ESTUDO DIRIGIDO ASSUNTO: TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA 1 – Em uma planta por onde é feito o transporte de açúcar e qual

o principal açúcar transportado? As células do floema que transportam açúcares e outras substâncias orgânicas e inorgânicas são conhecidas como “elementos crivados”. O principal açúcar é a sacarose. 2 – Faça o esquema da estrutura do floema e explique as funções das células que o constituem? Elementos de tubo crivado: é típico das Angiospermas responsável por translocar açúcares e outras substâncias orgânicas e inorgânicas. Células crivadas: características das Gimnospermas. Contém o tecido do floema contém células companheiras, outras células de parênquima, fibras, esclereídeos e laticíferos. No entanto, somente os elementos crivados atuam diretamente no processo de translocação. 3 – O que você entende por fonte e por dreno? Fonte esta presentes nas folhas maduras que são capazes de produzir fotoassimilados, podendo ser utilizada pela planta, armazenada ou transportadas para outras regiões. Os drenos estão presentes nas folhas imaturas podendo ser armazenado ou utilizado pela planta, importam carboidratos para o seu desenvolvimento normal. Em geral, folhas jovens se comportam como dreno. Em seguida ela passa por uma fase de transição e posteriormente ela passa a comportar-se como fonte. No caso de dicotiledôneas tem sido observado que a folha começa seu desenvolvimento como dreno. Quando ela atinge em torno de 25% da sua expansão ela entra numa fase de transição dreno/fonte. Finalmente, quando ela atinge de 40 a 50% da sua expansão, termina a fase de transição e a folha se torna uma fonte de fotoassimilados. As folhas independente da sua idade sempre irão produzir fotoassimilados, é considerado dreno quando consome mais do que produz e é considerada fonte quando produz mais do que o que consome. 4 – Quais as principais substâncias transportadas no floema? A água é a substancia transportada em maior quantidade no floema, além da água temos os carboidratos e os açúcares que também são os compostos mais transportados no floema de grande importancia. 5 – Descreva as vias simplástica e apoplástica no carregamento e descarregamento do floema(Transporte a Curta Distância). Na primeira etapa do transporte a curta distancia no carregamento do floema as trioses-fosfato formadas na fotossíntese durante o dia devem, primeiramente, ser transportadas do cloroplasto para o citosol, onde são convertidos para sacarose. Durante a noite, o carbono do amido estocado nos cloroplastos, o qual é liberado como glicose, pode também ser convertido para sacarose. Na segunda etapa, sacarose move-se das células do mesofilo para as células vizinhas do elemento crivado. Este transporte, referido como transporte à curta distância, pode ocorrer totalmente pelo simplasto, via plasmodesmas, ou pode ocorrer parte via simplasto

através de um simporte sacarose-H+ na membrana plasmática. O modelo baseado no gradiente de pressão (FLUXO EM MASSA OU FLUXO DE PRESSÃO) é amplamente aceito como o mecanismo mais provável para explicar a translocação de solutos no floema. Os feixes vasculares na planta formam um sistema que pode dirigir o fluxo de . o montante do carbono fixado disponível para translocação depende de subsequentes eventos metabólicos. Isto gera um gradiente de potencial hídrico (w). que ocorre com gasto de energia ou não. entre a fonte e o dreno. causando um decréscimo no potencial de pressão p no elemento crivado do dreno. No entanto. O modo de carregamento. osmoticamente gerado. via simplasto ou apoplasto. Esta absorção pode ocorrer via plasmodesma (simplasto) ou. Assim. Como se vê. consequentemente. entretanto. a água tende a deixar o floema em resposta a este gradiente de w . depende da espécie vegetal. um processo conhecido como exportação. onde os açúcares são transportados para dentro dos elementos de tubo crivado e células companheiras. no dreno. Já o transporte a longa distancia ocorre quando tem a translocação através do sistema vascular. Proposto primeiramente por Münch (1930). o descarregamento do floema (saída de solutos) provoca um aumento no potencial osmótico (s) e. que favorece a entrada de água nos elementos crivados. A regulação do destino do carbono fixada pela fotossíntese nas diferentes vias metabólicas é denominada alocação. A taxa fotossintética determina o montante total de carbono disponível para a folha. Já o transporte a curta distancia no descarregamento do floema tem uma terceira etapa. da fonte para o dreno. Como o w do floema torna-se maior do que no xilema. o movimento da solução na translocação à longa distância é impulsionado pelo gradiente de pressão e não pelo gradiente de potencial hídrico. sacarose e outros solutos são translocados da fonte. 8 – Defina Alocação e Partição. depende dos transportes ativos à curta distância. O carregamento do floema (entrada de solutos no floema próximo ao tecido fonte). no caso da via apoplástica. 7 – Quais as diferenças entre o transporte a curta distância e o transporte a longa distância? O transporte a curta distancia ocorre quando a sacarose move-se das células do mesofilo para as células vizinhas do elemento crivado. consequentemente. o modelo estabelece que o fluxo de solução nos elementos crivados é impulsionado por um gradiente de pressão. produz uma queda no potencial osmótico ( s) e. 6 – Explique a hipótese do Fluxo em Massa (ou Fluxo de Pressão). ocorre um aumento no p nos elementos de tubo crivado do tecido fonte e uma redução no p nos elementos de tubo crivado do tecido dreno. no potencial hídrico do elemento de tubo crivado. O gradiente de pressão é estabelecido como conseqüência do carregamento do floema na fonte e do descarregamento do floema no dreno. Na região final do tubo crivado. no potencial hídrico (w) dentro do floema. A entrada de água provoca um aumento no potencial de pressão (p) no elemento de tubo crivado no tecido fonte. ou seja. Trata-se de um fluxo passivo (fluxo em massa) que. relacionada a translocação de solutos no floema (transporte a longa distância). envolvidos no carregamento e descarregamento do floema. onde eles se tornam mais concentrados do que no mesofilo.e parte via apoplasto. Uma vez no floema. entre as células do mesofilo e os elementos de tubo crivado.

é derivado de diversas fontes: sacarose (principal em plantas). na realidade. etc. lise = quebra) de plantas. Estas trioses são. Quanto maior a capacidade de um dreno para estocar ou metabolizar o açúcar importado. do ácido málico (C4H6O2) e da frutose (C6H12O6). O NADH gerado pode ser usado como poder redutor para a síntese de outras moléculas (principalmente na fermentação) ou. Calcule o quociente respiratório (QR) do ácido palmítico (C16H32O2). raízes. na presença de oxigênio. pode ser metabolizado na mitocôndria para produzir ATP (respiração aeróbica). o carbono.3. sementes.fotoassimilados para vários drenos: folhas jovens. Na reação 3. Tal competição determina a distribuição de substâncias de transporte entre os vários tecidos drenos da planta.Mostre a equação geral da respiração partindo da sacarose. 5. duas moléculas de NADH são produzidas quando gliceraldeído-3-P é oxidado para 1. então.24 H2O Resultando na seguinte reação líquida: C12H22O11 + 12 O2 12 CO2 + 11 H2O G’ = .380 kcal/mol ou .760 kJ/mol (1 caloria = 4. ESTUDO DIRIGIDO ASSUNTO: RESPIRAÇÃO 1. o piruvato passa do citosol para a mitocôndria onde é completamente oxidado até CO2 e H2O . Esta distribuição diferencial de fotoassimilados dentro da planta é denominada partição. polímeros de glucose (amido). Quais os principais substratos utilizados na respiração? Embora a glucose seja geralmente aceita como o substrato da respiração. Uma importante função da glicólise é a produção de energia. polímeros contendo frutose (frutanas) e outros açúcares. 4. que pode ocorrer de duas maneiras. Discuta sobre o destino do piruvato formado na glicólise. lipídios (trialcilgliceróis). O destino do piruvato formado na glicólise depende das condições em que as células ou o organismo estão crescendo. ocasionalmente proteínas 3. frutos. ácidos orgânicos e. oxidadas e re-arranjadas para produzir quatro moléculas de piruvato. Esta oxidação parcial não requer O2 e também não resulta na liberação de CO2. Quais as funções da glicólise? Na glicólise (glico = açúcar.bisfosfoglicerato.5.1. C12H22O11 + 13 H2O 12 CO2 + 48 H+ + 48 e12 O2 + 48 H+ + 48 e. maior é a sua chance de competir por assimilados que estão sendo exportados pela fonte.1865 joules) 2. A primeira é a formação de poder redutor na forma de NADH. caules. Sob condições aeróbicas. uma molécula de sacarose (um açúcar de 12 carbonos) é quebrada e produz quatro moléculas de açúcar de três carbonos (trioses).

Ciclo de Krebs e CTE.   RESPIRAÇÃO DE MANUTENÇÃO o o    É aquela que fornece energia (ATP) para os processos que não resultam em aumento de matéria seca (crescimento). A vantagem é a rapidez. Gerando grande desgaste físico. Por exemplo. o qual dá origem a outros aminoácidos (família do aspartato). 13. 11. manutenção das estruturas de membranas e a troca de solutos. Qual a função do oxigênio na respiração? 10. na ausência de oxigênio. tem-se uma pequena produção de ATP. podendo ainda resultar na fermentação. o -cetoglutarato é usado para síntese de glutamato. 7. o qual produz alguns outros aminoácidos (família do glutamato). formação de acido lático e corpos cetonicos. Qual a diferença entre fosforilação ao nível do substrato e fosforilação oxidativa? O principal diferencial é a quantidade de energia que elas oferecem. porém de forma muito rápida. ou seja. as quais são posteriormente oxidadas na CTE para formação de ATP. oferecendo energia rapidamente. Defina respiração de manutenção e respiração de crescimento. Mostre a localização da Cadeia de Transporte de Elétrons. porém tem como desvantagem a pequena quantidade de energia que só dirá um curto espaço de tempo. Mostre como a síntese da ATP na mitocôndria é explicada pelo Mecanismo Quimiosmótico proposto por Mitchel (1960). As vantagens dessa via é a grande quantidade de energia gerada e a grande desvantagem é o tempo necessário para essa geração de energia. ou seja. Na presença de oxigênio tem-se uma grande quantidade de ATP. porém leva mais tempo pois entra na via do ciclo de krebs e CTE. Quais as funções do Ciclo de Krebs? Redução de NAD+ e FAD. Esquematize a composição bioquímica da CTE de plantas. produzindo as formas doadoras de elétrons NADH e FADH2. Mostre graficamente a relação entre a taxa de respiração e a idade de um órgão vegetal. 12. 9.6.Formação de esqueletos de carbono que podem se utilizados para a síntese de muitos compostos da planta. 8. o oxaloacetato é usado na síntese de aspartato. RESPIRAÇÃO DE CRESCIMENTO  É aquela que inclui: . Já a nível de substrato. Faça um balanço energético da oxidação completa de um mol de glucose através da glicólise. Síntese de ATP pela fosforilação ao nível do substrato (produz um ATP por molécula de piruvato). tais como: o transporte de moléculas orgânicas.

Avalie possíveis efeitos sobre a produtividade. Em temperaturas entre 5 e 25 ou 30oC.Qual a diferença entre divisão periclinal e anticlinal? Quando a nova parede entre as células filhas está em um plano aproximadamente paralelo à superfície da planta.O crescimento das plantas é concentrado em regiões de divisão celular conhecidas . e) Desenvolvimento: O desenvolvimento envolve o crescimento e a diferenciaçäo de tecidos e órgäos. e retorná-la ao seu estágio indiferenciado. 3 – A expansão celular segue algumas etapas quais são elas? São 3: Divisão celular. a divisão é dita divisão periclinal. Em temperaturas acima de 30oC. praticamente paralisam a respiração mitocondrial. É um parâmetro qualitativo. macromoléculas. expansão celular e diferenciação celular 4 . 2 . necessários para as reações de biossíntese e para o crescimento. e também irreversível. uma vez que é impossível que a planta retroceda em seu crescimento. 14. tecidos e órgäos durante o desenvolvimento. o seu início. ou seja. Mostre como a temperatura pode afetar a respiração vegetal. c) Totipotência: capacidade da célula de retornar ao estado meristemático. a desnaturação térmica das enzimas respiratórias e danos sobre as membranas. formando meristema secundário. etc. Quando a temperatura aproxima-se de 50 a 60oC. b) Diferenciação: A diferenciaçäo é o processo de especializaçäo celular que ocorre ao nível de células. o que está de acordo com o comportamento típico das reações enzimáticas. Nesta faixa de temperatura. ESTUDO DIRIGIDO CRESCIMENTO. a taxa de respiração dobra para cada aumento de 10oC. a divisão é anticlinal. DIFERENCIAÇÃO E MORFOGÊNESE 1 – Defina os seguintes termos: a) Crescimento: O crescimento é o aumento de tamanho. a respiração aumenta exponencialmente com a temperatura e o valor do Q10 fica em torno de 2. d) Desdiferenciação: O processo de desdiferenciação consiste em tomar uma célula adulta. para aí induzir a sua diferenciação no tipo de célula desejado. pois se dá pelo aumento de volume.0. e engloba as diferentes fases que a planta apresenta durante seu ciclo de vida.o o o carbono realmente incorporado (produção de esqueletos de carbono para a formação de parede celular. É um parâmetro quantitativo. relaciona-se com as mudanças graduais e progressivas em tamanho. funçäo e estrutura do zigoto à planta adulta. Mas se a nova parede é formada perpendicularmente à superfície. o valor de Q10 na maioria das plantas começa a cair. é o que vemos diretamente quando olhamos a planta.) o carbono respirado para produzir energia sob a forma de ATP e poder redutor (NADH. NADPH e FADH2). Quando aplicado às angiospermas (plantas com sementes). diferenciada.

Qual a diferença entre crescimento determinado e crescimento indeterminado? Cite exemplos de cada um. florescem e. 2) Alongamento Celular: aumento de . 7 . e anticlinal quando ocorre perpendicular ao perímetro. 9 – Quais são as etapas do crescimento e desenvolvimento da célula 1) Divisäo celular: a divisäo celular pode ser periclinal quando ocorre paralela ao perímetro. Exemplo o feijão-de-corda 8 – Quais os três tipos de controle que interagem para determinar o desenvolvimento global da planta? Os 3 tipos de controle são: Controle Genético do Desenvolvimento. produzem o crescimento em extensão. E o crescimento das folhas ocorre pela divisão de uma das três camadas externas de células próximas à superfície do ápice caulinar. aonde tem a origem dos nós. com as estrias de Caspary. chamada também de coifa. As plantas de crescimento determinado produzem um certo número de folhas. morrem. produzem o crescimento em extensão. então. Possui gemas apicais e axilares. Zona de Maturação – É aonde os pêlos radiculares se formam e crescem. 5 – De acordo com o crescimento de órgãos da planta. Zona de Alongamento . sem ter um números de folhas definido. Quais são estas regiões e comente sobre elas? Zona Meristemática – Tem função de proteger o meristema.Ocorre à formação da endoderme.Em seção transversal observa-se que a endoderme divide a raiz em duas partes: o córtex para fora e o cilindro central para dentro. Já as de crescimento indeterminado podem continuar crescendo vegetativamente. 6 – Como ocorre o crescimento de caules e folhas? O crescimento do caule ocorre pela produção de hormônios responsáveis pelo crescimento. Regulação Hormonal do Desenvolvimento e Regulação Ambiental do Desenvolvimento. Como são classificados estes meristemas? Existem 3 tipos de meristemas são eles: Apicais – Encontrados nos ápices e ramificações de caules e raízes. Um exemplo é o milho. produzem o crescimento em diâmetro. ramos. O cilindro central e dividido em floema e xilema. existe pouca divisão celular nesta zona. folhas e flores.como meristemas. mesmo após o florescimento. Intercalares – Encontrados entre tecidos maduros ou diferenciados. na região apical da raiz é possível observar três regiões distintas. Laterais – Situados paralelamente ao eixo do órgão em que se encontram. Favorecendo o aumento da área de absorção de nutrientes e água.

3) Diferenciaçäo celular: depois que a célula atinge seu volume máximo. Existe graças à permeabilidade da membrana. ela se especializa. Nos meristemas ocorre em três dimensöes. ela adquire funçäo específica. devido à entrada de água no vacúolo. ou seja. .volume. Essa entrada de água se deve ao gradiente de potencial osmótico formado entre o interior do vacúolo e o lado externo da célula.