Você está na página 1de 5

MXIMAS DO MARQUS DE SADE EM ''JUSTINE'' ou

''OS INFORTNIOS DA VIRTUDE''

1 - A prosperidade pode acompanhar o crime mas a prosperidade do crime apenas aparente. 2 - O roubo crime de pouca importncia e at de utilidade social, pois restabelece um pouco o equilbrio na sociedade, perturbado pelas desigualdade das riquezas excessivas. 3 - A dureza dos ricos a causa da velhacaria dos pobres. 4 A prece a mais doce consolao do infeliz, que se sente mais forte depois de rezar. 5 - O momento do despertar o mais fatal para os infortunados. 6 - corrente o desregramento dos sentidos extinguir por completo a piedade no homem.

8 Todos supem indispensvel o culto de um ser criador, num mundo que jamais teve princpio e jamais ter fim. 9 O Homem no possui o poder de destruir; possui, quando muito, o de modificar as formas, mas no o de as aniquilar. 10 No h nada como conceber um crime para a sorte nos bafejar. 11 O perjrio virtude quando pune um crime. No se deve mentir mas se tiverermos de mentir para ganhar a Guerra, no vamos com certeza dizer a verdade para a perder ... O CAMINHO DA VIRTUDE NEM SEMPRE O MELHOR E H NO MUNDO SITUAES EM QUE A CUMPLICIDADE NUM CRIME PREFERIVEL SUA DELAO. Se se podem salvar milhes de pessoas sacrificando uma, porque razo haveremos de hesitar? 12 As lgrimas constituem uma atrao aos olhos do crime e da libertinagem. 13 A exemplo dos outros animais, o homem apenas consegue gozar, fazendo tremer de pavor a sua companheira.

14 O Imprio da Beleza inspira respeito e at o mais celerado e mais corrompido lhe presta, apesar de tudo, uma espcie de culto que no infringe sem sentir remorsos. 15 No h nada mais insacivel do que os nossos desejos: quanto mais lhes sacrificamos, tanto mais se inflamam. 16 Est escrito que as atribulaes e os desgostos so a terrvel recompensa da virtude. 17 A Civilizao, ao derrubar as instituies da Natureza no a privou dos seus direitos. O homem mais rico torna-se o homem mais forte, tal como o mais pobre se torna o mais fraco. A superioridade do forte sobre o fraco foi sempre uma das leis da Natureza. 18 A gratido no faz parte das leis da Natureza. 19 A ingratido, em vez de ser um vcio, , sim, a virtude das almas orgulhosas, do mesmo modo que o bem-fazer o das almas fracas. 20 O Homem , pois, naturalmente mau, e -o quase tanto no delrio das suas paixes como na sua calma, e em todos os casos os males do seu semelhante podem transformar-se para ele em execrveis prazeres.