Você está na página 1de 1

A morte de uma iluso e a capacidade de seguir em frente

por Mirtes Carneiro - mirtes@ajato.com.br s vezes, a morte de uma iluso di tanto quanto a perda real de algo ou de algum. Quando descobrimos que no vamos poder realizar alguma coisa que gostaramos muito, algo vai se definhando em ns. Assim, vamos nos aventurando a escolher outras alternativas, sim porque uma das ddivas do humano: a capacidade de seguir em frente. Esta energia de vida que nos impulsiona como uma fora nutriz e motriz que no nos abandona enquanto houver vida. Pode parecer, no primeiro momento que esta dor muito difcil de suportar, e eis que, aos poucos, comea um novo amanhecer. Esta manh no ser como as outras, ser uma manh nova, com aquela iluso se esvaindo, ficando mais tnue, assim uma nova possibilidade se abre, uma possibilidade mais real. A realidade pode ser diferente daquilo que imaginamos, e muitas vezes o que nos impede de viver a realidade como tal justamente a nvoa causada pela iluso. Esta obscuridade se d pelo desejo de realizao de forma imperativa, o que faz com que desconsideremos a realidade. A dificuldade de estar no agora, a preocupao com o futuro, ou mesmo a lamentao pelo passado so formas ilusrias de se viver. S temos condies de fazer algo no presente. Assim, a melhor forma de estar no agora responder realidade. Os prprios acontecimentos so os norteadores de nossas aes. Se ainda no aconteceu, como que eu vou responder quela questo? S pode ser pela imaginao, e em se tratando de imaginao, o cu o limite. Certo, podemos imaginar o bem assim como podemos imaginar o mal. Se optarmos por escolher imaginar o bem, timo, mas ainda assim, temos que nos ater aos acontecimentos reais, para que estejamos com "os ps na terra". Muitas vezes, a realidade se mostra por demais pesada, sofrida, e buscamos uma vlvula de escape para continuar vivendo. O processo teraputico pode ajudar muito nestes momentos, pois se trata exatamente de verificar a nossa forma de lidar com a realidade, e para isso necessrio questionarmos nossas atitudes, pensamentos, aes. A nossa forma de lidar com os fatos da vida, os bons e tambm os ruins, se expressa tambm pela nossa linguagem. E atravs da linguagem que vamos questionando, ajeitando, construindo uma forma adequada de lidar com os fatos. Ao longo da vida, tendemos a repetir padres de comportamento que muitas vezes so inconscientes para ns. O processo teraputico visa lanar luz nestes automatismos para que possamos escolher e nos responsabilizar pelas nossas escolhas. A escolha consciente, seja ela qual for, o objetivo que se busca alcanar na terapia. A morte de uma iluso pode doer, sim, e muitas vezes isto acontece ao longo da anlise. E, a partir da, possvel nascer um ser muito mais real, mais pronto para lidar com a vida, de forma mais autnoma, apesar das frustraes e sofrimentos.

Você também pode gostar