Você está na página 1de 1

RESUMO: Apresentaremos nesta mesa-redonda uma proposta de genealogia semntica do sufixo mento, desde sua formao no latim at sua

chegada lngua portuguesa. Nosso trabalho direcionado ao estudo morfolgico semntico; nele, observamos palavras portuguesas formadas pelo sufixo derivacional mento (do latim, men, mentum) e suas bases, por meio de parfrases indicadas no Dicionrio Eletrnico Houaiss da lngua portuguesa. As gramticas portuguesas informam, geralmente, que os afixos, principalmente os sufixos, so elementos semanticamente mais vazios do que, por exemplo, os radicais. No podemos concordar com a afirmao de Rocha Lima de os sufixos serem vazios de significao, a no ser se considerados isoladamente, visto que no faz sentido fazer um estudo dos sufixos por si s, mas apenas ligados a uma base; todavia, so responsveis por uma alterao semntica nesta, que habitualmente se depreende por meio de parfrases, por exemplo: x mento ao de x desenvolvimento (ao de desenvolver). No caso do sufixo estudado, a base , de fato, um elemento semanticamente mais pleno de significao do que o sufixo, mas no necessariamente verdade para todos os sufixos (p.e.: pedreiro, poleiro, chiqueiro, palavras cujo sufixo -eiro, conforme Viaro (2003), possui mais significado que sua base, opacificada pelo tempo, como o sufixo mento em fermento, lamento, cimento). Os sufixos podem apresentar mais de um significado, assim como as unidades lexicais. No latim, seu significado era, em geral, de instrumento que x, sendo x uma base verbal. As gramticas portuguesas indicam o sufixo mento como ao ou resultado de x, entretanto, ao analisarmos as palavras do corpus, chegamos a outros significados incorporados s palavras derivadas desse sufixo, uma verdadeira polissemia. Observando a datao destas palavras, verificamos mudanas significativas de sentido e fizemos uma pesquisa mais ampla para algumas palavras, utilizando dicionrios etimolgicos. Nesta comunicao, apresentaremos os resultados de nossa pesquisa.

Aps unific-las, encontramos 1.153 palavras, do total de 1.307, que possuem a acepo geral de TRS, ou seja, 88,2% das palavras de nosso corpus possuem a acepo semntica de uma ao. Destas, 897 possuem exclusivamente essa acepo; o restante dos verbetes possui esta acepo e uma outra, por exemplo estado de x, resultado de x.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das cincias humanas. So Paulo: Martins Fontes, 2002.