Você está na página 1de 20

143

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E ESTOQUES Condições de pagamento


Deverão ser as melhores possíveis, para que a em-
CONSIDERAÇÕES INICIAIS presa tenha maior flexibilidade na transformação ou ven-
da do produto.
A ciência da administração apóia-se no seguinte tripé:
a) finanças: mola propulsora; ADMINISTRAÇÃO DE COMPRAS E ALMOXARIFADO
b) material: condição para o processo produtivo;
c) pessoal: aciona o processo produtivo. Competência do Departamento de Compras
Para que exista uma administração perfeita, é neces- “A arte de comprar está se tornando cada vez mais uma
sária uma harmonia entre essas três áreas. Um entrosa- profissão e cada vez menos um jogo de sorte”. Henry Ford
mento tal que uma fique dependente da outra, porque elas A função de comprar implica a aquisição de materi-
se entrelaçam e se confundem dentro do fluxo adminis- ais de qualidade certa, na época adequada, ao preço conve-
trativo. Nada se pode fazer sem capital, bem como sem niente, na quantidade correta e da fonte certa.
material. Entretanto, somente com esses dois não temos Um cadastro de fornecedores deverá ser mantido sem-
condições de administrar, pois há a falta do elemento hu- pre atualizado, de forma que nos permita obter informa-
mano, que irá acionar todo o processo produtivo. Não ções no tempo adequado. Deverá conter todos os dados e
deverá existir diferença no nível hierárquico entre essas o histórico do fornecedor junto à empresa.
áreas, pois têm a mesma importância para o bom funcio- Devemos detectar e registrar o aparecimento de no-
namento da empresa. vos fornecedores e de novas organizações prestadoras de
serviço, que poderão vir nos atender no futuro.
INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS As compras poderão ser de dois tipos básicos:
a) adquiridas no mercado interno;
A gerência de materiais é um conceito vital que pode b) adquiridas no mercado externo (importação).
resultar na redução de custos e no aperfeiçoamento do
desempenho de uma organização de produção, quando é Dedicaremos maior atenção compra no mercado in-
adequadamente entendida e executada. É um conceito que
terno.
deve estar contido na filosofia da empresa e em sua orga-
O setor de compras deverá manter estreita e intensa
nização.
relação com os outros setores administrativos da empre-
Os materiais em geral representam a maior parcela
de custo de produtos acabados, sendo responsáveis por sa, principalmente com a contabilidade geral, para classi-
aproximadamente 52% do custo do produto numa média ficar os produtos nas devidas contas.
empresa, chegando, em alguns casos, a 85%. O investi- O controle do transporte dos materiais adquiridos pelo
mento em estoque de materiais é tipicamente de 1/3 do setor de compras visa a acompanhar, mediante as notas de
ativo de uma empresa. conhecimento, o percurso dos bens, desde a saída do forne-
Administrar materiais é fazer um exercício de pro- cedor até a recepção na empresa. Devemos levar em consi-
vedor, analista, pesquisador e programador. É, acima de deração as condições de segurança e, principalmente, o ri-
tudo, colocar a empresa como um organismo viável a to- goroso cumprimento das datas de entrega da mercadoria.
dos que dela participam. (Follow Up – To Follow = ‘seguir, acompanhar’;
Up = ‘na mosca, no mesmo instante’)
Definição de Administração de Materiais
ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES
A administração de materiais visa a abastecer, de
modo contínuo, a empresa com material que seja neces- A administração de estoques constitui um componente
sário às suas atividades. São cinco os requisitos básicos importante da administração de capital de giro, principal-
para o abastecimento: mente quando a empresa utiliza grandes quantidades de
a) qualidade do material; materiais e/ou quando precisa manter um alto volume de
b) quantidade necessária; estoques.
c) prazo de entrega; A administração de estoques está intimamente ligada
d) preço; à gestão das contas a pagar e à preservação do fluxo de
e) condições de pagamento. caixa, que dependem fundamentalmente da política e prá-
tica de compras da empresa.
Qualidade do material A despesa com suprimentos é um fator significativo,
O material deverá apresentar qualidade que possibi- que pode resultar em custos desnecessários quando a polí-
lite sua aceitação dentro e fora da empresa (mercado). tica de compras e armazenamento de materiais for inade-
Quantidade quada, observando-se que para muitas empresas ainda exis-
Deverá ser estritamente suficiente para suprir as ne- te outra agravante que é a “perecibilidade” e o prazo de
validade de muitos materiais. Fica patente que os estoques
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

cessidades da produção e estoque, evitando a falta de


material para o abastecimento geral da empresa, bem como representam um item importante para a administração fi-
o excesso em estoque. nanceira. Os princípios que regem a administração de es-
Prazo de entrega toques são semelhantes àqueles que orientam a adminis-
Deverá ser o menor possível, a fim de levar um melhor tração de caixa. Realmente, administrar estoques consiste
atendimento aos consumidores e evitar falta do material. essencialmente em determinar, como no caso do caixa, qual
Menor preço o nível médio do estoque a ser mantido para que a segu-
O preço do produto deverá ser tal que possa situá-lo rança seja garantida, minimizando o custo total.
em posição de concorrência no mercado, proporcionan- Devemos ter sempre o produto de que se necessita,
do à empresa um lucro maior. mas não podemos estourar o caixa com estoque em exces-
144
so, essá é uma frase que descreve bem o dilema da admi- visão de estoques já é antiga: os materiais caem sobre o
nistração de estoques. almoxarife, que zela pelas reposições necessárias.
A administração de estoques é parte vital do com- Na administração moderna, a responsabilidade dos
posto logístico, pois estes podem absorver de 25% a 40% estoques fica sob uma única pessoa. Os departamentos
dos custos totais, representando uma porção substancial tradicionais ficam livres dessa responsabilidade e podem
do capital da empresa. Olhando apenas pelo prisma fi- dedicar-se à sua função primária.
nanceiro, podemos ser induzidos a erros que se contra-
põem às razões para manter estoques, tais como: jamais 2. Objetivo do Controle de Estoque
perder uma venda; melhorar o nível do serviço ofereci- O objetivo do controle de estoque é otimizar o inves-
do; incentivar a economia na produção; permitir melho- timento em estoque, aumentando o uso dos meios inter-
res compras e transporte; proteger-se contra alteração de nos da empresa, diminuindo as necessidades de capital
preços; precaver-se contra oscilações na demanda ou no investido.
tempo de ressuprimento; proteger-se contra contingên- Os estoques do produto acabado, matéria-prima e
cias; etc. Para administrar os estoques, foram desenvol- material em processo não serão vistos como independen-
vidas várias técnicas, algumas de difícil aplicação nas tes. Todas as decisões tomadas sobre um dos tipos de es-
micro- e pequenas empresas: o sistema ABC; o modelo toque influenciarão os outros tipos. Às vezes, acabam se
do lote econômico de compra; o MRP (Material esquecendo dessa regra nas estruturas de organização mais
Requirement Planning); o Just-in-Time, dentre outros. A tradicionais e conservadoras.
mais simples e, portanto, mais acessível ao segmento é o O controle de estoque tem também o objetivo de planejar,
sistema ABC, que comumente já é instintivamente prati- controlar e replanejar o material armazenado na empresa.
cado pela maioria das empresas de alguma forma.
Os estoques representam custos acumulados de ma- 3. Política de Estoque
téria-prima, material não vendido ou não usado que será A administração geral da empresa deverá determinar
mantido para o futuro. Eles têm ligação com os vários ao departamento de controle de estoque o programa de
departamentos da empresa, tais como compras, fabrica- objetivos a ser atingidos, isto é, estabelecer certos padrões
ção (produto em processo), almoxarifado (insumos) e con- que sirvam de guias aos programadores e contro-ladores
trole da produção e vendas (produto acabado). e também de critérios para medir o desenvolvimento do
Os estoques são formados para: departamento.
a) separar os segmentos individuais nas linhas de Essas políticas são diretrizes que, de maneira geral,
matéria-prima, manufatura e distribuição, para que cada são as seguintes:
um possa funcionar eficientemente em relação ao fluxo a) metas de empresas quando há tempo de entrega
da linha de produção; dos produtos ao cliente;
b) criar condições sob as quais cada segmento possa b) definição do número de depósitos de almoxarifados
fornecer o máximo de serviço compatível com seu nível e da lista de materiais a ser estocados nele;
de operação; c) controle do nível em que deverão flutuar os esto-
c) permitir a cada um dos segmentos atingir seu rit- ques para atender a uma alta ou baixa demanda ou a uma
mo eficientemente, por meio das compras ou produção alteração de consumo.
da quantidade que resultará no menor custo total. O esto- As definições das políticas são muito importantes ao
que serve apenas de reservatório entre uma fase e outra bom funcionamento da administração de estoques.
da produção. Antigamente, a manutenção de altos esto- Os estoques representam custos acumulados de ma-
ques era considerada demonstração de “poder econômico” téria-prima, material não vendido ou não usado que será
ou “requinte”. Atualmente, o estoque é considerado uma mantido para o futuro.
necessidade para garantir a alta taxa de rentabilidade do Os estoques têm ligação com os vários departamen-
capital. tos da empresa, tais como compras, fabricação (produto
em processo), almoxarifado (insumos) e controle da pro-
1. Função do Controle de Estoque dução e vendas (produto acabado).
A função do controle de estoque é maximizar o efei-
to lubrificante no feedback de vendas não realizadas, aju- Classificação dos Estoques
dando no ajuste do planejamento de produção.
Em sua grande maioria, os estoques destinam-se à
A administração do controle de estoque deve
produção. Deve-se fazer um estudo dos vários tipos de
minimizar o capital total investido em estoques, pois ele
estoque, a fim de classificá-los e de determinar a finali-
é caro e aumenta continuamente, uma vez que o custo
dade de cada um.
financeiro também se eleva. Uma empresa não poderá
trabalhar sem estoque, pois sua função amortecedora en-
Tipos de Produtos em Estoque
tre vários estágios de produção vai até a venda final do
produto. a) Matéria-prima: é o material básico necessário para
O controle de estoque é de suma importância para a
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

a fabricação de um determinado produto. Seu consumo é


empresa, posto que controla os desperdícios e desvios, proporcional ao volume da produção.
bem como apura o demasiado investimento, que prejudi- b) Produtos em Processo: são aqueles que estão nas
ca o capital de giro. Quanto maior é o investimento, tam- diferentes etapas (fases) de elaboração do produto final,
bém maior é a capacidade e a responsabilidade de cada que estão na transformação da matéria-prima em produ-
setor da empresa. tos semi-acabados (nas máquinas).
Os objetivos dos departamentos de compras, de pro- c) Produtos Semi-acabados: são aqueles saídos da
dução, de vendas e financeiro deverão ser conciliados pela produção que, para ser considerados acabados, passarão
administração de controle de estoques, sem prejudicar a ainda por diversas fases do processamento (nos estoques
operacionalidade da empresa. A responsabilidade da di- intermediários).
145
d) Produtos Acabados: artigos produzidos ou compra- CUSTOS DE ESTOQUE
dos destinados à venda, distribuição ou consumo final.
Todo e qualquer armazenamento de material gera de-
Sistemas de Controle de Estoques terminados custos, que são:
a) juros;
a) Sistema de Duas Gavetas: consiste na separação b) depreciação;
física em duas partes. Uma parte será utilizada totalmen- c) aluguel;
te até a data da encomenda de um novo lote, e a outra será d) equipamentos de movimentação;
utilizada entre a data da encomenda e a data do recebi- e) deterioração;
mento do novo lote. A grande vantagem deste sistema f) obsolescência;
está na substancial redução do processo burocrático de g) seguros;
reposição de material. A denominação duas gavetas de- h) salários;
corre da idéia de guardar um mesmo lote em duas gave- i) conservação.
tas distintas. Todos eles podem ser agrupados em diversas moda-
b) Sistema de Estoque Mínimo: é usado principal- lidades:
mente quando a separação entre as duas partes do esto- a) custos com pessoal (salários, encargos sociais);
que não é feita fisicamente, mas apenas registrada na fi- b) custos de capital (juros, depreciação);
cha de controle de estoque, com o ponto de separação c) custos com edificação (aluguel, impostos, luz, con-
entre as partes. Enquanto o estoque mínimo estiver sendo servação);
utilizado, o departamento de Compras terá prazo sufici- d) custos de manutenção (deterioração, obsoles-
ente para adquirir e repor o material no estoque. cência, equipamento).
c) Sistema de Renovação Periódica: consiste em fazer Existem duas variáveis que aumentam esses custos:
pedidos para reposição dos estoques em intervalos de tem- a) quantidade em estoque;
po pré-estabelecidos para cada item. Esses intervalos, para b) tempo de permanência em estoque.
minimizar o custo de estoque, devem variar de item para Todos esses custos relacionados podem ser chama-
item. A quantidade a ser comprada em cada encomenda é dos de custo de armazenagem. São calculados com base
tal que, somada com a quantidade existente em estoque, no estoque médio e geralmente indicados em percentual
seja suficiente para atender à demanda até o recebimento (%) do valor em estoque (fator armazenagem).
da encomenda seguinte. Logicamente, este sistema obriga Os custos de armazenagem são proporcionais à quan-
a manutenção de um estoque reserva. Deve-se adotar pe- tidade e tempo que um item de material permanece em
ríodos iguais para um grande número de itens em estoque, estoque.
pois procedendo à compra simultânea de diversos itens, Custo de armazenagem ( I )
pode-se obter condições vantajosas na transação (compra Motivada pela concorrência entre as empresas, têm-se
e transporte). dedicado intensa atenção à minimização de custos. Den-
d) Sistema de Estocagem para um Fim Específico: tre os tipos de custos que afetam a rentabilidade da em-
apresenta duas subdivisões: presa, o custo de estocagem ou armazenamento é um dos
• estocagem para atender a um programa de produ- mais importantes. Anos atrás, o foco principal era dado à
ção pré-determinado: é utilizada nas indústrias de produção, relegando a segundo plano as atividades liga-
tipo contínuo ou semi-contínuo que estabelecem, das à guarda, à movimentação e à estocagem de materi-
com antecedência de vários meses, os níveis de ais.
produção. A programação (para vários períodos, Verificou-se que os custos decorrentes de armazena-
semanas e meses) elaborada pelo P.C.P. deverá ser gem representavam grande entrave para a concorrência
coerente para todos os segmentos, desde o recebi- entre as empresas, e que sua redução representaria o meio
mento do material até o embarque do produto aca- de diminuir consideravelmente os custos globais da em-
bado; presa.
• Estocagem para atender especificamente a uma or- Fórmula para cálculo de custo de armazenagem:
dem de produção ou a uma requisição: é o método Custo de armazenagem = (Q/2)x t x p x i em que:
empregado nas produções do tipo intermitente, em
que a indústria fabrica sob encomenda, sendo jus- Q = quantidade de material em estoque no tempo consi-
tificável no caso de materiais especiais ou neces- derado;
sários esporadicamente. Os pedidos de material P = preço unitário do material;
I = taxa de armazenamento, expressa geralmente em
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

neste sistema são baseadas principalmente na lista


material (Row Material) e na programação geral porcentagem do custo unitário; (*)
(AP = Annual Planning). Existem casos em que o T = tempo considerado de armazenagem.
pedido para compra precisa ser feito mesmo antes
do projeto do produto estar detalhado, ou seja, an- (*) Não há impedimento para que seja expresso em
tes de a listagem do material estar pronta, pois os valores unitários.
itens necessários podem ter um ciclo de fabrica-
ção excessivamente longo. Ex.: grandes motores, Para validação dessa fórmula, torna-se necessária a
turbinas e navios. verificação de duas hipóteses:
146
a) O custo de armazenagem é proporcional ao estoque Para determinação do valor da taxa de armazenagem,
médio. deve-se levar em conta os tipos de materiais estocados.
Na figura abaixo temos uma justificativa da hipótese Em certas empresas, algumas parcelas de “I” tem um
tomada. Com efeito, no ponto “x”, quando o estoque é peso tão grande que torna desnecessário o cálculo da ou-
máximo, o custo de armazenagem é máximo. tra.
No ponto y, quando o estoque é zero, o custo de arma- Por exemplo:
zenagem é mínimo. Matematicamente ele seria zero, mas, a) Para algumas empresas, a taxa de retorno de capi-
na realidade, existem despesas fixas que fazem que ele seja tal e a de seguro são as mais importantes por se referirem
diferente de zero. a materiais de grande valor. É o caso de joalherias, em-
presas que trabalham com materiais eletrônicos, etc.
51
Curva do Custo de Armazenagem X b) Para outras, o espaço ocupado é o fator que pesa
50 mais. Por exemplo, as que trabalham com espuma de
49

48
poliuretano e papel.
Estoque

47 c) Para outras, ainda, é a segurança o mais importan-


46 te, razão pela qual suas taxas de seguro são altas (caso de
45

44
empresas que trabalham essencialmente com inflamáveis
43
Estoque Médio e explosivos).
Y
1 2 3 4 5 6
Custo de Armazenagem
7 8 9
Analisando a fórmula do custo de armazenagem, de-
duzimos que esse custo nada mais é do que a soma de
b) O preço unitário deve ser considerado constante diversos custos, ou seja:
no período analisado. Se não for, deve ser tomado um Custo de armazenagem = (Q/2) x t x p x i
valor médio. O valor de “I” — taxa de armazenamento Mas.: i = ia + ib + ic + id + ie + if
— é obtido através da soma de diversas parcelas. Assim, Portanto, temos que o custo de armazenagem é =
temos: (Q/2)x p x ia) . t + (Q/2)x p x ib) . t + (Q/2)x p x ic) . t +
a) Taxa de retorno de capital (Q/2)x p x id) . t + (Q/2)x p x ie) . t + (Q/2) x p x if) . t
IA = 100 x LUCRO Custo de armazenagem é a soma de custos de capital,
VALOR. ESTOQUES custos de seguros, custos de transportes, custos de
obsolescência, custos de despesas diversas.
O capital investido na compra do material armazena-
do deixa de render juros. Fatores que influem no custo de armazenagem:
b) Taxa de armazenamento físico a) otimização do aproveitamento da área ocupada, por
SxA motivo de tempo gasto em transporte e obsolescência dos
IB = 100 x
CxP materiais;
b) layouts adequados e utilização de meios de movi-
Em que: mentação compatíveis.
s = área ocupada pelo estoque; Custo de pedidos (B)
a = custo anual do m2 de armazenamento; É o custo em ($) de um pedido de compra. Para
c = consumo anual; calcularmos o custo anual de todos os pedidos colocados
p = preço unitário. no período de um ano, é necessário multiplicarmos o cus-
Portanto, CxP = valor dos produtos estocados. to de cada pedido pelo numero de vezes que, em um ano,
c) Taxa de seguro foi processado.
CUSTO. ANUAL.DO.SEGURO Se (n) for o número de pedidos efetuados durante um
IC = 100 x
VALOR.ESTOQUE  EDIFÍCIOS ano, o resultado será:
Custo total anual (CTA) de pedidos = B x N
d) Taxa de transporte, manuseio e distribuição O total das despesas que compõem o Custo Anual de
ID = 100 x DEPRECIAÇÃ O. ANUAL.DE.EQUIPAMENT O Pedidos é:
VALOR.DO.ESTOQUE a) mão-de-obra: para emissão e processamento;
b) material: utilizado na confecção do pedido (papel,
e) Taxa de obsolescência
lápis, borracha, envelope, etc.);
PERDAS. ANUAIS.POR.OBSOLESCÊNCIA c) custos indiretos: despesas ligadas indiretamente
IE = 100 x
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

VALOR.DO.ESTOQUE com o pedido (telefone, luz, escritório de compra, etc.).


Após a apuração anual dessas despesas, teremos o
f) Outras taxas
custo total anual dos pedidos. Para calcular o custo unitá-
Taxas como: água, luz, etc.
rio, basta dividir o CTA pelo número total anual de pedi-
Conclui-se que a taxa de armazenamento é:
dos.
I = Ia + Ib + Ic + Id + Ie + If
Os valores acima podem ser obtidos pela contabi- B = Custo total anual de pedidos (CTA) = Custo Unitário do Pedido
lidade ou podem-se utilizar valores mencionados no Número anual de pedidos (n)
último balanço, sem a preocupação de precisão.
147
Temos de considerar um item de compra para cada A fórmula do custo total de estoque é:
pedido. Se normalmente a empresa utiliza um pedido de
§C· § P.Q ·
compra para vários itens, deve-se calcular a quantidade CT ¨ ¸.B  ¨ ¸
©Q¹ © 2 ¹
média de itens por pedido.
Representamos abaixo a curva do custo de pedido:
LOTE ECONÔMICO
CURVA DO CUSTO DE PEDIDO
500 Introdução
450
400
A decisão de estocar ou não determinado item é bási-
CUSTO EM R$

350
300 ca para o volume de estoque em qualquer momento. Ao
250
tomar tal decisão, há dois fatores a considerar:
200
150 a) É econômico estocar o item?
100 2) É interessante estocar um item indicado como
50 antieconômico a fim de satisfazer um cliente e, portanto,
0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13
melhorar as relações com ele?
QUANTIDADE
O primeiro fator pode ser analisado matematicamen-
te. Em geral, não é econômico estocar um item se isso ex-
cede o custo de comprá-lo ou produzi-lo. Também pode
Custo total de estoque ser demonstrado que não é econômico estocar itens quan-
Sendo considerado fixo o preço de determinado item, do as necessidades dos clientes, ou a média de consumo da
a equação do custo total é: produção, tenham um excesso correspondente à metade da
Custo total = Custo Total de Armazenagem + Custo quantidade econômica do pedido.
Total do Pedido Com a finalidade de prestar o melhor serviço ao clien-
A figura abaixo mostra a curva da equação do custo te, mesmo em condições antieconômicas para a empresa,
total. torna-se necessária a criação de estoques de determinados
itens, com o intuito de não criar uma ruptura com o cliente.
Quanto deve ser comprado ou produzido de cada vez?
Curva do Custo Total
600
Existem custos que aumentam à medida que a quan-
500 Custo Total tidade do material pedido aumenta, porque, em média,
considerando consumo uniforme, metade da quantidade
400
pedida estará em estoque. Tais custos são aqueles vin-
Custo

300 Custo de Armazenagem culados a armazenagem dos materiais, incluindo espaço,


200
seguro, juros, etc.
Existem custos que diminuem à medida que a quan-
100 Custo de tidade de material pedido aumenta, com a distribuição
LEC
0 dos custos fixos por quantidade maiores.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14
No gráfico abaixo, podemos perceber um aumento
Quantidade
dos custos de armazenagem à medida que a quantidade
dos produtos comprados ou produzidos aumenta, em ra-
Vamos agora detalhar a equação para o custo total: zão da maior quantidade que deve ser armazenada.
Curva do Custo Total
600
Q
a) o estoque médio em unidades de um item é = 500 Custo Total
2
em que Q é o número de itens comprados por pedido; 400

b) o estoque médio em $ mantido em estoque é


Custo

300
Custo de Armazenagem
Q 200
P , em que P o preço unitário do material;
2 100 Custo de Aquisição

§ Q· LEC
c) o custo total de armazenagem por ano é ¨ P. ¸.I , 0

© 2¹ 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14
Quantidade
em que I é a taxa de armazenagem anual;
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

d) o número de pedidos colocados no fornecedor por A curva mais baixa indica o custo total para enco-
mendar material, custo esse que diminui à medida que
C aumenta a quantidade de produtos pedidos de uma só vez.
ano é , em que C é o consumo total anual; Essa redução se deve ao fato de que poucos pedidos
Q
terão de ser emitidos durante determinado espaço de tempo
§C· e, como resultado, haverá despesas menores de emissão
e) o custo total de pedido por ano (CTA) é ¨¨ ¸¸.B , de pedidos de compra. A curva superior representa o cus-
©Q¹ to total do estoque, que é obtido ao adicionarem-se os
em que B é o custo unitário do pedido. custos de armazenagem aos custos de pedido.
148
Lote Econômico de Compra b) Descontos para grandes compras.
c) Outros ajustes:
Partiremos das seguintes condições: • lote econômico de produção;
a) o consumo mensal é determinístico e com uma taxa • múltiplos itens na compra;
constante; • limitação de orçamento;
b) a reposição é instantânea quando os estoques che- • frota própria
gam a nível zero. Exemplo: aplicação da fórmula do lote econômico
Considerando um pedido de um ano (t), o custo total
de compras.
seria formado de três componentes.
CT = Custo unitário do item (ano) + custo do pedido O consumo de determinada peça é de 20.000 unida-
(ano) + custo de armazenagem (ano). des por ano. O custo de armazenagem por peça por ano é
Custo total do ano pode ser apresentado também da R$ 1,90, e o custo de pedido é de R$ 500,00. O preço
seguinte maneira: unitário de compra é R$ 2,00. Determine:
CT = Custo total do período (t)x número de períodos a) o lote econômico de compra;
(ano) b) o custo total anual;
O custo unitário por período é o custo de aquisição c) o número de pedidos por ano;
das q unidades, ou seja: p x q, em que p é o preço unitário d) a duração entre os pedidos.
do item. O lote econômico é:
Em cada período, faz-se apenas uma compra, o custo 2 BC 2 x 500 x 20000
de pedido é o custo de se fazer uma compra, isto é, b. Q 10.526,315 3,245 peças por pedido
I 1,90
Q O custo total anual é:
O estoque médio por período é . Então, o custo de
2 C Q
armazenagem por período é: CT P. C  B.  I.
Q 2
Q
Iutu CT 2 x20000  500.
20000
 1,90.
3,245
2
3,245 2
Sendo i = Custo de armazenagem em $/unidade/ano,
t= Duração de um período (ano), então o custo total por CT 40000  3082  3082
período é:
Q
CT P.Q  B  I .t CT R$ 46,164 POR ANO
2
O número de pedidos é:
O número de pedido por ano é:
C C 20000
PEDIDOS PEDIDOS 6,2.PEDIDOS / ANO
Q Q 3245
Substituindo a equação de custo total pelas duas equa- O intervalo entre os pedidos é:
ções anteriores, temos: Q 3245
t 0,162. ANOS
C Q C 20000
CT P.C  B.  I.
Q 2
em que: P = Preço unitário de compra, GESTÃO DE ESTOQUE
C = Consumo do item,
B = Custo do pedido, Por gestão de estoque, entendemos o planejamento
do estoque, o seu controle e sua retroação sobre o
Q = Quantidade do lote,
planejamento. O critério básico da gestão de estoque é a
I = Custo de armazenagem.
minimização dos custos de ter e/ou não ter estoque.
Quando vimos custo de armazenagem, foi dito que o
índice i poderia ser indicado de duas maneiras: em Avaliação dos Estoques
percentual ao valor total do estoque ou em valor unitário.
2BC A avaliação do estoque anual deverá ser realizada em
Q termos de preço, para proporcionar uma avaliação exata
I
do material e informações financeiras atualizadas. A ava-
liação dos estoques inclui o valor das mercadorias, dos
Essa fórmula apresentada é para quando i for dado
produtos em fabricação e dos produtos acabados. Para se
como valor unitário; para valor percentual, teríamos a se-
fazer uma avaliação desse material, tomamos por base o
guinte alteração:
preço de custo.
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2 BC
Q Métodos de avaliação de estoques
I .P

Na prática, quando produtos iguais são comprados a


Restrições ao Modelo do Lote Econômico
preços e em épocas diferentes e vendidos a preços e épo-
cas diferentes, os problemas de custeamento e das saídas
a) Ajustes nas taxas de frete: de mercadorias do estoque tornam-se complexos, exis-
• fretes não-lineares; tindo vários critérios que procuram apresentar soluções
• descontos por volume. satisfatórias.
149
A fórmula do lucro é: b) Objetivos de proteção à propriedade:
LUCRO BRUTO (Lb) = VENDAS (V) – CUSTO • salvaguardar o material contra roubo e desperdí-
DAS VENDAS (Cv) cio possíveis de prever, danos seguráveis ou uso
LB = V – Cv sem autorização;
• assegurar que dentro de tolerâncias razoáveis o
E a fórmula para determinar o custo de vendas é: valor desses materiais estejam corretamente
CUSTO DE VENDAS (Cv) = ESTOQUE INICIAL
registrados nos livros e mapas contábeis.
(Ei) + COMPRAS (C) – ESTOQUE FINAL (Ef)
Cv = Ei + C – Ef : . Lb = V – ( Ei + C – Ef ) c) Objetivos operacionais:
• obter maior equilíbrio possível entre, de um lado,
Podemos observar que uma avaliação maior ou me- a produção e os custos de manutenção do estoque
nor dos estoques afetará o lucro do período. e, do outro, o serviço prestado ao cliente;
• minimizar as perdas resultantes da deterioração,
Métodos para Avaliação de Estoque obsolescência ou declínio do valor dos produtos
em estoque.
a) avaliação por meio do custo específico: é uma
avaliação pouco usual. É utilizada pelas indústrias que Benefício dos Objetivos
produzem equipamentos de grande porte, fabricando ape-
nas sob encomenda e não em série. Exs.: pontes rolantes, a) Relacionamento, manutenção e localização:
guindastes, navios, tanques reservatórios, etc. Nesses ca-
• melhoria da relação com os clientes (entrega rápi-
sos, a apuração do custo contábil é exatamente igual ao
da da mercadoria);
representado na avaliação do estoque;
b) avaliação pelo custo médio: é a mais freqüente e • manutenção de um maior equilíbrio das quantida-
tem por base o preço médio móvel (para inventário per- des de itens em estoque;
manente) de todas as movimentações no estoque. A lon- • melhor localização geográfica de estoque em de-
go prazo, apresenta custos mais realistas. Após cada nova pósitos regionais.
entrada, um novo custo deve ser calculado;
c) avaliação pelo método PEPS ou FIFO: a avalia- b) Aumento da eficiência do pessoal chave:
ção por este método é feita pela ordem cronológica das • o controle eficiente de estoque pode poupar tempo
entradas, isto é, o primeiro a entrar é o primeiro a sair. FIFO aos executivos, que não terão de apressar entre-
= (FIRST IN, FIRST OUT indicado para períodos de de- gas de matéria-prima, corrigir repetidas interrup-
flação; o lucro fica supervalorizado e o Estoque Final fica ções na produção e resolver sérios problemas de
supervalorizado também. O CMV fica subavaliado. dilatação com clientes;
d) Avaliação pelo método UEPS ou LIFO: este • a eficiência dos vendedores externos também é au-
método considera os últimos lotes que foram incorporados mentada por uma redução de tempo que eles gas-
ao estoque, como os que devem sair em primeiro lugar, tariam em acompanhar a execução de pedidos ou
com apenas um fluxo de custo e não necessariamente de de dar explicações ao cliente.
mercadorias.LIFO = (LAST IN, FIRST OUT) c) Redução nos custos de fabricação:
Indicado para períodos de inflação e apresenta como • eliminação das paradas, causadas por falta de ma-
principais características o fato de os custos ficarem téria-prima;
supervalorizados e conseqüentemente os lucros ficam • minimização das paradas das máquinas pela falta
menores. O Estoque Final fica subavaliado. de peças sobressalentes essenciais;
e) Avaliação pelo custo de reposição: esta avalia- • produção de lotes econômicos em lugar de lotes
ção tem por base a elevação dos custos a curto prazo em pequenos.
relação à inflação decorrente. Ex.: possuímos um esto- d) Redução dos custos de material comprado:
que de 400 peças de um determinado item ao preço unitá- • redução de compras de emergência:
rio de $ 2.500,00. Espera-se para os próximos três meses • redução dos custos de obtenção em virtude de
uma inflação de 35%. Logo, haverá um reajuste de menor freqüência de compras.
$ 875,00 no custo unitário de reposição, passando para e) Redução dos custos e perdas de estoque:
$ 3.375,00. Equacionando, temos: • mediante a manutenção de um estoque convenien-
CUSTO DE REPOSIÇÃO (CR) = PREÇO UNITÁ- te de cada produto e, portanto, reduzindo-se a quan-
RIO (PU) + PERCENTUAL DE INFLAÇÃO
tidade total de artigos acabados, necessários para
CR = $ 2.500,00 + 35%
proporcionar uma distribuição competitiva;
CR = $ 3.375,00
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

• por meio da manutenção de um equilíbrio mais


econômico entre os custos de armazenamento e os
OBJETIVOS DA GESTÃO DE ESTOQUE
custos de obtenção;
• por intermédio do impedimento da acumulação de
a) Objetivos financeiros:
• manter investimentos em estoque dentro do limi- produtos em processamento em razão da falta
te dos fundos disponíveis, de modo a não com- imprevista de matéria prima ou peças compradas.
prometer o caixa e não desequilibrar seriamente o f) Redução dos custos de escritórios:
capital de giro, reduzindo conseqüentemente a • nas atividades de acompanhamento das compras
liquidez. expedição;
150
• na verificação física dos estoques; O critério de avaliação será determinado pela políti-
• no tempo gasto para administrar complexas roti- ca de estoques da empresa. Não devemos esquecer, po-
nas de modificação e localização das ordens, reprogra- rém, que:
mação ou atividades similares, essenciais para fazer a) a disponibilidade de capital para investir em esto-
verificação das ordens em processamento e para expedir que é que vai determinar a taxa de rotatividade-padrão;
ordens urgente para clientes importantes. b) não se devem utilizar taxas de rotatividade iguais
g) Fortalecimento da posição financeira: para materiais de preços muito diferentes. Use de prefe-
• na preservação de uma liquidez maior do capital rência a classificação ABC, indicando cada classe com seu
de giro; índice; se não for suficiente, subdividida em D, E, etc;
• na redução das necessidades totais de capital para c) baseado na política da empresa, nos programas de
depósitos regionais e outros espaços de armaze- produção e na previsão de vendas, determine a rotatividade
na-mento, para fábrica e equipamentos, para su- que atenda às necessidades ao menor custo total;
portar picos na demanda e na produção.
d) estabeleça uma periodicidade para comparação
entre a rotatividade-padrão e a rotatividade real.
ROTATIVIDADE DE ESTOQUES
PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA O CONTROLE DE ES-
A rotatividade ou giro de estoque é uma relação existen- TOQUES
te entre o consumo anual e o estoque médio do produto.
Para se organizar um setor de controle de estoque,
Rotatividade = consumo médio anual inicialmente devemos descrever suas principais funções,
estoque médio as quais se seguem:
a) determinar o que deve permanecer em estoque.
A rotatividade é expressa no inverso de unidades de Número de itens;
tempo ou em “vezes”, isto é “vezes” por dia, por mês ou b) determinar quando se deve reabastecer o estoque.
por ano. Prioridade;
c) determinar a quantidade de estoque que será ne-
cessária para um período pré-determinado;
Exemplo: o consumo anual de um item foi de 800
d) acionar o departamento de compras para executar
unidades e o estoque médio de 100 unidades. O giro seria: a aquisição de estoque;
e) receber, armazenar e os materiais estocados de acor-
R = 800 unid/ano = 8 vezes/ano do com as necessidades;
100 unid. f) controlar o estoque em termos de quantidade e va-
lor e fornecer informações sobre sua posição;
Pode ser também calculada pela relação: CMV/EM, g) manter inventários periódicos para avaliação das
em que EM é o estoque médio. Sendo calculado pela rela- quantidades e estados dos materiais estocados;
ção: (EI + EF)/2 h) identificar e retirar do estoque os itens danificados.
Antigiro = Taxa de Cobertura: a rotatividade indica Existem determinados aspectos que devem ser espe-
quantas vezes rodou o estoque no ano. O antigiro indica cificados antes de se montar um sistema de controle de
quantas vezes de consumo equivalem ao estoque real ou estoque.
Um deles refere-se aos diferentes tipos de estoque exis-
estoque médio.
tentes em uma fábrica. Os principais tipos encontrados em
uma empresa industrial são: matéria-prima, produto em pro-
Antigiro = estoque médio cesso, produto acabado e peças de manutenção.
consumo
ESTOQUE MÍNIMO
Exemplo: um item que tem um estoque de 3.000 uni-
dades é consumido a uma taxa de 2.000 unid./mês. por O estoque mínimo, também chamado estoque de se-
quantos meses o estoque cobre a taxa de consumo? gurança, determina a quantidade mínima que existe no
estoque destinada a cobrir eventuais atrasos no suprimento
Antigiro = 3.000 = 1,5 mês e objetivando a garantia do funcionamento eficiente do
2.000 processo produtivo, sem o risco de faltas.
Dentre as causas que ocasionavam essas faltas, pode-se
O grande mérito do índice de rotatividade do estoque citar as seguintes: oscilações no consumo; oscilações nas
épocas de aquisição, ou seja, atraso no tempo de reposi-
é que ele representa um parâmetro fácil para a compara-
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

ção; variação na quantidade, quando o controle de quan-


ção de estoques entre empresas do mesmo ramo de tidade rejeita um lote e diferenças de inventário.
atividade e entre classes de material do estoque. O estoque mínimo é a chave para o adequado estabe-
Para fins de controle, deve-se determinar a taxa de lecimento do ponto de pedido. Entretanto, se a quantida-
rotatividade adequada à empresa e então compará-la com de de material representada como margem de segurança
a taxa real. É bastante recomendável, ao se determinar o não for usada, torna-se uma parte permanente do esto-
padrão de rotatividade, estabelecer um índice para cada que; a armazenagem e os outros custos serão elevados.
grupo de materiais que corresponda a uma mesma faixa Ao contrário, se se estabelecer uma margem de seguran-
de preço ou consumo. ça demasiado baixa, isso acarreta custo de ruptura, que
151
são os custos de não possuir os materiais disponíveis quan- O índice de giro pode também ser obtido por meio de
do necessários, isto é, a perda de vendas, paralisação da valores monetários de custos ou de venda.
produção e despesas para apressar entregas. O grande mérito do índice de rotatividade do estoque
Estabelecer uma margem de segurança, ou estoque é que ele representa um parâmetro fácil para a compara-
mínimo, é um risco que a empresa assume na ocorrência ção do estoque entre empresas do mesmo ramo de
da falta de estoque. atividade e entre classes de material do estoque.
A determinação do estoque mínimo pode ser feita por Para fins de controle, deve-se determinar a taxa de
meio da fixação de determinada projeção mínima, esti- rotatividade adequada à empresa e, então, comprá-la com
mada no consumo, e por cálculo com base estatística. a taxa real. É bastante recomendável ao se determinar o
Nesses casos, parte-se do pressuposto de que deve padrão de rotatividade e se estabelecer um índice para
ser atendida uma parte do consumo, isto é, que deve ser cada grupo de materiais que corresponda a uma mesma
alcançado o grau de atendimento adequado e definido. faixa de preço ou consumo.
Esse grau de atendimento nada mais é que a relação Os estoques representam custos acumulados de ma-
entre a quantidade necessitada e a quantidade atendida. téria-prima e material não vendido ou não usado que será
mantido para o futuro.
ESTOQUE MÁXIMO Os estoques têm ligação com os vários departamen-
tos da empresa, tais como compras, fabricação (produto
O estoque máximo é igual à soma do estoque míni- em processo), almoxarifado (insumos) e controle da pro-
mo com o lote de compra. dução e vendas (produto acabado).
O lote de compra poderá ser econômico ou não. Os estoques são formados para:
Em condições normais de equilíbrio entre a compra a) separar os segmentos individuais nas linhas de
e o consumo, o estoque oscilará entre os valores máximo matéria-prima, manufatura e distribuição, para que cada
e mínimo. um possa funcionar eficientemente em relação ao fluxo
O estoque máximo é uma função do lote de compra e da linha de produção;
do estoque mínimo e, evidentemente, variará todas as ve- b) criar condições sob as quais cada segmento possa
zes que uma ou as duas parcelas acima variarem. O esto- fornecer o máximo de serviço compatível com seu nível
que máximo sofrerá também limitações de ordem física, de operação;
como espaço para armazenamento. É possível ainda dimi- c) permitir a cada um dos segmentos atingir seu rit-
nuir tanto o tamanho do lote como o de estoque mínimo, mo eficientemente, por meio das compras ou produção
quando a falta de capital torna-se maior. É preferível dimi- da quantidade que resultará no menor custo total. O esto-
nuir o tamanho do lote e diminuir o estoque mínimo, a fim que serve apenas de reservatório entre uma fase e outra
de evitar a paralisação da produção por falta de estoque. da produção.

CURVA ABC FILOSOFIA JUST-IN-TIME

A mais importante técnica para administrar os esto- Just-in-time é uma filosofia de administração que se
ques é a chamada análise ABC. apóia em princípios que priorizam o aumento da produ-
A forma prática da aplicação de análise ABC obtém-se tividade e da lucratividade, reduzindo retrabalhos, refu-
por ordenação dos itens em função do seu valor relativo. gos e desperdícios.
A técnica ABC é a única que traz resultados imedia- Um termo que recentemente se tornou popular para
tos em face de sua simplicidade de aplicação. descrever o tipo de sistema que resulta da adoção de uma
Uma vez que se consegue ordenar todos os itens pelo abordagem ITS é just-in-time (JIT). O termo pretende
seu valor relativo, passa-se a classificá-los em três gru- transmitir a idéia de que os três principais elementos de
pos chamados A, B e C, conforme exemplo a seguir: manufatura – recursos financeiros, equipamento e mão-
a) Classe A: neste grupo, incluem-se todos os itens de-obra – são colocados somente na quantidade necessá-
de valor elevado e, portanto, são os que requerem maior ria e no tempo requerido para o trabalho.
cuidado por parte do administrador de matéria-prima;
b) Classe B: incluem-se os itens de valor intermediá- A Filosofia do Just-In-Time
rios; e
c) Classe C: mantêm-se os itens de menos valor rela- A filosofia Just-In-Time consiste em operar um siste-
tivo. ma de manufatura simples e eficiente, capaz de otimizar o
Assim, divide-se o inventário em três classes: uso dos recursos de capital, equipamentos e mão-de-obra.
a) Classe A: requer controle rigoroso; Isso resulta em um sistema de produção capaz de atender
b) Classe B: requer um controle menos rigoroso; às exigências de qualidade e de entrega de um cliente, ao
d) Classe C: requer um controle apenas rotineiro. menor custo.
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

A meta do Just-In-Time é eliminar qualquer função


ROTATIVIDADE DAS MATÉRIAS-PRIMAS desnecessária no sistema de manufatura que traga custos
indiretos, que não acrescente valor para a empresa e que
A rotatividade ou giro do estoque é uma relação exis- impeça a melhor produtividade ou agregue despesas des-
tente entre o consumo anual e o estoque médio do pro- necessárias no sistema operacional do cliente.
duto. O Just-In-Time pode ser descrito como:
A rotatividade é expressa no inverso de unidade de a) uma filosofia de administração que está constante-
tempo ou em vezes, isto é, vezes por dia ou por mês ou mente enfocando a eficiência e integração do sistema de
por ano. manufatura utilizando o processo mais simples possível;
152
b) dedicação ao processo de esforçar-se continuamen- Time persegue cada um desses valores para desenvolver
te para minimizar os elementos no sistema de manufatura uma vantagem competitiva por meio da melhor adminis-
que restrinjam a produtividade. tração de todo o sistema de manufatura.
A seguir, nos temos os cinco princípios básicos que Desenvolver uma vantagem competitiva significa ex-
orientam uma empresa e seus empregados no desenvol- plorar ou tirar vantagem de algo que os concorrentes ne-
vimento de um sistema JIT. gligenciarem ou forem incapazes de desenvolver. Nor-
a) Cada funcionário ou posto de trabalho é tanto um malmente, o desenvolvimento e a manutenção de uma
cliente como um fornecedor. vantagem competitiva é uma tarefa árdua; se fosse fácil,
b) Clientes e fornecedores são uma extensão do pro- a vantagem seria fugaz, com as outras empresas também
cesso de manufatura. o conseguindo. Dessa forma, em razão da natureza da
c) Deve-se procurar continuamente simplificação. competição, o processo de melhoria precisa ser contínuo.
d) É mais importante prevenir problemas do que Os sistemas Just-In-Time são desenvolvidos para tra-
resolvê-los. balhar continuamente pelas metas de melhoria do desem-
e) Deve-se obter ou produzir algo somente quando penho. Integrar e otimizar o sistema de manufatura é um
for necessário (just-in-time). processo constante em uma empresa JIT, à medida que
Um dogma do JIT é sempre otimizar e integrar o siste- ela evolui com o desenvolvimento de novos mercados,
ma de manufatura (eliminando estoques, inspeção, novos produtos e processos mais eficientes.
retrabalho, equipamento e mão-de-obra em excesso) a fim A administração JIT permite obter uma vantagem
de que os problemas relacionados com a produção venham competitiva mediante o uso de três ferramentas gerenciais
à tona. Essa técnica é usada para superar os problemas re- simples:
lacionados com a produção na linha e para reduzir os cus- a) integralização e otimização: reduzindo a necessi-
tos indiretos até que o sistema de produção (qualidade, ín- dade de funções e sistemas desnecessários, como inspeção,
dices e custos) tenha sido equilibrado em termos de níveis retrabalho e estoque;
de qualidade. O processo de produção está equilibrado b) melhoramento contínuo: desenvolvendo sistemas
quando a última remoção de excessos resula em perda de internos que encorajem a melhoria constante nos proces-
qualidade de produção. O resultado desse equilíbrio será sos e procedimentos;
uma produção mais suave e livre de problemas. É somente c) compreensão do cliente: atendendo às necessida-
pormeio de um processo de contínua melhoria que o siste- des do cliente e reduzindo o custo total do cliente na aqui-
sição e uso de um produto.
ma de manufatura pode atingir seu nível ótimo de produti-
vidade e alcançar seu pleno potencial de lucros.
Integralização e Otimização
Abaixo, temos os cinco elementos principais que re-
duzem a produtividade e, dessa forma, aumentam os cus-
Talvez a maneira mais fácil e rápida de uma empresa
tos de produção:
melhorar a sua situação financeira seja reduzir as despe-
a) projeto falho;
sas, integrando e otimizando o sistema de manufatura.
b) istemas improdutivos; Muitas das funções improdutivas que existem atualmente
c) roblemas de produção; em uma empresa foram criadas em razão da ineficiência
d) tempo de preparação para produzir (SETUP); ou incapacidade da função inicial ou das funções que as
e) excesso de equipamentos, mão-de-obra e estoques. tornaram necessárias. Por exemplo, a inspeção é um ser-
O resultado líquido de se operar um sistema JIT é a viço de produção que não seria necessário se todas as
redução do desperdício, e isso pode ser a diferença entre peças que chegassem à linha de montagem fossem boas e
o sucesso e o fracasso da empresa. Colocado em termos se todas as operações de montagem executadas com es-
simples, o JIT é ter somente o que é necessário, exatamente sas peças fossem feitas corretamente. A tese do JIT é que
quando é necessário. o desempenho melhorado nas funções iniciais de um sis-
Os lucros obtidos com a redução do desperdício são, tema de manufatura – engenharia, produção e vendas –
provavelmente, os mais significativos, na medida em que podem tornar possíveis reduções significativas nos
eles se traduzem em benefícios diretos para a base finan- custos globais. Para reduzir a carga de custos indiretos,
ceira; uma empresa deve:
Uma vez que o desenvolvimento de processos e pro- a) entender por que as atividades que os originaram
dutos de alta qualidade é uma responsabilidade de toda a existem;
empresa, e não somente de uma única área, a palavra b) corrigir quaisquer problemas nas funções iniciais
manufatura inclui todas as funções da empresa (isto é, que tornem essa atividade indireta necessária. Quanto
engenharia, produção, vendas, finanças, controle de qua- menos recursos são dirigidos para funções indiretas, mais
lidade, etc.). recursos são economizados, aumentando o lucro poten-
Para se obter o máximo de benefício de um sistema cial da empresa.
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

de manufatura Just-In-Time, é necessário criar uma nova Além do estágio de projeto, alguns dos elementos dos
mentalidade de gestão empresarial. sistemas de produção que representam oportunidades para
reduzir despesas gerais são:
Os Fabricantes JIT Obtêm uma Vantagem Com- 1. Estoques
petitiva 2. Testes
3. Inspeção
Obter uma vantagem competitiva significa ser mais 4. Retrabalho
eficiente, ter um produto melhor ou fornecer um serviço 5. Expedição
melhor que o dos competidores. A manufatura Just-In- 6. Manuseio de materiais
153
Melhoramento Contínuo manufatura integrados em um sistema global. O JIT não
é uma colcha de retalhos de sistemas; entretanto, ele deve
Muito freqüentemente, as empresas se concentram incorporar aspectos importantes de outros sistemas e fun-
na produção do produto e ignoram os efeitos que o siste- di-los em um sistema sinergístico. Algumas das princi-
ma de manufatura tem na produção e nos custos do mes- pais técnicas de manufatura que exercem influência em
mo. Entretanto, no mundo atual, de intensa competição cima de um sistema JIT são:
internacional, o enfoque somente em cima de “ter o pro- a) sistemas kanban dos japoneses;
duto entregue” é uma abordagem não competitiva. A fi- b) controle total da qualidade;
losofia corporativa que busca uma vantagem competitiva c) controle estatístico do processo;
deve incluir a contínua melhoria do sistema como um dos d) tecnologia de grupo.
seus sustentáculos. A atitude gerencial deve ser “Nossa
missão é a melhoria contínua”, à medida que desenvol- Como o Just-In-Time Relaciona-se com outros
vem as políticas e processos para reduzir os custos de Sistemas de Manufatura
fabricação. Coletivamente, a tarefa gerencial na manufa-
tura JIT consiste em desenvolver ao longo de toda a orga-
O relacionamento de sistemas JIT com outros tipos
nização a consciência de sempre procurar uma oportuni-
de sistemas de manufatura ou de qualidade é sinergístico.
dade de reduzir o desperdício e a ineficiência que este-
jam presentes no sistema de manufatura. Não existe um sistema único que possa atender adequa-
Deve ser dada atenção especial ao desenvolvimento damente a todas as necessidades dentro de uma empresa.
de sistemas internos para o uso eficiente de recursos e na Os sistemas JIT selecionam as técnicas e procedimentos
melhoria contínua de: de vários outros sistemas conseguindo, assim, a melhor
1. projeto de novos produtos tendo em vista o pro- aplicação global.
cesso de manufatura; O sistema Just-In-Time é um desenvolvimento japo-
2. desenvolvimento da participação do empregado na nês, mas alguns dos seus princípios foram concebidos nos
definição e na obtenção das metas globais da empresa; Estados Unidos. Algumas pessoas creditam à Ford Motor
3. simplificação e otimização do processo de Company a primeira empresa ocidental a desenvolver e
manufatura. usar alguns dos conceitos do JIT nas linhas focalizadas dos
primeiros automóveis Ford. Em seu primeiro nível, o JIT é
Compreensão do Cliente uma combinação de produção “puxada” (o kanban japo-
nês), “controle total de qualidade” (EUA) e um compro-
Poucos gerentes ou funcionários consideram a redu- misso de “custos totais para baixo” (japoneses). Os siste-
ção dos custos internos dos clientes como parte de suas mas mais prováveis que podem ser associados ao JIT são:
responsabilidades de trabalho. Entretanto, para o cliente a) sistemas kanban;
(particularmente se ele for um fabricante em regime de b) estoque zero;
OEM), o preço de aquisição não é o custo total de um c) planejamento de necessidades de materiais e
dado produto. Adicionalmente aos custos óbvios, existe planejamento da capacidade de manufatura (MRP e
uma série de custos internos que o cliente deve conside- MRPII)
rar ao usar um componente. Abaixo temos a lista de cin- Sistemas kanban. A palavra kanban significa
co categorias de custos operacionais internos associados “registro visual” e refere-se ao sistema de controle de
ao uso de materiais (adquiridos ou fabricados). Todos os manufatura desenvolvido e usado no Japão. O kanban,
itens (até um certo limite) são resultado da aceitação de ou cartão, como é normalmente chamado, é um meca-
desempenho fraco de um fornecedor. Sob condições
nismo pelo qual um posto de trabalho informa a sua ne-
iguais, um fornecedor que possa reduzir os custos
cessidade de mais peças para a seção precedente. O tipo
operacionais internos de um cliente terá uma vantagem
de sinal usado como kanban não é importante. Cartões,
competitiva.
a) Expedição, recepção, contagem, reembalagem. bolas coloridas, luzes e sistemas eletrônicos têm sido
b) Inspeção, rejeição, devolução. usados como sinais kanban. O único fato que separa o
c) Armazenamento, manuseio de materiais. verdadeiro sistema kanban de outros sistemas de car-
d) Obsolescência, refugo. tão, como as ordens de produção usados na maioria das
e) Garantia e assistência técnica. empresas, é a incorporação do sistema de produção “pu-
Os sistemas JIT encorajam o desenvolvimento de es- xada”. Produção “puxada” refere-se a um sistema de de-
truturas intra e interempresas necessárias para entregar o manda em que os produtos são produzidos somente de
produto diretamente na linha de produção do cliente. Es- acordo com a demanda do setor que os usa.
ses programas de entrega na linha são desenvolvidos para Nota: O Dr. Armand V. Feigenbauen é o criador do
reduzir os custos internos de operação do cliente, forne- termo “controle total de qualidade” e autor de um livro
cendo um produto que possa ser utilizado diretamente na com o mesmo nome.
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

sua linha de produção, e significam que o fabricante al- Nota: O termo “custos totais para baixo” pode ser
cançou o mais alto grau de competência e ganhou a con- relacionado ou derivado de outro termo japonês, gorika,
fiança do cliente em sua capacidade de entregar a quanti- que significa produção “racionalizada, livre de desperdí-
dade e a qualidade planejadas do produto. cios, simplificada”.
Estoque zero. Estoque zero, fortemente divulgado
O Guarda-chuva JIT pela American Pro – and Inventory Control Society
(APICS), define as metas de redução dos níveis de esto-
O Just-In-Time pode muito bem ser representado que para próximo do zero. Muito da filosofia do estoque
como uma filosofia “guarda-chuva”, com subsistemas de zero é compatível com a filosofia e conceitos do JIT.
154
Planejamento das Necessidades de Materiais Apesar do fato de um sistema estruturado de JIT controlar
(MRP). estoques, essa não é a sua principal função. O esforço
somente no controle de estoques não cria um sistema JIT.
É um sistema de planejamento baseado na explosão Entretanto, um sistema de produção “puxada” somente
da estrutura dos produtos, visando controlar as necessi- permite que exista uma pequena quantidade de estoque
dades de materiais. Consiste de um planejamento mestre em um dado ponto do processo de manufatura. Materiais
aberto em suas necessidades de peças individuais (explo- adicionais não podem ser pedidos enquanto não forem
são) e “empurrado” através do ciclo de produção. Duran- necessários. Isso tem como efeito manter baixos os níveis
te muitos anos acreditou-se que o uso de computadores de estoque.
permitiria aos sistemas MRP dominar o campo de siste- Deve-se notar que, a menos que fornecedores e
mas de controle de produção. Entretanto, o sistema MRP clientes estejam ligados em um sistema JIT coordenado,
tem dois grandes obstáculos. Primeiro, ele funciona ba- pode haver um excesso de estoque. Esse estoque serve
seado em um planejamento mestre, feito em função das como segurança, visando a permitir a duas seções
necessidades estimadas dos clientes e, segundo, ele utili- independência funcional.
za um sistema de produção “empurrada”. Os sistemas Um segundo erro de julgamento é que o JIT é um
MRP geram necessidades de materiais baseados na de- método usado pelas áreas de materiais para manter os
manda estimada dos clientes. Prevêem a manufatura de estoques nos depósitos do fornecedor, forçando-o, dessa
grandes lotes, mesmo sabendo que o material pode não
forma, a arcar com o ônus do estoque. Apesar disso acon-
ser necessário. O resultado é que o MRP “empurra” ma-
tecer eventualmente, livrar-se do encargo dos estoques
teriais de uma estação de trabalho para outra, não impor-
não é a intenção de um sistema JIT bem desenvolvido.
tando as necessidades da produção no momento. Alguns
Normalmente, quando isso ocorre, é conseqüência do
autores referem-se ao MRP como “controle de materiais
na embalagem certa” (just-in-case material control). O desconhecimento das duas empresas que não sabem como
resultado desses dois fatores é que o MRP é um sistema trabalhar com o JIT.
que necessita de muitos custos indiretos e excessos de O cliente que permite que um fornecedor armazene
estoques para atender ao plano mestre, que pode mudar materiais não está fazendo qualquer favor a sua empresa.
com freqüência, atendendo a compromissos de planeja- O local onde os bens estão armazenados fisicamente é
mento flexíveis, levando a um grande estoque de materi- irrelevante. Os materiais e recursos necessários para a
ais que fica armazenado quando o plano muda. Adicio- manufatura foram comprometidos. A mão-de-obra,
nalmente, o MRP não contribui na solução do problema despesas gerais, materiais e subcontratantes necessários
básico de melhorar o sistema global de produção. para produzir o material devem ser pagos, não importa
Como resultado de “empurrar” a produção em gran- onde eles estejam. Conseqüentemente, os recursos que
des quantidades, o MRP permite que o estoque fique poderiam ter sido usados para produzir algo necessário
acumulado quando as necessidades de produção mudam. foram dispersados em estoques não produtivos.
Alguns sistemas MRP permitem controle “chão de fábri- Quando os estoques começam a se acumular, os cus-
ca” e fazem ajustes na produção diariamente. Entretanto, tos decorrentes começam a cobrar a sua taxa. O custo de
as enormes quantidades de dados necessárias e geradas manutenção de estoques não está limitado ao valor do
tornam as explosões diárias do planejamento mestre do produto e ao custo do espaço ocupado. Os custos associ-
MRP uma tarefa enorme. ados a estoques são o custo financeiro, o armazenamento
A maioria dos fabricantes ocidentais que está mudan- do material e o seguro de estoques. O menos óbvio, mas
do para o JIT acha que é necessário manter o MRP so- talvez o mais caro, é a perda de flexibilidade que o fabri-
mente para administração dos materiais comprados. Ape- cante experimenta como resultado de materiais estoca-
sar de o processo de pedidos ser baseado em planejamento dos, no que se refere a qualidade, mudanças de projeto
derivado de um processo MRP, os planos de entrega se- ou obsolescência.
rão baseados nas necessidades reais e poderão ser ajusta- A redução dos níveis de estoques diminui o impacto
dos nas entregas diárias pelo uso de um sistema kanban. do custo se algum desses assuntos acima vier a ocorrer.
O planejamento de produção também é controlado por Foi estimado que cerca de 15 a 20 por cento dos custos
meio do uso de um sistema kanban. ligados a materiais são atribuídos a fatores relacionados
com estoques. Será uma significativa contribuição para
Planejamento de Capacidade de Manufatura os lucros de qualquer empresa se os estoques puderem
(MRP II) ser reduzidos. Aspectos adicionais que devem ser
considerados na avaliação de uma política de redução de
É uma extensão do planejamento de necessidades estoques são o uso de estoques de segurança, intermediários
de materiais e usa um banco de dados comum para
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

e de produtos acabados.
fornecer informações de carga de máquina, custos e mão- O terceiro erro de julgamento da lista é que os
de-obra. Para fins de planejamento, esses são recursos
sistemas JIT são programas de controle de qualidade.
valiosos e devem ser mantidos em um sistema JIT.
Nada pode estar mais longe da verdade. O Just-In-Time
é uma filosofia operacional e deve ser tratada como tal.
Os Três Maiores Erros de Julgamento a Respeito
A qualidade do produto é sempre conseqüência do
do JIT
processo de manufatura (isto é, vendas, engenharia,
O maior erro de julgamento a respeito do JIT é achar produção etc.). O velho ditado “A qualidade se faz e não
que ele é um sistema estruturado de controle de estoques. se controla” continua verdadeiro.
155
Para que a manufatura JIT se torne uma realidade, Minimizar os Recursos Dispendidos para
os sistemas de manufatura devem funcionar em níveis Fabricar um Produto
próximos do defeito zero. Essa necessidade torna a
qualidade um assunto chave e inegavelmente uma meta Aloca-se para a confecção de um produto, como
que deve ser atingida antes que a conversão para a elementos básicos, recursos financeiros, equipamento e
manufatura JIT se torne uma consideração séria. mão-de-obra. A maneira como esses elementos são
alocados determina a quantidade requerida de cada um
As Metas da Manufatura Just-In-Time deles. Em um sistema JIT existe uma pressão constante
para se usar o mínimo de recursos. O melhor método
Existem cinco metas básicas associadas a um sistema para desenvolver esse processo é estabelecer uma política
JIT. Essas metas têm a intenção de promover a otimização na empresa sobre o uso dos recursos e então treinar os
de todo o sistema de manufatura, desenvolvendo empregados para questionar constantemente “o que é
políticas, proce-dimentos e atitudes requeridos para ser necessário, e por que é necessário?”.
um fabricante responsável e competitivo. Um forte elemento no desenvolvimento da técnica
Resumidamente, essas metas são: de utilização mínima de recursos é o processo de planejar
a) projetar para otimização da qualidade/custo e adequadamente e com tempo suficiente para tal. Se for
facilidade de fabricação; gasto muito pouco tempo em planejamento, sempre ha-
b) minimizar a quantidade de recursos dispendida verá uma tendência para aumentar o uso de recursos.
no projeto e manufatura de um produto; Existe uma afirmação a respeito das diferenças nas téc-
c) entender e responder às necessidades do cliente; nicas de planejamento entre os administradores japone-
d) desenvolver a confiança e relações abertas com ses e os ocidentais. No Japão, o planejamento do projeto
fornecedores e clientes; ocupa 90 por cento do tempo total, e a implementação
e) desenvolver o comprometimento de melhorar todo ocupa os restantes 10 por cento. Nas empresas ociden-
o sistema de manufatura. tais, o planejamento do projeto ocupa somente 10 por
cento e a implementação ocupa os outros 90 por cento.
O projeto Ótimo para a Fabricação Com efeito, os japoneses estão dizendo que um plane-
jamento completo simplifica e reduz a fase de implemen-
O projeto do produto é a primeira e provavelmente a tação de um projeto. Algumas das tentativas e erros ou
mais importante etapa no desenvolvimento de um produto desajustes podem ser eliminadas com o uso de boas téc-
que seja fabricável. Fabricabilidade significa que um nicas de planejamento.
produto pode ser produzido em um ambiente de produção
com um alto grau de confiança de que o produto final irá Seja Responsável Para com o Cliente
atender aos requisitos de engenharia, padrões de
qualidade e margens de lucro. É responsabilidade do fornecedor desenvolver a
a) Projetar o produto para a finalidade solicitada. capacidade de atender às necessidades do cliente.
b) Simplificar o projeto do produto tanto quanto Ter responsabilidade com o cliente significa também:
possível. (Estimou-se que, tipicamente, somente a) Produzir com qualidade em lotes menores;
20 por cento do projeto de um produto são ditados b) Reduzir os custos de manufatura dos produtos;
por necessidades funcionais e que os outros 80 • reduzir o custo de preparação da produção (set-up);
por cento do projeto são ditados pela preferência • reduzir o custo de retrabalho e refugo.
do projetista.)
c) Projetar n produtos levando em conta facilitar a c) Reduzir o tempo do ciclo de produção.
sua produção/montagem. d) Reduzir a quantidade de estoque de um cliente.
d) Definir os requisitos de produção de modo que os (Alguns clientes e fornecedores consideram necessário
processos usados tenham condições para atender que o fornecedor mantenha um estoque, de modo que
aos padrões de qualidade de partes por milhão possa ser “responsável”. O argumento é que se as regras
(ppm). de redução do ciclo de manufatura e tempo de separação
e) Manter o fornecedor e a produção avisados quanto forem seguidas, a razão para arcar com excesso de
estoques é removida.)
a mudanças que possam afetar as metas de
e) Reduzir os custos internos do cliente.
qualidade, redução de custos e melhoria no
f) Trabalhar junto com a engenharia de projetos em
desempenho do produto.
produtos futuros.
f) Revisar as especificações do fornecedor para
g) Trabalhar junto com a administração do cliente
detectar possíveis reduções de custo para ambas
em sistemas de futuras necessidades.
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

as partes.
Desenvolver a Confiança e Transparência
O processo de projetar para fabricação requer que
os setores de projetos e engenharia trabalhem junto com
O termo confiança é muito usado em sistemas JIT.
o cliente, com a produção e com os fornecedores de peças,
Não significa confiança como “acredite em mim, você
durante a fase de projeto. A meta é produzir um produto
irá gostar”, mas confiança que é obtida pela verdade,
que tenha sido projetado para tirar vantagem dos
honestidade e transparência.
processos de produção e montagem e funcionar de acordo
O Just-In-Time precisa que tanto o fornecedor como
com esses.
o cliente definam metas de longo prazo, visando a
156
benefícios mútuos. O uso de comprometimento de longo Redução do Custo de Materiais
prazo permite o desenvolvimento de relações que irão
conduzir à confiança. As reduções diretas de custo em um sistema de
Em sistemas JIT, um fornecedor deve mostrar materiais JIT são significativas em termos de redução de
capacidade de honrar compromissos e seguir em frente aquisição, recepção, inspeção e custos de armazenagem.
na execução de um contrato. As responsabilidades do As reduções oriundas somente dessas áreas podem
cliente devem ser executadas com o mesmo profissiona- ficar numa faixa de 30 a 50 por cento dos custos opera-
lismo. Se o fornecedor está seguindo um planejamento cionais agregados.
Os custos relacionados com materiais são reduzidos
preciso, o mesmo deve fazer o cliente. Um cliente não
em um sistema JIT de diversas maneiras:
pode esperar que o fornecedor entregue diariamente e, a) Reduzindo o número de fornecedores com os quais
por seu lado, arbitrariamente pagar o fornecedor de a empresa opera.
acordo com a conveniência do fluxo de caixa. b) Desenvolvendo contratos de longo prazo.
c) Eliminando a expedição.
Desenvolver o Comprometimento para Melhorar d) Reduzindo planejamento de pedidos.
todo o Sistema de Manufatura e) Obtendo melhores preços por unidades.
f) Eliminando a necessidade de contagem individual
Os sistemas JIT são estruturados para expor continua- das peças.
mente os problemas de manufatura, para receber e avaliar g) Simplificando os sistemas de recebimento.
as sugestões de melhoria de processos de seus empregados. h) Eliminando inspeção de recebimento.
É responsa-bilidade gerencial encorajar e apoiar. Muito i) Eliminando maior parte da reembalagem.
freqüentemente, gerentes ocupados permitem que j) Eliminando os desarranjos causados por grandes
problemas conhecidos ocorram e aumentem porque esses lotes.
problemas não são considerados importantes ou porque k) Eliminando a armazenagem dos estoques.
não têm tempo suficiente para resolvê-los. Sob um sistema l) Eliminando o excesso de materiais refugados.
JIT, investigar e remover sistematicamente as deficiências
no sistema de manufatura torna-se parte integrante do Reduzindo Custos de Produção
processo.
Existem duas coisas para se fazer um trabalho A função produção inclui atividades de engenharia
corretamente. Primeiro, o planejamento do projeto. (tanto de projeto como de produção), produção e controle
Planejamento apropriado e intensivo é necessário para de qualidade. Em sistemas JIT, a engenharia, a produção,
que o projeto seja levado ao seu término. Normalmente, o controle de qualidade e os fornecedores interagem mais
o responsável por defeitos de manufatura é o sistema de no projeto de produtos visando à fabricação. Isso é
produção. Não se pode esperar que os operadores do verdadeiro tanto no nível de componentes como no de
sistema compensem um sistema operacional inadequado. montagem. Os produtos que são projetados, tendo em
Em segundo lugar, permite que as pessoas possam parar vista a facilidade de fabricação, têm uma chance melhor
a produção no evento da ocorrência de um problema. de trazer lucro durante o seu ciclo de vida.
Essa abordagem permite a correção do problema antes Otimizar o processo de produção para obter a meta de
que muitas unidades defeituosas tenham sido produzidas nível de qualidade de 100 por cento, resulta em redução
e fecha o ciclo da contínua melhoria do processo. dos custos internos de inspeção, retrabalho e teste. Soma-se
A manufatura Just-In-Time é baseada no princípio de a isso a vantagem da redução de custos externos para
se fazer os trabalhos sempre de forma correta. Não é mais serviços de assistência técnica e reparos de garantia.
difícil fazer as coisas direito em 98 de cada 100 vezes. Adicionalmente às reduções acima, existem econo-
Entretanto, é difícil desenvolver um sistema de manufatura mias a serem obtidas em outras áreas mais obscuras que
que seja capaz de produzir sempre um bom produto. Os coletivamente integram os custos da qualidade. Esse é um
sistemas de manufatura devem incluir elementos termo usado por perito do controle de qualidade para se
projetados para expor e remover a causa dos problemas referir às despesas incorridas e receitas perdidas com re-
que provocam a produção do material defeituoso. É sultados de qualidade menores que 100 por cento em qual-
inquestionável que existe uma considerável vantagem de quer material ou atividade. Dessa forma, o custo da quali-
custo na eliminação do refugo, retrabalho e perdas de pro- dade incluiria itens como o funcionamento de seções de
dução, associados à necessidade de parar e consertar um conserto, refugos internos e retrabalho, parada de linha,
processo que esteja produzindo peças defeituosas. vendas perdidas e perda de reputação do fornecedor.
Nota: (retrabalho) Seções de conserto são áreas onde
os materiais com defeitos são retidos esperando uma
As Vantagens da Manufatura Just-In-Time
solução.
O custo da qualidade pode representar mais do que 15
Os sistemas Just-In-Time desenvolvem redução de a 25 por cento do faturamento da empresa. Se uma parte do
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

custo em todas as áreas da manufatura. Para esta discussão, dinheiro perdido como custo de qualidade for usado para
o sistema de manufatura será aberto em três seções: evitar falhas na qualidade, estima-se que o retorno na forma
a) Materiais. Inclui o fornecedor, o sistema de de economias de longo prazo será múltiplo da quantia
aquisição e as atividades de controle de qualidade do investida na prevenção de problemas de qualidade.
fornecedor.
b) Produção. Inclui engenharia de projeto, produção Redução do Custo nas Vendas
e montagem, engenharia de produção e atividades
internas de controle de qualidade. As economias obtidas por vendas como resultado de
c) Vendas. Inclui a base de cliente e serviços de se usar o JIT vêm na forma de estabilização do plano
assistência técnica.
157
mestre e redução das sobreposições de sistemas (como aumentado; os materiais são agora o maior fator unitário
inspeção e teste) entre o fabricante e o cliente. Quanto nos custos totais de manufatura para algumas empresas.
mais clientes JIT o departamento de vendas puder Nas indústrias mais técnicas, o custo da matéria pode
estabelecer, tanto mais a empresa poderá otimizar os seus variar de 60 a 90 por cento do custo total de manufatura.
próprios recursos. Com até 90 por cento do custo total em matéria-prima, é
Os clientes que possuem uma necessidade de fácil verificar o impacto que o custo de materiais e a qua-
produtos mais estáveis, por seu lado, também serão lidade terão na lucratividade.
fabricantes JIT. Pela natureza de seu próprio sistema Nota: Para os propósitos deste assunto, matéria-prima
operacional, o cliente JIT irá precisar de fornecedores será vista como qualquer material adquirido, de chapas a
que aceitem as responsabilidades de comprometimento subconjuntos (peças).
de longo prazo. A meta do departamento de vendas torna- Nota: Nem todas as empresas têm altos custos de materi-
se então o desenvolvimento de uma base de clientes JIT. ais. Algumas, como os fabricantes de semicondutores ou
máquinas ferramentas, têm altos custos de mão-de-obra.
Os Atuais Sistemas de Administração Em tais casos, os sistemas JIT internos são mais impor-
tantes e a matéria-prima fica numa posição secundária.
Os executivos se vêem à frente de uma gama variada A alteração na escolha fazer/comprar numa percenta-
de assuntos desde responsabilidade social até ética em gem maior de decisões por comprar é em parte devido
relação à produtividade e lucratividade de uma empresa. aos maiores níveis de tecnologia necessários para confec-
Entretanto, a realidade é que o desempenho de um cionar um produto. À medida que os custos de tecnologia
executivo ou gerente é baseado em resultados de curto aumentam, as empresas são forçadas a concentrar os seus
prazo. A eficiência com que um executivo manuseia os recursos financeiros em segmentos específicos, a fim de
fatores sociais e de produtividade determina o seu nível permanecerem competitivas.
de sucesso nos negócios. A gerência irá manter os
compromissos do mês? A empresa irá obter lucros no Nível de Qualidade no Mercado Mundial como
trimestre? Em alguns casos, a realidade pode ser que se Referência
não houver lucros este ano, poderá não haver no ano
seguinte. Dessa forma, os gerentes são encorajados a As grandes corporações fizeram o nível de referên-
enfocar assuntos que irão ter um impacto direto e cia da qualidade e desempenho de vendas no mercado
assegurar lucros de curto prazo. mundial durante algum tempo. Empresas de utilização
Lucros de curto prazo são freqüentemente o resultado de mão-de-obra intensiva, como as da indústria eletrô-
de decisões que resolvem ou escondem os problemas nica, produziram no exterior durante 10 a 15 anos para
atuais, mas não levam em conta que o custo da qualidade tirar proveito dos menores custos de mão-de-obra. En-
pode representar mais do que 15 a 25 por cento do tretanto, faz somente uns poucos anos que o nível de re-
faturamento da empresa. Se uma parte do dinheiro ferência da qualidade no mercado mundial ganhou po-
perdido como custo de qualidade for usado para evitar pularidade nas corporações americanas.
falhas na qualidade, estima-se que o retorno na forma de A penetração nos mercados americanos não se limitou
economias de longo prazo será múltiplo da quantia aos japoneses. Muitos dos países do Pacífico estão
investida na prevenção de problemas de qualidade. participando como fornecedores de empresas americanas.
Decisões baseadas no enfoque de curto prazo geral- Os custos de mão-de-obra no Japão estão começando a se
mente não levam a soluções permanentes, de modo que tornar iguais aos americanos. Dessa forma, ir para o Japão
soluções para contornar os mesmos problemas precisam estritamente por causa dos custos está se tornando menos
ser utilizadas com freqüência a fim de manter o controle. atrativo. A força dos fabricantes japoneses está no valor
A implantação de medidas que enfocam a melhoria de do produto e no desempenho. Os países que estão
desempenho descobrindo e eliminando as deficiências e competindo com o Japão em mão-de-obra são Cingapura,
ineficiências do sistema é a abordagem que irá ter os maiores Hong Kong, Taiwan, Coréia e China. Quase todos os tipos
efeitos a longo prazo. Melhorar a eficiência da produção de mercadorias podem ser adquiridos desses países de 15
implica usar menos materiais, menos mão-de-obra e reduzir a 35 por cento abaixo dos preços da maioria dos fabricantes
as tarefas indiretas para obter o mesmo resultado. americanos. A lista inclui mercadorias como equipamentos
Adicionalmente, melhorias na eficiência ou qualidade de computação, estamparias, plásticos injetados ou
tendem a reduzir os custos em mais de uma área ao mesmo moldados, fundidos, molas, etiquetas e muitos outros.
tempo. Por exemplo, mudar o projeto de um produto para
torná-la menos complexo não somente irá melhorar o Quem Vence com o Just-In-Time?
custo de produção das peças como também irá reduzir a
inspeção e o tempo de montagem. Da mesma forma que O Just-In-Time é definitivamente um programa
a chance de falhas em componentes e no produto como ganha/ganha tanto para o cliente como para o fornecedor.
um todo é reduzida, a reposição e o tempo de teste também Qualquer programa que resolva de modo transparente os
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

serão reduzidos. problemas de duplicidade do sistema operacional e da


falta de confiança irá reduzir os custos operacionais tanto
O Maior Fator Unitário no Custo do Produto para o cliente como para o fornecedor.
Quando se desenvolve uma relação cliente-fornece-
A tendência atual em muitas indústrias, e certamente dor que permite depender do fornecimento de um produto
na indústria eletrônica, é ser menos integrada verticalmen- sem os controles internos normais, proporciona-se ao cli-
te, adquirindo maior quantidade de subconjuntos de for- ente uma economia substancial de custos de auditagem,
necedores. Dessa forma, a percentagem de custo do pro- avaliação e estocagem. Os fornecedores que puderem
duto alocado para aquisição de materiais ou serviços tem reduzir as taxas internas de refugo e retrabalho irão con-
158
seguir economias substanciais nos custos de produção. Conjeturava-se, no passado, o quanto a cultura exercia
É de se esperar que essas economias sejam passadas para um papel no desenvolvimento de relações profundas
o cliente. Quando duas empresas dentro deste espírito necessárias para se ter sistemas JIT bem-sucedidos. Na maioria
trabalham juntas, ambas irão economizar de acordo com das vezes, essa questão tem sido respondida com: “Não
a confiança que desenvolveram e a responsabilidade que existem segredos ou necessidades especiais para se
elas depositaram em: desenvolver filosofias JIT; tudo o que é necessário é dedicação
a) Quanto mais clientes e fornecedores possam ser para se fazer o trabalho corretamente todas as vezes”.
incorporados em um sistema JIT, maiores as economias
que podem ser compartilhadas. LOGÍSTICA
b) Tanto o cliente como os fornecedores podem
compartilhar a redução de custos operacionais de Conceituando Logística
programas de entrega na linha de montagem.
c) Tanto o cliente como os fornecedores podem com- Conforme a origem da palavra, logística, do francês
partilhar a redução de custos operacionais decorrentes “logistique” (fins do século XVIII, reinado de Luis XIV,
de contratos JIT. havia o posto de “Marechal – General de logis” respon-
sável pelo suprimento e transporte de material bélico),
Conclusão
tem seu significado relacionado a “parte da arte da Guer-
ra referente ao projeto, desenvolvimento, obtenção,
Não é fácil selecionar um setor em uma empresa e
armazenamento, transporte, distribuição, manutenção e
dizer que o JIT pode ser incorporado sem considerar o
evacuação de material (para fins operativos ou admi-
processo de manufatura como um todo. Em primeiro
nistrativos)”. Observando essas funções, verificamos que
lugar, não há razão para se ter um programa de fornecedor
são inerentes àquela das atividades da Administração de
JIT sem produção JIT, ou produção JIT sem vendas JIT.
Material, com um apoio maior à distribuição, transpor-
Um sistema de controle de produção puxado não pode
tes, retiradas de materiais, etc.
se alimentar de um sistema de produção empurrado. O
resultado de tentar fornecer para um cliente com entregas
Definição (Enfoque “Materiais”)
JIT sem usar o JIT na produção é um excesso de estoque
que não é usado e uma falta de produtos que não é
planejada. Logística pode ser definida como sendo a administração
A manufatura JIT não pode existir sem matérias-primas e a operação dos sistemas físicos, informacionais e gerenciais
de qualidade. A falta de peças ou baixa qualidade de materiais necessários para que insumos e produtos superem as
resulta em perdas de produção não recuperáveis. barreiras espaciais e temporais de forma econômica.
Algumas técnicas do JIT podem ser usadas durante
um programa inicial. Entretanto, para ter um completo a) Aspectos Físicos
sistema de manufatura JIT, é preciso um comprometi- • Armazém
mento empresarial (total da empresa). No modo de manu- • Equipamentos
fatura JIT, os materiais apropriados, as pessoas e os equi- • Veículos
pamentos devem estar disponíveis quando necessários.
Como se pode verificar agora, as necessidades e téc- b) Aspectos Informacionais
nicas para desenvolver um sistema JIT descritas aqui • Processamento de Dados
aplicam-se da mesma forma a qualquer área da empresa. • Tele–informática
O uso do JIT no âmbito da empresa deve ser esperado e
encorajado. À medida que se descobrem aplicações bem- c) Aspectos Gerenciais
• Processos de Controle
sucedidas, irão emergir novas idéias a respeito de como
• Mão-de-obra
aplicar os princípios do JIT. Adicionalmente, as políti-
cas e procedimentos desenvolvidos junto com um siste-
Sua missão é responder a:
ma JIT interno devem ser estendidos para os clientes e
fornecedores até que todas as duplicidades de esforços e O QUE COMPRAR
desperdícios tenham sido removidas. Não é difícil ima-
ginar um fornecedor produzindo uma peça no dia anteri- QUANTO SUPRIR MATERIAIS
or ao qual ela será necessária, entregando-a diretamente
na linha de produção do cliente no dia em que será ne- QUANDO TRANSPORTAR PRODUTOS
cessária, e o fabricante montando ou processando a peça
e entregando o produto pronto para o usuário final no ONDE ARMAZENAR
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

término do ciclo de produção (no dia que ele precisa dela).


Dessa forma, os fabricantes, fornecedores e clientes tor- COMO ATENDER A DEMANDA
nam-se uma extensão única do processo de produção.
As regras dos padrões de produtividade mudaram e, Uma outra definição (mais clássica) seria:
a fim de se manter competitivo nos dias de hoje, cada “(Logística) ...é o termo que define a integração de
empresa deve estar aberta a essa mudança. Os japoneses duas ou mais atividades para planejar, implantar e
desenvolveram sistemas JIT tão afinados que a produção controlar o fluxo eficiente de insumos, estoque em
e as entregas diárias são rotinas e padrões de desempenho processo e produtos acabados a partir do seu ponto de
esperados. origem até o ponto de seu consumo.
159
Essas atividades incluem, entre outras, o nível de ser- b) Administração de Materiais, incluindo o mesmo
viço oferecido ao cliente, a previsão de demanda, a rede conjunto anterior de atividades, orientadas, porém, ao
de comunicações de distribuição, o controle de estoques, suprimento de matérias-primas e componentes e à
a manipulação de materiais, o processamento de pedidos, programação das atividades de produção.
a rede de suporte de peças e serviços, a localização de Essa divisão pode ser visualizada na Figura a seguir:
fábricas e depósitos, o suprimento, a embalagem, o manu-
seio de retornos, a disposição de refugos e restos, o trans- ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS
porte e a armazenagem dos estoques. (National Council
of Physical Distribution Management, 1979)
A Logística não se constitui um processo com fim Estoques
em si próprio, por isso, para a operação adequada dos
processos logísticos, torna-se necessária a utilização de matéria-
diversas disciplinas, que auxiliará no desenvolvimento prima
Estoques
Compras Produção Distri-
da Cadeia de Suprimentos, tais como: Fornecedores
Produtos
Elaborados
buição Consu-
midores
Movimentação de Materiais, Pesquisa Operacional, Materiais
Diversos
Teoria da Localização, Informática, Economia dos
Transportes, Planejamento e Controle da Produção, Rede
PERT / CPM, Gráfico de Gantt, Gestão de Estoques. Material
Técnico
Além disso, a Logística tem interfaces com diversas
áreas da empresa, ou seja, além de usar conhecimento de
Administração de Materiais Distribuição Física
diferentes disciplinas, também interfere (e é sujeita às)
Administração de Materiais
nas atividades de outras partes da organização. (Logística)

INFORMÁTICA PRODUÇÃO
* Contabilidade Fiscal * PPCP Ainda que existam muitas e importantes diferenças
* Pessoal
* CAD / Engenharia
* Controle da Qualidade
* Manutenção
operacionais entre Administração de Materiais e Distri-
* Tempos, Métodos e Processos buição, é interessante observar que os princípios básicos
* Compras e
para o projeto dos sistemas administrativos e de informa-
* Controle de Estoques
* Faturamento Suprimentos ções e para a avaliação do desempenho são os mesmos.
* Teleprocessamento * Localização de
* Manifestos / Roteiros centros Porém, a separação entre essas duas áreas adminis-
* Estoque em
processo trativas pode ser justificada, ainda na atualidade, com
* Programação de
atividades
base em limitações inerentes aos sistemas de informações
* Tamanho de lote disponíveis e, também, nas próprias peculiaridades
estratégicas e operacionais da empresa e seu mercado.
LOGÍSTICA É importante lembrar, porém, que o entendimento
(COORDENAÇÃO)
do conceito logístico integrado é importante, pelas
seguintes razões:
* Nível de Serviço /
Prazos
* Estoques (Giro) a) Existe, na maioria das empresas, uma grande
* Fluxo de Caixa
* Canal de Distribuição * Controle de Custos interdepen-dência operacional, com a utilização de
* Política de Preços
* Embalagem recursos comuns (e freqüentemente duplicados) entre
essas duas atividades.
* Pesquisas de Opinião
* Política de Promoções * Carteira de Investimentos b) Do ponto de vista da gestão estratégica da
* Tesouraria
* Portfolio de Produtos
* Contabilidade
empresa, é importante uma grande coordenação entre os
* Vendas
MARKETING FINANÇAS dois tipos de movimentações físicas dentro da empresa
(de matérias-primas e de produtos acabados). Essa
coordenação (logística) é obtida em muitos casos de
forma mais eficientemente, se é possível uma condução
ALGUMAS INTERFACES DA LOGÍSTICA COM ATIVIDA- única, aproveitando os efeitos sinergéticos latentes.
DES DE OUTRAS ÁREAS
LOGÍSTICA EMPRESARIAL
Uma Definição da Visão Logística

As funções logísticas são o conjunto de atividades


orientadas à administração estratégica da movimentação
e armazenamento das matérias-primas, peças, componen-
SUPRIMENTO DISTRIBUIÇÃO
tes, sobressalentes e produtos acabados, dos fornecedo- (ADM. DE MATERIAIS) FÍSICA
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

res, até os consumidores, passando através das instala-


ções e da estrutura da empresa.
Tradicionalmente, essas atividades logísticas estão
divididas em dois setores diferenciados:
a) Distribuição, consistente na movimentação eficien-
te dos produtos acabados do fim da linha de produção até o
consumidor. Essas atividades incluem transporte, estocagem, • Transporte • Transporte
manuseio, conservação, controle físico e contábil, localiza- • Estoque • Estoque
ção de depósitos, processamento de pedidos, previsões do • Processamento • Processamento
mercado consumidor e assistência ao comprador. de pedido de pedido
160
• Compras • Programação de entregas c) Compras / Suprimento
• Embalagem • Embalagem protetora • seleção de fornecedores
• Armazenagem • Armazenagem • programação de compras
• Manuseio • Manuseio • lotes de compra
• Comunicações / • Comunicações /
Informações Informações d) Embalagem protetora
• manuseio
ATIVIDADES LOGÍSTICAS EM UMA EMPRESA • armazenagem
• proteção de perdas e danos
A logística exerce a função de responder por toda a
movimentação de materiais, dentro do ambiente interno e) Programação de produção
e externo da empresa, iniciando pela chegada da matéria- • especificar lotes de produção
prima até a entrega do produto final ao cliente. Suas • seqüenciação da produção
atividades podem ser divididas da seguinte forma:
f) Informações
Atividades Logísticas (Principais) • coleta, armazenagem e manipulação de informações
• análise de dados
São atividades essenciais para o cumprimento da • procedimentos de controle
função logística e contribuem com o maior montante do
custo total da logística: Fluxo de Informações
a) Padrões de nível de serviço Existem dois fluxos importantes no sistema e
• determinar necessidades dos clientes e serviço ambiente logístico:
logístico requerido • fluxo físico
• determinar curva de resposta do cliente ao serviço • fluxo de informações
efetuado
• definir os padrões de nível de serviço Esses fluxos ligam consumidores e fornecedores, sendo
que a empresa faz a “tradução” entre os dois mercados
b) Transportes
• seleção de modo e serviço de transporte Clientes e Mercado Consumidor
• consolidação
• roteiro F
• programação de veículos PROCESSAMENTO
l
u
PREVISÃO DE PEDIDOS x
F DISTRIBUIÇÃO o
c) Gestão de Estoques l FÍSICA
u
• políticas de estoque de insumos e produtos x d
e
o PLANEJAMENTO DE OPERAÇÕES
• análise da previsão de vendas no curto prazo
F
• mix de produtos nos pontos de estoque í
NÃO - PRODUÇÃO PRODUÇÃO I
n
s
• quantidade, dimensão e localização de pontos de i
TRANSFERÊNCIA
INTERNA
f
OBTENÇÃO DE o
estoque c
o PRODUTOS
MRP r
m
• estratégia tipo push ou pull a
ç
õ
SUPRIMENTO OBTENÇÃO PROGRAMAÇÃO e
d) Processamento de pedidos DE INSUMOS DA PRODUÇÃO s

• procedimentos de ligação estoque – pedido de


venda
• métodos de transmissão das informações de Fornecedores e Mercado de Insumos
pedidos
• regras de formação de pedidos
SUBSISTEMA LOGÍSTICO DA EMPRESA E AMBIENTE
Atividades Logísticas (Outras) PRÓXIMO
São atividades que exercem a função de apoio às INDICADORES LOGÍSTICOS
atividades principais na obtenção dos níveis de bens e
serviços requisitados pelos clientes: Os indicadores de desempenho utilizados pela logística
servem para medir o desempenho físico e econômico de
a) Armazenagem um processo. É a medida de capacidade de um processo
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

• necessidade de área produzir consistentemente conforme requerido pelo cliente,


• layout do armazém na quantidade, qualidade e no tempo previsto.
• localização do estoque A confiabilidade do processo é importante pelas
seguintes razões:
b) Manuseio a) Mede a capacidade do processo em produzir
• seleção de equipamento consis-tentemente conforme a demanda;
• política de reposição de equipamento b) Identifica as perdas, isto é, a capacidade perdida e
• procedimentos de retirada por pedido as ineficiências operacionais, categorizando os diversos
• colocação e recuperação do estoque tipos de perdas;
161
c) Permite o acompanhamento do processo, permitin- Postergação de Montagem:
do gerenciar as metas/real; • Manter produto em estado neutro tanto quanto
d) Permite a identificação de responsabilidade, caso possível potencial para atender diferentes requi-
o processo demonstre um desempenho não compatível sitos de clientes.
com os níveis estabelecidos. • Pode usar depósitos para executar tarefas indus-
• Gráfico de controle: tem como objetivo permitir triais simples.
a fácil visualização do desempenho de um
processo dentro de um sistema logístico. Postergação de Transporte:
• Produtos acabados apenas em poucas facilidades
centrais até pedido ser realizado pelo consumi-
EXEMPLOS DE INDICADORES DE DESEMPENHO dor; uma vez iniciado processo logístico, a entre-
LOGÍSTICOS ga é feita por sistema direto.
• Baseado em sistema de informações logístico ca-
CLASSE MEDIDA paz de transmitir pedidos com alta precisão e ve-
Nível de Disponibilidade (% de pedidos atendidos do estoque locidade.
Serviço primário) • Conforme o caso, posterga-se a fabricação do pro-
duto até chegada de pedido.
Proporção de pedidos entregues em 48 horas (%)
• Exemplo: sistema EDI + entrega rápida; esquemas
Tempo médio de processamento interorganizacionais: Sears + Whirlpool = tempo
Processa- Proporção de pedidos processados em 24 horas (%) de resposta para entrega de geladeiras de 5 dias.
mento do Homens/Hora por pedido (HH/Pedido)
Pedido Custos de proc. do pedido pela quant. total de pedidos Consolidação de Carga: É a técnica de otimização
do transporte visando unicamente à diminuição do custo
processados ($/Pedido)
total logístico de transporte; consiste em “puxar” os pro-
Rotação do estoque dutos dos fornecedores para um local que consolida e,
Estoques
Proporção de estoque obsoleto (%) então, movimentá-lo até o cliente final. Esse tipo de ar-
Proporção de espaço utilizado (%) mazém pode ter objetivo somente de consolidação sem
Armazena- manter nenhum estoque.
Tonelagem por homens/hora (T/HH)
gem • Conseguir economia de escala em transporte;
Custos do frete como porcentagem dos custos de • Consolidar por área geográfica;
Transporte •Entrega consolidada em local intermediário e pos-
suprimento (%)
terior distribuição;
Custos de danos e extravios como porcentagem dos
• Segurar entregas até surgir volume mínimo;
custos de frete (%) • Juntar-se a outras empresas e formar um pool;
Disponibilidade (% do tempo total teórico) • Distribuição programada;
Equipa- • Limitar entrega a dias predeterminados;
MTBF (Tempo médio entre falhas)
mento
MTTR (Tempo médio para reparo)
• Pool de empresas para distribuição;
• Há limites para consolidação: última fase pode
ser justamente a entrega de carga parcelada.
Distribuição Física Localização de Depósitos
A logística de distribuição trata das relações empre- Uma rede logística pode ser uma interação complexa
sa-cliente-consumidor, sendo responsável pela distribui- dos pontos de fornecimento, estocagem e demanda final.
ção física de matéria- prima, produto em processo e pro- As decisões sobre localização envolvem dois níveis
duto acabado até o ponto de seu consumo e deve assegu- de pensamento. Primeiro, uma localização geral precisa
rar que os pedidos sejam pontualmente entregues, preci- ser determinada com base nas considerações de custo e
sos e completos. serviço. Em seguida, isso pode ter um ajuste fino utilizan-
Distribuição física é fazer o produto chegar aos do seleção de locais dentro da área geralmente definida.
consumidores, isto é, ligar a empresa aos seus clientes. São variáveis intrínsecas a um problema de locali-
Objetivo do Sistema de Distribuição Física zação as questões relativas a:
Prover o nível de serviço estrategicamente definido • Número de depósitos
ao mínimo custo total. • Local geográfico
Conceitos Estratégicos da Distribuição (Bowersox, • Dimensionamento
1986): A decisão é baseada em critérios:
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

a) Postergação • Qualitativos
b) Consolidação de carga • Quantitativos
c) Roteirização Critérios qualitativos: São utilizados quando as va-
riáveis são de difícil quantificação e o não cumprimento
Postergação: Minimizar riscos da estocagem de pro- de um critério pode desqualificar uma alternativa de qua-
dutos acabados. Produzir ou transportar o produto de lificação.
acordo com o planejamento logístico, podendo incluir o Muitos critérios qualitativos relacionam-se com ques-
retardamento da produção e/ou transporte, em atendi- tões ambientais que geralmente podem ser feitas em for-
mento à estratégia traçada no canal logístico. ma de perguntas, tais como:
162
• Existe mão-de-obra qualificada e em quantidade Teoria Neoclássica da Administração
suficiente?
• Mercado de transporte pode suprir as necessida- A Teoria Neoclássica da Administração representa o
des? ressurgimento das Teorias Clássica e Científica de Ad-
• Existe infra-estrutura de transportes? ministração, retomando diversos dos assuntos aborda-
• Existe infra-estrutura urbana e de serviços (tele- dos por essas teorias, aplicando novos pontos de vista,
comunicações, bancos, manutenção, hospitais, novas abordagens, ampliando o campo de atuação do
restaurantes, etc.) ? administrador, e consolidando assim essa ciência. Os te-
mas abordados pelas abordagens clássica e neoclássica
• Há disponibilidade no que tange a utilidades e
ainda são considerados de extrema importância até os
energia?
dias de hoje, ressalvando-se a flexibilidade e a volatili-
• Existem terrenos disponíveis? dade exigidas pelo meio ambiente e pela tecnologia.
• O mercado de construção civil é adequado? Características Principais da Teoria Neoclássica
• Existem facilidades para alugar? As principais características básicas da Teoria
• Como é a topologia dos mercados de fornecedo- Neoclássica são as seguintes:
res e de consumo? 1. Ênfase na prática da administração.
2. Reafirmação dos postulados clássicos.
Muitas vezes, a avaliação desses critérios já oferece 3. Ênfase nos princípios gerais de administração.
um conjunto de alternativas de localização bastante “en- 4. Ênfase nos objetivos e nos resultados.
xutas”. 5. Ecletismo.
Critérios quantitativos: São tomadas decisões base-
adas em informações relativas a clientes e fornecedores; Ênfase na Prática da Administração
incluem-se a essas, a demanda por produtos, as neces-
sidades de insumos para o processo fabril e as distâncias A Teoria Neoclássica caracteriza-se por uma forte
e tempos em relação ao mercado fornecedor e consu- ênfase nos aspectos práticos da administração, pelo
midor. pragmatismo e pela busca de resultados concretos e pal-
páveis, muito embora não se tenha descurado dos concei-
tos teóricos da administração. Os autores neoclássicos
• Utiliza-se modelos matemáticos para a determi-
buscam desenvolver os seus conceitos de forma prática e
nação dos locais: conhecimento de pesquisa opera-
utilizável, visando principalmente à ação administrativa.
cional e uso de computadores são requisitos bá- A teoria só tem valor quando operacionalizada na prática.
sicos;
• Existem diversos modelos de otimização, em que Reafirmação Relativa dos Postulados Clássicos
o objetivo é minimizar o custo total;
• Em muitos desses modelos, algumas parcelas de A Teoria Neoclássica é quase como que uma reação
custo não são levadas em conta explicitamente, à enorme influência das ciências do comportamento no
devendo ser agregadas exogenamente aos custos campo da Administração em detrimento dos aspectos
calculados pelos modelos para a avaliação das econômicos e concretos que envolvem o comportamen-
alternativas; to das organizações. E, para tanto, retomam grande parte
• O nível de serviço geralmente é considerado como do material desenvolvido pela Teoria Clássica, redimen-
restrição; por exemplo, tempo ou distância máxi- sionando-o e reestruturando-o de acordo com as contin-
ma do depósito ao fornecedor; gências da época atual, dando-lhe uma configuração mais
• Normalmente trabalha-se com produtos agregados, ampla e flexível.
não item a item (pela própria natureza da decisão);
• O modo de transporte pode ser uma variável, pois Ênfase nos Princípios Gerais de Administração
os custos dos diversos modos podem ser deter-
minados. Os Princípios de Administração que os clássicos uti-
lizavam como leis científicas são retomados pelos
neoclássicos como critérios mais ou menos elásticos para
PROCESSO ORGANIZACIONAL: PLANEJAMENTO, DI- a busca de soluções administrativas práticas. Os admi-
REÇÃO, COMUNICAÇÃO, CONTROLE E AVALIAÇÃO nistradores são essenciais a qualquer empresa dinâmica
e bem-sucedida. São homens que devem planejar, dirigir
Apesar de toda influência das ciências do comporta- e controlar as operações do negócio. Os aspectos bási-
mento sobre a teoria administrativa, os pontos de vista cos da administração são comuns a qualquer tipo de
dos autores clássicos nunca deixaram de subsistir. empreendimento humano.
Malgrado toda a crítica aos postulados clássicos e aos Como quase todos os autores da Teoria Clássica, os
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

novos enfoques da organização, verifica-se que os prin- Neoclássicos também se preocupam em estabelecer os
cípios de administração, a departamentalização, a racio- princípios gerais de administração capazes de orientar o
nalização do trabalho, a estruturação linear ou funcio- administrador no desenvolvimento de suas funções. Es-
nal, enfim, a abordagem clássica, nunca fora totalmente ses princípios gerais, apresentados de forma e conteúdos
substituída por outra abordagem, sem que alguma coisa variados por parte dos autores, procuram definir a ma-
fosse mantida. Todas as teorias administrativas se assen- neira pela qual o administrador deve planejar, organizar,
taram na Teoria Clássica, seja como ponto de partida, dirigir e controlar o trabalho de seus subordinados.
seja como crítica para tentar uma posição diferente, mas Os princípios têm um papel na Administração equi-
a ela relacionada intimamente. valente ao das leis nas ciências físicas, pois visam de-