P. 1
6 Planodecontas IOB

6 Planodecontas IOB

|Views: 14|Likes:
Publicado porRita Lima

More info:

Published by: Rita Lima on Nov 01, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/27/2015

pdf

text

original

Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.

638/2007 e da
MP nº 449/2008)
Sumário

1. Conceituação
............................................................................ 2

2. Denominação (título) da conta
............................................................................ 3

3. Observações sobre o modelo
............................................................................ 4

4. Modelo de plano de contas em face da Lei nº
6.404/1976 , com as alterações da Lei nº
11.638/2007 e da MP nº 449/2008 ............................................................................ 5

Legislação
............................................................................ 22
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
1
1. Conceituação
O Plano de Contas é, na essência, um guia que norteia os trabalhos contábeis de registro de fatos e atos inerentes à
empresa e serve de parâmetro para a elaboração das demonstrações financeiras (ou demonstrações contábeis).
O Plano tem por finalidade principal estabelecer normas de conduta para o registro das operações da organização e, na
sua montagem, devem ser levados em conta três objeti-vos fundamentais:
a) atender às necessidades de informação da administração da empresa;
b) observar formato compatível com os princípios de contabilidade e com a norma legal que regula a
elaboração do balanço patrimonial e das demais demonstrações contábeis (ou seja, a Lei nº
6.404/1976);
c) adaptar-se tanto quanto possível às exigências dos agentes externos à empresa (fornecedores,
bancos, Fisco, auditoria externa) e, particularmente, às regras da legislação do Imposto de Renda. Na
prática, essa adaptação é feita quase que automaticamente, adotando-se um Plano de Contas que,
embora atenda às exi-gências internas da empresa, não seja excessivamente "diferente" dos
modelos usualmente utilizados.
Devem ser observados, ainda, os seguintes aspectos:
a) o Plano de Contas é, efetivamente, o instrumento que o profissional consulta quando vai fazer um
lançamento contábil, pois indica qual conta deve ser debi-tada e qual conta deve ser creditada;
b) o Plano de Contas, genericamente tido como um simples elenco de contas, pode constituir na
verdade um conjunto de normas do qual pode fazer parte, ainda, a descrição do funcionamento de
cada conta - o chamado Manual de Contas, com comentários e indicações gerais sobre a aplicação e
o uso de cada uma das contas (para que serve, o que deve conter e outras informações sobre
critérios gerais de contabilização). Há empresas que, de fato, adotam esse critério, mas muitas outras
(talvez, a maioria) limitam-se ao elenco de contas.
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
2
2. Denominação (título) da conta
O título de uma conta deve expressar o significado adequado das operações nela registradas.
A importância da adequada denominação das contas decorre do fato de que as demonstrações contábeis não são de
utilização apenas da própria empresa; são também analisadas por auditores, fornecedores, instituições financeiras e, é
claro, pelo Fisco. Além disso, se a empresa for uma sociedade anônima de capital aberto (com ações negociadas em
bolsas de valores), é fundamental que suas demonstrações tenham uma linguagem pre-cisa e, tanto quanto possível,
clara, para facilidade de seus acionistas em particular e do mercado em geral.
O conceito de conta é atrelado à sua finalidade, que é a representação de fatos e valo-res.
As demonstrações contábeis são compostas de contas patrimoniais e de resultado, as quais devem distinguir-se,
normalmente, por sua própria denominação.
Importa, ainda, salientar que:
a) embora seja, em tese, desejável certa padronização geral das contas (e, assim, dos diversos
Planos de Contas das diversas empresas), deve ser preservado o respeito às peculiaridades dos
vários ramos de atividade. Desse modo, a denominação de uma conta deve ser adaptada, quando
necessário, à atividade específica de cada empresa.
b) denominações do tipo "Despesas Gerais" ou "Despesas Diversas" devem ser evi-tadas tanto
quanto possível, pois geram o agrupamento em uma só conta de fatos diversos que deveriam estar
registrados em contas específicas.
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
3
3. Observações sobre o modelo
Segue modelo de Plano de Contas (elenco de contas) que, com as devidas adaptações, pode ser utilizado por empresas
industriais, comerciais ou prestadoras de serviços.
Partindo deste modelo e após verificar as reais necessidades da empresa, o profissio-nal eliminará contas excessivas e
incluirá outras que se revelarem necessárias, bem como adotará codificação e subdivisões que se mostrarem mais
convenientes.
Outro aspecto para o qual chamamos a atenção é a codificação das contas, que, além de agilizar, na prática, o trabalho
de classificação de documentos, é elemento indispensável para efeito do processamento de dados.
Neste modelo de Plano de Contas adotamos o seguinte critério de graduação dos códigos:
XXX. ........... 5º grau (três dígitos
que indicam a
conta objeto de
lançamento).
XX. ........................... 4º grau (dois
dígitos que indicam
a conta objeto de
lançamento).
X. .......................................... 3º grau (um dígito
que indica o
subgrupo).
X. ........................................................... 2º grau (um dígito
que indica o
grupo).
X. ........................................................................... 1º grau (um dígito
que indica a
estrutura).
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
4
4. Modelo de plano de contas em face da Lei nº 6.404/1976 , com as alterações da Lei nº
11.638/2007 e da MP nº 449/2008
1. ATIVO
1.1 Ativo Circulante
1.1.1 Disponível
1.1.1.01 Caixa
1.1.1.01.001 Caixa Geral
1.1.1.01.002 Fundo Fixo de Caixa
1.1.1.01.003 ...
1.1.1.02 Bancos Conta Movimento
1.1.1.02 001 ...
1.1.1.03 Aplicações Financeiras de Liquidez Imediata
1.1.1.03.001 ...
1.1.2 Clientes
1.1.2.01 Duplicatas a Receber
1.1.2.01.001 ...
1.1.2.02 (-) Duplicatas Descontadas
1.1.2.02.001 (-) ...
1.1.2.03 (-) Créditos Vencidos e Não Liquidados
Nota
A conta "Créditos Vencidos e não Liquidados" está em conformidade com o que dispõe a
Lei nº 9.430/1996, art. 10 , II. Esse diploma legal tornou indedutível, a partir de
1º.01.1997, a antiga "Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa", tanto para fins de
Imposto de Renda quanto da Contribuição Social sobre o Lucro. Se a empresa optar por
constituir a Provisão indedutível, importa observar que esta será, também, conta redutora
de "Clientes".
1.1.2.03.001 (-) ...
1.1.3 Outros Créditos
1.1.3.01 Bancos Conta Vinculada
1.1.3.01.001 ...
1.1.3.02 Títulos a Receber
1.1.3.02.001 ...
1.1.3.03 Cheques em Cobrança
1.1.3.03.001 ...
1.1.3.04 Dividendos a Receber
1.1.3.04.001 ...
1.1.3.05 Importações em Andamento
1.1.3.05.001 ...
1.1.3.06 Adiantamentos a Fornecedores
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
5
1.1.3.06.001 ...
1.1.3.07 Adiantamentos a Empregados
1.1.3.07.001 Salários
1.1.3.07.002 13º Salário
1.1.3.07.003 ...
1.1.3.08 Empréstimos a Empregados
1.1.3.08.001 ...
1.1.3.09 Tributos a Recuperar/Compensar
1.1.3.09.001 IPI a Recuperar
1.1.3.09.002 ICMS a Recuperar
1.1.3.09.003 PIS-Pasep a Recuperar
1.1.3.09.004 Cofins a Recuperar
1.1.3.09.005 Imposto de Renda Retido na Fonte
1.1.3.09.006 Imposto de Renda Pago por Estimativa
1.1.3.09.007 Contribuição Social sobre o Lucro Paga por Estimativa
1.1.3.09.008 Tributos Pagos a Maior ou Indevidamente
1.1.3.09.009 ...
1.1.4 Aplicações Financeiras
1.1.4.01 Aplicações Financeiras com Rendimentos Pós-fixados
1.1.4.01.001 ...
1.1.4.02 Aplicações Financeiras com Rendimentos Prefixados
1.1.4.02.001 ...
1.1.4.03 Ações
1.1.4.03.001 ...
1.1.4.04 Debêntures
1.1.4.04.001 Valor Nominal
1.1.4.04.002 (-) Deságio a Apropriar
1.1.4.04.003 ...
1.1.5 Estoques
1.1.5.01 Mercadorias, Produtos e Insumos
1.1.5.01.001 Mercadorias para Revenda
1.1.5.01.002 Matérias-Primas
1.1.5.01.003 Material de Acondicionamento
1.1.5.01.004 Outros Materiais de Consumo Industrial
1.1.5.01.005 Produtos Acabados
1.1.5.01.006 Produtos em Elaboração
1.1.5.01.007 ...
1.1.5.02 Almoxarifado
1.1.5.02.001 Almoxarifado de Manutenção
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
6
1.1.5.02.002 Almoxarifado Administrativo
1.1.5.02.003 ...
1.1.5.03 (-) Provisão para Ajuste do Estoque ao Valor de Mercado
1.1.5.03.001 (-) ...
1.1.6 Despesas Pagas Antecipadamente
1.1.6.01 Despesas de Meses Seguintes
1.1.6.01.001 Prêmios de Seguros a Apropriar
1.1.6.01.002 Assinaturas e Anuidades
1.1.6.01.003 ...
1.1.6.02 Despesas do Exercício Seguinte
1.1.6.02.001 Prêmios de Seguros a Apropriar
1.1.6.02.002 Assinaturas e Anuidades
1.1.6.02.003 ...
1.2 Ativo Não-Circulante
1.2.1 Ativo Realizável a Longo Prazo
1.2.1.01 Duplicatas a Receber
1.2.1.01.001 ...
1.2.1.02 (-) Duplicatas Descontadas
1.2.1.02.001 (-) ...
1.2.1.03 (-) Créditos Vencidos e Não Liquidados [Lei nº 9.430/96 , art. 10 , II]
1.2.1.03.001 (-) ...
1.2.1.04 Títulos a Receber
1.2.1.04.001 ...
1.2.1.05 Bancos Conta Vinculada
1.2.1.05.001 ...
1.2.1.06 Controladora, Controladas e Coligadas
1.2.1.06.001 ...
1.2.1.07 Sócios, Administradores e Pessoas Ligadas
1.2.1.07.001 ...
1.2.1.08 Aplicações Financeiras
1.2.1.08.001 ...
1.2.1.09 Depósitos Judiciais
1.2.1.09.001 ...
1.2.1.10 Empréstimos Compulsórios
1.2.1.10.001 Obrigações da Eletrobrás
1.2.1.10.002 Créditos da Eletrobrás
1.2.1.10.003 Empréstimo Compulsório s/ Combustíveis e Veículos
1.2.1.10.004 (-) Provisão para Perdas
1.2.1.10.005 ...
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
7
1.2.1.11 Tributos a Recuperar
1.2.1.11.001 ...
1.2.1.12 Despesas Pagas Antecipadamente
1.2.1.12.001 ...
1.2.1.13 Depósitos por Incentivos Fiscais
1.2.1.13.001 Finor
1.2.1.13.002 Finam
1.2.1.13.003 ...
1.2.2 Investimentos
1.2.2.01 Controladas e Coligadas - Equivalência Patrimonial
1.2.2.01.001 Controlada "A" - Valor Patrimonial
1.2.2.01.002 Controlada "A" - Ágio na Aquisição
1.2.2.01.003 (-) Controlada "A" - Amortização Acumulada do Ágio
1.2.2.01.004 (-) Controlada "A" - Deságio na Aquisição
1.2.2.01.005 Controlada "A" - Amortização Acumulada do Deságio
1.2.2.01.006 ...
1.2.2.02 Controladas e Coligadas - Custo Corrigido
1.2.2.02.001 ...
1.2.2.03 Outras Participações Societárias
1.2.2.03.001 ...
1.2.2.04 Participações por Incentivos Fiscais
1.2.2.04.001 Finor
1.2.2.04.002 Finam
1.2.2.04.003 ...
1.2.2.05 Imóveis Não Destinados ao Uso
1.2.2.05.001 ...
1.2.2.06 Outros Investimentos Permanentes
1.2.2.06.001 Obrigações da Eletrobrás
1.2.2.06.002 Créditos da Eletrobrás
1.2.2.06.003 Empréstimo Compulsório s/ Combustíveis e Veículos
1.2.2.06.004 Objetos de Arte
1.2.2.06.005 Cauções Permanentes
1.2.2.06.006 ...
1.2.2.07 (-) Provisão para Perdas Permanentes
1.2.2.07.001 (-) Controladas e Coligadas - Equivalência Patrimonial
1.2.2.07.002 (-) Controladas e Coligadas - Custo Corrigido
1.2.2.07.003 (-) Outras Participações Societárias
1.2.2.07.004 (-) Participações por Incentivos Fiscais
1.2.2.07.005 (-) Imóveis Não Destinados ao Uso
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
8
1.2.2.07.006 (-) Outros Investimentos Permanentes
1.2.2.07.007 (-) ...
1.2.3 Imobilizado
1.2.3.01 Imóveis
1.2.3.01.001 Terrenos
1.2.3.01.002 Edifícios
1.2.3.01.003 Construções
1.2.3.01.004 ...
1.2.3.02 Móveis e Utensílios
1.2.3.02.001 ...
1.2.3.03 Máquinas, Equipamentos e Ferramentas
1.2.3.03.001 ...
1.2.3.04 Veículos
1.2.3.04.001 ...
1.2.3.05 Recursos Naturais
1.2.3.05.001 ...
1.2.3.06 Benfeitorias em Propriedade de Terceiros
1.2.3.06.001 ...
1.2.3.07 Imobilizado em Andamento
1.2.3.07.001 ...
1.2.3.08 (-) Depreciações, Amortizações e Exaustões Acumuladas
1.2.3.08.001 (-) Depreciações de Edifícios
1.2.3.08.002 (-) Depreciações de Móveis e Utensílios
1.2.3.08.003 (-) Depreciações de Máquinas, Equipamentos e Ferramentas
1.2.3.08.004 (-) Depreciações de Veículos
1.2.3.08.005 (-) Exaustões e Depreciações de Recursos Naturais
1.2.3.08.006 (-) Amortizações e Depreciações de Marcas, Direitos e Patentes
1.2.3.08.007 (-) Amortizações e Depreciações de Benfeitorias em Propriedade de Terceiros
1.2.3.08.008 (-) ...
1.2.4 Intangível
1.2.4.01 Marcas, Direitos e Patentes
1.2.4.01.001 ...
1.2.4.02 Fundo de Comércio
1.2.4.02.001 ...
1.2.4.03 (-) Amortizações Acumuladas
1.2.4.03.001 (-) Amortizações de Marcas, Direitos e Patentes
1.2.4.03.002 ...
Nota
Desde 04.12.2008, com a publicação da Medida Provisória nº 449/2008 , o grupo Ativo
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
9
Diferido deixou de existir. Assim, de acordo com o art. 299-A da Lei nº 6.404/1976 (com
redação dada pela Medida Provisória nº 449/2008 , art. 37 ), o saldo existente em
31.12.2008 no Ativo Diferido que, pela sua natureza, não puder ser alocado a outro
grupo de contas, poderá permanecer no Ativo sob essa classificação até sua completa
amortização, sujeito à análise sobre a recuperação de que trata o § 3º do art. 183.
2. PASSIVO
2.1 Passivo Circulante
2.1.1 Empréstimos e Financiamentos
2.1.1.01 Empréstimos Nacionais
2.1.1.01.001 ...
2.1.1.02 Empréstimos Estrangeiros
2.1.1.02.001 ...
2.1.1.03 Financiamentos Nacionais
2.1.1.03.001 ...
2.1.1.04 Financiamentos Estrangeiros
2.1.1.04.001 ...
2.1.1.05 Títulos a Pagar
2.1.1.05.001 ...
2.1.1.06 Adiantamentos sobre Contratos de Câmbio
2.1.1.06.001 ...
2.1.1.07 Controladora, Controladas e Coligadas
2.1.1.07.001 ...
2.1.2 Debêntures
2.1.2.01 Debêntures Conversíveis em Ações
2.1.2.01.001 ...
2.1.2.02 Debêntures Não-Conversíveis
2.1.2.02.001 ...
2.1.2.03 (-) Deságios a Apropriar
2.1.2.03.001 (-) ...
2.1.3 Fornecedores
2.1.3.01 Fornecedores Nacionais
2.1.3.01.001 ...
2.1.3.02 Fornecedores Estrangeiros
2.1.3.02.001 ...
2.1.4 Obrigações Tributárias
2.1.4.01 Impostos e Contribuições a Recolher
2.1.4.01.001 IPI a Recolher
2.1.4.01.002 ICMS a Recolher
2.1.4.01.003 ISS a Recolher
2.1.4.01.004 Provisão para Imposto de Renda
2.1.4.01.005 Provisão para Contribuição Social sobre o Lucro
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
10
2.1.4.01.006 Imposto de Renda por Estimativa a Recolher
2.1.4.01.007 Contribuição Social sobre o Lucro por Estimativa a Recolher
2.1.4.01.008 Imposto de Renda Retido na Fonte
2.1.4.01.009 PIS-Pasep a Recolher
2.1.4.01.010 Cofins a Recolher
2.1.4.01.011 Provisão para IOF
2.1.4.01.012 ...
2.1.5 Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias
2.1.5.01 Obrigações com o Pessoal
2.1.5.01.001 Salários e Ordenados a Pagar
2.1.5.01.002 Pro labore a Pagar
2.1.5.01.003 Gratificações a Pagar
2.1.5.01.004 ...
2.1.5.02 Obrigações Previdenciárias
2.1.5.02.001 INSS a Recolher
2.1.5.02.002 FGTS a Recolher
2.1.5.02.003 ...
2.1.5.03 Provisões
2.1.5.03.001 Provisão para Férias
2.1.5.03.002 Provisão para 13º Salário
2.1.5.03.003 INSS sobre Provisão para Férias
2.1.5.03.004 FGTS sobre Provisão para 13º Salário
2.1.5.03.005 ...
2.1.6 Outras Obrigações
2.1.6.01 Adiantamentos de Clientes
2.1.6.01.001 ...
2.1.6.02 Contas a Pagar
2.1.6.02.001 ...
2.1.6.03 Energia Elétrica, Água e Telefone a Pagar
2.1.6.03.001 ...
2.1.6.04 Contas Correntes
2.1.6.04.001 ...
2.1.6.05 Seguros
2.1.6.05.001 ...
2.1.6.06 Outras Obrigações
2.1.6.06.001 ...
2.1.7 Dividendos, Participações e Juros sobre o Capital Próprio
2.1.7.01 Dividendos
2.1.7.01.001 Dividendos Propostos
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
11
2.1.7.01.002 Dividendos a Pagar
2.1.7.01.003 ...
2.1.7.02 Participações
2.1.7.02.001 Participações Propostas a Administradores
2.1.7.02.002 Participações Propostas a Empregados
2.1.7.02.003 Participações a Pagar
2.1.7.02.004 ...
2.1.7.03 Juros sobre o Capital Próprio
2.1.7.03.001 Juros sobre o Capital Próprio a Pagar
2.1.7.03.002 ...
2.2 Passivo Não-Circulante
2.2.1 Empréstimos e Financiamentos
2.2.1.01 Empréstimos Nacionais
2.2.1.01.001 ...
2.2.1.02 Empréstimos Estrangeiros
2.2.1.02.001 ...
2.2.1.03 Financiamentos Nacionais
2.2.1.03.001 ...
2.2.1.04 Financiamentos Estrangeiros
2.2.1.04.001 ...
2.2.1.05 Títulos a Pagar
2.2.1.05.001 ...
2.2.1.06 Controladora, Controladas e Coligadas
2.2.1.06.001 ...
2.2.1.07 Outros Débitos com Sócios, Administradores e Pessoas Ligadas
2.2.1.07.001 ...
2.2.2 Fornecedores
2.2.2.01 Fornecedores Nacionais
2.2.2.01.001 ...
2.2.2.02 Fornecedores Estrangeiros
2.2.2.02.001 ...
2.2.3 Outras Obrigações
2.2.3.01 Contas a Pagar
2.2.3.01.001 ...
2.2.4 Receitas de Exercícios Futuros
2.2.4.01 Receitas Recebidas Antecipadamente
2.2.4.01.001 ...
2.2.4.02 Custos e Despesas Vinculadas às Receitas
2.2.4.02.001 ...
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
12
Nota
Desde 04.12.2008, com a publicação da Medida Provisória nº 449/2008 , o grupo
Resultados de Exercícios Futuros deixou de existir. Assim, de acordo com o art. 299-B
da Lei nº 6.404/1976 (com redação dada pela Medida Provisória nº 449/2008 , art. 37 ), o
saldo existente no grupo Resultado de Exercícios Futuros em 31.12.2008 deverá ser
reclassificado para o Passivo Não-Circulante em conta representativa de receita diferida.
Observa-se que o registro do referido saldo deverá evidenciar a receita diferida e o
respectivo custo diferido (Lei nº 6.404/1976 , art. 299-B, parágrafo único).
2.3 Patrimônio Líquido
2.3.1 Capital Social
2.3.1.01 Capital Subscrito
2.3.1.01.001 Capital Social
2.3.1.01.002 ...
2.3.1.02 (-) Capital a Integralizar
2.3.1.02.001 (-) ...
2.3.2 Reservas
2.3.2.01 Reservas de Capital
2.3.2.01.001 Correção Monetária do Capital Integralizado
Nota
A correção monetária das demonstrações financeiras foi revogada, inclusive para fins
societários, a partir de 1º.01.1996, por força do art. 4º da Lei nº 9.249/1995. Portanto, a
conta "Correção Monetária do Capital Integralizado" somente apresentará saldo na
remota hipótese de a empresa ainda não ter incorporado a reserva ao Capital Social.
2.3.2.01.002 Ágio na Emissão de Ações
2.3.2.01.003 Alienação de Bônus de Subscrição
2.3.2.01.004 Alienação de Partes Beneficiárias
2.3.2.01.005 (-) Ações em Tesouraria
2.3.2.01.006 ...
2.3.2.02 Ajustes de Avaliação Patrimonial
2.3.2.02.001 Ajustes de Elementos do Ativo
2.3.2.02.002 (-) Ajustes de Elementos do Passivo
2.3.2.03 Reservas de Lucros
2.3.2.03.001 Reserva Legal
2.3.2.03.002 Reserva Estatutária
2.3.2.03.003 Reserva para Contingências
2.3.2.03.004 Reserva de Lucros a Realizar
2.3.2.03.005 Reserva Especial
2.3.2.03.006 Reservas de Incentivos Fiscais
2.3.2.03.007 (-) Ações em Tesouraria
2.3.2.03.008 ...
2.3.3 Lucros ou Prejuízos Acumulados
Nota
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
13
No encerramento do exercício social, a conta de "Lucros ou Prejuízos Acumulados" não
deve apresentar saldo positivo. Eventual saldo positivo remanescente nesta conta deve
ser destinado para "Reserva de Lucros", nos termos da Lei nº 6.404/1976 , arts. 194 a
197, ou distribuído como dividendo (Instrução CVM nº 469/2008, art. 5º).
2.3.3.01 Lucros ou Prejuízos Acumulados
2.3.3.01.001 Lucros Acumulados
2.3.3.01.002 (-) Prejuízos Acumulados
2.3.3.01.003 Resultado do Exercício em Curso
2.3.3.01.004 ...
3. CONTAS DE RESULTADO - CUSTOS E DESPESAS
3.1 Custos de Produção
3.1.1 Custos Diretos de Produção
3.1.1.01 Material Aplicado
3.1.1.01.001 Matéria-Prima
3.1.1.01.002 ...
3.1.1.02 Mão-de-Obra Direta
3.1.1.02.001 Salários e Ordenados
3.1.1.02.002 Pro Labore
3.1.1.02.003 Prêmios e Gratificações
3.1.1.02.004 13º Salário
3.1.1.02.005 Férias
3.1.1.02.006 INSS
3.1.1.02.007 FGTS
3.1.1.02.008 Indenizações e Aviso Prévio
3.1.1.02.009 Assistência Médica e Social
3.1.1.02.010 ...
3.1.1.03 Gastos Gerais
3.1.1.03.001 Combustíveis e Lubrificantes
3.1.1.03.002 Energia Elétrica
3.1.1.03.003 Serviços de Terceiros
3.1.1.03.004 ...
3.1.2 Custos Indiretos de Produção
3.1.2.01 Mão-de-Obra Indireta
3.1.2.01.001 ...
3.1.2.02 Materiais de Consumo Indireto
3.1.2.02.001 ...
3.1.2.03 Materiais de Manutenção e Reparo
3.1.2.03.001 ...
3.1.2.04 Utilidades e Serviços
3.1.2.04.001 ...
3.1.2.05 Aluguéis e Arrendamentos
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
14
3.1.2.05.001 ...
3.1.2.06 Depreciações, Amortizações e Exaustões
3.1.2.06.001 ...
3.1.2.07 Combustíveis e Energia Elétrica
3.1.2.07.001 ...
3.1.3 Custos Diretos da Produção de Serviços
Nota
Observam estrutura de subdivisão semelhante à demonstrada para custos de produção
industrial.
3.1.3.01 Mão-de-Obra Direta
3.1.3.02 Gastos Gerais
3.1.3.03 ...
3.1.4 Custos Indiretos da Produção de Serviços
Nota
Os Custos Indiretos da Produção de Serviços observam estrutura de subdivisão
semelhante à demonstrada para custos indiretos de produção industrial.
3.1.4.01 Mão-de-Obra Indireta
3.1.4.02 Materiais de Consumo Indireto
3.1.4.03
3.2 Despesas Operacionais
3.2.1 Despesas com Vendas
3.2.1.01 Despesas com Pessoal
3.2.1.01.001 Salários e Ordenados
3.2.1.01.002 Pro Labore
3.2.1.01.003 Prêmios e Gratificações
3.2.1.01.004 13º Salário
3.2.1.01.005 Férias
3.2.1.01.006 INSS
3.2.1.01.007 FGTS
3.2.1.01.008 Indenizações e Aviso Prévio
3.2.1.01.009 Assistência Médica e Social
3.2.1.01.010 ...
3.2.1.02 Comissões sobre Vendas
3.2.1.02.001 Comissões
3.2.1.02.002 ...
3.2.1.03 Propaganda e Publicidade
3.2.1.03.001 Propaganda e Publicidade
3.2.1.03.002 Amostras Grátis
3.2.1.03.003 ...
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
15
3.2.1.04 Despesas com Entrega
3.2.1.04.001 Fretes e Carretos
3.2.1.04.002 Manutenção de Veículos
3.2.1.04.003 ...
3.2.1.05 Despesas com Viagens e Representações
3.2.1.05.001 Viagens Terrestres
3.2.1.05.002 Viagens Aéreas
3.2.1.05.003 Hospedagem
3.2.1.05.004 Refeições
3.2.1.05.005 ...
3.2.1.06 Despesas Gerais
3.2.1.06.001 Aluguéis
3.2.1.06.002 Manutenção e Reparos
3.2.1.06.003 Telefone
3.2.1.06.004 Despesas Postais e Telegráficas
3.2.1.06.005 Depreciações e Amortizações
3.2.1.06.006 Serviços Prestados por Terceiros
3.2.1.06.007 Seguros
3.2.1.06.008 ...
3.2.1.07 Perdas no Recebimento de Créditos
3.2.1.07.001 Créditos Vencidos e Não Liquidados
Nota
A conta "Créditos Vencidos e não Liquidados" está em conformidade com a disciplina
instituída pela Lei nº 9.430/1996 , que tornou indedutível, a partir de 1º.01.1997, a antiga
"Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa", tanto para fins de Imposto de Renda
quanto da Contribuição Social sobre o Lucro. Se a empresa optar por consti-tuir a
Provisão indedutível, importa observar que a contrapartida da provisão (despesa) será,
também, classificada no subgrupo "Despesas com Vendas".
3.2.1.07.002 ...
3.2.2 Despesas Administrativas
3.2.2.01 Despesas com Pessoal
3.2.2.01.001 Salários e Ordenados
3.2.2.01.002 Pro Labore
3.2.2.01.003 Prêmios e Gratificações
3.2.2.01.004 13º Salário
3.2.2.01.005 Férias
3.2.2.01.006 INSS
3.2.2.01.007 FGTS
3.2.2.01.008 Indenizações e Aviso Prévio
3.2.2.01.009 Assistência Médica e Social
3.2.2.01.010 ...
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
16
3.2.2.02 Aluguéis e Arrendamentos
3.2.2.02.001 Aluguéis de Imóveis
3.2.2.02.002 Aluguéis de Máquinas e Equipamentos
3.2.2.02.003 Arrendamento de Imóveis
3.2.2.02.004 Arrendamento Mercantil (Leasing)
3.2.2.02.005 ...
3.2.2.03 Despesas Tributárias
3.2.2.03.001 PIS-Pasep
3.2.2.03.002 Cofins
Nota
Exceto a parcela da Cofins e da contribuição para o PIS-Pasep incidente sobre a receita
bruta de vendas e serviços, que deve ser lançada no subgrupo 4.1.2 (Deduções da
Receita Bruta).
3.2.2.03.003 IPTU
3.2.2.03.004 IPVA
3.2.2.03.005 Taxas Diversas
3.2.2.03.006 CPMF
3.2.2.03.007 ...
3.2.2.04 Despesas Gerais
3.2.2.04.001 Energia Elétrica
3.2.2.04.002 Água e Esgoto
3.2.2.04.003 Telefone
3.2.2.04.004 Despesas Postais e Telegráficas
3.2.2.04.005 Seguros
3.2.2.04.006 Material de Escritório
3.2.2.04.007 Material de Higiene e Limpeza
3.2.2.04.008 Assistência Contábil
3.2.2.04.009 Serviços Prestados por Terceiros
3.2.2.04.010 Depreciações e Amortizações
3.2.2.04.011 Reproduções
3.2.2.04.012 Despesas Legais e Judiciais
3.2.2.04.013 Livros, Jornais e Revistas
3.2.2.04.014 ...
3.2.2.05 Despesas Financeiras
3.2.2.05.001 Juros Passivos
3.2.2.05.002 Variações Monetárias Passivas
3.2.2.05.003 Variações Cambiais Passivas
3.2.2.05.004 Descontos Concedidos
3.2.2.05.005 Juros sobre o Capital Próprio
3.2.2.05.006 ...
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
17
3.2.2.06 Outras Despesas Operacionais
3.2.2.06.001 Provisão para Perdas e Ajustes de Ativos
3.2.2.06.002 Equivalência Patrimonial
3.2.2.06.003 Amortização de Ágio
3.2.2.06.004 ...
3.3 Despesas Não-Operacionais
3.3.1 Resultados Não-Operacionais
3.3.1.01 Resultados Negativos na Alienação de Investimentos
3.3.1.01.001 Perdas na Alienação de Participações em Coligadas
3.3.1.01.002 ...
3.3.1.02 Resultado Negativo na Alienação do Imobilizado
3.3.1.02.001 Perdas na Alienação de Imóveis
3.3.1.02.002 Perdas na Alienação de Móveis e Utensílios
3.3.1.02.003 Perdas na Alienação de Máquinas, Equipamentos e Ferramentas
3.3.1.02.004 Perdas na Alienação de Veículos
3.3.1.02.005 ...
3.3.1.03 Resultado de Sinistros com Imobilizado
3.3.1.03.001 Perdas em Sinistros com Imobilizado
3.3.1.03.002 ...
3.3.1.04 Outras Baixas do Ativo Não-Circulante
Nota
Grupo utilizável para registro de baixas por obsolescência, deterioração,
desaparecimento, sinistros não ressar-cidos, etc., ou seja, baixas em relação às quais
não tenha havido o correspondente recebimento de receita.
3.3.1.04.001 Baixas de Investimentos Permanentes
3.3.1.04.002 Baixas de Imobilizado
3.3.1.04.003 ...
3.3.1.05 Provisões para Perdas Permanentes
3.3.1.05.001 Controladas e Coligadas - Equivalência Patrimonial
3.3.1.05.002 Controladas e Coligadas - Custo Corrigido
3.3.1.05.003 Outras Participações Societárias
3.3.1.05.004 ...
4. CONTAS DE RESULTADO - RECEITAS
4.1 Receitas Operacionais
4.1.1 Receita Bruta de Vendas e Serviços
4.1.1.01 Receita Bruta de Vendas de Produtos e Mercadorias
4.1.1.01.001 Venda de Produtos no Mercado Interno
4.1.1.01.002 Venda de Produtos no Mercado Externo
4.1.1.01.003 Venda de Mercadorias no Mercado Interno
4.1.1.01.004 Venda de Mercadorias no Mercado Externo
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
18
4.1.1.01.005 ...
4.1.1.02 Receita da Prestação de Serviços
4.1.1.02.001 Serviços Prestados - Mercado Interno
4.1.1.02.002 Serviços Prestados - Mercado Externo
4.1.1.02.003 ...
4.1.2 (-) Deduções da Receita Bruta
4.1.2.01 (-) Cancelamento e Devoluções
4.1.2.01.001 (-) De Venda de Produtos no Mercado Interno
4.1.2.01.002 (-) De Venda de Produtos no Mercado Externo
4.1.2.01.003 (-) De Venda de Mercadorias no Mercado Interno
4.1.2.01.004 (-) De Venda de Mercadorias no Mercado Externo
4.1.2.01.005 (-) ...
4.1.2.02 (-) Descontos Incondicionais
4.1.2.02.001 (-) Sobre Venda de Produtos no Mercado Interno
4.1.2.02.002 (-) Sobre Venda de Produtos no Mercado Externo
4.1.2.02.003 (-) Sobre Venda de Mercadorias no Mercado Interno
4.1.2.02.004 (-) Sobre Venda de Mercadorias no Mercado Externo
4.1.2.02.005 (-) ...
4.1.2.03 (-) Impostos Incidentes sobre Vendas e Serviços
4.1.2.03.001 (-) IPI
Nota
A conta IPI somente figurará entre os Impostos Incidentes sobre Vendas se a empresa
adotar o critério de conta-bilizar as vendas pelo valor total da nota fiscal (inclusive IPI).
4.1.2.03.002 (-) ICMS
4.1.2.03.003 (-) ISS
4.1.2.03.004 (-) Cofins
4.1.2.03.005 (-) PIS-Pasep
Nota
Somente a parcela da Cofins e da contribuição para o PIS-Pasep incidente sobre a
receita bruta de vendas e serviços. O valor relativo às demais receitas será lançado
como Despesa Tributária (subgrupo 3.2.2.03).
4.1.2.03.006 (-) ...
4.1.3 Receitas Financeiras
4.1.3.01 Juros e Descontos
4.1.3.01.001 Juros de Aplicações Financeiras
4.1.3.01.002 Juros Ativos [outros]
4.1.3.01.003 Descontos Financeiros Obtidos
4.1.3.01.004 ...
4.1.3.02 Variações Monetárias
4.1.3.02.001 Variações Monetárias Ativas
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
19
4.1.3.02.002 Variações Cambiais Ativas
4.1.3.02.003 ...
4.1.4 Recuperação de Despesas
4.1.4.01 Recuperação de Créditos Considerados Incobráveis
4.1.4.01.001 ...
4.1.4.02 Reversão de Provisões
4.1.4.02.001 ...
4.1.5 Outras Receitas Operacionais
4.1.5.01 Receitas Diversas
4.1.5.01.001 Aluguéis e Arrendamentos
4.1.5.01.002 Vendas Acessórias
4.1.5.01.003 Receita de Equivalência Patrimonial
4.1.5.01.004 Dividendos e Lucros Recebidos
4.1.5.01.005 Amortização de Deságio
4.1.5.01.006 ...
4.2 Receitas Não-Operacionais
4.2.1 Resultados Não-Operacionais
4.2.1.01 Resultados Positivos na Alienação de Investimentos
4.2.1.01.001 Lucros na Alienação de Participações em Coligadas
4.2.1.01.002 ...
4.2.1.02 Lucros na Alienação do Imobilizado
4.2.1.02.001 Lucros na Alienação de Imóveis
4.2.1.02.002 Lucros na Alienação de Móveis e Utensílios
4.2.1.02.003 Lucros na Alienação de Máquinas, Equipamentos e Ferramentas
4.2.1.02.004 Lucros na Alienação de Veículos
4.2.1.02.005 ...
4.2.1.03 Resultado de Sinistros com Imobilizado
4.2.1.03.001 Sinistros com Imobilizado
4.2.1.03.002 ...
5. CONTAS DE APURAÇÃO
5.1 Custo dos Produtos e dos Serviços Vendidos
5.1.1 Custo dos Produtos Vendidos
5.1.1.01 Custo dos Produtos Vendidos
5.1.1.01.001 Custo dos Produtos Vendidos
5.1.2 Custo dos Serviços Prestados
5.1.2.01 Custo dos Serviços Prestados
5.1.2.01.001 Custo dos Serviços Prestados
5.1.3 Custo das Mercadorias Vendidas
5.1.3.01 Custo das Mercadorias Vendidas
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
20
5.1.3.01.001 Custo das Mercadorias Vendidas
5.1.4 Apuração do Resultado do Exercício
5.1.4.01 Apuração do Resultado do Exercício
5.1.4.01.001 Resultado do Exercício
5.1.4.01.002 Ganhos/Perdas na Alienação de Imobilizado
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
21
Legislação
Instrução CVM nº 469/2008
Lei nº 6.404/1976
Lei nº 9.249/1995
Lei nº 9.430/1996
Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº
449/2008)
26 de Janeiro de 2009
Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados
22

Plano de contas das S/A (em face da Lei nº 11.638/2007 e da MP nº 449/2008)
26 de Janeiro de 2009

1. Conceituação
O Plano de Contas é, na essência, um guia que norteia os trabalhos contábeis de registro de fatos e atos inerentes à empresa e serve de parâmetro para a elaboração das demonstrações financeiras (ou demonstrações contábeis). O Plano tem por finalidade principal estabelecer normas de conduta para o registro das operações da organização e, na sua montagem, devem ser levados em conta três objeti-vos fundamentais: a) atender às necessidades de informação da administração da empresa; b) observar formato compatível com os princípios de contabilidade e com a norma legal que regula a elaboração do balanço patrimonial e das demais demonstrações contábeis (ou seja, a Lei nº 6.404/1976); c) adaptar-se tanto quanto possível às exigências dos agentes externos à empresa (fornecedores, bancos, Fisco, auditoria externa) e, particularmente, às regras da legislação do Imposto de Renda. Na prática, essa adaptação é feita quase que automaticamente, adotando-se um Plano de Contas que, embora atenda às exi-gências internas da empresa, não seja excessivamente "diferente" dos modelos usualmente utilizados. Devem ser observados, ainda, os seguintes aspectos: a) o Plano de Contas é, efetivamente, o instrumento que o profissional consulta quando vai fazer um lançamento contábil, pois indica qual conta deve ser debi-tada e qual conta deve ser creditada; b) o Plano de Contas, genericamente tido como um simples elenco de contas, pode constituir na verdade um conjunto de normas do qual pode fazer parte, ainda, a descrição do funcionamento de cada conta - o chamado Manual de Contas, com comentários e indicações gerais sobre a aplicação e o uso de cada uma das contas (para que serve, o que deve conter e outras informações sobre critérios gerais de contabilização). Há empresas que, de fato, adotam esse critério, mas muitas outras (talvez, a maioria) limitam-se ao elenco de contas.

Copyright 2009 IOB. Todos os direitos reservados 2

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->