P. 1
A Infância da Educação - Kohan

A Infância da Educação - Kohan

|Views: 18|Likes:
Publicado porMartha Bento Lima

More info:

Published by: Martha Bento Lima on Dec 08, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/01/2015

pdf

text

original

A INFÂNCIA DA EDUCAÇÃO: O CONCEITO DEVIR-CRIANÇA

Walter Omar Kohan Professor de Filosofia da Educação da Uerj É preciso pensar o devir-criança enquanto tomos de infantilidade! que produ"em uma pol#tica infantil $desta ve"! sim% molecular! que se insinuam nos afrontamentos molares de adultos e crianças&&& '& (ora""a! Infancionática&&&! )**+! p& ,*,

Introdução
-'uficiente. / a educação e a criação! respondi0 pois se 1em educados! sur2irão homens medidos que distin2uirão claramente todas estas coisas e outras&&& Platão! 3 4ep51lica 67 8)+e O que / a inf9ncia: 3 per2unta ressoa sem parar& 'er que conse2uimos levar a interro2ação at/ onde ela consi2a! de verdade! fa"ermo-nos interro2ar: 'er que nos per2untamos mesmo pela inf9ncia: 'er que conse2uimos interro2armo-nos so1re nossa relação com a inf9ncia! so1re o que somos em relação ; inf9ncia: 'er que al2o infantil nos atravessa com a per2unta: Em outros tra1alhos! temos estudado uma forma dominante de responder essa per2unta no pensamento filos<fico educacional da tradição que chamamos Ocidental $cf&! por e=emplo! Kohan! )**+! passim%& Para di">-lo em poucas palavras! se2undo essa forma! educar a inf9ncia / importante porque as crianças serão os adultos do amanhã e! portanto! os art#fices das futuras sociedades0 assim! educar a inf9ncia / a melhor e mais s<lida maneira de introdu"ir mudanças e transformaç?es sociais& 3 inf9ncia! entendida em primeira inst9ncia como potencialidade /! afinal! a mat/ria-prima das utopias! dos sonhos pol#ticos dos fil<sofos e educadores& Platão / talve" quem mais nitidamente inau2ure essa tradição! particularmente em A República& Pensamos! so1retudo! no livro 66! aquele da censura aos poemas hom/ricos e hesi<dicos! que não contri1u#am ; propa2ação de uma divindade verdadeira! perfeita! imut vel& 'ituemos esse livro no projeto da o1ra@ depois de uma discussão so1re o conceito de justiça! no livro 6! A'<cratesA e seus interlocutores perce1em que não h como não se ocupar e preocupar com a educação da inf9ncia! se / que a investi2ação pretende esta1elecer as condiç?es que tornem poss#vel a justiça na pólis& (om efeito! o livro 66 de A República trata! so1retudo! da educação dos 2uardi?es da pólis que são! se2undo Platão! as melhores nature"as! as mais aptas para cumprir essa função& Bratar de educação permitir compreender a 2>nese da justiça e injustiça na pólis e ser inevit vel se queremos pensar numa pólis mais 1ela! justa e melhor& 3 estrat/2ia adequada para che2ar a tal pólis / a educação dos 2uardi?es se2undo os modelos mais apropriados& Essa intervenção se fundamenta em que a educação tem uma import9ncia e=traordin ria para condu"ir al2u/m at/ a e=cel>ncia ou virtude! areté $Ibid&! 66 +CDe %! tanto que toda educação determina uma ordem social@ uma 1oa educação leva a uma ordem justa e uma m educação a uma ordem injusta $Ibid&! 66 +CE c-d%& 3 tarefa começar cedo! desde a sua mais tenra idade porque Fo princ#pio de toda o1ra / o principal&&& porque então se forma e imprime o tipo que al2u/m quer disseminar em cada pessoaF $Platão& A República! 66 +CCa-1%& Ge modo que! para educar essas tenras nature"as! ser necess rio tomar! quanto antes! todos os cuidados necess rios! e definir muito precisa e escrupulosamente as formas $os modelos% e tam1/m os caminhos que haverão de se2uir desde o in#cio de suas vidas& Gepois! quando eles se tornem os reis-fil<sofos! desde o 2overno da pólis! FeducarãoF todos os outros ha1itantes&

IEE! p& 8J%& O intri2ante fra2mento J) de Ner clito conecta esta palavra temporal ao poder e .! p& J ss&%& (omo di" o te=to da ep#2rafe desta seção! 32am1en esclarece que ela indica uma condição@ inf9ncia / tanto aus>ncia! quanto 1usca de lin2ua2em0 s< um infante se constitui em sujeito da lin2ua2em e / na inf9ncia que se d essa descontinuidade especificamente humana entre o dado e o adquirido! entre a nature"a e a cultura& O ser humano / o 5nico animal que aprende a falar! e não poderia fa">-lo sem inf9ncia& Kotemos que a inf9ncia não / apenas uma questão cronol<2ica@ a inf9ncia / uma condição da e=peri>ncia& É preciso ampliar os hori"ontes da temporalidade& Os 2re2os! aqui tam1/m! podem nos ajudar& Em 2re2o cl ssico h mais de uma palavra para referir-se ao tempo& 3 mais conhecida entre n<s / chrónos! que desi2na a continuidade de um tempo sucessivo& 3rist<teles define chrónos como Fo n5mero do movimento se2undo o antes e o depoisF! na Física $67! ))*a%0 perce1emos o movimento! o numeramos e a essa numeração ordenada damos o nome de chrónos.O conceito de inf9ncia que se desprende dessas passa2ens / n#tido& Ela / uma etapa da vida! a primeira! o começo! que adquire sentido em função de sua projeção no tempo@ o ser humano est pensado como um ser em desenvolvimento! numa relação de continuidade entre o passado! o presente e o futuro& 3 intervenção educacional tem um papel preponderante nessa linha cont#nua& Ela se torna desej vel e necess ria na medida em que as crianças não t>m um ser definido@ elas são! so1re tudo! possi1ilidade! potencialidade@ elas serão o que devem ser& 3ssim! a educação ter a marca de uma normativa est/tica! /tica e pol#tica instaurada pelos le2isladores! para o 1em dos que atualmente ha1itam a inf9ncia! para asse2urar seu futuro! para fa">-los part#cipes de um mundo mais 1elo! melhor& 3 inf9ncia / o material dos sonhos pol#ticos a reali"ar& 3 educação / o instrumento para reali"ar tais sonhos& 1.! p& CI-D*& Giversos tra1alhos contempor9neos afirmam outros conceitos e outros lu2ares para a inf9ncia& Gentre eles! H& 32am1en mostra como a inf9ncia /! antes de uma etapa! uma condição da e=peri>ncia humana $)**.inf9ncia $aión . Outros ares ara a !n"#n$!a: outros te% os Por isso! um adulto não pode aprender a falar0 foram crianças e não adultos os que acessaram pela primeira ve" a lin2ua2em e! apesar dos quarenta mil>nios da esp/cie homo sapiens! a mais humana de suas caracter#sticas! precisamente .IEE! p& DJI%& Uma terceira palavra / Aión que desi2na! j em seus usos mais anti2os! a intensidade do tempo da vida humana! um destino! uma duração! uma temporalidade não numer vel nem sucessiva! intensiva $Middell0 'cott! . inf9ncia& Ele di" que Faión / uma criança que 1rinca $literalmente! FcriançandoF%! seu reino / o de uma criançaF& N uma dupla relação afirmada@ tempo. O tempo /! nesta concepção! a soma do passado! presente e futuro! sendo o presente um limite entre o que j foi e não / mais $o passado% e o que ainda não foi e! portanto! tam1/m não / mas ser $o futuro%& Lesmo que chrónos tenha sido a palavra mais 1em-sucedida e comum entre n<s! não / a 5nica para desi2nar o tempo& Outra / Kairós! que si2nifica AmedidaA! AproporçãoA! e! em relação com o tempo! Amomento cr#ticoA! AtemporadaA! oportunidade $Middell0 'cott! .paîs% e poder-inf9ncia $basileíe .paîs%& Este fra2mento parece .a aprendi"a2em da lin2ua2em .permaneceu tena"mente li2ada a uma condição infantil e a uma e=terioridade@ quem acredita num destino espec#fico não pode verdadeiramente falar& H& 32am1en! 6nf9ncia e hist<ria! )**.

U%a !n"#n$!a !n'entada Gesse modo! essas duas dimens?es da temporalidade se desdo1ram em dois modos de pensar a inf9ncia& Ge antecedentes muito anti2os! como aca1amos de ver! tam1/m h in5meros re2istros desses modos na arte! literatura e na filosofia de nosso tempo& Um deles / a poesia do mato-2rossense! Lanoel de Oarros& 7isitemos por um instante um dos seus livros mais recentes! Memórias in entadas& A inf!ncia $)**+%& (omo o t#tulo su2ere! são de"esseis curtas crPnicas de uma mem<ria que o poeta inventa& 7amos nos deter no t#tulo& Memórias in entadas / um o=#moro& 6sto si2nifica que se trata de dois termos em contradição! um ne2a o outro& E=press?es semelhantes seriam! por e=emplo! Fmar pequenoF ou Fcriança velhaF& Em todos estes casos os dois termos parecem estar em contradição& 'e al2o / um mar então não pode ser pequeno porque dentro do conceito FmarF não ca1e o conceito Fpequene"F0 ao contr rio! ele cont/m o contr rio de pequene"! a imensidão0 nenhuma coisa pequena poderia aspirar a ser um mar0 e o mesmo sucede com o conceito FcriançaF que parece conter notas que se op?em . inf9ncia! o fra2mento tam1/m su2ere que o pr<prio da criança não / ser apenas uma etapa! uma fase numer vel ou quantific vel da vida humana! mas um reinado marcado por outra relação . velhice& Kenhuma criança poderia ser velha se / criança0 nenhum velho poderia aspirar a ser criança& Ge forma semelhante! a mem<ria seria al2o da ordem da desco1erta! da recuperação! da rememoração! em suma! al2o da ordem do não inventado! da des-invenção& 3o contr rio! a invenção parece indicar al2o novo! que se inicia! que começa! portanto imposs#vel de ser lem1rado& 3 invenção seria al2o da ordem da desmem<ria e a mem<ria al2o da ordem do não inventado& 'e al2o / inventado não poderia vir da mem<ria0 se al2o vem da mem<ria não poderia ser inventado& 3 mem<ria e a invenção andariam em direç?es contr rias! encontradas! desentendidas& 3l2u/m poderia pensar que um o=#moro con2ela o pensamento& Las acontece o contr rio& É justamente nas contradiç?es que podemos pensar! se / que pensar tem a ver com criar e não apenas com reprodu"ir o j pensado& É quando nos situamos nesse espaço em que o j pensado parece imposs#vel que nascem as condiç?es para pensar outra coisa! al2o diferente do j pensado& O pensar / al2o que se fa" sempre entre o poss#vel e o imposs#vel! entre o sa1er e o não sa1er! entre o l<2ico e o il<2ico& 'e estiv/ssemos situados na clare"a do a1solutamente l<2ico! da pura consist>ncia! muito provavelmente não ter#amos materiais para criar0 se estiv/ssemos situados na a1soluta certe"a do que não responde a qualquer l<2ica talve" não poder#amos sequer pensar& É na tensão da contradição entre os dois e=tremos que al2o nos força a pensar! nos fa" perce1er o sentido e o valor de pensar al2o não pensado& E assim! pensamos como quem caminha so1re um fio composto pela consist>ncia e a contradição& .intensiva .indicar! entre outras coisas! que o tempo da vida não / apenas questão de movimento numerado e que esse outro modo de ser de temporal parece com o que uma criança fa"& 'e uma l<2ica temporal se2ue os n5meros! outra 1rinca com os n5meros& (om relação .com o movimento& Ko reino infantil que / o tempo não h sucessão nem consecutividade! mas a intensidade da duração& Uma força infantil! su2ere Ner clito! que / o tempo aiónico& &.

Parece fala de criança! primeira mem<ria inventada! primeiro invento da mem<ria! primeiro novo in#cio& Estamos acostumados a pensar a verdade do lado da ci>ncia! do lado da demonstração! da prova! da re2ra! da lei! do estatuto! da ar2umentação! da aquiesc>ncia! da conformidade! da proposição! da concord9ncia entre o discurso e a realidade& 3qui! ao contr rio! a invenção / a produtora e condição de possi1ilidade da verdade& 3 sentença si2nifica! então! que não h nada verdadeiro que não seja inventado! ou que s< pode e=istir a verdade quando h invenção& O que não si2nifica que toda invenção seja verdadeira! mas si2nifica! diferentemente! que sem invenção não h verdade& 3 invenção .Ge modo que na aparente contradição das mem<rias inventadas pensamos! de novo! a mem<ria! a invenção& Qunto com a mem<ria vem o tempo& Balve" se a1r#ssemos o tempo poder#amos a1rir a mem<ria@ o que poderia ser a mem<ria se não fosse al2o da ordem da recuperação! da cronolo2ia! da desco1erta do que j foi! e portanto j não / mais@ o que não Flem1ramosF: O que outra coisa poderia fa"er a mem<ria que não seja recuperar o passado: Balve" se a1r#ssemos a mem<ria em uma dimensão ai<nica do tempo! quiç ela pudesse ser! ao contr rio! al2o da ordem da ruptura com o passado e com a temporalidade cont#nua e sucessiva do antes e o depois0 talve" a mem<ria possa ser al2o da ordem do afastamento do passado! da recusa de outro tempo e da instauração de um novo tempo para pensar! de um novo in#cio de pensar o tempo! e de um tempo para pensar& Ge forma semelhante ao tempo de Ner clito! que 1rinca! como uma criança! a mem<ria do poeta 1rinca! irreverente! com o passado! o presente e o futuro@ altera sua ordem! não respeita sua sucessão0 a1re! a cada ve"! um novo in#cio da não continuidade! do não pro2resso! da não evolução& 3 mem<ria se fa" companheira e ami2a da invenção! de um novo tempo! de um novo pensar& Lais uma ve"! o poeta ajuda a pensar e a nos interro2ar& Gepois do t#tulo! Memórias in entadas! lemos o su1t#tulo@ a inf!ncia& 3cometem-nos al2umas per2untas infantis@ qual o sentido e si2nificado dos Fdois pontosF: É a inf9ncia que / inventada ou / a inf9ncia que inventa: 'ão as mem<rias da inf9ncia ou a inf9ncia das mem<rias: Kão podemos parar de per2untar@ É a invenção da inf9ncia ou a inf9ncia da invenção: Gepois do t#tulo e do su1t#tulo vem a ep#2rafe@ t"do o #"e n$o in ento é falso.e não outra coisa ./ condição da verdade& Balve" possamos a2ora entender melhor um dos Fporqu>sF do t#tulo memórias in entadas@ porque se a invenção / a condição da verdade então não poder#amos ter mem<rias apenas desco1ertas e rememoradas! porque não poderiam ser mem<rias verdadeiras&&& E como poder#amos aceitar que a mem<ria fique do lado da falsidade: Kão h então como fu2ir da invenção se pretendemos manter-nos do lado da verdade& Lesmo tratando-se da mem<ria que pens vamos estar acostumada a fa"er outras coisas! ela deve tornar-se inventora& 3 invenção torna-se assim condição epistemol<2ica! est/tica e pol#tica do pensar& O poeta proclama! deste modo! o FdeverF universal de inventar! com o pr>mio inveterado das mais potentes verdades para as mais potentes invenç?es& Branscreverei apenas um trecho de uma dessas mem<rias inventadas! como e=erc#cio de invenção! de pensar e de infantili"ar! como forma de e=ercitarmo-nos nessa invenção de verdade infantil& 7ou transcrever parte da mem<ria R67! uma das 5ltimas! que tem por t#tulo! F3chadourosF& Ela di" assim@ .

A %ente só descobre isso depois de %rande. +o" ho-e "m ca...ador de achado"ros de inf!ncia. +e a %ente ca ar "m b"raco ao pé da %oiabeira do #"intal' lá estará "m %"ri ensaiando s"bir na %oiabeira.)I& H& Geleu"e! fil<sofo franc>s contempor9neo! distin2ue tam1/m dois modos da temporalidade& Ge um lado! temos o devir e! do outro! a hist<ria $Geleu"e! . ).* 7ou me deter em duas invenç?es dessa mem<ria infantil& 3 primeira est naquelas primeiras linhas onde se di" que! de 2randes! Fa 2ente desco1re que o tamanho das coisas h que ser medido pela intimidade que temos com as coisas&F Gesco1rimos $ou inventamos:% que a intimidade / a medida do tamanho das coisas& 3ssim! na falta de intimidade o mar pode ser muito pequeno! menor"inho! impercept#vel& Las tam1/m ele pode ser aquela imensidade infinita na intimidade do pescador! do achador de inf9ncias mar#timas! do inventor de mem<rias marinhas& Bamanho tam1/m pode querer di"er força! pot>ncia! ale2ria& 3 intimidade indica! então! uma relação potente! ale2re com os outros! com o mundo& 3 se2unda ideia est no t#tulo e repercute no meio do te=to@ FachadourosF! lu2ares onde se acha ou encontra al2uma coisa& O que ao poeta interessa especialmente achar são lu2ares onde se encontra a inf9ncia& Ge modo que a mem<ria não apenas inventa! mas tam1/m encontra& Encontra o que inventa ou inventa o que encontra: Ou encontrar / um ato de invenção e s< se pode encontrar o que se inventa: Beremos que di"er então Ftudo o que não invento não posso encontrar: Balve" tam1/m isso si2nifique pensar@ encontrar a invenção! inventar encontros& 3l2o da ordem do achado! do cru"amento! da encru"ilhada! uma locali"ação& Ko te=to do poeta convivem duas inf9ncias! uma da cronolo2ia0 a outra de um tempo intenso! contempor9neo! presente& 3s duas convivem& 3 primeira remete a nossa 1io2rafia primeira! . +e a %ente ca ar "m b"raco ao pé do %alinheiro' lá estará "m %"ri tentando a%arrar no rabo de "ma la%arti. ).%& 3 historia não / a e=peri>ncia! mas o conjunto de condiç?es de uma e=peri>ncia e de um acontecimento que t>m lu2ar fora da hist<ria& 3 hist<ria / a sucessão de efeitos de uma e=peri>ncia ou acontecimento& Ge um lado! então! estão as condiç?es e os efeitos0 do outro lado! o acontecimento mesmo! a criação! o que Kiet"sche chamava de intempestivo& Ge um lado! est o cont#nuo@ a hist<ria! chrónos! as contradiç?es e as maiorias0 do outro lado! o descont#nuo@ o devir! aión! as linhas de fu2a e as minorias& Uma e=peri>ncia! um acontecimento! interrompem a hist<ria! a revolucionam! criam uma nova hist<ria! um novo in#cio& Por isso o devir / sempre minorit rio& .IIC! p& .* Mas e" esta a a pensar em achado"ros de inf!ncia..Acho #"e o #"intal onde a %ente brinco" é maior do #"e a cidade. A %ente descobre #"e o tamanho das coisas há #"e ser medido pela intimidade #"e temos com as coisas.*-.s crianças0 a outra não tem idade! di" respeito . &á de ser como acontece com o amor.a.II)! p& ). Assim' as pedrinhas do nosso #"intal s$o sempre maiores do #"e as o"tras pedras do m"ndo.ada 0s costas a ca ar no me" #"intal estí%ios dos meninos #"e fomos. /o" meio dementado e en. ("sto pelo moti o da intimidade. A!nda no'os ares ara a !n"#n$!a: te% o e de'!r 3 o1ra 2a2uejante de OielS! KotiT Metaiev! lançada num devir-criança que não / eu! mas cosmos! e=plosão de mundo@ uma inf9ncia que não / a minha! que não / uma recordação! mas um 1loco! um fra2mento anPnimo infinito! um devir sempre contempor9neo& H& Geleu"e! (r#tica e cl#nica! . pot>ncia de cada idade& Balve" outro pensador nos ajude a pensar essa inf9ncia& (..

IICa! p& D+ ss&%& Os seres humanos como todas as formas da vida .IIC1! p& .IICa! p& IJ%& Enquanto os se2mentos molares concentram! centrali"am e totali"am! os flu=os moleculares va"am! escapam .F& Huattari! Lil PlatPs! . captura! se conectam na diversidade! fo2em da centrali"ação e da totali"ação& Uma sociedade! uma instituição! um indiv#duo são atravessados por linhas de um e de outro tipo& Ka macropol#tica! o poss#vel / o que antecipa o real e o real / o que atuali"a o poss#vel a partir de um projeto pol#tico! ou pol#tico-educacional& Kela! o poss#vel / anterior do real e d sentido a uma pr tica pol#tica& Por e=emplo! Platão! desde sua macropol#tica! pensava a inf9ncia como pura possi1ilidade e partir de sua utopia peda2<2ica 1uscava concreti"ar essa possi1ilidade espelhando-se nas formas puras de 1ele"a! 1em e justiça& Ka micropol#tica! o poss#vel / o resultado da pol#tica! seu produto& Uma pol#tica do acontecimento! revolucion ria! não / aquela que atuali"a um projeto poss#vel mas a que provoca o poss#vel! a e=peri>ncia0 ela cria novos poss#veis! novas possi1ilidades de vida! uma vida nova! uma nova pol#tica $Voura1ichvili! )***%& Uma micropol#tica não parte da inf9ncia como possi1ilidade e não define uma educação que transforme a inf9ncia! atuali"ando suas j pensadas potencialidades& Uma micropol#tica 2era novas pot>ncias infantis! devir-criança! infantilar& O poss#vel / criado pelo devir! pela e=peri>ncia! pelo acontecimento! pelo infantilar& ).)%& Por isso o devir! o acontecimento e a e=peri>ncia são ver1os em infinitivo e não conju2ados ou su1stantivos& Por isso a inf9ncia ou a criança não são propriamente acontecimentos! mas o devir-criança! o infantilar o são& Entre a 2eo2rafia e a hist<ria! Geleu"e privile2ia a primeira& 3ssim! sua ontolo2ia / cheia de planos! se2mentos! linhas! mapas! territ<rios! movimentos $Geleu"e0 Huattari! .atravessamos simultaneamente espaços cru"ados! entrelaçados! opostos& Ge um lado! estão os espaços da macropol#tica! o Estado! os se2mentos molares! 1in rios por si mesmos! conc>ntricos! ressonantes! e=primidos pela Urvore! princ#pio de dicotomia e ei=o de concentricidade& Ge outro lado! os espaços da micropol#tica! os se2mentos moleculares! o ri"oma! aonde as 1inaridades v>m de multiplicidades! e os c#rculos não são conc>ntricos& Esses espaços são coe=tensivos! no campo social! e estão mutuamente im1ricados! entrelaçados& Os dois espaços são reais@ não h como ha1itar um deles sem! ao mesmo tempo! estar ha1itando tam1/m o outro& Ge modo que toda pol#tica /! a uma s< ve"! macro e micro& Ka perspectiva de Geleu"e! o que diferencia uma e outra pol#tica não / tanto uma questão de tamanho ou de escala! mas de massa! vi1ração e flu=o $Geleu"e0 Huattari! .II)! ).IIC1! p& J*-8%! um certo fu2ir do controle! da pretensão unificadora! totali"adora0 / uma força de resist>ncia! um Fe=orci"ar a ver2onhaF $Geleu"e! .C8%0 elas não t>m modelo! estão sempre em processo& O dinamismo das minorias! o que li1era o devir / um certo nomadismo $ser nPmade / alcançar velocidade! movimento a1soluto! pode-se ser nPmade sem sair do lu2ar& (f& Geleu"e0 Huattari! .3s maiorias não se definem pelo n5mero ou pela quantidade! mas porque são um modelo ao qual h que se conformar& 3s minorias! ao contr rio! são pot>ncias não numer veis ou a2rup veis em conjuntos $Geleu"e0 Huattari! .IICa! p& EI& 3s distinç?es entre hist<ria e devir! chrónos e aión! macro e micropol#tica! podem nos ajudar a pensar a inf9ncia& Em certo sentido! h duas inf9ncias& Uma / a inf9ncia majorit ria! a da continuidade cronol<2ica! . De'!r-$r!ança* !n"#n$!a e !n"ant!+ar Kão / a criança que se torna adulto! / o devir-criança que fa" uma juventude universal& H& Geleu"e .

*-.IICa! p& 8.da hist<ria! das etapas do desenvolvimento! das maiorias e dos efeitos@ / a inf9ncia que! pelo menos desde Platão! se educa conforme um modelo& Essa inf9ncia se2ue o tempo da pro2ressão sequencial@ seremos primeiro 1e1>s! depois! crianças! adolescentes! jovens! adultos! velhos& Ela ocupa uma s/rie de espaços molares@ as pol#ticas p51licas! os estatutos! os par9metros da educação infantil! as escolas! os conselhos tutelares& E=iste tam1/m uma outra inf9ncia! que ha1ita outra temporalidade! outras linhas! a inf9ncia minorit ria& Essa / a inf9ncia como e=peri>ncia! como acontecimento! como ruptura da hist<ria! como revolução! como resist>ncia e como criação& É a inf9ncia que interrompe a hist<ria! que se encontra num devir minorit rio! numa linha de fu2a! num detalhe0 a inf9ncia que resiste aos movimentos conc>ntricos! ar1ori"ados! totali"antes@ Fa criança autistaF! Fo aluno nota de"F! Fo menino violentoF& É a inf9ncia como intensidade! um situar-se intensivo no mundo0 um sair sempre do FseuF lu2ar e se situar em outros lu2ares! desconhecidos! inusitados! inesperados& 'omos ha1itantes dos dois espaços! das duas temporalidades! das duas inf9ncias& Uma e outra inf9ncia não são e=cludentes& 3s linhas se tocam! se cru"am! se enredam! se confundem& Kão nos anima a condenação de uma e a mistificação da outra& Kão somos ju#"es& Kão se trata de com1ater uma e ideali"ar a outra& Kão se trata! por 5ltimo! de di"er como h que se educar as crianças& 3 distinção não / normativa! mas ontol<2ica e pol#tica& O que est em jo2o não / o que deve ser $o tempo! a inf9ncia! a educação! a pol#tica%! mas o que pode ser $poder ser como pot>ncia! possi1ilidade real% o que /& Uma inf9ncia afirma a força do mesmo! do centro! do tudo0 a outra! a diferença! o fora! o sin2ular& Uma leva a consolidar! unificar e conservar0 a outra a irromper! diversificar e revolucionar& Balve" o conceito de Fdevir-criançaF! inventado por Geleu"e e Huattari $cf&! por e=emplo! . pr<pria inf9ncia cronol<2ica& Gevir / um encontro entre duas pessoas! acontecimentos! movimentos! ideias! entidades! multiplicidades! que provoca uma terceira coisa entre am1as! al2o sem passado! presente ou futuro0 al2o sem temporalidade cronol<2ica! mas com 2eo2rafia! com intensidade e direção pr<prias $Geleu"e0 Parnet! .%& Gevir-criança /! assim! uma força que e=trai! da idade que se .como e=pressão minorit ria do ser humano! paralela a outros devires $devir-intenso! devir-animal! devir-impercept#vel! Geleu"e0 Huattari! .. forma Nomem dominante& O devir-criança / uma forma de encontro que marca uma linha de fu2a a transitar! a1erta! intensa& 3firma Geleu"e que as crianças o1t>m suas forças do devir molecular que fa"em passar entre as idades $Geleu"e0 Huattari! .o arti2o indefinido não marca aus>ncia de determinação! mas a sin2ularidade de um encontro não particular nem universal .J%& Um devir / al2o Fsempre contempor9neoF! criação cosmol<2ica@ um mundo que e=plode e a e=plosão de mundo& O devir-criança / o encontro entre um adulto e uma criança .IICa! p& C*% e que sa1er envelhecer não / manter-se jovem! mas e=trair os flu=os que constituem a juventude de cada idade $ibid.IDD! p& .IICa! p& . ss&% e em oposição ao modelo e . ss&%! mereça ainda al2uns esclarecimentos& (omo aca1amos de ver! o devir instaura outra temporalidade! que não a da hist<ria& Por isso mesmo! o devir não / imitar! assimilar-se! fa"er como um modelo! voltar-se ou tornarse outra coisa num tempo sucessivo& Gevir-criança não / tornar-se uma criança! infantili"ar-se! nem sequer retroceder .

ilusão .IDJ! p& D*& O que todo este devaneio so1re a inf9ncia di" em respeito . nossa tenra inf9ncia! de fa"er mem<ria e reescrever nossa 1io2rafia! mas de instaurar um espaço de encontro criador e transformador da in/rcia escolar repetidora do .s crianças! mas tam1/m aos adultos! professoras! professores! 2estores! orientadores! diretores! enfim! a quem seja! encontrar esses devires minorit rios que não aspiram a imitar nada! a modelar nada! mas a interromper o que est dado e propiciar novos in#cios& Wuem sa1e possamos encontrar um novo in#cio para outra ontolo2ia e outra pol#tica da inf9ncia naquela que j não 1usca normati"ar o tipo ideal ao qual uma criança deva se conformar! ou o tipo de sociedade que uma criança tem que construir! mas que 1usca promover! desencadear! estimular nas crianças! e tam1/m em n<s mesmos! essas intensidades criadoras! disruptoras! revolucion rias! que s< podem sur2ir da a1ertura do espaço! no encontro entre o novo e o velho! entre uma criança e um adulto& Kão se trata de nos infantili"armos! de voltarmos . educação ou! melhor! a um encontro entre filosofia e educação como o que motiva nossa presença neste lu2ar: O discurso peda2<2ico est cheio de pessoas e ideias 1em-intencionadas! que 1uscam formar as crianças para que elas adquiram as ha1ilidades! capacidades e valores que as constituam em pessoas melhores e façam do mundo um lu2ar melhor para viver& 3s ideias so1re a inf9ncia aqui apresentadas! inspiradas em autores tão diversos quanto Lanoel de Oarros e H& Geleu"e podem nos ajudar a encontrar um novo modo de pensar a educação! um novo in#cio para a educação& 'eria al2o assim como uma inf9ncia da educação e não j apenas uma educação da inf9ncia& Balve" possamos pensar de novo um outro lu2ar minorit rio! molecular! para a inf9ncia! na espacialidade molar e conc>ntrica da escola0 talve" queiramos promover outras pot>ncias de vida infantil! outros movimentos e linhas nesse territ<rio tão maltratado! descuidado e desconsiderado que / a escola& Kessa tentativa! estão envolvidas quest?es ontol<2icas e pol#ticas& 3s quest?es ontol<2icas di"em respeito . não percepção das forças que fa"em com que sejamos o que somos e ..IIE! p& .J ss&%& 3s quest?es pol#ticas derivam! em parte! das ontol<2icas e! a uma s< ve"! as alimentam@ so1 os efeitos da forma Nomem! no mundo conc>ntrico da escola! nos ideais unificantes do 1om pastor peda2<2ico! opera todo uma mutilação das forças que poderiam estar a serviço da criação de outros mundos& Balve" possamos pensar a educação de outra forma& Wuiç consi2amos dei=ar de nos preocupar tanto em transformar as crianças em al2o distinto do que são! para pensar se acaso não seria interessante uma escola que possi1ilitasse . Cons!deraç-es "!na!s Os conceitos filos<ficos são tam1/m para aquele que os inventa ou os li1era! modos de vida e modos de atividade& Geleu"e! As praias da iman1ncia! .haver que qualific -la de iluminista! antropoc>ntrica ou moderna: .de que o Nomem / o centro do mundo e! portanto! o artesão privile2iado e autoconsciente do homem& O mito de FranTenstein! o homem que fa1rica o homem! ilustra a ilusão do Nomem pseudoart#fice de seu pr<prio destino e o mito da educação como fa1ricação $Leirieu! .tem! do corpo que se /! os flu=os e as part#culas que dão lu2ar a uma Finvolução criadoraF! a Fn5pcias antinature"aF! a uma força que não se espera! que irrompe! sem ser convidada ou antecipada& .

plorar o"tra ed"ca.IIC& YYYYYY& As praias da iman1ncia& 6n@ MZOB34G! François! (3VEK37E! 3nnie $or2s&% 67art des confins.mesmo& Wuem sa1e! um tal encontro entre uma criança e uma professora! ou entre uma criança e outra criança! ou ainda entre uma professora e outra professora possam a1rir a escola ao que ela ainda não /! permitam pensar naquilo que! a princ#pio! não se pode ou não se deve pensar na escola! e fa"er dela espaço de e=peri>ncias! acontecimentos inesperados e imprevis#veis! mundo do devir e não apenas da hist<ria! tempo de aión e não somente de chrónos& Geleu"e se per2untava insistentemente! com 'pino"a! o que pode um corpo $por e=emplo! Geleu"e0 Huattari! .perimentar e e.5es.n$!as /!/+!o0r1"!$as 3H3LOEK! Hior2io& Inf!ncia e história. Ouenos 3ires@ 3driana Nidal2o! )**. <d"ca. Mélan%es offerts 0 Ma"rice 8e 9andillac& Paris@ PUF! . 4apitalismo e <s#"i=ofrenia& 7ol& 7& 'ão Paulo@ Editora +8! . 6n@ (O43VV3! 'andra0 B3GEU! Boma"& 4omposi.$o e filosofia.II)& YYYYYY& 4rítica e clínica& 'ão Paulo@ Editora +8! .ID*! p& +.IICa& YYYYYY& Mil :lat.& O344O'! Lanoel de& Memórias in entadas. Oelo Nori"onte@ 3ut>ntica! )**+! p& DI-.icon& O=ford@ (larendon Press! .s.)I& GEMEUVE! Hilles& 4on ersa. 'ão Paulo@ Editora +8! .)%& Balve" nunca possamos sa1>-lo e a pretensão de antecip -lo contri1ua! infeli"mente! para o1struir parte dessa pot>ncia& 3l2o dessa ordem podemos tam1/m per2untar a respeito da inf9ncia e sua educação@ Fo que pode uma criança:F Kão o sa1emos& Wuem sa1e a per2unta não seja tão diferente da que se interro2a o que pode um corpo& Kão estamos certos& Las nesse espaço que a insist>ncia da per2unta a1re e que nenhuma resposta conse2ue fechar . GP_3! )**8& Partes deste tra1alho! aqui modificadas! foram apresentadas no 666 F<rum do Ensino de Filosofia do (entrooeste $Oras#lia! novem1ro de )**+% e no 76 Encontro de Pesquisa em Educação da 4e2ião 'udeste $4io de Qaneiro! maio de )**8%& 7oltar http@^^[[[&educacaopu1lica&rj&2ov&1r^1i1lioteca^educacao^*. 4apitalismo e <s#"i=ofrenia. A inf!ncia& 'ão Paulo@ 4ecord! )**+ (O43VV3! 'andra& Metainfanciofísica 2 . <ntre ed"ca.IDD& GE'3KB6! Qean-Boussaint& >n philosophe est "n flambe"r& Entrevista com F& E[ald& Ma%a=ine littéraire! Paris! n& ++I! p& 88-8E! jan& .-8J! jul&^de"& )**)& KON3K! Walter Omar& Inf!ncia. Oelo Nori"onte! LH@ 3ut>ntica! )**+& M6GGEMM! NenrS! '(OBB! 4o1ert& A 9ree? <n%lish 6e.IIC1& GEMEUVE! Hilles! P34KEB! (laire& 8iálo%os& 'ão Paulo@ Escuta! .D8&html .$o e Realidade! Porto 3le2re $4'%! v& )C! n& )! p& +.$o.a e o infantil! )**8! m#meo& YYYYYYY& Infancionática3 dois e.5es.$o e al%"mas práticas de artifícios.a3 e.IDJ! p& CI-D.IEE& LE646EU! Philippe& Fran?enstein péda%o%"e& Paris@ E'F! .ercícios de fic.talve" encontremos forças para desdo1rar pot>ncias impensadas na inf9ncia& E um novo in#cio para a educação& Re"er.s. $tradução de Boma" Badeu da 'ilva%& GEMEUVE! Hilles& HU3BB346! F/li=& Mil :lat.IIE& EGU(3\]O E 4E3M6G3GE& Gossi> FHilles Geleu"eF& Porto 3le2re! 4'@ F3(EG^UF4H'! v& )C! n& )! p& J-))E& NE4U(M6BO& Fra%mentos& Bradução de 3le=andre (osta& 4io de Qaneiro@ Gifel! )***& QXG34! Francisco! HXLEV! Muc#a& 8e ir-crian. 7ol& 67& 'ão Paulo@ Editora +8! .& 346'BXBEME'& Física& Brad& (ast& 3lejandro 7i2o& Mi1ros 666-67! Ouenos 3ires! Oi1los! )**.A crian.IIE& PM3B]O! A República& Oel/m@ Universidade Federal do Par ! )**+& VOU43O6(N76M6! F& Geleu"e e o poss#vel $so1re o involuntarismo na pol#tica%& 6n@ 3llie"! É& $or2&%! 9illes 8ele"=e3 "ma ida filosófica! 'ão Paulo! Editora +8! p& +++-+JJ& Pu1licado no livro KON3K! Walter Omar $or2&% 6"%ares da inf!ncia3 filosofia.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->