Você está na página 1de 98

ANORMALIDADES RADIOLOGICAS

FUNDAMENTAIS
Anatomia torácica na Radiologia
convencional

LOBO SUPERIOR LOBO MÉDIO LOBO INFERIOR


LESAO INTRAPULMONAR

O CENTRO GEOMÉTRICO
ESTÁ DENTRO DO
PULMAO

ANGULO AGUDO COM O


PULMAO ADJACENTE
LESAO EXTRAPULMONAR

O CENTRO
GEOMÉTRICO ESTÁ
NO MEDIASTINO

ANGULO OBTUSO
COM O PULMAO
ADJACENTE
SINAIS RADIOLOGICOS


SINAL DA SILHUETA

BRONCOGRAMA AÉREO
SINAL DA SILHUETA
Apagamento do contorno de uma estrutura que deixou
de contactar com pulmão normalmente arejado.

A: AORTA ASCENDENTE

B: MARGEM CARDIACA E

C: DIAFRAGMA E

D: BOTAO AORTICO

E: MARGEM CARDIACA D

F: HEMIDIAFRAGMA D
SILHUETA LOBO ADJACENTE

DIAFRAGMA D LID
BORDO CARDIACO D LOBO MÉDIO
AORTA ASCENDENTE LSD
BOTAO AORTICO LSE
BORDO CARDIACO E LINGULA
AORTA DESCENDENTE LIE
DIAFRAGMA E LIE
CONDENSACAO LINGULAR
CONDENSACAO LIE 
PERDA DA SILHUETA
DIAFRAGMA D
CONDENSACAO LSD PERDA DA SILHUETA DA

AORTA ASCENDENTE
BROCOGRAMA AÉREO

EM UMA RADIOGRAFIA NORMAL OS BRONQUIOS
ALÉM DE QUARTA ORDEM NAO SAO VISIVEIS


A MEDIDA QUE A ARVORE BRONQUICA SE
RAMIFICA; OS ANEIS CARTILAGINOSOS VAO SE
AFILANDO ATÉ DESAPARECEREM AO NÍVEL DOS
BRONQUÍOLOS RESPIRATÓRIOS ONDE TANTO O
LUMEN BRONQUICO COMO OS ALVÉOLOS
CONTÉM AR - NAO HÁ CONTRASTE PARA
VISIBILIZAR A PAREDE DOS BRONQUIOLOS


BRONQUIOS ALÉM DE QUARTA ORDEM SÓ SAO
VISIVEIS SE OS ALVÉOLOS ESTIVEREM
PREENCHIDOS POR ALGUM MATERIAL
BRONCOGRAMA AÉREO


PNEUMONIA LM 
PNEUMONIA LSD
PNEUMONIA LID / LSD
ANORMALIDADES RADIOLÓGICAS
FUNDAMENTAIS


Consolidação

Atelectasia

Lesão cavitária

Nódulo

Massa

Padrão pulmonar intersticial

Derrame pleural

Pneumotórax
CONSOLIDAÇÃO

Substituição do ar alveolar (ou alvéolo-ductal) por


material patológico (exsudato ou outro)
CONSOLIDAÇÃO + BRONCOGRAMA
AÉREO
PNEUMONIA
DRRAME PLEURAL


TRANSUDATO
− AUMENTO DE PRESSAO HIDROSTÁTICA

ICC; SOBRECARGA HIDRICA...
− HIPOPROTEINEMIA

CIRROSE, SINDR.NEFROTICA...

EXSUDATO
− NEOPLASIAS, INFECCOES
− DOENCAS DO COLAGENO
− RXT
− FARMACOS
DERRAME PLEURAL

ACUMULO DE LIQUIDO NO
ESPACO PLEURAL

LIQUIDO OCUPA PARTE MAIS
INFERIOR DO TORAX

BORRA A SILHUETA
DIAFRAGMATICA
PULMAO

O LIQUIDO SOBE FORMANDO O
MENISCO – CURVA DE PLEURA
DAMOISEAU DERRAME

MENOR QUANTIDADE NAS
REGIOES PARAMEDIASTINAIS –
MENOR ELASTICIDADE
DERRAME PLEURAL
APAGAMENTO DOS ANGULOS COSTO E CARDIO-
FRENICOS
SINAL DO MENISCO
DERRAME SUBPULMONAR


LIQUIDO ENTRE O DIAFRAGMA E A BASE
PULMONAR E NAO ENTRE OS FOLHETOS
PLEURAIS


SINAIS
− FALSA IMPRESSAO DE ELEVACAO DO
HEMIDIAFRAGMA
− ANGULOS COSTO FRENICOS RASOS
DERRAME SUBPULMONAR


DERAME SUBPULMONAR X NORMAL
DERRAME SUBPULMONAR

SEIO CF DIREITO RASO \ “CUPULA FRENICA ELEVADA“ (falsa impressao)


DECUBITO LATERAL COM RAIOS HORIZONTAIS MOSTRA FLUIDO
LIVRE
DERRAME SUBPULMONAR

ANGULO
COSTOFRENICO
RASO


DESLOCAMENTO
MEDIAL DO
ANGULO COSTO
FRENICO D


“DIAFRAGMA D
ELEVADO“ (falsa
impressao – limite
entre a pleura e a
colecao supra
diafragmatica)
DERRAME SUBPULMONAR

AUMENTO DA
DISTANCIA
ENTRE A
BOLHA
GÁSTRICA E O
QUE PARECE
SER O
DIAFRAGMA
(limte cranial da
colecao)
DERRAME SUBPULMONAR

AUMENTO DA DISTANCIA ENTRE A BOLHA GÁSTRICA E


O QUE PARECE SER O DIAFRAGMA (limIte cranial da
colecao)
ATELECTASIA


ALVEOLOS COLAPSADOS – SEM AR

CAUSAS
− OBSTRUCAO
− COMPRESAO (derrame,pneumotorax)
− PERDA DO SURFACTANTE (colapso alveolar)
− CICATRICIAL (fibrose obstrutiva)
− REDONDA (doenca pleural cronica
aprisionando pulmao \ asbestose)

TIPOS
− TOTAL, LOBAR,
SEGMENTAR,SUBSEGMENTAR
Sinais de reducao volumetrica


Desvio do mediastino

Elevacao do diafragma

Retracao dos espacos intercostais

Desvio das fissuras

Desvio hilar

Hiperinsuflacao compensatoria do pulmao
contralateral
ATEL ECTAS IA

Outros sinais radiológicos

• Opacidade/ triangular de vértice hilar


• Sinal da silhueta
ATELECTASIA PULMAO DIREITO


DESVIO
MEDIASTINAL
PARA A D

REDUCAO
VOLUMETRICA DO
HEMITORAX D

NAO SE IDENTIFICA
A SILHUETA DO
CORACAO D E
DIAFRAGMA D
ATELECTASIA PULMAO D


APENAS UMA CUPULA
DIAFRAGMATICA
VISIVEL

HERNIACAO
RETROESTERNAL DO
PULMAO VICARIANTE
ATELECTASIA PULMAO E

DESVIO
MEDIASTINAL
PARA A ESQUERDA

REDUCAO
VOLUMETRICA DO
HEMITORAX E

SILHUETA
CARDIACA E
DIAFRAGMATICA
NAO VISIVEIS A E
ATELECTASIA PULMAO E

APENAS UMA
CUPULA
DIAFRAGMATICA
VISIVEL

HERNIACAO
RETROESTERNAL
DO PULMAO
VICARIANTE

AUMENTO DA
DENSIDADE
SOBRE A COLUNA
Chest X-ray Atlas
A.J. Chandrasekhar, M.D.

ENTUBACAO OROTRAQUEAL

PULMAO E COLAPSADO POR TUBO PULMAO E EXPANDIDO POS


ENDOTRAQUEAL NO BRONQUIO REPOSICIONAMENTO DO TUBO
FONTE
ATELECTASIA DE LOBO MEDIO

DISCRETA
ALTERACAO EM
CAMPO
PULMONAR
INFERIOR D
ATELECTASIA DE LOBO MEDIO

O DIAGNÓSTICO
DE FAZ NO RX DE
PERFIL
ATELECTASIA LIE


REDUCAO
VOLUMETRICA HTE

NAO VISIBILIZACAO
DO DIAFRAGMA E

LIE ATELECTASIADO
VISTO COMO SOMBRA
TRIANGULAR
ATRAVÉS DO
CORACAO
ATELECTASIA LIE 
DENSIDADE
TRIANGULAR NO PERFIL


DESLOCAMENTO
POSTERIOR DA
FISSURA OBLIQUA


AUMENTO DA
DENSIDADE SOBRE A
PARTE INFERIOR DA
COLUNA


APENAS UMA CUPULA
DIAFRAGMATICA
VISIVEL
ATELECTASIA LSE


DESVIO
MEDIASTINAL
PARA E

OPACIDADE LSE

PERDA DA
SILHUETA DO
BOTAO
AORTICO
ATELECTASIA LSE


A = pulmao
direito herniado

B = atelectasia
LSE

SETA = fissura
obliqua
desviada
anteriormente
ATELECTASIA LSE

OPACIDADE LSD

PEQUENA CISURA
RETRAIDA
SUPERIORMENTE

HILO D DESVIADO
PARA CIMA

REDUCAO
VOLUMETRICA
PULMAO D
ATELECTASIA LSD


PERFIL MOSTRA
OPACIDADE
TRIANGULAR
SUPERIOR
ATELECTASIA SEGMENTO
ANTERIOR LSD

OPACIDADE DE
ATELECTASIA LID CAMPO
PULMONAR
INFERIOR D

PERDA DA
SILHUETA DO
DIAFRAGMA D

SILHUETA
CARDIACA D
PRESERVADA

PEQUENA
CISSURA
DESVIADA PARA
BAIXO

HILO D DESVIADO
PARA BAIXO
ATELECTASIA PASSIVA


COMPRESSAO E
COLAPSO
PULMONAR
SECUNDARIO A
DERRAME
PLEURAL
CAVIDADE
 Lesão que apresenta conteúdo aéreo no
seu interior, resultante de necrose tecidual,
circundado por uma parede de
características variáveis
 Unica
 Tumor primario, cisto pós traumático
 Múltiplas etiologias
 Múltipla
 Tumor metastático, embolos sépticos,
vasculite,tbc
PAREDE ESPESSA


ABSCESSO PULMONAR

NECROSE TUMORAL

TBC
TUMOR CAVITADO


CAVITACAO
ECENTRICA

PAREDE
ESPESSA

NIVEL HIDRO
AEREO
„FUNGUS BALL“ ( micetoma)

CAVITACAO
CRONICA COM
CONTEUDO MOVEL
EM SEU INTERIOR


ESPESSAMENTO
PLEURAL


Aspergillus
PAREDE FINA


CISTO PÓS TRAUMÁTICO

BOLHA DE ENFISEMA

TUMOR OU INFECCAO COM NECROSE
CISTO POS TRAUMATICO


FERIMENTO POR
ARMA DE FOGO

EVOLUCAO DE
HORAS -
CAVITACAO

PULMAO TOLERA
TRAUMAS
PENETRANTES
COM BOA
RECUPERACAO

ASSINTOMATICOS
radiology.med.miami.edu A NAO SER QUE
HAJA INFECCAO
OU HEMOPTISE
BOLHA DE ENFISEMA


PAREDES FINAS

ARREDONDADA

RADIOTRANSPARENTE
MULTIPLOS – METASTASES
NÓDULO PULMONAR
Nódulo x Massa pulmonar

Nódulos: Lesões arredondadas < 3 cm de
diâmetro, circundadas por parenquima
pulmonar normal

Massas: Lesões > 3 cm
TEMPO DE DUPLICAÇÃO


Para dobrar o volume (não o diametro)

Útil para determinação da etiologia do nódulo
pulmonar solitário
− Menos que 30 dias: Inflamatorio
− Mais que 2 anos: Tumor benigno
− Entre 1 mes e 2 anos: Tumor maligno
Tuberculose

TD > 2 anos

“Tumor” benigno
Paciente em uso de corticosteróides
Crescimento acelerado do nódulo em 1 mes
Diagnóstico: Aspergillus
A radiografia realizada cerca de um ano antes não mostrava
lesão – possibilidade de nódulo maligno
Continuar a investigação
Pseudo nódulos


Lesões cutâneas

Lesões ósseas

Lesões pleurais

Botão da roupa, cabelo, etc...

Artefatos
Mamilos
Material metálico na roupa
Radiografia anterior:

Verruga na parede torácica


lateral…
Qual é a opinião do voces?
Bastou prender os cabelos da
senhora…..
E este caso?
Bastou olhar para a paciente –
tinha um prendedor de cabelos…
O que as setas apontam?
Costelas cervicais
PNEUMOTÓRAX
Definição

Ar no espaço pleural
Classificação

Espontâneo
− Primário: ruptura de bolha subpleural
− Secundário: DBPOC, asma, fibrose cística,
tuberculose

Hipertensivo
− Mais severo que o espontâneo com colapso além
de 50% do pulmão
− O ar entra no espaço pleural na inspiração e fica
aprisionado

Traumático
− Trauma acidental
− Trauma cirúrgico (cirurgia endoscópica,
− Iatrogenico (cateter venoso central, biópsia)
Zona A

Vasos bem definidos

Zona B
A Vasos menos visiveis
B
C
Zona C

Dificil visibilizar vasos


Sinal radiológico mais importante

Perda das marcas vasculares na periferia do
pulmão
A expiração acentua o pneumotórax
Pneumotórax hipertensivo


Colapso progressivo
do pulmão

Desvio do
mediastino para o
lado oposto

Inversão da cúpula
frenica
Pneumotórax hipertensivo

Pressão intrapleural fica acima da pressão
atmosférica


Desvio contralateral do mediastino pode causar
pinçamento das veias cavas e obstruir o retorno
venoso ao coração, com conseqüente diminuição
importante do débito cardíaco.


Dispnéia intensa e instabilidade hemodinâmica
grave


Emergência médica que necessita de intervenção
rápida para aliviar a pressão intrapleural
PATOLOGIA INTERSTICIAL
PULMONAR
Doença alveolar x intersticial

Alvéolo Intersticio

A troca de oxigenio e gás carbonico dos
alvéolos para os vasos sanguineos e vice
versa se faz através do intersticio – tecido
que circunda e separa os sacos alveolares

A doença intersticial decorre de processo
inflamatório do tecido que circunda os sacos
alveolares

Ao contrário da doença alveolar, é sempre
um processo difuso….
Causas

Reação do sistema imunitário ou mesmo processo de cura a
numerosos fatores, incluindo infecções pulmonares

− Toxinas ambientais ( asbestos, pó de silica );

− Certos medicamentos (principalmente quimioterápicos)

− radioterapia

− Doenças auto-imunes cronicas: lupus, esclerodermoa,


artrite reumatóide

− Disseminação linfática de neoplasias


Como adoece o interstício?


Através do comprometimento de estruturas
pulmonares ligadas ao interstício
− Bronquíolos = bronquiolíte
− Alvéolos = alveolite
− Capilares = vasculite

Essas lesões podem ser curadas
completamente ou deixar cicatrizes
Radiologia


4 aspectos básicos de envolvimento
intersticial
− Vidro fosco (Ground glass )
− Nodulos
− Reticular
− Faveolamento (Honeycombing )
Faveolamento


Doenças pulmonares
terminais

Indicativo de fibrose
intersticial difusa

mais frequente nas bases
Pneumonite intersticial por
nitrofurantoina – profilaxia de ITU
TCAR
Nódulos

Sarcoidose
Vidro fosco

Não obscurece
as sombras
vasculares

3.Edema
4.Pneumonites

virais
5.Pneumocistis

carinii
6.Pneumonias de

hipersensibilidade
Vidro fosco – toxicidade de
quimioterápico