Você está na página 1de 28

Características dos

movimentos próximos da
superfície da Terra
Introdução
Tudo à nossa volta está em movimento, desde as mais
pequenas partículas (átomos) até aos mais gigantescas (planetas e
galáxias).
Normalmente pouco ligamos a este conceito. Desde pequenos
que temos a percepção do que é o movimento e nunca sentimos
necessidade de o definir até agora, que o estamos a estudar. Neste
trabalho pretende-se estudar os movimentos próximos da superfície
da Terra, tendo como base os estudos de alguns célebres físicos.
Quando é que um corpo se
encontra em movimento?
Um corpo encontra-se em movimento se
a sua posição variar no tempo
relativamente a um determinado
referencial.

No entanto, estudar o movimento de um


sistema implica estudar o movimento de
todas as partículas que o constituem.
Modelo da
Partícula Material
• Centro de massa - assim um sistema é
reduzido a um só ponto;
• Este modelo é válido quando:
– Os sistemas são sólidos em movimento de
translação;
– A variação da sua energia potencial interna é
nula;
– A sua variação de energia interna é zero ou
próxima de zero.
O que são movimentos
próximos da superfície da
Terra?
• São movimentos que ocorrem a uma
distância muito inferior da superfície da
Terra em relação ao raio da planeta.
dsolo<<rTerra
Força Gravítica / Aceleração da
Gravidade na Terra
• Fg = G x m 1 x m 2

• Fg = G x m1 x mTerra
R²Terra
• Fg = P P = m1 x g

• g ≈ 9,8 m/s²
Movimentos rectilíneos num plano
horizontal
Um movimento sobre o plano horizontal depende da
resultante das forças que actuam no corpo. Se:

– Fr = 0 -resultante das forças é nula pois a aceleração é também nula


então o movimento é considerado movimento rectilíneo e uniforme.

– Fr > 0 – resultante das forças é positiva pois a aceleração é positiva, então o


movimento é considerado movimento rectilíneo e acelerado.

– Fr < 0 – resultante das forças é negativa pois a aceleração é negativa, então


o movimento é considerado movimento rectilíneo e retardado.
Equações gerais dos
movimentos
Movimento rectilíneo uniformemente variado:

• Partindo da 2ª Lei de Newton :


  ∆v v − v0
F = a×m e a= ⇔a= e se t0 = 0
∆t t − t0
Então…
v − v0
a= ⇔ a × t = v − v0 ⇔ v = at + v0
t

EQUAÇÃO DAS VELOCIDADES


Equações gerais dos movimentos

Movimento rectilíneo uniformemente variado:

O deslocamento escalar é numericamente igual à área do gráfico


velocidade-tempo:
B +b vo + v
A= × h ⇔ A = ∆x ⇔ ∆x = ×t
2 2
E, como já tínhamos visto: v = at + v0

v0 + (at + v0 ) 2v0 + at
∆x = × t ⇔ ∆x = ×t
2 2

2
2v0 at 1 2
∆x = + ⇔ ∆x = v0 + at
2 2 2
Equações gerais dos movimentos

Movimento rectilíneo uniformemente variado:

1 2
∆x = v0 + at
2
Mas:
1 2
∆x = x − x0 ⇒ x − x0 = v0 + at
2

1 2
x = x0 + v0 + at
2
Equação das posições
Equações gerais dos movimentos

Movimento rectilíneo e Uniforme:

• Este movimento não tem equação das velocidades pois, uma das suas
características é que neste tipo de movimento a velocidade e sempre
constante :

∆x x − x0
v= ⇔v= Se: t0 = 0
∆t t − t0
Então:

v=
x − x0
t
⇔ v × t = x − x0 x = x0 + vt
Equação das posições
Equações gerais dos
movimentos
m.r.u.v. m.r.u.

Velocidades Posições
Posições

v = v0 + at x = x0 + vt
1 2
x = x0 + v0t + at
2
Equações gerais dos movimentos

O que é necessário para escrever as equações dos movimentos?

3. Definir um referencial para o movimento;


4. Identificar a resultante das forças que actua no corpo em
movimento;
5. Identificar o tipo de movimento do corpo em função do valor,
direcção e sentido da resultante das forças;
6. Identificar as condições iniciais do movimento (posição inicial,
velocidade inicial e aceleração).
7. Ter em atenção se todas as variáveis da equação se encontram nas
unidades S.I.
Lançamento e queda na vertical
Galileu Galilei, realizou uma célebre
experiência relativa à queda de dois
corpos, desmentindo assim a crença dos
gregos. Conta-se que pediu a dois dos
seus assistentes que fossem ao alto da
torre de Pisa e atirassem, de lá, cada um,
um corpo de massa diferente do outro.
Para surpresa de todos os corpos
chegaram ao solo no mesmo instante.
VIDEO!!!! TORRE DE PISA
Quer dizer então que o
tempo de queda de um
corpo não depende da
sua massa?
Lançamento e Queda na Vertical
Sim, é isso mesmo que esta experiência
provou. Se a resistência do ar for desprezável,
apenas a força gravítica vai actuar no seu
movimento, se este for na vertical. Os corpos
dizem-se, por isso, graves e dizem-se em queda
livre independentemente do facto de estarem a
cair ou a subir. Assim, como se viu
anteriormente, a aceleração a que ele fica
sujeito é a aceleração da gravidade que,
próximo da superfície da Terra tem o valor de
9,8 m.s²‫ ־‬.
VIDEO!!!! Galileu Galilei
Equações especificas do
movimento
Não, se a resistência do ar não for
desprezável. Neste caso, dependendo da forma
e massa do corpo, o tempo de queda dos
corpos iria variar. Assim, a resistência do ar tem
maior efeito quando um corpo vai a grande
velocidade e quando não é pequeno e tem uma
forma compacta. Uma bola, mesmo pequena,
ao atingir grandes velocidades, sofrerá uma
resistência do ar significativa. O mesmo
acontece na queda de um balão, por este ser
grande.
Lançamento horizontal com efeito da
resistência do ar desprezável
Lançar um corpo na horizontal
significa aplicar-lhe uma velocidade
inicial na horizontal.
Se a resistência do ar for desprezável
o corpo fica sujeito apenas à interacção
gravítica que se traduz pelo peso do
mesmo.
O lançamento horizontal de um corpo,
têm dois movimentos simultâneos e
independentes:
• Um movimento vertical,
uniformemente acelerado, sob a acção
exclusiva da gravidade com aceleração g
e velocidade inicial nula.
• E um movimento horizontal uniforme, pois não existe aceleração na
direcção horizontal. Com velocidade constante igual à velocidade inicial nula.
No movimento vertical, actua a aceleração da gravidade enquanto que no
movimento horizontal, não há aceleração a actuar sobre o corpo, logo existe só
movimento rectilíneo e uniforme de velocidade sempre constante.
Verifica-se que, quando um corpo está a uma determinada altura,
ele possui energia potencial. E à medida que vai caindo, desprezando
a resistência do ar, a energia potencial do corpo que ele possui no
inicio da trajectória, vai-se transformando em energia cinética. Quando
este atinge o nível de referência a energia é transformada em energia
cinética na totalidade.
Na ausência de forças dissipativas, a energia mecânica total do
sistema conserva-se, ocorrendo transformação de energia potencial
em cinética e vice-versa.
O tempo que um corpo gasta para cair, quando lançado
horizontalmente, é o mesmo que gastaria para cair em queda livre,
visto que todos os corpos lançados do mesmo sítio, sem resistência do
ar, caem com a mesma aceleração , independentemente das suas
massas. Essa aceleração chamada de força gravítica que, por sua
vez, varia com a altura onde o corpo está, mas devido à variação ser
pequena, normalmente é desprezada e adoptamos 9,8 m/s-².
Equações gerais das
posições:
y
v0

g Eixo dos XX:


X = x0 + v0x x t
Eixo dos YY:
Y = y0 + v0y x t2
x
Equações Equações
gerais das especificas
velocidades
Eixo dos XX: das posições
Eixo dos XX:

v = constante x = v0x x t
Eixo dos YY: Eixo dos YY:

V = v0 + a x t y=h- 1 x g x t2
2
Condições
Condições
especificas
particulares
Eixo dos XX: das posições
Eixo dos XX:
x0 = 0 e v0x = v0 vx = constante = v0
Eixo dos YY: Eixo dos YY:
y0 = h, v0x = 0 e a 0 = -g vy = - g x t
A trajectória do movimento é
dada pelo conjunto de
coordenadas:

x
x = v0x x t
∫ t= v0

∫ ∫
1
y=h- 2
x g x t2 1 g
y=h- x 2 x x2
2 v0
Gráficos dos movimentos
Conclusão
Quando alguém diz que algo está em
movimento, como todos os dias acontece
inúmeras vezes em todo o mundo,
raramente se apercebe do quão complexo
pode ser o estudo desse assunto. Graças
às observações que Aristóteles, Galileu e
Newton fizeram podemos hoje realizar um
estudo cuidado deste assunto.

O que sabemos é uma gota de água, o que ignoramos


é um oceano. (Isaac Newton)