Você está na página 1de 30

Faculdade de Tecnologia SENAI Cimatec

Disciplina: Metalurgia da Soldagem I

Tópico
- Fundamentos do processo de formação e solidificação da
Zona Fundida

Docente: Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


2009
Índice (conteúdos abordados)

• Apresentação da disciplina
• Importância do estudo da Metalurgia da Soldagem
• Fundamentos da transferência de calor aplicados à
soldagem
• Fundamentos da formação da Zona Termicamente Afetada
• Fundamentos da formação e solidificação da Zona Fundida
• Transformações de fases, no estado sólido, decorrentes da
operação de soldagem (ligas ferrosas)

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Apresentação

 Ementa: Importância do estudo da metalurgia da soldagem; Fundamentos de


transferência de calor; Fundamento da formação da Zona Termicamente Afetada;
Fundamentos da formação da Zona Fundida; Princípios de transformação de fase no
estado sólido aplicados à soldagem.

 Referências:
KOU, Sindo. Welding Metallurgy; WAINER, Emilio. Soldagem: Processos e Metalurgia;
MESSLER, R.. Principles of Welding: Processes, Physics, Chemistry, and Metallurgy;
MACHADO, Ivan. Soldagem e Técnicas Conexas: Processos; ASM. ASM Handbook:
Welding, Brazing and Soldering; AWS. Welding Handbook: Welding Science and
Technology; OYSTEIN, Grong. Metallurgical Modelling of Welding; MESSLER, R.
Joining of Materials and Structures; BONNET, C. Le Soudage Métallurgie et Produits;
ISF Aachen. Welding Metallurgy; Revista Soldagem & Inspeção; Revista Welding
Journal.

Consultas/dúvidas: barra@cimatec.fieb.org.br

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Considerações iniciais

A estabilidade da existência de uma fase/estado dependerá da combinação entre a


energia livre de volume e a temperatura apresentada na região de interesse.
Gl – líquido
O incremento na quantidade
Gs - sólido de sub-
sub-resfriamento
∆G = 0 (supercooling),
supercooling), abaixo de Tf,
∆G > 0 provoca a elevaç
elevação na driving
force termodinâmica para
T` solidificaç
solidificação.

∆G < 0

Material puro

- Na prá
prática a passagem do estado lílíquido para o estado só
sólido não acontece espontaneamente quando a
temperatura está
está abaixo de Tf. Assim, pequenas quantidades de sósólidos nucleiam e crescem produzindo a
completa solidificaç
solidificação.
- A nova superfí
superfície “embrião”
embrião” criada pela solidificaç
solidificação (superfí
(superfície entre só
sólido e lílíquido) apresenta uma energia
por unidade de área que é a tensão superficial (γ solidificação γ será
(γ). Para haver solidificaç será sempre positiva e ↓↓ ∆G.

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Como se origina um sólido a partir do estado líquido?

Basicamente, existem três maneiras que o sólido poderá ser formado:


a) Nucleação homogênea (ausência de corpo estranho – partículas, parede, etc.);

r* - raio crítico - A adiç


adição de qualquer átomo ao r* irá
irá reduzir a energia e
propiciar o crescimento. Ao contrario, a reduç
redução de r* irá
irá
Energia de ativaç
ativação induzir o desaparecimento do nú
núcleo.
- Para r* ficar está
estável é necessá
necessário que a energia associada
∆G má
máximo com a γ seja elevada e a energia de volume ∆Gv seja
reduzida.
- Quanto maior o supercooling menor seráserá o valor necessá
necessário
de r* para tornar a solidificaç
solidificação está
estável.
- Quanto maior o supercooling mais negativa será
será a energia
livre (menos positivo ∆G*)
G*) e, consequë
consequëntemente, maior será
será
a taxa de nucleaç
nucleação do só
sólido.
Condiç
Condição para a existência e
crescimento de um nú
núcleo
b) Nucleação heterogênea (presença de corpo estranho “impurezas” e subresfriamento
entre 5 e 20 °C);
c) Crescimento epitaxial** (a partir e na mesma direção dos grãos do substrato).
**Um caso especial da nucleaç
nucleação heterogênea, onde não está
está sendo formada uma nova superfí
superfície, mas sim os
átomos estão apenas sendo adicionados ao substrato (lí
(líquido e substrato do mesmo material ou com composiç
composições e
estruturas similares – por exemplo, soldagem autó
autógena).

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Nucleação e crescimento a partir do substrato

Para crescimento epitaxial


(igualdade de composição química
entre metal de base metal de solda) o
ângulo de molhamento é zero.

Mudança no perfil da energia


Ângulo de molhamento ∆G) em função do tipo de
livre (∆
nucleação.
Nucleação do embrião a partir do
substrato “metal de base”. Forma
esférica para minimizar energia
interfacial.

r > r*
Crescimento dos grãos com a
mesma direção dos grãos da ZTA

Energias superficiais do sistema:


γML – energia superficial do metal de base-líquido; γSM –
Energia superficial do metal solda sólido-metal de base
sólido; γSL – energia superficial do metal de solda sólido-
líquido. Fonte: Vedia, 2004.

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Em relação ao processo de fusão e solidificação, qual a
diferença entre a soldagem e a fundição?

Critérios de comparação entre a solidificação em um molde (fundição)


e na poça e fusão (soldagem) – diferentes condições de contorno:
a) Diferentemente da zona fundida, o molde é preparado para não haver aderência entre
o metal líquido e a parede (pobre transferência de calor);
b) Na soldam, o calor é continuamente adicionado à poça durante o deslocamento do
arco (no molde, após o vazamento, não há nenhum tipo de alimentação de calor). O
gradiente térmico apresentado na poça (∆T ≈ 1000 °C entre o centro e barda da poça)
ajuda no o crescimento não-planar;
c) Na soldagem a solidificação inicialmente é epitaxial (undercooling ≈ 1 °C) e no molde
é heterogênea (alguns graus);
d) Na soldagem a forma da poça é mantida constante com a vs (no molde o volume de
líquido remanescente decresce e, assim, a forma da poça e alterada continuamente);
e) Pela diferença de volume de metal líquido, a taxa de solidificação é mais baixa no
fundido do que na zona fundida;
f) Na soldagem, a poça de fusão é mais agitada do que no molde (pressão do arco,
impacto das gotas, campo magnético, diferença de temperatura no metal líquido).

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Super-resfriamento constitucional e modos básicos de solidificação

O mecanismo de solidificação de uma liga é muito mais complexo do que em um


Fração de sólido variando com a temperatura
material puro. (transformação reversível)

Existência de apenas
líquido

Temperatura de %
fusão do elemento A

Existência de apenas Temperatura de


Variaç
Variação da T em sólido fusão do elemento B
funç
função da C
Bocal

TL = TmA + ML.CL Diagrama biná


binário A-
A-B
Gás de proteção

TS = TmA + MS.CS Bico de contato

K = CS/CL Projeção do
arame (stickout)
Onde: C – concentraç
concentração do soluto; K - .cosθ
Rs = vs.cosθ DCP
coeficiente de distribuiç
distribuição e M –
coeficiente angular da reta de soluto Metal de solda
temperatura. S L Metal de base

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


O processo físico atuante na soldagem a arco

Condições observadas na soldagem: Alta taxa Bocal

de resfriamento e agitação da poça (mistura Gás de proteção

do metal líquido). Bico de contato

Expulsão de soluto
Projeção do
para a frente de Rs = vs arame (stickout)
solidificaç
solidificação. DCP
soluto

S L Metal de solda
Metal de base

Esta condição não permite a redistribuição do soluto e, como conseqüência, haverá um gradiente
de concentração na vizinhança da frente de solidificação.

Consideraç
Considerações:
Solidificaç
Solidificação unidirecional e extraç
extração de calor
paralela a direç
direção de Rs.
Em T3 a frente solidificada tem composiç
composição Co e o
XL = 5DL/Rs
novo só
sólido a ser formado terá
terá composiç
composição CL3.
XL é a distância onde C = Co
DL é a taxa de difusão do soluto no lílíquido.

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Super-resfriamento Constitucional

O que causa instabilidade na interface


sólido-líquido planar (super-resframento
constitucional)?
- Baixo gradiente térmico G;
- Elevada velocidade de solidificação Rs;
- Inclinação da linha liquidus (ML);
- Concentração de elemento de liga (em
soldagem, subresfriamento a percentuais
maiores 0,2%);
- Diferença de contração de soluto entre
Onde: R = vscosθ as fases sólidas e líquidas.

Em (a) Diagrama de fase; (b) Perfil de composição “soluto” no líquido e (c) perfil e temperatura na linha liquidus (Fonte: Kou, 2002;
Vedia, 2004).

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Super-resfriamento constitucional

Consideraç
Considerações:
Curva de temperatura abaixo da qual
poderá
poderá haver nucleaç
nucleação Em (a) é apresentada a relaç
relação entre o perfil de temperatura
e o valor de C.
Quanto maior o gradiente de concentraç
concentração (diferenç
(diferença de
temperatura entre a interface S-L e o restante da poç
poça),
s maior será
será susceptibilidade à trinca a quente.
quente.
Em (b) são apresentados diferentes gradientes de
temperatura (G(G – tangente da curva T x distância)
distância) e as suas
possí
possíveis influências sobre a frente de solidificaç
solidificação (posiç
(posição
relativa de cada uma das temperaturas representadas pelas
retas). G (°C/mm).
Super-
Super-resfriamento – é a reduç
redução local da temperatura
abaixo da Tliquidus.

β G = tang β
Condiç
Condição para haver super-
super-resfriamento
constitucional:
Região apresentando super-
super-
resfriamento constitucional
(solidificaç
(solidificação não-
não-planar) G < ML.Rs.Co(K-1)/DL.K
Como ML.Co(1-(1-1/K) é igual a ∆T = TL – TS
(faixa de equilí
equilíbrio no resfriamento)

G < Rs.∆T/DL (°C/mm)


Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.
Formas de crescimento

Exemplo prático
a) Para um liga liga Al-4%Cu, encontra-se: TL = 650
°C, TS = 580 °C, DL = 3.10-5 cm2/s, Rs = 0,003
cm/s. Calcule o valor mínimo de G para garantir
um crescimento não-planar.
G < Rs.∆T/DL
G < 0,003.(650 – 580)/3.10-5
Efeit0 do super-resfriamento constitucional sobre
G < 7000 °C/cm o modo de solidificação da zona fundida
(incremento de “a” para “d”). Fonte: Kou, 2002.
b) Calcule a distância XL (distância onde C cai para Co).
XL = 5.DL/Rs = 0,05 cm

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Outras formas de crescimento em função do super-resfriamento
constitucional

Fonte: Kou, 2002.

a b Modos de solidificações básicos. Em (a) Solidificação Planar de tetra


brometo do carbono, (b) Solidificação Celular do tetra brometo de
carbono com baixa quantidade de impureza, (d) Solidificação celular
dendrítica do tetra brometo de carbono com elevada quantidade de
impureza e (e) Solidificação equiaxial dendrítica do ciclo-hexanol com
presença de impureza.

d e
Quais as variáveis operacionais que podem alterar
o valor de G (°C/mm)?
↑ Is – ↓ G
↑ Us – ↓ G
↑ vs – ↑ G

↑ To – ↓ G

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Distribuição de soluto (concentração)

Distribuição de soluto no interior e nos contornos das células e/ou dendrítas


(enriquecimento) Menor concentraç
concentração Consideraç
Considerações:
↑ G/Rs1/2 ou ↓ Co de soluto no centro
Para o crescimento celular (a), ocorre uma
pequena variaç
variação do perfil da concentraç
concentração.
Para o crescimento dendrí
dendrítico (b), é nítida a
diferenç
diferença de concentraç
concentração de soluto entre o
centro e a borda.
As regiões enriquecidas com Co apresentam
uma reduç
redução na freezing ranger (presenç
(presença de
filmes lí
líquidos entre o metal já
já solidificado).

↓ G/Rs1/2 ou ↑ Co

E como minimizar a tendência à trinca a quente?


Reduzindo Co, elevando G/Rs1/2 ou baixando o Hnet (Is, Us ou vs)

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Efeito de vs sobre solidificação da poça de fusão

Efeito da velocidade de soldagem (indiretamente Rs) sobre a forma e microestrutura


da poça de fusão
a) A velocidade de soldagem não apenas afeta a taxa e solidificação, como também influi sobre
a geometria da poça e sensibilidade ao surgimento de trincas no centro do cordão
(desequilíbrio entre a taxa de solidificação e taxa de fusão)
b) A solidificação ocorre sempre normal a interface S-L (direção de maio extração de calor);
c) Como Rs varia ao redor da poça a microestrutura também varia em cada ponto;
Ripples/escamas
Ripples/escamas superficiais
(formaç
(formação de bandas de soluto
– variaç
variação no Hnet)

↓ Hnet
Rs = vs.cosφ ↑ Rs
↑ Co

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Sérgio Barra, Dr. Eng.
Efeito de vs sobre solidificação da poça de fusão

d) Esta característica induz um crescimento planar em Rs → 0 (↓ Rs e ↑ G) e não-planar a


medida que direciona para a parte de traz da poça (↑ Rs e ↓ G); G (Rs.G)’ > (Rs.G)
Estrutura
refinada
Planar
(Rs.G)’

vs Celular (Rs.G)
Colunar
dendrítico
Equiaxial
dendrítico
Fonte: Barra, 2003. Rs

TIG
Fonte: Messler, 2004.

d) Um aspecto mais grosseiro da


estrutura não-planar é esperado a Alumínio

medida que se eleva Rs; SDAS = 10,97 µm

↑ Rs2 – ↓ Espaçamento interdendrítico Laser


↑ Rs – ↓ raio da ponta da dendrita
Lembrar que: R (°C/s) tem a mesma Alumínio
dprimário = a1(G2Rs)-1/2 SDAS = 4,05 µm
dimensão de G.Rs (°C/s) dsecundário = a2(GRs)-n Fonte: Govender, 2007.

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Efeito da taxa de resfriamento
“G.Rs” (°C/s) ou tempo de
solidificação sobre o
espaçamento dendrítico
“SDAS” (Fonte: Kou, 2002;
Brooks/Cole, 2003.)

Efeito do gradiente de
temperatura (G) e da taxa de
solidificação (Rs) sobre a
morfologia e tamanho de
estrutura de solificação (Fonte:
Kou, 2002)

Exercícios de fixação

1) Para a liga Al–Mg AA 5052 (97,5% Al e 2,5% Mg), considerando 40 °C a diferença de temperatura entre
as linhas solidus e liquidus, velocidade de soldagem de 6 mm/s, coeficiente de difusão no líquido “DL” igual
a 3 x 10-5cm2/s, determinar o mínimo gradiente de temperatura para que o crescimento seja planar. Qual a
largura da região de expulsão de soluto, gradiente de concentração difusional, “X”? Qual a correspondente Densidade de
taxa de resfriamento? potência “constrição
G < Rs.∆T/DL do arco” sobre a
geometria da Zona
XL = 5.DL/Rs Fundida.

2) Considerando a figura ao lado, discuta o efeito do pré-aquecimento e da densidade de potência, sobre o


espaçamento dendrítico.

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Espaçamento dendrítico

(Fonte: Brooks/Cole, 2003) Material: aço carbono,


contendo de 0,1 a 0,9% de C

Comportamento do
(Fonte: Jarfors, 2002) espaçamento
dendrítico em
função do tipo de
material, taxa de
resfriamento e calor
aportado.

Material: Stellite; Processo: Laser (Fonte: Hevitt, 1995)

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Interface entre crescimento colunar – equiaxial (transição)

Influência do processo de soldagem


- Valor do gradiente térmico (G)
- Valor da velocidade da frente de
solidificação (Rs)
Influência da liga (metal de adição e
metal de base)
- Tamanho da zona pastosa (∆Tc)
- Densidade dos sítios de nucleação (N0)

Gn/Rs > a.(N01/3.T0)n > K


Condição para crescimento colunar
Gn/Rs > K

Alto G

Estrutura da zona fundida em função do


heat input e da velocidade de soldagem.
Material aço carbono 0,038% C, 1,5 mm
espessura. Fonte: Lancaster.
Baixo Rs

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Geometria da poça de fusão x direção de crescimento dos
grãos

Efeito da mudança na direção e forma de crescimento dos grãos na zona fundida

Deslocamento
da poç
poça ↓ vs

Área com concentraç


concentração de
soluto rejeitado

↑ vs

Mudanç
Mudança continua
na direç
direção de ↑ vs
crescimento dos
grãos (Fonte: Barra, Heterogênea
2003). nucleaç
nucleação (Al)

Mudanç
Mudança na forma da granulometria da zona
fundida

O crescimento competitivo faz os grãos se alinharem sempre na dire


direç
ção
de maior extraç
extração de calor (mudanç
(mudança na direç
direção de crescimento).

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Resumo das características do processo de solidificação da poça

Fonte: Barra, 2003


Rs
T = ƒ(C) C0
G Equiaxial G/Rs governa o modo de solidificação,
dendrítico
Tlíquido
Colunar
assim:
C = C0 dendrítico
Tinterface
Planar
↓ G/Rs – ↑ largura da região de super-
S L resfriamento constitucional (XL).
Celular
XL = 5DL/Rs
aumenta do super-resfriamento constitucional

A manipulação do valor de G/Rs1/2


Planar
aumenta

controla a possibilidade do surgimento


G/ Rs de trinca a quente.
Celular (Rs.G)’ > (Rs.G)
S L G
G/Rs P Estrutura
refinada
Planar G.Rs (que é equivalente a taxa de
(Rs.G)’
resfriamento R) governa a escala de
diminui

Celular (Rs.G)
solidificação da estrutura, assim:
Colunar
dendrítico
Colunar
↑ G.Rs – ↑ refino da subestrutura
S L
P dendrítico (espaçamento dendrítico).
Equiaxial
Região
dendrítico
pastos
a Rs
S - sólido
Equiaxial L - líquido
dendrítico P - pastoso
S L C0 - concentração do soluto
P

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Efeitos de G e Rs

Exemplo prático: Efeitos de G.Rs e G/Rs sobre a morfologia da zona fundida.


↓ G.Rs
Processo: MIG/MAG Té
Térmico
Material:
↑ G/Rs
Metal de base - AlMg (AA 5052-
5052-
H34)
Consumí
Consumível - AWS ER 5356

↑ G.Rs
↓ G/Rs

Fonte: Barra, 2003.

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Forma de crescimento

Exemplo prático: Solidificação epitaxial


Processo: MIG
Material: Processo: Feixe de elé
elétrons
Aço inoxidá
inoxidável Material: Alumí
Alumínio

Zona
fundida
Crescimen
to epitaxial
ZTA
Linha de
fusão

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Efeitos dos parâmetros de soldagem na nucleação
heterogênea

Em (a) baixo super-


Soldagem do AA 1100. Em (a)
resfriamento constitucional, Is
elevada Is e vs; (b) Baixa Is e e vs; (b) baixo super-
vs. Fonte (Kou, 2003)
resfriamento constitucional, Is
e vs. Fonte (Kou, 2003)
Soldagem TIG do, AA 6061. Em
(a) 70 A, 11 V, 5.1 mm/s; (b) 120
A, 11V, 12.7 mm/s. Fonte (Kou, Em cada um dos casos acima, Como se
2003) comporta os valores de G e Rs?

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Refino da Zona Fundida

Técnicas de refino aplicáveis no processo de solidificação da poça de fusão.

Técnica de refino Mecanismo atuante (*)

Métodos térmicos
- Controle das taxas de aquecimento e resfriamento (calor a b c
aportado, interpasse e pré-aquecimento)
- Nucleação superficial estimulada (jato de gás frio) a b
Métodos mecânicos
- Vibração (mecânica e ultrasônica) c
- Agitação eletromagnética, gasosa ou mecânica (campo a c
magnético, oscilação da tocha, borbulhamento, pulsação do
arco e impacto das gotas)
Métodos químicos
- Adição de elementos de liga a b
- Adição de inoculantes no metal líquido a c
(*) a – introdução de pontos nucleantes na poça (nucleação heterogênea); b – evitar refusão dos núcleos existentes e
c – multiplicação de grãos.

Fonte: Barra, 2003

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Controle da estrutura dos grãos

Exemplos das técnicas de refino aplicáveis na zona fundida


b) Agitação pela pulsação de corrente
a) Inoculantes A agitaç
agitação da poç
poça é uma das té
técnicas utilizadas na
A granulometria da poç
poça pode ser refinada atravé
através da adiç
adição de supressão do crescimento colunar (em geral
partí
partículas de inoculantes (nucleaç
(nucleação heterogênea – ferro-
ferro-nió
nióbio, recomenda-
recomenda-se maior amplitude e menor freqü freqüência de
carbeto de titânio, ferro-
ferro-titânio para o aç
aço e zircônio e titânio para o oscilaç
oscilação – fatores como Hnet,
Hnet, lo e espessura també
também
Al). devem ser considerados). També
Também, influencia no
espaç
espaçamento dendrí
dendrítico (taxa de resfriamento).

Ti. (a) Corrente


contínua e (b)
pulsação
alternada (CA).
Fonte:
AA 6061. Nucleação heterogênea Sundaresan,
decorrente da combinação de
1999
pulsação da corrente (elavada vs) e
adição de 0.04% Ti. Fonte: Kou,
2003

Processo de soldagem TIG; Material AA2090


(Al–Li–Cu). Em (a) vareta 2319 (Al–Cu) e (b)
vareta 2319 (Al–Cu) com 0.38% T. Fonte: Kou,
Fonte: Cunha, 2008
2003

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Controle da estrutura dos grãos

d) Agitação pela oscilação manual do


c) Agitação pela imposição de campo magnético
arco (eletrodo/tocha – 1 Hz)
Agitaç
Agitação da poç
poça pela imposiç
imposição de um campo magné
magnético alternante
Mudanç
Mudança na direç
direção de crescimento do grão colunar.
colunar. É
paralelo ao eletrodo.
eletrodo. uma das tétécnicas utilizadas na supressão do
crescimento colunar (em geral recomenda-
recomenda-se maior
amplitude e menor freqü
freqüência de oscilaç
oscilação – fatores
como Hnet,
Hnet, lo e espessura també
também devem ser
considerados). També
Também, influencia no espaç
espaçamento
dendrí vs↑).
dendrítico (vs↑

Soldagem do Al sem a
Aplicação de campo oscilação da tocha
magnético externo durante a (alinhamento no final da
soldagem TIG. Fonte: Kou, solidificação).
2003.
Soldagem do Al com
oscilação da tocha.
Fonte: Kou, 2003.

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Controle da estrutura dos grãos

e) Agitação mecânica controlada (eletrodo/tocha)


e) Estímulo da nucleação na
Para uma dada freqü
freqüência de oscilaç
oscilação do arco, cuidado dever ser
tomado quanto ao valor adotado para a amplitude,
amplitude, uma vez que, por um superfície da poça
lado, seu incremento causa o refinamento no tamanho de grão, reduz
reduz Para uma dada freqü
freqüência de oscilaç
oscilação do arco,
microsegregaç
microsegregação e, por outro, aumenta o grau de porosidade, engrossa cuidado dever ser tomado quanto ao valor adotado
os braç
braços dendrí
dendríticos secundá
secundários; promove a sensibilidade ao para a amplitude,
amplitude, uma vez que, por um lado, seu
surgimento de trinca quente na borda. incremento causa o refinamento no tamanho de grão,
reduz microsegregaç
microsegregação e, por outro, aumenta o grau
de porosidade, engrossa os braç
braços dendrí
dendríticos
secundá
secundários; promove a sensibilidade ao surgimento
de trinca quente na borda.

Efeito da
amplitude da
vibração na
soldagem do Al-
Mg (tamanho de
grão e
subestrutura).
Fonte: Kou, 2003.

Estímulo da nucleação superficial


pelo jato “sopro” de gás inerte
“frio”, produzindo super-
resfriamento constitucional (Fonte:
Kou, 1987).

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Controle da estrutura dos grãos

f) Outras técnicas utilizadas no refino da zona fundida são: fragmentação dendrítica e


destacamento de grão.

Dendrite
fragments

Adaptado de Kou (1987)

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.


Onde buscar informações sobre a área de soldagem?
Associação Brasileira de Soldagem - ABS (www.abs-soldagem.org.br)
American Welding Society - AWS (www.aws.org/)
Infosolda (www.infosolda.com.br/)
The International Institute of Welding - IIW (www.iiw-iis.org/)
University Cambridge (www.msm.cam.ac.uk/)
The Welding Institute and Welding & Joining Society - TWI (www.twi.co.uk/)
PATON Eletric Welding Institute (www.paton.kiev.ua/eng/inst/inst.html)
ASM (http://asmcommunity.asminternational.org/portal/site/asm/)
Edison Welding Institute - EWI (www.ewi.org/)
Labsolda UFSC (www.labsolda.ufsc.br)
Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais da UFMG (www.demet.ufmg.br)
Graco – UnB (www.graco.unb.br/)
Laprosolda – UFU (www.mecanica.ufu.br/Laboratorios/laprosolda/index.html)
Welding and Joining Institute – Aachen (www.isf-aachen.de/eng/index_en.html)

Prof. Sérgio R. Barra, Dr. Eng.