez um governo assume deliberadamente a tarefa de ser instrumento da industrialização. o governo de Vargas. Mas as saídas de Vargas não resolviam os problemas e o conseqüente aumento das tensões. Nessa análise. O desenvolvimento implica o subdesenvolvimento. partindo da premissa de que para haver desenvolvimento é preciso uma ideologia. fechou o Sindicato dos Trabalhadores Portuários e a Liga de Emancipação Nacional. Ibid. De maneira geral seguiu a linha da CEPAL. foi criado durante o governo de Café Filho.não temiam o governo de Juscelino Kubitschek. Referindo-se à industrialização. Procurou neutralizar as oposições. assumiu a postura do nacionalismo-desenvolvimentista. Carlos Luz e Nereu Ramos. buscando com isso encontrar apoio nas medidas antiinflacionárias que vinha tomando.A base da política do governo de Juscelino Kubitschek é o desenvolvimento econômico. apresentaremos agora as características básicas do referido governo. trabalho. Ideologia do Desenvolvimento . sendo que uma delas foi a cisão entre os que defendiam a postura de Juscelino e os que eram favoráveis à mudança estrutural. Nesse período Vargas radicaliza sua posição nacionalista. 60. Desenvolvimento . Para isto. dando incentivo às indústrias de bens de consumo. É nesse período que o Serviço Social. pois recebia benefícios do crescimento econômico. A classe média também estava contente. ] A preocupação fundamental de Juscelino foi o desenvolvimento econômico. p. as pressões. em matéria de desenvolvimento econômico. 49. L. ordem. às indústrias automobilísticas. havia.

mas apenas melhorar. Em outras palavras. CARDOSO. KUBITSCHEK. É através do Estado. 93. 254. sem maiores p. isto é. a posição de Kubitschek é de um estado seletivo. Transformação entendida como aqueles aspectos "que se referem ao que fazer no presente para apressar a chegada ao grande destino". O Presidente conclama os investidores estrangeiros para que façam seus investimentos em nosso país. a qual por sua vez corresponde aos interesses do bem-comum. a diferenciação interna da sociedade não sendo devida senão à atribuição de papéis. Ibid. ela mesma feita de forma harmônica e equilibrada". A partir de 1937. Mensagem de 1956. Então se faz necessário desenvolver. externa e economicamente. em relação a outras nações. 224. 80 deve ser feito dentro da ordem. o econômico". o populismo está de maneira marcante presente após a II Guerra Mundial. promovendo a integração mais efetiva e mais completa ao sistema global e contribuindo para que se mantenha". Ao mesmo tempo que enfatiza a ordem e a transformação. nada pode atrapalhar este caminhar. as bases políticas do desenvolvimentismo se assentam no populismo. [ 21. da premissa do conceito de segurança coletiva e constitui a condição necessária de salvaguarda de nossa liberdade".Juscelino Kubitschek defende que a pobreza é um mal. é racional e não emocional. p. O máximo de percepção dos conflitos na sociedade é o da relação empregado e empregador. . Miriam Limoeiro. continental e ocidental. Dentro dessa ótica a ajuda dos países desenvolvidos é uma questão de racionalidade. [ 19. p. Miriam Limoeiro. que se define com o Golpe de 1964. 22. Miriam Limoeiro diz: "O desenvolvimento é o grande móvel da ação. Fala-se em segurança interna (acabar com a miséria) e segurança externa (salvar os valores democráticos e cristãos) no sentido de lutar contra o comunismo. o social. 8. é dependente do capital estrangeiro. O grifo é nosso. pois as massas mais miseráveis são presas fáceis das ideologias contrárias. Se os países subdesenvolvidos não conseguirem sair de sua situação.Um outro ponto importante é a visão de relação entre capital e trabalho. a ideologia.tema iniciativa privada. 138. Apud CARDOSO. vemos as reações contra o centralismo do Governo Federal. que a pobreza do povo pode ser causa de intranqüilidade e subversão. Cf. Juscelino. quer nacional. apenas somos atrasados e estamos apelando às nações do mundo democrático. a ajuda do capital estrangeiro é vital ao processo de desenvolvimento. 27. trabalho é uma ação produtiva. 6. Ibid. Discurso em 1956. 7. 122. uma ameaça à democracia e a única forma de extirpá-la é com o desenvolvimento. O capital estrangeiro tem entrada fácil graças à Instrução 113 da SUMOC. há atitudes anticomunistas. 2) a dignidade de tratamento e de condições de vida para os trabalhadores brasileiros. mas a nação também lúcra. fator de união. o Estado propiciará o desenvolvimento industrial.Brasil: JK e JQ. KUBITSCHEK. Daí que mudanças devem acontecer "nos termos estritamente postos pela ordem. Vargas assume plenamente as causas da industrialização. um dos elementos básicos é a ordem. o ideológico. o pacto das classes e a intervenção do Estado.O governo de Juscelino Kubitschek é marcado por uma ambigüidade: internamente tem uma postura nacionalista e. é possível. fazendo-o rico. Juscelino tinha uma visão particular de nacionalismo. da presença do capital estrangeiro particular e da ajuda dos governos dos países desenvolvidos. Este aprofunda o desenvolvimento associado sob a égide da doutrina de Segurança Nacional. Ibid.. como instrumento da burguesia nacional. JK procura resolver isto dentro de uma visão de harmonia entre as classes. não é preciso mudar. [ 22.o Estado tem papel supletivo e como a meta fundamental é o desenvolvimento. O populismo possui três elementos que lhe são essenciais: nacionalismo desenvolvimentista. o programa de Juscelino Kubitschek é eminentemente conservador e Progressista. 20. p. 2. A harmonia e não o conflito de classes é a postura de Jusçelino Kubitschek. Além disso. É a partir dessa data que vemos a ascensão da burguesia industrial. Juscelino responde que somos uma nação livre. Com isso podemos ver que a suposição em que a postura juscelinista assenta é a da plena funcionalidade do Social. JK afirma: "Tenho sempre comigo dois objetivos: 1) a utilização das nossas riquezas para a emancipação econômica do Brasil. para que haja desenvolvimento. tivemos o fenômeno do populismo com o nacionalismo desenvolvimentista. em condições de falar de igual para igual. [ 24. E é natural que o capital estrangeiro ganhe com seus investimentos. Este fenômeno também aconteceu em outras nações latinoamericanas.A pobreza. Populismo. cuja diferenciação atende aos requisitos da produção. p. as diferenças de classe não aparecem no discurso juscelinista. p. [ 29. [ 25. apesár dessa diversidade. estamos vendo que a dificuldade mais fortemente enfatizada para superar o estado em que nos encontramos é p. 184. ] De outro lado. Nesse período o Brasil levanta a bandeira "Segurança pelo Desenvolvimento". 193-198. corre-se o risco de colocar em xeque a democracia.Brasil: JK e JQ. bem como o controle do Estado em matéria de comércio externo. Juscelino defende que o desenvolvimento p. não se analisa o porquê e de que tipo de pobreza se está falando. O capital é necessário de onde vier. De 1930 a 1937. exijo a justiça que cria a dignidade da pessoa humana e a valorização social dos operários". O desenvolvimento acaba com a miséria. Juscelino crê firmemente nessa idéia e a única saída que vê é o desenvolvimento. Ideologia do Desenvolvimento .o político.Já vimos que para Juscelìno Kubìtschek a ordem vigente deve ser mantida. ela é ameaça à ordem. do sistema vigente. para o trabalho. 82 cogitações sobre as desigualdades sociais que ela mesma indica que o permeiam". p. Resumindo alguns pontos: 1. E comentando esse discurso. É possível superar a pobreza na medida em que evoluímos para um estágio diferente de desenvolvimento. p. Tendo em vista esta postura é que no governo de Juscelino não existem atitudes antiamericanas. Daí sustentar a necessidade do crescimento. 24. o nacionalismo de Juscelino desliga o vínculo exploração e subdesenvolvimento. Aos que criticam que os investimentos externos nos levarão à dependência. O Governo centralizado se impõe e com ele a burguesia industrial através do Estado Novo. e a colaboração é diferente de acordo com a posição de cada um: uns com o trabalho. Para salvaguardar o Ocidente propõe a criação da Operação Pan-Americana . Nacionalismo (segundo ele) é ajudar o Brasil a desenvolver-se. Ideologia do Desenvolvimento . O que constatamos é que "a ideologia política está centrada no desenvolvimento (finalidade) e que para ela todo o mal se contém na pobreza do país (situação atual). logo. assim. o desenvolvimento dentro do desenvolvimentismo tem como objetivo o desenvolvimento do sistema capitalista.. porque é marcado por um forte nacionalismo. não permite a animosidade com os estrangeiros e coloca o aspecto emocional (no sentido de amor à pátria) e o aspecto técnico como patriotismo. 278. alcançando o progresso. ] Salientamos também que a formação cristã do Presidente marcou profundamente toda sua vida e seus conceitos. De 1930 a 1964. p. não sendo subserviente para com elas. o cultural.. 81 entendida como sendo o capital (meio)". embora já estivesse em formação a partir de 1930. Esta. outros com o capital. é colocá-lo. p. desejo a expressão que crie o desenvolvimento e a produtividade. pelo contrário. Ideologia do Desenvolvimento Brasil: JK e JQ. Limoeiro afirma: "Todos colaboram para o desenvolvimento. No dizer de Juscelino a "Operação Pan-Americana parte. 23. que vemos o desenvolvimento da indústria. Transformação não significa mudanças radicais. Vejamos algumas características do populismo que no Brasil está ligado com o varguismo. Juscelino deseja o desenvolvimento econômico como forma de superação do subdesenvolvimento. Ibid. Ibid. quer estrangeiro. [ 28. a relação governo/povo é vista como identidade.. Para isto o governo também investe nas obras de infra-estrutura. Essa transformação não abala nem a ordem e nem a democracia. Apud CARDOSO. Apesar do significado político da pobreza dentro do discurso juscelinista. 123. Esta ajuda Juscelino a vê como vital para a salvação da democracia no ocidente. passa a ser uma necessidade do ponto de vista da segurança nacional. para desenvolver sua política econômica . o combate à miséria é importante para a democracia.Nos discursos juscelinistas.. CARDOSO. 28. No entanto. É através de um conflito dentro da classe dominante e do tenentismo que a Revolução de 30 se faz. todos se beneficiam com o desenvolvimento e os benefícios são diferentes de acordo com a diferença de colaboração: os que colaboram com o capital recebem capital acrescido com o desenvolvimento e produtividade. dentro do. convivendo a partir da metade da década de 50 com o início do desenvolvimento associado. ] Pobreza . Para o Presidente. 9. ] Segurança e Subversão . Ideologia do Desenvolvimento . 29. 27. daí. Juscelino compreende a sociedade "como um todo harmônico e bem integrado. e ordem significando o sistema vigente. 26.procura conseguir uma maior intervenção do Estado.. nem as diferenças de classe. Juscelino. é preciso que se processe uma certa transformação. 23. Para o capital. 25. 3. Desta forma acabar com a pobreza. Esta perspectiva de industrialização. No Brasil.OPA para que se possa fortalecer a América através de uma política global de desenvolvimento. governa com o modelo internacionalista em termos econômicos e politicamente continua em termos populistas. ] Relação Capital Trabalho . os que colaboram com o trabalho recebem maior valorização social e humana. Miriam Limoeiro. Ibid. p. ] Capital estrangeiro .Brasil: JK e JQ. este desenvolvimento deve ser feito dentro da ordem. E o Presidente coloca a questão do capital sob a ótica técnica e não na perspectiva ideológica. Os conflitos não vêm à tona. criando condições para seu desenvolvimento e também no seu governo de 1950-54. ela passa a ser uma questão de segurança. 138. 5. ] Nacionalismo e internacionalismo . Ordem e Transformação . E procura assumir uma liderança continental. 21. a miséria é vista como perigo. A ordem não é má. é livrá-lo da miséria.a industrialização . mas sim a passagem do subdesenvolvimento para o desenvolvimento. [ 26. e que esta subversão pode vir por ideologia contrária à democracia. Miriam Limoeiro. 20. e isto significa harmonia entre capital e trabalho. não que o desenvolvimento aproveita a todos. 4. é ele o grande objetivo explícito dos esforços em todos os níveis .

Esse processo do desenvolvimento em Vargas se processou sob rupturas parciais. Essa atitude. setor moderno e atrasado respectivamente. Ensaios de Sociologia do Desenvolvimento. ideologia esta que estará presente a partir de Juscelino Kubitschek. E o dualismo não é um fenômeno do subdesenvolvimento. Enquanto isso a obra de Rios já apresenta uma amplitude maior de análise. certas condições de estrutura social. Em 1952. Esta política de massas não possibilitou a explicitação de uma "consciência de classe". Tal é o dualismo. O governo de Juscelino Kubitschek é marcado pelo desenvolvimentismo. O setor moderno tem infra-estrutura em todos os sentidos. 47. quanto a difusão do progresso técnico é mais rápida e menos geral. mas só consegue um grande surto industrial com a maciça entrada' de capital estrangeiro. Ibid. 56. Exemplo no Brasil: o Sul e o Nordeste. teve também. 85 moderno se desenvolve através da industrialização importada. in PEREIRA. 30. p. 2) Conceitos e Objetivos da Educação de Adultos no Desenvolvimento das Comunidades (Fundamentos). 37. mediante o acesso a decisões adjetivas locais tenham a ilusão de estarem de fato participando". Ele nos diz: 'A mesma cultura nacional comporta. in PERROUX. não insere a comunidade local dentro da região e da nação.quer do setor privado. Essa intervenção é normalmente feita pelo governo para equilíbrio do sistema. A discussão centrou-se na tarefa educativa dentro do trabalho de Desenvolvimento das Comunidades. É a partir do governo de Vargas. bem como esses intelectuais. 35.bem como os organismos estrangeiros . com o setor externo e com a presença do capital nacional . Segundo Safira Ammann. Essa busca de consenso social através da socialização pode ser percebida na ideologia desenvolvimentista. os investimentos que recebe do centro são sempre em função do próprio setor moderno. E "esse tipo de economia dualista constitui. da lei do salário mínimo. por parte dos técnicos. ou através de suas organizações. as cidades são mais urbanizadas. Obstáculos que impedem a expansão do setor moderno para o atrasado: estilo de povoamento. entre outros pontos. Luiz. Esta estrutura dualista que acontece dentro de cada país e se repete a nível internacional. mas sim uma "consciência de massa". Celso. pois estes têm uma série de características estruturais que os diferenciam daqueles. e o outro setor fica totalmente à margem. especificamente. AMMANN. fazem parte da ideologia desenvolvimentista. E finalmente a obra de Balbina Vieira. 32. E Rios tem por base o funcionalismo de Parsons. o livro Introdução à Organização Social de Comunidade. FURTADO. Elias. além do atraso econômico. Économie du Développment. p. 66. p. Aqui percebemos presente os pressupostos católicos e da filosofia . O Seminário foi dirigido pela Assistente Social Helena Iracy Junqueira na qualidade de vice-presidente da UCISS para a América Latina. explicitar o conceito de subdesenvolvimento vigente nesse período. promovido pela UCISS e UNESCO. o fenômeno do subdesenvolvimento contemporâneo. traço fundamental dos países em via do desenvolvimento econômico".: Ibid. Jacques. um dos teóricos mais conhecidos da teoria dualista. 36. 86 Estudando cada uma das obras. Essa ilusão de "participação". De início cresceu o antagonismo entre as forças que desejam o desenvolvimento associado com os que desejam continuar com o desenvolvimento independente. O desenvolvimento de um setor faz com que se transforme. Safira Bezerra. para finalizar. clama a todos a colaborarem já que todos desfrutarão dos benefícios do desenvolvimento". Além do mais. tivemos uma publicação do Ministério da Agricultura. execução e interpretação de programas de 'melhoria de vida local". O antagonismo existente termina com o Golpe de 1964 que coloca o desenvolvimento sob a perspectiva do modelo associado internacional. O Serviço Social de 1954 a 1960 É dentro do governo de JK que o Serviço Social assume no Brasil a postura desenvolvimentista. 84 subdesenvolvidos convivem com um setor tradicional e um setor moderno. o trabalho de José Arthur Rios. Não há perspectiva mais ampla. "Obstáculos ao Desenvolvimento Decorrentes da Formação de uma Sociedade Dualista". E o setor moderno não é capaz de distribuir rapidamente o que importou. [ 33. concedem aos técnicos no estudo dos problemas. 34. que vemos nascer as contradições do populismo. Os governos de Jânio Quadros e Goulart tentaram recuperar a dimensão econômica independente do modelo getuliano. uma aliança com as massas populares e com o movimento operário que cresce a partir de 1930 e que atua de maneira marcante em toda a fase populista. há o atraso cultural de uma parte da população em relação à outra. 32.. ] p. dualista: "definimos um país subdesenvolvido como um país caracterizado pela coexistência de dois sistemas econômicos e sociais. cuja interação dos elementos estruturais é o comportamento normal. outros governos nacionalistas também caem. O setor atrasado é onde há fluxo de idéias tradicionais. GANNAGÉ. Este conceito parte da constatação de que os países desenvolvidos jamais foram subdesenvolvidos. A luta pela nacionalização dos recursos naturais e criação de indústrias de base mostra a política externa independente do varguismo. p. "Desenvolvimento e Subdesenvolvimento". Os países p. LAMBERT. Além do conceito linear já colocado no Item "O Desenvolvimento e os governos de Dutra e de Vargas". essa modalidade de atraso e de avanço cultural é habitualmente designada pelo nome de "sociedade dualista". principalmente no seu final. p. onde o capital se concentra e atrai o pouco capital gerado no setor atrasado. Nesse período começa a infiltração americana na América Latina e o suicídio de Vargas não foi um fato isolado. embora de maneira geral essas obras não levem em conta as contradições da sociedade. ] É para essa ideologia que as análises de Balbina e Rios contribuem. Elias Gannagé assim se expressa quanto à teoria. em termos de formação religiosa e moral. a partir dos anos 50". assim. Ideologia do Desenvolvimento de Comunidade no Brasil. Esse assumir do Serviço Social se dará mais claramente no final do governo de Juscelino. É na década de 50 que vemos surgir os primeiros escritores em Desenvolvimento de Comunidade no Brasil e entre eles assistentes sociais. bem como a socialização pelo processo de integração na perspectiva funcionalista que leva a sociedade a vivenciar o consenso social.. O Seminário foi subdividido em três temas: 1) Programas em Execução (Informação) onde foram apresentados os programas realizados ou em realização pela ONU. levando a pensar não enquanto grupo ou classes mas enquanto coletividade. Dentro da nova divisão de forças que advém a partir de 1930 na sociedade brasileira a cooperação de classe será vital para o populismo. e é onde se concéntra maior parte do mercado. 47. os pressupostos da obra de Balbina são os do positivismo comteano. 36. o varguismo se inicia em 1930 e se consolida no período de 1950-54. A característica estrutural é o dualismo. Jacques Lambert.. Luiz. Este projeto de "industrialização autônoma" com uma política independente sob a égide da burguesia industrial.. 37. mas a massa trabalhadora como um todo assumiu essa postura de cooperação entre as classes. Goulart tentou através do Plano Trienal. Ibid. nos seguintes momentos: "o apelo pelo desenvolvimento aglutina a todos. marcaram profundamente o Serviço Social da época. afirmando: "consideramos que a concepção da participação inferida nas três obras analisadas se traduz pela contribuição que as lideranças e o povo. 55.. Apud PEREIRA. p. como exigência de realização. UNESCO e Ponto IV. p. do sindicato único por categoria. onde os fluxos de idéias são inovadores. quer do setor público. em todos os sentidos. isto é. É evidente que houve conflitos entre as classes e principalmente da liderança operária. Para que possamos entender esta política de massas e o controle do operariado. 31. 60. Em 1957. Celso Furtado que também foi um dos teóricos do dualismo diz que um dos setores tem a tendência de comportar-se como capitalista e o outro permanece dentro da estrutura já existente. ] Segundo Lambert. Como vimos. Este desenvolvimentismo se caracterizou ao nível da política externa de internacionalização de nossa economïa e internamente do ponto de vista político continuou com o esquema montado por Vargas. e esta não se introduz gradativamente. [ 35. Ensaios de Sociologia do Desenvolvimento. Essas obras. bem como é imposta pronta e acabada. acentuando as diferenças. E esta cooperação vem no bojo da ideologia corporativista do Estado Novo com seu controle sobre os sindicatos via Ministério do Trabalho. a do Presidente e da maioria dos assistentes sociais se identificam. nos mostra que. O populismo continua presente nos governos de JK e JQ e de Goulart. na elaboração. com o título de Educação dos Grupos. Também os assistentes sociais sensibilizam-se com a confiança que o Presidente irradia. a referida autora." 31. Esta interferência externa começa no governo de Café Filho com a Instrução 113 da SUMOC e se amplia no governo de JK.interessados na difusão do Desenvolvimento da Comunidade tratam de estimular a emergência de intelectuais autóctones dessa disciplina. 34. A obra de Balbina está voltada para a análise da comunidade local. 33. através de um Estado forte e centralizado. mas "a maneira pela qual se luta atualmente pelo desenvolvimento". regiões com vastas zonas rurais e pouco crescimento demográfico. Sociologia do Desenvolvimento. [ 30. ] p. diretamente. 83 Queremos. Conjugou os dois setores e conseguiu mobilizar as massas para seu projeto desenvolvimentista. Totalmente diferentes. realizou-se em Porto Alegre um seminário sobre "Educação de Adultos como processo de Desenvolvimento de Comunidade". que podem ser muito diferentes e que tanto mais se diferencia. Em 1957. duas facies: uma evoluída e outra arcaica. como assinala Walderez. contribui "para que as classes subordinadas permaneçam à margem do processo decisório da sociedade global e que. analisa os conceitos de integração e participação e conclui. que a partir de 1945 não possui nenhuma tradição de luta. importa lembrar de um lado que o intercâmbio entre as classes operária e patronal e o Estado se processa pelo "peleguismo" e de outro é preciso ver a composição desse operariado. uma das causas do dualismo está no fato de que o setor p. da CLT. Isto acontece porque "As frações das sociedades civil e política do Brasil . Esse antagonismo levou Vargas ao suicídio. François et al.Nacionalismo que também é um instrumento da burguesia industrial e que com ela emerge. temos a presença do conceito "Estrutural Dualista".

3) Métodos e Técnicas de Educação de Adultos no Desenvolvimento da Comunidade (Metodologia). a administração do bem-estar. Em 1959. 43. que quanto aos conceitos fundamentais considerou: Quanto ao Homem: "a) que é um ser composto de corpo e alma. o Serviço Social possuía basicamente uma postura: desenvolver seu trabalho em plena consonância com os governos então no poder. a partir do governo de Juscelino Kubitschek. [ 41. trabalhos imediatos e ligados mais às necessidades materiais. ] No período do Governo de Juscelino. SILVA. entre outros pontos. 43. [ 46. Maria Lúcia Carvalho da. as modificações a serem introduzidas nos programas de Serviço Social.tomista. o conceito de subdesenvolvimento está na perspectiva "estrutural-dualista". Safira Ammann. Uma delas foi sobre: "Contribuição do Serviço Social e dos Assistentes Sociais na Educação de Adultos e nos programas de Desenvolvimento das Comunidades". 89 Sua atuação implicará processar o desenvolvimento capitalista no campo. p. manifesta expressamente a importância do Serviço Social junto ao processo de desenvolvimento e mobilização popular. Esse trabalho não se integra em atividades mais amplas. João Goulart e Golpe de 1964 Jânio Quadros Jânio Quadros. Desenvolvimento da Comunidade. As colocações de Martha Ezcurra foram nessa linha. assim se expressa: "O Desenvolvimento de Comunidade' começou a existir na América Latina na década de 50 já com uma visão dualista da sociedade. ] No período que estamos analisando tivemos também a presença marcante da ONU em relação ao Serviço Social. com o Curso p. Era partidário de reformas que viessem racionalizar melhor o sistema capitalista e que pudessem inserir as populações do setor atrasado ao moderno. 1958 e 1962 a ONU realizou estudos sobre o ensino de Serviço Social. Em 1954. em sua apresentação. Lebret. O representante da ONU informou que o referido organismo tem interesse em colaborar com as escolas no que tange à questão de melhores condições e treinamento da formação no setor comunidade. Essa posição recebeu a base ideológica do Governo Juscelino Kubitschek e terá o apoio de Jânio Quadros que. "El desarollo de comunidad" empezó a existir en América Latina en la década del 50 ya con una visión dualista de la sociedad. 74-75. a ONU definiu Desenvolvimento de Comunidade. falando da intervenção do Serviço Social na década de 50. E disse que estava "programada uma Reunião a se realizar em Montevidéu. tendo por base teórica os conceitos de harmonia e equilíbrio. Helena Junqueira introduz o uso "de nova nomenclatura. 45. pois. Porto Alegre. empreendem e executam projetos e atividades. Walderez Loureiro. como "processo através do qual os esforços do próprio povo se unem aos das autoridades governamentais. Rio de Janeiro. ligados à ONU. quer municipais. a fim de que os assistentes sociais pudessem ocupar melhores posições nos organismos que estão patrocinando ou executando programas de desenvolvimento de comunidades". c) com um destino sobrenatural e eterno e com os seus conseqüentes direitos e deveres". Após as colocações houve trabalhos em grupo e depois plenário. modernizando a agricultura. assim como através de uma ação cooperativa destinada a melhorar as condições econômicas e sociais". Nos debates foi explicitada a importância da Educação de Adultos para as elites operárias e de outros grupos (administradores. políticos etc. Evolução do Conceito de Desenvolvimento de Comunidade no período 1965/1970. tivemos a criação do Serviço Social Rural. Os referidos Centros tiveram tanta importância que a ONU. ] PERÍODO DE 1960 A 1967 Governo de Jânio Quadros. Das conclusões salientamos a do" Grupo A. sociais e culturais das comunidades. Os "Centros Sociais" no Brasil. Ideologia do Desenvolvimento de Comunidade no Brasil. analisando os trabalhos dos Centros Sociais. [ 38. Ásia e África. em Jacques Maritain e Pe. 69. justamente para examinar. estava também preocupado com o desenvolvimento brasileiro.631. que o Serviço Social entra incisivamente no trabalho de comunidade. José Arthur Rios. reafirma novamente a importância do Serviço Social para o Desenvolvimento de Comunidade e apresenta novo conceito de Serviço Social. Assistentes sociais também participaram da Conferência Internacional de Serviço Social sobre o tema "Mobilização dos recursos para atender às necessidades sociais". Concluiu-se também da inadiável divulgação do que se faz em termos de Serviço Social no campo de Desenvolvimento de Comunidade.Um Estudo de Ideologia. 39. Este objetivo se atinge através da utilização de técnicas e métodos destinados a fazer com que indivíduos. 45. b) com um destino temporal e com direito ao bem-estar e à felicidade naturais. a industrialização. pós-graduação. como já abordamos. la modernización. que sucede a Juscelino Kubitschek na Presidência da República. na Sub-Região do Cone Sul. Trabajo Social . Através da Lei nº 2. p. com direitos e deveres individuais e sociais. p. MIGUEL. FALEIROS. p. la planificación como solución para el subdesarollo". ANAIS DO II CONGRESSO BRASILEIRO DE SERVIÇO SOCIAL. Definição pela ONU. com os Diretores das Escolas de Serviço Social da América Latina. p. "O primeiro e o segundo ocupam-se principalmente dos cursos organizados em Serviço Social para graduados. entre outros. p. Nos debates ficou enfatizado o despreparo dos assistentes sociais e a urgência de um melhor desempenho das escolas de Serviço Social no preparo de profissionais para a referida área. Safira Bezerra. Até a década de 60. p. Ele inicia seu governo . Outro ponto analisado com ênfase foi o trabalho na zona rural.CNER. sem ônus para os cofres públicos. da América Latina. e assume a postura desenvolvimentista. 88 de Introdução ao Serviço Social de Comunidade. faz uma recomendação expressa para sua utilização. ] Em 1955. bem como de órgãos patronais da área. 1955. Dentro dessa Sessão de Estudos constatamos a discussão em torno da nomenclatura e conteúdo da intervenção do Serviço Social no processo de comunidade. 42. 90 Esse enfoque é assumido pelos assistentes sociais. Tendências Atuais do Ensino de Serviço Social de Comunidade no Brasil. Nesse período a presença da ONU continua marcando o caráter internacionalista do novo Serviço Social. quer na zona urbana. Esses centros ilustram a prática do processo de "desenvolvimento e organização de comunidade" realizando trabalhos nas pequenas comunidades. Com relação a este tema foram programadas diversas "Sessões de Estudos". Sua presença marcante será a partir de 1960. integrar essas comunidades na vida nacional e capacitá-las a contribuir plenamente para o progresso do país". na Sub-Região do Cone Sul. O Serviço Social para indicar sua intervenção na área de comunidade passa da chamada "Organização de Comunidade" para "Desenvolvimento de Comunidade" e "Desenvolvimento e Organização de Comunidade". No terceiro estudo são analisados os problemas de formação para o Serviço Social e os métodos aplicados no seu ensino. 233. "que não é possível educar sem dispor as mentes para a busca da Verdade. BELEZA. 52. sem p. AMMANN. principalmente no seu final. Os Centros Sociais estavam ligados aos problemas locais e procuravam resolvê-los através da mobilização do povo. 39.Ideologia y Método. 87 dispor os corações para o apreço do Belo e do Bom ou sem animar a vontade e escolher o Bem que corresponde à natureza da Pessoa Humana". grupos e comunidades possam satisfazer suas necessidades e resolver seus problemas de adaptação a um tipo de sociedade em processo de mudança. em discurso. in AMMANN. criou-se o Serviço Social Rural que se vai organizando e começa suas atuações a partir de 1959. la administración del bienestar. 67. p. p. Faleiros. através de uma resolução. Essa passagem se dá a partir das discussões feitas no âmbito acadêmico e das contribuições de Helena Iracy Junqueira. Os estudos foram na América do Norte. Maria Dulce de Moura.grupo de especialistas internacionais. coordenando seus esforços e com a ajuda de técnicos dirigentes. Em que consistiu a pratica do Serviço Social na década de 50? O trabalho se inicia com a coordenação de Serviço e Obras Sociais. Ideologia do Desenvolvimento de Comunidade no Brasil. ofereciam os Centros Sociais sua parcela de contribuição a uma política de Governo interessada em expandir o sistema capitalista no Brasil". Safira Bezerra. América Latina.) para evitar as tensões sociais. 42. 1961. cujo objetivo é contribuir para a adaptação recíproca dos indivíduos e de seu meio social. 44. 248. que já vinha sendo discutido desde 1950. criando pequenas obras de infraestrutura urbana. considerado básico para maior dinamismo do processo e tentativa de sua sistematização". p. a modernização. de 23/09/1955. É. participando da Convenção da ABESS. baseou-se. 38. com o fim de melhorar as condições econômicas. um. da América Latina. O Serviço Social e a "Promoção do Homem" . p. destinados a satisfazer suas necessidades particulares e a melhorar suas condições de vida". bem como por que são as elites que terão condições de fazer a reforma social. ] E quanto a Educação. 37. O quarto estudo destinava-se a ressaltar as tendências importantes na formação para o Serviço Social em todos os níveis de ensino: graduação. [ 37. Tiveram em alguns lugares outros nomes como Centro de Comunidade ou Centro Social de Comunidade. E assim concebe o Centro Social: "a instituição local em que as pessoas pertencentes a uma mesma coletividade. 24. Nos anos 1950. em Tóquio. a planificação como solução para o subdesenvolvimento". Evolução do Conceito de Desenvolvimento de Comunidade no período de 1965/1970. 1957. [ 44. Organização e Desenvolvimento da Comunidade e Serviço Social de Comunidade ou Organização Social da Comunidade. p. quer na zona rural. Utiliza-se também dos Centros Sociais. Maria Lúcia Carvalho da. ] 40. Em 1956. A discussão foi em torno de Organização de Comunidade. SILVA. Este serviço receberá apoio do governo e de vários programas internacionais. via Serviço Social rural. 41. Este "se define como uma atividade organizada. la industrialización. Vicente de Paula. 9. assim se expressa: "Alfabetizando as populações rurais. 40. nascem ligados à Igreja Católica e ao Serviço Social e passarão a ter apoio oficial com a criação em 1952 e implantação em 1956 da Campanha Nacional de Educação Rural . treinamento em serviço e auxiliares em Serviço Social". Ibid. 46. de início. quer regionais. 32. Anais do Seminário Regional de Educação de Adultos..

em sociedades democráticas adaptadas aos seus próprios desejos e necessidades" 52. quer externamente. 94 cujo caráter ou propósito não havia ainda consenso claro . Concomitantemente.estes. apesar da radicalização dos extremos. ao passo que a Aliança para o Progresso era uma proposta de país capitalista "voltada principalmente para as garantias políticas. absorvendo o empenho dos assistentes sociais. Governo de João Goulart João Goulart foi eleito vice-presidente pela segunda vez. a fim de desenvolver um magno esforço cooperativo que acelere o desenvolvimento econômico e social dos países latino-americanos participantes. voltando-se para os países subdesenvolvidos. [ 50. 273-282. dadas as pressões internas dos operários. é que fez com que Juscelino propusesse aos Estados Unidos a realização da Operação Pan-Americana . San Thiago Dantas para o Ministério da Fazenda . como a agricultura. A primeira experiência foi de janeiro a junho de 1963. in O. eram inadequadas se tomadas em separado.Brizola. Com relação ao Exército colocou militares nacionalistas em postos chave. educação e saúde. O Plano Trienal de Furtado tinha como objetivos o combate à inflação. À esquerda estavam: CGT. SKIDMORE. ] Havia também os partidos . p. Sua posição política começou a voltar-se para a esquerda. portanto. renuncia em agosto. O Plano de Furtado enfatizava o primeiro objetivo e o Presidente o segundo. dentro do sistema parlamentarista. para ele. diminuindo a miséria. PCB. A. 2) o PTB cresceu. Filosofia del Siglo XX y Servicio Social. Goulart assume a Presidência da República. Quadros endossava a fórmula neoliberal. Thomas. 31. p. in O. 246. 51. Quais os objetivos das reformas? Havia 3 objetivos: "1) eliminar um novo tipo de "engarrafamento no processo do desenvolvimento econômico". SKIDMORE. Reação por parte de vários setores industriais. aproximar o nível de vida dos países latino-americanos dos níveis dos países industrializados". Este fato é importante também para a história do Serviço Social. alguns líderes militares como Dennys e Eiéch. mas estava dividido em duas facções: San Thiago e Brizola e 3) não havia nenhum partido que representasse a opinião de centro. 56. A CNBB se manifestara em documento favorável às reformas de base. a fim de conseguir aumento substancial e contínuo da renda per capita. 235-236. quer pela esquerda. se não fizesse parte de um plano mais amplo de prosseguimento da industrialização e aumento dos investimentos públicos". recuperar alto índice de crescimento e realizar reformas de base. Brasil: de Getúlio a Castelo. e iniciando um governo com apoio da opinião pública. p. os que tinham maior expressão nacional. A Aliança para o Progresso se baseia nos conceitos linear e dualista de subdesenvolvimento. ] p. pois como diz Herman Kruse. expropriação de firmas estrangeiras e a questão da terra. Quanto à questão em debate. E as duas experiências voltaram-se "para corrigir as distorções estruturais do País. os países da América se comprometeram a realizar programas para atacar os problemas sociais. E os grupos como Frente Patriótica Civil-Militar e IPES Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais de homens de negócios. Dentro de sua plataforma "Prometia uma democracia honesta e digna. mostram-nos alguns pontos. Como se encontravam os quadros partidários e as demais forças. que tinha posição liberal. PSD e PTB . a maioria ainda tinha uma posição de centro e desejava uma economia mista. que já explicitamos em páginas anteriores. os chamados p. Goulart tinha sobre si sérias suspeitas por parte dos militares e da direita. Os nacionalistas argumentam "que as medidas de combate à inflação. eleito por uma maioria de votos. Arraes. Era uma proposta de país subdesenvolvido numa perspectiva econômica com a finalidade política. a partir da Aliança para o Progresso "se realizou a nível continental uma pluralidade de projetos que tiveram participação do Serviço Social. havia motivações de golpes e desejo de conduzir o País por via não democrática. ALIANÇA PARA O PROGRESSO. operários e consumidores. salientando-se a presença de Cândido Antônio Mendes de Almeida. Na "Declaração aos povos da América". 47. A. Brasil: de Getúlio a Castelo. nem no centro". Devido a seu programa de combate à inflação conseguiu rapidamente apoio dos credores estrangeiros. de maneira geral eram simpatizantes a uma reforma social. "Carta de Punta del Este". Ligas Camponesas. procurou de início dar mostras de respeitabilidade. Neles a profissão canalizou suas frustrações anteriores e reencontrou a inquietude pela reforma social que havia perdido desde os pioneiros". bem como "acelerar o desenvolvimento econômico e social. Ibid.OPA. da classe média e outros segmentos da sociedade. o civil Júlio Mesquita Filho.dentro do modelo neoliberal. assumindo depois posições do nacionalismo-desenvolvimentista. 93 jacobinos . III Jornadas Brasileiras da Aliança para o Progresso. Mas.UDN.. consideradas como elementos indispensáveis à manutenção e expansão do poderio econômico ocidental" ". [ 47. O Presidente assumiu seus plenos poderes em janeiro de 1963 e governou o país até março de 1964. p. reduzindo ao mesmo tempo o aumento dos preços a um nível nunca igualado desde Dutra (10 por cento). experiências de "esquerda positiva" e "esquerda negativa". ] Um acontecimento de âmbito americano acontece no governo de Quadros: a Aliança para o Progresso. a 1º de maio. 2) distribuição mais eqüitativa dos frutos do crescimento econômico e 3) alteração do equilíbrio político". 49. III Jornadas Brasileiras da Aliança para o Progresso. Após marchas e contramarchas. Brasil: Estabilidade Social pelo Colonial Facismo. as eleições. Qualquer programa de estabilização tornar-se-ia. para. ] A Aliança para o Progresso nasceu a partir da concretização da Revolução Cubána. 249. 51. Para sua equipe de trabalho requisitou Celso Furtado para o Ministério do Planejamento com a tarefa de preparar e executar o "Plano Trienal". A Aliança para o Progresso passou a ter existência a partir de 17 de agosto de 1961 através da "Carta del Este". líderes operários e Ação Popular AP. buscando conter a inflação. . E contou também com interesse de Kennedy. pois a 5 de agosto cria a Comissão Nacional de Planejamento para preparação de um Plano Qüinqüenal. Embora os do centro temessem os radicais. quando Jango assume o poder em 1963? Qual sua posição quanto ao desenvolvimento? No início de 1963. 53. E a Aliança para o Progresso. KRUSE. ineficaz. envolveram técnicas de trabalho em comunidade. Desta forma Jango mostrava que queria fazer "duplo jogo político". 242. empreenderia reformas de base . em relação ao tipo de estratégia que um Brasil nacionalista deveria ter para o desenvolvimento econômico. para que se consiga alcançar o máximo grau de bem-estar com iguais oportunidades para todos. para o fortalecimento do dispositivo sindical. JAGUARIBE. realizadas em 1962 para governadores em 11 estados.nem na esquerda. na sua maioria.. p. [ 49 . eleito pela UDN. Pacto Sindical de Unidade de Ação. Dentro do quadro do governo Goulart. quer pela direita. pediu ampla reforma agrária. Tudo isso seria feito paralelamente ao controle da inflação e preservando a independência do Brasil como nação soberana. 55. 48. CARDOSO. En ellos la profesión canalizó sus frustraciones anteriores y reganó la inquietud por la reforma social que se habia perdido desde los pioneiros". segundo Skidmore: 1) no âmbito nacional. visto que as causas p. Essa grita leva o Presidente a pensar na validade de seu programa. mostra em campanha política essa posição. p.para p. Em agosto. Cf. pois enfatizara que o desenvolvimento era a melhor maneira de combater a miséria e a subversão. E. 91 mais profundas da inflação jaziam no desequilíbrio estrutural da economia brasileira.que se empenhou num programa de estabilização.. Outro fator que levou o Presidente a rever seu programa foi a aproximação a um grupo nacionalista. Jânio Quadros. Esta percepção. Durante 1962 Goulart se preocupou em trabalhar por reformas de base e para pôr fim ao parlamentarismo. O que levou a uma radicalização foram as leis de remessa de lucros. ] Jânio Quadros. 133. antes de completar um ano de mandato. dos transportes. UNE. O perigo do comunismo fez com que os Estados Unidos realizassem projetos para diminuir a miséria. p. Defendia um orçamento equilibrado e insistia na necessidade de criar condições favoráveis aos investidores estrangeiros". para que pudesse haver um maior desenvolvimento . p. já a tivera Juscelino Kubitschek. 54. [ 52. Em 1962. quando da eleição de Quadros. e Comissão Brasileira da Aliança para o Progresso. Goulart tentou duas experiências básicas em sua gestão. que em agosto de 1961 renunciou. era claro que a opção do Brasil e da América Latina deveriam ser os valores cristãos e ocidentais. A consciência desses valores e a necessidade de combater o comunismo. [ 53. 48. Mas não conseguiu por muito tempo levar à frente esse programa. O programa começa a repercutir internamente: aumento do pão. Herman. Frente Parlamentar Nacional. Segundo Skidmore. numa linha que visava a conjugar o desenvolvimento nacional com a mudança sócio-política". "o governo de Jango empenhou-se num programa mais ambicioso do que qualquer outro regime brasileiro de após-guerra: manteria um ritmo de crescimento ao nível dos melhores anos de Juscelino (7 por cento). no menor prazo possível. A direita encontravam-se os anti getulistas tradicionais. 92 O objetivo da Aliança para o Progresso era: "unir todas as energias dos povos e governos das Repúblicas americanas.e a ala progressista da Igreja Católica. a tendência geral não era nem para a esquerda e nem para a direita. Hélio. isto no final do 1º semestre de 1960. [ 54. concretizou-se através de projetos que. pertencente ao ISEB e tendo uma postura nacionalista moderada.e Almino Afonso para o Ministério do Trabalho. Começa um governo de estabilidade. o Presidente dá mostras de estar convencido. Míriam Limoeiro. se realizaron a nível continental una pluralidad de proyectos que dieron participación el servicio social. embora necessárias. Esta é a chamada experiência positiva e foi auxiliada pela esquerda moderada. Thomas. Quadros inicia sua gestão com o combate à inflação através de um compacto programa antiinflacionário. mas também se comprometia a assegurar uma rápida taxa de desenvolvimento econômico que atingiria setores anteriormente negligenciados. intelectuais. pois. Também partilhavam as posições do centro de um governo democrático com reforma de base a ala do PTB liderada por Dantas e que era minoritária . ] As duas experiências foram chamadas por Dantas. 20. ALIANÇA PARA O PROGRESSO. "Declaração aos povos da América". E. em discurso. quer interna. Ideologia do Desenvolvimento Brasil: JK e JQ. e Comissão Brasileira da Aliança para o Progresso.

Logo em 1966 houve eleições para prefeitos e governadores. Este modelo leva o país à total dependência dos credores externos e a estabilização é buscada para que haja desenvolvimento. foram eleitos candidatos ligados às antigas forças e que não tinham simpatia dos militares. mobilização política das massas urbanas e rurais. contra a política inflacionária. era preciso diminuir os déficits do setor público e manter a capacidade de importar e um vigoroso programa de exportação. entre outras coisas. Diz Jaguaribe: "Enquanto a primeira experiência do governo Goulart. é entendido não só como crescimento. ] A 13 de março. É nesse período que o Presidente Kennedy propõe a Aliança para o Progresso. Outros passos seguintes seriam renegociação com os devedores europeus e acordos comerciais e financeiros com a URSS. 1961. As relações "externas" se definem como doutrina de interdependência. por força das quais se realizará a substituição de estruturas e instituições inadequadas à tranqüila continuidade do nosso progresso e à instauração de uma convivência democrática plena e efetiva". Bilac Pinto .[ 55. sob a direção de San Thiago. E as esquerdas se desmoronaram. o que foi feito.. O que também diferencia o programa de Jango dos outros é que a inflação devia ser atacada dentro de um planejamento global. não poderia mais ser esquecido.000. nacionalismo econômico. Conseqüência disso: Ato Institucional nº 2. 1945. ao buscar a compatibilização entre o plano econômico e o plano político desse 'modelo'. O governo aprendia que era impossível conciliar um programa inflacionário com uma satisfação interna. e a dissolução dos partidos. No dizer de Luiz Pereira. ] Para que qualquer programa como plano pudesse se concretizar. O governo interveio no sistema eleitoral para ter maior controle. porém estavam divididos e superestimavam a organização do povo. dando mais poderes ao Executivo e determinam eleições para Presidente e Vice. inclusive o da oposição e 3) descrença do povo em geral pelo oportunismo dos políticos. Ibid. A discussão da legislação no campo é tardia em relação aos operários na cidade. ou melhor. [ 58. Grupos de esquerda e a Igreja organizam os camponeses. Outra questão que pressionava era a questão salarial. uma alta sofisticação foi posta a serviço do desenvolvimento nacional e da reforma social sem lhe ter sido dada a oportunidade de real experimentação. mas crescimento e mudança. havia pressões quer da esquerda. A década de 60 foi considerada a "Década do Desenvolvimento". A partir de outubro de 1966. Castelo Branco foi eleito e o Congresso. [ 59. O setor agrário. Castelo Branco na vigência do Ato Institucional puniu 378 pessoas. no Rio e em Minas Gerais. Hélio. três são os fatores que podem ajudar o crescimento do autoritarismo: 1) a atitude dos militares que se constituem como censores da política brasileira. Brasil: de Getúlio a Castelo. 57. Goulart deixara de lado o programa de estabilização e o desejo de crescimento econômico. sem a formação prévia dos quadros revolucionários e sem a participação efetiva das massas" Golpe de 1964 O Governo de Goulart terminou com o golpe militar em abril de 1964. 60. tendo em vista o crescimento dos preços. Ensaios de Sociologia do Desenvolvimento. e a mais grave: havia descontentamento entre os militares.. 61. decisão essa tomada em 1961 na Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas. De novo os militares intervêm na política brasileira. A. SKIDMORE. É uma preocupação dentro da política da O. foi o golpe militar de 1º de abril de 1964 que lhe não permitiu levá-la a termo. 32. desta vez. os congressistas agiram como se tudo fosse igual às outras vezes. Esse plano político realiza-se em dois âmbitos: o das relações 'externas' e o das relações 'internas' da sociedade brasileira". segundo porta-vozes do novo sistema. procurou demonstrar que o golpe não era reacionário e de direita. de 27/10/65. no tocante à sua segunda experiência política. Brasil: Estabilidade Social pelo Colonial Fascismo. Brasil: Estabilidade Social pelo Colonial Fascismo. na cidade do Rio de Janeiro.. O Desenvolvimento. frustrada pela própria divisão das esquerdas e pela ação dos militares. Isto já havia sido tentado por Getúlio. 351. 289. 288. o Governo de Goulart constituiu uma tentativa socialista no Brasil. era parte importante do Plano Trienal. A demissão do ministério p. Depois do golpe. 56. E também trouxe radicalização das posições. quer da direita. para mostrar que ainda existia. "a revolução de 1964. Quando Dantas voltou dos Estados Unidos. JK e JQ. Mensagem ao Congresso Nacional. subversão e corrupção acaba objetivamente se constituindo num instrumento de liquidação das expressões políticas do nacional-desenvolvimentismo". As palavras do Presidente Castelo Branco demonstram o espírito da relação Brasil-Estados Unidos da América: "Temos a convicção de que o Brasil e a grande nação norte-americana cruzam seus interesses econômicos e comerciais do plano de uma digna política e de uma amizade recíproca". p. Significa ressaltar a opção do Brasil para o sistema democrático ocidental. continente americano e ocidente. bem como radical oposição. "orientou-se no rumo de mudança social revolucionária: redistribuição de terras e rendas. como já o fizeram em 1937. aqui havia uma incipiente organização. verifica-se um endurecimento do regime. 61. Em 15/03 envia mensagem ao Congresso onde diz: "Optei pelo combate aos privilégios e pela iniciativa das reformas de base. Explicitaremos essa posição a partir dos Anais do II Congresso Brasileiro de Serviço Social. quer da esquerda quer da direita. 62. A questão das compras das concessionárias estrangeiras provocou grandes debates de cunho nacionalista. Mas as forças da reação foram mais fortes. 156. onde assinou decretos de nacionalização dás refinarias e reforma agrária. Segundo Skidmore. Café Filho. O regime. 58. Somente que. Mesquita. A preocupação no fundo é de modernizar o setor atrasado. os civis que deram seu apoio . Muitos foram considerados inelegíveis. Contaria com o "centro" se não chegasse à posição radical. que apesar da profunda repressão conseguem sobreviver na p. É no começo da década de 60 que o Serviço Social assume a postura desenvolvimentista com clareza. Ibid. que. Nas eleições de 1965. para negociar grande ajuda do governo americano. baixam o Ato Institucional nº 1. 62. A exemplo de governos anteriores. após 1964. [ 60. Dantas foi aos Estados Unidos. embora os de linha dura quisessem umas 5. foi objetivamente a contra-partida política do desenvolvimento econômico 'associado'. tornou-se uma revolução social do topo para p. Esse descontentamento era motivado por dois outros problemas: a compra de concessionárias estrangeiras e a reforma agrária. tendo em vista a penetração tardia do capitalismo no campo. que implicava uma política anti-inflacionária. p. pois era o reduto dos grandes donos da terra. A reforma agrária. motivada pelas agressões internas da direita e da esquerda radical e. por questões pessoais do Presidente. Essa doutrina surge da coincidência dos interesses do Brasil com a América Latina. Hélio. O Congresso não declarou o impedimento de Goulart. O Congresso teve como tema central "O Desenvolvimento Nacional para o Bem-Estar Social". Esta situação levou à destituição de Dantas. não tinham organizado a massa. sempre deixado de lado pelos governos de 1930 em diante. elegera José Maria Alkimim como vice-presidente. 155-156. ao combater o que se tem denominado "comuno-nacionalismo". 97 clandestinidade. [ 57. Essa experiência. A esquerda radical procura fazer com que o Presidente se aproxime e adote suas posições. Ibid. Apud SKIDMORE. Entre as medidas: ex-ministros de Goulart após o plebiscito não podiam se candidatar e criava-se novo estatuto de partidos políticos. Jango realizou o famoso comício da Central do Brasil. como reforma fiscal e uniformizar as taxas cambiais. a intervenção foi diferente das outras. Havia medidas que dependiam de posições internas. No dia 11 de abril. 1954. Os militares de "linha dura" queriam o poder e não devolvê-lo aos civis. temos a organização de movimentos sindicais no Nordeste. pois alegavam incapacidade destes de dirigir a nação. E alguns grupos de esquerda. p. Começa a segunda experiência: a da "esquerda negativa". Castelo Branco. e medidas dos credores externos. pôs um ponto final na experiência "positiva". JAGUARIBE. 33. realizado em 1961. Em 1963. Brasil: de Getúlio a Castelo. ] E a oposição? Oposição depois de 1964 eram. 154. 95 em junho. ] Em 31 de março aconteceu o golpe militar. 2) a desorganização dos políticos. Jango queria reformas. João. 98 . O trabalho no campo encontra apoio em alguns projetos da Aliança para o Progresso. JAGUARIBE. extinção do controle do Estado exercido pela atual classe dominante e neutralidade e desengajamento internacionais eram entre outros objetivos preconizados".. p. A discussão no Congresso foi violenta. PEREIRA. Os políticos do PSD e UDN elaboraram um projeto de emergência.se viram colocados em segundo plano. p. católico progressista. No primeiro caso. A justificativa era que o governo precisava continuar com o seu programa de combate à inflação e este era impopular. independentemente do nível de consciência dos seus líderes quanto às funções desse movimento. Saindo do nacionalismo desenvolvimentista. entre eles salientamos: A Previdência Social para o Desenvolvimento. Após a reforma do Ministério a crise começa a acentuar-se. O Desenvolvimento e Organização p. 96 baixo. no dizer de Jaguaribe. As esquerdas acreditavam que era o momento de uma revolução. Nos primeiros dias do golpe. Assumiu a postura econômica de Bulhões e Roberto Campos. ] O Serviço Social de 1960 a 1967 Salientaremos agora alguns aspectos do Serviço Social brasileiro no período de 1960 a 1967. a partir desse período. E. dentro do projeto de reforma de base. As relações "internas" em consonância com as relações "externas" manifestam-se numa "estrutura de poder autocrática. No segundo. O grifo é do autor. Nesse período. temos o Estatuto do Trabalhador Rural. Aqui não se encontra presente um plano. organizado pelo CBCISS. Thomas. GOULART. Podemos perceber pelo temário do Congresso os pontos de maior preocupação dos assistentes sociais. Os militares percebem a posição do Congresso. os estudantes universitários e o clero. deixa de lado o projeto "nacionalista-desenvolvimentista" e assume o "desenvolvimento associado". dentro da Igreja Católica o projeto encontrou apoio. Luiz. p. ao mesmo tempo seu adesismo.Magalhães Pinto. foi pelo próprio Presidente impedida de entrar efetivamente em execução. Dantas e Furtado começam a trabalhar para criar condições para realização do plano. p. p.

como afirma Faleiros: ". Dentro da perspectiva dualista o setor atrasado é disfuncional ao setor moderno. fazendo depender o alcoolismo quase que exclusivamente do desequilíbrio psicológico. Entre outras coisas afirma: "Ao imputar ao Estado a força dinamizadora. relaciona los problemas de una manera estática y mecánica. Entonces pasa a tratar al desequilíbrio psicológico. Ibid. Nos anais do II Congresso Brasileiro de Serviço Social. "En un plano aparente se puede verificar la aceptación del cambio de la planificación de la racionalidad. "O Desenvolvimento para o Bem-Estar Social em Face da Realidade Brasileira".perspectiva de desenvolvimento integral e harmonioso das potencialidades humanas. Este assunto foi tratado por Faleiros a partir das conclusões do V Congresso Pan-Americano.. de la sociedad como totalidad o estructura". p. Esta racionalidad es una modernización y una búsqueda de eficiencia para que el sistema funcione mejor en su conjunto". ] "Cumpre. 70.de Comunidade no setor urbano e rural. o método que tem (. 63. 72. no II Congresso Brasileiro de Serviço Social. Esta desejava a modernização das estruturas. Esta nacionalidade é uma modernização e uma busca de p.Ideologia y Método. p. o el ir del particular al general: La negación de la contradicción ha llevado al Servicio Social a ver su propia contradicción: pretender servir a un hombre abstracto en una sociedad que destruye al hombre concreto". assim se expressa ". os que salientavam a necessidade de um trabalho de conscientização dos problemas e uma mudança cultural e outros que encaravam a necessidade de mudanças. ao permitir a verdadeira integração do Povo em todas as decisões da comunidade". QUADROS. 42. Rio de Janeiro. ou problemas ligados à vida da cidade como luz.está ainda nosso país. A Formação e Treinamento de Pessoal para o Desenvolvimento e Organização de Comunidade e outros. Rio de Janeiro. se excluye la lucha de clases aceptándose al Estado existente como neutral. Nesse período de nossa história o Serviço Social é partidário de reformas e transformações que devem melhorar a vida em sociedade. A aceitação destas e a disposição de colaborar deverá ser obtida em outro nível: neste as técnicas de organização de comunidade constituem o grande instrumento de trabalho". Eis que o Estado deve batalhar para impedir os conflitos. É sob essa ótica que colocavam a reforma agrária. Nos referidos Anais. p. p. relaciona os problemas de uma maneira estática e mecânica. 132. são "disfuncionais" ao sistema devem a ele ser integrados. Isto não quer dizer que não aceita a mudança e as transformações. é a hora do Assistente Social estar presente. 66. quando afirma: "No Brasil o progresso da industrialização é recente e seu desenvolvimento não é uniforme nem contínuo. temos a sugestão de que o Serviço Social acompanhe com interesse os Movimentos de Educação de Base . 72. Como vemos. 1961. Mostraremos. "O Desenvolvimento para o Bem-Estar Social em Face da Realidade Brasileira". Aylda Pereira. 67. de 12 a 14 de maio. Apnd ANAIS DO II CONGRESSO BRASILEIRO DE SERVIÇO SOCIAL. 64.. ] Outro ponto importante dentro da teoria nacional-desenvolvimentista e que foi abordado por Aylda Reis. quer dizer da sociedade como totalidade e estrutura". Vicente de Paula. As pessoas que estão fora e que. O Congresso acontece sob o eco das palavras do Presidente Quadros. O Serviço Social deve fazer com que a população aceite o desenvolvimento proposto pelo Estado. ANAIS DO 11 CONGRESSO BRASILEIRO DE SERVIÇO SOCIAL. tanto o Serviço Social como os profissionais dessa atividade devem desempenhar na sociedade brasileira um papel pioneiro e relevante no que toca ao desenvolvimento nacional". espiritual ou economicamente elevado. "Al imputarse el Estado la fuerza dinamizadora. 60. Mas. indissoluvelmente ligadas. [ 73. O Estado é o propulsor do desenvolvimento. Os que defendiam a necessidade de mudanças estruturais profundas. Rio de Janeiro... 33. Então passa a tratar o desequilíbrio psicológico sem um enfoque global da sociedade que permite descobrir as contradições fundamentais. por ejemplo.duas estruturas coexistentes. o assumir da postura dualista pelo Serviço Social. as atribuições que lhe são próprias e que ainda não foram devidamente definidas. Vicente de Paula. 102.Ideologia y Método. 1961. 1961. lê-se: "Num momento em que as massas perplexas e miseráveis se politizam irreversivelmente. pois cada um tem seu papel. 1961. 26. identificando-as com a noção do bem-comum". 68. no fundo. p. lê-se: "O desenvolvimento econômico confere novas dimensões e importância à função do assistente social. tornando-o agente de seu próprio bem-estar. Mensagem Presidencial ao Congresso Nacional. tendo em vista o processo de desenvolvimento por que passa o país. FALEIROS. Apud ANAIS DO II CONGRESSO BRASILEIRO DE SERVIÇO SOCIAL. traça com propriedade o perfil dos dois países A concepção de subdesenvolvimento é o dualismo e a nível das ciências sociais a base teórica desses assistentes sociais é o funcionalismo. p. p. fornecendo diretrizes e atuando na prática. Aceita-se o conflito. O Presidente em sua mensagem presidencial afirmou: "O processo de desenvolvimento a que almejamos enseja a participação do homem na solução de seus problemas. MAGALHÃES. O ator-indivíduo é isolado de seu contexto de produção e de sua classe. Rio de Janeiro. es decir.. como a existência de populações vivendo em situação infra-humana. A negação da contradição tem levado o Serviço Social a ver sua própria contradição: pretende servir a um homem abstrato em uma sociedade que destrói o homem concreto". tanto mais injusta e injustificável. melhoria de ruas etc. O grifo é nosso. sin un enfoque global de la sociedad que permita descobrir las contradicciones fundamentales. O economista pode indicar as medidas gerais que facilitem o desenvolvimento. da melhor racionalização de produção. nesse seminário temos a presença de várias posturas. Os participantes do Congresso insistiram muito na importância da formação do assistente social e de sua tarefa. p. porém institucionalizado e controlado. em situação de subdesenvolvimento. 74. Neste sentido. Rio de Janeiro. Estudos já efetuados e outros em andamento vêm comprovando não só a acentuada desproporção entre os níveis de vida nas diversas regiões do país. FALEIROS. 65. a maioria dos assistentes sociais assumiram o conceito dualista de subdesenvolvimento.) es totalmente positivista. na reforma das estruturas e procedimentos administrativos e na vitalização e ordenação da atividade privada em benefício do bem-estar social". mas aos problemas efeitos. que se contrastam e onde se inserem subculturas numerosas". [ 68. quando se verifica nas vizinhanças dos centros mais desenvolvidos". modernização entendida como um assumir de valores e caracteres das sociedades desenvolvidas. apud ANAIS DO II CONGRESSO BRASILEIRO DE SERVIÇO SOCIAL. é a importância do Estado no desenvolvimento. haciendo depender el alcoholismo casi exclusivamente del desiquilibrio psicológico. aceitando o Estado existente como neutro. 171. pondo a serviço do desenvolvimento nacional toda a sua capacidade profissional". a obra clássica Os Os Dois Brasis. "A posição do Serviço Social no Desenvolvimento Nacional para o Bem-Estar Social". [ 64. A ação do assistente social não se dirige aos problemas que nascem nas relações sociais de produção. Jacques Lambert. EI actor-indivíduo es aislado de su contexto de producción y de su clase. afirmando em sua conferência: "Ao meu ver. em 1965. Existe em seu método a visão positivista.. 71. água. 65. Luiz Carlos. Percebe-se o "dualismo" na conferência de Aylda Reis. Diríamos que o desejo de mudança nasce mais do medo. João Paulo de Almeida. em Os Dois Brasis. mas no sentido de diminuir os conflitos. portanto. Rio de Janeiro. 73. 69. infelizmente. el método que tiene (. necessariamente. MANCINI. vincular estreitamente o Serviço Social ao processo de desenvolvimento nacional e dar aos assistentes sociais. Nas conclusões. Ainda no II Congresso. Diz Vicente Faleiros: "Em um plano aparente se pode verificar a aceitação de mudança da planificação da nacionalidade. 19-20. 99 A partir de Juscelino Kubitschek e nesse momento da Aliança para o Progresso. 69. o "Seminário Nacional sobre Ciências Sociais e o Desenvolvimento de Comunidade Rural no Brasil". assim como se colocarão depois a serviço do modelo de dependência. Além. ANAIS DO II CONGRESSO BRASILEIRO DE SERVIÇO SOCIAL. Também essa posição era a da burguesia nacional. a idéia de valores. ---0 Desenvolvimento e Z1 Organização da Comunidade e o Planejamento Regional".) é totalmente positivista. traça com uma propriedade o perfil dos dois países que somos: do Brasil arcaico e do Brasil novo .. p. o desejo de mudança se insere na melhoria do sistema. 1961. É por aí que o Serviço Social se transforma num instrumento da democracia. ] p. Aylda Pereira. Está em seus anais: [ 63. 43. promovido pelo Serviço Social Rural. a partir do II Congresso. 70. ou seja. ] 67. na a área de sua estrita competência. o ir do particular ao geral.. ANAIS DO II CONGRESSO BRASILEIRO DE SERVIÇO SOCIAL. o sea. 100 eficiência para que o sistema funcione melhor em seu conjunto". E os assistentes sociais assumiam em sua maioria essa última posição.em relação às massas do que de um comprometimento com essas mesmas massas. O grifo é da autora. expressa-se claramente a perspectiva dualista de análise. 1961. aconteceu um encontro da'União Católica Internacional do Serviço Social sobre o tema geral "Perspectivas Cristãs de uma Promoção Humana e Social" e um dos temas foi a "Teoria do Desenvolvimento em face das exigências cristãs". FALEIROS Vicente de Paula. Há um outro problema que impede o Serviço Social de chegar às causas: o seu método. ou sofremos a tirania de seu ódio e de sua revanche". Apresentaremos alguns pontos importantes desse Congresso. Este dá aos profissionais em questão uma visão de comunidade como uma unidade harmônica. junto a outros técnicos. ] A autora salienta também que o processo "desenvolvimento e organização de comunidade" pode influenciar "na reformulação da Política Social. Segundo Safira Ammann. Trabalhar com as "disfunções" é uma exigência uma vez que o equilíbrio das tensões é fundamental. ou as promovemos à condição de povo esclarecido. Aylda Reis nesse Congresso também enfatiza o acima exposto. pois. Em 1961. é claro. Nas conclusões do encontro vemos enfatizado o desenvolvimento segundo o humanismo cristão na ". Somos um país de áreas subdesenvolvidas e de áreas desigualmente desenvolvidas. REIS. Trabajo Social Ideologia y Método. por exemplo.. Quando da análise da realidade e no item "condições econômicas". p. sua função. Trabajo Social . O grifo é nosso.. REIS. Apud ANAIS DO II CONGRESSO BRASILEIRO DE SERVIÇO SOCIAL. formando entre os que apresentam áreas e um contingente significativo de sua população. 67. p. sem no entanto mudar a estrutura econômica e social. Trabajo Social . 65. no relatório da Comissão que analisou a questão da Formação e Treinamento do Pessoal para o Desenvolvimento e Organização de Comunidade. [ 66.. p.. e que envolve. 71. 101 se exclui a luta de classes. que em discurso apresenta de maneira explícita e formal a importância do Serviço Social no processo de desenvolvimento. ] Em 1960 tivemos.. Jânio.

de 19 a 25 de agosto. Nessa fase. a CNBB lançou seu Plano de Emergência.mas diretrizes doutrinárias. Esse grupo continuará após 1964 e atrelando-se a partir de 1968 ao modelo de dependência. p. e SIEGL. Explicitaremos algumas características do Regime pós-64. não colocam em xeque a ordem social estabelecida.Reforma Agrária. p. os militares assumem o controle total do Estado e o fazem e se legitimam através dos Atos Institucionais. temos em São Paulo a realização do Seminário: A Dimensão Regional e o Processo de Desenvolvimento e a Presença do Serviço Social". adequar o Serviço Social para essa tarefa. 76. Ao nível de trabalho de grupo e comunidade enfatizam a necessidade de resolverem os problemas comuns. O Seminário se realizou sob a perspectiva do desenvolvimentismo. Evolução do Conceito de Desenvolvimento de Comunidade no período de 1965/1970. p. em 1962. Em 1963 e 1964. 34.Movimento de Educação de Base. ] O DESENVOLVIMENTO DE COMUNIDADE APÓS 1967 Faremos aqui uma caracterização rápida do regime militar. Carlos A. Pacem in Terris e Documentos do Conselho Episcopal Latino-Americano . pois nossa preocupação se concentra no Documento de Araxá. Em 1965. delinqüentes etc. 102 bem como continuam com trabalhos junto aos menores.Poderes da República. a partir da década de 60 temos assistentes sociais cristãos que continuam assumindo a visão tradicional da Igreja e os que assumem uma posição mais progressista.não conseguem enxergar as contradições da sociedade: 1) Porque a prática do Serviço Social tem sido eminentemente ideológica. Na primeira fase do Serviço Social a presença dos pressupostos católicos era única. com capacidade de darem sua contribuição ao desenvolvimento nacional. deve atuar sobre as causas dos problemas sociais. busca-se o consenso. muitos p. fruto da chamada Revolução de 1964. [ 78. foi criado em São Paulo o "setor de Comunidade" no ex-Serviço Social do Estado de São Paulo da Secretaria de Saúde Pública e Assistência Social. por falta de material. a presença das posições da Igreja Católica no Serviço Social no que tange ao desenvolvimento. Perspectivas Cristãs de uma Promoção Humana e Social. que separa sua ação junto ao indivíduo. Limitar-nos-emos a uma análise superficial. em Petrópolis..sobre a questão do desenvolvimento. [ 75. realizaram-se encontros das escolas de Serviço Social do Nordeste. Queremos salientar aqui. temos o fim do nacional-desenvolvimentismo e a nossa dependência passa a ser total. Teremos nesse período também a presença do Jornal Brasil Urgente. percebendo as contradições e a necessidade de mudanças radicais. 79. 1965. 104 partindo do posicionamento dos cristãos de esquerda. Também.GELAM . Mostra a ação do Serviço Social na criação de "Centros Sociais Urbanos" junto às favelas. José Guy. O Serviço Social receberá nesse período a influência da JUC. p. [ 76. Foi a Escola de Serviço Social da PUC do Rio de Janeiro que começou a utilizar essa expressão. Hélio. Outros são partidários de reformas. p. 1-2. Procuram. Cf. Assim como a Igreja marcou o início do Serviço Social. S. Esse controle do Estado e dos Atos Institucionais constituiu "o mais formidável recurso do poder político central jamais experimentado no Brasil. [ 79. Essa Conferência foi antecedida pela Pré-Conferência. Queirós e José Guy Siegl abordando o tema "As Faculdades de Serviço Social e o Processo do Desenvolvimento" enfatizam que "o Serviço Social. Classes Dirigentes. temos em 1960 a introdução da nomenclatura "Desenvolvimento e Organização de Comunidade" e que foi consagrada no II Congresso Brasileiro de Serviço Social.. 46. Em 30 de abril de 1963. procurando melhor formação do cidadão e maior aproximação entre povo e governo. exercerá também uma influência marcante nos estudantes de Serviço Social. Controle Integral do Estado. esse posicionamento terá apoio das escolas de Serviço Social. bem como uma pequena colocação do Serviço Social após 1967. os tecnocratas. As Faculdades de Serviço Social Face às Mudanças Sociais na América Latina. não percebendo que o desenvolvimentismo implica o desenvolvimento do sistema capitalista e não a solução para os países subdesenvolvidos. Os assistentes sociais que assumem essa posição a do desenvolvimentismo . No Nordeste. e mesmo hoje. O regime está a serviço do capital internacional e procura internamente criar condições para o crescimento desse capital através da modernização de nossas estruturas. José Carlos A. E gradativamente assumem um compromisso com as mudanças estruturais. Também salienta que o desenvolvimento econômico só tem sentido cem o desenvolvimento social. Porto Alegre. bem como marcou profundamente a prática desses profissionais. 4) Os princípios do Serviço Social e suas técnicas são universais. Plano de Emergência para a Igreja do Brasil. de maneira sintética. que se caracteriza (. A integração e o ajuste e não o conflito são pontos de chegada. com razão. Em 1962. aplicadas a nosso tempo e a nosso meio". A experiência de um pequeno grupo de assistentes sociais que partem de uma análise crítica da sociedade. dos bispos mais progressistas. Para poder governar e impor sua ideologia. ] Em 1962. das encíclicas papais Mater et Magistra. os assistentes sociais comprometidos. a XI Conferência Internacional de Serviço Social sobre o tema "Desenvolvimento de Comunidades Urbanas e Rurais". [ 77. Na parte econômico-social temos na "Declaração da Comissão Central da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil" um apoio às chamadas reformas de base. além dos militares. camuflando assim as contradições existentes dentro da realidade e a luta de classes. Um Plano de Pastoral para o Brasil. realizou cursos e seminários para assistentes sociais do Estado e de outras instituições e realizou um projeto-piloto em desenvolvimento e organização de comunidade. Maria Lúcia de Carvalho Silva. UNIÃO CATÓLICA INTERNACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL. tivemos uma Convenção da ABESS que analisou a realidade brasileira e suas relações com Desenvolvimento e Organização de Comunidade. engajaram-se no MEB . o Serviço Social de Comunidade. O Seminário enfatizou a importância da inserção do Serviço Social no processo de desenvolvimento e a necessidade de um Serviço Social latino-americano. Nesse período. essa posição foi analisada e ressaltada em vários congressos e seminários. passando depois para animação popular e para um trabalho de sindicalização. dando apoio às reformas de base. bem como no trabalho de Cultura Popular de Paulo Freire. Jorge Furtado. 3) Esta separação dos métodos tem por base o funcionalismo. O relatório dos brasileiros a essa Conferência mostra a intervenção que é feita na realidade urbana. 105 ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DO REGIME MILITAR DE 1964 A partir de 1964 temos a presença em nossa história do regime militar. 19. de mudanças equilibradas dos problemas da sociedade. 143-144. Em 1963.(MEB) da CNBB e que esse movimento só se realizará com o apoio do Serviço Social. continua nessa fase. QUEIRÓS. JAGUARIBE. José Lucena Dantas. vemos a presença de assistentes sociais que continuam dentro de uma visão acrítica que sempre tiveram. que veio a lume em 1967. CONCLUSÕES E SUGESTÕES do SEMINÁRIO REGIONAL sobre "O Serviço Social Face às Mudanças Sociais na América Latina".não indicações técnicas que nos escapam . 1.. prostitutas. 78. tem importantíssimo papel na atual conjuntura sócio-econômica brasileira. encontraram no desenvolvimentismo e na Aliança para o Progresso a justificação de sua profissão. Entre eles o que marcou a total imposição do poder foi o Ato Institucional nº 5. 75. SILVA. a marcar o Serviço Social. Seminário sobre o "Serviço Social face às mudanças sociais na América Latina". Reforma Bancária. Foram conferencistas no Seminário: Herman Kruse. grupo e comunidade. 77. ] . 2) É necessária a participação do Serviço Social nas equipes governamentais de planejamento econômico e de bem-estar p. colocando-se a serviço do povo. p. E nessa linha sempre serviu às classes dominantes. 103 social. Esse setor promoveu um Encontro de Técnicos em Desenvolvimento e Organização de Comunidade. O trabalho com o indivíduo se dá isoladamente. no dizer de Herman Kruse. Os participantes desse Seminário ficaram conhecidos como "geração 65". Como vimos. Com esse regime. na semana anterior. Brasil: Estabilidade Social pelo Colonial Facismo. 48. em Recife. fora da classe social.) pelo despertar nacional para o desenvolvimento". e foi importante por analisar e conceituar Desenvolvimento de Comunidade. como inadiáveis . Partidos Políticos. organizado pelo Instituto de Serviço Social. buscando novas técnicas e querendo impor-se como científico. A classe política foi alijada do poder. p. Assumem uma postura reformista. S. para isso. na Sub-Região do Cone Sul da América Latina. no sentido de removê-las ou transformá-las. [ 74. Entre as conclusões salientamos: "1) O Serviço Social. o que precisa ser mais desenvolvido no Serviço Social latino-americano". ] No setor acadêmico. Reforma Administrativa . bem como salientam o papel preponderante das faculdades de Serviço Social no preparo de técnicos. A partir de 1960. ] No período de 1960 a 1964. Em breve sugeriremos a propósito de Reformas tidas. resultando em haver equipado o governo com meios coercitivos dificilmente igualados nos regimes mais autocráticos". ou seja. a posição da Juventude Universitária Católica . E por muito tempo os assistentes sociais. Nesse Seminário. Reforma Eleitoral. p. 3) O Serviço Social deve preocupar-se com a mudança de mentalidade do povo e das cúpulas. Dizem os bispos: "Daí saudarmos com alegria as Reformas de Base que passaram a ser anseio de todos os responsáveis . mas sua aplicação prática exige habilidade e adequação às situações. tivemos. Maria Lúcia Carvalho da. constatamos a presença de várias posturas no trabalho do Serviço Social em Comunidade. Tivemos no período de 60 a 64 uma outra experiência de Serviço Social. Temos também em 1967 a Encíclica Populorum Progressio. Esse trabalho assumido por parte dos profissionais em Serviço Social terá fim com o golpe de 1964. 2) Seu método. através de um de seus processos. que inicialmente empreende um trabalho de alfabetização. pela sua natureza. ] Em 1965. CNBB. Reforma Universitária. E as colocações e posições foram num sentido de maior comprometimento com as lutas do povo e a necessidade de reformulação do Serviço Social em vista dessas novas exigências. Reforma Tributária. organizado pela CNBB. tivemos a realização do Seminário Regional em Porto Alegre. Temos no poder. Em dois encontros de escolas salientou-se a importância de um engajamento profundo das escolas na mobilização popular. temos outro pronunciamento dos bispos.JUC.

[ 83. p. ] Em 1967. Por conseqüência dessa internacionalização política e econômica e para que o regime se mantenha. No Brasil. O problema distributivo evidentemente preocupa o Governo. IANNI. 20-21. [ 82. 81. para que pudesse adequar o Serviço Social ao contexto econômico.. dada a sua situação geográfica. [ 84. [ 85. Ela absorve as nacionais.e quanto! .à criação de condições imprescindíveis à eficácia do mesmo". ] O SERVIÇO SOCIAL DEPOIS DE 1967 Após o Golpe de 1964 e até 1967. E se fez sob a ótica da Geopolítica do Gal. Geopolítica do Brasil. Importante também é a defesa da África. a política econômica não beneficia a população brasileira. Golbery a Ideologia da Segurança Nacional. 107 constante. Era p. participando da execução da Política Social que tem como função. Anotações de Aula do Curso de Especialização em Desenvolvimento de Comunidade. E os assistentes sociais o farão. ] Dentro da expansão do regime temos a desarticulação das oposições. A partir das colocações acima. SIMONSEN. 3. Primeiro. elitismo (ao nível econômico e técnico). mas interdependência". mas não estruturais. Ideologia do Desenvolvimento de Comunidade no Brasil. Dada a concentração de renda e pauperização da maior parte da população temos um crescimento da Política Social. Diz da vocação democrática do Ocidente. E mostra a necessidade de se combater o subdesenvolvimento como arma para não ação dos países do Oriente. o liberalismo. Dada a sua situação. as multinacionais contam com mão-de-obra barata. A Nova Economia Brasileira. AMMANN. internacionalização econômica. das organizações populares.. [ 87. 145. está situado no Ocidente. dos operários e de várias instituições da sociedade civil e por uma estratégia do próprio regime. p. as diretrizes que nos afiguram indeclináveis de uma geopolítica brasileira adequada à atual época agitada e cataclísmica. Roberto de Oliveira. bem como o Tratado de Garantia de Investimento com os Estados Unidos assinado pelo referido Presidente e as frases pronunciadas por Juracy Magalhães: "O que é bom para o Brasil é bom para os Estados Unidos" e a de Leitão Pinto: "Não existe mais dependência. 103. 16-17. 109 CAPÍTULO III DOCUMENTO DE ARAXÁ: SEUS PRESSUPOSTOS APRESENTAÇÃO E SÍNTESE DO DOCUMENTO DE ARAXÁ . O projéto de desenvolvimento é de dependência. afirma: "Que por outro lado. pela transferência de mão-de-obra do setor de subsistência para o setor moderno. ou quaisquer outras que pudessem comprometer o futuro crescimento da economia. Golbery do Couto e Silva. que tem como sistema o capitalismo e como líder os Estados Unidos. tendo em vista as pressões do povo. Esses aspectos evidenciam que apesar de todo discurso patriótico. Nobuco. não existe discussão maior". podemos perceber a filosofia do governo. é preciso integrar toda a população no projeto governamental. p. 80. por parte de um pequeno grupo de profissionais. FURTADO. dando especial atenção ao problema da expansão das exportações. Temos aqui o binômio "Segurança e Desenvolvimento". Celso Furtado nos diz: "A alta de crescimento da produção industrial brasileira. só lhe resta a defesa do Ocidente. 84. 87. para isso. cooperar também na imunização dos jovens países africanos à infecção fatal do comunismo. a partir de 1968. A partir de 1978. temos de novo a rearticulação do Serviço Social comprometido com as lutas populares. Golbery do Couto e. além da estabilidade social. estar vigilante e atento a qualquer progressão soviética na direção dessa África Atlântica onde se situa a fronteira avançada e decisiva da própria segurança nacional. recusando-se a promover melhoria da distribuição de renda por medidas de prodigalidades salariais. mas o elenco de providências tomadas nesse sentido procura solucionar o problema a médio e longo prazos sem comprometer a taxa de poupança e as possibilidades de crescimento". dado o caráter repressivo a partir de 1968 e principalmente durante o Governo Médici. Não é possível uma situação neutra. porque o crescimento das vendas ao exterior era condição imprescindível para que o país pudesse continuar absorvendo capitais estrangeiros". política e cultural e concentração do capital". a crença de que dificilmente o país poderia continuar reduzindo o seu coeficiente de importações. Celso. dos Estados Unidos para seu comércio. cultural. 86. 106 em particular. p. Ênfase na exportação do que produzimos. p. A partir da "Abertura Democrática". O Brasil. p. e CAMPOS. E essa presença do capital estrangeiro é mostrada como ajuda aos países subdesenvolvidos. Para que o sistema funcione. Ela passa a ser mais privilegiada que o Desenvolvimento. Quando fala da dependência dos Estados Unidos. Ela tem a função de fazer a economia funcionar dentro dos padrões capitalistas. p. ou as coloca no plano secundário. até para sua própria segurança. Gal. Engajamento do Brasil com os Estados Unidos e com o Ocidente. [ 86. Safira Bezerra. ] 5. Toda "ajuda" visa apenas a sugar os países subdesenvolvidos.do restante do Ocidente e. Vejamos uma afirmação do ex-ministro Simonsen: "Desde 1964 firmou-se a convicção de que o Brasil precisava extroverter o seu modelo de desenvolvimento. política e econômica. 83. ] 4. O que podemos constatar é que dentro desse tipo de economia os países periféricos financiam os cêntricos. o individualismo (ênfase na possibilidade individual de ascensão social). p. Tem que manter condições para que as empresas internacionais possam investir. foi obtida através de uma política governamental muito bem sucedida que visa a atrair as grandes empresas internacionais e fomentar a expansão das subsidiárias destas já instaladas no país". Vejamos suas idéias. 82. Ênfase ao capital privado. KAMEYAMA. Utiliza-se nesse período e dentro da ótica da Geopolítica do Gal. É ao mesmo tempo a presença do desenvolvimentismo e o início de uma nova fase: da reconceituação que se fez necessária. Ibid. Segundo. tivemos a realização do Seminário de Teorização do Serviço Social em Araxá. Afirma: "Combater o subdesenvolvimento nas áreas nacionais retardadas e no restante do continente. Vemos isto claro numa das afirmações do ex-ministro Simonsen: "O Governo firmou-se na filosofia produtivista. tem-se um arrocho salarial que redundará em transferência do capital da classe trabalhadora ao empresariado. Para tal é necessário maior relacionamento Brasil-América Latina. Os países cêntricos permitem um certo crescimento para assim impedir as tensões sociais. principalmente no auge do "milagre brasileiro". O Mito do Desenvolvimento. o seu progresso técnico e cultural.tais como a resistência cultural às inovações . Através da análise da situação geográfica em que nos encontramos. mais ou menos bem delineada. temos ainda no discurso do Serviço Social a presença da linguagem do nacional-desenvolvimentismo. Esse engajamento foi proclamado e constantemente buscado. 85. a idéia de que primeiro deve fazer o bolo crescer para depois dividir. Duas razões fundamentam essa preocupação.2. é fato que para nós brasileiros de hoje. no dizer de Safira: "de eliminar os obstáculos ao crescimento econômico . podemos ver a frase do Presidente Castelo Branco que já citamos. Mário Henrique. A economia do País passa a ser determinada pelas multinacionais. numa tentativa de ordem de prioridade decrescente. Como conseqüência dessa presença de capital estrangeiro a dependência se reforça. passamos a receber e a incentivar a entrada de grandes contingentes de capital estrangeiro. político e social da sociedade nacional. p. dos sindicatos. O que eles nos "emprestam" levam de volta. 81. tenta elaborar seus conceitos para defesa do País e do Ocidente da ação comunista. o golpe de 1º de abril de 1964 é o fecho de longo processo de transição do Brasil da esfera da libra esterlina para a esfera do dólar". O governo criará uma série de salários indiretos para poder manter a reprodução da força de trabalho. Mostra a significação do Brasil para o Ocidente e vice-versa. o Brasil essencialmente depende . Através da inserção na Política Social do Governo assumem um compromisso com a classe dominãnte. p. apesar de todo "rigor técnico e científico". Parte do princípio de que Oriente e Ocidente estão em guerra. 137. Colapso do Populismo no Brasil. ] Para demonstrar essa opção. SILVA. Também o Estado encontra-se a serviço das mesmas. Isto será objeto de análise do 3º capítulo. 7. ] 8. 108 "Em verdade. colaborar por todos os meios e mantê-la livre totalmente do domínio comunista . alcançada a partir de 1968. temos um período de "Abertura Democrática". bem como com os Estados Unidos. o Serviço Social assume um caráter assistencialista. econômica e política.eis aí. 6. Continua a postura de que é preciso reformas. É necessário optar. As experiências mais comprometidas se desarticulam. 247. Octávio. depois de ter passado pelo milagre brasileiro. histórica. Vimos que as características ideológicas do regime "são: autoritarismo (governo forte e centralizado). temos uma profunda concentração de renda e. Por decorrência desses três pontos. Nesse período e a partir de 1968. 105. ante um mundo que se debate e agoniza no mais brutal encontro de civilização antagonista". ou seu desenvolvimento econômico. [ 80. Ibid. é preciso defendê-la da ação do eixo Moscou-Pequim. para o crescimento da produção industrial brasileira.

cuja finalidade era "conscientizar para agir". História do Serviço Social. Funções. uma tentativa significativa. Roteiro para discussão sobre o conceito de Serviço Social. 158. O Serviço Social deve integrar-se no processo de desenvolvimento p. vários p. 3. Os participantes do 1º Seminário de Teorização do Serviço Social optaram por "discutirem. 01 formado pela Faculdade de Serviço Social da Universidade Federal de Juiz de Fora. com base em sua evolução histórica. diz: "Parece haver. Roteiro para discussão de Administração de Programas. O 1º Seminário de Teorização do Serviço Social foi promovido pelo CBCISS . porém. 01 formado pela Faculdade de Serviço Social da Universidade Federal Fluminense. III . afirma: "No início dos anos 60. Percebem-se claramente dois objetivos para esse esforço de teorização. . V Serviço Social. Minas Gerais. a maioria dos assistentes sociais presentes em Araxá foram formados pelas escolas de São Paulo. até o momento. RJ. faremos a citação do parágrafo analisado ou transcrito diretamente do Documento e dispensaremos sua indicação no rodapé. Nesta síntese do Documento de Araxá e no item "Documento de Araxá: Análise e Crítica". E finalmente: ". salientando os aspectos que julgamos importantes face o objeto de nosso trabalho. mas como um meio de "conscientização". Juiz de Fora. RJ. O Documento apresenta-se com uma introdução. no entanto. Ótica e Metodologia. que inaugurou a série de Seminários Latino-Americanos. para o futuro. MG. contestando a validade da metodologia atualmente empregada e estudando a reconceituação do Serviço Social. nos seus inter-relacionamentos".. [ 2. Utilizamos a publicação do Documento de Araxá feita pela revista Debates Sociais. um certo consenso em caracterizar o Serviço Social no plano do conhecimento especulativo-prático. Dessas escolas 09 tiveram seu nascimento ligado com a Igreja Católica. ao invés da dinâmica dos processos". sobre conceitos básicos e estudar a metodologia sob um prisma genérico. Esse encontro aconteceu de 19 a 26 de março de 1967. Um desses exemplos é o movimento "Geração 65". considerá-lo como uma técnica social. 111 fatores levaram os assistentes sociais a questionar a natureza e operacionalidade do Serviço Social 1) O aparecimento de ideologias novas focalizando a inadequação das estruturas políticas e sociais para o desenvolvimento e a necessidade de união dos interessados para trabalhar em cooperação em vista das mudanças desejadas. IV Papel do Serviço Social. MA. ] Na introdução. 01 formado pela Faculdade de Serviço Social da Universidade Católica de Salvador. Porto Alegre. Balbina O. salientamos os seguintes pontos: O Serviço Social no Brasil surge na década de 1930 (§ 1). sentiu-se maior interesse dos participantes em discutirem todos o mesmo roteiro. enquanto se coloca ao nível da aplicação de conhecimentos próprios ou tomados de outras ciências. Justifica-se. 01 formado pela Faculdade de Serviço Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. o documento fâla da conceituação. Nesta intervenção. II. Belo Horizonte. também.ABESS. nascido no Sul do Brasil. três capítulos e uma nota final. Natal. Roteiro para discussão de Serviço Social de Grupo. analisando esse momento histórico. VIEIRA. Balbina Ottoni. no Brasil. Os documentos são os seguintes: Doc. 01 formado pela Faculdade de Serviço Social da Universidade Federal do Pará. "Documento de Araxá". em Araxá.CBCISS. como constatamos. São Paulo.Centro Brasileiro de Cooperação e Intercâmbio de Serviços Sociais. outros que ela tem condições de se afirmar independentemente como ciência e outros que o "Serviço Social é uma ciência quando sintetiza as ciências psicossociais". SP. lemos o seguinte: "A evolução dos conceitos de Serviço Social e sua sistematização como disciplina permitem afirmar a existência de componentes essenciais e que podem ser sistematizados como instrumento de intervenção na realidade social. que adotou um novo conceito para o Serviço Social. O Serviço Social é ciência. 2. é arte? Há várias posições: uns dizem que é uma "Ciência Social Aplicada". 02 formados pela Faculdade de Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. 112 e para isso deve redefinir os objetivos. de maneira conjunta e intencional. Rio de Janeiro. e é dividido em parágrafos. ao invés da dinâmica dos processos" (§ 9). PA. 3) A criação de movimentos de assistentes sociais na América Latina. O CBCISS por sua vez preparou OS roteiros de discussões para os trabalhos dos seminaristas. I ." do Serviço Social. 01 formado pela Faculdade de Serviço Social da Universidade Federal do Maranhão. 2) A concretização dessas ideologias em movimentos culturais ou de educação popular. SC. Roteiro para discussão de Desenvolvimento de Comunidade p. "Na sua evolução. 2) Nos parágrafos 20 a 36. No § 20. órgão do Centro Brasileiro de Cooperação e Intercâmbio de Serviços Sociais . II . [ 3. IV. a) Nos parágrafos de 21 a 23. Funções do Serviço Social. O tema da Metodologia do Serviço Social também foi objeto de estudo pelas escolas de Serviço Social através das convenções da Associação Brasileira de Ensino de Serviço Social . Até então esse trabalho era feito pelos congressos e seminários realizados no Brasil ou em outro país das Américas. Apresentaremos em seguida uma síntese do documento.. 08 formados pela Faculdade de Serviço Social da Universidade Católica de Minas Gerais. Níveis de atuação.Componentes Universais do Serviço Social. o Serviço Social. São Luís. Esse Seminário se insere dentro de um momento de questionãmento por parte do Serviço Social e de busca de uma metodologia mais adequada de inserção ao desenvolvimento. em 1947. bem como uma análise e síntese "dos seus elementos específicos e de sua adequação ao contexto econômico-social da realidade brasileira" (§ 4). 110 (DC) e V. 09 formados pela Faculdade de Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. E. o Serviço Social atua à base das inter-relações do binômio indivíduo-sociedade. p. O capítulo I "analisa os objetivos remotos e operacionais do Serviço Social. caracterizou-se pelo desempenho de papéis relacionados com disfunções manifestadas no nível do indivíduo sob formas de desajustamentos sociais e ao mesmo tempo identificadas ao nível das estruturas sociais" (§ 2). Alguns Assistentes Sociais eram levados a considerar o Serviço Social não mais como uma "intervenção". Após o Seminário houve a publicação do que se chama Documento de Araxá. em perspectiva de mudança social" (§ 12).. MG.O Serviço Social face ao processo de formulação e implantação da Política Social. RN. Os participantes do Seminário vieram de várias regiões do País e estavam assim distribuídos conforme as escolas em que se formaram: 10 formados pela Faculdade de Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. DEBATES SOCIAIS. a preocupação é mostrar que até agora a "posição teórica do Serviço Social não alcançou. Florianópolis. uma definição satisfatória no quadro dos conhecimentos humanos" (§ 17). projetando-se. RJ. Tendo havido uma preparação para o Seminário através de 05 documentos elaborados pela Escola de Serviço Social da PUC de São Paulo. Salvador. 3(4):10.Quanto à natureza do Serviço Social 1) Nos parágrafos 17 a 20. Os roteiros são: I. Salientamos o seguinte: I ... Doc. 02 formados pela Faculdade de Serviço Social da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Roteiro para discussão de Serviço Social de Caso. BA. Doc. III. Doc. RS. que convocou um grupo de 38 assistentes sociais para uma semana de estudos sobre "Teorização do Serviço Social".desde a instalação dos trabalhos. Com relação à arte há divergências. de sua evolução histórica e da necessidade de uma reformulação. 1. Doc. o que os obrigou a reconhecer a necessidade de uma teorização". 4) A preocupação dos Assistentes Sociais em conceituar o Serviço Social em face das exigências do desenvolvimento. como prática institucionalizada. as funções e a metodologia e a tentativa de adequação do Serviço Social "ao contexto econômico-social da realidade brasileira" (§ 3 e § 4).APRESENTAÇÃO DO DOCUMENTO DE ARAXÁ A realização do 1º Seminário de Teorização do Serviço Social foi. porquanto influencia o comportamento humano e o meio. 01 formado pela Faculdade de Serviço Social de Santa Catarina. sua natureza e funções. [ 1. ] SÍNTESE DO DOCUMENTO DE ARAXÁ O resultado do 1º Seminário de Teorização do Serviço Social consubstanciou-se no chamado DOCUMENTO DE ARAXÁ.Metas do Serviço Social. O seminário buscou também uma "análise e uma síntese dos componentes universais. todos. Niterói. É composto de 25 parágrafos e vai do 17 ao 41. como por exemplo o 1º Congresso de Serviço Social. Belém. o mesmo roteiro sobre conceitos básicos e estudar a metodologia sob um prisma genérico. ] Os participantes na sua quase totalidade tiveram uma formação em escolas de fundação e orientação católica. Rio de Janeiro e Belo Horizonte. de estudar e teorizar a Metodologia do Serviço Social.

operacionais e enfatizando a necessidade de adaptá-los à realidade brasileira (§ 61 e 83). e rever seus elementos constitutivos.. Nos parágrafos 100 a 104.examina a adequação à realidade brasileira do Serviço Social. o Serviço Social promove quando atua para habilitar indivíduos.. Destaca-se. b) postulado da sociabilidade essencial da pessoa humana: que é o reconhecimento da dimensão social intrínseca à natureza humana. integrado em seu sistema social" (§ 49).Funções do Serviço Social No parágrafo 41 lemos: "Da natureza do Serviço Social decorrem suas funções nos diferentes níveis de atuação: a) Política Social. conclui-se que pelo menos três se acham. é pressuposto fundamental para que o Serviço Social nela possa inserir-se adequadamente.Quanto aos objetivos Os objetivos são apresentados nos parágrafos 37 a 40. elaborando e incorporando novos métodos e processos" (§ 36). No § 45. Essa integração supõe a participação no planejamento. c) postulado da perfectibilidade humana: compreende-se como o reconhecimento de que o homem é. padrões e pautas culturais. encontramos os princípios operacionais: ".. O capítulo II "estuda a metodologia do Serviço Social.Metodologia de Ação do Serviço Social Nos parágrafos 42 a 47. porém não específicos. daí a necessidade também de sua reformulação. na sociedade. b) colher elementos e elaborar. E diz que esse conhecimento ".. dificultando. seja promovendo sua integração nas condições decorrentes de mudanças. c) Administração de Serviço Social e d) Serviços de atendimento direto. grupos.. confrontando-se as concepções atuais acerca dos processos básicos ao mesmo tempo que procura identificar os elementos constitutivos de cada um." "O caráter promocional . Grupo e Comunidade.. O capítulo III ". a) estímulo ao exercício da livre escolha e da responsabilidade das decisões. comunidades e populações para progredirem e se autopromoverem". O trabalho com indivíduos... Levando. na implantação e na melhor utilização da infra-estrutura social". quanto à promoção humana. seja provocando as mudanças necessárias. preventivo e promocional a indivíduos. também." e princípios operacionais "aqueles norteadores da a ação do agente profissional e as normas de ação de validade universal à prática de todos os proçessos do Serviço Social". Até essa época. Nos parágrafos 96 a 99. a atuação do Serviço Social é de duas categorias: a) nível de microatuação. o Serviço Social pesquisa e identifica os princípios inerentes à sua prática e sistematiza sua teoria.." b) Com relação aos caracteres corretivo. lemos: "Dentre os postulados.. ainda. d) atuação dentro de uma perspectiva de globalidade na realidade social". II . tecnológicos. na ordem óntológica. grupos. 113 e sociais. fala-se da "integração do Serviço Social".. compreendendo as funções de Serviço Social aos níveis de administração e prestação de serviços diretos" e § 53: "O nível de macro-atuação compreende a integração das funções do Serviço Social ao nível de política e planejamento para o desenvolvimento. o que lhe é peculiar é o enfoque orientado por uma visão global do homem.. d) implantar e dinamizar sistemas e equipamentos que permitam a consecução dos seus objetivos" (§ 40). das populações. Salientamos o seguinte: 1) O documento mostra a importância do conhecimento da realidade nacional. em decorrência do que se afirma. os utilizados eram Caso. E não se trata de optar por um aspecto mas atuar numa linha de simultaneidade. 2. o Serviço Social se caracteriza pela atuação junto a indivíduos com desajustamentos familiares p. do grupo..Adequação da metodologia às funções do Serviço Social 1. corretivo. grupos. Grupo e Comunidade. b) de macro-atuação (§ 51). O Documento apresenta uma distinção entre objetivo remoto e objetivos operacionais. Nos parágrafos 61 a 95. comunidades. grupos. Os participantes. c) criar condições para tornar efetiva a participação consciente de indivíduos. das Nações Unidas.dados referentes a problemas ou disfunções que estejam a exigir a reforma das estruturas e sistemas sociais. 3. 3) Modelos de ação são necessários para a intervenção do Serviço Social: O documento nos apresenta um modelo. por vezes.) tendo como um quadro de valores a Declaração Universal dos Direitos do Homem. Tendo em vista as funções explicitadas no 1º capítulo. p. "O caráter preventivo do Serviço Social se define como um processo de intervenção que procura antepor-se às conseqüências de um determinado fenômeno (§ 30). 114 compatíveis com a dignidade humana e estimular a contínua elevação desses padrões.valorização e melhoria das condições do ser humano (.. Vai do § 42 até 104.. fala-se dos três processos: Caso." Observa-se que a absorção dos profissionais do Serviço Social no plano prático prejudica. explícita ou implicitamente.Sua teorização se processa a partir da práxis. Grupo e Desenvolvimento de Comunidade.. o direito de a pessoa humana encontrar. Salientamos o seguinte: I . preventivo e promocional são uma peculiaridade do Serviço Social. populações e organismos". Do 105 ao 122. famílias. Objetivo remoto: ". comunidades e populações." É necessário uma reformulação do Serviço Social "em novas linhas de teoria e de ação para melhor servir a pessoa humana e a sociedade (§ 34)".. comunidades e populações de alcançarem padrões econômico-sociais p.pressupostos éticos e metafísicos. c) ensejo à mudança no sentido de autopromoção e do enriquecimento do indivíduo. lemos: "Supõe esse modelo os seguintes . comunidades e populações. fazendo-os atingir a plena realização de suas potencialidades. 116 aspectos econômicos. No § 112. A consciência do desenvolvimento vem exigindo do Serviço Social novos papéis. Objetivos operacionais: "a) identificar e tratar problemas ou distorções residuais que impedem indivíduos. tal como foi conceituado e visualizado em sua dinâmica operacional" (§ . adotados como pressupostos fundamentadores da atuação do Serviço Social: a) postulado da dignidade da pessoa humana: que entende como uma concepção do ser humano numa posição de eminência ontológica na ordem universal e ao qual todas as coisas devem ser referidas. e. É composto de 18 parágrafos. O conhecimento da realidade é importante "para a implantação das necessárias mudanças". o documento fala dos princípios e postulados que fundamentam a metodologia do Serviço Social. 4. A metodologia utiliza-se de vários processos.. b) no respeito aos valores. grupo. a importância do processo de conscientização como ponto de partida para fundamentação ideológica do desenvolvimento global (§ 32). b) Planejamento. 115 No § 46. 2) No § 106. grupos. que consiste na utilização simultânea dos três processos. diz que desenvolvimento deve ser entendido "como um processo de planejamento integrado de mudanças nos p.. a reflexão sobre as experiências realizadas e retarda as oportunidades de análise e desenvolvimento de um quadro de referências que permita a definição de sua natureza. sócio-culturais e político-administrativos". as condições para sua auto-realização.14). O documento no § 52 diz: "O nível de micro-atuação é essencialmente operacional. III ." (§ 38 e 39). em decorrência do que se admite a capacidade e potencialidades naturais dos indivíduos. a problemática da maior rentabilidade na utilização da sua instrumentalização metodológica" (§ 13). comunidade e populações (§ 29)".. comunidades e populações não é exclusivo do Serviço Social "." "Como prática institucionalizada. da comunidade. Colocando os objetivos gerais. "A partir desse novo enfoque o Serviço Social deverá romper o condicionamento de sua atuação ao uso exclusivo dos processos de Caso. É composto de 61 parágrafos. "O caráter corretivo se define como intervenção na realidade para fins de remoção de causas que impedem ou dificultem o desenvolvimento do indivíduo.do Seminário entendem postulados ". um ser que se auto-realiza no plano da historicidade humana. grupos. aborda a "Utilização da Administração em Serviço Social". neste esforço atual de reformulação teórico-prática" (§ 105). Tais desajustamentos muitas vezes decorrem de estruturas sociais inadequadas. isto é. sua colocação no quadro das ciências técnicas. II .

E afirma que um dos aspectos "da reconceituação é o de sistematizar nossas experiências. C. . Esta ideologia.nos dois primeiros capítulos . os participantes do seminário "reconhecem a importância do momento histórico deste encontro". e não às estruturas vigentes.. em geral. que é do século 20". A preocupação de adequar a metodologia para nossa realidade é também a colocação de Lucena Dantas nesse mesmo Seminário. No início da década de 60. porém. de uma filosofia do desenvolvimento autêntico. . como jamais se viu no Brasil. em 1964 eles "vieram para ficar". Idealista no centido de que antes de mudar as estruturas era necessário mudar a mentalidade. Fatos e acontecimentos referentes ao contexto econômico e político do Brasil e os da própria história do Serviço Social. existe a de ser uma ideologia capitalista. ] Quanto ao desenvolvimentismo. Nesse período histórico. quer pelos que estavam comprometidos com os programas do governo mas que desejavam reformas. Esse questionamento começa a consolidar-se com os chamados seminários regionais promovidos por assistentes sociais latino-americanos.elementos: . sendo aqueles na sua maioria provenientes da classe média. e de pretenderem mudar o mundo através de leis e decretos. p. de vïvencïal. A partir do referido golpe temos um governo de militares e tecnocratas. Ibid. "baseia-se numa contradição: é ao mesmo tempo intervencionista e liberal". para estes. e pelo conservadorismo. Uruguai e Brasil. Ora. Segundo Bresser Pereira. [ 6. o documento explicita cada um dos elementos básicos do modelo do Serviço Social de intervenção na realidade brasileira. Segundo o autor em questão." Nos parágrafos 113 a 119. e sim os militares e tecnocratas. Dizem-se capitalistas. porque o comunismo era visto como o mal que desejava subverter a ordem. 117 Idealista aqui no sentido de crer mais nas idéias do que na realidade. Os elementos do Governo achavam que os lucros eram demais e viam os industriais como aproveitadores. 118 epidêmicas". realidade esta que negava ou não conseguia captá-la. Ibid. Esse movimento nasceu na perspectiva de adequar o Serviço Social para a América Latina e tinha como referência ideológica o desenvolvimentismo.procuramos analisar o Serviço Social através dos fatos e acontecimentos que antecederam ao Documento de Araxá. os sindicatos. limitando-nos à análise de aspectos que situam o CBCISS e o Documento de Araxá dentro do movimento. quer por aqueles mais ligados com o povo. para que haja uma reformulação do Serviço Social no Brasil. Possui ela determinadas características: idealismo. 7. p. com características inclusive policiais. como em seguida apresentaremos elementos da caminhada do Serviço Social nesse mesmo momento. que os apavora. em muitos dos acontecimentos em que intervieram foi por pouco tempo. mas sempre de caráter moral. em Porto Alegre. 5. 8. Anticomunista. pelo moralismo. Outros aspectos desse governo: era conservador. de uma ideologia capitalista que não tem como autores e principais defensores os próprios empresários capitalistas. [ 4. adota. 6.A RECONCEITUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL O Documento de Araxá nasce num momento em que acontecimentos importantes marcam a vida do Serviço Social latino-americano... 200. Os tecnocratas e militares "caracterizam sua atuação política pelo idealismo.Planejamento. No Brasil esse questionamento se fez por um número significativo de assistentes sociais. o capitalismo não é algo de intrínseco.. seu capitalismo é muito pouco autêntico e cheio de contradições. por intermédio da palavra de Herman Kruse. p. de Bresser Pereira. ou que a lei sobre o mercado de capitais produziria participação imediata do público. 164. ] Imobilista. críticas. Exemplos: pensava-se que pela lei de habitação se resolveriam os problemas habitacionais como por encanto. E o moralismo é ideologia essencialmente da classe média tradicional". 10. porque não queria mudanças no status quo. Os militares sempre estiveram presentes na História do Brasil. Outro aspecto desse idealismo "estava na crença de que o desenvolvimento econômico pode ser feito basicamente através de leis. 164. bem como mostram que o documento está aberto a análises. profissionais liberais e funcionários públicos não estarem diretamente no processo produtivo. no sentido de alienação da realidade. Desenvolvimento e Crise no Brasil. diz Bresser Pereira que três ideologias capitalistas podiam transformar-se em ideologia do governo: neoliberalismo clássico. do qual apresentamos alguns elementos ideológicos. O Capitalismo é um rótulo para opor ao comunismo. O primeiro foi realizado em 1965. . 4. temos o chamado movimento de reconceituação do Serviço Social. 119 entre outras coisas "que o marco filosófico do início não serve mais e é preciso elaborar uma cosmovisão válida para nossa profissão". . Dentre o material mais sério produzido por elementos da "geração 65". Nesses termos. que dominou entre 1964 e 1967. que foram excluídos do poder pela Revolução de 1964. a "consciência".Capital. 200. Cornely.Técnica. do qual não participam. "O conservadorismo. liberalismo intervencionista tecnocrático-militar e o nacional-desenvolvimentismo. 165. Esse grupo de assistentes sociais passou a ser conhecido como "geração 65". tendo por base a obra Desenvolvimento e Crise no Brasil. L. mas. mas têm horror ao lucro privado. mas estabelecem um sistema rígido de controle das empresas. são ideologias que ela. ] É dentro desse contexto histórico e ideológico que surge o Documento de Araxá. definido por uma política aparentemente reformista. 11. Queremos lembrar que o Documento de Araxá surgiu no momento em que no Brasil se efetivava o Golpe de 1964. para reelaborar a nível latinoamericano uma teoria própria de Serviço Social". moralismo e conservadorismo. Afirmam em todos os documentos que pretendem fortalecer o setor privado em detrimento do público. E isto vemos através de uma citação do Dr. PEREIRA. O Governo de Castelo Branco assumiu a segunda: liberalismo-intervencionista-tecnocrático-militar. Além de idealista era "um governo economicamente imobilista e anti-industrializante". Conservador.que surgiu o Documento de Araxá. Ele afirmou: "Quero finalizar com (outra) citação de Dr. na medida em que são conservadores. p.. mais especificamente no Governo de Castelo Branco. Diz Bresser: "Trata-se. Defendem liberalismo. p. Esse questionamento é o da validade do corpo teórico do Serviço Social em face à realidade da América Latina. e que propaguemos em nossas esferas de influência esta ideologia. onde salientamos dois pontos: a influência do neotomismo' e a presença do desenvolvimentismo com ênfase na formação técnica. 165. esse governo era colonialista porque colocou o país na dependência dos Estados Unidos e acreditava que o Brasil só podia desenvolver-se com o auxílio externo. nos seus dois parágrafos. Poucos governos foram tão prolíferos em leis". visto colocar em primeiro lugar a estabilização monetária e anti-industrializante porque queria moralizar o ganho de lucros. Ibid. Mas. anticomunismo paranóico e o colonialismo não são posições ideológicas exclusivas da classe média tradicional. 5. moralista e anticomunista. Bresser. grupos de assistentes sociais passam a questionar o Serviço Social quanto à sua natureza e operacionalidade. 8. Ibid. Na perspectiva externa. 1 FATOS E ACONTECIMENTOS DA HISTÓRIA BRASILEIRA E DO SERVIÇO SOCIAL NA ÉPOCA DO DOCUMENTO DE ARAXÁ FATOS E ACONTECIMENTOS DA HISTÓRIA BRASILEIRA NA ÉPOCA DO DOCUMENTO DE ARAXÁ . Os participantes desse seminário passaram a preconizar um Serviço Social latino-americano.Ideologia do desenvolvimento integral. FATOS E ACONTECIMENTOS DO SERVIÇO SOCIAL NA ÉPOCA DO DOCUMENTO DE ARAXÁ . a velha aristocracia brasileira e os empresários industriais. .. atribuí-los a responsabilidades individuais ou mesmo coletivas. Além dessas características. salientamos o Documento de Araxá. os ausentes do governo foram os políticos.GOVERNO CASTELO BRANCO Na primeira parte deste trabalho . Nesse Seminário Herman Kruse afirma p. mas cujas reformas foram sempre p. que nos engajemos na implantação de uma mentalidade de desenvolvimento. p. Na Nota Final. no sentido de personalizar os problemas. Cornely: É necessário que todos nós despertemos do micro-serviço social para a realidade desenvolvimentista. 9. no sentido de que a honestidade dos políticos é que podia salvar o Brasil. É o que de maneira sintética explicitaremos em seguida. Analisaremos agora o momento histórico em. sem dúvida. p. mas nacionalizam empresas hidrelétricas estrangeiras e aumentam de maneira progressiva a participação do Estado na economia". Ibid. Moralista. quando de sua palestra nesse seminário.Mobilização de forças organizadas. com profissionais da Argentina. [ 7. 12. Esta perspectiva decorre do fato de os militares. 9. o Governo Castelo Branco foi idealista do ponto de vista filosófico.

nos mostra que o grupo iniciador . que tem como centro a Escola de Serviço Social da Universidade Católica do Chile... o Documento de Araxá? Explicitaremos algumas posições a partir das colocações de Ana Augusta de Almeida. Limitar-nos-emos aqui ao contínuo "Teoria do Serviço Social". p. Ibid. " ANDER-EGG.. Ana Augusta nos mostra como elementos propulsores da reconceituação no Brasil o CBCISS e a ABESS. 300-308. Segundo Ander-Egg. VIEIRA. 2. iniciar un salto esencialmente cualitativo en lo que respecta a la superación de las ideas desarrollistas. Para o autor em questão. b) os que vêem o documento como sistematizador das idéias até então elaboradas e executadas e que desejam a partir daí ". 186-187. E o CBCISS inicia o movimento com o lançamento da Revista Debates Sociais. que teve participação na elaboração dos documentos referidos e que escreveu uma obra marcante dentro dessa tendência: A teoria metodológica do Serviço Social . De início a reconceituação nasceu do desejo de superar o Serviço Social tradicional. atribuir a esse esforço conscientemente planejado do CBCISS o mérito e a responsabilidade de desencadear o processo que envolve o ponto de partida e o desenvolvimento do movimento de reconceptualização no Brasil". às vezes. Cf.. Outros seminários foram realizados. facil es advertir la preeminencia de tal marco ideológico en el documento de referencia". 270. Ibid.Associação Brasileira de Ensino de Serviço Social .foi exatamente nesse contexto nacional universitário que os temas de reconceptualização ganharam e continuam a ganhar rigor científico. várias são as tendências do movimento de reconceituação. E como o movimento. Enfoque com ênfase no tecnológico-metodológico. que tem como preocupação central o aspecto "metodológico". há a presença da ABESS . ANDER-EGG. 14. Del Ajuste a la Transformación: Apuntes para una Historia del Trabajo Social. Arlete Braga. 6. o movimento de reconceituação em termos de América Latina nasceu de dois fatores: esforço de integrar a profissão na problemática da América Latina e evolução das ciências sociais. entre elas a do CBCISS. Mas vai surgir com toda a ênfase com o Documento de Araxá. Dentro de cada tema há vários contínuos. Como referimos. Nesse começo o trabalho era de descobrir instrumentos de acordo com a nossa realidade sem chegar a um questionamento das estruturas e continuando a ter como referencial teórico o funcionalismo.. sobre la que time que construise todo cuanto venga posteriormente . Cf. o movimento de reconceptualização surgiu da preocupação com o enfoque teórico.. 11(21):44.geração 65 . Além da presença marcante do CBCISS. 17. 13. tendo por base o trabalho "Proposições diagnósticos no quadro da Reconceituação do Serviço Social". Maria Lúcia de Carvalho e Helena Iracy Junqueira". p. no documento de Teresópolis". ] Ezequiel Ander-Egg Segundo Ander-Egg. José Paulo Neto. História do Serviço Social. p. 4. Myrtes de Aguiar. em tal sentido. [ 13. assim se expressa: ". p. em dois. a aplicação conjunta do caso. inclui-se o aspecto da "criatividade metodológica".. ] Analisando o Documento de Araxá. Tereza Porzencanski. 18.CBCISS dentro dela? E. sagrada e inviolável. A questão mais enfatizada pelas diversas posições foi o critério básico para a classificação das diferentes tendências. é o evento que marca. Neste há duas linhas: uma interna e outra externa. Aqui existem várias tendências. O 1º Seminário de Teorização do Serviço Social.se subdivide. Debates Sociais. en tal sentido. em outubro de 1965. 1968 . 11. poder explicativo e/ou compreensão muito maior".. Ander-Egg diz que esse documento é o mais sério que foi sistematizado pela "geração 65". Ibid. 20.. KRUSE.. p. Myrtes de Aguiar Macedo p. Cf. Enfoque com ênfase no ideológico-político. da seguinte forma: a) "Os que consideram o documento mencionado como a base fundamental. [ 18. n. 3. 19. realizado em Araxá. manifesta-se através de diferentes orientações teóricas que originam concepções distintas e. 44.Concepción-Chile.."20.. A autora nos mostra que Herman Kruse analisa a reconceituação através de "temas fundamentais". pois. Herman. Del Ajuste a la Transformación: Apuentes para una Historia del Trabajo Social. referindo-se ao processo de reconceituação e ao documento. Com referência a participação da ABESS. Enfoque com ênfase na profissionalização. MACEDO. Ezequiel. ALMEIDA. representado pelo CBCISS no Brasil. a presença deste movimento entre nós". 120 nos diz que a reconceituação "não se apresenta como um bloco unitário de idéias.. A linha interna se preocupa com a "cientificidade do Serviço Social" e se concretiza em três caminhos: a) "um. 11 . 122 no que diz respeito à superação das idéias desenvolvimentistas. antagônicas de Serviço Social". Diccionario de Trabajo Social. 14.. É ainda Ana Augusta que nos diz: "No Brasil.que através de encontros regionais deu respaldo acadêmico às propostas de reconceituação. Mais tarde é que surgirão posturas de reconceituação na perspectiva dialética. bem como José Lucena Dantas. assim se expressa Ana Augusta: "..uma abordagem sistemática.. "O Movimento de Reconceptualização no Brasil: Perspectivas ou Consciência?". manifestando-se nos Documentos de Araxá e Teresópolis.. p. 5. 16. avaliando suas possibilidades e tentando uma adaptação destes à realidade latino-americana. 15. p. Ezequiel. Enfoque com ênfase no compromisso existencial.. Enfoque com ênfase científico. iniciar um salto essencialmente qualitativo p. o desenrolar do processo de reconceituação se fez através de diferentes posturas. Ezequiel. 16. Como então se processou no Brasil a reconceituação? E como se situa o Centro Brasileiro de Cooperação e Intercâmbio de Serviços Sociais . o documento tem como marco ideológico o desenvolvimentismo. Entre os representantes temos: Natálio Kisnerman. . ANDER-EGG.Porto Alegre-Brasil. Em sua obra Historia del Trabajo Social. 1967 . de forma mais significativa. que foi transplantado da Europa e dos Estados Unidos. pelo contrário. Vejamos: 1966 . ] Ana Augusta de Almeida Em seu artigo. Ezequiel. após Araxá. 21. p. e isto supõe a existência de conceitos "velhos" ou que precisam ser revistos ou substituídos. este proceso de re-conceptualización se propuso e inició desde y a partir de los marcos ideológicos del 'desarrollismo' y. em março de 1967. "Los que consideran al Documento de meción como la base fundamental. 1970 Cochabamba-Bolívia e 1972 . 17. e adequá-lo à realidade latino-americana.General Roca-Argentina. o autor apresenta as várias tendências da reconceituação até o início da década de 70.. Del Ajuste a la Transformación: Apuntes para una Historia del Trabajo Social.MontevidéuUr-uguai. Enfoque com ênfase na prática. através dos trabalhos de José Lucena Dantas e Tecla Machado Soeiro. isto é. Ander-Egg. a reconceituação nasceu num momento determinado. [ 19. de Myrtes de Aguiar Macedo. fácil é advertir a primazia de tal marco ideológico no documento de referência". Balbina Ottoni. este processo de reconceituação se propôs e iniciou desde e a partir dos marcos ideológicos do 'desenvolvimentismo' e. 44. b) . 14. marcado por forte desejo de inserir o Serviço Social no p. [ 15. c) "enfoca o estudo dos métodos tradicionais. Estas são: 1. Há varias correntes e entre elas a assumida pelos redatores do Documento de Araxá. sacra e inviolable.. ] Herman Kruse Explicitaremos a posição de Herman Kruse. "O Movimento de Reconceptualização no Brasil". Realidade de um continente subdesenvolvido e dependente. 214. A reconceituação decorre também da rebelião estudantil e do questionamento da profissão nas Escolas de Serviço Social. 121 contexto latino-americano. Myrtes de Aguiar Macedo. sobre a qual tem que se construir tudo o que venha posteriormente. ] 20. O Serviço Social diante da Mobilidade Social e as Mudanças Sociais na América Latina. b) "outro. Ezequiel Ander-Egg e Herman Kruse.". 270. ". Dentre esses enfoques salientamos o "tecnológico-metodológico". Os dois fatores são decorrentes do momento crítico em que passava a América Latina. Dentro desse contínuo.. ANDER-EGG. ] Mas o que vem a ser a reconceituação do Serviço Social? Em que bases é ela feita? Existe uma única posição? No início. Proposições Diagnósticas no Quadro de Reconceituação do Serviço Social. E salienta a ação do CBCISS como uma ação deliberada. Essa escola teve como ponto de partida a integração de métodos. O grifo é da autora. grupo e comunidade". que significado tem a reconceituação no Brasil? Reconceituar significa "conceituar de novo". que gradativamente vão se desvinculando do caráter colonial. conseqüentemente.[ 10. Continuando sua análise. Ana Augusta de. p.. A autora diz: "Podemos. 12.

Ibid. diz Neto.fetiche de una teoria metodológica invade los círculos institucionalizados. o Assistente Social "contribuirá para formar o homem livre. Não abordam. pois existiram "vozes discordantes" em relação a ela. Desafio al Servicio Social. AMMANN. E esta filosofia continua presente no Serviço Social como nos mostra-o Documento de Araxá. p. Dentro dessa posição. p. Diz Balbina O. 98. Nadel. justifica e legitima. p. 22. Esse grupo de profissionais vai revendo suas posições e rompendo gradativamente com a visão tradicional do Serviço Social. Parsons e outros. no dizer de Safira Ammann. após apresentar todo um quadro referencial. sua teoria e prática se colocam no sentido de aperfeiçoamento dessa ordem em que assistencialismo. incorporando-se aos p. Nessa análise a dimensão política da prática profissional torna-se explícita. marcando. 29. Com a Revolução. de preferência através de uma função educadora. queremos afirmar que essa posição não foi a única assumida. Myrtes de Aguiar. 124 o poder". [ 26. alguns dos pontos para análise e crítica ao Documento de Araxá. "La Crisis del Proceso de Reconceptualización del Servicio Social". Desafio al Servicio Social. como se patenteou. N. 93. optamos por não analisá-las tendo em vista não ser a posição preponderante do documento. do poder ou do povo. nossa preocupação será demonstrar que o Documento se insere numa perspectiva liberal" 30 p. MACEDO. in ALAYÓN. questionando a serviço de quem ela está. et al. 24. em sua dissertação de Mestrado sobre "Proposições Diagnósticos no quadro da Reconceituação do Serviço Social". p. 25. Mais exatamente: o processo de reconceituação aceita como dado o quadro político vigente e procura justificar sua existência. 84. 2) Educação conscientizadora . à modernização empresarial. N. No período de 60-64. A reflexão cai para o aspecto técnico e o "fetiche de uma teoria metodológica invade os círculos institucionalizados. se transfere para os seminários profissionais e se estende para as atividades docentes". 126 e que a partir dela o Serviço Social aceita. A revolução de 1964. entre elas a da "Síntese" dos encontros regionais promovidos pelo CBCISS para estudo do Documento. 1) O tecnicismo-positivista procura a integração entre o método científico e o método profissional (do Serviço Social).mudanças estruturais na sociedade brasileira. 9. regidas por relações sociais de dominação". in ALAYÓN. tanto que pretende melhorá-la. Esse grupo de profissionais "tenta afirmar um vínculo orgânico com as classes subalternas e só lhes interessam as mudanças que resultem em liberação das mesmas. tendo por base uma abordagem funcionalista' Mesmo tendo colocações divergentes. ao lado da postura tradicional "emergem e se difundem movimentos que concebem a participação numa perspectiva crítica e que-postulam. Entre outros-analisou a presença do CBCISS. p. Teresa.. aplicados de Teorias das Ciências Sociais". Procuramos demonstrar no 1º capítulo a influência da filosofia neotomista no Serviço Social em seus princípios no Brasil. 125 seus interesses. apesar do grande impacto sofrido com o golpe de 64. 29. Essa posição continua pós-65. 73. 3) Método dialético: "Trata-se de incorporar a dimensão histórica da realidade ao método profissional". los pasos necesarios para la consecución de finalidades que le son propuestas por quines monopolizan el poder". PORZECANSKI. E diz que o Serviço Social é entendido. a partir de "um enfoque orientado por uma visão global do homem. se transfiere a los seminarios profesionales y cunde en las atividades docentes".. Essa prática política se processou fora do contexto das instituições tradicionais de intervenção do Serviço Social. Explicitaremos na análise que faremos do Documento de Araxá a posição assumida pela maioria dos participantes do Seminário de Teorização. mostra que existem várias tendências no movimento de reconceituação e que cada uma delas possui sua epistemologia e analisa vários autores e propostas a nível da reconceituação do Serviço Social. 22. ocorrendo uma subordinação da prática profissional à prática política. Alguns desses movimentos evoluem e seus intelectuais tentam estabelecer vínculos com as classes subordinadas. senão como uma realidade constituída de formas antagônicas. a comunidade como um todo único e harmônico. uma sociedade capitalista: reconhece as imperfeições da ordem social vigente. 23-24. Safira Bezerra. Ibid. "La Crisis del Proceso de Reconceptualización del Servicio Social". bem como a própria autora ao nosso ver. Teresa Porzecanski diz que a mesma se divide em três caminhos: o tecnicismo-positivista. p. A grande maioria dos assistentes sociais presentes em Araxá assumiam a posição de integração e não de transformação das estruturas e estavam de acordo com o projeto político vigente.mudanças no sentido de melhorar o sistema. funcionalismo e desenvolvimentismo nada mais são que referências ideológicas das mudanças sociais que marcam em cada época a busca da cientificidade ou racionalidade que confiram respeito. Esta perspectiva de Serviço Social chegou a grandes construções. Diz o autor que "no Brasil o processo de reconceituação se concentrou primeiramente na tarefa de adequar a profissão às exigências institucionalizadas do Estado autoritário e da grande empresa que é seu corolário econômico. a partir de 1960 um pequeno grupo de assistentes sociais vai gradativamente se colocando a serviço das classes populares. Levamos em conta as diferentes análises feitas após a divulgação do Documento. estes pontos relativos à Revolução de 64 colocaram em xeque o Serviço Social tradicional que era assistencialista e idealista. Diante disso. bem como a dos assistentes sociais nesse momento.procederemos.. coloca ponto final na mobilização popular e cala as oposições. DOCUMENTO DE ARAXÁ: ANÁLISE E CRÍTICA Levantaremos. principalmente às ligadas ao Estado. Ibid. ainda que precariamente. tomismo.Myrtes de Aguiar Macedo A Assistente Social Myrtes de Aguiar Macedo. 8. 27. Na análise a que agora. os vários autores concordam que o Documento de Araxá foi um marco do Serviço Social brasileiro. 26. 23. executando da maneira mais perfeita tecnicamente os passos necessários para a consecução de finalidades que são propostas por quem monopoliza p. 24. José. et al. p. passemos à sua análise. Grifo do autor. O grifo é da autora. Podemos concluir (por essa colocação) que a Revolução de 64 levou o Serviço Social a reconceituar. as correntes da educação conscientizadora e o método dialético. reivindicações e ações políticas". p. segundo José Paulo Neto.) 27. José. p. ] Apesar de constatarmos a presença de "vozes discordantes" no documento. 28.. capacitadora e conscientizadora".. mas na linha do estrutural-funcional e do discurso lógico no neopositivismo. pois seus postulados básicos refletem a visão neotomista. Proposições Diagnósticos no Quadro de Reconceituação do Serviço Social. Analisando os três caminhos podemos situar o CBCISS no primeiro.. Segundo José Paulo Neto. Ibid. através dos Documentos de Araxá e Teresópolis. Essa posição encontramos também no Documento de araxá. "Aqui en el Brasil el proceso de reconceptualización se concentró primariamente en la tarefa de adecuar la profesión a las exigencias institucionalizadas del Estado autoritario y de la gran empresa que es su corolario economico: Más exactamente: el proceso de reconceptualización acepta como dado el cuadro político vigente y trata de justificar su existência ejecutando de la maneira más perfecta técnicamente. pois. o Serviço Social brasileiro deixou de fazer incursões mais amplas e se concentrou no aspecto científico-profissional. [ 23. 3. mas na perspectiva metodológica a circunscrever-se a problemas internos. Para maior clareza histórica. neste item. levando por sua vez a uma análise política da prática. . ] p.os que assumem a reconceituação nesta perspectiva enfatizam o papel educativo do Serviço Social. bem como a universidade brasileira. a prática de alguns profissionais. Ideologia do Desenvolvimento de Comunidade no Brasil. integrado em seu sistema social" e que a perspectiva de análise dos documentos é "a realidade setorializada: modelo de análise funcionalista". A revolução passou a enfatizar o aspecto técnico.) ] Explicitamos algumas das análises do movimento de reconceituação e que situam o CBCISS e seus documentos dentro de uma perspectiva metodológica. [ 21. Apresenta-se como Teoria Neutra e com uma visão harmônica da sociedade. Como já salientamos em nosso trabalho. levou à burocratização. ] José Paulo Neto Utilizaremos o artigo "La Crisis del proceso de reconceptualización del Servicio Social" para explicitarmos a posição de José Paulo Neto. [ 28. apesar de muitas vezes desejarem mudanças . Esta posição assenta-se nos autores: Merton. E o "Serviço Social se concebe como Tecnologia Social. 95. (PAULO NETO. 123 Teresa Porzecanski Analisando a reconceituação. Essa situação leva a uma reflexão sobre a prática profissional. (PAULO NETO. na prática e na teoria. ". Novos Enfoques sobre Objetivos e Filosofia do Serviço Social. 25.

". E para que o homem caminhe nessa trilha é importante uma educação moral.. pela práxis.essa unidade substancial . p. o homem . se o documento não consegue explicitar uma visão de homem a partir de nossa história? O documento não explicita uma visão de homem brasileiro. A linguagem filosófico-científica nele empregada conscientizou vivamente a dimensão teórica e suas implicações: modo próprio da construção de nossa teoria. numa abordagem estrutural inserida num contexto econômico e político. Educação e Desenvolvimento Social no Brasil. Como adequar o Serviço Social ao homem latinoamericano e. História do Serviço Social. neste seu esforço atual de reformulação teórico-prática. p. Ana Augusta de. 32. vemos: "A necessidade do conhecimento da realidade brasileira é pressuposto fundamental para que o Serviço Social possa inserir-se adequadamente. Até que chegue a eternidade. Apresentou. Esta visão a-histórica do homem impede um engajamento dos assistentes sociais numa perspectiva de historicidade. Esta visão a-histórica esconde uma recusa inconsciente do homem concreto.. com vistas à implantação das necessárias mudanças" (§ 105). inadiável. 243. b) postulado da sociabilidade essencial da pessoa humana: que é o reconhecimento da dimensão social intrínseca à natureza humana e. Almeida diz o seguinte.. seu constante aperfeiçoamento intelectual e moral. p.. 3. pois o homem 33 foi sempre considerado razão de ser do Serviço Social. dos pressupostos funcionalistas e da ideologia desenvolvimentista. como se vê. o homem com um duplo destino: o temporal e o eterno. a doença etc. lemos: ". Assume uma posição a-histórica decorrente da visão ideal de bem-estar. E a visão do homem também está presente através da Declaração Universal dos Direitos do Homem. de uma igualdade neutra entre os homens. dessa forma é capaz de hierarquizar o natural e o sobrenatural. b) quando aborda Desenvolvimento de Comunidade. Vejamos como ele aborda a questão: p. deixando de lado a dimensão da existência do homem inserida no seu mundo com a tarefa de transformação permanente desse mundo e de si mesmo. com instrumental emprestado das ciências sociais". construindo nossos conceitos. Karl. a Declaração Universal dos Direitos do Homem. porém. entre ideologia e ciência. um ser que se auto-realiza no plano da historicidade humana. Esses pressupostos marcam a visão de homem presente no Documento de Araxá. o homem deve construir a sociedade. comunidades e populações para progredirem e se autopromoverem". bem como através das "tensões" existentes no Documento. 34. 3. " § '39v "Na ausência de uma teorização suficientemente formulada sobre a universalidade da 'condição humana'. (Cf. inserindo-se no desenvolvimentismo através do Serviço Social de comunidade. nossa lógica. (MANNHEIM. 11(21):45.p. no momento. A visão de homem se insere no quadro da metafísica. em relação às colocações acima: "A leitura do 'Especial Documento de Araxá' desvendou a totalidade significativa do modelo brasileiro. a sociabilidade essencial e a perfectibilidade humana. Esse esforço compreenderia a busca de análise e síntese dos seus componentes universais.avaliado". se pensava do Serviço Social. 34. no § 61. apesar de salientar a necessidade do conhecimento da realidade. 6. Vicënte de Paula. conforme § 39. ] p. (CUNHA.. Ibid. . .. c) postulado da perfectibilidade humana: compreende-se como o reconhecimento de que o homem é. conforme § 4: "Um esforço de teorização do Serviço Social era imperativo. Sua racionalidade é que nos mostra sua perfectibilidade e. E aqui vemos a presença das ciências sociais através de suas técnicas. A partir do princípio do individualismo "a doutrina liberal não só aceita a sociedade de classes. na sociedade. grupo e comunidade importados dos Estados Unidos. ] p. onde fala dos três postulados: a dignidade humana. Debates Sociais.). supervalorizando os bens espirituais.) No liberalismo essa "unidade de aferição" parte de uma postura idealista. durante sua vida. O liberalismo opõe-se ao totalitarismo e conseqüentemente assume o individualismo. principalmente.postulado da dignidade humana. nesta fase da sua evolução no Brasil. Luiza Erundina de. Esta visão está explicitada no § 45. no § 83. A tarefa do homem é lutar contra todos os desajustamentos que impeçam a ordem querida por Deus. à realidade brasileira. Essa posição salienta: 1. 129 a) no item Serviço Social de Caso. Procederemos à análise do Documento de Araxá. diagnóstico indispensável a um planejamento para a intervenção na realidade brasileira. que tem se manifestado com evidência no plano da prática profissional". "Trabajo Social . Valores em Serviço Social. Ana A. assim se expressa: "Estes pressupostos éticos.S. ao instrumental disponível e à dinâmica de comportamento da população". da sociabilidade essencial da pessoa humana e da perfectibilidade humana. mas a realidade brasileira é um dos aspectos omissos do Documento.S.' de um indispensável diagnóstico. lemos. VIEIRA. grupos. 41-45. O mundo do pensamento metafísico. Luiza Erundina afirma: "A atuação profissional do serviço social tem-se ressentido da falta de uma concepção de homem como sujeito da história e de sua própria realização como agente que transforma. Ressalta-se que este conhecimento deve ser consubstanciado em termos de diagnóstico da realidade nacional.fazendo parte de um todo que é a unidade social. se colocam num nível tal de abstração e idealização que chegam a não atentar para o caráter histórico e temporal dos valores humanos. como fornece argumentos que legitimam e sancionam essa sociedade". bem como salienta um humanismo ideal. pois a autêntica realidade é a que nasce da consciência. visto dentro de uma visão científica e num quadro de referências da filosofia neotumista".. ALMEIDA. analisando a questão dos valores do Serviço Social. assim como o instrumento de comunicação deste modo próprio. procurando investigar os conceitos que não estão "explícitos" ou que estão "omissos". SOUZA. baseando-se num melhor conhecimento da realidade nacional e regional quanto. a partir de nossa formação marcada pelo colonialismo e neocolonialismo. no momento. p. [ 30. p. como quadro de valores. 4. o homem dotado de razão. Ideologia e Utopia. A necessïdáde de uma mudança na sua metodologia e o rompimento com a classe dominante não seriam os motivos da recusa da análise do homem brasileiro numa perspectiva histórica? Esta dimensão histórica é fundamental. No 2º capítulo vimos que o S. se se quer reconceituar tendo em vista o homem latino-americano. a realidade em que vive". em decorrência do que se afirma. nossas categorias. enfatizando o caráter científico. Revelou nossas colocações em dois mundos culturais. o homem deve chegar à plena posse de Deus e para isso deve.Ideologia y Método. como ser ideal e não como ser existente em um contexto histórico. na ordem ontológica. 5. 159. [ 34. Luiz Antonio. Como qualquer ideologia.S. pode ser considerado como o provimento de recursos indispensáveis à melhoria de condições do ser humano. pois parte de uma ordem natural. Esta sua capacidade o coloca no centro da criação. "O Movimento de Reconceptualização no Brasil: Perspectiva ou Consciência?". referindo-se sobre os quadros de valores do Documento de Araxá. Luiza Erundina. aceita-se. por meio da qual o curso dos acontecimentos concretos pode ser teoricamente. 32. não apresenta. O que vemos é a busca da universalidade e no § 38 lemos: [ 33. conclui-se que pelo menos três se acham explícita ou implicitamente adotados como pressupostos fundamentadores da atuação do Serviço Social: a) postuládo da dignidade da pessoa humana: que se entende como uma concepção do ser humano numa posição de eminência ontológica na ordem universal e ao qual todas as coisas devem ser referidas. a prostituição. em decorrência do que se admite a capacidade e potencialidade naturais dos indivíduos. em particular. Enfatiza a consciência intelectual. 35. vê o homem como ser abstrato. O Documento de Araxá. c) na afirmação mais importante. 31. E a visão assumida pelo Documento é a que se insere na perspectiva neotomista. 128 "O objetivo do S. Balbina Ottoni.". o direito de a pessoa humana encontrar. 29. ] NECESSIDADE DE CONHECER A REALIDADE Conhecer a realidade é um dos aspectos que o Documento coloca como necessário. brasileiro desenvolveu-se a partir dos processos de caso. focalizar alguns aspectos referentes à sua utilização adequada.Vieira: "O documento não oferecia nenhuma idéia nova e isto foi uma das críticas mais severas que lhe foi feita. dos seus elementos de especificidade e de sua adequação ao contexto econômico-social da realidade brasileira". 127 VISÃO DE HOMEM Uma questão a ser analisada no Documento é a da visão de homem que assume. A perspectiva de homem do Documento é de um ser ideal e não existencial. das Nações Unidas.. Daí falar-se em ideais eternos de perfeição. Disto resulta a desvinculação entre teoria e prática. torna-se urgente." (§ 44). uma síntese do que. buscando realizar o bem-comum. buscar sua perfeição. 4. Vemos o neotomismo nos postulados metafísicos que são apresentados no parágrafo 45 . mesmo os princípios operacionais da metodologia se colocam como "validade universal à prática de todos os processos do S. Essa concepção serve "como uma 'unidade de aferição'. sua dignidade. É a preocupação do ser enquanto ser. nem sintéticamente. 2. o Liberalismo possui uma concepção "correta" da realidade. o alcoolismo. 31. O § 45 diz: Dentre os postulados. Vimos principalmente a presença do Serviço Social. A intervenção construída em termos científico-técnicos. o corpo e a alma constituindo uma unidade substancial. O homem como um ser social. o homem como um ser composto de matéria e espírito. conseqüentemente. que se contrapõe com a existente. as condições para a sua auto-realização. aristotélico-tomista.) No Serviço Social a ideologia liberal vê a realidade de maneira fragmentária (os problemas existem separadamente: a marginalização do menor. pressupondo o atendimento dos valores universais. A partir desta página os grifos existentes são nossos. ao homem brasileiro.) A partir dessas colocações é que se deve entender a "perspectiva liberal" em nosso trabalho.

E nem assume conscìentização "como um processo pelo qual os grupos passam a compreender as relações sociais que se estabelecem em uma sociedade historicamente determinada e a atuar criticamente ao nível dessas mesmas relações". para. Desenvolvimento econômico. Oscar: "O único defeito desta teoria é o de saber se além de aprender. p. Basta olhar nosso lavrador. Elevação a cargo ou categoria superior. 2) "apesar de muito comentada.. muito menos as contradições nela existentes. em busca de sua promoção humana. apresentam as seguintes críticas: 1) "O Documento de Araxá levanta a necessidade de conhecimento da realidade. como promovê-los? O próprio Documento nos responde: através da conscientização. O Documento. a realidade é vista tecnïcamente.. Conscientizar será também no sentido de impedir os bloqueios à modernização. como diz Ander-Egg.. 3) "para que a intervenção tenha realmente um caráter científico o diagnóstico da realidade regional e local é essencial e fundamental". Perspectivas do Serviço Social na América Latina. quando atua para habilitar indivíduos. José Oscar Beozzo. para análise do documento com relação ao aspecto da realidade. Que sociedade? Qualquer sociedade? Sociedade universal? Ou sociedade brasileira? Dentro da sociedade. simultaneamente. 39. Discurso Pronunciado aos Formandos da Faculdade de Serviço Social de Lins. No § 34. Conscientização e libertação não se inserem no quadro do Documento. Esta só acontece quando de fato o povo tem autonomia para questionar. p. DANTAS. mas a conceituação feita parece-nos insuficiente para proporem em seguida um modelo de atuação do Serviço Social. nem questiona o processo de desenvolvimento então vigente. CONSCIENTIZAÇÃO.consciências. Essa tarefa de promoção é afirmada por Lucena Dantas no Seminário de Porto Alegre. da Faculdade de Serviço Social de Lins. mas sem ligar com os elementos concretos que essa dignidade manifesta. pois a teoria do Serviço Social serve de base a uma prática que aja dentro das estruturas e não sobre as estruturas. bem como no § 32. [ 36. 2. Safira Bezerra. que o homem deve ser. É o técnico quem caracteriza a clientela. a micro-atuação do Serviço Social seria o processo direto de conscientização de indivíduos. OLIVEIRA. acha-se consubstanciado na afirmação de que promover é capacitar. tendo em vista o desenvolvimento. Vejamos o que nos diz o documento: § 106: "O esforço do S. por isso. tecnológicos. mostrou que o lema que passou a dirigir os trabalhos dos assistentes sociais foi "Não vamos dar o peixe.S. Ele afirma: ". não é necessário explicitá-la.S. Promoção e Desenvolvimento O trabalho do Assistente Social com relação às populações. significa: "Integração na sociedade global.que envolve o capacitar. onde se lê: "O caráter promocional do S. saber plantar eles sabem. não explicita com clareza o conceito de desenvolvimento... O Serviço Social não questiona a ordem vigente e sim aceita-a pacificamente. 41. na prática. Diante dessa colocação. mas. 130 ordem vigente e não de mudá-la."37. o trabalho será no sentido de capacitar (cf. grupos e organização de base... em 1965. entendido este como um processo de planejamento integrado de mudança nos aspectos econômicos. quem detecta os problemas e 'quem apresenta soluções através de programas de atividades. sem trabalho quando chove ou quando passa a colheita. Bem-estar. homogênea e. promoção. Normalmente. Participaçãoe Trabalho Social: Um Manual de Promoção Humana. 58. 6. quanto à promoção humana. C. Vamos promover. que no início fala da importância da promoção como acima colocamos. José Oscar. CBCISS. mas atinjam a todos. 132 julgada certa na concepção do agente". mas sim "promovê-las". Pe. de. A. Como promovê-lo? Ensinando-o a pescar? Isto ele sabe melhor do que nós". Dentro dessa adequação.. segundo pesquisa de Maria José de Oliveira. de grupos. visando a superar resistências aos programas e projetos a serem implantados. e) valorização dos recursos humanos. Vejamos onde o documento nos fala da conscientização: No § 32. Na posição assumida pela maioria dos profissionais ". promoção social representa. entende o S." O DESENVOLVIMENTO E OS CONCEITOS DE PARTICIPAÇÃO. Isto vemos afirmado no § 107." Tendo em vista o conjunto do documento. ] .. DEBATES SOCIAIS "Análise do Documento de Araxá e Síntese dos 7 Encontros Regionais". e se há peixes. promoção não tem esta última conotação. de modo que os benefícios não se limitem a frações de populações. Na direção de mobilização das p.. a preocupação de teorização do Serviço Social se coloca no horizonte de ". harmônica. § 32) para acabar com a ignorância. propiciando o pleno desenvolvimento de cada um". p. Nessa perspectiva não há questionamento. pois as decisões não são tomadas pelo povo. No § 4. 34. conclui-se que o Serviço Social promove. motivação e engajamento de lideranças individuais. 36. Aqui o técnico deve não ditar caminhos. p. etc. ao apresentar um modelo do desenvolvimento integral. Cooperar com aumento de produtividade.S. um instrumento básico para a intervenção deliberada no processo do desenvolvimento social com vistas a atingir certos objetivos de progresso p.. nele.. esses programas impedem uma efetiva participação.. a realidade é pouco conhecida". Maria José de. lemos: "Impõe-se esta reformulação do Serviço Social em novas linhas de teoria e de ação para melhor servir à pessoa humana e à sociedade". Participação Social. não há promoção verdadeira. 39. Mudanças intencionais controladas. Esse conceito de promoção . Mas eles foram expulsos da terra e a ela só podem retornar sob a forma de volante rural. O questionamento mais profundo dos programas. No Documento de Araxá. nesta perspectiva tem em mira uma contribuição positiva ao desenvolvimento. ] Outro aspecto ligado à questão da realidade é o da sociedade. vamos ensinar a pescar". comunidades e populações. e instituições no sentido do desenvolvimento". MEDINA. 38. assistentes sociais e educadores vêem a conscientização como "tomada de consciência" do valor da pessoa humana. Este é o outro conceito que ele deixa sem explicitar. mas não oferece subsídios que propiciem seu diagnóstico". em discurso aos formandos de 1979. PROMOÇÃO E INTEGRAÇÃO Outro aspecto omisso no Documento é a conceituação clara do que os participantes do Seminário entendem por Desenvolvimento. conforme parágrafos 117 e 118.uma análise da referida realidade. se há rios. Serviço Social: Um Estudo dos seus Elementos Teórico-Práticos. 131 social . o ensinar a pescar . num sentido abrangedor. Isto vemos no § 116: ". sendo a promoção entendida como a modificação de sua maneira de ser para identificar-se à maneira p. pois além da relação "agente" e "clientela". a que classe serve o Serviço Social? À classe dominante ou à dominada? Acreditamos que a ausência de explicitação da realidade brasileira e da sociedade parte da visão de que esta é perfeita. a importância do processo de conscientização como ponto de partida para fundamentação ideológica do desenvolvimento global". Afirma Pe. Como explicar estes sete milhões de bóias-frias só aqui no Centro-Sul do país? Terra existe. se o acesso e a livre prática da pesca estarão facultados àqueles que nada têm. José Lucena. 100-101.. Os assistentes sociais que participaram dos encontros após Araxá. Participação.. Para muitos assistentes sociais. Conseqüentemente. p.está dentro da política de promoção social que é uma intervenção deliberada do Estado na realidade social. continua: "Destaca-se. 1979.. a) a inserção consciente das populações no planejamento através do conhecimento de suas potencialidades e dos meios de transformá-los em instrumentos dessa integração" (integração no desenvolvimento) e no § 118 ". grupos. Essa maneira de ver supõe uma relação de dependência entre o agente. BEOZZO. do trabalhador diarista e precário. Auxiliar os poderes públicos na resolução dos problemas. decidir os caminhos a seguir. Essa modernização e tecnificação leva o S. AMMANN. Os autores do Documento tentam conceituar desenvolvimento no § 106. Na intervenção com a população. A Revolução de 1964 forçou a modernização e tecnificação do Serviço Social. não é feito pelo Serviço Social. o pobre poderá ter também o instrumento necessário para pescar. adequação ao contexto econômico-social da realidade brasileira"." 39. circunscrevendo-se a apresentar aspectos de "imperfeições" dessa realidade. afirmando no § 95: "As funções do Serviço Social em DC são principalmente orientadas para a deflagração dos processos de conscientização. fazendo-os atingir a plena realização de suas potencialidades". Procuraremos mostrar a questão "desenvolvimento" no Documento de Araxá. Dessa forma a ação dos assistentes sociais será no sentido de melhorar as condições materiais da população. pode-se afirmar que conscientização aqui não implica uma percepção causal da realidade e de uma intervenção no sentido de transformá-la.S. É preciso ensinar a pescar para que não retorne sempre a pedir o peixe. [ 37. [ 40. O documento se insere na perspectiva desenvolvimentista e. 41. e em havendo. analisando o período que estamos abordando. Veremos também como se articulam os conceitos de Promoção. acima colocado. que servem e a serviço de quem está. o técnico e a clientela. trata-se de potencializar (dinamizar) a p. quando analisa a questão do Desenvolvimento de Comunidade. 60. O Documento não se coloca na perspectiva de mobilização do povo e sim das. pois a ideologia que assume é de promover para integrar no desenvolvimento nacional e este não permite a presença de homens questionadores e participantes. coloca quais seriam as funções do Serviço Social nesse processo. agente e objeto. assim. desprotegido numa doença e num acidente. Ninguém precisa ensinar-lhe a plantar. os técnicos possuem um discurso de participação. E vemos também no § 114 o seguinte: "Na IDEOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO INTEGRAL. p. Integração e Conscientização à abordagem do Desenvolvimento. mas estar a serviço da caminhada do povo. ] Conscientização e Desenvolvimento Mas. sócio-culturais e político-administrativos" e no § 107: "Nesta conotação de desenvolvimento. 38. é no sentido de promovê-las. 133 consciências. a atuação do agente tem como 'meta' a promoção daquela população.a não mais "assistir" as pessoas.

É o único parágrafo que ressalta a "integração no desenvolvimento do País". porque mantém intactas as estruturas de decisões.. 97. é igualmente empregado em ambos os níveis. [ 44. para quê? Para integrar as pessoas.) Para el Trabajo Social latinoamericano...à que pertence à classe dominante ou aos marginalizados? E a que tipo de sociedade? A que domina? O mesmo parágrafo apresenta uma colocação no sentido de se "criar formas de integração" e não no sentido de mudanças radicais da sociedade. como assinala o § 32 que afirma: "O caráter promocional do Serviço Social acha-se consubstanciado na afirmação de que promover é capacItar. conclui-se que o Serviço Social promove quando atua para habilitar indivíduos. Uma vez integrada. lê-se: "Ressaltando como fundamental a integração do Serviço Social no processo de desenvolvimento.. 47. ou se ela produz e usufrui.S. sua presença é requerida em todas as fases da ação metódica e da dinâmica do processo". onde não há contradição.. 48. quanto ao projeto nacional este está de acordo. nos parágrafos 83 e 117. BEOZZO. no § 63. já vimos. Este parágrafo salienta que para integrar-se. é necessário integrar as populações no processo de desenvolvimento." e no § 117: temos a mesma colocação. o S. DEBATES SOCIAIS. "Para el Servicio y Trabajo Social. Hoje. [ 46. (ANDER-EGG. 44. o fato de atuar na perspectiva de comunidade. isto é. vemos: "a) identificação. E entre as implicações salientamos a seguinte: "a) o Serviço Social de Caso deve ser aplicado de forma a capacitar o cliente a integrar-se na sua comunidade e no processo de desenvolvimento". para atuar dentro do processo de desenvolvimento do País. de integração no processo de desenvolvimento. o Serviço Social precisa reformular-se. agente que intervém na dinâmica social... De outro lado. Dicionário das Ciências Sociais. E no caso brasileiro. queremos salientar um parágrafo presente no capítulo I que nos mostra claramente esta preocupação do S. à uma realização integral do homem. Onde fazer as casas. Levem-se em conta as seguintes questões: "O desenvolvimemto não está sendo feito no sentido da consolidação do status quo. com vistas ao atendimento de suas necessidades e realizações de suas aspirações" e "trabalhar com organizações.. quando aborda um dos itens . 45.S. Trata-se do § 34. Nesse parágrafo. Outro conceito básico no Documento e que de certa forma está ligado com o de integração é o de participação.. em novas linhas de teoria e de ação para melhor servir à pessoa humana e à sociedade. contribuir para a criação de condições que permitam a participação popular no processo de planejamento"." No capítulo I. No capítulo III (§ 117). os participantes do Seminário assim definem Desenvolvimento de Comunidade: "D. 140. tal como se lo usa. Essa integração é tão marcante no Documento. falando das funções do S. fazendo-os atingir a plena realização de suas potencialidades. este processo se insere em sistemas nacionais ou regionais de planejamento como um instrumento para estabelecer canais de comunicação com a população e promover a sua participação no processo de planejamento". Vejamos (§ 83): o Desenvolvimento de Comunidade na etapa atual (a do p.. desafiado pelas exigências do processo de desenvolvimento. onde está presente a contribuição específica do S. Reformular-se em vista de uma tarefa que é a "de levar" as populações à integração no desenvolvimento. 46. pode-se perguntar: a que tipo de pessoa o documento se refere . numa sociedade que as marginalizou. impondo-lhe os valores burgueses". deve orientar-se no sentido de levar as populações a tomarem consciência dos problemas sociais. que o povo não participou nem participa. observamos no item b: ". tal como se usa. "os 'clientes' deviam fazer o decidido pelo técnico. Nos diferentes programas. p. no § 15. Discurso Pronunciado aos Formandos da Faculdade de Serviço Social de Lins. para atendimento de suas necessidades e realizações de suas aspirações". 43. a ação do Serviço Social insere-se no processo de desenvolvimento. pues se trata de una de las categorias fundamentales de un Servicio Social desarrollista. focalizando o papel do Serviço Social na integração da comunidade no processo de desenvolvimento. Daí que integração "será a ação de trazer à unidade os fatores diferenciados e diferenciais". A. a partir principalmente da década de 1960.S. A questão é a mesma da integração. porque mantiene intactas las estructuras de decisión. Diante dessa colocação. conseqüentemente.Mobilização de Forças Organizadas .S. ainda que ele mesmo não suspeitasse o 'para que' se devia fazer". Há participação nas programações do Serviço Social na fase de execução. Essas indagações estiveram preséntes nos encontros regionais. expressa la estrategia de la clase dominante para 'integrar' a la clase trabajadora al sistema capitalista. no § 3 lemos o seguinte: "No seu dinamismo intrínseco. conseqüentemente o Documento se insere na perspectiva funcionalista. imponiéndole los valores burgueses". Como integrar o povo. No dizer de Pe. após Araxá. ao abordar pessoa e sociedade. mas em alguns casos também decidia como se fazer e. grupos comunidades e populações. que além disso não só programava o que se deveria fazer. participação na construção de moradias num programa de habitação.que no nosso caso é o capitalista?" e "Até que ponto o S. A participação só existe quando a população "toma parte na produção. ou melhor. expressa a estratégia da classe dominante para 'integrar' a classe trabalhadora ao sistema capitalista. que afirma: "Impõe-se esta reformulação do S. 45. Sob este prisma. quanto à promoção humana. o conceito de integração. 134 para integração no processo de desenvolvimento".S. contribuindo também para o estabelecimento de formas de integração popular no desenvolvimento do país". No § 58: "O processo de D. apoiado na ideologia desenvolvimentista das camadas dominantes e no projeto de promoção humana desvinculado de uma reflexão econômica e política". seu orçamento.S. como pagá-las etc. Oscar. embora numa visão "restritiva da participação. [ 43. "Análise do Documento de Araxá e Síntese dos 7 Encontros Regionais". No § 89: "Por outro lado.C. 3. não se pode afirmar que ela participe verdadeiramente".) ] A integração deve reintroduzir as classes marginalizadas no processo de desenvolvimento. ] Quanto à integração Ander-Egg assim se expressa: "Para o Serviço Social e Trabalho Social.. na gestão e no usufruto dos bens de uma sociedade historicamente determinada". marginalização essa decorrente do projeto que a classe dominante assume? Estas questões foram deixadas de lado pelos assistentes sociais. Reformular o Serviço Social não implica questionar o tipo de sociedade e de desenvolvimento mas implica melhorar suas técnicas. as organizações precisam mudar seus objetivos e seus métodos . não se comprometerá com a manutenção da estrutura vigente quando da execução de planejamentos desligados de uma realidade já identificada?".Integração e Desenvolvimento Mas promover. ou as classes marginalizadas. apenas algumas "disfunções". no processo de desenvolvimento através de ação organizada. José Oscar. Nessa maneira p. O Documento salienta a participação no processo de desenvolvimento. [ 42. pois se trata de uma das categorias fundamentais do Serviço Social desenvolvimentista (.. mas não toma parte na gestão. temos o § 41 que fala das funções do Serviço Social e entre outras vemos as seguintes: ". 135 de ver a sociedade. mostra que mesmo o trabalho junto às pessoas deve ser no sentido "de integrá-las no proCèsso de desenvolvimento". -Pe.S. que aparece cerca de 10 vezes.C.. Esta vê a sociedade harmônica. Diccionario de Trabajo Social. Como participar da sociedade que aí está. Destaca-se. Ezequiel. el concepto adquiere singular importancia.do modelo de desenvolvimento apresentado. levando-os a um questionar da ideologia desenvolvimentista. a importância do processo de conscientização como ponto de parada para fundamentação ideológica do desenvolvimento global". aquele que leva à plena utilização dos recursos naturais e humanos e. Os programas de Desenvolvimento de Comunidade vêem como necessidade essa participação. "(es una concepción) restrictiva de la participación. Esta é a palavra de ordem do Serviço Social. essa é uma questão que é crítica para muitos profissionais. No nível de macro-atuação. el concepto de integración. de Caso. No § 41.. Integração é uma palavra-chave no Documento e na prática do S. BIROU. dessa produção. 1979. Propondo integração no Serviço Social. na sociedade que aí está. contribuir para capacitar a comunidade a integrar-se.S. tomado este em sentido lato. mostra quais as implicações para o S. onde em última instância 'se decide' acerca das questões substanciais". como por exemplo. no fundo. vem buscando integrar-se nessa realidade em mudança.". lemos: "e) dinamizar a comunidade p. os grupos e as comunidades no processo de desenvolvimento. quando fala do papel do S. pois. p.. é um processo interprofissional que visa capacitar a comunidade para integrar-se no desenvolvimento através de ação organizada. Para o Trabalho Social latino-americano. O Serviço Social. nesse período. o conceito adquire singular importância. o consenso e o controle são essenciais para perpetuar a forma de organização da sociedade. como fazê-las. ou de um determinado sistema . sendo amplamente difundida no início da década de 60. O projeto do Serviço Social vai além da promoção do indivíduo. além de ser profundamente carregada de uma perspectiva ideológica. p.S.. ] Participação e Desenvolvimento. grupos e organizações para participação no processo de desenvolvimento" e. Isto está presente nos parágrafos 41 e 58. isto não depende da decisão da população. 42. No capítulo II. de Caso. "se a população apenas produz e não usufrui. nas equipes interprofissionais. propõe uma abordagem técnica operacional em função do modelo básico de desenvolvimento. p.). en donde en última instancia 'se decide' .. (.. 136 documento) "procura enfatizar a criação de mecanismos de participação no processo de desenvolvimento. mobilização e articulação de indivíduos. visando a adequação de seus objetivos e métodos às exigências da realidade social e sua integração numa perspectiva de desenvolvimento". "aqui reside o nervo da crise do S.. no § 90. Vejamos essas citações: Na introdução do Documento. no § 84.. O Documento mostra também a participação no planejamento. conscientizar. a pessoa deve participar no processo de desenvolvimento para que participe de seus frutos.S. CBCISS. § 62. finalmente. se a própria sociedade impede essa participação nas questões fundamentais da convivência social? Participação no planejamento? Se nem o próprio Serviço Social tem participação junto a decisões maiores? A idéia de participação passou a ganhar corpo dentro da profissão. Este último parágrafo apresentado nos mostra com clareza que. 210. pela análise dos fatos e acontecimentos de nossa história.

lê-se: "utilização de formas operacionais no sentido de transformação das estruturas. Antropologia. até o momento. A Revolução de 1964 veio para superar a ordem má. com a transformação da política de assistência em uma política de promoção social e a aplicação dos serviços em atenção às novas necessidades emergentes. mas desempenhar um papel que conduza à modificação desse contexto". nem da infra-estrutura. o caos. Conscientizar o Estado de quê? Se significar que. Diz o § 114: "Na ideologia do desenvolvimento integral. Outra questão é que o modelo se insere num trabalho com as "idéias".. No capítulo I.um modelo de desenvolvimento. uma vez que o poder no Brasil existe para manter o status quo e não para provocar mudança. se o Serviço Social é uma ciência ou não.. importa salientar que o Documento não propõe um modelo alternativo. 114 e 118. partindo de um estudo sobre "Serviços Sociais no Brasil". legitimando sua atuação de promoção e não de mera assistência. encóntrámos a discussão em torno do que seja o S. A sua tarefa. descontínuo e que responde pela ocorrência de uma dualidade estrutural". uma definição satisfatória no quadro dos conhecimentos humanos". 71. debían hacer lo decidido por el técnico. pois uma das tarefas do Serviço Social é impedir os bloqueios ao desenvolvimento. trata-se portanto de conscientizar o poder e não de mudar o poder. tendo em vista a inserção no processo de desenvolvimento. afirma: "Para a instrumentalidade da intervenção do Serviço Social no Desenvolvimento. Essa questão.. p. mas na perspectiva do "como" e não do "o quê". Se conscientizar for em função de melhorar as condições da sociedade. Essa questão da adequação ao momento. feito por uma Comissão Nacional de Organismos Governamentais de Serviço Social. p. afirma: "b) colher elementos e elaborar dados referentes a problemas ou disfunções que estejam a exigir reformas das estruturas e sistemas sociais". sejam contrários aos instrumentos ou estímulos propulsores e aceleradores do desenvolvimento" e no § 118. tais como a de abordagem individual e de grupo. grupos e organizações de base . entendida como "tomada de conhecimento da realidade". (ANDER-EGG. após Araxá. é uma ciência? É arte? É uma técnica? Com relação a cada pergunta o Documento de Araxá assim responde (§ 18): "É o Serviço Social uma ciência autônoma? Uma corrente o define como 'Ciência Social Aplicada'. ao projeto nacional de dependência. com citação de José Paulo p. sem mexer na infra-estrutura que p. por intermédio da ação do Serviço Social. Esta não se enquadra dentro dos horizontes do Documento. "Documento de Araxá". O próprio Documento traz colocações que mostram essa tarefa de ajudar o processo de desenvolvimento e. E no § 119. O § 106 mostra-nos o pensamento dos autores sobre "desenvolvimento". Participação Social. Diccionario de Trabajo Social. sino en algunos casos también decidia como debía hacerse y. de utilização construtiva de situações de conflito e tensões sociais". vemos claramente como o Serviço Social se coloca na perspectiva de assumir a ordem vigente: "Na ideologia do desenvolvimento integral. lemos: "Saliente-se que a maioria desses programas está vinculada a planos governamentais e operam-se em algumas regiões do país". a postura parece-nos ingênua. implícita ou explicitamente. Ezequiel... Ainda no § 106 o documento fala em "mudança" e em outros de "transformações das estruturas". quando analisa a TÉCNICA dentro do Modelo de Desenvolvimento. Leopoldo Van Liempt e outros. quien además no sólo programaba lo que debía hacerse. No Documento III . 3) na tarefa de impedir os bloqueios à mudança e ao desenvolvimento. p. en el fondo. mas sim no propósito de integrá-las no processo de desenvolvimento em curso. pois ela é vista como necessária na sociedade e tem credibilidade. Esse assunto foi várias vezes abordado em Debates Sociais. colocar ordem. "Sob este prisma (o da promoção) a ação do Serviço Social insere-se no processo de desenvolvimento. a micro-atuação do Serviço Social seria o processo direto de conscientização de indivíduos." (§ 114). A "mobilização das consciências" se dá através da conscientização.) 47. O respeito à eficiência se manifesta como outra forma de esconder o problema ideológico da dominação. no § 83.. de capacitação de lideranças. NATUREZA DO SERVIÇO SOCIAL Um ponto crucial no Documento. com a "consciência" e não numa perspectiva de intervenção na realidade no sentido de mudá-la. em termos de sintonia com os grupos de decisão. Lê-se no referido parágrafo: "o esforço do Serviço Social nesta perspectiva tem em mira uma contribuição positiva ao desenvolvimento. sócio-culturais e político-administrativos". o Serviço Social a realiza nas seguintes formas: 1) sendo canal entre o governo e o povo: Desenvolvimento de Comunidade "constitui um canal para mútua comunicação entre governo e povo" (§ 86). já salientamos no início deste capítulo. faz-se mister a elaboração de modelos que sistematizem a programação global e/ou setorial". Trata-se de modernizar as estruturas para que assim possam servir melhor o projeto que se tem. essa questão é a de definição da profissão. por exemplo. p. 139 § 114. Vejamos: no § 33. isto é. "assinala como solução à problemática do Serviço Social a modernização e o desenvolvimento. ] Voltando à questão do modelo. Daí a proliferação de leis. do Documento de Araxá. o Documento de Araxá discute sem chegar a um consenso. preventivo e promocional do Serviço Social. Safira Bezerra. quando fala em mudança. dentro da macro-atuação com relação ao capital (recursos humanos e materiais). ainda no § 32. 50. Essa mobilização não chega à contestação. E o § 17 do capítulo assim se expressa: "A posição teórica do Serviço Social não alcançou. que trata das "Considerações sobre a natureza do Serviço Social". Ezequiel. Daí a busca da ciência. A. visando a superar resistências aos programas e projetos a serem implantados". atualmente. Mudanças devem ocorrer nos setores que bloqueiam o desenvolvimento proposto e assumido pela classe dominante. portanto. entendido como um processo de planejamento integrado de mudanças nos aspectos econômicos. 140 Neto. o documento não se refere à mudança global da sociedade. por se utilizar dos conhecimentos da Sociologia. portanto. Vejamos os parágrafos 95. Estes fatores se traduziriam em plãnejamento. o poder possa perceber a necessidade de uma profunda mudança. após mostrar que são válidos os caracteres corretivo. aunque él mismo no lo supiese. quando fala dos objetivos operacionais. tecnológicos. a maioria dos profissionais passaram a assumir a concepção de dependência. a uma realização integral do homem". deiXando de lado outros fatores da transformação e mudança social". aplicar técnicas. Definir-se para que possam ser aceitos como interlocutor. Trata-se de melhorar a ordem que aí está. a nosso ver.bem como subseqüente implantação .eficiência técnica não era fundamental no início do Serviço Social. enquanto a macro-atuação do Serviço Social seria o estabelecimento de uma política e/ou medidas que impliquem um amplo processo de conscientização dos centros de poder de decisão da sociedade. conseqüentemente. No § 95. pois o Estado já o faz com eficiência e contando para isso entre outros com o próprio Serviço Social. tendo em vista a capacitação de inserção no processo de desenvolvimento. . modernizando-a não é necessário.". mobilização que não consiste na tarefa de organização do povo.Serviço Social e a Realidade Brasileira . com distribuição da terra e condições para seu desenvolvimento.S. Um exemplo são as mudanças na agricultura: não significam mudança estrutural. ] p. que os profissionais em questão têm que se definir. [ 49.) 48.representa verdadeiro desafio face à complexa problemática oriunda de um desenvolvimento caótico. o Serviço Social brasileiro assumia a concepção dualista de desenvolvimento. 187. 188. Esta é a redação do § 117: "Na MOBILIZAÇÃO DAS FORÇAS ORGANIZADAS. A categoria "povo" é uma das ausentes. DEBATES SOCIAIS. dentro da Ideologia do Desenvolvimento Integral "a invalidação dos processos que. visando habilitá-las a atuar no processo de desenvolvimento...acerca de las cuestiones sustanciales". mecanização da agricultura para que melhor produza. de modernizar nossas estruturas. em diferentes graus de elaboração. tendo em vista mudanças estruturais. 137 Proposta de Modelo de Desenvolvimento Os autores do Documento de Araxá não questionam o tipo de desenvolvimento e até propõem no capítulo III . publicado em 1968. E. e no p. não deve o agente do Serviço Social colocar-se numa perspectiva puramente estática de aceitação. 61-62. estaba el para quê debía hacerse". Temos dois pontos importantes nos parágrafos 114 e 117." Como se coloca essa perspectiva de mudança quando a ênfase de integração é marcante? De fato. no § 109. Pode-se claramente verificar que os projetos de reforma do sistema têm como marco referencial glóbál o próprio sistema. b) introdução de sistemas de transformação para aquelas instituições que se constituem em freios e/ou bloqueios à mudança". E agora chamamos atenção para uma abordagem de Vicente Faleiros que. na letra e) "valorização dos recursos humanos. cabe-lhe. mas apenas modernização. A macro-atuação do Serviço Social seria: a) valorização e estímulo às instituições para que se capacitem e estabeleçam sistemática de coordenação e usem outros processos dinâmicos que as tornem propulsoras de mudanças. (ANDER-EGG. tomado este em sentido lato. Este modelo dá um caráter de cientificidade ao Serviço Social. conforme demonstramos no 2º capítulo e como encontramos num dos documentos preparatórios do Seminário de Araxá. O Documento.constatamos o seguinte: "A formulação de suas diretrizes (da política social) .S. aquele que leva à plena utilização dos recursos naturais e humanos e. é a questão da natureza do Serviço Social. Essa questão se coloca num momento em que no Brasil na Revolução de 64 se processava. Primeiro. No fundo. O S. metodologia do planejamento. isto é. mas um diferente de outros propostos dentro da atuação no social. treinamento de pessoal. Diccionario de Trabajo Social. a microatuação do Serviço Social seria: a) identificar a participação no processo de desenvolvimento. com a idéia de eficiência e técnica. 138 é boa. 2) participando dos programas do governo. AMMANN. Da concepção Estrutural Dualista. pelo Prof. b) incentivo à formação de novos quadros de liderança. afirma: ". investigações. no Governo de Castelo Branco. 49. O segundo ponto-chave é a "mobilização das consciências" e não "mobilização do povo". E o mesmo ocorreu na síntese dos encontros regionais. Para isto é preciso mudanças na superestrutura. No § 117 lê-se: "Mobilização de forças organizadas". como ressalta o próprio parágrafo 117. A mobilização se coloca em vista de formação das lideranças. Pe. "Los 'clientes'. E é em referência à classe dominante. Átila Barreto.. de nucleação e organização de grupos. ". No § 40. Nessa época..O Serviço Social face ao processo de formulação e implantação da política social .

62-63. quando sintetiza as ciências psicossociais". normativos e transmissíveis. também. a partir do final da década de 50 e na década de 60. No primeiro capítulo pudemos mostrar as relações entre o Serviço Social e a ideologia católica. grupos. pois como já assinalamos. E. isto quer na ideologia católica. de 1936 a 1967) o Serviço Social viu a sociedade como homogênea e sendo que a harmonia entre as classes deve ser buscada a todo custo. no Brasil. E portanto através das relações que a Igreja busca manter com a cúpula governamental que o Serviço Social servirá à ordem vigente. 52. comunidades e populações. do dever ser.Embora o documento afirme que existe uma especificidade na Ação do Serviço Social e que possui técnicas específicas. a questão em aberto". nesse trabalho. pudemos perceber que o Documento se coloca nos horizontes da ontologia. grupos e comunidades na solução de suas dificuldades". 53. com a mesma intensidade. 142 existentes na realidade. cai numa perspectiva da lógica aristotélica e assume um caráter de normatividade. originariamente incluído nas definições de Serviço p. realizado em 1967. mostrar como se deram os fatos da história. ao nosso ver. a Igreja arregimentará o laicato. (6 vezes). A ordem social era boa. um çerto consenso em caracterizar o S. arte ou técnica não está camuflando o desafio de comprometimento com o real? Pelo que analisamos até aqui. Essa "práxis" é vista numa visão de harmonia e não de contradição. de "dever ser". porém. em 1961. em torno de um objeto comum. do reformismo. verificam-se divergências. Há ainda os que asseveram que o S. No § 49: "A intervenção na realidade. não é característica exclusiva do Serviço Social: o que lhe é peculiar é o enfoque orientado por uma visão global do homem. Se puede claramente verificar que los proyectos de reforma del sistema tienen como marco referencial global al sistema mismo. por este motivo. no artigo "S. em que momento se apresentaria a especificidade do S. fruto do 1º Seminário de Teorização de Serviço Social.S.Psicologia.S. que permanece até hoje. uma-vez que comuns a outras ciências teórico-práticas". O Documento. porém. No fundo. nessa época. no quadro das ciências.. E finalmente o § 20: "Parece haver. modernizar. logo Serviço Social é ciência. Para desenvolver esse trabalho. (FALEIROS. a decadência dos costumes e o desenvolvimento do liberalismo e comunismo. Os princípios básicos de "autodeterminação. em sua tentativa de teorização. portanto não podemos falar de um modelo belga e americano de funcionalismo e neotomismo p. 45. Átila. assim. com referência às duas posturas ideológicas: o neotomismo e o desenvolvimentismo. É sua tarefa nesse período . 3(5):33. p. Dessa forma será que a discussão se o Serviço Social é ciência. são princípios que podem embasar qualquer atividade humana. A partir da metade da década de 40. a perspectiva é idealista. Outros grupos também o possuem. tirar as regiões atrasadas de sua situação. fazendo-as alcançar o estágio do desenvolvimento. Essa ideologia enfatiza que é preciso crescer.S. E "Se os postulados são comuns a todas as profissões. enunciados que orientam a aplicação da metodologia de ação do S. da revolução. mas sim como realidades que se interpenetram. No § 100: "A Administração não é um processo específico de Serviço Social". da dialética.". no entanto. se são comuns a "outras ciências". Ibid. dejando de lado otros factores de la transformación o del cambio social".S. Esses postulados são comuns a todas as profissões". tendo em vista a chamada questão social. Arte ou Ciência". No curso de formação de docentes da ABESS. quer na ideologia desenvolvimentista. Trabajo Social . No segundo capítulo. é uma ciência. BARRETO. Debates . nos seus inter-relacionamentos".. específicos. por não corresponder aos fatos históricos como demonstramos. mas era preciso acabar com algumas imperfeições. não. como princípios operacionais da metodologia aquelas normas de ação de validade universal à prática de todos os processos do Serviço Social". encontramos a seguinte afirmação na Síntese dos Encontros Regionais: "O enfoque da visão global do homem não é específico do S. afirmando possuir um sistema de conhecimentos científicos. se fez sob à inspiração e controle da Igreja Católica e que o neotomismo foi o inspirador de sua visão de homem e de mundo. de curar as imperfeições da ordem social. A ideologia desenvolvimentista teve sua formulação mais clara no Governo de Juscelino Kubitschek. "Análise do Documento de Araxá e Síntese dos 7 Encontros Regionais" CBCISS.é de reduzir as condições de conflitos. Os participantes do Seminário não conseguem chegar a um consenso. 141 Social. ao invés da historicidade. Os princípios básicos do neotomismo' são assumidos pelo Serviço Social. tendo em vista a separação (Igreja-Estado) desde a República. 52. acentuando as relações de dependência entre os países desenvolvidos e subdesenvolvidos. . metodologia de planificación. da lógica. entrenamiento de personal. foi salientado que a experiência não é fonte dos princípios. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENSINO DE SERVIÇO SOCIAL . 51. E a ideologia da reforma social encontrará fundamentação no Humanismo Integral de Jacques Maritain. con la transformación de la política de asistencia en una política de promoción social y la aplicación de los servicios para atención a nuevas necesidades emergentes. 54. porquanto influencia o comportamento humano é o meio. percebemos a presença de alguns poucos assistentes sociais que buscam uma outra postura: a de compromisso com o povo. con la idea de eficiencia y técnica. A posição do Serviço Social no Brasil era clara e definida: assumir sob todos os aspectos a doutrina (ideologia) católica. E Átila Barreto.s. No § 28. p.. considerá-lo como uma técnica social.) 51. O Documento de Araxá aponta uma série de "normas". esse desenvolvimento implicou o desenvolvimento do sistema capitalista. afirma que Serviço Social é uma ciência normativa que se ocupa em estabelecer princípios. nos-dois primeiros capítulos. . passamos a ter também a influência do Serviço Social norte-americano. a individualização. ora como ciência (§ 28). Nesse período. Mas. no Brasil. 32. procurar institucionalizar a mudança e motivar nas populações atitudes positivas face ao desenvolvimento nacional. quando fala dos caracteres corretivo. O que é específico em Serviço Social? Dentro dessa análise.S. pois também se afirma como técnica. E o Serviço Social assumirá com clareza essa posição no II Congresso Brasileiro de Serviço Social. integrado em seu sistema social". Na Síntese dos Encontros Regionais. buscando o desenvolvimento. a presença de novas técnicas. enquanto se coloca ao nível da aplicação de conhecimentos próprios ou tomados de outras ciências. evidente que o Serviço Social. Justifica-se. no plano do conhecimento especulativo-prático. um ponto básico é que os próprios postulados que o Serviço Social assume no Documento de Araxá não lhe são próprios. como por exemplo a Igreja". toda a atenção do Assistente Social deve ter sua base nos postulados do ser e do dever ser". DEBATES SOCIAIS. e para isso fará alianças com o Estado. não se percebem as contradições p. em seus três processos (§ 43). "Se señala como solución a la problemática del Servicio Social la modernización y el desarrollo. como profissão? Na sua adequação à metodologia? Ao objeto?". E para isso procuramos. Outros defendem posições de interdependência para o Serviço Social. 144 como realidades estanques. isto é. Apenas com o assumir da ideologia desenvolvimentista é que o funcionalismo terá sua presença determinante. Respecto de la eficiencia ésta se manifiesta como otra forma de esconder el problema ideológico de la dominación. Trata-se de reconstruir a sociedade.ABESS. O Documento afirma no § 21 que a teorização parte da "práxis". O Documento assume ora a postura do S.Ideologia y método.e podemos dizer ainda hoje . Em toda sua história (a que analisamos. Economia. . mas pode ajudar em sua elaboração. Vicente de Paula. de uma perspectiva teórica e estática. Nesse período e mais precisamente entre 1960 e 1964. Com referência ao § 49. e estrutura as instituições que cria. entre eles a Ação Católica. a influência do tomismo e do Serviço Social europeu. p. Todas as profissões humanistas têm esse enfoque. Esta buscará gradativamente um estatuto dentro da sociedade. 53. A influência americana se dará também pela presença tomista. para intervir na realidade social. são o neotomismo e o desenvolvimentismo. "Serviço Social Arte ou Ciência?". O que constatamos é uma "indefinição quanto à natureza do S. O (neotomismo como seu) Humanismo Integral é a ideologia que unifica. ] p. sob a perspectiva funcionalista. as relações com o Estado se farão via Igreja. não lhe sendo. Na medida em que se estabelece o caráter de normatividade para o Serviço Social fica evidente que seu discurso se coloca na perspectiva do dever ser. organiza. 143 CONCLUSÃO Nossa preocupação primeira foi demonstrar que os pressupostos básicos do Documento de Araxá. o Serviço Social será mais uma estratégia da Igreja. Esse período marcou-se por explicar a relação entre os setores desenvolvidos e subdesenvolvidos pelo dualismo. preventivo e promocional. Política etc. não podemos falar da influência americana apenas na postura funcionalista. A partir daí. desenvolver-se economicamente. 54. investigaciones. assume essa postura ideológica. na disciplina de Fundamentos Filosóficos. lemos: "Admite-se a apresentação dos postulados isoladamente por motivos didáticos. p. como uma técnica (§ 48). Essa influência trará para o Serviço Social.S. pudemos mostrar as relações entre o Serviço Social e a ideologia desenvolvimentista. É o que constatamos no § 44: "Entende-se. ficando. de uma perspectiva de prática e dinâmica. Por se colocar na linha de "harmonia da práxis". Fundamentos Filosóficos do Serviço Social. dirige a ação social da Igreja. A ideologia católica enfatiza a reforma social.S. tendo em vista nossa formação democrática e católica. através de processos de trabalho com indivíduos. No § 19: "Quanto ao componente arte. normas e procedimentos universalmente válidos para ajudar os indivíduos. "Logo. [ 50. formando vários organismos. verificamos de outro lado a utilização de técnicas e instrumentos que são comuns a outras atividades humanas. o Serviço Social coloca de maneira explícita sua teoria e sua prática a serviço do projeto nacional de desenvolvimento. Ficou. diz: "são (os caracteres) peculiaridades do Serviço Social.Sociai. Com o surgimento da Organização das Nações Unidas e sua ação em função do desenvolvimento. Estos factores se traducirían en planificación.S. a dimensão histórico-concreta não se coloca na visão do documento. Eis a indefinição. do que é ser. 68. o Serviço Social brasileiro. do Serviço Social. o não julgamento e a aceitação. E muitas vezes normas com caráter de validade universal.

Rio de Janeiro. Fortaleza. Grijalbo. do reformismo. Porto Alegre. Seminário Regional sobre "O Serviço Social Face às Mudanças Sociais na América Latina". 1960. 113 p. Catanduva. BOEHNER. 1971. 447-475. Ed. Trabalho apresentado na X Convenção da ABESS. no fazer-se da história do Serviço Social brasileiro. jan. 1980. 1974. Debates Sociais. CBCISS. FALEIROS. "A Formação dos Trabalhadores Sociais".a ed. 1968. "Serviço Social Arte ou Ciência?". 1975. 4º ed. tomismo. Rio de Janeiro.. 1980. p. Rio de Janeiro. ASSOCIAÇÂO BRASILEIRA DE ENSINO DE SERVIÇO SOCIAL .R. sua teoria e prática se colocam no sentido de aperfeiçoamento da ordem e que assistencialismo. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 155 p. "Documento de Araxá". Arquivo da Faculdade de Serviço Social de Lins. Tomás de Aquino". Porto Alegre. E que.... 284 p. para melhor atender a nossa realidade e a latino-americana. A Igreja entre a Revolução de 1930. Grijalbo. 1978. . "Carta de Punta dei Este". O Seminário de Teorização aconteceu no momento em que se instala o regime militar nascido do golpe de 1964 e que. 1967. Perspectivas do Serviço Social na América Latina.. trad. se fala na necessidade de reconceituar. out. 285-291 369-380. na análise interna do Documento. Buenos Aires. nº 4. Dissertação de Mestrado. a presença do neotomismo nos postulados em que se baseia o documento e que são o da dignidade da pessoa humana. trad. 2.M. Miriam Limoeiro. Luiz Antonio.. Alain. Tema confiado à Escola de Serviço Social da Universidade do Rio Grande do Norte. 1II Jornadas Brasileiras da Aliança para o Progresso 4 a 6 nov. 176 p. "La Filosofia Tomista en los princípios del Servicio Social de Grupo". CUNHA. 1978. Rio de Janeiro. ìn PINOTTI.L. mas continuando tendo por base e por referência a ordem vigente. in Servicio Social. de uma perspectiva prática e dinâmica. CBCISS. (4):196-199. buscando encontrar em seu interior a presença das posições acima explicitadas. p. 98 p. Seminário realizado pela UCISS sob o patrocínio da UNESCO de 12 a 15 de maio de 1957. in História da Filosofia Cristã . em termos de Serviço Social. 34 p. Isto se confirma com a p. 1970. Ezequiel. p. CONCLUSÕES E SUGESTÕES DO SEMINÁRIO REGIONAL sobre "O Serviço Social Face às Mudanças Sociais na América Latina". 1960. 4 p. Arquivo da Faculdade de Serviço Social de Lins. 1974. João Bosco Feres. "Perspectivas no Estudo do Populismo Brasileiro". Encontros com a Civilização Brasileira. BARROS. " ANAIS DO SEMINÁRIO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE ADULTOS. e Comissão Brasileira da Aliança para o Progresso.R. . 231-259. 469 p. Odila Cintra. p. Edgar. ago. 4. no terceiro capítulo. p.. Debates Sociais. 9(9):15-131. 159 p.P.. 49-68. 1978. José Lucena. datilografado. A Educação de Adultos como Processo de Desenvolvimento de Comunidade. CARONE. Fortaleza. "S. da revolução. Brasile). São Paulo. in Anais do Il Congresso PanAmericano de Serviço Social. podemos dizer que o mesmo se insere numa perspectiva liberal (entendida como a ideologia que vê a sociedade perfeita. Suplemento nº 3.ABESS. Rio de Janeiro. uma ordem natural e.sociedade capitalista. ANDER-EGG. "Declaração aos Povos da América". Relatório de 1947. 1949. Del Ajuste a la Transformación: Apuntes para una Historia del Trabajo Social Buenos Aires. 1978. no Brasil. tanto que pretende melhorá-la. Coleção Informação e Cultura. cap. Arquivo da Faculdade de Serviço Social de Lins. CONFERENCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL. 1978. 1965. "Morre Jacques Maritain. Lima. 1959 (mimeo).. Circular do Sr. Lídia. Regis de Castro. o Estado Novo e a Redemocratização. in O. o apóstolo da inteligência". nº 10. Victor Rodrigues de.B. BARRETO. "Análise do Documento de Araxá e Síntese dos 7 Encontros Regionais".. A Filosofia Contemporânea no Brasil (La filosofia contemporanea 1º 220 p. 150 p. reconhece as imperfeições da ordem social vigente. 72 p. 27-34. Cortez & Moraes. 1964. 148 . ALIANÇA PARA O PROGRESSO.A. ao invés da historicidade. Arcebispo Metropolitano sobre as próximas Semanas de Estudos da Ação Católica de 25. Comitê Brasileiro da Conferência Internacional de Serviço Social.1960. Bernardo. (7):41 a 86. 1958. 1979. de uma perspectiva teórica e estática. out.Brasil: JK e JQ. 146 BIBLIOGRAFIA ACERBONI. Encontros com a Civilização Brasileira. Saraiva. Curso de Aperfeiçoamento de Docentes. (mimeo). RJ.. BELEZA. uma concepção harmônica e a-histórica da sociedade) e que partindo dela: 1. Conclusões da X Convenção da ABESS . 1979. Porto Alegre. BERDICHEWSKY. 1957. Safira Bezerra. BIROU. 11(21):43 a 52. FERREIRA. Fundamentos Filosóficos do Serviço Social. 1978. São Paulo. 1964. No Brasil. Suplemento da Revista Verilas. Debates Sociais. 1962. Palavras de Encerramento da IX Convenção da ABESS. do que é ser. Pe. 1957. 3. 1975. Terence J.CEAS. p. 2. Buenos Aires.Após demonstrarmos a presença do neotomismo e do desenvolvimentismo. 447-486. Doutrina Social. Rio de Janeiro. 1951. Glauco V. Mons. Rio de Janeiro. e Comissão Brasileira da Aliança para o Progresso. Discurso Pronunciado aos Formandos da Faculdade de Serviço Social de Lins. em sua metodologia e no modelo de desenvolvimento que propõe. 4 a 6 nov. . 5 p. São Paulo. funcionalismo e desenvolvimentismo nada mais são que referências ideológicas das mudanças sociais que marcam em cada época a busca de cientificidade ou racionalidade que lhe confira respeito. na análise do Documento de Araxá. datilografado. Cuadernos de Trabajo Social. datilografado. Paz e Terra. 243-266. ANAIS DO II CONGRESSO BRASILEIRO DE SERVIÇO SOCIAL. AMMANN. ASSIS. ín Educação e Desenvolvimento Social no Brasil. "Sobre o Populismo na América Latina". 241 p. Fernando Arruda. Maria Dulce de. Participação Social. 145 análise do contexto em que surge o Documento e dos diferentes estudos sobre o mesmo que apresentamos no terceiro capítulo. Trabajo Social . Dom Duarte Leopoldo e Silva. 241-243.um homem ideal. Lins. Tomisrno e Neotomismo no Brasil.. São Paulo. 4. Lúcia. "Serviço Social no Brasil de Ontem. Diccionario de Trabajo Social. em Porto Alegre.A. E a reconceituação se deu. Peru. 278 p. 1969. p. 1977. V. in O. 1967 136 p. E pudemos perceber. nº 11. Cuadernos de Trabajo Social. São Paulo. Ideologia do Desenvolvimento . Possibilidades e Limites da Teoria do Serviço Social. p. e LL. 304 p~ ANAIS DA XI CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL.A. Etienne. Petrópolis. O Estado Novo (1937-1945). 1960.. o Serviço Social aceita. Átila. Plano de Emergência para a Igreja no Brasil. COIMBRA. como contribuição ao Documento Básico à IX Convenção da ABESS. p. dez.. ALMEIDA. da lógica. Rio de Janeiro. Editorial-Libreria ECRO. Natal. Editorial Libreria ECRO S.. p. Fortaleza.L. Roque Spencer Maciel de Introdução à Filosofia Liberal.F. Dom Bosco. ESCOLA DE SERVIÇO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DO RIO GRANDE DO NORTE.a ed. 447 p. 1969.L. O Lutador. CASTILHO. maio 1967. O desenvolvimentismo encontramos nos objetivos da realização do Seminário de Teorização do Serviço Social. 3(5):30-34. Arquivo da Cúria Metropolitana de São Paulo. datilografado. São Paulo. Rio de Janeiro. Difel. Grijalbo. 4 (mimeo).H. Ana Augusta de. p.. Ill tornadas Brasileiras da Aliança para o Progresso. Dicionário das Ciências Sociais. 13/maio/1973. 147 BEOZZO.. 1965 (mimeo).Desde as Origens até Nicolau de Cusa (Christliche Philosophie . 1962 356 p. Editorial-Libreria ECRO S.a ed. Francisco Alves. Porto Alegre. CENTRO DE ESTUDOS E AÇÃO SOCIAL . O Serviço Social no Brasil. ANDER-EGG. 1961. DANTAS. o Documento de Araxá será o marco inicial desse processo de reconceituação. Levando em consideração o que colocamos nos dois primeiros capítulos. Francisco Alves. ARCEBISPADO DE SÃO PAULO. "O Movimento de Reconceptualização no Brasil: Perspectiva ou Consciência?". 1959.Ideologia y Método. Rio de Janeiro.voe ihren Anfaengen bis Nikolaus voe Cues). out.E. 133 p. 2.a ed. do dever ser. "A Educação do Pensamento Liberal". Ezéquiel e outros.. ESCOLA TÉCNICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CECY DODSWORTH DA PREFEITURA DO DISTRITO FEDERAL. Philotheus e GILSON. 95 p.. Raimundo Vier O. 387 p. CAMPOS. de Amanhã". Corcez. analisar o Documento de Araxá. a partir daí. podemos concluir que o Documento se insere dentro da visão neotomista de pessoa humana e da ideologia desenvolvimentísta. no sentido de melhorar a tecnologia profissional e de buscar uma racionalidade científica. IBEL. Mário et ai. José Oscar. da dialética.03. Vozes. Rio de Janeiro.. justifica e legitima na prática e na teoria uma. 2. (3 e 4):01 a 15. Vicente de Paula. "Aspectos Éticos na Formação do Assistente Soci-al". 1967. Publicações Dom Quixote.. Arquivo da Faculdade de Serviço Social da PUC SP. COOK. 3. S.1943. da sociabilidade essencial da pessoa humana e da perfectibilidade humana. São Paulo. o Documento se coloca nos horizontes da' ontologia. Rio de Janeiro. procuramos. Fortaleza. 2 p.E. Lisboa. Ideologia e Desenvolvimento de Comunidade no Brasil. datilografado. Rio de Janeiro. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. ANDRADE. 1978. L.R. Tendências Atuais do Ensino de Serviço Social de Comunidade no brasil. que apresentamos no terceiro capítulo. 454 p. CARDOSO. p.

Luiz. Petrópolis. 4. João Álvaro. Serviço Social e a "Promoção do Homem" Um Estudo de Ideologia. 9-32. 4. Aríete Alves. Presença Filosófica. 1970. "Serviço Social de Grupo". Petrópolis.a parte. IV Convenção Nacional da ABESS. 1951. 386 p. "Serviço Social de Comunidade". A. Leonel. 1965. "O Pensamento Filosófico no Brasil". Noções de História da Filosofia.. O Cardeal Leme. KFOURI. LIMA. in Anais do II Congresso Brasileiro de Serviço Social. 1956.Aspecto Espiritual. tomo 11. mimeo. São Paulo. 9(54):31-41.) RAPOSO. 1978. 5 p. Serviço Social na América Latina: Funções e Relacionamento no Desenvolvimento..Guia para eficiência nos estudos. 432-447. 2. RUIZ. Porto Alegre. ISQUIERDO. São Paulo. 1960. Belo Horizonte. 11/nov. . 3. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro. 1963. e SIEGL. p. PIO XII. Ensaios de Sociologia do Desenvolvimento.. 2. PUCRJ. 1967. in Anais do II Congresso do Serviço Social. Vozes. sobre os "Fundamentos da Ação Católica". in A Formação do Estado Populista na América Latina. Interlivros. Aylda Faria da Silva.) PAULA FERREIRA. São Paulo. Brasileira. 257 p. p. JUNQUEIRA. Pedro Dalle. 1954. Rio de Janeiro. (mimeo. PEREIRA. 478 p. "Alocução sobre Mercier". Novos Enfoques sobre Objetivos e Filosofia do Serviço Social. . Lucio José dos. Encíclica Divini lllius Magistri sobre a "Educação Cristã da Juventude". Brasileira. 3.-jun.a ed. Dissertação de Mestrado. Serviço Social. Serviço Social. REIS. Circular do Arcebispo Metropolitano e Bispos Sujragâneos. MAGALHÃES. Emílio J. Zahar. 289 p. (mimeo. Buenos Aires. PADOVANI. 5-82. Buenos Aires. 1949. Walderez Loureiro. SCIACCA. in Alocuções e Artigos. vol. 1973. Encíclica ll Fernro Propósito. nov. Colapso do Populisrno no Brasil. de Sérgio Magalhães Santeiro. 6.Presença do Serviço Social. 525-562. FURTADO. p.a ed. Rio de Janeiro. Civil. de Afrânio Coutinho. Arquivo da Faculdade de Serviço Social da PUC-SP. 1978. Rio de Janeiro.-dez. Coleção A Voz do Papa.ed. 54 p. OLIVEIRA. O Progresso pela Aliança. 1949. Desenvolvimento e Crise -no Brasil. mimeo. Nadir. Rio de Janeiro. 1952. (1.. Caderno B. São Paulo. C. Encíclica Rerum Novarum sobre a "Condição dos Operários".). Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 1940. p. Anotações de Aula no Curso de Especialização em Desenvolvimento de Comunidade. Rio de Janeiro. 244 p. Coleção Documentos Pontifícios. François et ai. Lelian de. São Paulo. 20(23):402-425. 1940. Mestre Jou. São Paulo. LAMBERT. 2. PIO XI. 1956.. Francisco de. trad. SALIM. Encíclica Mystici Corporis Christi sobre o "Corpo Místico de Jesus Cristo". 1979. OLIVEIRA. 255 p. 3. São Paulo. Ideologia e Utopia (ldeology and Utopia . Agir..a ed. nº 1. nº 111. São Paulo. PUCRJ. "A Pessoa Humana em Santo Tomás".. História da Filosofia (La Filosofia nel suo Sviluppo Storico).. Ceris. MARINS. "Escola de Serviço Social". Encíclica Quadragesimo Anno sobre a "Restauração e Aperfeiçoamento da Ordem Social em Conformidade com a Lei Evangélica". 240 p. Jornal do Brasil. SALOMON. 1978. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Serviço Social de Lins. Hans Ludwig. 1977. 1965. José Olímpio. Ática. O Mito do Desenvolvimento Econômico. Maria de Lourdes e CASTILHO. Coleção Documentos Pontifícios. Brasiliense. Como Fazer uma Monografia: Elementos de Metodologia do Trabalho Científico. 1960. João Paulo de Almeida. PIO X. Rio de Janeiro.. Lúcia G. Odilão. 59-71. Serviço Social. Michele Federico. 1974. Coleção Arma Lucis. 1967. MONTE. in Alocuções e Artigos. in Anais do II Congresso Pan-Americano de Serviço Social. 168 p. "Serviço Social". A Formação da Personalidade do Assistente Social . São Paulo. 1973. 1961. 113-132. A Ordem. 98 p. Bresser. Vozes. CBCISS. "A Posição do Serviço Social no Desenvolvimento Nacional para o Bem-Estar Social".. 660 p. Estudos Cebrap 2. A Formação Cristã para o Serviço Social. 3 p. Documento do Seminário: "A Dimensão Regional e o Processo de Desenvolvimento" . Virgínia A.B. Myrtes de Aguiar. "Obstáculos ao Desenvolvimento Decorrentes da Formação de uma Sociedade Dualista". Agir. 4.a ed. Luís. Editorial Paidós. Vozes. irt ALAYÓN. Carlos A. Albertina. 1956. C. MACEDO. 1956. José Guy. São Paulo. Vozes. "O Thomismo e as Várias Correntes Neo-Thomistas". Humanitas. IANNI. 234 p. Celso. São Paulo. Melhoramentos. Metodologia Científica . 84 p. 1956.. CBCISS. Rio de Janeiro. in A Hegemonia dos Estados Unidos e o Subdesenvolvimento da América Latina. SANTO ROSÁRIO Irmã Maria Regina do. O Serviço Social e suas Perspectivas face ao Processo de Desenvolvimento. 1954. p. Pe. 149 p. vol. Cortez & Moraes. Rio de Janeiro. p. São Paulo. p. 1979. MIGUEL.. p. 149 LIPPMANN. sei. Maria José. 129-192. CBCISS. 1969. MEDEIROS. 5/maio/ 1973. 105-112. "A Influência de Maritain na América Latina". Paz e Terra. MANCINI. Edições Paulinas. CBCISS. 1973. Coleção Caderno Verde. "Dificuldades e Soluções Encontradas na Formação de Assistentes Sociais". Rio de Janeiro. Trabalho apresentado na X Convenção da ABESS. Souza. Fortaleza. Coleção A Voz do Papa..a ed. L. LIMA... 20 p. Karl. Arquivo da Faculdade de Serviço Social da PUCSP. p. 4. nº 24.) PROVÍNCIA ECLESIÁSTICA DE SÃO PAULO. mimeo. São Paulo. 60 p. Jornal do Brasil.a ed. 1962.. 1970. D. Filosofia del Siglo XX y Servicio Social. "O Ensino do Serviço Social de Casos em Face do Espírito Cristão". p. Seminário Regional sobre "O Serviço Social Face às Mudanças Sociais na América Latina". 1972. Nivaldo. "A Formação de Assistentes Sociais". São Paulo. Coleção Documentos Pontifícios. Brasil: Estabilidade Social pelo Colonial Facismo. 1976. Nobuco. Rio de Janeiro. Teresa. 153-169.a ed. (78):105-115. 4. NOGARE. Serviço Social. nº 7.) . Buenos Aires. São Paulo. 2 e 3):100-113. "A Formação dos Assistentes Sociais em Face das Exigências da Hora Presente". José. Justiça Social. (mimeo. 1976. Desafio al Servicio Social. PEREIRA. Editorial Libreria ECRO. p. 1954. Vozes. p. SANTOS. 158 p. Faculdade de Serviço Social de Lins. 4. fev. 15(78):171-173. Zahar.a parte. trad. LEÃO XIII. Participação e Trabalho Social: Um Manual de Promoção Humana. 1979. . do CBCISS. 1961.a ed. 3. Serviço Social. Documento apresentado no VII Congresso Nacional de Estudantes de Serviço Social. Distribuidora Record. 1970. Humberto. Atlas. São Paulo. 1978. Documentos nº 2. ... Serviço Social: Um Estudo dos seus Elementos Teórico-Práticos. 66 p. 101-103. Ben-Hur Ferreira Sarandy (org. 1954. IV Convenção Nacional da ABESS. p. Edgar de Godói. Ed. Ideologia da Cultura Brasileira (1933-1974) . Edições Paulinas. MARITAIN. (mimeo. Luís Washington Vieira. Lins. 223 p. Aguinaldo. São Paulo. trad. 59-161. (mimeo. 126 p. 7961. 18-41. PIO XI. Mons.. JAGUARIBE. 1965. MOTA.. Aylda Pereira.. 15(78):152. Fetrópolis. Rio de Janeiro. 2(231:19-24. São Paulo. SALES. Lins. Pe. Porto Alegre. Rio de Janeiro. Convívio. 150 PEREIRA.a ed. V. MATA-MACHADO. 85-105. Rio de Janeiro. Arquivo da Cúria Metropolitana de São Paulo. 1944. N. Pe. O Mestre".Pontos de Partida para uma Revisão Histórica. 1965. versiór: castellana de Sylvia S. PAULO NETO. Octávio. Petrópolis. Idéias Católicas no Brasil . Dominus. Hélio. pORZECANSKI.An Introduction to the Sociology of Knowledge). José. PIO XI. Petrópolis. Eugênio de Araújo. 1967. A Formação Cristã para o Serviço Social. 3 p. 3. Metodologia do Trabalho Científico: diretrizes para o Trabalho Didático-Científico na Universidade. de Eskenazi. 4(34):65-136. Cortez & Moraes.FERREIRA RAMOS. 304 p. "Considerações sobre o caso brasileiro". Lincoln. Civil. Peoneira. 65-71. São Paulo. in Anais do II Congresso Brasileiro de Serviço Social. "Caracteres Fundamentais do Tomismo". Sociologia do Desenvolvimento. MOURA. p. Helena Iracy.. datilografado. A. 117 p.. Antônio Joaquim. PARAISO. Herman C. tomo I. Brasileira. trad. 1956. de. nº 38. "Poder e Classes Sociais". QUEIRÓS.a ed. Comissão Econômica para a América Latina. V. São Paulo. Rio de Janeiro. "O Desenvolvimento e a Organização da Comunidade e o Planejamento Regional". "O Desenvolvimento para o Bem-Estar Social em Face da Realidade Brasileira". Melhoramentos. "A Economia Brasileira: Crítica à Razão Dualista". Délcio Vieira.01 ed. . p. FRANCA.) MEDINA. 1962. p. S. Encíclica Divirai Redernptoris sobre o "Comunismo Ateu". Rio de Janeiro. e CASTAGNOLA. p. 1972. lacques. 1965. C. Carlos Guilherme. C. Jacques.Direções do Pensamento Católico do Brasil no Século XX. SEVERINO. "La Crisis del Proceso de Reconceptualización del Servicio Social". Rio de Janeiro.a ed. Nacional. Reunião Provincial de 26/11/1942. 330 p. dez. 303 p. 1953. p. KRUSE. Humanismo Integral: Uma Visão Nova da Ordem Cristã (Humanisme Intégral). Serviço Social. Os Dois Brasis. 18. GORDON. 20-27 e 72-73. Serviço Social Rural. in Curso do Mundo Melhor. São Paulo. Rio de Janeiro. "Maritain. CBCISS. s. 1940. São Paulo. KAMEYAMA. et ai. São Paulo. 277 p. Alceu Amoroso. "A Doutrina do Corpo Místico de Cristo". Proposições Diagnósticas no Quadro da Reconceituação do Serviço Social. Civil.. D. 1975.a ed. in PERROUX. São Paulo. 1974. mimeo. in História da Filosofia. . São Paulo. 94 p. Serviço Social.. Agir. As Faculdades de Serviço Social e o Processo de Desenvolvimento. 1975. MANNHEIM. São Paulo. jan. Edições Serviço Social Rural. out. 2(14):6-7. Las Raices del Trabajo Social (The Roots of Social Work). Rio de Janeiro. LEAL. O Serviço Social diante da Mobilidade Social e as Mudanças Sociais na América Latina. Luiz Carlos. 1962. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Coleção Documentos Pontifícios./1972. tomo II. A Fundação das Duas Primeiras Escolas de Serviço Social no Brasil. KOHS. São Paulo.

. desencarnando-a da realidade e tornando o profissional um idealista que mascara e massacra a prática. o autor nos coloca a par de "palavras de ordem" da profissão que são utilizadas ainda hoje por muitos que se dizem "reconceituados" e que nada mais são que "atualizados" na linguagem do desenvolvimento. Luiz Werneck. in Anais do ll Congresso Brasileiro de Serviço Social. p. Pe.. 135-137. 1975. p. A Igreja e a Questão Social. que deu origem a um movimento que. São Paulo.1978. o autor analisa o tão falado e (des) conhecido "Documento de Araxá". esperamos. João Camilo de Oliveira. . 1-22. 1932. cabilidadc do Assistente Social no Desenvolvimento da América Latina.Apóstolo da Ação Social. Tournai (Belgique).n Rc. 1926. termine com o "Documento de Sumaré". SKIDMORE.. realizados no Rio de Janeiro de 12-24/mai. 216 p. Dis sertação de Mestrado.. Ciências e Letras de Rio Claro. José Coelho de. Rio de Janeiro. Faculdade de Filosofia. p. THONNARD F. Rio de Janeiro. 205 p. CBCISS. SIGRIST. 151 SILVA. 71-91. Rio de Janeiro. 1950. trad. p. Evolução do Conceito de Desenvolvimento de comunidade no período de 1965/70. SILVA. História do Serviço Social . 1978. Rio de Janeiro. História das Idéias Religiosas "no Brasil.Contribuição para Cons trução de sua Teoria Rio de Janeiro Agir. Rio de Janeiro.) SOUZA Pe. João Evangelista. O Pensamento Católico no Brasil. 25-46. 1973.a ed.Esboço de uma Síntese Social Católica. já bem mais conhecido e muito menos falado. 336 p. in A Nova Economia Brasileira. Código Social . Brasil: de Getúlio a Castelo. Laura "As Nações Unidas e o Desenvolvimento de Comunidade". Dias de Estudos do Secretariado Brasileiro da UCISS. in Resumo da Sessão Internacional de Estudos promovida pelo Secretariado Latino-Americano da UCISS. 6 p. na Srrb-Região do Cone Sul da América Latina. trad. Conferência pronunciada no Seminário Regional sobre "O Serviço Social face às mudanças sociais na América Latina".a ed.. de Jefferson Barata. 1978. abordar "Serviço Social e Desenvol TORRES. 11/nov. Porto Alegre. São Paulo. C. E há o terceiro capítulo.. . Paz e Terra. Coleção Caderno Verde. S. Fernando Bastos do Ávila S. "Aula inaugural da Faculdade de Filosofia e Letras de São Paulo". tese de Doutoramento. Que o conhecimento de nossa história nos auxilie a mudá-la! Matsuel Martins da Silva . Porto Alegre. Neste capítulo se desnudam algumas considerações históricas já feitas. São Paulo. 2(14):4-7. WIRTH. OS problemas advindos quando a FILOSOFIA é introjetada na pessoa do profissional. S. Universidade Católica do Rio Grande do Sul. São Paulo. 245-247 e 247-249. 1965. p. in Annuario do Ano Letivo de 1925. 104 p. "Formação Moral do Assistente Social". e CAMPOS Roberto de Oliveira. São Paulo. Compêndio de História de Filosofia.J. Rio de Janeiro. SIMONSEN. Roberto Sabóia de Medeiros. 49 p. 512 p. 75-86.B. Rio de Janeiro José Olympio. Descleé e Cna e Sociedade de S. 1953. . p. 1976.. "O Conceito Cristão do Serviço Social". PUCSP./1961. VIANNA. Guiomar. 1980. CBCISS. 18 p. fev. Rio de Janeiro. Serviço Sócia) são Paulo.. 152 Podemos acrescentar que o autor analisa. Maria Carmelita. Valente Pombo. I-48. José Olympio./ 1949. 1964. Valores em Serviço Social. Golbery do Couto e. Nele. Fenomenologia da Consciência Universitária-Cristã no Brasil. Rio de Janeiro. SOUZA~ Luiza Erundina.. Mário Henrique. Vital. Typographia Brasil de Rothschield e Cia. São Paulo. Thomas. Jornal do Brasil. José Luiz. 1967 p. Geopolítica do Brasil. VERGARA. 4. mimeo. VILLAÇA. . 1973. UNIÃO INTERNACIONAL DE ESTUDOS SOCIAIS. Edição do Centro D. Leonardo. 90 anos". 1977. 321-382 947-965.a ed.cpnn. (mimeo. 324 p. Balbina Ottoni. Loyola. 386 p. YAZBEK . Rio de Janeiro. tese de Doutoramento. 237 p.. 1940. VIEIRA. PUCSP 1974. 125 p. 2. Rio de Janeiro. 2. 288 p. "Jacques Maritain. VAN ACKER. Zahar. Pe. p. 159 p. J. p. VAN GESTEL G. UNIÃO CATÓLICA INTERNACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL. Estudo da Evolução Histórica da Escola de Serviço Social de São Paulo no Período de 7936 a 7945. E nasceu daí! Quanto ao segundo capítulo. Paz e Terra. I. 1977. Perspectivas Cristãs de uma Promoção Humana e Social. São Paulo. John D. A Política do Desenvolvimento na Era de Vargas (The Po litics of Brazilian Development 1930-1954). 1968. no primeiro capítulo. Antonio Carlos. Agir. ao abordar "Serviço Social e Desenvolvimento".. 219 p. trad. Grijalbo. "O Modelo Brasileiro de Desenvolvimento"./1972. 1974. que tentam esconder a realidade: o Serviço Social foi (é?!) mesmo uma necessidade histórica dos poderosos para a manutenção do status quo. 1961. Fundação Getúlio Vargas. 49 p. 1956. Liberalismo e Sindicato no Brasil. de 12-14/jul. URBINA TELLES. Maria T iícia Carvalho da.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful