Você está na página 1de 4
ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro A v. Treze de

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas

Sede:

Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 / 28º andar CEP 20003-900 – Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro – RJ Tel.: PABX (21) 3974-2300 Fax: (21) 3974-2347 Endereço eletrônico:

www.abnt.org.br

Copyright © 2003, ABNT–Associação Brasileira de Normas Técnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Todos os direitos reservados

ICS 01.040.53; 53.100

Palavras-chave:

DEZ 2003

Projeto 48:000.01-067

4 páginas

Máquinas rodoviárias – Bujões de dreno, enchimento e controle de nível

Origem: Projeto 48:000.01-067:2003

ABNT/CB-48 – Comitê Brasileiro de Máquinas Rodoviárias CE-48:000.01 – Comissão de Estudo de Máquinas Rodoviárias NBR ISO 6302 – Earth-moving machinery – Drain, fill and level plugs

Descriptors: Earth-moving equipment. Stoppers. Drain plugs. Dimensions. Screw threads Esta Norma é equivalente à ISO 6302:1993

Equipamento de máquina rodoviária.

Bujões. Bujões de dreno. Dimensões. Roscas de parafusos

Sumário

Prefácio

1 Objetivo

2 Referências normativas

3 Tipos e principais dimensões

4 Aplicação

Prefácio

A ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas – é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB) e dos Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros).

Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos ABNT/CB e ABNT/ONS, circulam para Consulta Pública entre os associados da ABNT e demais interessados.

1 Objetivo

Esta Norma estabelece os tipos, formas e tamanhos de bujões utilizados em conexão com as ferramentas manuais relacionadas no Projeto 48:000.01-058 a fim de permitir fácil remoção e instalação de bujões no canteiro de obras. Esta Norma não estabelece requisitos, isto é, dimensões e materiais para a fabricação de bujões.

Esta Norma aplica-se a bujões de dreno, enchimento e controle de nível requeridos nas máquinas rodoviárias para a troca de lubrificantes, refrigerantes, óleos hidráulicos e combustíveis.

2 Referências normativas

As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usarem as edições mais recentes das normas citadas a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento.

ISO 7-1:1982 – Pipe threads where pressure-tight joints are made on the threads – Part 1: Designation, dimensions and tolerances

ISO 261:1973 – ISO general purpose metric screw threads – General plan

ISO 263:1973 – ISO inch screw threads – General plan and selection for screws, bolts and nuts – Diameter range 0.06 to 6 in.

2

Projeto 48:000.01-067:2003

ISO 724:1993 – ISO general-purpose metric screw threads – Basic dimensions

 

ISO 725:1978 – ISO inch screw threads – Basic dimensions

 

Projeto 48:000.01-058:2003 – Máquinas rodoviárias – Ferramentas de serviço – Parte 1: Ferramentas comuns para manutenção e regulagem

3 Tipos e principais dimensões

 

3.1 Tipos A e B

 

Os bujões de tipos A e B devem ser conforme os mostrados na figura 1 e tabela 1.

 
 
   
 
 

Figura 1

Tabela 1

 

Dimensões em milímetros (polegadas)

Rosca de tubo cônica 1) (ISO 7-1)

d

 

Tipo A

 

Tipo B

 

Largura do soquete 2)

Profundidade do soquete mín.

Largura da cabeça 2)

Altura da cabeça nominal

 

s

1

t

1

s

2

k

1

R

1/8

   

12

5

(1/8-27 NPTF)

(7/16)

(3/16)

R

1/4

   

14

5

(1/4-18 NPTF)

(9/16)

(3/16)

R

3/8

   

19

6

(3/8-18 NPTF)

(11/16)

(7/32)

R

1/2

   

22

6

(1/2-14 NPTF)

(7/8)

(7/32)

R

3/4

12,5

8

27

8

(3/4-14 NPTF)

(1/2)

(5/16)

(1 1/8)

(5/16)

R 1 (1-11 1/2 NPTF)

12,5

 

10

36

8

(1/2)

(3/8)

(1 5/16)

(5/16)

R

1 1/4

20

 

12

46

10

(1 1/4-11 1/2 NPTF)

(3/4)

(1/2)

(1 7/8)

(3/8)

R

1 1/2

20

 

12

50

10

(1 1/2-11 1/2 NPTF)

(3/4)

(1/2)

(1 7/8)

(3/8)

Ferramentas manuais correspondentes (Projeto 48:000.01-058)

 

Chave soquete, chave manual

Chave combinada ou chave fixa

1) Ver também a ANSI B1.20.3-1976 (SAE J476) (R1991), Roscas de tubo Dryseal (polegada).

 

2) As figuras dadas referem-se aos tamanhos de ferramentas nominais e não as dimensões de bujões.

Projeto 48:000.01-067:2003

3

3.2 Tipos C e D

 

Os bujões de tipos C e D devem ser conforme os mostrados na figura 2 e tabela 2.

 
 
   
 
 

Figura 2

Tabela 2

 

Dimensões em milímetros (polegadas)

Rosca

 

Tipo C

 

Tipo D 1)

(ISO 261, ISO 724) (ISO 263, ISO 725)

d

1

Largura do soquete 2)

s

3

Profundidade do soquete mín.

t

2

Largura da cabeça 2)

s

4

Altura da cabeça nominal

k

2

M8 x 1 (5/16-24 UNF)

   

13

5

(9/16)

(3/16)

M10 x 1,25 (3/8-24 UNF)

   

17

5

(5/8)

(3/16)

M12 x 1,25 (1/2-20 UNF)

   

19

5

(3/4)

(3/16)

M16 x 1,5 (5/8-18 UNF)

   

24

7

(7/8)

(1/4)

M20 x 1,5 (3/4-16 UNF)

   

30

7

(1 1/8)

(1/4)

M24 x 1,5 (1-12 UNF)

12,5

8

32

7

(1/2)

(5/16)

(1 5/16)

(1/4)

M27 x 1,5 (1 1/16-12 UN)

   

32

8

(1 5/16)

(5/16)

M30 x 1,5 (1 1/4-12 UNF)

20

12

41

8

(3/4)

(1/2)

(1 1/2)

(5/16)

M33 x 1,5 (1 5/16-12 UN)

   

41

10

(1 1/2)

(3/8)

M36 x 1,5 (1 1/2-12 UNF)

20

12

46

10

(3/4)

(1/2)

(1 7/8)

(3/8)

(1 5/8-12 UN)

   

(1 7/8)

(3/8)

M42 x 1,5 (1 3/4-12 UN)

20

12

55

10

(3/4)

(1/2)

(2 1/16)

(3/8)

(1 7/8-12 UN)

   

(2 1/4)

(3/8)

M48 x 1,5 (2-12 UN)

20

12

60

10

(3/4)

(1/2)

(2 1/4)

(3/8)

Ferramentas manuais correspondentes (Projeto 48:000.01-058)

 

Chave soquete, chave manual

Chave combinada ou chave fixa

1) Alguns tamanhos do tipo D são compatíveis com roscas padrões de conexão para tubos e mangueiras: elas são incluídas na ISO 725 e ISO 263 para roscas de parafusos em polegada e permitem que uma mangueira seja fixada de modo que a drenagem possa ser coletada.

2) As figuras dadas referm-se aos tamanhos de ferramentas nominais e não as dimensões de bujões.

 

4

Projeto 48:000.01-067:2003

4 Aplicação

A tabela 3 indica o uso recomendado dos bujões tipos A, B, C e D.

Tabela 3

Aplicação

Tipo de bujão recomendado

Quando o dano físico for provável

A, C (C preferido)

Quando existir problemas de folga

A, C (C preferido)

Quando remoção e remontagem periódicas forem esperadas

D

Quando remoção e remontagem mínimas forem esperadas

B