P. 1
REMUNERAÇÃO E SALÁRIO

REMUNERAÇÃO E SALÁRIO

|Views: 21|Likes:
Publicado porAinoã Pereira

More info:

Published by: Ainoã Pereira on Dec 08, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/21/2014

pdf

text

original

REMUNERAÇÃO E SALÁRIO

Gabriel Lopes Coutinho Filho Setembro/2009
1

SALÁRIO CONCEITO “salário”  Do latim salarium, que significa “soldo para comprar sal” ou “do sal”; os soldados romanos recebiam um pagamento específico para comprarem sal; o sal era mercadoria valiosa à época.

2

SALÁRIO CONCEITO  Salário é o conjunto de parcelas pagas ao empregado diretamente pelo empregador em virtude da contraprestação pelo trabalho prestado.

3

e capaz de satisfazer. em determinada época e região do País. CLT. vestuário.Salário mínimo é a contraprestação mínima devida e paga diretamente pelo empregador a todo trabalhador. inclusive ao trabalhador rural. Art. as suas necessidades normais de alimentação. por dia normal de serviço. 76 . 4 .SALÁRIO CONCEITO Em síntese: Salário é toda a contraprestação pelo trabalho. habitação. sem distinção de sexo. higiene e transporte.

SALÁRIO NATUREZA JURÍDICA  Há grande divergência doutrinária 5 .

SALÁRIO NATUREZA JURÍDICA Teoria do “Preço do trabalho”:  típica do liberalismo econômico. 6 .  Crítica: O trabalho não é mercadoria.  Equipara salário a coisa do comércio.

SALÁRIO NATUREZA JURÍDICA Teoria do “Indenização” pagamento pela energia dependida pelo empregado  Crítica:  Trabalho não traz perda ou lesão que justifique indenização.  Trabalho é direito. 7 . Indenizar advém de ato ilícito.

8 . Crítica:  Entendimento redutor.  Salário é mais que alimento.SALÁRIO NATUREZA JURÍDICA Teoria do “Alimento”  O salário é item de sobrevivência do trabalhador.

SALÁRIO NATUREZA JURÍDICA Teoria da “contraprestação pelo trabalho prestado” Só há salário se houver trabalho.  Se não houver trabalho. tem efeito redutor em direitos do trabalhador. o pagamento feito não é salário. Crítica:  Trabalho visto como relação de troca. portanto. 9 .

10 .SALÁRIO NATUREZA JURÍDICA Teoria do “dever de retribuição” pelo fato do trabalhador se interar à empresa. (Doutrina uruguaia de Hector-Hugo Barbagelata) Parece ser a que melhor explica os fenômenos de pagamentos de salário em períodos nos quais não há trabalho.

 Salário é espécie.  Remuneração é gênero. 11 .REMUNERAÇÃO CONCEITO Conjunto de parcelas pagas ao empregado em virtude da relação de emprego.

 Salário (tipo legal) pago pelo empregador  Remuneração inclui pagamentos feitos por terceiros desde que ligados à relação de emprego. 12 .MODELO DA CLT Remuneração é salário mais gorjetas.

Compreendem-se na remuneração do empregado. § 2º .Integram o salário não só a importância fixa estipulada. como contraprestação do serviço.Considera-se gorjeta não só a importância espontaneamente dada pelo cliente ao empregado. as gorjetas que receber. § 3º . como também as comissões. 13 .Não se incluem nos salários as ajudas de custo. a qualquer título. além do salário devido e pago diretamente pelo empregador. § 1º . para todos os efeitos legais. Art. diárias para viagens e abonos pagos pelo empregador. 457 . assim como as diárias para viagem que não excedam de 50% (cinqüenta por cento) do salário percebido pelo empregado. e destinada a distribuição aos empregados. como também aquela que fôr cobrada pela emprêsa ao cliente. gratificações ajustadas. percentagens.MODELO DA CLT CLT. como adicional nas contas.

geralmente pequena. Súmula 354 TST 14 .GORJETAS CONCEITO Quantia. que o cliente dá ao empregado em reconhecimento de um bom serviço recebido. É considerada parte integrante da remuneração. Pode ser espontânea ou obrigatória.

 Reflexos são concedidos no regime de estimativas. desde que por norma coletiva. 15 .GORJETAS CONCEITO SETOR DE RESTAURANTES Pode ser recebida diretamente pelo empregado  O empregador não tem controle sobre o volume pago.

Reflexos são pagos pelo valor real repassado ao empregado. e depois repassada pelo empregador  O empregador tem controle sobre o volume pago. 16 .GORJETAS CONCEITO SETOR DE RESTAURANTES Pode ser obrigatória e cobrada diretamente pelo empregador na nota.

como adicional nas contas. e destinada a distribuição aos empregados 17 .457 § 3º .Considera-se gorjeta não só a importância espontaneamente dada pelo cliente ao empregado. como também aquela que for cobrada pela empresa ao cliente. a qualquer título.GORJETAS CONCEITO CLT.

 Possuem a mesma natureza jurídica das gorjetas.GUELTAS CONCEITO Tal como as gorjetas. a título de INCENTIVO ou FOMENTO de vendas de produtos/serviços na empresa onde o empregado atua. geralmente empresas fornecedoras. são valores dados por terceiros. 18 .

horas extras e repouso semanal remunerado. 19 . cobradas pelo empregador na nota de serviço ou oferecidas espontaneamente pelos clientes. SUM-354 GORJETAS. REPERCUSSÕES As gorjetas.GORJETAS POR ANALOGIA. GUELTAS. não servindo de base de cálculo para as parcelas de aviso-prévio. adicional noturno. NATUREZA JURÍDICA. integram a remuneração do empregado.

Distinção entre parcelas com natureza salarial e remuneratória é essencial para estabelecer o montante legal de direitos do empregado.INTERESSE NA DISTINÇÃO CONCEITUAL Remuneração e salários possuem diferentes naturezas e repercussões legais. 20 .

SALÁRIO CARACTERÍSTICAS Essencialidade Não há relação de emprego sem salário.  Reciprocidade É devido em razão do “estar à disposição” para o trabalho.  Sucessividade Prolonga-se pelo tempo indeterminado do contrato regra.
21

SALÁRIO CARACTERÍSTICAS Periodicidade É provido em períodos máximos compatíveis com as exigências da sobrevivência do empregado.  Irredutibilidade Regra de imunidade à diminuição ilegal.
22

SALÁRIO COMPOSIÇÃO Parcelas com natureza salarial: salário básico salário convencional ou profissional comissões percentagens adicionais de horas extras adicionais noturno, insalubridade e periculosidade
23

SALÁRIO COMPOSIÇÃO Parcelas com natureza salarial: adicional de transferência gratificações habituais (ajustadas) abonos 13º salário prêmios habituais 24 .

PARCELAS SALARIAIS NÃO-TÍPICAS Formas de salário por vontade do empregador mas submetidas às regras legais. PARCELAS SALARIAIS DISFARÇADAS Títulos originalmente não salariais que são usados fraudulentamente para disfarçar salário. 25 .SALÁRIO: CLASSIFICAÇÃO PARCELAS SALARIAIS TÍPICAS Indicadas assim pelas regras legais.

SALÁRIO: CRITÉRIOS DE PAGAMENTO TEMPO  LUGAR  MEIOS DE PAGAMENTO 26 .

parágrafo único  MOMENTO DE PAGAMENTO  Dentro do horário de serviço ou logo após encerramento. 27 .467. Audiência. CLT.CLT.  CLT. art.SALÁRIO: CRITÉRIOS DE PAGAMENTO TEMPO  PERIODICIDADE Não pode ser maior que um mês.459  PRAZO DE PAGAMENTO Até 5º dia útil do mês subsequente ao mês de referencia.

459  PRAZO DE PAGAMENTO  Mensal: Até 5º dia útil do mês subsequente ao mês de referência. 28 .CLT.SALÁRIO: CRITÉRIOS DE PAGAMENTO TEMPO  PERIODICIDADE Não pode ser maior que um mês.  Quinzenal ou semanal : Até 5º dia útil do mês subsequente ao período de referência.

3424 CMN-BACEN) 29 . Deve prever transporte para acesso ao banco. Pagamento deve ser acessível em dinheiro.  O empregado pode escolher o banco (Res.SALÁRIO: CRITÉRIOS DE PAGAMENTO  LUGAR  REGRA: LOCAL DE TRABALHO  VIA BANCO: Permite-se o depósito em conta corrente aberta pela empresa.

ou um dos titulares. os créditos decorrentes da prestação de serviços de pagamento podem ser transferidos automaticamente para conta de depósitos da qual o beneficiário seja titular.402. ficando dispensada a necessidade de prévia indicação.SALÁRIO: Resolução 3424/2006 CMN-BACEN Art. nos casos em que conta da espécie estivesse sendo utilizada pelo beneficiário para o recebimento de pagamento em 5 de setembro de 2006. 1º da Resolução 3. de 2006. (grifamos) 30 . 4º Observadas as disposições previstas nesta resolução e no art. aberta por sua iniciativa na instituição financeira contratada.

da Resolução 3. a partir do mês de referência imediatamente posterior ao pedido. 5º A transferência dos créditos na forma referida nos arts. no mínimo. voltando os recursos a ser mantidos na conta de registro de que trata esta norma. deve ser suspensa. desde que a respectiva formalização tenha sido realizada com.402. inciso II. de 2006. 4º desta resolução e 2º. cinco dias úteis de antecedência à data de efetivação dos créditos.SALÁRIO: Resolução 3424/2006 CMN-BACEN Art. por solicitação do beneficiário. (grifamos) 31 .

82 NÃO SE ADMITE  CARTA DE CRÉDITO  TRUCK SYSTEM  METAIS/ MOEDAS ESTRANGEIRAS 32 .463.único  EXCEÇÃO: TÉCNICOS ESTRANGEIROS RESIDENTES NO EXTERIOR PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS NO BRASIL EM CARÁTER PROVISÓRIO. par.463 CONSIDERA-SE COMO NÃO FEITO CLT.SALÁRIO: CRITÉRIOS DE PAGAMENTO  MEIOS DE PAGAMENTO  REGRA: MOEDA NACIONAL CLT.  EXCEÇÃO: UTILIDADES CLT.

SALÁRIO: CRITÉRIOS DE PAGAMENTO  PAGAMENTOS NO EXTERIOR Lei Nº 11. Todas as vantagens da lei brasileira que forem mais benéficas que as no estrangeiro.962/2009 que alterou a Lei nº 7064/1982 (ampliou vantagens de serviços de engenharia para todos os trabalhadores e) Prazo máximo de 90 dias. 33 .

em moeda estrangeira  Enquanto estiver prestando serviços no exterior: direito a conversão e remessa dos correspondentes valores para o local de trabalho. 34 .SALÁRIO: CRITÉRIOS DE PAGAMENTO  PAGAMENTOS NO EXTERIOR Lei Nº 11.962/2009 que alterou a Lei nº 7064/1982  Durante a transferência o salário mais adicional de transferência poderá. no todo ou em parte. ser paga no exterior.

SALÁRIO: CRITÉRIOS DE PAGAMENTO  QUITAÇÃO  REGRA: RECIBO ESCRITO EM DUAS VIAS  DEPÓSITO EM CONTA CORRENTE  Serve como prova de pagamento 35 .

36 .SALÁRIO: CRITÉRIOS DE INTANGIBILIDADE DECORRÊNCIAS  RECIBO DEVE SER ESPECIFICADO  VEDAÇÃO AO SALÁRIO COMPLESSIVO SUM-91 SALÁRIO COMPLESSIVO Nula é a cláusula contratual que fixa determinada importância ou percentagem para atender englobadamente vários direitos legais ou contratuais do trabalhador.

SALÁRIO: CRITÉRIOS DE INTANGIBILIDADE  REGRA: VEDAÇÃO DE QUALQUER DESCONTO CLT, Art.462  Retenção dolosa é crime CF/1988, 7º,X Apropriação indébita.CP,168.  Controvérsia exclui o dolo.
37

SALÁRIO: CRITÉRIOS DE INTANGIBILIDADE  ADIANTAMENTOS SALARIAIS CLT,Art.462

38

SALÁRIO: CRITÉRIOS DE INTANGIBILIDADE  DESCONTOS LEGAIS • Contribuição Previdenciária oficial • Imposto de Renda • Contribuição sindical obrigatória • Prestações alimentícias jucidialmente determinadas

39

SALÁRIO: CRITÉRIOS DE INTANGIBILIDADE  DESCONTOS LEGAIS • retenção de saldo de salário por aviso prévio não cumprido • Vale-transporte • Empréstimos financeiros autorizados Lei nº 10.802/2003 40 .

SALÁRIO: CRITÉRIOS DE INTANGIBILIDADE  DESCONTOS CONVENCIONAIS • Contribuição confederativa • Contribuição assistencial 41 .

o desconto será lícito.SALÁRIO: CRITÉRIOS DE INTANGIBILIDADE  DESCONTOS DANOS CAUSADOS POR DOLO DO EMPREGADO Art. desde de que esta possibilidade tenha sido acordada ou na ocorrência de dolo do empregado 42 . 462 § 1º .Em caso de dano causado pelo empregado.

que é ônus da empresa) • Culpa deve ser grave. 43 .SALÁRIO: CRITÉRIOS DE INTANGIBILIDADE  DESCONTOS DANOS CAUSADOS POR CULPA DO EMPREGADO • Deve fazer parte do contrato (atenuado por evidente risco da atividade.

ART.SALÁRIO: CRITÉRIOS DE INTANGIBILIDADE  OUTROS DESCONTOS • Farmácia • Supermercado (não truck system) • Seguros SUM-342 DESCONTOS SALARIAIS. 462 DA CLT 44 .

financiamentos e operações de arrendamento mercantil concedidas por instituições financeiras e sociedades de arrendamento mercantil  Expressamente autorizado Limite: 30% do salário e rescisórias (Lei nº 10.SALÁRIO: CRITÉRIOS DE INTANGIBILIDADE  EMPRÉSTIMOS CONSIGNADOS • Empréstimos.802/2003) 45 .

SALÁRIO: CRITÉRIOS DE INTANGIBILIDADE  OUTROS DESCONTOS CONSIIGNAÇÕES VOLNTÁRIAS Ex. 462 DA CLT 46 .802/2003  Expressamente autorizado SUM-342 DESCONTOS SALARIAIS. ART.: • Farmácia Até 40% do salário e rescisórias Lei nº 10.

SALÁRIO: CRITÉRIOS DE INTANGIBILIDADE SUM-342 DESCONTOS SALARIAIS. de previdência privada. ART. não afrontam o disposto no art. 47 . com a autorização prévia e por escrito do empregado. salvo se ficar demonstrada a existência de coação ou de outro defeito que vicie o ato jurídico. ou de entidade cooperativa. 462 da CLT. de seguro. médicohospitalar. em seu benefício e de seus dependentes. 462 DA CLT Descontos salariais efetuados pelo empregador. para ser integrado em planos de assistência odontológica. cultural ou recreativo-associativa de seus trabalhadores.

Em caso de dano causado pelo empregado. o desconto será lícito.SALÁRIO: CRITÉRIOS DE INTANGIBILIDADE  DESCONTOS DANOS CAUSADOS POR DOLO DO EMPREGADO Art. desde de que esta possibilidade tenha sido acordada ou na ocorrência de dolo do empregado 48 . 462 § 1º .

462 § 1º . desde de que esta possibilidade tenha sido acordada ou na ocorrência de dolo do empregado 49 .SALÁRIO: CRITÉRIOS DE INTANGIBILIDADE  DESCONTOS DANOS CAUSADOS POR CULPA DO EMPREGADO Art. o desconto será lícito.Em caso de dano causado pelo empregado.

324/2006. VESTUÁRIO E HIGIENE. ALIMENTAÇÃO.SALÁRIO: CRITÉRIOS DE INTANGIBILIDADE  DOMÉSTICOS DESCONTOS LEGAIS  Vale-transporte (até 6% do salário)  Faltas não justificadas INSS Lei 11. que alterou a Lei nº 5859/1972 VEDA DESCONTO DE MORADIA. 50 .  EXCEÇÃO: MORADIA: Autoriza o desconto se o local da moradia é diferente do local de prestação do serviço e desde que expressamente autorizado.

A figura aplicável é o montante de um salário-base. 51 .477.  LIMITE DE UMA REMUNERAÇÃO ATENÇÃO: A lei fala em “remuneração” mas a doutrina e a jurisprudência identificam incorreção terminológica. art. §5º.SALÁRIO: CRITÉRIOS DE INTANGIBILIDADE  COMPENSAÇÃO EM RESCISÃO CLT.

449)  SALÁRIO É IMPENHORÁVEL  SALÁRIO É IRRENUNCIÁVEL 52 .art.SALÁRIO: CRITÉRIOS DE PROTEÇÃO  IRREDUTIBILIDADE SALARIAL  FALÊNCIA OU CONCORDADA Obrigatoriedade de pagamento de salários (CLT.

noturno.SALÁRIO: CLASSIFICAÇÃO PARCELAS SALARIAIS TÍPICAS  salário básico  comissões  percentagens  adicionais de horas extras. insalubridade. transferência  gratificações habituais  abonos  13º salário  prêmios habituais 53 . periculosidade.

SALÁRIO: CLASSIFICAÇÃO PARCELAS SALARIAIS NÃO-TÍPICAS  Prêmios habituais  Abonos salariais 54 .

fraudulentas ou maquiadas. Ajudas de custo e diárias fraudulentas. 55 .SALÁRIO: CLASSIFICAÇÃO PARCELAS SALARIAIS DISFARÇADAS Também chamadas de dissimuladas.

SALÁRIO TIPOLOGIAS  Natureza da estipulação  Origem da fixação  Forma de pagamento  Modo de aferição 56 .

SALÁRIO: Tipologia: Natureza da estipulação Parcelas típicas  salário base  Adicionais  Gratificações ajustadas Parcelas compatíveis: vindas de outros ramos do direito mas aplicáveis ao trabalho  Comissões (do direito comercial)  PLR 57 .

SALÁRIO: Tipologia: Origem da fixação  Legal  Convencional  Contratual 58 .

SALÁRIO: Tipologia: Forma de pagamento (I) Parcelas imperativas  impostas pela lei  oriundas das convenções coletivas  Parcelas espontâneas  concedidas pelo empregador  Parcelas bilateriais  convencionadas pelas partes 59 .

SALÁRIO: Tipologia: Forma de pagamento (II)  Pagamento em dinheiro  Pagamento em utilidades 60 .

SALÁRIO: Tipologia: Modo de aferição Salário por unidade de tempo Salário por unidade de obra Salário por tarefa 61 .

quinzena.SALÁRIO POR UNIDADE DE TEMPO Cálculo por duração do tempo de trabalho (hora.459 62 . semana. CLT. mês) Limite legal para salários: unidade “mês”. dia.

percentagens e gratificações. 459 . CLT. salvo no que concerne a comissões. 63 . qualquer que seja a modalidade do trabalho. não deve ser estipulado por período superior a 1 (um) mês. Art.SALÁRIO POR UNIDADE DE TEMPO LIMITE LEGAL: unidade de mês EXCEÇÃO Gratificação pode ser estabelecida em limite maior que o mensal.O pagamento do salário.

Exemplo: Trabalho a domicílio Art.Não se distingue entre o trabalho realizado no estabelecimento do empregador e o executado no domicílio do empregado.SALÁRIO POR UNIDADE DE OBRA Calcula-se por produção. 6º . Não depende do tempo que o empregado utiliza para produzir. 64 . desde que esteja caracterizada a relação de emprego.

os empregados que exercem atividade externa incompatível com a fixação de horário de trabalho. devendo tal condição ser anotada na Carteira de Trabalho e Previdência Social e no registro de empregados. 65 .SALÁRIO POR UNIDADE DE OBRA Calcula-se por produção. 62 . Exemplo: Trabalho externo CLT.Art. Não depende do tempo que o empregado utiliza para produzir.Não são abrangidos pelo regime previsto neste capítulo: I .

SALÁRIO POR UNIDADE DE OBRA CASO: COMISSÕES É modalidade de trabalho pago por produção. Vendas Cobranças 66 .

garantia de salário. 67 . CF. para os que percebem remuneração variável.7º.1988.VII .SALÁRIO POR UNIDADE DE OBRA CASO: COMISSÕES Observação:  O salário mensal não será menor que um salário mínino mesmo que não haja produção. nunca inferior ao mínimo.

68 .483. CLT.  Repercussão: O empregado poderá considerar o contrato rescindido indiretamente.SALÁRIO POR TAREFA Importante Regra de equilíbrio  O volume de tarefas solicitadas ao empregado não poderá ser reduzido de forma a reduzir sensivelmente os salários pagos. art.

Também é conhecido como “salário in natura” 69 .SALÁRIO UTILIDADE Conceito É o pagamento de salário por meio de bens ou serviços.

SALÁRIO UTILIDADE  Importante:  Nem todo benefício “in natura” tem natureza de “salário utilidade” ou salário “in natura”. 70 .  Devem ser cumpridos certos requisitos.

 Deve haver causa e objetivo de contraprestação salarial.  A utilidade deve ser concedida “pelo trabalho” 71 .SALÁRIO UTILIDADE REQUISITOS  Habitualidade  Deve haver constância na prestação.

168.  Vale-transporte (Lei nº 7418/1985 e Lei nº 7619/1975  EPI´s (CLT.158. Art. CLT. 458 § 2o  Escola para filhos de empregados DL 1422/1975 Dispõe sobre Salário-Educação.SALÁRIO UTILIDADE EXCLUDENTES Utilidades conferidas por dever legal.157.200 e 458 § 2º) 72 .

livros e material didático. Art. mensalidade. 73 . anuidade. II – educação. compreendendo os valores relativos a matrícula.SALÁRIO UTILIDADE EXCLUDENTES CLT. para a prestação do serviço. equipamentos e outros acessórios fornecidos aos empregados e utilizados no local de trabalho. em estabelecimento de ensino próprio ou de terceiros. 458 § 2o I – vestuários.

SALÁRIO UTILIDADE EXCLUDENTES CLT. IV – assistência médica. VI – previdência privada. V – seguros de vida e de acidentes pessoais. em percurso servido ou não por transporte público. hospitalar e odontológica. 74 . Art. prestada diretamente ou mediante seguro-saúde. 458 § 2º III – transporte destinado ao deslocamento para o trabalho e retorno.

Portanto: Tem efeitos (reflexos) em parcelas pagas mensalmente.  ESPECIALMENTE DRS 75 .SALÁRIO UTILIDADE REPERCUSSÕES NO CONTRATO DE TRABALHO Utilidade com natureza salarial é salário.

NÃO TEM REFLEXOS.  Se a utilidade é paga em lapso inferior ao mensal TEM REFLEXOS.SALÁRIO UTILIDADE REPERCUSSÕES NO CONTRATO DE TRABALHO  Reflexos em DRS variam.  Se o lapso de pagamento da utilidade é mensal. (já está embutida o DSR)  Mas tem efeitos em parcelas supra-mensais 76 .

contudo. Exemplo: Gratificação Semestral SUM-253 GRATIFICAÇÃO SEMESTRAL. ainda que indenizados. Repercute. REPERCUSSÕES A gratificação semestral não repercute no cálculo das horas extras. das férias e do aviso prévio. 77 . pelo seu duodécimo na indenização por antigüidade e na gratificação natalina.SALÁRIO UTILIDADE REPERCUSSÕES NO CONTRATO DE TRABALHO  Reflexos em DRS variam.

VALOR DA UTILIDADE NO CONTRATO HIPÓTESE: SALÁRIO IGUAL A SALÁRIO MÍNIMO Máximo de utilidades: 70% do salário Mínimo de salário que deve ser pago em dinheiro: 30% CLT. zona ou subzona. Art. 82 – Parágrafo único . 78 .O salário mínimo pago em dinheiro não será inferior a 30% (trinta por cento) do salário mínimo fixado para a região.

apurando-se. o real valor da utilidade. nas demais. PERCENTUAIS Os percentuais fixados em lei relativos ao salário "in natura" apenas se referem às hipóteses em que o empregado percebe salário mínimo.VALOR DA UTILIDADE NO CONTRATO HIPÓTESE: SALÁRIO SUPERIOR AO SALÁRIO MÍNIMO  Toma-se o valor real da utilidade SUM-258 SALÁRIO-UTILIDADE. 79 .

respectivamente. (25% e 20% respectivamente) CLT. 80 .VALOR DA UTILIDADE NO CONTRATO HIPÓTESE: SALÁRIO SUPERIOR AO SALÁRIO MÍNIMO Habitação e alimentação tem limites legais.458. a 25% (vinte e cinco por cento) e 20% (vinte por cento) do salário-contratual. § 3º .A habitação e a alimentação fornecidas como salário-utilidade deverão atender aos fins a que se destinam e não poderão exceder.

calculadas sobre o salário mínimo: a) até o limite de 20% (vinte por cento) pela ocupação da morada.SALÁRIO UTILIDADE ZONA RURAL Restrição legal de valor Lei nº 5889/1973. c) adiantamentos em dinheiro. só poderão ser descontadas do empregado rural as seguintes parcelas. atendidos os preços vigentes na região. 9º Salvo as hipóteses de autorização legal ou decisão judiciária. 81 . b)até o limite de 25% (vinte por cento) pelo fornecimento de alimentação sadia e farta. Art.

SALÁRIO UTILIDADE ZONA RURAL REQUISITOS

 Autorização prévia obrigatória  Pena: nula de pleno direito.
Lei nº 5889/1973, Art. 9º § 1º As deduções acima especificadas deverão ser previamente autorizadas, sem o que serão nulas de pleno direito.

82

SALÁRIO UTILIDADE ZONA RURAL HABITAÇÃO COLETIVA

Pode sofrer redução proporcional Não pode haver moradia coletivas para famílias.
Lei nº 5889/1973, Art. 9º § 2º Sempre que mais de um empregado residir na mesma morada, o desconto, previsto na letra "a" deste artigo, será dividido proporcionalmente ao número de empregados, vedada, em qualquer hipótese, a moradia coletiva de famílias.
83

SALÁRIO UTILIDADE ZONA RURAL - MORADIA DESCARACTERIZAÇÃO COMO SALARIAL Permissivo legal. Requisitos:
 acordo expresso por meio de contrato escrito  deve ser realmente beneficiária como utilidade para subsistência sua e da família.  duas testemunhas assinando em conjunto  notificação do contrato ao sindicato dos trabalhadores rurais
84

desde que caracterizados como tais. assim. de moradia e de sua infra estrutura básica. Art. não integram o salário do trabalhador rural. com testemunhas e notificação obrigatória ao respectivo sindicato de trabalhadores rurais.MORADIA DESCARACTERIZAÇÃO COMO SALARIAL Permissivo legal. em contrato escrito celebrado entre as partes. bens destinados à produção para sua subsistência e de sua família. 9º § 5º A cessão pelo empregador. Requisitos: Lei nº 5889/1973. 85 . como.SALÁRIO UTILIDADE ZONA RURAL .

Abono Tecnicamente. (o termo pode ser usado equivocadamente para outros títulos) Adicionais 86 . são antecipações pecuniárias do salário.SALÁRIO UTILIDADE MODALIDADES DE SALÁRIO Salário básico Pagamento fixo por manter-se às ordens para a contraprestação do serviço.

Adicional noturno Adicional de horas extras Adicional de insalubridade Adicional de periculosidade 87 .SALÁRIO UTILIDADE ADICIONAIS Parcelas suplementares pelo trabalho em circunstâncias específicas mais gravosas.

INTEGRAÇÃO NO SALÁRIO E PRORROGAÇÃO EM HORÁRIO DIURNO I .O adicional noturno. 88 . pago com habitualidade. integra o salário do empregado para todos os efeitos.ADICIONAL DE ADICIONAL NOTURNO Posição da jurisprudência É salário SUM-60 ADICIONAL NOTURNO.

DJ 19. SUM-265 ADICIONAL NOTURNO. 20 e 21.11.2003 A transferência para o período diurno de trabalho implica a perda do direito ao adicional noturno. 121/2003. POSSIBILIDADE DE SUPRESSÃO (mantida) Res. 89 .ADICIONAL DE ADICIONAL NOTURNO Posição da jurisprudência Pode ser retirado do salário. ALTERAÇÃO DE TURNO DE TRABALHO.

90 . assegura ao empregado o direito à indenização correspondente ao valor de 1 (um) mês das horas suprimidas para cada ano ou fração igual ou superior a seis meses de prestação de serviço acima da jornada normal. do serviço suplementar prestado com habitualidade. pelo empregador. multiplicada pelo valor da hora extra do dia da supressão.ADICIONAL DE HORAS EXTRAS Posição da jurisprudência É salário SUM-291 HORAS EXTRAS A supressão. O cálculo observará a média das horas suplementares efetivamente trabalhadas nos últimos 12 (doze) meses. durante pelo menos 1 (um) ano.

sem ofensa a direito adquirido ou ao princípio da irredutibilidade salarial. por ato da autoridade competente. DIREITO ADQUIRIDO A reclassificação ou a descaracterização da insalubridade. 91 .ADICIONAL DE INSALUBRIDADE Posição da jurisprudência É salário SUM-248 ADICIONAL DE INSALUBRIDADE. repercute na satisfação do respectivo adicional.

repercute na satisfação do respectivo adicional.ADICIONAL DE INSALUBRIDADE Posição da jurisprudência Pode ser retirado do salário. DIREITO ADQUIRIDO A reclassificação ou a descaracterização da insalubridade. SUM-248 ADICIONAL DE INSALUBRIDADE. por ato da autoridade competente. 92 . sem ofensa a direito adquirido ou ao princípio da irredutibilidade salarial.

93 . Gratificação de festas da empresa  Gratificação de aniversário do empregado  Gratificação por elevação excepcional de vendas.GRATIFICAÇÃO CONCEITO  Parcelas pagas em decorrência de um evento relevante ou por norma convencional ou legal.

é salarial.GRATIFICAÇÃO REQUISITOS para determinação de natureza salarial Corrente subjetivista: averigua a intenção do estabelecimento da gratificação. (GRATIFICAÇÃO AJUSTADA) 94 .  Se liberalidade.  Se convencionada. não é salarial.

(GRATIFICAÇÃO AJUSTADA) 95 . Se esporádica. é salarial.GRATIFICAÇÃO REQUISITOS para determinação de natureza salarial Corrente objetivista: everigua a habitualidade do pagamento. Se habitual. não é salarial.

(13/12/1963) 96 . CONSIDERAMSE TACITAMENTE CONVENCIONADAS.GRATIFICAÇÃO REQUISITOS para determinação de natureza salarial Jurisprudência STF Súmula 207 AS GRATIFICAÇÕES HABITUAIS. INCLUSIVE A DE NATAL. INTEGRANDO O SALÁRIO.

por si só.  Corrente objetivista 97 . AJUSTE TÁCITO O fato de constar do recibo de pagamento de gratificação o caráter de liberalidade não basta.GRATIFICAÇÃO REQUISITOS para determinação de natureza salarial Jurisprudência TST SUM-152 GRATIFICAÇÃO. para excluir a existência de ajuste tácito.

Súmula 152-TST (GRATIFICAÇÃO AJUSTADA) 98 .GRATIFICAÇÃO ESTABELECIDA POR NORMA COLETIVA Se a norma indica natureza não salarial  Respeita-se o comando normativo Se a norma não indica ou é dúbia  Aplica-se o comando geral da corrente objetivista .

CF/1988. 99 .13º SALÁRIO CONCEITO É gratificação legal .décimo terceiro salário com base na remuneração integral ou no valor da aposentadoria. 7º. VIII . Equivale a uma remuneração mensal pago em dezembro (se contrato em vigor).

Dec. 57. se coincidir com férias do empregado.13º SALÁRIO FORMA DE PAGAMENTO Paga em duas vezes iguais. 1ª parcela: entre fevereiro e novembro de cada ano ou em janeiro.  2ª parcela: até 20 de dezembro de cada ano.155/65 100 .

 Justa causa Não há pagamento.13º SALÁRIO HIPÓTESE: Contrato rompido antes de dezembro:  Sem justa causa  pedido de demissão ou rescisão Indireta ou culpa recíproca  aposentadoria  extinção de estabelecimento  contratos a termo  Pagamento proporcional. 101 .

COMISSÕES CONCEITO Parcelas pagas em decorrência de produção no âmbito do contrato de trabalho. Calcula-se sobre o valor do negócio feito pelo empregado (percentagem) ou por valor fixo para cada negócio efetuado. 102 .

Recebe no mínimo um salário mínimo no caso de não haver produção. 103 .COMISSIONISTA PURO CONCEITO Só recebe comissões pela sua produção.

Cálculo: 1/6 dos valores recebidos Lei nº605/1949.COMISSIONISTA PURO PAGAMENTO DE DSR O valor pago a título de comissões reflete-se em DSR.7º. SUM-27 COMISSIONISTA É devida a remuneração do repouso semanal e dos dias feriados ao empregado comissionista. “c” e “d” 104 . art. ainda que pracista.

105 .VENDEDORES.Lei nº 3207/1957 Importante lembrar: A lei especifica: Direito às comissões sobre as vendas que realizar. VIAJANTES E PRACISTAS .  Direito às vendas da zona inclusive sobre as vendas feitas pela empresa se houver exclusividade.

VENDEDORES.Lei nº 3207/1957 Importante lembrar: A lei especifica:  Zona de trabalho pode ser restringida desde que não reduza a remuneração. VIAJANTES E PRACISTAS . 106 .

é assegurado. como mínimo de remuneração.VENDEDORES. anteriores à transferência. com redução de vantagens.Lei nº 3207/1957 Importante lembrar: A lei especifica:  Se transferido pela empresa. um salário correspondente à média dos 12 (doze) últimos meses. 107 . VIAJANTES E PRACISTAS .

VENDEDORES. VIAJANTES E PRACISTAS . 108 . contados da data da proposta. dentro de 10 (dez) dias.Lei nº 3207/1957 Importante lembrar: A lei especifica:  A transação será considerada aceita se o empregador não a recusar por escrito.

109 . VIAJANTES E PRACISTAS . mediante comunicação escrita feita ao empregado. o prazo para aceitação ou recusa: 90 (noventa) dias podendo. por tempo determinado.VENDEDORES. ainda. ser prorrogado.Lei nº 3207/1957 Importante lembrar: A lei especifica:  Transação com estrangeiro.

Lei nº 3207/1957 Importante lembrar: A lei especifica:  Prestações sucessivas: pagamento das comissões e percentagens com a ordem de recebimento das mesmas. VIAJANTES E PRACISTAS .VENDEDORES. 110 .

VIAJANTES E PRACISTAS .Lei nº 3207/1957 Importante lembrar: A lei especifica:  Rescisão ou a inexecução voluntária do negócio pelo empregador. 111 .VENDEDORES. não prejudicará a percepção das comissões e percentagens devidas.

VIAJANTES E PRACISTAS .VENDEDORES.Lei nº 3207/1957 Importante lembrar: A lei especifica:  Insolvência do comprador: o empregador o direito de estornar a comissão que houver pago.  Empregado presta serviço de inspeção e fiscalização pelo empregado vendedor: empregador é obrigado ao pagamento adicional de 1/10 (um décimo) da remuneração. 112 .

calculado na base de 3 (três) dias por mês da viagem realizada. VIAJANTES E PRACISTAS . não podendo.  A cada viagem haverá um intervalo para descanso.Lei nº 3207/1957 Importante lembrar: A lei especifica:  O empregado vendedor viajante não poderá permanecer em viagem por tempo superior a 6 (seis) meses consecutivos. ultrapassar o limite de 15 (quinze) dias.VENDEDORES. 113 . porém.

E parcela do tipo “salário-condição” (só recebe se alguma hipótese ocorrer).PRÊMIOS (ou BÔNUS) CONCEITO Parcelas decorrentes de evento relevante ou conduta individual ou coletiva dos empregados. 114 .

Se é o caso de “falso” prêmio: é considerado salário. 115 .PRÊMIOS (ou BÔNUS) Distingue-se os prêmios das gratificações: Gratificações tem relação com evento do empregador enquanto Prêmios possuem ligação com a conduta do empregado. Se habitual: integra o salário.

Exemplo: Ajudas de custo e diárias superiores a 50% do salário. 116 .SALÁRIO DISFARÇADO CONCEITO É salário dissimulado. assim como as diárias para viagem que não excedam de 50% (cinqüenta por cento) do salário percebido pelo empregado. Art. 457 § 2º .Não se incluem nos salários as ajudas de custo. CLT. disfarçado de título não salarial.

SALÁRIO DISFARÇADO IMPORTANTE:  Trata-se de presunção legal “iuris tantun”  Se comprovadas que os valores são realmente destinados à viabilizar a execução do trabalho não são salariais. 117 .

118 .SALÁRIO DISFARÇADO Exemplo:  Ajuda combustível ou aluguel de automóvel (para empregado que não usa carro para seu trabalho)  Pagamento de combustível desproporcional (para empregado que usa carro para seu trabalho)  Pagamentos a título de “previdência privada” sacáveis a qualquer tempo.  Pagamento de prêmios não contabilizados por meio de “cartões de premiação e incentivo”.

 Limite: 25% do salário. respeitado salário mínimo 119 .SALÁRIO REDUÇÃO CONDIÇÕES  Exige prévio acordo com Sindicato da categoria  Se não houver acordo poderá ser submetido ao TRT. Recurso Ordinário para o TST.  Período máximo de redução: 3 meses prorrogáveis por mais 3 meses.

120 .SALÁRIO REDUÇÃO CONDIÇÕES  Diretores e Gerentes: gratificações e remunerações são igualmente reduzidas  Se houver rescisões no período.  No caso de haver redução salarial e dispensa. uma vez cessada as razões que determinam o procedimento. por 6 meses a empresa não pode contratar novos empregados antes de recontratar os antigos. os empregados demitidos serão convocados para reassumir a função em 8 dias. salvo cargos técnicos.

QUESTÕES DE PROVAS EM CONCURSOS DA MAGISTRATURA 121 .

TRT 15ª REGIÃO – 2005 – 1ª FASE 122 .

TRT 15ª REGIÃO – 2005 – 1ª FASE 123 .

TRT 15ª REGIÃO – 2006 – 1ª FASE 124 .

TRT 15ª REGIÃO – 2006 – 1ª FASE 125 .

TRT 15ª REGIÃO – 2006 – 1ª FASE 126 .

TRT 15ª REGIÃO – 2006 – 1ª FASE 127 .

TRT 15ª REGIÃO – 2007 – 1ª FASE 128 .

TRT 15ª REGIÃO – 2007 – 1ª FASE 129 .

TRT 15ª REGIÃO – 2008 – 1ª FASE 130 .

TRT 15ª REGIÃO – 2008 – 1ª FASE 131 .

devida e paga diretamente pelo empregador. gratificações ajustadas. 132 . porque era costume entre os romanos pagar os seus serviçais domésticos com quantidades de sal.TRT 12ª 2006 1ª ETAPA 10 . e este de sal.Em relação ao salário é incorreto afirmar: a) o vocábulo salário deriva do termo latino salarium. percentagens. b) salário é a contraprestação do trabalho. e integram o salário não só a importância fixa estipulada como também as comissões. diárias para viagens e abonos pagos pelo empregador. salis.

tais como da intangibilidade.TRT 12ª 2006 1ª ETAPA 10 . pois o empregado recebe salário na exata medida do trabalho prestado ao empregador dentro da jornada de trabalho.. da isonomia.Em relação ao salário é incorreto afirmar: . da irredutibilidade e da inalterabilidade. d) o instituto do salário é informado por princípios específicos. c) a quantidade do salário estipulado por unidade de tempo está diretamente relacionada com a quantidade de trabalho.. 133 .

.TRT 12ª 2006 1ª ETAPA 10 . afasta a incidência do salário mínimo legal. e) salário normativo é uma espécie de salário mínimo específico fixado em norma coletiva para determinada categoria profissional e.Em relação ao salário é incorreto afirmar: . uma vez estabelecido. 134 ..

TRT 12ª 2006 1ª ETAPA 10 . gratificações ajustadas. e integram o salário não só a importância fixa estipulada como também as comissões.Em relação ao salário é incorreto afirmar: . diárias para viagens e abonos pagos pelo empregador.. percentagens. devida e paga diretamente pelo empregador.. b) salário é a contraprestação do trabalho. 135 .

.. assinale a alternativa correta: a).TRT 12ª REGIÃO 2006 1ª ETAPA QUESTÃO 45 Sobre o enfoque do Processo do Trabalho. d) o recibo de salário é indispensável para comprovar o regular pagamento de empregado doméstico em ação trabalhista. 136 .

assinale a resposta correta: I .TRT 1ª REGIÃO 2008 1ª ETAPA 2) Com relação ao trabalho doméstico. higiene ou moradia.É vedado ao empregador doméstico efetuar descontos no salário do empregado por fornecimento de alimentação. quando essa se referir a local diverso da residência em que ocorrer a prestação de serviço. II . leia com atenção as proposições abaixo e. a seguir.Poderão ser descontadas as despesas com moradia. vestuário. 137 . e desde que essa possibilidade tenha sido expressamente acordada entre as partes.

É vedado ao empregador doméstico efetuar descontos no salário do empregado por fornecimento de alimentação. higiene ou moradia. II . assinale a resposta correta: I . leia com atenção as proposições abaixo e. e desde que essa possibilidade tenha sido expressamente acordada entre as partes. quando essa se referir a local diverso da residência em que ocorrer a prestação de serviço.Poderão ser descontadas as despesas com moradia.TRT 1ª REGIÃO 2008 1ª ETAPA 2) Com relação ao trabalho doméstico. vestuário. a seguir. A alternativa incorreta não é qualquer das duas 138 .

.TRT 1ª REGIÃO 2008 1ª ETAPA 6) Assinale a opção incorreta: a). d) qualquer compensação no pagamento das parcelas do instrumento de rescisão ou recibo de quitação não poderá exceder o equivalente a um mês de salário do empregado. e) 139 ..

. e) 140 . d) qualquer compensação no pagamento das parcelas do instrumento de rescisão ou recibo de quitação não poderá exceder o equivalente a um mês de salário do empregado..TRT 1ª REGIÃO 2008 1ª ETAPA 6) Assinale a opção incorreta: a).

141 . assinale a resposta incorreta: a) terá força de recibo o comprovante de depósito em conta bancária.TRT 1ª REGIÃO 2008 1ª ETAPA 8) A respeito da forma de pagamento da remuneração. em estabelecimento próximo ao local de trabalho. todo ou em parte. em nome de cada empregado. com o consentimento deste. aberta para esse fim. c) o salário-base do contrato será obrigatoriamente estipulado em moeda nacional. mas o adicional devido ao empregado transferido para trabalhar no exterior poderá ser pago. em moeda estrangeira. b) o salário será pago em moeda corrente do país.

142 .. por ser do empregador o risco do negócio.TRT 1ª REGIÃO 2008 1ª ETAPA 8) A respeito da forma de pagamento da remuneração. os valores correspondentes à remuneração paga em moeda nacional. enquanto estiver prestando serviços no estrangeiro. no todo ou em parte. e) o pagamento de comissões é devido pela venda realizada. poderá converter e remeter para o local de trabalho. d) o empregado contratado no Brasil. não cabendo o direito de estornar os valores em caso de insolvência do comprador. assinale a resposta incorreta: ..

em moeda estrangeira. aberta para esse fim. todo ou em parte. 143 . b) o salário será pago em moeda corrente do país. em estabelecimento próximo ao local de trabalho. assinale a resposta incorreta: a) terá força de recibo o comprovante de depósito em conta bancária. com o consentimento deste. c) o salário-base do contrato será obrigatoriamente estipulado em moeda nacional. mas o adicional devido ao empregado transferido para trabalhar no exterior poderá ser pago.TRT 1ª REGIÃO 2008 1ª ETAPA 8) A respeito da forma de pagamento da remuneração. em nome de cada empregado.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->