Você está na página 1de 35

Curso Solda a

Ponto

Antonio Wilton
1
OBJETIVO

 DEFINIÇÃO DE SOLDAGEM
 FORMAÇÃO DA LIGA INTERMETÁLICA
 REGRAS GERAIS PARA MANUSEIO DE MONTAGENS ELETRÔNICA.
 FUNÇÃO DO FLUXO NO PROCESSO DE SOLDAGEM.
 A SOLDA E SUAS COMPOSIÇÕES.
 VANTAGEM DA LIGA EUTÉTICA.
 ESCOLHA DO DIAMETRO DE SOLDA
 TRANSFERÊNCIA DE CALOR DO PROCESSO DE SOLDAGEM
 MOLHAGEM
 NÃO MOLHAGEM
 FUNÇÃO DO FERRO DE SOLDA NO PROCESSO DE SOLDAGEM.
 COMO SOLDAR CORRETAMENTE
 TECNICA CORRETA
 INSPEÇÃO
 REQUESITOS DE ACEITABILIDADE DE SOLDAGEM
 DEFEITOS DE SOLDAGEM.
 FALHAS DE SOLDA
 SUPERFÍCIE DO METAL A SER SOLDADO NO REPARO OU RETRABALHO
 PRINCIPAIS FALHAS

2
Definição de Soldagem

Soldagem é a formação da ligação intermetálica, através do derretimento do material


metálico de ligação (SOLDA), que tem como objetivo garantir a ligação elétrica, com
confiabilidade e durabilidade nos circuito eletrônicos.

As 4 etapas mais importantes para utilização desta técnica são:

1º Superfícies Soldáveis: Refere-se as áreas dos componente metálicos que serão


unidas na conexão de solda.

2º Fluxo: ë um agente químico que serve para remover pequenas quantidades de


óxidos, formando uma camada isolante, evitando assim que a superfície se re-oxide
durante o processo de soldagem.

3º Calor: É a energia necessária para fundir e ativar o fluxo e também fundir e


liquefazer a solda.

4º Solda: Um material metálico usado para unir dois ou mais metais.

3
LIGA INTERMETÁLICA

Visite nosso site: www.cobix.com.br 4


Regras Gerais para Manuseio de Montagem Eletrônica

 Manter as estações de trabalho limpa e


em ordem; com uso de escovas, álcool.
 Descartar em local apropriado os
materiais que podem contaminar o
meio ambiente
 Não se deve comer, beber, ou usar
produtos de fumo na área de trabalho.
 As superfícies soldáveis não devem ser
manuseadas com as mãos ou dedos
nus. Os óleos e sais do corpo reduzem
a soldabilidade provocam corrosão etc.
 Não use loção para as mãos ou loção
contendo silicone porque pode causar
problemas de soldabilidade e adesão.
 Nunca empilhe as montagens
eletrônica pois isso pode causar danos
físicos. Deve-se usar prateleiras
especiais para o seu armazenamento
temporários.
 Minimize o manuseio de montagem e
componentes eletrônicos para evitar
danos
FUNÇÃO DO FLUXO NO PROCESSO DE SOLDAGEM

 O fluxo é um composto orgânico que


quando aquecido a 65 º C, torna-se
líquido realizando as seguintes
funções:
 1º Remover a oxidação e
contaminações dos metais;agindo
como um limpador da superfície dos
metais a serem soldados.
 2 º Proteger contra novas oxidações
 3º Transferir calor para as partes a
serem soldadas, principio da mão na
frigideira
 Posteriormente o fio de solda atinge
seu ponto de fusão liquefazendo-se e
iniciando o processo molhagem
formando a junta soldada

Tipos de fluxo
R – Resinoso
RMA – Resinoso Mediamente Ativado
RA – Resinoso Ativado
NC – No Clean - Resíduos de fluxo não
precisam ser removidos
UR – Ativados Orgânicos Hidrossolúvel
A SOLDA E SUAS COMPOSIÇÕES
VANTAGENS DA LIGA EUTÉTICA

 A solda de composição 63%


estanho x 37 % chumbo,
apresenta a menor temperatura de
fusão 183 º C, passando
imediatamente do estado sólido
para o liquido.
 A solda de composição 60%
estanho x 40 % chumbo,
apresenta temperatura de fusão
183 º C, passando primeiramente
do estado sólido para um estado
pastoso, e somente se tornando
liquido após de 189º C.
 Por esta razão a solda de
composição 63% Sn x 37 Pb% é a
mais utilizada devido a alta
velocidade de mudança de estado,
3 segundos, sem faixa
intermediaria;denominada de liga
Eutética.
VANTAGENS DA LIGA EUTÉTICA
TEMPO DE RESFRIAMENTO

 Na liga 63% Sn x 37%PB, o


tempo de retorno do estado
liquido para o estado sólido
(resfriamento),

 Na liga 60% Sn x 40%PB, o


tempo de retorno do estado
liquido para o estado sólido
( resfriamento ), da liga é
4,18 segundos.
ESCOLHA DO DIAMETRO DE SOLDA
ESCOLHA DO DIAMETRO DE SOLDA
ESCOLHA DO DIAMETRO DE SOLDA
TRANSFERÊNCIA DE CALOR DO PROCESSO DE SOLDAGEM

 A ponta do ferro encostar no


terminal e ilha a ser soldado.
 Inicia-se o fluxo de calor.
 O fio de solda encostar, entre o
terminal e ilha a ser soldado.
 O fluxo sólido contido
internamente no fio, passa para o
estado liquido molhando o
terminal e ilha a ser soldado.
 O fluxo aquecido a 120º C
remove toda oxidação e
contaminação.
 A Solda ira realizar a molhagem.
 O cobre o estanho e chumbo irão
formar a liga intermetálica
MOLHAGEM
NÃO MOLHAGEM
FERRO DE SOLDA

O Ferro de soldar é um trasmisor de calor

 Basicamente podemos dividir o ferro de soldar em 3 partes:

 1)Cabo : Local onde devemos pegar segurar.


 2) Elemento de Aquecimento : É a parte responsável de aquecimento e
transferir o calor para a ponta.
 3)Ponta : É a parte responsálvel em transferir o calor para a parte a ser
soldada
FERRO DE SOLDA

•Função da ponta do ferro de soldar


É responsável em transferir calor para o ponto a ser soldado. É construída em cobre e
recoberta por varias camadas de materiais que atuam como capa protetora, para
promover uma boa soldabilidade e proporcionar boa condução e armazenamento de
calor.

•Cuidados com a pontas do ferro de soldar:


Não deve ser limadas, lixadas, raspadas, ou utilizar qualquer tipo de material abrasivo
para limpa-las, para não perder a camada protetora.
Para limpa-la devemos utilizar uma esponja vegetal.
Ao trocar a ponta, deve-se estanhar e limpar antes dos trabalhos ,eliminando possíveis
impurezas.
Não bater o ferro de soldar para retirar resíduos de solda da ponta.
A esponja deve estar limpar e úmida.
Ao termino de cada período de trabalho deve-se estanhar a ponta do ferro, para
proteger da umidade do ar.
•Esponja Vegetal
Esta esponja deve estar sempre limpa umedecida em água, a ponta do ferro de soldar
acumula sujeira, resíduos de fluxo que ficam carbonizados na ponta que pode ser
transferir no ponto a ser soldado provocando futuras corrosões.
A ponta quando em contato com a esponja úmida, seus poros fecham liberando as
sujeiras e resíduos na esponja, este processo protege as pontas proporcionando vida
longa.
FERRO DE SOLDA

• Existem vários tipos de ponta e devem ser determinadas pela


engenharia, pois para cada tipo de componente a ser soldado temos uma
ponta adequada.
• A temperatura de trabalho não deve ser alterada para soldar com pontas
pequenas ou grandes.
• Os componentes eletrônicos são bastante frágeis.
• Alguns componentes não suportam temperaturas acima de 400°C por
mais de 10 segundos devido a sua sensibilidade a temperaturas
elevadas.
• Assim para que não haja danos, o tempo de soldagem manual não deve
ultrapassar a 3 segundos por ponto a ser soldado, a temperatura não
deve ser ultrapassada dos 360°C, na ponta do ferro.
• A temperatura acima de 360°C, poderá alterar alguns componentes,
formando carbonização entre os terminais , espirar solda causando
“MICRO CURTOS”, e desplacar as ilhas e trilhas das PCI´S.
• A temperatura abaixo de 280°C, causa danos tão ruins quanto acima de
360°C , mas com aspectos diferentes por EX: SOLDA FRIA.

17
FERRO DE SOLDA
COMO SOLDAR CORRETAMENTE

Para se executar uma soldagem manual não é necessário colocar


força física, esfregar, empurrar solda, porque o que concretiza a
soldagem é o calor proporcionado pela ponta do ferro de soldar.

A ponta do ferro deve encostar bem no terminal e ilha a ser soldado

Do lado oposto deve-se encostar o fio de solda, observar a perfeita


formação do cone de solda; desta forma você esta permitindo que o
fluxo contido internamente no fio, faça o seu trabalho de limpeza e
preparação do ponto a ser soldado.

Colocar a quantidade necessária de solda, deixando que ela derreta e


se espalhe por toda ilha, garantindo assim uma boa soldagem.

Retire o fio de solda, somente após ser retirado o ferro de soldar para
se obter uma perfeita funsão entre terminal e ilha garantindo uma
fusão correta.

19
COMO SOLDAR CORRETAMENTE

Encosta o Encosta a
Ferro solda

Tira a Tira o
solda Ferro

20
COMO SOLDAR CORRETAMENTE
Técnica correta
Inspeção

Quando a solda solidificar-se, o soldador deve verificar a junção para


assegurar se não existe solda fria e se a junção atende os “Requisitos Gerais
para Junções Soldadas”, apresentadas no item anterior. Isto deve ser feito
preferencialmente através de inspeção visual.
A verificação da junção é um procedimento essencial, uma vez que a
solda fria e outros defeitos, que cedo ou tarde resultará em uma trinca ou
causará mau funcionamento, são sempre bastante difíceis de detectar-se nas
bobinas prontas.
Requisitos de Aceitabilidade de Soldagem

• As condições preferidas para soldagem de interfaces de metal, a


partir da física de molhabilidade, requerem ângulos de contato
baixos ou próximos a zero.
• A molhabilidade não pode ser julgada pela aparência da
superfície. Ela só pode ser inferida pela presença de um ângulo de
contato baixo ou próximo a zero.
• Uma condição de não molhagem é normalmente considerada
existente se a liga de solda não ‘‘molha’’ as partes da superfície
original. Geralmente isto significa que o ângulo de contato excede
90°.
• Todas as conexões de solda alvo têm um brilho lustroso a
acetinado, geralmente de aparência lisa e apresentando a
molhagem conforme exemplificado por um menisco côncavo entre
os objetos sendo soldados. As soldas a temperatura elevada
podem ter uma aparência fosca.
• O retoque de conexões soldadas é feito com discrição para evitar
problemas adicionais e para produzir resultados que atendam aos
critério de aceitabilidade da classe aplicável.
Requisitos de Aceitabilidade de Soldagem
(cont.)
Alvo - Classe 1,2,3
• O filete de solda geralmente aparenta estar
liso e com boa
molhabilidade da solda para as peças sendo
unidas. O
delineamento das peças é facilmente
determinado.
Aceitável A- Classe 1,2,3
solda na peça sendo unida cria uma
• Existem composições de liga de solda,
extremidade alada.
painéis de circuito impresso ou terminais e
O filete tem o formato côncavo
processos de solda especiais (ex., resfriamento
vagaroso com PWBs de grande volume) que
podem produzir soldas com aparência fosca,
cinza, ou granulada, que são normais para o
material ou processo envolvido. Essas
conexões de solda são aceitáveis.
• A conexão de solda aceitável deverá
apresentar evidência de molhabilidade e
adesão quando a solda se homogeniza com a
superfície soldada, formando um ângulo de
contato de 90° ou menos, exceto quando a
Defeito - Classe 1,2,3
quantidade de solda resultar em contorno que
• A não molhagem que leve a solda a formar
se estenda sobre a extremidade da ilha ou da
uma bola ou
máscara de solda.
filete na superfície, como se fossem gotículas de
água
numa superfície envernizada. O filete será
convexo, sem
extremidade alada aparente.
Padrões de aceitabilidade
Falhas de solda
DEFEITOS MAIS COMUNS

PRINCIPAIS CAUSAS DE SOLDA FRIA

A ponta do ferro de soldar não encostou o suficiente no ponto para a


transferência de calor.
Tempo de soldagem menor que 2 segundos.
O fluxo não fez seu trabalho.
A quantidade de solda foi insuficiente.
Excesso de água na esponja provocando baixa temperatura na ponta.
SOLDA TRINCADA

A solda trincada normalmente é provocada pela vibração na hora da


soldagem.
Esta vibração ocorre pelo fato de forçarmos a ponta do ferro de soldar na ilha
ou componente, esfregar a ponta do ferro de soldar, e outras vibrações.

29
SOLDA RASA OU DEMOLHAGEM

Normalmente é provocada pela falta de fluxo, não deixando o fluxo contido


no fio espalhar-se na ilha.
Soldagem muito rápida.
Excesso de oxidação nos componentes ou ilhas a ser soldada.

30
LEVANTAMENTO DE PISTA

É provocada pelo excesso de calor na ponta do ferro de soldar.


Muito tempo de permanência da ponta do ferro de soldar na ilha ou trilha.

31
REFORÇO DE SOLDA

O reforço de solda normalmente é feito automaticamente.


Após uma soldagem bem feita, não há necessidade de reforçarmos o cone de
solda.
A solda é uma cola , e não prego, parafuso ou rebite.
Quando tivermos a real necessidade de um reforço, para termos uma tração
mecânica mais forte, devemos consultar a engenharia, para que se mude o
layout da PCI.

32
OUTRAS FALHAS NA SOLDAGEM

Retirada do ferrO de soldar muito rápido

Falta de aquecimento no ponto a ser soldado Cortar o terminal muito rente após a soldagem

Excesso de calor a solda escorreu

33
A SUPERFÍCIE DO METAL
A SER SOLDADO NO REPARO OU RETRABALHO

Primeiro devemos lembrar que toda e qualquer soldagem sempre é uma reação
química e metalúrgica.
As superfícies devem estar absolutamente limpas de sujeiras, graxas, óleos e
sem a presença de óxidos; essas barreiras impedem o contato do estanho
contido nas soldas (metal ativo) com o metal base dos condutores elétricos
(cobre) e, consequentemente a formação dos componentes dos compostos
intermetálicos que definem a junta soldada .

PLACA

OBS: Todas essas camadas formam-se rapidamente


Principais falhas

Interesses relacionados