Você está na página 1de 1

Processo n 197/2003 Alvar Judicial

PARECER
Alvar Judicial. Transferncia de veculo automotor pertencente a falecido. Procedimento indevido. Necessidade de Inventrio.

Rovnio de Souza Oliveira requer alvar judicial para transferir, em seu nome, uma motocicleta que teria adquirido de Jos Ivan Gomes Barbosa, falecido em 07/09/1997. Juntou certido de casamento e de bito do de cujus, fotocpias de documentos dos filhos deste, todos maiores, procurao a ele firmada pela esposa deste, que concede poderes para transferncia da citada moto em seu nome, e certificado de registro desse veculo. Por determinao do MM. Juiz de Direito, o Cartrio comunicou a inexistncia de inventrio ou arrolamento dos bens de Jos Ivan Gomes Barbosa e solicitou informaes sobre a motocicleta ao DETRAN, o qual respondeu no haver restries, a no ser impostos atrasados. Determina o art. 982 do Cdigo de Processo Civil: Proceder-se- ao inventrio judicial, ainda que todas as partes sejam capazes. Mais adiante, o art. 993, caput, IV, b, do mesmo estatuto dispe que, nas primeiras declaraes, o inventariante relacione todos os bens do esplio, inclusive os mveis. Por sua vez, a Lei n 6.858/1980 permite que as verbas nela especificadas sejam pagas aos dependentes ou sucessores, independentemente de inventrio ou arrolamento, no se incluindo entre aquelas hipteses a transferncia de veculos automotores. Pela interpretao conjunta de tais dispositivos, percebe-se que o alvar autnomo no o instrumento adequado para transferir-se bem de extinto, ainda que mvel, e sim o inventrio. No se diga que, por tratar-se de procedimento de jurisdio voluntria, pode-se decidir por equidade, utilizando-se um meio pelo outro, pois, em tal caso, haveria diversos prejuzos em relao a terceiros, inclusive quanto Fazenda Pblica, que no receberia o imposto causa mortis, ou at mesmo aos herdeiros, pois somente a viva outorgou a procurao de fl. 11. Diante disso, o Ministrio Pblico entende no ser possvel o deferimento do pedido na forma como foi realizado, extinguindo-se o processo sem julgamento do mrito nos termos do art. 267, caput, I c/c o 295, V, ambos do Cdigo de Processo Civil. De Santana para Santa Maria da Vitria, 15 de julho de 2003. Millen Castro Medeiros de Moura Promotor de Justia Substituto