Você está na página 1de 4

!~'.".\1 ~.,'

"",) 00 ••

,,')

,'"

Ern I·,···,~~ -7'r 11~' v,,>, <Js ,i·' n r)

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTA~-;"'''~'~?;'~~

PROCESSO TC 2.506/06

Prestação de Contas da Prefeita Municipal de

do Brejo do Cruz, Sra. Maria da

Natividade Saraiva Maia, relativa ao exercício financeiro de 2005 - Parecer favorável - Atendimento integral aos dispositivos da LRF - Devolução de recursos à conta do FUNDEF.

São José

P A R E e E R

P P L

Te

li

/08

Vistos, relatados e discutidos os presentes autos do Processo TC 2.506/06, que trata da Prestação de Contas apresentada pela Prefeita do Município de São José do Brejo do Cruz, Sra. Maria da Natividade Saraiva Maia, relativa ao exercício financeiro de 2005.

CONSIDERANDO que a Auditoria, após análise reiterada dos documentos que instruem o presente processo, inclusive dos esclarecimentos apresentados em mais de uma oportunidade pela gestora, constatou as seguintes irregularidades:

1) Realização de despesas sem licitação no montante de R$ 344.409,74, correspondendo ao montante de 10,18% da despesa orçamentária realizada no exercício;

2) Diferença a menor no saldo da conta do FUNDEF no valor de R$ 1.008,77. 3) Excesso de combustível no montante de R$ 104.341,59, sendo R$ 87.978,60 de gasolina e R$ 16.362,99 de óleo diesel;

4)

Não envio da Lei de Diretrizes Orçamentárias;

CONSIDERANDO que o Ministério Público desta Corte, em parecer conclusivo, apontou como subsistentes apenas as irregularidades relacionadas à diferença de saldo na conta do FUNDEF e à realização de despesas não licitadas pugnando, ao final, pelo (a): (a) emissão de parecer contrário à aprovação das contas; e (b) atendimento integral às disposições da Lei de Responsabilidade Fiscal;

CONSIDERANDO que não foram detectadas pelo Órgão Técnico falhas concernentes à Gestão Fiscal;

CONSIDERANDO que, no entendimento do Relator, o valor dos gastos ,I I A com a aquisição de combustível junto à VINOL-Via Norte Combustíveis e ao r \)"1

Posto N. Senhora dos Milagres, supostamente realizados sem licitação, situa-se ('Vi

dentro do perc tual de 25% estabelecido no art. 65, parágrafo único d~Le'~

8.666/93;

t\'\

\

\

li

,"\

,/

"~I'I'

1I

'

v ,v

,

1/

,.

)

~~\

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

PROCESSO TC 2.506/06

CONSIDERANDO que, no tocante às despesas relacionadas à aquisição de peças de reposição para veículos, apontadas pela Auditoria como não precedidas de licitação, o Relator entende ser este procedimento desnecessário, uma vez que se trata de despesas realizadas ao longo do exercício e em situações pontuais surgidas durante o deslocamento dos veículos do Município;

CONSIDERANDO que, quanto às despesas com a aquisição de medicamentos, na opinião do Relator, a maior parte delas foi objeto de procedimento licitatório, tendo as demais sido efetuadas perante a licitante vencedora ou em outras farmácias, mas, nesse caso, mediante compras realizadas ao longo do exercício que não ultrapassaram o valor mínimo legal permitido e nas quais foram praticados os preços de mercado;

CONSIDERANDO que os gastos com locação de caminhão, ônibus escolar e aquisição de material odontológico ultrapassaram o limite previsto na Lei de Licitações para a dispensa desta espécie de procedimento apenas em outubro de 2005, quando, então, não era possível realizar-se nova licitação ainda naquele exercício e nem interrompê-los, sob pena de serem acarretados prejuízos aos munícipes;

CONSIDERANDO que, em relação às despesas atinentes a transporte de estudantes na zona rural e transporte de servidores a serviço da edilidade, o Relator verificou apresentarem elas valores diferentes e proporcionais ao número de viagens realizadas, demonstrando claramente que a administração teve o cuidado em estabelecer valores diferenciados para os trechos contratados e acompanhar a efetiva prestação do serviço antes da liquidação e do pagamento delas;

CONSIDERANDO que, no entendimento do Relator, inexistem parâmetros para imputação de débito relativo ao excesso de combustíveis apontado pela douta Auditoria;

CONSIDERANDO que as aplicações em MDE, FUNDEF e Saúde atenderam aos percentuais exigidos;

~

CONSIDERANDO que o exercício de 2005 é o primeiro ano da ~ presente gestão e, em caráter excepcional, o Relator opina no sentido de que as

despesas realizadas sem o devido processo licitatório não m,a ,c,u'aral' a contas /7 \~> apresentadas:

n.

1

';1'

,

~

\

,

//

I

\

\

\

\

ex

'

2

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

PROCESSO TC 2.506/06

CONSIDERANDO o Relatório e o Voto do Relator, o pronunciamento do Órgão de Instrução, o Parecer escrito e oral do Ministério Público junto a esta Corte e o mais que dos autos consta;

DECIDEM os Conselheiros do TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DA PARAíBA, na sessão realizada nesta data, por unanimidade de votos, em:

1. Emitir Parecer

de Contas

apresentada pela Sra. Maria da Natividade Saraiva Maia, atual Prefeita do Município de São José do Brejo do Cruz, relativa ao exercício financeiro de 2005;

Favorável

à aprovação

da Prestação

2. Emitir, em separado, Acórdão:

a) Declarando o atendimento integral pelo Poder Executivo Municipal

de

de

Responsabilidade Fiscal, em relação ao exercício financeiro de

São

José

do

Brejo

do

Cruz

às exigências

da

Lei

2005;

b) Assinando o prazo de 60 (sessenta) dias à Administração Municipal de São José do Brejo do Cruz para fazer retornar à conta do

o valor de R$

FUNDEF, com recursos do próprio município,

1.088,77, relativo à diferença de saldo apontada na conta daquele

Fundo;

c) E recomendando à Administração Municipal no sentido de evitar a

repetição das falhas e omissões constatadas

análise, sob pena de desaprovação de futuras contas e da aPlicaç1~. I'J .

de outras sanções legais.

UI

no exercício

em

Presente ao julgamento a Exma. Senhora Procuradora Geral.

Publique-se, registre-se, cumpra-se.

TC - PLENÁRIO MINISTRO JOÃO AGRIPINO

João Pessoa, lL

de

f' t

'.till l->U:

/

//1

,

de

1

I /5{ 1

~ (

2008.

,JOSE MARQUES MARIZ

/

Relator

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

PROCESSO Te 2.506/06

-t-:

A,

J;NA TERÊSA NÓBREGA

~Á~~

Procuradora-Geral

<s-----

MARCOS UBIRATAN 'PU'l;;l:!P!;;;

Consel ei o

FABIO TÚLlO FILGUEIRAS NOGUEIRA

4

Conselheiro