P. 1
IHC: Interação entre Homem e Computador - Apostila_TASI-IHC_2009-2

IHC: Interação entre Homem e Computador - Apostila_TASI-IHC_2009-2

5.0

|Views: 16.620|Likes:
Apostila de interação entre homem e computador (IHC) utilizada para ministrar aula de TASI para o curso de sistemas de informação na Unieuro, Brasília - DF entre 2005 e 2009.
Apostila de interação entre homem e computador (IHC) utilizada para ministrar aula de TASI para o curso de sistemas de informação na Unieuro, Brasília - DF entre 2005 e 2009.

More info:

Published by: Irla Bocianoski Rebelo on Sep 12, 2009
Direitos Autorais:Traditional Copyright: All rights reserved

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/08/2015

pdf

text

original

De forma geral podem ser observadas quatro atividades básicas que definem o processo do projeto

de interação (Preece et al, 2005):

1. IDENTIFICAR NECESSIDADES E ESTABELECER REQUISITOS: Trata-se da base dos

requisitos do produto. Esta atividade sustenta o design e o desenvolvimento. O objetivo desta etapa é

conhecer o usuário alvo e o tipo de suporte útil que o produto deve oferecer. Para isso é fundamental iniciar

uma abordagem centrada no usuário.

Apostila para o curso de Sistemas de Informação | UNIEURO | 2009

Produzida por Irla Bocianoski Rebelo | A reprodução de trechos é permitida desde que citada a fonte

28

2. DESENVOLVER PROJETOS ALTERNATIVOS QUE VÃO DE ENCONTRO AOS

REQUISITOS: Atividade central do projeto de interação. É quando surgem as idéias que devem atender aos

requisitos, as quais devem ser geradas com base em algum tipo de suporte. São as sub-atividades da geração

de idéias. O projeto conceitual ou o modelo conceitual do produto ganha forma juntamente com a descrição

sobre o que o produto fará, como se comportará e parecerá. O projeto físico pode, então, ser iniciado com

detalhes de interação e de interfaces, o que pode incluir o estudo de cores, sons, imagens, menus, animações,

ícones, etc.

3. CONSTRUIR VERSÕES INTERATIVAS DE MANEIRA QUE POSSAM SER

COMUNICADAS E ANALISADAS: Fornecer meios de simular o processo de interação. Afinal, como os

usuários saberão e verificarão se as necessidades estão sendo atendidas? As versões prototipadas são os

meios mais conhecidos para mostrar ao usuário como um produto está sendo modelado e verificar a primeira

reação de aceite. Mas isso não significa que deva ser uma versão funcional. Protótipos em papel podem ser

desenvolvidos e aplicados com rapidez, são baratos e eficazes na busca de problemas nas primeiras fases do

projeto. O usuário tem uma noção real de como será a interação.

4. AVALIAR O QUE ESTÁ SENDO CONSTRUÍDO E MEDIR SUA ACEITABILIDADE:

São formas de determinar a usabilidade e aceitabilidade do produto utilizando vários critérios, tais como

número de erros cometidos pelo usuário, atratividade, preenchimento dos requisitos, etc. Não substitui testes

de qualidade que certificam o produto final. Mas ajudam a verificar se todo ou parte do produto encontra-se

em condição de uso.

Estas 4 atividades (Figura 7), que ainda veremos com mais detalhes, podem se repetir em etapas

diferentes do desenvolvimento do projeto. Prototipagem, por exemplo, pode acontecer tanto na fase inicial de

documentação como no decorrer da programação. A exemplo do UML proposto para o projeto de interação,

pode-se identificar que as atividades de interação precisam ser reconsideradas em diferentes etapas do

processo. Mas a etapa crítica, a que precisa de muita atenção, é o levantamento ou elicitação de

requisitos.

Figura 7 - Atividades básicas do PIU

Independente do momento do projeto devem ser consideradas algumas características-chave no PIU:

usuários envolvidos no desenvolvimento do projeto, identificação ou especificação de metas de usabilidade

no início do projeto e complementação e iteração (repetição) nas atividades básicas com ênfase nos

processos de avaliação. Considere, portanto:

1. Foco no usuário: Se não for possível garantir seu envolvimento considere o desenvolvimento de

soluções voltadas para o usuário e contexto de uso específico. Em outras palavras, projetar e avaliar

pensando como o usuário, focar nas tarefas como se estivessem sendo realizadas para o usuário e dar

atenção aos processos e mensagens de retorno.

2. Critérios específicos de usabilidade: Os objetivos específicos devem ser claramente

documentados, pois isso ajuda na idealização de diferentes alternativas de projeto. Desta forma é

ATIVIDADES DO PROJETO DE INTERAÇÃO

1 Necessidades
e requisitos

2 Projetos

alternativos 3Versões
interativas

4Avaliações

Apostila para o curso de Sistemas de Informação | UNIEURO | 2009

Produzida por Irla Bocianoski Rebelo | A reprodução de trechos é permitida desde que citada a fonte

29

fica mais fácil identificar metas de usabilidade e, posteriormente, verificar o atendimento dos

princípios de usabilidade.

3. Iteração: Significa repetição, que neste caso, se refere aos processos de testes e avaliações para o

refinamento do projeto, ainda com base no retorno do usuário.

O envolvimento do projetista e do usuário ajuda a definir uma série de critérios para o

desenvolvimento do projeto (domínio, requisitos, necessidades, desejos, aspirações e muitos outros

direcionadores). Este processo conduz ao entendimento da necessidade da interação, muito importante

quando se trata de um produto inovador onde as idéias precisam ser revisadas à luz do retorno do usuário.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->