P. 1
51.A Importância dos Jogos e Brincadeiras para o Desenvolvimento Motor_Cognitivo e Sócio-Afetivo na Educação Infantil

51.A Importância dos Jogos e Brincadeiras para o Desenvolvimento Motor_Cognitivo e Sócio-Afetivo na Educação Infantil

4.17

|Views: 170.282|Likes:

More info:

Published by: Perillo José Sabino Nunes on Jul 18, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/26/2014

pdf

text

original

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO “PSICOMOTRICIDADE” PROJETO A VEZ DO MESTRE

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS PARA O
DESENVOLVIMENTO MOTOR, COGNITIVO E SÓCIO-AFETIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

Por: Sabrina Pontes Costa

Orientador Prof. Fabiane Muniz

Niterói 2007

2

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO “PSICOMOTRICIDADE” PROJETO A VEZ DO MESTRE

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS PARA O
DESENVOLVIMENTO MOTOR, COGNITIVO E SÓCIO-AFETIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

Apresentação Candido obtenção

de

monografia como grau

à

Universidade parcial para em

Mendes do

requisito de

especialista

Psicomotricidade. Por: Sabrina Pontes Costa

3

AGRADECIMENTOS

Primeiramente a DEUS, por ter me presenteado e enfeitado meu caminho com pessoas maravilhosas. Ao corpo docente do departamento de Psicomotricidade, pelos ensinamentos e disponibilidade para auxiliar. Enfim a todos os colegas, pelos momentos bons que compartilhamos.

4

DEDICATÓRIA

Dedico este trabalho ao meu noivo Rafael, meus pais Izabel e Leodomar, como resultado dos momentos em que estive ausente, pessoas estas que desejo compartilhar esta conquista e dividir os louros de mais uma vitória. Aos meus familiares, amigos sinceros, e a todos que contribuíram direta ou

indiretamente.

5

RESUMO
Há muito tempo discute-se a questão dos jogos e brincadeiras e sua importância no desenvolvimento da criança. Atualmente, vários pesquisadores mostram preocupação em compreender este fenômeno buscando,

principalmente, responder questões como: a função que estas atividades exercem sobre o desenvolvimento infantil; motivos pelos quais a criança deve brincar; o que a brincadeira proporciona à criança no que diz respeito à

aprendizagem etc. A fim de discutir estas e outras questões relacionadas ao tema “brincadeira” e considerando que o brincar tem uma importância presente projeto pretende apresentar uma breve histórico da brincadeira e sua

característica para a criança, o

definição de brincadeira, relatar um

relevância na educação e, por fim, analisar as possíveis contribuições que a brincadeira proporciona ao desenvolvimento infantil devendo ser valorizada e privilegiada no contexto educacional.

6

METODOLOGIA

Os métodos utilizados para a realização deste projeto foram leituras de livros, artigos de revistas, textos e aulas acompanhadas durante o período desta pósgraduação, buscando assim identificar, descrever e analisar a utilização do lúdico no desenvolvimento psicomotor na educação infantil. A fundamentação teórica está baseada em alguns autores, experiências, pesquisas e estudos sobre brincadeiras, brinquedos e jogos.

7

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO CAPÍTULO I - A importância dos jogos e brincadeiras na ed. infantil CAPÍTULO II - Desenvolvimento motor, cognitivo e sócio-afetivo através dos jogos e brincadeiras. CAPÍTULO III – A ludicidade no desenvolvimento infantil. CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

08 10

17 26 31 33

ÍNDICE FOLHA DE AVALIAÇÃO

35 36

8

INTRODUÇÃO

Este trabalho traz uma ampla visão da importância dos jogos e brincadeiras no processo ensino-aprendizagem e na formação da personalidade humana. A conscientização desta importância cabe ao educador, que se torna responsável pela aprendizagem e deve trabalhar a criança em sua múltipla formação, nos aspectos biológicos, sociais, cognitivos e afetivo- emocionais. Através dos jogos e brincadeiras, o educando encontra apoio para superar suas dificuldades de aprendizagem, melhorando o seu relacionamento com o mundo. Pela variedade de estímulos que oferecem, pela atmosfera de alegria e encantamento que proporcionam e, principalmente, pela presença de certas normas, o jogo e a brincadeira devem fazer parte do cotidiano escolar nas diversas áreas do conhecimento. Dão ao aluno oportunidade para se desenvolver e atendem às suas necessidades básicas no processo ensinoaprendizagem. A criança precisa brincar, inventar e criar para crescer e manter seu equilíbrio com o mundo. Nos jogos e brincadeiras infantis são reconhecidos os mecanismos de identificação cultural e de formação educativa. Tão fundamentais ao ser humano como o alimento que o faz crescer são os brinquedos e os jogos. Vão muito além do divertimento. Servem como suportes para que a criança atinja níveis cada vez mais complexos no desenvolvimento sócio-emocional e cognitivo. O presente artigo surgiu da preocupação com o repensar do processo educacional, onde temos, em nossas mãos, alunos ativos, inquietos e participantes. É preciso que haja mudanças na preparação desses alunos para a vida e não apenas para o mero acúmulo de informações. É preciso, também, conscientizar o trabalho pedagógico para a importância da formação desses alunos como um todo, com sua afetividade, suas percepções, sua expressão, seu sentido, sua crítica, sua criatividade, seu interior... É possível orientar o aluno a ampliar seus referenciais de mundo e a

9

trabalhar com todas as linguagens ( escrita, sonora, corporal, dramática, artística, etc.), integrando-o e construindo sua própria visão do universo. É importante conhecer as características do aprendiz para sabermos quais são as potencialidades que estão sendo desenvolvidas e quais as esquecidas, quais os transtornos que esse desequilíbrio pode causar no desenvolvimento do indivíduo e como podemos estimular a criança para o processo ensinoaprendizagem. A criança deve ser vista sob três dimensões: a corporal, a afetiva e a cognitiva, que devem se desenvolver simultaneamente. Se uma estiver sendo desenvolvida em detrimento da outra, certamente haverá um desequilíbrio do indivíduo em sua dimensão global.

10

CAPÍTULO I

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM.

Definir a brincadeira não é tarefa fácil. De acordo com Kishimoto (1997), uma criança atirando com um arco e flecha pode ser uma brincadeira ou pode ser uma criança que está se preparando para a arte da caça (como pode ocorrer num contexto indígena). Como diferenciar? Vários autores têm caracterizado da criança, voluntária, constituída por

a brincadeira como a atividade ou ação própria

espontânea, delimitada no tempo e no espaço, prazerosa,

reforçadores positivos intrínsecos, com um fim em si mesma e tendo uma relação íntima com a criança (Bomtempo, 1987; Brougère, 1997; De Rose e Gil, 1998; Kishimoto, 1997; Piaget, 1978; Santos, 1998; Wajskop, 1995). A partir destas informações, é importante ressaltar que o brincar faz parte da infância, porém, em várias ocasiões, os adultos (pais ou professores) propõem determinadas atividades para as crianças que parecem não cumprir os critérios acima discutidos, mas que são chamadas de “brincadeiras” pelos próprios adultos. Atenção! Se a atividade é imposta ou se parece desagradável para a criança, tudo indica que não se trata de uma brincadeira, mas de qualquer outra atividade. Uma mesma atividade pode ser considerada uma brincadeira para uma criança mas não para outra, o que torna o trabalho do educador ainda mais complexo. São várias as dificuldades que existem com relação à definição e caracterização da brincadeira, entretanto, é certo que a brincadeira assume um papel fundamental na infância; numa concepção sociocultural, a brincadeira mostra como a criança interpreta e assimila o mundo, os objetos, a cultura, as relações e os afetos das pessoas, sendo um espaço característico da infância (Wajskop, 1995). Mas desde quando a brincadeira foi alvo de discussão? Partindo-se de uma

11

perspectiva histórica, desde a Antiguidade as crianças participavam de diversas brincadeiras como forma de diversão e recreação (Wajskop, 1995). Jogos de demolir e construir, rolar aros, cirandas, pular obstáculos são exemplos de brincadeiras existentes desde a Antiguidade (Fundação Roberto Marinho, 1992). Por outro lado, vale a pena ressaltar que apenas na era do Romantismo que a brincadeira passou a ser vista como expressão da criança e a infância a ser compreendida como um período de desenvolvimento específico e com características próprias. Neste período as principais brincadeiras eram: piões, cavalinhos de pau, bola etc. (Kishimoto, 1990). A partir deste período, vários pesquisadores surgiram desenvolvendo propostas pedagógicas com a utilização de brinquedos e jogos, como por exemplo: Froebel (educação baseada no brincar), Decroly (que elaborou materiais para educação de crianças deficientes com a finalidade de desenvolver a

percepção, motricidade e raciocínio) e Montessori (que desenvolveu uma metodologia de forma a implementar a educação sensorial (Kishimoto, 1990). Já no século XX, outros pesquisadores começaram a discutir a questão das brincadeiras, entre eles, Piaget (1978), afirmando que a partir da brincadeira a criança pode demonstrar o nível cognitivo que se encontra além de permitir a construção de conhecimentos e Vygotsky, que compreendeu a brincadeira (como qualquer outro comportamento humano) como resultado de influências sociais que a criança recebe ao longo do tempo. Vale a pena ressaltar que o brinquedo cria na criança uma zona de desenvolvimento proximal e através dele que a criança obtém as suas maiores aquisições (Vygotski, 1984) As diferentes abordagens pedagógicas baseadas no brincar bem como os estudos de psicologia infantil direcionados ao lúdico, permitiram a constituição da criança como um ser brincante (Wajskop, 1995) e a brincadeira deveria ser utilizada como uma atividade essencial e significativa para a educação infantil. Sem dúvida, foi necessário um longo período até se chegar nestas conclusões e a brincadeira ser levada como algo “sério”. Hoje, esta importância e seriedade em relação ao tema podem ser expressas através do advento das brinquedotecas, dos congressos cujo tema central é a brincadeira infantil, do crescente número de artigos e trabalhos científicos com base no estudo das

12

brincadeiras etc. Na educação, não podemos deixar de nos referir ao Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (1998) que ressalta a importância da brincadeira quando afirma que educar significa “propiciar situações de cuidados, brincadeiras e aprendizagens orientadas” (p.23). Mas como a brincadeira permite o desenvolvimento e a aprendizagem? Vamos neste momento discutir as inúmeras possibilidades que o brincar proporciona à criança a partir de diferentes referenciais teóricos permitindo ao educador um maior embasamento a respeito do tema. Pense no desenvolvimento social. Como criar oportunidades lúdicas para a criança incrementar o seu repertório social bem como desenvolver relações inter-pessoais? Quando a criança brinca de faz de conta, por exemplo, ela deve supor o que o outro pensa, tentar coordenar seu comportamento com o de seu parceiro, procurar regular seu comportamento de acordo com regras sociais e culturais. Além disso, para Vygotsky (1984), a criança, ao brincar de faz de conta, cria uma situação imaginária podendo assumir diferentes papéis, como o papel de um adulto. A criança passa a se comportar como se ela fosse realmente mais velha, seguindo as regras que esta situação propõe. Nesse sentido, a brincadeira pode ser considerada um recurso utilizado pela criança, podendo favorecer tanto os processos que estão em formação ou que serão completados. Outros autores que estudam a ampliação das interações sociais a partir da brincadeira afirmam que a criança, enquanto brinca, se constitui como indivíduo diferente dos demais, entra em contato com diferentes papéis sociais e evolui quanto à diferenciação eu - outro (Almeida, 1995; Carvalho, 1981; Carvalho, 1989; Oliveira e Rossetti-Ferreira; 1993; Pedrosa e Carvalho, 1995). Certamente não é apenas o desenvolvimento social que é enriquecido durante uma brincadeira. Podemos pensar na criança envolvida numa atividade que exige um certo raciocínio necessitando levantar hipóteses e solucionar problemas; ou ainda numa brincadeira qualquer na qual ela tenha possibilidade de construir conhecimentos e enriquecer o desenvolvimento intelectual (Piaget, 1978).Por fim, não podemos deixar de mencionar as situações que a criança revive enquanto ela brinca; por exemplo: situações que lhe causaram alegria,

13

ansiedade, medo e raiva podem ser revividas em forma de brincadeira o que favorece uma maior compreensão de seus conflitos e emoções. Diante destas informações, a brincadeira pode e deve ser privilegiada no contexto educacional (não apenas na Educação Infantil mas no Ensino Fundamental também). A escola, atenta aos inúmeros benefícios que a brincadeira traz, bem como nas possibilidades que elas criam de se trabalhar diferentes conteúdos em forma lúdica, deve “lutar” sempre pra que tais atividades sejam privilegiadas e bem aceitas pelas crianças e pelos adultos responsáveis.Vale lembrar que não são necessários espaços muito

estruturados ou objetos complexos para que ocorra uma brincadeira. Espaços simples, com objetos fáceis de serem encontrados e manipulados podem se transformar em grandes aliados do educador. Pense um instante: o que as brincadeiras como esconde-esconde, pega-pega, passa-anel, bingo, boliche, morto - vivo; queimada, pular corda, corre cutia favorecem? Várias habilidades e conhecimentos, não é mesmo? Todas elas propiciam cooperação, estabelecimento e cumprimento de regras,

aprendizagem de se colocar no lugar do outro etc. Poderíamos citar várias, desde aquelas que podem ser realizadas com bebês até aquelas que exigem certo nível de conhecimento. Alguns exemplos incluem: brincadeiras com móbiles e fantoches (para a criança explorar), bonecas e carrinhos (para a criança dramatizar), blocos de

construção(favorecendo a descoberta de conceitos como tamanho, forma, quantidade, relações espaciais, seriação, noção de espaço e causalidade, além da imaginação e criatividade), quebra-cabeça (para estimular o raciocínio, a concentração e o desenvolvimento psicomotor além da cooperação e socialização); brincadeiras na água e na areia (que permitem a exploração, o exercício motor e a socialização);brincadeiras tradicionais (como amarelinha, pião, pipa, as quais possibilitam a compreensão de elementos folclóricos e remete a criança a determinados períodos históricos) e, por fim, as brincadeiras de faz de conta, que, como já discutidas anteriormente, favorecem a imaginação, imitação, possibilitam o desenvolvimento social, afetivo e os processos de raciocínio (Bomtempo, 1987; Kishimoto, 1997; Fundação

14

Roberto Marinho, 1992; Oliveira et al, 1992; Oliveira, 2000)Estas idéias servem para ilustrar alguns exemplos de brincadeiras que podem ser utilizadas na escola e o que elas proporcionam em termos de aprendizagem e desenvolvimento mostrando a importância de cada uma delas. Sugere-se que, a partir desta leitura, cada educador desenvolva e crie atividades adequadas aos seus alunos potencializando o desenvolvimento de cada um deles. De acordo com Brougère (1997), o brincar exige uma aprendizagem; sendo assim o professor terá este papel fundamental de inserir a criança na brincadeira, criando espaços, oportunidades e interagindo com ela. O desenvolvimento infantil está em processo acelerado de mudanças, e as crianças estão desenvolvendo suas potencialidades precocemente em relação às teorias existentes. Diante dos avanços tecnológicos, a criança deste novo milênio está evoluindo. O cuidado com o recém-nascido, e os estímulos que o bebê hoje recebe são muito diferentes dos cuidados de algumas décadas atrás. A mudança de hábitos e atitudes dos adultos para com o recém-nascido ocasionou alterações em todo o desenvolvimento infantil. As diferentes áreas do cérebro humano se desenvolvem por meio de estímulos que a criança recebe ao longo dos sete primeiros anos de vida. Como os estímulos são diferentes, as reações também são. Os padrões de comportamento para com o bebê e para com a criança na primeira infância se modificaram, e as crianças de hoje são mais espertas e mais inteligentes do que as crianças de algumas décadas atrás, gerando situações inesperadas. Atualmente, pais trabalham fora , as famílias são menos numerosas, e as crianças freqüentam, desde cedo, berçários, creches e escolinhas maternais, onde recebem estímulos diferentes dos que recebiam aquelas que eram criadas em casa pelos irmãos e que só eram levadas para a escola aos sete anos. É, portanto, com essas crianças que o educador tem que saber lidar, tem que reconhecer suas necessidades e procurar atendê-las dentro do contexto educacional atual. A criança, nos dias atuais, parece mais esperta e se desenvolve antes do tempo previsto, pois algumas habilidades foram estimuladas. Já pode expressar suas vontades, e seu intelecto é muito mais ativo. Porém, apresenta diferentes formas de ansiedade, de medos e de insegurança com as quais o educador

15

tem que estar preparado para lidar. Temos, hoje, educandos com características próprias de uma era tecnologicamente desenvolvida; mas temos, também, grande número de crianças imaturas e com dificuldades motoras que necessitam suprir as defasagens para o desenvolvimento de suas potencialidades como pessoa. O desenvolvimento infantil precisa acontecer, ao mesmo tempo, nas diferentes áreas para que haja o equilíbrio necessário entre elas e o indivíduo como um todo. Quando o desenvolvimento acontece apenas numa área, certamente outras ficarão em atraso, e a criança ficará desequilibrada de alguma forma. Muitas crianças passam a maior parte do seu tempo na frente da televisão ou com jogos eletrônicos. As imagens hiperestimulam a área cognitiva, mas a criança não está desenvolvendo as áreas afetiva e motora. É importante conhecer as características do aprendiz para sabermos quais são as potencialidades que estão sendo desenvolvidas e quais as esquecidas, quais os transtornos que esse desequilíbrio pode causar no desenvolvimento do indivíduo e como podemos estimular a criança para o processo ensino-aprendizagem. A criança deve ser vista sob três dimensões: a corporal, a afetiva e a cognitiva, que devem se desenvolver simultaneamente. Se uma estiver sendo desenvolvida em detrimento da outra, certamente haverá um desequilíbrio do indivíduo em sua dimensão global. A criança utiliza, de forma eficiente, os sentidos, e cabe a nós, educadores, vê-la como um ser completo, porém inexperiente, que temos de trabalhar e a quem precisamos propiciar oportunidade de pleno desenvolvimento. Se o educando mudou, igualmente o educador precisa mudar. Os métodos tradicionais de ensino não atraem mais a criança: ela quer participar, questionar e não consegue ficar parada horas a fio, sentada, ouvindo uma aula expositiva. A criança da atualidade é extremamente questionadora e não engole os conteúdos despejados sobre ela sem saber o “porquê” ou “para quê”. Portanto, o professor deve saber como a criança aprende e como ensinar. É muito mais fácil e eficiente aprender por meio de jogos. E isso é válido para todas as idades, desde o maternal até a fase adulta. O jogo em si possui componentes do cotidiano, e o envolvimento desperta o interesse do aprendiz, que se torna sujeito ativo do processo; a confecção dos próprios jogos é, ainda, muito mais

16

emocionante do que apenas jogar. Muitos jogos ganham motivação especial quando a criança os confecciona. As crianças devem iniciar o trabalho por meio da escolha, o que é algo muito difícil para algumas. Aquelas crianças muito tímidas, com baixa auto-estima, com sentimentos de inferioridade, possuem grande dificuldade para escolher. Crianças que não conseguem superar, nas séries iniciais, suas dificuldades de aprendizagem ou emocionais vão, a cada ano, carregando um sentimento de frustração e, muitas vezes, discriminadas pelos colegas e, às vezes, até pelos professores, tornam-se crianças arredias e relaxadas com seu material, não se relacionam consigo mesmas e nem com os demais, criando sérios problemas de indisciplina em sala de aula. Para a criança, o jogo é o exercício, é a preparação para a vida adulta. A criança aprende brincando através de jogos que a fazem desenvolver suas potencialidades. O professor pode adaptar o conteúdo programático ao jogo, onde estará trabalhando a motricidade, a área cognitiva e afetiva de seus alunos. Ao inter-relacionar diversas áreas de conhecimento, o professor atende às necessidades do educando de modo que o mesmo seja sujeito ativo do processo ensino- aprendizagem.

17

CAPÍTULO II

DESENVOLVIMENTO MOTOR, COGNITIVO E SÓCIOAFETIVO ATRAVÉS DOS JOGOS E BRINCADEIRAS
“O nascimento e desenvolvimento do universo são o jogo de uma criança que move suas peças num tabuleiro. O destino está numa criança que brinca”. Heráclito Fragmento 52 Os jogos da criança pequena são fundamentais para o seu desenvolvimento e para a aprendizagem, pois envolvem diversão e ao mesmo tempo uma postura de seriedade. A brincadeira é para a criança um espaço de investigação e construção de conhecimentos sobre si mesma e sobre o mundo. Brincar é uma forma de a criança exercitar sua imaginação. A imaginação é uma forma que permite às crianças relacionarem seus interesses e suas necessidades com a realidade de um mundo que pouco conhecem. A brincadeira expressa a forma como uma criança reflete, organiza, desorganiza, constrói,destrói e reconstrói o seu mundo. Bruno Bettelheim, fala que a brincadeira é uma ponte para a realidade e que nós, adultos, através de uma brincadeira de criança, podemos compreender como ela vê e constrói o mundo: quais são as suas preocupações, que problemas ela sente, como ela gostaria que fosse a sua vida. Ela expressa o que teria dificuldade de colocar em palavras. Ou seja, brincar é a sua linguagem secreta que devemos respeitar mesmo que não a entendamos.

O brincar é um direito assegurado na Constituição Federal do Brasil. É uma necessidade para as crianças, pois é fundamental para o seu desenvolvimento psicomotor, afetivo e cognitivo, sendo uma ferramenta para a construção do seu caráter. O desenvolvimento psicomotor é a base de sua relação com o mundo, pois é através de seu corpo que ela vai se relacionar consigo mesmo, com os outros,

18

com os objetos, enfim, com o mundo ao seu redor. O jogo através do desenvolvimento psicomotor contribui para as relações entre a psiquê e o motor, promove a união entre a ação e o pensamento, assim é uma atividade integradora do corpo como um todo, não segue o modelo cartesiano de divisão corporal. O fator afetivo inclui os relacionamentos intra e inter pessoais; ao brincar a criança vai experimentar diversas situações, positivas (quando vence uma brincadeira, alcança um objetivo, entra em acordo com os colegas, etc.) e negativas (perde alguma atividade, não consegue realizar o esperado, entra em conflitos com os colegas, etc.) e é através destas situações que a criança aprenderá a conviver com os outros. Por fim, o aspecto cognitivo se refere ao desenvolvimento do intelecto durante as atividades lúdicas. As crianças aprendem brincando, aumentam seu conhecimento através dos parceiros e podem vivenciar a aprendizagem. Quando a criança busca superar situações desagradáveis. É como se ela zombasse de suas próprias limitações e as enfraquecesse. Em cada momento do seu processo de desenvolvimento, a criança utiliza-se de instrumentos diferentes e sempre adequados às suas condições de pensamento. À medida que ela cresce, as brincadeiras modificam-se, evoluem. Existem diferentes tipos de jogos. Jogos de exercícios ou jogos funcionais. Têm início aproximadamente aos quatro meses de idade, quando a criança começa a ter uma melhor coordenação da visão e da apreensão. Os jogos de exercício envolve ações mentais, isto é, o pensamento, como acontece nos jogos de combinações de palavras. EX: “Hoje é domingo pede cachimbo...”, ou “Um, dois, feijão com arroz...” Essas atividades lúdicas não necessitam de qualquer técnica particular, são simples exercícios. Os jogos de manipulação são praticados a partir do contato da criança com diferentes materiais, movidos pelo prazer que a sensação tátil proporciona. Os jogos de construção acontecem quando a criança faz ordenações sobre os objetos. São responsáveis por aquisições para o desenvolvimento motor e intelectual da criança, tais como classificação, a seriação, o equilíbrio, as noções de quantidade, tamanho e peso, bem como a discriminação de formas

19

e cores. Os jogos simbólicos também chamados de “faz-de-conta”. Por meio deles, a criança expressa a sua capacidade de representar dramaticamente. Entre 1 ano e meio e 3 anos de idade, a criança começa a imitar suas ações cotidianas e passa a atribuir vida aos objetos. No jogo de “faz-de-conta”, a criança experimenta diferentes papéis sociais, funções sociais generalizadas a partir da observação do mundo dos adultos. Dos 4 aos 7 anos, a busca pela aproximação ao real vai caracterizar os jogos simbólicos. A criança desejará imitar de forma mais coerente. Nos jogos de regras é necessário que haja cooperação entre os jogadores e isso exige, certamente, um nível de relações sociais mais elevados. As brincadeiras e os jogos são espaços privilegiados para o desenvolvimento infantil e para a sua aprendizagem. Cientes da importância dos jogos e das brincadeiras na Educação Infantil, o professor deve elaborar propostas de trabalho que incorporem as atividades lúdicas. Deve também, propor jogos e brincadeiras. Não há necessidade de o jogo ser espontâneo, idealizado pela criança. “O que faz do jogo um jogo é a liberdade de ação física e mental da criança nessa atividade”. (BRASIL, 1995b, p.103). Para que um professor introduza jogos no dia-a-dia de sua classe ou planeje atividades lúdicas, é preciso, que ele acredite que brincar é essencial na aquisição de conhecimentos, no desenvolvimento da sociabilidade e na construção da identidade. Existem funções diferenciadas que podem ser assumidas pelo professor, conforme o desenrolar da brincadeira, a função de observador, na qual o professor procura intervir o mínimo possível, de maneira a garantir a segurança e o direito à livre manifestação de todos, a função de catalisador (perceber), procurando, através da observação, descobrir as necessidades e os desejos implícitos na brincadeira, para poder enriquecer o desenrolar de tal atividade e a função de participante ativo nas brincadeiras, quando como um mediador das relações que se estabelecem e das situações surgidas. A comunicação corporal é carregada de valores e componentes emocionais,

20

isto é, a expressão do imaginário consciente e inconsciente. O gesto, o olhar, o tônus muscular falam de sentimentos, medos, desejos e conflitos. A Psicomotricidade, como a própria palavra denota, tenta romper a dialética cartesiana corpo x mente. Segundo Le Boulch, a educação do movimento com atuação sobre o intelecto, numa relação entre pensamento e ação, que engloba funções neurofisiológicas e psíquicas. Assegura o desenvolvimento funcional, tendo em conta as possibilidades da criança e ajuda a sua afetividade a se expandir e equilibrarse, através do intercâmbio com o ambiente humano. O corpo e a aprendizagem caminham juntos. “É através do corpo que o indivíduo entra em contato com o conhecimento”. (Vieira, 2003) É uma ferramenta eficaz no processo de desenvolvimento psicomotor, afetivo, cognitivo e social do ser humano. Não possui objetivos pedagógicos diretos, mas interfere de forma clara sobre as dificuldades social e escolar, na medida em que visa proporcionar o equilíbrio e ajustamento global, através do corpo psicossomático. O desenvolvimento psicomotor engloba em si, a inter-relação do

desenvolvimento motor, do psiquismo e da inteligência. O ato motor isolado não tem significado. Este desenvolvimento é adquirido numa seqüência de etapas que começa com a aquisição do esquema corporal. Através dessa noção, a criança vai desenvolvendo a consciência do próprio corpo e das possibilidades de expressar-se por meio dele. Conforme Ajuriaguerra: “A criança é o seu corpo, pois é através dele que ela elabora as suas experiências vitais e organiza sua personalidade”. A organização do esquema corporal se dá através das sensações e percepções oriundas do próprio corpo e na troca de relação com o corpo do outro. Na etapa seguinte, a criança adquire noções de lateralidade, que consiste na consciência perceptiva de que os membros não reagem da mesma forma, e que existe um lado dominante, ou seja, que na realização das atividades utilizamos um lado do corpo (direito ou esquerdo) com maior proficiência que o outro. A criança deverá ser levada a perceber o seu lado dominante, e que se

21

utiliza do lado direito e esquerdo do corpo simultaneamente, mas que o lado não dominante, somente ajuda o trabalho do outro lado. A seguir observamos a aquisição da estruturação espacial, que “é a orientação, a estruturação do mundo exterior, referindo-se primeiro ao eu referencial, depois a outros objetos ou pessoas em posição estática ou em movimento”. (J. M. Tasset). Dizemos que a tomada de consciência da situação de seu próprio corpo em um meio ambiente, isto é do lugar e da orientação que pode ter em relação às pessoas e coisas, e também da consciência da situação das coisas entre si. É a possibilidade, para o sujeito, de organizar-se perante o mundo que o cerca. Organizar as coisas entre si, colocá-las em um lugar, movimentá-las. Perceber diversas formas, grandezas, quantidades (enfileirar de forma crescente ou decrescente). Nessa etapa, insere-se também as noções de frente, atrás, em cima, embaixo etc.; bem como de direção gráfica ( situar um objeto segundo a colocação ordinal). A orientação temporal é uma noção mais elaborada e exige da criança um desenvolvimento mais avançado, pois é necessário uma conscientização e conhecimento cada vez mais profundo do seu corpo. Ainda nesta etapa destacamos o ritmo, que abrange a noção de ordem, de sucessão, de duração, de alternância. O trabalho desta etapa inicia-se pela percepção do ritmo interno, de ritmos externos e, por último, a percepção e reprodução de estruturas rítmicas. O último procedimento consiste na aquisição do desenho e do grafismo. Através do desenho e do grafismo a criança tem a oportunidade de expressar sua visão de mundo, a passagem do sonho para a realidade. Consiste ainda numa aprendizagem real da manipulação do lápis (motricidade fina). Seu domínio progressivo prepara a criança para a escrita. Entraves na aquisição destas etapas podem ocasionar dificuldades

relacionadas ao desempenho motor, afetivo, cognitivo e social; e são detectadas principalmente durante a escolaridade. Estas atividades são desenvolvidas através de trabalhos práticos, utilizando-se sempre da ludicidade, a qual permeia toda infância. O brinquedo é a essência

22

da infância; é o veículo do crescimento. É um meio natural que possibilita a criança explorar o mundo, descobrir-se, entender-se, conhecer os seus sentimentos, as suas idéias e a sua forma de reagir. Através da atividade lúdica e do jogo, a criança forma conceitos, seleciona idéias, estabelece relações lógicas, integra percepções, faz estimativas compatíveis com o seu crescimento físico e o seu desenvolvimento global. O jogo e a brincadeira exigem movimentação física, envolvimento emocional e provoca desafio mental. Neste contexto, a criança só ou com companheiros integra-se ou socializa-se. O movimento resulta da expressão interna de um organismo que, vivo, se expressa. Segundo Kishimoto (1996), “... os jogos colaboram para a emergência do papel comunicativo da linguagem, a aprendizagem das convenções sociais e a aquisição das habilidades sociais.” A evolução da brincadeira está intimamente relacionada com a aquisição da linguagem, a maneira como a criança brinca pode ser importante modo de avaliação do desempenho infantil. “As brincadeiras podem ser o elemento chave para a estimulação linguística.” (Kishimoto, 1994). Os jogos e as brincadeiras, apresentam uma evolução que acompanha o desenvolvimento físico, emocional e cognitivo da criança. Para Goldfeld (2004), Fonoaudióloga e Doutora em Distúrbios da

Comunicação Humana, a evolução dos jogos e brincadeiras segue uma cronologia que inicia-se com brincadeiras do tipo motora e de construção, os quais seguem a motivação de estímulos externos. Segue-se então, as brincadeiras plásticas, que consistem na manipulação de plasticina, pintura, argila etc., na tentativa de representar os objetos do mundo adulto. Após, inicia-se o período de brincadeiras projetivas ou “jogos de enredo”, nos quais as regras sociais estão presentes. A criança tenta imitar situações vivenciadas no seu dia a dia, utilizando para tal suas lembranças. Através de objetos em miniatura utilizados no cotidiano, ela brinca de “casinha”, “mãe e filha” e etc. Nesta fase, ela brinca com mediação, sozinha ou ao lado de outra criança sem, no entanto, interagir com a mesma.

23

Num segundo momento, ela se utiliza do “faz-de-conta”, que para Vygotsky e Kishimoto, são de maior importância e tipicamente infantis. A presença da situação imaginária é o que distingue a brincadeira de outra atividade. Outra característica desta brincadeira é a dissociação do significado do objeto. A criança sente a necessidade de representar o mundo adulto em suas brincadeiras, mas na impossibilidade de manipular os objetos pertencentes a este mundo, ela utiliza artefatos substitutos para representar os do mundo adulto (como por exemplo, a utilização de uma caixa de fósforos no lugar de um barbeador). É importante ressaltar que os artefatos substitutos permitam a realização dos mesmos gestos dos objetos reais. Esta é a fase do egocentrismo, do uso da fala e de histórias. A criança brinca com mediação, sozinha ou junto aos colegas. Num terceiro momento, fase descrita como devaneio, não há fala social e nem a presença do objeto. A linguagem interior é marcante. “O conhecimento deixa de estar preso ao aqui e agora, aos limites da mão, da boca e do olho e o mundo inteiro pode estar presente dentro do pensamento, uma vez que é possível ‘imaginá-lo’, representá-lo com gesto no ar, no papel, nos materiais, com os sons, com palavras.” Dias, in Kishimoto (1996). Numa etapa posterior, a criança entra na fase dos jogos com regras, os quais as regras são arbitrárias, e não mais sociais. A criança que brinca de piqueesconde, precisará conhecer todas as normas para participar do jogo, e isto só é possível em torno dos cinco/seis anos, pois a criança menor infringe as regras. “Dominar as regras, significa dominar seu próprio comportamento, aprendendo a controlá-lo, aprendendo a subordiná-lo a um propósito definido.” Leontiev (1988). Segundo Vygotsky, a última categoria são os jogos limítrofes, ou seja, o teatro, os esportes e os jogos didáticos. É inquestionável o papel da linguagem na evolução do brinquedo. A linguagem é altamente propícia para evocar e criar situações. Linguagem e brinquedo se desenvolvem ao mesmo tempo e se influenciam mutuamente. A situação de brinquedo abre espaço para a linguagem fluir, como que solicitando todos os

24

recursos representativos. Por outro lado, a linguagem reforça o simbolismo do brinquedo, na medida em que o sustenta e o dirige. O jogo é importante para o indivíduo dando a possibilidade de se expressar graças à prática lúdica. A brincadeira infantil possibilita com que a criança lide com a fantasia, com o medo, com a imaginação e com o faz-de-conta. Junto com o processo de formação da personalidade constrói a sua identidade. Os jogos, as brincadeiras, a dança e as práticas esportivas revelam, por seu lado, a cultura corporal de cada grupo social, constituindo-se em atividades privilegiadas nas quais o movimento é aprendido e tem um significado. CAMARGO (2002) afirma que o brincar, a diversão e o lúdico são traços de todas as sociedades conhecidas, em todas as épocas da História, e podem acontecer com qualquer momento do cotidiano dos indivíduos, estejam eles trabalhando ou estudando. As crianças passam por um período que é caracterizado por aumentos lentos, porém estáveis, na altura e no peso, e por um progresso em direção à maior organização dos sistemas sensorial e motor. Esse lento período de crescimento permite à criança acostumar-se ao seu corpo, fator importante na melhoria da coordenação e no controle motor durante a infância.

Se não tiverem oportunidade para prática, instrução e encorajamento, nesse período, muitos indivíduos não vão poder adquirir as informações motoras e perceptivas necessárias para desempenhar eficientemente atividades motoras. A criança, cognitiva e fisicamente normal, progride de um estágio a outro, de maneira seqüencial, influenciada tanto pela maturação quanto pela

experiência. Condições ambientais incluindo oportunidades para a prática, o encorajamento e instrução são cruciais para o desenvolvimento de padrões amadurecidos de movimentos fundamentais. FREITAS e FREITAS (2002) consideram o movimento como um elemento essencial na aprendizagem, visto que é através dele que o ser humano explora o ambiente. Disso se poderá facilmente concluir que quanto mais experiências motoras tiver uma criança, melhor e mais sólido será o seu desenvolvimento.

25

Segundo GOMES et al. (2001), é de grande importância que a criança tenha o maior número de experiências e de formas diversificadas de movimento. A relação entre cada ser e o exterior se materializa com base em manifestações motoras. GOMES et al. (2001), enfatiza que os jogos e brincadeiras têm um caráter de diversão e espontaneidade, sendo incentivado o brincar das crianças, tarefa essencial do educador. As brincadeiras estimulam a imaginação, geram um sentimento de felicidade e auto- estima. A afetividade, a interação social e o processo cognitivo será considerados no decorrer das aulas. Uma das metas fundamentais expostas é promover a autonomia dos alunos e valorizar o universo da cultura lúdica.

26

CAPÍTULO III

A LÚDICIDADE NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL

As experiências lúdicas de uma criança, desde bebê, vão lhe sofisticando as representações do seu universo social. Pelo brinquedo acontecem as adaptações, os acertos e erros, as soluções de problemas é que vão tornarlhe sujeito autônomo. A natureza da criança é lúdica, de movimento, de curiosidade, de espontaneidade. Negar esta natureza é negar a própria criança. Ao se observar uma criança brincando, verifica-se o quanto se concentra no que está fazendo. Naquele momento, ela incorpora as suas fantasias e reproduz cenas do seu cotidiano, que tanto pode ser violento, tenso e cheio de privações, quanto alegre, terno e prazeroso. Através do “faz-de-conta” a criança pode liberar sonhos ou medos partindo em busca de um lugar de pertinência familiar e social, pela construção do seu próprio ego. Uma criança com possibilidades lúdicas variadas terá mais riqueza de criatividade, relacionamentos, capacidade crítica e de opinião. O contato, a exploração do meio a ambiente, brinquedos, expressão musical, artes, dança, teatro e vivências corporais ampliam sua visão de mundo na medida que com ele interage. Assim sendo, ela própria vai instituindo seus limites, desafios e criando novos brinquedos. Muitos autores contemporâneos definem o lúdico como um estado de prazer, com razão própria de ser, contendo em si mesmo o seu objetivo. As crianças brincam por brincar, seu interesse vem de uma motivação interna de curiosidade e experimentação, podem se sujeitar às regras externas, mas jamais vão brincar sem desejo.

27

Santo

Agostinho

em

“Confissões”,

referenciava

o

lúdico

como

eminentemente educativo no sentido em que constituí a força impulsora de nossa curiosidade a respeito do mundo e da vida, princípio de toda a descoberta e de toda a criação (Correio da UNESCO, 1991). A visão de lúdico e a importância do ato de brincar já eram valorizadas na Antigüidade, ultrapassou os tempos, permanece nas culturas, mantendo-se os jogos e as brincadeiras de caráter universais. Existem referências do século I dC. de utilização de jogos e brinquedos como cavalo de pau, par ou impar, cara ou coroa, carrinhos de madeira, montagem de casinhas (Medeiros, 1975). Na França, 1601, já eram relatadas as brincadeiras que Luis XIII utilizava na primeira infância: o cata-vento, o pião, as cartas, o xadrez, miniaturas de madeira e jogos de bola. As crianças do oriente ou ocidente brincam dos mesmos brinquedos. A pipa, as rodas cantadas, o cabo de guerra, as sapatas ou amarelinhas. Existem algumas brincadeiras mais regionais pelas características do clima, relevo e cultura. Com a modernidade e a era da informática os brinquedos virtuais aparecem, tomando conta de quase que todo o tempo livre das crianças. Não cabe negálos, mas não deixar de possibilitar vivências lúdicas corporais em vários ambientes e espaços, com materiais e equipamentos múltiplos, que vão efetivamente, contribuir no desenvolvimento infantil. O que diferencia o homem das outras espécies é a sua imaturidade neurológica e funcional, uma vez que nasce despreparado até para respirar. Diferentemente dos outros animais, ele precisa amadurecer dos atos reflexos aos conscientes e dirigidos. Nas relações sociais, ele sai da simbiose materna para individualidade e vida em grupo. Mas o fantástico da vulnerabilidade de maturação do homem, nos primeiros anos de vida, é que esta vai permitir-lhe possibilidades imensas de adaptações, criações, associações, resoluções de problemas e interferências no seu cotidiano. A evolução da criança tem duas origens: filogenética - a da espécie humana, e ontogenética maturação biológica (neuropsicomotora). Para ao

desenvolvimento pleno, necessita de mediatização adequada do adulto e da

28

cultura social. Assim sendo, a interação dinâmica e perpétua entre maturação biológica (natura) e relação com o meio, com os objetos e com o outro (cultura), que, na primeira infância, é praticamente por via lúdica, é que vai propiciar seu o desenvolvimento total. De acordo com Bousquet,(1991) impulso lúdico -também chamado de impulso de curiosidade ou de exploração- dá à espécie e ao indivíduo, evidente vantagem de seleção natural; afirma também, que a capacidade e o hábito de explorar, ao acaso, o meio ambiente resultam em situações de instrução e enfrentamento de imprevistos. Uma criança ao entrar no universo do brinquedo estará vivenciando e lidando com a sua própria estruturação e desenvolvimento da inteligência. No primeiro período de vida, que vai do nascimento até o surgimento da linguagem, é chamado por Piaget, do ponto de vista da inteligência, de sensório-motor. Nele podem ser distinguidos três estágios: o dos reflexos, o da organização das percepções e hábitos, e o da inteligência propriamente dita. Cronologicamente, esse período é sucedido por outro que engloba as idades entre um e dois anos de idade aproximadamente que é chamado de latência, a fase de “fazer”, nela o brinquedo serve para manipular, explorar, imitar, centrado na própria criança. A partir da aquisição da fala, que normalmente ocorre por volta de um ano e seis meses a dois anos, a criança ingressa no período simbólico, também chamado de primeira infância, período pré-operatório ou intuitivo. É nesse momento que, segundo Le Boulch, surge à função de interiorização permitindo à criança conscientizar-se de aspectos de seu corpo e exprimi-los, verbalmente, através da função simbólica. O indivíduo começa a representar as ações que vive no mundo. Nessa fase em que não consegue resolver problemas mentalmente, vai fazê-lo corporalmente. Na primeira infância a criança vai se desenvolvendo em termos qualitativos, de elaboração do pensamento, pelo processo simbólico, sendo que o brinquedo e o faz-de-conta vão auxiliar na estrutura da compreensão de realidade, de tempo, de objeto, do espaço, e da causalidade. Aos poucos vai substituindo o concreto pelo abstrato, podendo usar suas representações mentais para

29

interagir no mundo de relações e lhe dar suporte para maturação mental, afetiva e social. É o tempo de fazer e compreender. Por volta dos a seis aos sete anos a criança começa a fase de cooperação e raciocínio lógico, que é denominado operatório-concreto. Ela é capaz de

resolver problemas e relacionar-se com o outro, embora ainda esteja ligada aos limites da prática e do concreto. O brinquedo passa a ser mais elaborado, sendo o indivíduo capaz de aprender e criar estratégias e regras dos jogos, explorar situações e desafios, usar o corpo com destreza, representar situações do cotidiano ou de fantasia. Quando a criança atinge a faixa etária entre dez e doze anos inicia a fase da adolescência caracterizada pela introdução do indivíduo no período operatórioformal ou hipotético-dedutivo, sendo mundo dos sistemas e teorias. Nessa ocasião ele rompe as barreiras da realidade concreta e da prática atual, passando a e interessar-se por problemas hipotéticos. O brinquedo na adolescência esta mais voltado para jogos desportivos, competições, desafios, testes de habilidades físicas e intelectuais. Nas primeiras fases de maturação da criança e jogo servem como um dos principais suportes de formação da inteligência, personalidade, coordenação psicomotora e auxiliam nas relações com o meio, com os objetos e o outro. Quando toda a criança indiscriminadamente puder brincar em espaços alternativos, com equipamentos diversificados, jogar com outras crianças de várias faixas etárias, descobrir o novo, manipular e construir brinquedos, desafiar seus limites, constituir regras, ser intuitiva e espontânea

transformando-se em bruxa, Super-homem, batman, rainha...-estará se atingido o principal objetivo que é o de fazer com que ela incorpore a sua essência e constitua-se num sujeito mais inteligente e social. Cabe às famílias, escolas e instituições que atuam na fase da infância responsabilizar-se pela disponibilização de espaços que darão oportunidades para o desenvolvimento de projetos e programas lúdicos para o mundo infantil que, por natureza, é infinitamente rico, criativo, curioso e investigatório de conhecimento, possibilitando crianças mais felizes integradas na sociedade.

30

O lúdico é um importante componente na aprendizagem. É pelo lúdico e com o lúdico que o sujeito vai se construindo e se apropriando da realidade, tecendo suas relações sociais e exercitando-se de corpo inteiro. Na vivência lúdica experimenta situações novas, desafios, aventuras. No espaço lúdico ele também vai formando seus conhecimentos, vai somando aquisições de valores, aprendendo limites, trabalhando a auto-estima, além de superar seus medos e adquirir autoconfiança.

31

CONCLUSÃO
O jogo é a mais importante das atividades da infância, pois a criança necessita brincar, jogar , criar e inventar para manter seu equilíbrio com o mundo. Convivemos dentro das escolas com certos preconceitos, entre eles o de que jogar e brincar são atividades reservadas somente para o horário do recreio; em sala de aula é necessário ter seriedade. Mas há professores que afirmam serem o jogo e a brincadeira “enrolação de tempo”. Porém, mal sabem eles que todos os jogos, por sua própria essência, são educativos e contribuem para o desenvolvimento infantil. Jogar é uma função indispensável à criança. Jogar com ela, deixá-la jogar com seus parceiros e em grupos é um compromisso que todo educador deveria ter, uma vez que o jogo favorece o seu desenvolvimento motor, cognitivo e sócio-afetivo. O jogo, como proposta pedagógica em sala de aula, proporciona a relação e a interação entre os parceiros. Durante a brincadeira, a criança estabelece decisões, resolve seus conflitos, vence desafios, descobre novas alternativas e cria novas

possibilidades de invenções.O jogo passa a ter mais significado quando o professor proporciona um trabalho coletivo de cooperação e socialização. Isso dá oportunidade às crianças de construírem os jogos, de decidirem regras, de mostrarem como se joga, de perceberem seus limites através dos direitos e deveres e de aprenderem a conviver e a participar, mantendo sua individualidade e respeitando o outro. Em outras palavras, através do jogo a criança desenvolverá a capacidade de perceber suas atitudes de cooperação, oferecendo a ela própria, que está em formação, oportunidades de descobrir seus próprios recursos e testar suas próprias habilidades, além de aprender a conviver com os colegas nessa interação. É, também, na atividade lúdica que pode conviver com os diferentes sentimentos que fazem parte de sua realidade interior. Na brincadeira, a criança aprende a se conhecer melhor e a aceitar a existência do outro, organizando, assim, suas relações emocionais e estabelecendo relações sociais. Educadores e pais necessitam ter clareza quanto aos brinquedos, brincadeiras e/ou jogos que são necessários para a criança: precisam saber que trazem enormes contribuições ao

32

desenvolvimento da habilidade de aprender a pensar. No jogo, ela está livre para explorar, brincar e/ou jogar com seus próprios ritmos para auto controlar suas atividades. A importância da inserção e utilização dos brinquedos, jogos e brincadeiras na prática pedagógica pré-escolar é uma realidade que se impõe ao professor. Brinquedos não devem ser explorados só como lazer, mas também como elementos bastante enriquecedores para promover a

aprendizagem. Os professores precisam estar cientes de que a brincadeira é necessária e que traz enormes contribuições para o desenvolvimento da habilidade de aprender a pensar, para o desenvolvimento motor e sócio-afetivo.

33

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA
AJURIAGUERRA, J. A escrita infantil: evolução e dificuldades. Porto Alegre: ArtesMédicas, 1988. ARAÚJO, V.C. O jogo no contexto da educação psicomotora. São Paulo: Cortez, 1992. BOMTEMPO, E. Aprendizagem e brinquedo. In: G.P.Witter e J.F.B. Lomônaco (orgs). Psicologia da Aprendizagem. São Paulo: EPU, 1987 BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998. BROUGÉRE, G. Brinquedo e cultura. São Paulo: Cortez Editora, 1997. BUENO, J. M. Psicomotricidade: teoria & prática. São Paulo: Lovise, 1998. Fonseca, Vitor da, Psicomotricidade: filogênese, ontogênese e retrogênese/ Vitor Fonseca 2. ed.rev.e aum., Porto Alegre, Arte Médicas, 1998. Freire, João Batista, Educação de corpo inteiro: teoria e prática da educação física, São Paulo, SP, Scipione, 1991. FRIEDMANN, Adriana. Brincar: Crescer e Aprender: o resgate do jogo infantil. São Paulo: Melhoramentos, l996. FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO. Professor da pré-escola. 2ª ed. São Paulo: Globo, 1992. KISHIMOTO (1990) O brinquedo na educação: Considerações históricas. IN: O cotidiano na pré-escola, nº7, São Paulo, FDE, 1990. KISHIMOTO, T. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, 1997. LE BOULCH, J. O desenvolvimento psicomotor do nascimento até 6 anos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

34

OLIVEIRA, Fátima. Bioética: uma face da cidadania. São Paulo: Moderna, 1997. OLIVEIRA, V.B (org) O brincar e a criança do nascimento aos seis anos de idade. Petrópolis: Vozes, 2000. PIAGET, J. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. 3ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978. Revista Correio da UNESCO, julho de 1991. Brincadeiras e jogos” n 170.p.5 ,artigo “Um Oásis de felicidade”, de Martine Mauriras-Bouquet/ p 14, Um impulso vital. de Chalva Amonachvili

ROSA, A.P.; NISIO, J. di. Atividades lúdicas: sua importância para alfabetização. Curitiba: Juruá, 2002. VYGOTSKI, L.S. A formação social da mente. São Paulo, Martins Fontes, 1991.

WAJSKOP, G. O Brincar na Educação Infantil. Cadernos de Pesquisa, 92, 6269, 1995

35

ÍNDICE
FOLHA DE ROSTO AGRADECIMENTO DEDICATÓRIA RESUMO METODOLOGIA SUMÁRIO INTRODUÇÃO 2 3 4 5 6 7 8

CAPÍTULO I (A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA ED. INFANTIL). CAPÍTULO II (DESENVOLVIMENTO MOTOR, COGNITIVO E SÓCIO-AFETIVO) CAPÍTULO III ( A LUDICIDADE NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL) CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA CONSULTADA ÍNDICE 26 31 33 35 17 10

36

FOLHA DE AVALIAÇÃO
Nome da Instituição: Universidade Candido Mendes

Título da Monografia: A importância dos jogos e brincadeiras para o desenvolvimento motor, cognitivo e sócio-afetivo na educação infantil.

Autor: Sabrina Pontes Costa

Data da entrega: 28/07/07

Avaliado por:

Conceito:

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->