P. 1
Ação de Exceção de Incompetencia em razao do lugar

Ação de Exceção de Incompetencia em razao do lugar

4.5

|Views: 15.503|Likes:
Publicado porjajadecriciuma

More info:

Published by: jajadecriciuma on Aug 04, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/23/2013

pdf

text

original

EXMO(A) SR(A) DR(A) JUIZ(A) DE DIREITO DA 1ª VARA CIVIL DA COMARCA DE IÇARA –SANTA CATARINA

REF. Autos 028.090.023123-0

Drauisina

Filisbina

Marinho,

qualificada

nos

autos

acima

epigrafados em ação de separação litigiosa, vem por meio de seu advogado infraassinado, nos termos do artigo 307, do CPC, perante a V. Exa. argüir

EXCEÇÃO DE INCOMPETÊNCIA

Em face de JOÃO MARINHO, também qualificado nos autos acima epigrafados, pelas seguintes razões:

Ocorre que, o excepto ajuizou a competente ação de separação litigiosa na comarca de Içara. O excepto conviveu com a excepiente na cidade de Criciúma até 2008, com a separação de fato em janeiro de 2009, fixou residência em Içara onde vive com sua mãe. Sendo que, a excepiente é residente e domiciliada na cidade de Criciúma, a ação de separação litigiosa deveria ser ajuizada em Criciúma e não na cidade de Içara.

Do Direito

Nos termos do artigo 100. inciso I: “È competente o foro da mulher, para a ação de separação...” Como se vê o excepto não observou as regras do bom direito, a lei é cristalina quando diz que o foro competente é o da mulher. O Tribunal do Rio Grande do Sic em seu julgamenjto em 28/10/2008, assim decidiu:
Família. Processo Civil. Separação judicial. Exceção de incompetência. Domicílio da mulher, nas causas envolvendo relações de direito de família. Interpretação da regra do artigo 100, inciso I, do CPC( Agravo de Instrumento 70018974788. Data do Julgamento: 17/05/2007. Publicado em 23/05/2007)1

A decisão do nobre julgado foi para declinar para o foro da mUlher. Vicente Greco Filho (p.203,2003) em seu livro “ Direito Processual Civil Brasileiro” diz:
O artigo 100 apresenta uma serie de disposições especiais que excepcionam o fórum comum, tendo em vista a necessidade de proteção de determinados interesses. Assim, é competente o foro da residência da mulher a ação de separação dos cônjuges e a conversão 2 desta em divórcio e para a anulação de casamento.

Como bem observa o ilustre professor, a finalidade do dispositivo é proteger a mulher, facilitando assim, a ação judicial, seja como autora, seja como ré. Ante o exposto requer que se digne V.Exa. determinar o recebimento da presente para fins de:

1) Que o exepto se manifeste, querendo no prazo da lei, para, querendo, ofertar a defesa que tiver. 2) Que seja a presente Exceção julgada para que os presentes autos sejam encaminhados a uma das Varas Cíveis da Comarca de Criciúma do Estado de Santa Catarina, com a conseqüente

1

RIO GRANDE DO SUL. Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Acessado em 13 Abr 2009: Disponível em : www.tjrs.jus.br/site_php2/resultado.phh 2 GRECCO FILHO, Vicente. Direito Processual Civil Brasileiro. 1º.vol.17ªed. São Paulo: Saraiva,2003.

condenação do excepto ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios.

Criciúma (SC) 13 de Maio de 2009.

Nestes Termos Pede o deferimento.

Jailton Caetano OAB 1267

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->