P. 1
PRINCIPIOS DA CINTILOGRAFIA MIOCARDICA

PRINCIPIOS DA CINTILOGRAFIA MIOCARDICA

|Views: 4.835|Likes:
Publicado porJoao Bruno Oliveira
Aula apresentando principios basico da Cardiologia Nuclear
Aula apresentando principios basico da Cardiologia Nuclear

More info:

Published by: Joao Bruno Oliveira on Jun 25, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/30/2013

pdf

text

original

PRINCÍPIOS DA CINTILOGRAFIA MIOCÁRDICA

I Jornada de Teste Ergométrico e Cardiologia Nuclear

INTRODUÇÃO

Os exames de imagem em medicina podem ser divididos em dois tipos:
• Exames que usam radiação ionizante • Exames que não usam radiação ionizante

Radiações e espectro eletromagnético

Radiação ionizante

A radiação ionizante é uma radiação de alta energia que tem o poder de penetrar e se transmitir através dos tecidos.

Radiação ionizante X radiação nãoionizante

INTRODUÇÃO

No grupo dos exames que usam radiação ionizante podemos enquadrar as radiografias e as cintilografias. Os raios-X se originam de um tubo de raios-X onde elétrons de alta velocidade bombardeiam um alvo de tungstênio (anodo).

TUBO DE RAIOS-X

O coração de uma máquina de raiosX é formado por um par de eletrodos – um cátodo e um ánodo – dentro de um tubo de vidro (tubo de raios-X). Quando uma corrente elétrica passa pelo cátodo ele se transforma em um filamento incadescente.

TUBO DE RAIOS-X

O calor faz com que elétrons saiam do cátodo em direção ao ánodo positivamente carregado (um disco de tungstênio).

TUBO DE RAIOS-X

A grande diferença de voltagem entre o cátodo e o ánodo faz com que os elétrons viajem em grande velocidade. Eles atingem o disco de tungstênio com tremenda força, arrancando um elétron da camada mais periférica. Um elétron de uma camada mais interna ocupa o espaço vago pelo que foi arrancado.

FORMAÇÃO DE RAIOS-X

FORMAÇÃO DE RAIOS-X
Bremsstrahlung

TUBO DE RAIOS-X

Formação da Imagem de Raiosx

A absorção diferencial do feixe de raios-x através do corpo cria uma imagem de sobra inversa do corpo. Estruturas menos densas e com menor peso atômico permitem uma maior penetração do feixe de radiação, fazendo com que haja maior fluorescência na camada fluorescente do cassete de raiosx. Daí os pulmões aparecerem como áreas escuras e os osso como áreas mais claras no filme.

Formação da Imagem de Raiosx

Formação da Imagem de Raiosx

Formação de imagens em Medicina Nuclear

As imagens obtidas em Medicina Nuclear são formadas a partir da introdução de um marcador radioativo no corpo do paciente. Este marcador recebe o nome de radiofármaco. Após injetado ele se concentra no orgão-alvo em estudo.

Formação de imagens em Medicina Nuclear

Para cada órgão teríamos um radiofármaco específico. Para uma cintilografia pulmonar injetamos macro-agregados de albumina marcados com Tc-99m. Para a cintilografia do miocárdio injetamos uma isonitrila chamada de sestamibi marcada com Tc-99m.

Cintilografia do miocárdio

Cintilografia do miocárdio

Tomografia X imagens planares

Uma tomografia consiste no “fatiamento” de um orgão em vários cortes e planos. Estes cortes quando vistos seqüencialmente, ou quando integrados por um programa de computador, permitem a visualização e compreensão da anatomia tridimensional.

Tomografia X imagens planares

Tomografia computadorizada

SPECT DO MIOCÁRDIO

SPECT DO MIOCÁRDIO

SPECT DO MIOCÁRDIO

Gated Myocardial SPECT
State of the Art

Gated SPECT

Gated SPECT

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->