Você está na página 1de 1

Cientistas Não Sabem Como Vacinas Funcionam 

Alerta foi feito por diretor do Instituto Pasteur, que defende novas
pesquisas
MICHAEL DAY
New Scientist

LONDRES - As vacinas funcionam produzindo anticorpos, certo? Bem, provavelmente não. Idéias
errôneas como essa aliadas à ignorância sobre como elas realmente funcionam estão emperrando o
desenvolvimento de uma vacina contra a aids. Segundo especialistas, ninguém se incomodou em
descobrir como agem vacinas bem-sucedidas como a da poliomielite, sarampo e hepatite B.
"Fico impressionado com a quantidade de informações científicas básicas que desconhecemos", afirma
Philippe Kourilsky, diretor do Instituto Pasteur de Paris. "Desenvolvemos várias vacinas bem-sucedidas
nas últimas décadas, mas perdemos a oportunidade de descobrir como elas funcionam", diz. "Cada vez
que uma nova vacina se mostra eficaz, os cientistas simplesmente a entregam para o pessoal da saúde
pública e vai estudar outra coisa; não investimos em pesquisa", explica. "Se tivéssemos pesquisado seu
funcionamento a fundo, hoje estaríamos mais bem equipados para enfrentar o problema de uma vacina
para a aids."
Enganos - A idéia de que as vacinas agem por meio da produção de anticorpos é enganosa, segundo
Neal Nathanson, diretor do U.S.
Office of Aids Research. "A vacina contra a hepatite B é um ótimo exemplo, porque é altamente eficiente,
mas ninguém sabe como funciona", afirma. A vacina provavelmente ativa um fator de proteção a partir das
células T, mas ninguém sabe como ela faz isso ou como é esse processo, muito embora esteja em uso há
quase dez anos. O mesmo vale para as vacinas contra a pólio, o sarampo e a varíola. Ruth Ruprecht,
professora da Faculdade de Medicina de Harvard, diz que é difícil obter recursos para pesquisar vacinas
que já existem. "Eles dizem: `Isso é velho, pesquisar para quê?'" Mesmo se os especialistas
conseguissem preencher essas lacunas, ainda teriam outro obstáculo a enfrentar para desenvolver uma
vacina contra a aids.
Segundo Ron Montelaro, da Universidade de Pittsburgh, mobilizar anticorpos contra o HIV pode fazer
mais mal do que bem. Montelaro, que estuda um vírus semelhante ao HIV que atinge cavalos, conhecido
como vírus da anemia infecciosa eqüina, diz que algumas vacinas desenvolvidas para esses animais
acabaram por ajudar na disseminação do vírus, fazendo com que os cavalos morressem
prematuramente. De acordo com ele, é possível que esses anticorpos tenham ajudado partículas de vírus
a infectar novas células. "Essa é uma coisa em que as pessoas não querem pensar, mas está na hora de
começar a levar esse risco em consideração."