P. 1
Integraçao economica em Africa

Integraçao economica em Africa

5.0

|Views: 6.850|Likes:
Publicado porPatricioViana

More info:

Published by: PatricioViana on Aug 19, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/22/2013

pdf

text

original

Índice

Introdução 1 - Integração económica 1.1 - Zona preferencial de comércio 1.2 - Área de livre comércio 1.3 - União aduaneira 1.4 - Mercado comum 1.5 - União económica e monetária 1.6 - Integração económica total 2 - Integração econômica de África 2.1 - Mercado Comum da África Oriental e Austral 2.2 - Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral 2.2.1 - Principais parceiros econômicos 2.3 - Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental Conclusão Bibliografia

Introdução
Integração económica de África é o assunto que será abordado neste trabalho. África, como sabemos, é um continente que está, ao todo, começar a firmar-se no mercado internacional há pouco tempo. Depois de ser explorada pelos colonos, o objectivo agora é, visto ser independente, crescer conquistar o nível de outros continentes, mas para isso, é necessário que próprios lideres africanos se unem na resolução dos problemas que o continente, em geral, apresenta. E como poderemos ver no decorrer do desenvolvimento, África tem dado realmente estes passos. Além de falar da África, antes de tudo começarei por explicar em consiste a integração económica, só depois é que irei passar a falar deste assunto concernente a África.

1 - Integração económica
O processo de integração económica entre territórios ou países foi descrito teoricamente nos anos 1960 pelo economista húngaro Béla Balassa. Segundo a teoria, à medida que a integração económica progride, diminuem as barreiras comerciais mantidas entre os mercados participantes. Hoje em dia, a economia mais integrada entre Estados independentes é a União Europeia e a sua zona do euro. A integração económica ocorre em seis degraus sucessivos:
• • • • • •

zona preferencial de comércio; área de livre comércio; união aduaneira; mercado comum; união económica e monetária; integração económica total.

A integração económica costuma preceder a integração política. Na verdade, Balassa pensava que os mercados comuns supranacionais, com seu livre movimento transfronteiriço de factores económicos, geram naturalmente uma demanda por mais integração, não apenas económica (via uma união monetária) mas também política, razão pela qual, concluiu, com o tempo as comunidades económicas evoluem naturalmente para uniões políticas.

1.1 - Zona preferencial de comércio
Uma zona preferencial de comércio, também conhecida como acordo de complementação econômica (ACE), é a primeira fase do processo de integração econômica e nesse sistema há o livre comércio de bens para alguns produtos.

1.2 - Área de livre comércio
Dá-se o nome de área de livre comércio ou zona de livre comércio a um grupo de países que concordou em eliminar as tarifas, quotas e preferências que recaem sobre a maior parte dos (ou todos os) bens importados e exportados entre aqueles países. O propósito da área de livre comércio é estimular o comércio entre os países participantes por meio da especialização, da divisão do trabalho e da vantagem comparativa. A área de livre comércio costuma ser vista como um passo para a instituição de uma união aduaneira. Diferencia-se desta última pela inexistência de uma política comercial comum (como, por exemplo, uma tarifa externa comum), adoptada por todos os países participantes e válida para as importações provenientes de fora da área. As áreas de livre comércio são criadas por meio de acordos de livre comércio (ALCs) entre dois ou mais Estados.

1.3 - União aduaneira
Uma união aduaneira é uma área de livre comércio com uma tarifa externa comum, ademais de outras medidas que conformem uma política comercial externa comum. Entre um grupo de países ou territórios que instituem uma união aduaneira, há a livre circulação de bens (área de livre comércio) e uma tarifa aduaneira comum a todos os membros, válida para importações provenientes de fora da área. Os países ou territórios que a adotam costumam ter por objetivo aumentar a sua eficiência econômica e estabelecer laços políticos e culturais mais estreitos entre si. A união aduaneira é formada por meio de um acordo comercial.Essa política é adotada pelo Mercosul.

1.4 - Mercado comum
Um mercado comum é uma união aduaneira com políticas comuns de regulamentação de produtos e com liberdade de circulação de todos os três fatores de produção (terra, capital e trabalho) e de iniciativa. Em tese, a circulação de capital, trabalho, bens e serviços entre os membros deve ser tão livre como dentro do território de cada participante. Um bom exemplo de mercado comum é a União Europeia. Em 22 de outubro de 2008, 26 chefes de estado e de governo da África, decidiram criar uma Zona de Comércio Livre, englobando os países da África austral e oriental que, até essa data faziam parte de três organizações separadas de integração económica, a SADC, COMESA e EAC.

1.5 - União económica e monetária
Uma união económica e monetária é um mercado comum dotado de uma moeda única. Não deve ser confundida com uma simples união monetária (como o franco CFA), que não envolve um mercado comum.

1.6 - Integração económica total
A integração económica total entre países ou territórios faz com que seus membros adoptem uma moeda comum, harmonizem por completo as suas políticas fiscais e transfiram o controle sobre a política económica para o conjunto dos membros.

2 - Integração econômica de África
Na primeira e segunda conferências dos países independentes de África, realizadas em Acra, Gana, em Abril de 1958, e em Addis Ababa, Etiópia, em Junho de 1960, foram discutidos os problemas económicos desses países e chegou-se a um consenso de que a fragmentação do continente e a concentração da produção numa pequena gama de produtos primários de exportação,constituíam grandes obstáculos à diversificação das actividades económicas e à criação de mercados modernos e internationalmente competitivos. Foi, portanto, acordado que os países africanos independentes deviam promover a cooperação económica entre si. Duas opções foram discutidas para a implementação da estratégia de integração económica em África:

a) a fórmula panafricana, que advogava a criação imediata duma organização económica continental (esta fórmula derivou em parte das idéias do líder ganense Kwame Nkrumah) e b) a fórmula sub-regional, que defendia a implementação de acordos de cooperação entre países vizinhos que, eventualmente, poderia gerar formas de cooperação geograficamente mais alargadas.

A maioria dos países estava a favor da opção sub-regional e, neste sentido, a Comissão Econômica da ONU para a África (ECA), propôs a divisão do continente em quatro sub-regiões: oriental e austral, central, ocidental e o Norte de África. A proposta da Comissão foi adoptada pela Conferência de Chefes de Estado e de Governo da OUA, que instou todas as nações africanas independentes a tomarem, durante a década de 1980, os passos necessários para fortalecer os arranjos económicos sub-regionais já existentes e, se necessário, estabalecer outros de modo a cobrir todo o continente e promover a coordenação e harmonização dos diferentes agrupamentos, com vista ao estabelecimento gradual duma Comunidade Económica Africana no final do século. Várias destas organizações foram de facto implementadas, entre as quais:
• • •

a COMESA, Mercado Comum da África Oriental e Austral; a SADC, Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral]]; e a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (Economic Community of West African States, com a sigla ECOWAS, em inglês ou Comunautée Economique des États de l’Afrique Ocidentale, com a sigla CDEAO, em francês).

2.1 - Mercado Comum da África Oriental e Austral
A COMESA, do seu nome em inglês,COmmon Market for Eastern and Southern Africa (Mercado Comum da África Oriental e Austral) é uma organização de integração econômica entre países da África que tem como objetivo promover a

prosperidade econômica dos estados membros, através do estabelecimento de uma área de livre comércio. A COMESA tem 19 estados membros, não só das duas sub-regiões indicadas no seu nome, África oriental e África austral, mas também do norte de África (Líbia e Egito). O tratado que fundou a COMESA foi assinado a 5 de Novembro de 1993, em Kampala, Uganda, e foi ratificado a 8 de Dezembro de 1994 em Lilongwe, Malawi. Esta organização substituiu a “Área de Comércio Preferencial” (Preferential Trade Area, ou PTA) que existia desde 1981. Com uma população de mais de 385 milhões de habitantes e um valor anual de importações de cerca de US$32 biliões, a COMESA forma um mercado enorme, tanto a nível de comércio interno como externo. O secretariado desta organização encontra-se em Lusaka, Zâmbia. A COMESA é sócia do Banco de Comércio e Desenvolvimento da África Oriental e Austral (Eastern and Southern African Trade and Development Bank) de Nairobi, Quénia.

2.2 - Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral
A Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral, conhecida por SADC, do seu nome em inglês, Southern Africa Development Community, é a organização sub-regional de integração regional dos países da África austral. Os seus membros actuais são: Bandeira da SADC.
• • • • • • • • • • • • • •

África do Sul Angola Botsuana República Democrática do Congo Lesoto Madagáscar Malaui Maurícia Moçambique Namíbia Suazilândia Tanzânia Zâmbia Zimbábue

A sede da SADC encontra-se em Gaborone, no Botswana. As línguas oficiais da Comunidade são o inglês, o francês e o português.

2.2.1 - Principais parceiros econômicos
O principal parceiro econômico externo ao SADC é a UE (União Europeia) que, com o bloco mencionado realiza importantes trocas há alguns anos. Apesar da parcela do mercado europeu abocanhada pelo grupo estar decrescendo, cerca de três por cento atualmente contra sete na década de oitenta, essas trocas ainda representam a maior parte das exportações e importações externas ao grupo. Muitas medidas têm sido tomadas para evitar o domínio econômico pelo Norte, algumas com mais sucesso do que outras.

2.3 - Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental
A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (Economic Community of West African States ou ECOWAS, em inglês e Comunautée Economique des États de l’Afrique Ocidentale, ou CEDEAO, em francês) é a organização de integração regional que engloba 15 países da África Ocidental:
• • • • • • • • • • • • • • •

Benin Burkina Fasso Cabo Verde Costa do Marfim Gâmbia Gana Guiné Guiné-Bissau Libéria Mali Níger Nigéria Senegal Serra Leoa Togo

O Tratado de Lagos, que estabeleceu a ECOWAS, foi assinado em Maio de 1975 com o objectivo de promover o comércio regional, a cooperação e o desenvolvimento na região. Cabo Verde juntou-se à organização em 1976 e a Mauritania desligou-se em 2002. O tratado da ECOWAS foi revisto e assinado em Julho de 1993, de forma a acelerar a integração económica e aumentar a cooperação na esfera política, incluindo o estabelecimento dum parlamento oeste-africano, um conselho económico e social e um novo tribunal para assegurar a execução das decisões da Comunidade. Este novo tratado dá formalmente à Comunidade a responsibilide de evitar e resolver conflitos na região. Sete países desta região organizaram-se igualmente numa União Económica e Monetária, com a sigla que partilham a mesma moeda, o franco CFA.

Conclusão
Como podemos ver, África, economicamente falando, tem dado bons passos para estabilizar a sua economia e, como foi abordado, a criação de tais instituições que velam para o bem-estar económico de África, constituindo a integração económica de África, têm realmente feito bons trabalhos, sabendo desta maneira, gerir o que lhes é confiado. É claro que nem tudo corre totalmente bem, mas, o importante sempre é resolver os problemas que vão surgindo e não permitir um problema afunda um sonho, por isso mesmo é que tais instituições continuam e um dia África poderá se igual a Europa ou América do norte actualmente.

Bibliografia
http://pt.wikipedia.org/wiki/Integra%C3%A7%C3%A3o_econ%C3%B3mica http://pt.wikipedia.org/wiki/Zona_preferencial_de_com%C3%A9rcio http://www.panapress.com/freenewspor.asp?code=por008029&dte=03/07/2007 http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81rea_de_livre_com%C3%A9rcio http://pt.wikipedia.org/wiki/Uni%C3%A3o_aduaneira http://portuguese.cri.cn/135/2008/10/21/1s97545.htm http://pt.wikipedia.org/wiki/Mercado_comum http://pt.wikipedia.org/wiki/Uni%C3%A3o_econ%C3%B3mica_e_monet%C3 %A1ria http://pt.wikipedia.org/wiki/Integra%C3%A7%C3%A3o_econ%C3%B3mica_t otal http://pt.wikipedia.org/wiki/Comunidade_Econ%C3%B3mica_dos_Estados_da _%C3%81frica_Ocidental http://pt.wikipedia.org/wiki/SADC http://pt.wikipedia.org/wiki/Mercado_Comum_da_%C3%81frica_Oriental_e_ Austral

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->