P. 1
Ética no ambiente escolar

Ética no ambiente escolar

|Views: 4.622|Likes:
Publicado porlimagoncalves

More info:

Published by: limagoncalves on Aug 22, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/18/2013

pdf

text

original

17o Workshop de Educação Escolar Cristã

17o Workshop de Educação Escolar Cristã
Palestra: Autor: Instituição:

Ética no ambiente escolar
Rosalice Gualberto AECEP

Uma escola cristã é composta de vários grupos de pessoas voltados para a execução de um objetivo comum, que deve estar expresso na visão e missão da instituição. A despeito das particularidades da missão de cada entidade educacional, podemos afirmar que todas admitem uma pluralidade de ações em meio as suas equipes de trabalho e o relacionamento escola/pais/comunidade é vital para o bom empreendimento escolar. Entretanto, essas relações de trabalho e suas inter-relações com os pais e comunidade nem sempre são fáceis e desprovidos de atritos e desajustes. O objetivo desse ensaio, portanto, é conscientizar os educadores de que a vida ética pautada nas escrituras é a única possibilidade para a existência e manutenção de uma escola sadia. De início já precisamos então definir o que vem a ser uma vida ética, visto que é por meio dela que o ambiente escolar será transformado em um local onde a vida de Deus possa ser vista/manifesta. Todo cristão que deseja viver eticamente reconhece que suas crenças ou premissas (quem é Deus, quem é o homem e que é o mundo) determinam suas ações. Portanto, o que é um comportamento adequado a um cristão dentro de um grupo? Diante de infinitas escolhas, qual deveria ser a mais acertada? Há um parâmetro pelo qual o cristão pode discernir se suas decisões são acertadas? Ponderaremos sobre essas questões mais à frente. De início, trataremos da origem das palavras estudadas: Etimologia : Do grego ethica – etheos – o que se relaciona com o caráter Ethos – costume ou hábito. É uma subdivisão da filosofia: metafísica, epistemologia e ética. Daí receber o nome de filosofia moral. Moral – latino (adjetivo moralis) – que significa costume ou uso. Quando falamos de ética, então, estamos nos referindo a um conjunto de leis (morais) pelo qual se pode avaliar a conduta humana. Moral (o que deve ser) Prescrição A lei O padrão Costumes ( o que é) Descrição A vida A conduta

Sem nenhum padrão ético (leis morais), os julgamentos (avaliações morais) não seriam possíveis.
AECEP – Associação de Escolas Cristãs de Educação por Princípios 1

17o Workshop de Educação Escolar Cristã

Mesmo entre os eticistas cristãos, há variedade de propostas e entendimento sobre como viver uma vida ética. De qualquer modo é preponderante hoje a idéia de que ser ético envolve muito mais a semelhança em caráter com Cristo (ser) do que a imitação de suas ações (fazer). Por que a questão do ser (caráter) precede a questão do fazer (ações e atitudes)? Porque a ênfase que Jesus deu à atitude do coração sobrepuja a questão do ato em si. De acordo com ele, o verdadeiro estado de moralidade não é avaliado pela atitude externa das pessoas, mas pela condição interna do coração (Mt5-7). Somente é possível agradar a Deus, vivendo uma vida santa, experimentando-se se o novo nascimento (recebendo a vida de Deus) e renovando-se a mente com a Palavra de Deus. A ação ética sempre será decorrente de uma mudança de dentro para fora. Nos versos 14 a 16 de Mateus 5 Jesus diz que o ser luz deveria preceder o ato de fazer brilhar a luz diante dos homens. Ou seja, primeiramente a Palavra viva que é Cristo deve iluminar nosso coração e então estaremos aptos a mostrar aos homens as boas obras (ações éticas) a fim de glorificarmos a Deus. Mateus 5:14-16 Ser luz ► Boas obras (ações éticas)

A aparência externa nunca pode ser sinônima de piedade como também é bem expresso nas escrituras (Cl2:20-23) A maioria das pessoas acredita que ser ético é simplesmente agir de determinada maneira ou abster-se daquilo que é recriminado pela maioria. Ora, como cristãos, entendemos que Deus e sua palavra é o que traz direção e iluminação às ações humanas. Portanto, agir pelo que pensa a maioria ou pelo que deliberam os homens não é necessariamente um viver ético. Atualmente o padrão moral da sociedade como um todo é alarmante. Por isso, as empresas e as instituições públicas estão cada vez mais empenhadas em estabelecer códigos e conselhos de ética a fim de manter um padrão moral razoável. Entretanto, como bem observa Maria do Carmo Whitaker e Maria Cecília C. De Arruda em seus conceitos sobre ética empresarial, as pessoas já ingressam nas instituições com seus próprios padrões de conduta. E um código não será capaz de alterar isso. “...a conduta ética das empresas é o reflexo da conduta de
seus profissionais. Tal conduta não se limita ao cumprimento da legislação, sendo o resultado da soma dos princípios morais de cada um de seus integrantes. Assim como a educação, a ética vem do berço. A conduta ética, portanto, que se espera das empresas vai muito além do simples cumprimento da lei, mesmo porque, pode haver leis que sejam anti éticas ou imorais. Importa que os homens de negócios sejam bem formados, que os profissionais sejam treinados, pois o cerne da questão está na formação pessoal. Caso contrário, a implantação do código de ética será inócua.”

Visto que um viver ético não é algo tão fácil de ser alcançado, procuraremos analisar sucintamente qual a maneira estabelecida por Deus para se conseguir uma vida de integridade.
AECEP – Associação de Escolas Cristãs de Educação por Princípios 2

17o Workshop de Educação Escolar Cristã

A ética no Antigo Testamento O Antigo Testamento retrata um Deus em aliança com o homem. Toda a narrativa bíblica trata da história da aliança (a consciência de um relacionamento único com Deus). A ética do povo hebreu, portanto, não estava vinculada à certas virtudes ou à busca da felicidade, mas à obediência a Deus originada de um relacionamento. A própria lei dada no Sinai atesta que a vida do povo deveria ser pautada pelo amor, num relacionamento com o Senhor Deus e com o próximo. Atentemos para o conteúdo de dois salmos que versam sobre a vida ética do povo de Deus: Salmos 15 “Quem, Senhor, habitará no teu tabernáculo? Quem há de morar no teu santo monte? O que vive com integridade, e pratica a justiça, e de coração, fala a verdade: o que não difama com sua língua, não faz mal ao próximo, nem lança injúria contra o seu vizinho; o que, a seus olhos, tem por desprezível ao réprobo, mas honra aos que temem ao Senhor; o que jura com dano próprio e não se retrata; o que não empresta o seu dinheiro com usura, nem aceita suborno contra o inocente. Quem deste modo procede não será jamais abalado”. Salmos 24: 3-4 Quem subirá ao monte do Senhor Quem há de permanecer no seu santo Lugar? O que é limpo de mãos e puro de coração. Que não entrega a sua alma à falsidade, nem jura dolosamente. Nesses escritos, há uma ênfase sobre o tipo de pessoa que estaria apta a permanecer no monte (presença) do Senhor. Aquele cuja vida e ações demonstrassem obediência a Deus. O povo do Senhor deveria ser obediente pelo fato de serem um povo da aliança, escolhidos para relacionarem-se com o Deus santo e refletirem essa santidade ao mundo. Essa era a tônica de uma vida ética vetero testamentária. Ao longo da história da aliança com Israel, Deus revelou a si mesmo e a seu caráter. Ele nunca requereu algo que não tivesse mostrado ao povo. Conforme exposto em Mq6:1-8, Deus declarou ao homem o padrão ético (do bem). Padrão ético (Miquéias 6:1-8) O que é bom (o que Deus pede do homem) Praticar a justiça Amar a misericórdia Andar humildemente

AECEP – Associação de Escolas Cristãs de Educação por Princípios

3

17o Workshop de Educação Escolar Cristã

Esse padrão divino foi resumido, por assim dizer, na forma da lei. Entretanto, a lei apenas mostrava o padrão e as responsabilidades do homem, mas nunca foi capaz de estabelecer uma vida ética na nação de Israel. Pelo contrário, a lei sempre expôs a natureza do homem e do pecado. Ela sempre orientou o homem no sentido de mostrar-lhe que a corrupção do gênero humano é um problema interno – do coração. E esse é o ponto principal levantado por Jesus na nova aliança, como mostraremos adiante. O padrão ético no Novo Testamento Quando Jesus veio ao mundo ele não apenas articulou (ensinou) o padrão divino de vida para o novo povo de Deus, como também o encarnou. Ele mostrou como é possível viver uma vida irrepreensível como homem, pelo poder do Espírito Santo. Jesus sempre enfatizou a questão do coração, ou a motivação por trás das ações. Não era o desempenho público, farisaico, que importava, mas a pessoa por trás da fachada. Isso sim tinha importância fundamental. Ele passou a vida mostrando que não é a mera conformidade exterior com a Lei, mas a obediência interior que caracteriza o verdadeiro temor a Deus. Jesus preocupava-se primeiramente com o caráter, a motivação e o coração. Os homens religiosos de sua época estavam mais interessados numa forma ritualística de obediência, crendo que a vida ética consistiria na observância de normas rígidas. Cristo enfatizou que a vida ética nasce de um relacionamento íntimo com o Deus todo poderoso. Ela deve surgir como resposta à demonstração de amor, graça e favor de Deus para conosco. A ação ética surge quando a verdade (palavra) exerceum impacto no coração do homem. Temos que reconhecer que Cristo, em sua encarnação, era Deus habitando com os homens. Por isso, à medida que ele andava na terra, os discípulos puderam provar pessoalmente o poder do toque divino em suas vidas. Portanto, a partir do momento em que Jesus declara que o discípulo deve ser como seu mestre, a vida e conduta que caracterizaria esse discipulado não seria decorrente apenas de uma imitação (baseada na admiração), mas consistiria numa ação originada na graça e amor pessoal experimentados no próprio relacionamento com o Senhor. O amor ao Pai fazia Jesus agir na terra. O amor a Jesus (experimentado de modo particular e pessoal) deveria ocasionar ações específicas (éticas). A conduta fluiria do caráter transformado, mas o caráter se originaria da devoção a Cristo. O cerne do novo testamento é esse: Cristo nos amou e por isso morreu por nós, para que nós que vivamos agora o façamos para ele. Uma vez que fomos alcançados por esse amor, devemos viver uma vida ética. Só é possível seguir a Cristo como discípulo e realizar as suas obras (ações éticas) se a pessoa tiver sido tocada pelo Senhor e tiver recebido a vida divina pelo Espírito. Uma pessoa sem Cristo, morta em seus pecados e delitos não consegue perseverar na senda da santidade, pois mais cedo ou mais tarde, suas obras serão manifestas. Visto por esta perspectiva, reconhecemos que o homem não regenerado não consegue produzir os frutos de justiça requeridos por Deus, pois não tem a vida nem o poder do Espírito. Portanto, a primeira questão a considerar é: um código de ética (de leis) é capaz de estabelecer um comportamento ético em alguma instituição?

AECEP – Associação de Escolas Cristãs de Educação por Princípios

4

17o Workshop de Educação Escolar Cristã

Se fizermos uma analogia entre a capacidade que uma equipe de trabalho tem em cumprir um código de ética e a capacidade do homem natural em cumprir a lei de Deus, chegaremos à triste conclusão de que isso não é possível. De acordo com o apóstolo Paulo, a lei cumpre apenas um papel ético específico, a saber, o de estabelecer limites. Com isso, ela destaca a incapacidade e o pecado do ser humano. E o único resultado é a condenação (Rm7:5-14). A lei pode informar quais são os limites, mas é incapaz de impedir que esses limites sejam transgredidos. A lei é limitada, pois ela jamais pode criar o tipo de relacionamento que Deus deseja manter com o ser humano. Ela apenas mostra os limites dentro dos quais podem surgir relacionamentos verdadeiramente espirituais. Não há, portanto, como conceber que um ser humano possa cumprir a ética cristã de modo natural. De acordo com Paulo, somente pelo Espírito uma pessoa é capaz de viver dignamente e ser liberta da lei do pecado e da morte. A ética cristã, portanto, implica a vida no Espírito. Somente pelo Espírito o homem consegue relacionar-se com Deus, com o seu próximo e com a criação de modo adequado, conforme Rm8:3,4:
“Porquanto o que fora impossível à lei, no que estava enferma pela carne, isso fez Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança de carne pecaminosa e no tocante ao pecado;e, com efeito, condenou Deus, na carne, o pecado, a fim de que o preceito da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito.”

A vida ética possível Entendemos que só é possível agir acertadamente e fazer o bem (levar uma vida ética) se primeiramente nos tornarmos um com o Senhor e recebermos um novo coração. E mesmo admitindo que temos um novo coração, também precisamos reconhecer que a vida cristã é uma constante luta, como bem observa Paulo em suas epístolas. Vivemos uma guerra contínua travada entre a carne e o espírito. Por mais santificados que estejamos, nossa visão sempre será incompleta (conhecemos apenas em parte cf 1Co3:12) e nem sempre poderemos nos assegurar de que nossas ações serão sempre acertadas. Por isso precisamos de orientação constante, especialmente da Palavra de Deus (2Tm3:14-17). Uma das maneiras de renovarmos as nossas mentes e reconhecermos os padrões de Deus aplicados ás várias áreas da vida é trabalhar na identificação de princípios. Enfatizamos que eles não são o fim, mas o meio pelo qual podemos glorificar a Deus, reconhecendo o padrão moral divino expresso nas escrituras. Identificando princípios Soberania - Deus necessita ser o Senhor na vida daqueles que fazem parte da instituição escolar. Somente através do senhorio de Cristo a vida do Espírito é liberada para produzir fruto e ações éticas genuínas. A primeira área a ser trabalhada numa escola cristã deveria ser então a premente necessidade de ver todos os seus atores (direção, funcionários, alunos, família, igreja mantenedora, comunidade) desfrutando de um relacionamento com Deus, a fim de que ações verdadeiramente éticas se tornem viáveis de serem praticadas.
AECEP – Associação de Escolas Cristãs de Educação por Princípios 5

17o Workshop de Educação Escolar Cristã

Muitas vezes estamos interessados em apenas fazer a obra de Deus, desejando aprimorar nossa maneira de fazer as coisas. Não que isso não seja importante! Mas é que não assimilamos o que exatamente é fazer a obra de Deus
“Dirigiram-se, pois, a ele, perguntando: Que faremos para realizar a obra de Deus? Respondeu-lhes Jesus: A obra de Deus é esta: que creiais naquele que por ele foi enviado.”Jo6:28

Uma vez crendo em Jesus, as pessoas recebem o poder necessário para viver uma vida que o glorifique, submetendo-se ao seu senhorio. Reconhecer a Deus como soberano em uma escola é aceitar o fato de que nenhuma pessoa dentro dela é livre para fazer a sua própria vontade, mas apenas a vontade de Deus. A vida sob sua soberania implica não apenas uma nova maneira de pensar, mas também uma conversão radical que leva à obediência voluntária à vontade do Pai, em parte revelada nos mandamentos de Jesus. (Quem me ama guarda os meus mandamentos) Governo - Embora a lei não possa produzir a vida ética, ela não deve ser menosprezada. A vida ética também inclui diligência e autodisciplina. Embora tenhamos que reconhecer que a lei é boa, os funcionários de qualquer instituição cristã não deveriam ser governados por leis ou códigos externos mas pela lei de Deus que está gravada no coração. O cristão que vive segundo a vontade de Deus, sob sua soberania, trocou a necessidade externa do cumprimento de regras por obrigações interna de um ideal muito elevado. Suas motivações é que determinam suas condutas, e por isso é indispensável que seus pensamentos sejam dominados e sujeitos a Cristo. Isso é autogoverno. Não ser governado de fora para dentro, mas a partir do coração. Segundo 1Co9:25-27, o que fazia o apóstolo desejar controlar-se ou regular sua própria conduta eticamente? O anseio pela participação na gloriosa salvação futura (v.27), mas principalmente o desejo de agradar a Cristo. Ou seja, as ações de qualquer pessoa ligada à instituição escolar deveriam ser feitas visando a aprovação de Cristo que nos amou. Esse tipo de ética é caracterizado pela consagração. Ou seja, nos dedicamos a viver para Deus de modo que em tudo que fazemos ele possa ser glorificado. Ef4:1 1Ts2:12 Cl1:10 Fp1:27 ► ► ► ► andar de modo digno da vocação a que fostes chamados viver de modo digno de Deus viver de modo digno do Senhor viver, acima de tudo, por modo digno do evangelho de Cristo

Mordomia - Precisamos estar sempre atentos ao fato de que tudo o que existe pertence a Deus, de modo que a vida de modo geral deve ser vista sob a ótica da administração. Portanto, ninguém deveria se permitir enxergar como dono de alguma coisa, mas como administradores. Isso implica sujeição. Primeiramente a Cristo e em seguida aos homens. Em todos os relacionamentos escolares, portanto, deveria haver sujeição mútua baseada nas escrituras, que é o padrão de uma vida moral.

AECEP – Associação de Escolas Cristãs de Educação por Princípios

6

17o Workshop de Educação Escolar Cristã

Em qualquer dos relacionamentos vividos dentro de uma instituição escolar devemos atuar como administradores dignos de dar glória a Deus. Exercer responsabilidades com mordomia é viver uma vida ética. Semeadura e colheita – Ninguém conseguirá praticar continuamente ações éticas se primeiramente seus pensamentos não forem renovados com a Palavra de Deus. A colheita daquele que se expõe continuamente a Deus através de um relacionamento vivo será certamente impactante em meio à instituição onde foi inserido. “Pois do interior do coração dos homens vêm os maus pensamentos, as imoralidades sexuais, os roubos, os homicídios, os adultérios...” Semeie Colha Pensamento ► Atitude Atitude ► Ação Ação ► Conduta Conduta ► Estilo de vida Estilo de Vida ► Caráter Caráter ► Destino Extraído de Fundamentos inabaláveis. Aliança – O padrão ético divino (santidade) é requerido de todos os seus filhos. Embora cada um seja singular na sua maneira de ser e pensar, essa distinção não é autorizada no que diz respeito ao padrão ético a ser seguido. Deus é amor e portanto, todos os seus filhos recebem a mesma natureza. A expressão desse amor é que pode variar. Entretanto, o amor derramado no coração de cada filho de Deus numa instituição escolar deveria capacitá-los a viver segundo a lei áurea em relação a todos os atores da instituição.
“Assim, em tudo, façam aos outros o que vocês querem que eles lhe façam, pois esta é a Lei e os Profetas”. Mt7:12

Se houve uma aliança firmada com outras pessoas firmada de modo voluntário, é mister que todos passem a considerar esses parceiros de relacionamento de aliança como dignos de receberem aquilo que a própria pessoa gostaria de receber de cada um deles. Dessa maneira, estabeler-se-ia um modo de agir ético que não traria prejuízo a ninguém e que glorificaria o Senhor.

Bibliografia Bíblia Sagrada. Tradução de João Ferreira de Almeida. Revista e atualizada. SP. Sociedade Bíblica do Brasil. 1993, 2ª edição. GEISLER, Norman e BOCCHINO, Peter. Fundamentos inabaláveis.. São Paulo. Editora Vida. 2003. GRENZ, Stanley. A busca da moral: fundamentos da ética cristã. São Paulo. Editora Vida. 2006. WHITAKER, Maria do Carmo e ARRUDA, Maria Cecília C. Código de Ética. Disponível em: http://www.eticaempresarial.com.br/. Acesso em 21 de julho de 2008.
AECEP – Associação de Escolas Cristãs de Educação por Princípios 7

17o Workshop de Educação Escolar Cristã

Glossário Código de Ética O Código de ética é um instrumento de realização dos princípios, visão e missão da empresa. Serve para orientar as ações de seus colaboradores e explicitar a postura social da empresa em face dos diferentes públicos com os quais interage. É da máxima importância que seu conteúdo seja refletido nas atitudes das pessoas a que se dirige e encontre respaldo na alta administração da empresa, que tanto quanto o último empregado contratado tem a responsabilidade de vivencia-lo. Conselho de Ética O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados é o órgão encarregado do procedimento disciplinar destinado à aplicação de penalidades, nos casos de descumprimento das normas relativas ao decoro parlamentar. Cabe ao Conselho, entre outras atribuições, zelar pela observância dos preceitos éticos, cuidando da preservação da dignidade parlamentar. Decoro parlamentar Princípios éticos e normas de conduta que devem orientar o comportamento do parlamentar no exercício de seu mandato.

AECEP – Associação de Escolas Cristãs de Educação por Princípios

8

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->