Resumo / manual para confecção Prótese Fixa – FOPLAC

Adriana de Fátima Ferreira Soares Prótese fixa – passo a passo FOPLAC Etapa inicial:
Obter uma excelente imagem radiográfica da região em questão. A endodontia precisa estar de tamanho satisfatório. Lembre-se que a durabilidade da prótese fixa é diretamente proporcional a vida útil do dente.

Segunda etapa

Desobturação:

Alguns professores permitem a desobturação de modos diferentes, abaixo algumas particularidades: Professor Vantuilte, permite a desobturação sem a exata odontometria, ele avalia inicialmente e indica o tanto a ser desobturado e vai verificando toda a desobturação por meio de várias tomadas radiográficas. Professor Arlindo exige o cálculo exato dos dois terços (preconizado na literatura), para isso, realizar a equação odontométrica. CRD: CRI x CAD CAI CRD / 2 x 3 = Tamanho a desobturar

Para desobturar, use a sequência abaixo (baixa rotação) 1. Gattes Glidden n° 01 2. Gattes Glidden n° 02 3. Gattes Glidden n° 03 4. Largo n° 01 Cuidado!! Não extrapolar o tamanho da obturação!! Sempre radiografar!! Cuidado para não remover o cone principal! Use cursores nas brocas ou marcas com pincel!! Em caso de muitos alunos fazendo prótese ao mesmo tempo, os condutos podem ser desobturados sobre a supervisão dos professores da endodontia, contudo, estes exigem que o dente esteja isolado. Nesse caso atente para o calcador de Paiva, ele deve estar flambrado ao rubro, avermelhado de tão quente, para cortar e não grudar a guta-percha. Princípios biológicos endodônticos preconiza-se que o espaço entre gutapercha e pino provisório seja preenchido com Hidróxido de cálcio PA, para preservar a qualidade da endodontia executada.

Página

1

Para cimentação. respeitando o espaço mínimo de 2 mm (para o copping e porcelana).Resumo / manual para confecção Prótese Fixa – FOPLAC Terceira etapa Moldagem do núcleo / Provisório: Materiais: Pinget Resina acrílica duralay vermelha pó e liquido. o operador deve segurar firme o núcleo por 3 minutos. dente de estoque. e depois esperar mais 10 minutos antes de continuar o trabalho. A cimentação pode ser feita a base de cimento de Óxido de Zinco e eugenol ou Fosfato. utilizar cimento a base de hidróxido de cálcio (hidro C / dycal) Quarta etapa Cimentação do núcleo / Provisório: O núcleo deve ser levado ao espaço intrarradicular e deve estar bem adaptado. utilizar brocas para dar a anatomia correspondente a parte coronária do dente. dependendo do professor. para isso várias técnicas devem ser utilizadas. duralay 62/65/66 Pincel pêlo de Marta (qualidade e ponta do pincel) Pote dappen (2) Vaselina Instrumentais Pontas diamantadas. interna e externa.Maio/2010- . movimentos de inserção e retirada.quando levado com lêntulo geralmente este é cortado. e solicitado núcleo em liga de Prata. bolinha de resina. umedecer o pinget com liquido de acrílico. se necessário adcionar mais resina. A parte coronária do dente deve ser reconstruída em duralay. após a inserção no núcleo este deve ser radiografado para observar a boa adaptação. A manipulação e correta proporção do cimento deve ser muito bem observada (nos casos do Fosfato. e levar um pouco de pó (vermelho). já embebido ao liquido a entrada do conduto. O desgaste do núcleo deve ser feito. O provisório deve ser reembasado. após início da presa. o tamanho reduzido. avaliando bem a qualidade da terminação cervical! Vaselinar toda a região do dente. faceta. brocas maxi e mini cutes • A região adjacente ao elemento em questão. Esse núcleo deve ser conservado em boas condição e enviado ao protético. onde o pó será dividido em 32 partes e manipulado gradativamente). uma porção de pó para 4 gotas de liquido e misturado em uma placa de vidro limpa. o espaço intra radicular deve ser todo moldado. colocar com força moderada para que o pinget desça em toda a profundidade do conduto. se necessário pode-se fazer desgastes com pontas diamantadas. Alguns professores pode solicitar que o cimento seja levado ao interior do conduto utilizando propulsores Lêntulos. e outros indicar que o cimento seja espalhado ao longo do núcleo. O provisório deve ser confeccionado. assim como levar pó ao pinget. lembrando que agora é fundamental uma boa terminação cervical para quando for moldado o copping a terminação esteja nítida na moldagem com o casquete. já deve estar preparada para prótese fixa. Página 2 Resumo / manual para confecção Prótese Fixa – FOPLAC .

essa moldeira é levada a boca ainda com o casquete no núcleo. um colarinho com pó e liquido é feito no preparo. onde será verificado altura. vazar o gesso e enviar para o protético que fará o casquete. o objetivo é que o casquete venha preso na moldagem. ou bolinha de resina. Em casos de moldagem de mais de um núcleo adjacentes os casquetes devem estar unidos. avisar o protético desde a confecção do copping. para obter a terminação cervical.Resumo / manual para confecção Prótese Fixa – FOPLAC Quinta etapa Casquete: O casquete pode ser feito pelo operador ou vir do laboratório de prótese. mas observação. Alguns professores irão exigir que se coloque fio retrator. uma moldagem fiel deve ser feita. Sexta etapa Moldagem com Casquete: Com o casquete muito bem adaptado. é feito da seguinte forma. Para quem não quiser preparar o casquete. Uma dica é colocar um pouco de alginato na parte internet do provisório antes de verter a mesma no dappen com alginato. em qualquer tipo de preparo. o casquete recebe uma pincelada de adesivo. Após presa é feira uma base. e o ‘buraco’ correspondente a ele é preenchido com duralay vermelha. Sétima etapa Prova do copping (estrutura metálica): Página O copping é levado ao núcleo. esse provisório é submergido dentro do dappen.Maio/2010- 3 . O núcleo deve estar limpo e seco. uma fina camada. Onde será feita a moldagem de transferência. O protético deve ser informado qual a escala foi utilizada e se é uma coroa fresada ou não e também situação atípicas. para este casquete que é levado ao núcleo e reembasado. adaptação cervical. o Impregnum F. onde o casquete deve ser levado e ‘apertado’ até que extravase material. Resumo / manual para confecção Prótese Fixa – FOPLAC . não antes pois pode levar ao aumento do volume do fio. como dentes em giroversão. o fio é inserido com um instrumental adequado para inserção de fio e depois deve receber o hemostop. Importante se a coroa for fresada. O copping é radiografado para se observar a adptação. nesse caso o fio deve ser de espessura de 3mm e de boa qualidade. o casquete terá que ser reembasado em sua terminação. Após a presa do alginato o provisório é retirado de dentro do potte dappen. É feito agora a escolha da cor dos dentes. é ideal utilizar uma boa escala e na presença de luz natural. Se necessário feito desgaste. esse casquete com Impregnum é levado ao núcleo e segurado com boa estabilidade até tomar presa. onde a incisal/oclusão é voltada para o fundo do dappen. utilizando pincel e acrílico. um ‘pé’. O próprio operador com o modelo em gesso pode confeccionar o casquete. lembrando que. depois esse casquete é alisado e polido. na cervical. quando na etapa anterior foi feito o preparo do núcleo ele deve moldar com alginato. a terminação cervical é de suma importância. inserido em uma seringa própria para moldagem e aplicado no casquete. prepara-se uma pequena porção de alginato que é vertida em um potte dappen. é manipulado de acordo com a orientação do fabricante. deve ser respeitado o tempo mínimo de 3 minutos para que o adesivo esteja pronto para receber o material de moldagem. em uma moldeira é preparada com um bom alginato ou silicona. a técnica preconizada na universidade é com o uso de Impregnum F. o paciente é orientado a não fechar a boca. Um operador mais experiente pode confeccionar o casquete direto no núcleo preparado. podendo ser de condensação ou adição. No caso onde o operador confecciona o casquete. o provisório quando bem adaptado é retirado e limpo.

mais uma vez observando adaptação cervical. Oitava etapa Prova da coroa com porcelana não polida: A coroa já em porcelana não glazeada. e deverá ser cimentada. cimentar com cimento de fosfato de zinco e eugenol. antes limpar o metal interno com álcool. as borrachas de exacerapol. altura. esta moldagem deve ser feita por duas pessoas. que já deve estar na moldeira. assim como o núcleo. Se tiver sido feitos desgastes. é o último momento para desgastes. que com o uso de uma seringa para aplicação é levado ao pesado.Maio/2010- . o auxiliar manipula o denso. cinza e rosa pode ser utilizadas para polimento. Com o copping no núcleo é realizada uma moldagem.Resumo / manual para confecção Prótese Fixa – FOPLAC Obs. Nona etapa Cimentação definitiva: A coroa já glazeada passa por mais uma checagem de oclusão. deve ser provada. o pesado. contatos oclusais (um bom carbono é necessário). Página 4 Resumo / manual para confecção Prótese Fixa – FOPLAC . para isso. e ao mesmo tempo o operador está manipulado o catalisador e o base. e também levado ao contorno do copping.: Dependendo do professor o aluno pode ser orientado a fazer uma moldagem de transferência com silicona.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful