P. 1
Atividade - analisando uma obra de arte

Atividade - analisando uma obra de arte

|Views: 8.461|Likes:
Publicado porwagnerboamorte6160
Aula para a 1ª série, ensino médio, colégio CEUB, Prof. Wagner
Aula para a 1ª série, ensino médio, colégio CEUB, Prof. Wagner

More info:

Published by: wagnerboamorte6160 on Sep 11, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/11/2014

pdf

text

original

ARTES VISUAIS – ENSINO MÉDIO ESQUEMA DE LEITURA DE OBRA DE ARTE

1 - DADOS TÉCNICOS DA OBRA • • • • • • AUTOR TÍTULO DA OBRA DATA LOCAL ONDE SE ENCONTRA TÉCNICA E MATERIAL DIMENSÃO

2 – GÊNERO

( ( ( ( (
Mãe e filho (1905) Picasso

) RETRATO ) AUTO-RETRATO ) NU – MAS. / FEM. ) PAISAGEM ) NATUREZA-MORTA

• • • •

3 – DESCRIÇÃO / CONTEÚDO DA OBRA / COMPOSIÇÃO 3.1 – SIGNOS ICÔNICOS (denotados) – Objetos individuais 3.2 – SUJEITO ( ( ( ( ( ) Figurativo (narra alguma coisa) ) Abstrato ) Religioso ) Mitológico ) Alegórico

3.3 – TEMA ICONOGRÁFICO – indica eventual significado simbólico dos elementos da obra / O que CONOTA a obra? O que a obra nos diz além do que está claro?

3.4 – Qual o CENTRO principal da obra? Há outros centros? Quais?

3.5 – Quais os EIXOS da obra? (linhas horizontais, verticais e oblíquas ao redor das quais os elementos se distribuem)

Centro de energia/interesse da obra
• Os artistas gregos alegavam que o centro de interesse em uma cena deveria ser colocado no ponto de interseção das linhas horizontais e verticais a 5/8 (cinco oitavos) de qualquer das margens. Assim, a cena se tornaria mais equilibrada, descartando a monotonia visual ao mesmo tempo que proporcionaria um equilíbrio visual. Os gregos focaram como principal centro de interesse o primeiro quadrante na leitura ocidental: a primeira intersecção das linhas de cima para baixo, da esquerda para a direita, porém abriram as possibilidades para o 2º, 3º e 4º quadrantes sendo que o primeiro ponto a ser visualizado por um observador sempre é a 1ª intersecção.

3.6 – PESOS VISUAIS / EQUILÍBRIO (dividindo a obra em 4 partes) - Zonas mais densas / mais pesadas (figuras/cores) - Zonas menos densas / menos pesadas (figuras/cores) - Relações esquerda/direita/acima/abaixo -A obra está equilibrada? Justifique.

3.7 – LINGUAGEM VISUAL - Linhas e expressividade (reta / curva / fina / grossa / mista / fluida / nervosa / longa /curta / contínua / quebrada / tracejada. - Cor - Luz e sombra – Como aparecem? Com forte contraste? Claro-escuro esfumado? - Formas: Figura do menino / Figura da

mãe

3.7.1 – Quanto à espessura das linhas

Linha fina: produz impressão de delicadeza, fragilidade, incerteza, dúvida, insegurança. Linha grossa: impressão de grossa força e energia. Linha carregada: produz impressão de resolução e violência.

3.7.2 – Quanto ao Tamanho
• • Comprida: passa uma idéia de vivacidade, flexibilidade. Linha curta: passa a idéia de firmeza e força.

3.7.3 – Expressividade das Linhas e Função Simbólica

Quanto a localização no espaço Linhas horizontais: quando estamos em uma praia ou no campo, vemos a linha do horizonte. Geralmente esta visão nos traz a sensação de REPOUSO, DESCANSO, PAZ, CALMA, MORTE, SERENIDADE, SONOLÊNCIA. Linhas verticais: Atrai o olhar para o alto, passa a idéia de TRANQUILIDADE, SOLIDEZ, SERENIDADE, ESTRUTURA, FIRMEZA, AUTORIDADE, CERTEZA, PODER, SEGURANÇA E ELEVA AS FIGURAS. Linhas diagonais: idéia de INSTABILIDADE, AÇÃO, MOVIMENTO E INSEGURANÇA.
A Coroação de Napoleão Bonaparte, David

3.7.4 – Quanto ao tipo de linha

Linhas curvas: as linhas curvas sugerem alegria, delicadeza, instabilidade, doçura, graciosidade, sensualidade. Linhas retas: passam a idéia de decisão, certeza, segurança, tranqüilidade. Linhas convergentes: podem ser curvas ou retas e forçam o olho do receptor a visualizar este ponto no primeiro momento da observação. Linhas divergentes: cenas com predominância das linhas divergentes proporcionam a ambigüidade, fazem com que o receptor tenha de optar para onde olhar e distancia a atenção do centro de interesse.

3.7.5 – Renascimento – esquema geométrico No renascimento, as características principais das pinturas foram a triangulação, simetria e perspectiva. O triângulo, formado por três linhas imaginárias servia de guia para introdução dos elementos da imagem. No topo do triângulo encontra-se sempre o centro de interesse, o elemento mais importante do conteúdo. Nos vértices são colocados os elementos complementares como base de sustentação para o elemento principal. Geralmente, nos quadros desta escola, ao prolongarmos as linhas das perspectivas, elas sempre convergem para o centro de interesse.

3.7.6 – Cores que predominam – primárias (vermelho, azul e amarelo), secundárias (verde, laranja e violeta), quentes (vermelho, amarelo e laranja), frias (verde, azul e violeta); cores em contraste cromático; simbologia das cores.

3.8 – COMPOSIÇÃO

Equilíbrio das formas / eventual presença de estrutura simétrica, ritmo, movimento (linhas e cores).

A obra é assimétrica e o peso visual está do lado direito de quem observa, na cama. A composição revela que a preocupação de Van Gogh não era a reprodução fiel da realidade, mas o que sentia quando a observava.

3.9 – VALOR EXPRESSIVO

Valor / idéia e emoção expressa e representada.

Tentou comunicar um senso de repouso / lugar bonito e agradável.

O que você acha que Picasso tentou transmitir com esta obra?

3.9 – ESPAÇO - bidimensional - tridimensional: qual a técnica empregada pelo artista para representar o espaço: perspectiva, sobreposição de formas, diminuição do tamanho) - RELAÇÃO FIGURA-FUNDO - ESQUEMA GEOMÉTRICO - CONTINUIDADE DE FUNDO

• Aula elaborada pelo arte-educador Wagner Bôa Morte. • Sugestões para wagnerboamorte@yahoo.com.br. • As imagens são de uso exclusivamente educacionais.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->