Você está na página 1de 5

1

SEXUALIDADE HUMANA

∗ A sexualidade é uma das condições básicas nas quais se encontra instalada a


existência pessoal. Causa, conseqüentemente, um âmbito peculiar de atuação no qual se
realiza o desígnio vocacional de cada pessoa.

Dimensões da sexualidade humana

∗ A sexualidade humana possui diversas dimensões, tão complexas como a própria


pessoa humana. Provavelmente, a mais notável distorção da no que diz respeito à
compreensão e vivência da sexualidade, nos dias de hoje, seja o reducionismo, isto é, a
redução da sexualidade à uma única dimensão, qual seja, a biológica. E, em muitos
casos, a redução da redução: a concepção da sexualidade na mera dimensão biológica-
genital ou gonádica (órgãos sexuais). Ora, tal dimensão existe e é importante, mas não
ocupa (se ocupa) todo o tempo da vida. É necessário atentar e tomar consciência de
todas as dimensões da sexualidade, que são:

Sexo biológico
∗ cromossômico (determinação genética do sexo): A fórmula cromossômica (celular)
difere conforme o sexo. Homem: 44A+XY; Mulher: 44A+XX.
∗ gonádico: refere-se à formação das gônadas, das vias genitais e dos órgãos genitais
externos.
∗ hormonal: diz respeito à produção de hormônios e o conseqüente aparecimento
dos caracteres sexuais secundários (exercido pelas glândulas endócrinas - supra-renal,
epífisis e tireóide). Por exemplo, as formas corporais, a barba, o pomo-de-adão e a
musculatura no indivíduo masculino, etc.
Sexo psicológico:
∗ O comportamento sexual humano é governado pelas regiões elevadas do córtex
cerebral. Desde a imagem da própria sexualidade até o comportamento sexual é a mente
que comanda. O órgão principal da sexualidade humana é o cérebro (Marc Oraison). A
sexualidade humana é, pois, um fenômeno psíquico.

∗ Temos ainda a dimensão sócio-cultural, enquanto forma de expressão social da


masculinidade e feminilidade - duas formas de ser e de agir humanos, e a dimensão
existencial, na medida em que, pela sexualidade, se abre a porta de comunicação
interpessoal, é a forma pela qual percebemos o outro e é o lugar de vivência da vida e da
morte. É a expressão da própria vida e consciência da morte (a necessária perpetuação
da espécie, dada nossa mortalidade individual).

∗ Sexo é comunicação, é linguagem, é diálogo intersubjetivo, é o reconhecimento do


outro, é alteridade. É palavra (sinal) que diz verdade ou mentira, amor ou apropriação
do corpo, dominação e apropriação do outro ou doação mútua. A sexualidade revela o
homem como desejo do outro, criando a alegria de viver. E a sexualidade não existe
porque o ser humano possui órgãos genitais. Ele existe porque o ser humano é um ser
sexuado como um todo, tanto corpórea como psiquicamente. A sexualidade é uma
atmosfera dentro da qual os seres humanos vivem e, por isso, possuem órgãos genitais.
Nesse sentido ela é uma das maneiras através da qual o ser humano se expressa, como
ser racional consciente, livre e corpóreo. Mas ela revela sobretudo a afetividade
2

humana, mundo onde o ser humano se realiza ou se frustra enquanto tal. Ela se situa na
esfera do amor que é sempre uma esfera sexuada.

Os três dinamismos básicos da sexualidade humana


∗ A sexualidade humana, enquanto força da pessoa, abre-se em três dinamismos ou
bases fundamentais. Um primeiro dinamismo orienta-se para conseguir a maturidade e a
integração pessoal; a sexualidade é uma força para a construção do eu; é esta sua
primeira base. O segundo dinamismo tende a realizar a abertura da pessoa ao mundo do
tu; a sexualidade é que possibilita a relação interpessoal que culmina na construção de
um projeto de vida; neste último sentido, a sexualidade serve para levar a feliz resultado
uma situação ou projeto vital: celibato, matrimônio, virgindade ou viuvez. O terceiro
dinamismo da sexualidade é a abertura ao nós; trata-se do campo social da sexualidade
que serve para construir o nós dentro de um clima de relações interpessoais cruzadas.
∗ O comportamento sexual, enquanto agir moral deve conseguir essas três
orientações básicas. O positivo ou negativo da moral sexual concreta pode-se ver dentro
deste tríplice esquema:
∗ dever moral de integração do EU,
∗ dever moral de abertura ao TU,
∗ dever moral de construção de um NÓS.
∗ Estas são as três ações do homem enquanto ser sexual. As falhas e os acertos no
campo da sexualidade devem ser avaliados dentro destes critérios.
3

∗ O princípio fundamental de todo relacionamento humano (sexual também) é o


de SUJEITO para SUJEITO (O ser humano nunca deve ser tido e tratado como
OBJETO). Portanto, é imprescindível o respeito ao corpo e ao espírito (sentimentos).

A "revolução" sexual
∗ O determinante mais significativo da chamada "revolução sexual" dos nossos dias
foi o advento dos contraceptivos. Sexo e procriação estavam necessariamente
associados. Com os contraceptivos, tornou-se possível "fazer sexo" sem procriar. Este
fato fundamental haveria de alterar profundamente a própria visão da sexualidade, com
inúmeras e imprevisíveis conseqüências, positivas e negativas em termos de realização
da sexualidade humana. Eis alguns aspectos extremamente negativos daí advindos:
∗ - a sexualidade ganhou extensão mas perdeu qualidade: a "sexualidade de
consumo" vai dirigida ao homem-massa;
∗ - operou-se uma dissociação nos valores da sexualidade: éros x ágape ( sexo e
amor - dissociados). Existe na configuração atual da sexualidade uma
hipergenitalização que não corresponde à evolução normal e que denota uma regressão
e fixação a uma etapa infantil ou pré-adolescente (segundo o pensamento de Freud...);
∗ - como o predominante na sexualidade massificada atual é o quantitativo, segue-se
a necessidade de um aumento contínuado nos estímulos sensoriais. O umbral de
excitabilidade variou; é preciso aumentar a quantidade de estímulos para provocar a
mesma reação. Este é o processo necessário a que conduz uma sexualidade talhada no
estilo de sexualidade-consumo e baseada excessivamente no aspecto "signo", de cunho
mais sensorial (na base do reflexo condicionado de Pavlov...);
∗ - reduziu-se muito a sexualidade ao ANONIMATO: não interessa tanto a pessoa,
mas as "coisas" da pessoa;
∗ - através desta "onda de sexualidade" esconde-se a profunda problemática humana
que hoje afeta tantas pessoas: uma sexualidade reprimida ou imatura e
sobrecompensada na maior parte das vezes. Em muitas ocasiões a sexualidade, em lugar
de ser um serviço para a edificação da pessoa, é empregada para realizar uma
"alienação" pessoal. O homem contemporâneo aliena-se de muitos modos: a
sexualidade é uma das formas mais generalizadas desta alienação;
∗ - enfim, pela manipulação econômica da sexualidade, gerou-se um consumo de
bens supérfluos, de luxo, modas etc. nos moldes da mesma exploração ocorrida através
da repressão sexual, no passado (ver as origens da repressão sexual a partir da
instituição positiva propriedade privada e suas conseqüências.
∗ A EDUCAÇÃO SEXUAL, em que pesem as necessárias informações e
orientações sobre os mecanismos da sexualidade humana, deve ter como prioridade
maior a educação da afetividade, a busca do desenvolvimento e da maturidade afetiva,
que se dá através do relacionamento humano sadio e que começa já na primeira infância
("a criança é pai do homem", dizia Freud).

FAMÍLIA
∗ A família é uma comunidade de amor, com base na união entre um homem e uma
mulher e seus filhos. O amor conjugal significa uma doação mútua, total e exclusiva,
em termos de dedicação, sacrifícios, conquistas e alegrias contínuas. O primeiro direito
que os filhos têm é que os pais se amem, criando uma cobertura afetiva sobre os
mesmos e tendo como resposta o amor filial e o amor fraterno.
4

∗ Daí surge a segurança para os membros da família, através da afetividade, que


existencialmente é um dos elementos mais importantes para o equilíbrio da
personalidade. Tendo por base o amor e a segurança, surgem personalidades fortes,
marcantes, destemidas, sem serem agressivas ou rígidas.
∗ Nesse clima, torna-se fácil a família ser um lugar ideal para o diálogo entre as
gerações, pois haverá o relacionamento afetivo, o mútuo respeito e a consideração pelo
outro como pessoa importante para a vida de todos.
∗ Ao mesmo tempo na família ocorre a transmissão de valores materiais, culturais,
morais, religiosos e outros, não tanto pelo ensino, mas muito mais pela vivência. Assim
se intensifica o processo da educação para a liberdade e responsabilidade, criando
condições para escolhas dos melhores meios para a realização da própria pessoa, e,
finalmente, o indivíduo tem uma retaguarda mais firme para introduzir-se nos vários
setores da sociedade como escola, trabalho, lazer, religião, etc.
∗ Na família atual, está ocorrendo uma saudável evolução na forma de exercer a
autoridade. Antigamente era preceito (mandava-se), pressão (obrigava-se) e punição
(castigava-se). Hoje a chefia tende a se exercer mais através da competência, da
comunicabilidade e da capacidade de diálogo, despindo-se do autoritarismo. Assim, na
família, os pais não são mais donos absolutos da verdade que é imposta rigidamente
sobre os filhos, especialmente com ameaças. A autoridade dos pais sobre os filhos se
impõe por si, na medida em que procuram criar um ambiente de respeito e de busca de
autenticidade entre os membros da família.

∗ A necessidade de um planejamento familiar é inquestionável, principalmente nos


dias de hoje. Seus determinantes são de ordem econômico-financeira, enquanto o casal
tem dificuldades em sustentar uma prole numerosa, o alto custo de vida e os baixos
salários (quando não o desemprego) que a maioria da população recebe e que não
permitem dar condignamente moradia, alimentação, educação e lazer para muitos filhos.
Então a decisão é ter uma família pequena. Há também causas sociais, de saúde (por
exemplo, doenças que não aconselham à mãe uma nova gestação) e até de ordem
profissional dos cônjuges. Quanto à escolha de métodos para o planejamento familiar,
cabe ao casal e não a um só dos dois a decisão. É necessária a consulta a pessoas
competentes para obter as indicações mais seguras. Seja qual for o método empregado,
devem ser respeitados os critérios de: a) Não atentar contra uma vida já concebida; b)
Manter a dignidade dos cônjuges; c) Não ocasionar prejuízo grave à saúde e ao
equilíbrio bio-psíquico dos cônjuges, nem servir simplesmente ao egoísmo de algum
deles.

HOMOSSEXUALISMO

∗ Parece, fundamentalmente, que ninguém escolhe o homo ou heterossexualismo. A


questão seria assumir-se ou não como homossexual. E esta é uma questão que depende
da consciência da pessoa como indivíduo concreto. Numa cultura como a nossa, há
muitos erros de julgamento, de juízos e de valor a respeito. Muitos julgam que os
homossexuais são maus porque escolheram este tipo de comportamento. Há uma
tendência geral à condenação, à danação, desde piadas até a idéia de confinamento. É o
produto de uma sociedade excessivamente machista e sem educação. Numa sociedade
séria, dever-se-ia estudar a questão, procurando ver se se trata de um problema
biológico ou psicológico. Não se deve fazer piada com problemas humanos. Problemas
5

humanos devem ser tratados entre grupos interdisciplinares e resolvidos de modo


consciente com a dignidade das pessoas.
∗ Quanto à conduta moral, os seres humanos só podem ser julgados moralmente
quando suas ações são livres e conscientes. Neste sentido, o comportamento dos
homossexuais (uma vez que a homo ou heterossexualidade não dependem da liberdade)
deve obedecer às normas comuns à heterossexualidade. E certamente uma atitude de
repulsa e desprezo em relação aos homossexuais é imoral. Mas se o homossexualismo é
fruto da liberdade, da escolha, o problema deve ser analisado também a partir deste
ponto de vista.
AIDS
∗ O aidético tem que ser visto antes de tudo como pessoa humana,
independentemente de aspectos morais ou religiosos. Ainda mais, é um ser humano que
necessita de ajuda toda especial devido à característica de sua doença. Ele tem que
sentir a presença amiga de pessoas que o querem bem, não apesar e nem por causa de
sua doença, mas porque ele é gente como qualquer outra pessoa, porque o que o faz
sofrer mais, além de sua situação orgânica, é a solidão, o distanciamento e o abandono
dos outros. Esta solidariedade toca fundo no coração e pode ser praticada por qualquer
pessoa, principalmente pelos parentes e amigos do paciente e pelos profissionais da
saúde que cuidam dele.

Autores citados:
∗ - Marciano VIDAL - Moral de Atitudes - Vol.2 - Ética da Pessoa - Editora Santuário.
∗ - Olírio Plínio COLOMBO - Pistas para Filosofar II - Editora Evangraf
∗ - Marculino CAMARGO - Valores da Existência Humana e Ética, Vida e Saúde - Editora Vozes