Você está na página 1de 2

Narrador

Narrador em terceira pessoa, no onisciente, vai nos revelando progressivamente as caractersticas do carter das personagens do conto. Por exemplo: Selitos era o senhor de Myr Tariniel. Bastava-lhe olhar para uma coisa e era capaz de enxergar seu nome oculto e compreend-la. Havia muitos que sabiam fazer essas coisas, mas Selitos era o mais poderoso nomeador vivo nessa era. Esta seria a viso natural que o narrador passaria do personagem, sentramos isso assim que ficssemos frente a frente com o personagem. Ainda existe a oniscincia seletiva, o ponto de vista em terceira pessoa sustentado por uma nica personagem fixa, que conhece, tanto o interior como o exterior. Listo ainda mais dois exemplos para mostrar o que dito no pargrafo acima, quando participao do narrador em terceira pessoa: Bem no fundo de tudo. Coberto de sangue e em meio a um campo de cadveres, Lanre se ergueu sozinho contra o inimigo terrvel. Era uma fera com escamas de ferro negro, cujo bafo era uma escurido que sufocava os homens. Lanre enfrentou a besta e a matou. Em meio ao desespero, Lyra tombou sobre o corpo de Lanre e chorou seu nome. Sua voz foi um sussurro. Sua voz foi um eco e vazio. Sua voz implorou que ele voltasse vida. Mas Lanre permaneceu sem respirao e morto.

Tempo

O tempo neste conto cronolgico e est explcito. Sabemos que foi h muito tempo atrs, dentro da estria maior, a de O Nome do Vento. J em seu comeo temos: Era uma vez, h anos e quilmetros de distncia, um lugar chamado Myr Tariniel: a cidade cintilante. Aninhava-se entre as montanhas elevadas do mundo como uma pedra preciosa na coroa de um rei. Outro trecho do conto, encontrado em sua metade, serve-nos de exemplo para classificar o tempo como cronolgico: Myr Tariniel foi incendiada e trucidada, e quanto menos se falar disso, melhor. Os muros brancos ficaram carbonizados e ocorreu sangue pelas fontes. Durante uma noite e um dia, Selitos permaneceu inerme ao lado de Lanre, e nada pode fazer alm de observar e ouvir os gritos dos moribundos, o clangor do ferro, o estalar das pedras que partiam.

Espao

O espao do conto, onde ocorreram suas aes, foram no Imprio Ergen. Apesar de citadas todas as oito cidades do Imprio, em tempo, Belen, Antus, Vaeret, Tinusa, Emlen, Myr Tariniel e as cidades gmeas de Murilla e Murella, temos como espao para o conto somente a cidade de Myr Tariniel e Drossen Tor, local onde ocorreu a batalha em que Lanre lutou e perdeu a vida.