P. 1
Fisiologia Do Envelhecimento

Fisiologia Do Envelhecimento

5.0

|Views: 22.695|Likes:
Publicado porMarcos Rodrigues

More info:

Published by: Marcos Rodrigues on Aug 03, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/06/2013

pdf

text

original

Fisiologia do envelhecimento

Fisiologia do envelhecimento tecido tegumentar e conjuntivo
• Aumento moléculas de das ligações cruzadas nas colágeno e elastina

• Aumento da colagenase • Diminuição das fibras elásticas • Diminuição do conteúdo hídrico extra celular • Aumento do acúmulo de gordura corporal

Fisiologia do envelhecimento tecido tegumentar e conjuntivo
• Alterações no tamanho, forma e número das mitocôndrias • Diminuição: Queratinócitos, Melanócitos, Vascularização e Glândulas sudoríparas na pele.

Implicações para o idoso
Maior chance de lesões, Maior rigidez da cápsula articular e ligamentos, Diminuição da amplitude de movimento articular, Alterações na propriocepção, Alterações no metabolismo geral, Manchas, maior fragilidade e ressecamento da pele,

IMPLICAÇÕES PARA O Alterações na termorregulação FISIOTERAPEUTA

Fisiologia do envelhecimento sistema nervoso
• Diminuição do número de motoneurônios alfa • Desmielinização segmentar • Cérebro: redução do peso e da espessura dos giros e aumento dos ventrículos • Alterações nos neurotransmissores

Fisiologia do envelhecimento sistema nervoso
• Visão: diminuição da acuidade visual e da adaptação a diferentes luminosidades • Audição: diminuição da acuidade auditiva principalmente para sons graves • Diminuição e alteração dos receptores sensoriais cutâneos

Implicações para o idoso
Fraqueza muscular; Lentidão dos movimentos, diminuição da capacidade de gerar movimentos rápidos e alternados; Limitações funcionais; Aumento do tempo relaxameto muscular; de contração e

Implicações para o idoso
Aumento do risco de quedas, Diminuição da capacidade cognitiva e de atenção, Diminuição da plasticidade neuronal, Alterações na sensibilidade.

IMPLICAÇÕES PARA O FISIOTERAPEUTA

Fisiologia do envelhecimento tecido musculo-esquelético
•Desidratação do disco intervertebral, aumento da rigidez e degeneração do colágeno •Redução do volume e da qualidade do líquido sinovial •Diminuição do número e tamanho das fibras musculares

Fisiologia do envelhecimento tecido musculo-esquelético
• Diminuição das proteínas contráteis • Substituição de tecido muscular por tecido conjuntivo e adiposo • Diminuição da área transversal relativa das fibras tipo II • Diminuição do aporte sanguíneo, da densidade mitocondrial e da atividade das

Fisiologia do envelhecimento tecido musculo-esquelético UNIDADE MOTORA (UM)
• Diminuição do número de UM; • Aumento do tamanho das UM remanescentes; • Diminuição do número de células no corno anterior; • Declínio no número de raízes nervosas; • Acúmulo de lipofucsina no corpo neuronal; • Diminuição da velocidade de condução nervosa periférica; • Aumento da irregularidade da junção neuromuscular.

Implicações para o idoso
Fraqueza muscular principalmente contrações concêntricas, Lentidão dos movimentos, Fadiga muscular precoce, Limitações funcionais, Diminuição da amplitude de movimento articular, Encurtamentos musculares nas

IMPLICAÇÕES PARA O FISIOTERAPEUTA

Fisiologia do envelhecimento sistema cardíaco
•Diminuição do número e aumento do tamanho dos miócitos •Aumento do tecido fibroso e acúmulo de lípideos e amilóides senis •Diminuição da sensibilidade à estimulação beta-adrenérgica •Diminuição marcapasso do número de células do

•Aumento do tecido fibroso nos tecidos de condução •Aumento da fibrose e calcificação das válvulas

Implicações para o idoso
Aumenta a probabilidade miocárdica e arritmias; Fadiga precoce; Diminui o VO2 máx; Presença de sopros.   de isquemia

Diminui a FC máxima aos esforços;

IMPLICAÇÕES PARA O FISIOTERAPEUTA

Fisiologia do envelhecimento sistema respiratório
•Aumento da rigidez das traquéias e brônquios •Diminuição da elasticidade dos bronquíolos e do tecido pulmonar •Diminuição do número e da motilidade dos cílios •Aumento do número de glândulas secretoras e da camada de muco •Alargamento das paredes alveolares

Implicações para o idoso
Aumento do volume residual, Diminuição da complacência pulmonar, Desequilíbrio ventilação/perfusão, Diminuição do VO2 máx, Fadiga precoce, aumento da percepção subjetiva do esforço, Maior risco constante.   de pneumonias, pigarro

IMPLICAÇÕES PARA O FISIOTERAPEUTA

Fisiologia do envelhecimento sistema vascular
•Diminuição colágeno da elastina e aumento do

•Aumento da deposição de cálcio e lípideos •Estimulação reduzida à catecolamina •Diminuição da barorreceptores sensibilidade dos

Implicações para o idoso
Aumento da resistência vascular, Hipertrofia miocelular e cardíaca, Prolongamento da vasoconstrição, Maior probabilidade de hipotensão postural, Aumento da PAS e PAD, Alterações esforço, desproporcionais da PA ao

IMPLICAÇÕES PARA O FISIOTERAPEUTA

Implicações para o idoso
Diminuição da resposta local com aumento do metabolismo, Diminuição da capacidade de termorregulação e aporte sanguíneo para o músculo, Diminuição do retorno venoso

IMPLICAÇÕES PARA O FISIOTERAPEUTA

Fisiologia do envelhecimento sistema imunológico
•Atrofia do timo •Diminuição da capacidade de proliferação celular •Diminuição da citotoxidade celular hipersensibilidade e

•Aumento da produção de anti-corpos auto imune

Implicações para o idoso
Maio risco e menor controle de infecções, Maior probabilidade de doenças auto-imunes.  

IMPLICAÇÕES PARA O FISIOTERAPEUTA

Fisiologia do envelhecimento genito-urinário
•Diminuição da função renal •Fraqueza da musculatura esfincteriana e do assoalho pélvico •Aumento das contrações não inibidas da bexiga •Aumento do volume residual da bexiga  

Implicações para o idoso
Maiores efeitos colaterais de medicações;   Diminuição da capacidade de continência; Maior frequência urinária; Maior prevalência de infecção urinária.

IMPLICAÇÕES PARA O FISIOTERAPEUTA

Fisiologia do envelhecimento sistema digestivo
•Diminuição da ingestão e retenção hídrica •Aumento da fragilidade do osso alveolar nos dentes •Atrofia gengival •Diminuição do paladar, olfato e fluxo salivar •Diminuição das células hepáticas •Diminuição da produção de suco gástrico •Diminuição da motilidade intestinal •Diminuição do suprimento nervoso, vascular e das células absortivas no intestino

Implicações para o idoso
Rápida desidratação,   Hipotensão postural, Hipertermia, Constipação mucosas, intestinal, ressecamento de

Confusão mental,

IMPLICAÇÕES PARA O FISIOTERAPEUTA

Implicações para o idoso
  Maior probabilidade de perda dos dentes, cáries e problemas na mastigação, Diminuição da ingesta de alimentos, Alterações na digestão e no metabolismo de medicamentos, Má absorção intestinal e flatulências.  

IMPLICAÇÕES PARA O FISIOTERAPEUTA

Alterações na postura do idoso

Causas
•Alterações fisiológicas no sistema musculoesquelético (fraquezas e encurtamentos musculares e alterações na massa óssea), na propriocepção, no afeto e nas articulações. •Patologias •Degenerações e traumas •Hábitos •Emoções

HIPERCIFOSE TORÁCICA
• Causas: • Fatores emocionais, • Fraturas osteoporóticas, • Encurtamentos e fraquezas musculares, • Ação da gravidade, • Profissão, hábitos.

HIPERCIFOSE TORÁCICA
• Conseqüências: • Protusão de cabeça, • Hiperlordose lombar, • Limitações e patologias no ombro, • Alterações respiratórias, • Compressões nervosas, • Redução dos movimentos do tronco, • Anteriorização do centro de gravidade.

REDUÇÃO DA LORDOSE LOMBAR
• Causas: • Compensações, • Degeneração, • Hábitos, • Encurtamentos e fraquezas musculares. •Conseqüências: • Retroversão pélvica, • Dor, • Aumento da flexão do joelho e alterações na marcha.

AUMENTO DA FLEXÃO DE JOELHOS
•Causas: • Compensações, • Encurtamentos e fraquezas musculares, • Hábitos. •Conseqüências: • Alterações na marcha, • Alterações funcionais, • Limitação da utilização de estratégias de equilíbrio (maior risco de queda)

AUMENTO DA FLEXÃO DE TRONCO E QUADRIS
•Causas: • Compensações, • Encurtamentos e fraquezas musculares, • Hábitos. •Conseqüências: • Alterações na marcha, • Alterações funcionais, • Limitação da utilização de estratégias de equilíbrio (maior risco de queda)

PROTRUSÃO DE OMBROS E SEMIFLEXÃO DE MMSS
•Causas: • Compensações, • Encurtamentos e fraquezas musculares, •Conseqüências: • Alterações funcionais, • Limitação da utilização da reação de proteção

Alterações na postura do idoso
IMPLICAÇÕES PARA O FISIOTERAPEUTA
Treino funcional, Analgesia, Alongamento e fortalecimento musculatura, Orientações posturais, Treino de marcha e equilíbrio.

Alterações na marcha do idoso

Causas
•Redução da sensibilidade plantar •Redução na capacidade de absorção de choques •Redução sensorial da propriocepção e do input

•Alterações musculoequeléticas

Alterações
•Aumento da largura da base de suporte •Aumento da fase de apoio e diminuição da fase de balanço •Redução do comprimento (tamanho) do passo •Redução da altura do passo •Diminuição da dissociação de cinturas e do balanço recíproco dos membros superiores •Diminuição da amplitude de movimento de tornozelo (principalmente dorsoflexão), joelho e quadril

Alterações
•Diminuição da velocidade de marcha: normal 1,1 a 1,2 m/s. Abaixo de 0.6m/s indica risco de queda e perda funcional •Aumento da cadência

Conseqüências
Consequências: • Alterações funcionais, • Instabilidade e maior risco de quedas

IMPLICAÇÕES PARA O FISIOTERAPEUTA

Repercussões clínicas do envelhecimento fisiológico
• Fragilidade • Manifestações atípicas • Pluripatologias • Fenômeno do iceberg • Polifarmárcia • Gigantes da geriatria • Comprometimentos na autonomia e qualidade de vida independência,

• Utilização de inúmeros recursos de saúde.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->