P. 1
Apostila_de_CLP_v4

Apostila_de_CLP_v4

|Views: 8.103|Likes:
Publicado pornilsonery
Todos os direitos reservados ao ator do documento...
Todos os direitos reservados ao ator do documento...

More info:

Published by: nilsonery on Jun 19, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/24/2015

pdf

text

original

A classe mais comum de interface de entrada/saída é o tipo discreto. Esta interface conecta

dispositivos de entrada de campo, que fornecem sinais de entrada independentes e distintos em

natureza dos sinais eletrônicos da interface, ou dispositivos de saída para campo que necessitem de

sinais independentes e distintos em natureza dos sinais eletrônicos da interface para controlar seu

estado. Estas características limitam a interface em sensorar sinais do tipo ON/OFF ou fechado/aberto.

Para esta interface o sinal de entrada é essencialmente uma chave que esta aberta ou fechada. Da

mesma forma, o controle da saída é limitado a dispositivos que somente requerem comutação em dois

estados, tais como ON/OFF ou ligado/desligado.

Controlador Lógico Programável

30

Tabela 1 – Entradas e saídas discretas

Dispositivos de Entrada

Dispositivos de Saídas

Chaves seletoras

Alarmes

Push buttons

Relés de controle

Fotoelétricos

Ventiladores

Chaves limites

Lâmpadas

Contatos de relés

Buzinas

Chaves de nível

Motores

Chaves de proximidade

Válvulas solenóides

Cada entrada ou saída é alimentada por alguma fonte de alimentação que podem ser ou não de

mesma magnitude ou tipo (p. ex. 120 VAC, 24 VDC). Por esta razão, circuitos de interface são

disponíveis para vários valores de tensão AC e DC, como listado na Tabela 2.

Quando em operação, se a chave de entrada é fechada, a interface de entrada monitora a tensão

fornecida e a converte em um sinal aceitável para o processador indicando o estado do dispositivo. Um

estado lógico 1 indica um estado ON ou fechado do dispositivo externo e um estado lógico 0 indica um

estado OFF ou aberto do dispositivo.

Tabela 2 - Valores padrões para interfaces discretas

Entradas

Saídas

12/48 VAC

12/48 VAC

12/48 VDC

12/48 VDC

110/220 VAC

110/220 VAC

Controlador Lógico Programável

31

Nível TTL

Contato de relé

O circuito de entrada é composto por duas seções principais potência e lógica. Estas duas

seções são normalmente desacopladas eletricamente por um circuito isolador (ver a Figura 13).

Figura 13 – Diagrama em blocos típico de uma entrada discreta

A seção de potência basicamente realiza a função de conversão da tensão de entrada (110

VAC, 220 VAC, Tc) para um nível DC compatível com a interface. Após o retificador, o sinal DC

passa por um circuito filtro que elimina o ruído elétrico e realiza o antibounce do sinal de entrada. Este

filtro provoca um atraso de 9-25 ms. O circuito threshold detecta quando o sinal atinge o nível de

tensão especificado para o nível lógico. Se o sinal excede e permanece acima do limite de tensão por

um tempo no mínimo igual ao atraso do filtro, o sinal é reconhecido como uma entrada válida.

Quando um sinal válido é detectado, o circuito isolador gera um sinal na seção lógica

completando assim uma transição eletricamente isolada de um sinal AC para o nível lógico

correspondente. O sinal DC na seção lógica fica disponível para o processador através do seu

barramento de dados.

A conexão típica para os dispositivos de campo é mostrada na Figura 14. A maioria dos cartões

de entrada utiliza um indicador LED ou Neon para indicar a presença do sinal de entrada (potência). Se

o indicador estiver aceso a chave correspondente deve estar fechada. Um indicador LED pode estar

L2

Retificador
de
entrada
(apenas AC)

Isolador

Lógica

Filtro e
detetor de
nível

Potência

Lógica

L1

LED indicador de status da entrada

Controlador Lógico Programável

32

disponível para indicar o estado lógico 1 na seção lógica. Desta forma, visualmente pode ser detectado

o funcionamento correto do canal de entrada.

A1
A2
A3
A4
A5
A6
A7
A8

B1
B2
B3
B4
B5
B6
B7
B8

C1
C2
C3
C4
C5
C6
C7
C8

D1
D2
D3
D4
D5
D6
D7
D8

FUSE

~

N

H

1

3

A3

4

5

A5

6

A7

8

9

10

A1
A2

A4

A6

A8

2

7

~

N

H

11

13

B3

14

B5

16

B7

20

B1
B2

B4

B6

B8

12

17

~

N

H

21

23

C3

24

25

C5

26

C7

28

29

30

C1
C2

C4

C6

C8

22

27

~

N

H

31

33

D3

34

35

D5

36

D7

38

39

40

D1
D2

D4

D6

D8

32

37

18

19

15

MODULE IC697MDL250
LABEL 44A726758-004

INPUT
120VAC

Figura 14 - Diagrama de conexões típicas para módulo de entradas da GE-Fanuc

O módulo de entrada para AC/DC possui todos os circuitos necessários para a interface entre os

dispositivos ON/OFF, tais como, chaves seletoras, limitadores e os níveis lógicos exigidos pelo

controlador programável. Todos os módulos de entrada contém os circuitos para dois canais de

entrada individualmente isolados. Cada canal aceita um sinal AC (48-63 Hz) ou um sinal de entrada

Controlador Lógico Programável

33

DC de tensão especificada. A lógica é 1 quando o sinal de entrada atinge um limite pré determinado. A

isolação elétrica entre o sinal de entrada e o sinal lógico é obtida através de opto-acopladores.

De forma similar, um circuito de saída discreto é composto por duas seções principais acopladas

por um circuito isolador (ver Figura 15). Durante uma operação normal, o processador envia para o

circuito lógico o estado da saída de acordo com a lógica do programa. Se a saída é energizada, o sinal

lógico 1 proveniente do processador alimenta a seção lógica de forma a energizar o dispositivo de

campo.

Figura 15 – Diagrama em blocos típico de uma saída discreta

Em um módulo de saída AC, a seção de potência geralmente usa um Triac ou um SCR para

comutar a carga. A chave AC é normalmente protegida por um circuito RC (snubber) e freqüentemente

um MOV - Metal Oxide Varistor, que são utilizados para limitar o pico de tensão a um valor seguro e

também para evitar que ruídos elétricos perturbem a operação do circuito. Um fusível pode ser

fornecido no circuito de saída para evitar que uma corrente excessiva danifique o elemento comutador.

São fornecidos indicadores para sinalizar o estado lógico e o circuito de potência. Na presença de

fusíveis o seu estado é sinalizado por indicadores.

O circuito de saída DC tem uma operação funcional similar à saída AC, entretanto, o circuito de

potência geralmente emprega um transistor de potência para chavear a carga.

Potência

Lógica

Lógica

Chave
Eletrônica

Isolador

L1

LED indicador de status da saída

L2

Do barramento do
CLP

Controlador Lógico Programável

34

A1 2 3 4 5 6 7 8

B1 2 3 4 5 6 7 8F

RELAY N.O.

OUTPUT

1

3

2 AMP

2

V

A1

A2

A3

A4

5

6

7

8

9

10

1

12

13

14

15

16

17

18

19

20

4

V

A5

A6

A7

A8

V

B1

B2

B3

B4

V

B5

B6

B7

B8

44A726782-015
FOR USE WITH
IC693MDL940

Figura 16 - Conexões entre módulo de saída discreta e dispositivos de campo

Os módulos de saída a contato de relé permitem que dispositivos de campo sejam comutados

por contatos NA e NF de relés. Os contatos podem ser usados para comutar cargas AC ou DC, mas

normalmente são utilizados em aplicações tais como:

• Multiplexação de sinais analógicos;

• Comutação de pequenas correntes a baixa tensões;

• Interface para controle de diferentes níveis de tensão.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->