P. 1
Introdução a óptica geométrica

Introdução a óptica geométrica

3.0

|Views: 14.641|Likes:
Publicado poradenilza silva

More info:

Published by: adenilza silva on Jul 22, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/07/2013

pdf

text

original

Apostila de Física

I – INTRODUÇÃO: Conceitos iniciais

Óptica Geométrica

2º Ano Prof. Adenilza

 Óptica Geométrica: é a parte da física que estuda o caráter geométrico da propagação da luz, associado aos fenômenos da reflexão e refração.  Luz: é o agente físico que atuando nos órgãos visuais, produz a sensação da visão. É uma forma de energia radiante.  Raio de Luz: É um elemento hipotético, apenas de aspecto geométrico, que simboliza o trajeto da luz.

 Obs.: Uma fonte quanto a sua dimensão, pode ser: 1- Pontual ou Puntiforme: um único ponto emitindo infinitos raios de luz ou fonte de tamanho desprezível em relação ao ambiente considerado. Ex: a luz das estrelas, uma lâmpada vista de grande distância. 2- Extensa: constituída de infinitos pontos ou fonte cuja dimensão não pode ser desprezível em comparação com a distância a que é observada. Ex: uma lâmpada iluminando objetos próximos. Obs.: Uma mesma fonte pode ser puntiforme ou extensa, dependendo das distâncias envolvidas.  Meios de Propagação • Transparente: São meios que permitem a passagem quase total dos raios de luz, de forma regular. Ex: vidro liso, ar , água em pouca quantidade,...

 Feixe de Luz (Pincel de Luz ) : É o conjunto de raios de luz.  Propagação da Luz: a luz é uma onda eletromagnética e, portanto, pode se propagar inclusive no vácuo. Sua velocidade de propagação varia de um meio para outro . No vácuo ela atinge sua maior velocidade ( representada por v ):

• Translúcido: São meios que permitem a passagem apenas parcial dos raios de luz e, geralmente, de forma irregular. Ex: vidro fosco, papel manteiga, “box” de banheiro,..

Ano-Luz: é uma unidade de comprimento, muito utilizada para medir as grandes distâncias em astronomia, e equivale à distância percorrida pela luz em 1 ano . Fontes de Luz: É todo corpo que emite luz e, por conseguinte, pode ser visto. Classificação: a) Fontes Primárias ou Corpos Luminosos: emitem luz própria. Ex: Sol, estrelas, lâmpada ligada,... b) Fontes Secundárias ou Corpos Iluminados: refletem a luz proveniente de outra fonte. Ex: Lua, esta folha, as pessoas,...

• Opaco: São aqueles que não permitem a passagem da luz. Ex: parede, corpo humano, madeira,...

II - Fenômenos Ópticos ( Luminosos ) a) Reflexão: É o fenômeno pelo qual um raio de luz ao incidir na superfície de separação entre dois meios, retorna ao meio de origem.

Apostila de Física

Óptica Geométrica

2º Ano Prof. Adenilza

Pelo princípio da reversibilidade, o motorista vê o passageiro pelo espelho retrovisor e este também vê o motorista pelo mesmo espelho. PRINCÍPIO DA PROPAGAÇÃO RETILÍNEA DOS RAIOS LUMINOSOS “Nos meios homogêneos e transparentes, a luz se propaga em linha reta.” b) Refração: É a passagem da luz de um meio para outro com propriedades físicas distintas. A sombra projetada por um edifício evidencia a propagação retilínea da luz. SOMBRA E PENUMBRA Absorção: É o fenômeno pelo qual a luz é absorvida pela superfície e transformada em energia térmica. A sombra corresponde a uma região com ausência total de luz, enquanto a penumbra corresponde a uma região parcialmente iluminada. Considere uma fonte de luz pontual F, um corpo opaco C e um anteparo A. No anteparo notam-se distintamente duas regiões: uma região iluminada pela fonte e uma região não iluminada (sombra projetada).

Obs: Esses fenômenos geralmente ocorrem ao mesmo tempo. Algumas superfícies, porém, evidenciam a predominância de uns em relação aos outros. 4- Princípios da Óptica Geométrica PRINCÍPIO DA INDEPENDÊNCIA DOS RAIOS LUMINOSOS: quando raios de luz se cruzam, cada um segue sua trajetória independente dos outros.

Considerando F uma fonte de luz extensa AB observaremos, sobre o anteparo A, três regiões: uma região iluminada pela fonte, uma região parcialmente iluminada (penumbra projetada) e uma região nãoiluminada (sombra projetada).

PRINCÍPIO DA REVERSIBILIDADE DOS RAIOS LUMINOSOS: a trajetória do raio de luz não depende do sentido de percurso.

Apostila de Física

Óptica Geométrica

2º Ano Prof. Adenilza

3. ECLIPSE: ocorre devido à propagação retilínea da luz, quando o Sol, a Lua e a Terra estão alinhados.

O eclipse total da Lua ocorre quando a Lua penetra o cone de sombra da Terra. Nessa situação, a Lua não recebe luz do Sol, e um observador, na Terra, deixa de vê-la. Se a Lua estiver parcialmente dentro do cone de sombra da Terra teremos o eclipse parcial da Lua.

Considere um observador na Terra:

Na penumbra da Lua, o observador vê o eclipse parcial do Sol

CÂMARA ESCURA DE ORIFÍCIO Um objeto de altura o, colocado a uma distância p do orifício de uma câmara escura, projeta sua imagem invertida, de altura i, na parede oposta a uma distância p’ do orifício.

Na sombra da Lua, o observador vê o eclipse total do Sol

Pela semelhança entre os triângulos ABO e A’B’O, temos:

Pelo fato das distâncias entre o Sol, a Lua e a Terra variarem, pode acontecer que somente o prolongamento do cone de sombra da Lua intercepte a superfície terrestre; e um observador nessa região da Terra recebe luz apenas das regiões periféricas do Sol e verá a região central do disco solar encoberto pela Lua. Esse é um tipo especial de eclipse chamado de eclipse anular do Sol

Exercício 1. Durante um eclipse solar, um observador: a) no cone de sombra, vê um eclipse parcial. b) na região de penumbra, vê um eclipse total. c) na região plenamente iluminada, vê a Lua eclipsada. d) na região da sombra própria da Terra, vê somente a Lua. e) na região plenamente iluminada, não vê o eclipse solar.

2. Um homem de 2,0 m de altura coloca-se a 0,5 m de uma câmara escura (de orifício) de comprimento 30 cm. O tamanho da imagem formada no interior da câmara é: a) 0,8 m b) 1,0 m c) 1,2 m d) 1,4 m e) 1,6 m

Apostila de Física

Óptica Geométrica

2º Ano Prof. Adenilza
Respostas:

3. Numa aula prática de física foi feito o experimento esquematizado nas figuras I e II, onde o professor alternou a posição da fonte e do observador.

Com esse experimento, o professor pretendia demonstrar uma aplicação da (o): a) reflexão difusa. b) fenômeno da difração. c) princípio da reflexão. d) princípio da reversibilidade da Luz. e) princípio da independência dos raios luminosos. 4. A formação de sombra evidencia que: a) a luz se propaga em linha reta. b) a velocidade da luz não depende do referencial. c) a luz sofre refração. d) a luz é necessariamente fenômeno da natureza corpuscular. e) a temperatura do obstáculo influi na luz que o atravessa. 5. O fenômeno conhecido como eclipse solar evidencia que a luz: a) é independente quando se propaga. b) é reversível quando se propaga. c) se propaga em linha reta. d) se propaga em linha curva. e) contorna os objetos ao se propagar. 5. Quando a Lua se coloca entre o Sol e a Terra, durante o eclipse do Sol, ela projeta sobre a superfície terrestre uma região de sombra e outra de penumbra. Para um observador situado na região de penumbra: a) o eclipse será total e o disco solar ficará totalmente escuro. b) o eclipse será total e o disco solar ficará cinza. c) o eclipse será parcial. d) o eclipse será parcial, pois o disco solar ficará cinza. e) não haverá eclipse. 6. Determine o tamanho da imagem formada no interior de uma câmara escura de orifício, de 30 cm de comprimento, de um homem de 2,0 m de altura colocado a 50 cm da câmara. a) 1,4 m b) 1,2 m c) 1,8 m d) 1,6 m e) 1,1 m

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->