P. 1
O perigo das riquezas na Biblia

O perigo das riquezas na Biblia

|Views: 1.027|Likes:
Livro Deposito de Fé Vol I :
Capitulo 24 O perigo das riquezas
24.1 Amor aos po­bres X amor as rique­zas
24.2 Felicidade X riquezas
24.3 Liberdade do coração diante das ri­quezas necessária para entrar no Reino
24.4 Paixão desordenada pelas riquezas
24.5 Explicação da parábola do semeador.
24.6 O jovem rico
24.7 O homem rico
24.8 Como é difícil se salvar os apegados às ri­quezas
24.9 Recompensa do desprendimento
24.10 Explicação da parábola do semeador
24.11 Cuidado com a ganância
24.12 Parábola do rico insensato
24.13 Confiança na Providência
24.14 O tesouro do Céu
24.15 Reflexões sobre o di­nheiro
24.16 Parábola do rico e de Lázaro
24.17 Recompensa do desprendimento
24.18 Jesus era pobre das riquezas mun­danas
24.19 Apelo a conversão, pelo exemplo

25 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Livro Deposito de Fé Vol I :
Capitulo 24 O perigo das riquezas
24.1 Amor aos po­bres X amor as rique­zas
24.2 Felicidade X riquezas
24.3 Liberdade do coração diante das ri­quezas necessária para entrar no Reino
24.4 Paixão desordenada pelas riquezas
24.5 Explicação da parábola do semeador.
24.6 O jovem rico
24.7 O homem rico
24.8 Como é difícil se salvar os apegados às ri­quezas
24.9 Recompensa do desprendimento
24.10 Explicação da parábola do semeador
24.11 Cuidado com a ganância
24.12 Parábola do rico insensato
24.13 Confiança na Providência
24.14 O tesouro do Céu
24.15 Reflexões sobre o di­nheiro
24.16 Parábola do rico e de Lázaro
24.17 Recompensa do desprendimento
24.18 Jesus era pobre das riquezas mun­danas
24.19 Apelo a conversão, pelo exemplo

25 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

More info:

Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/11/2013

pdf

text

original

306

24 O perigo das riquezas
Avarento
1
que ou aquele que é obcecado por adquirir e
acumular dinheiro; sovina
2
que ou quem não é generoso; etim
avaro + -ento; acanhado, agarrado, agiota, arrepanhado, avaro,
ávido, cainho, cajueiro, canguinhas, canguinho, canhengue,
casca, casquinha, catinga, catingueiro, cauíla, cauíra, chifre-de-
cabra, cigalheiro, cobiçante, cobiçoso, come-em-vão, cúpido,
engadanhado, escasso, esganado, filárgiro, foca, fomenica,
fominha, fona, forra-gaitas, forreta, fuinha, futre, gaveteiro, ginja,
guardonho, guardoso, harpagão, iliberal, ingeneroso, manicurto,
mão-de-finado, mão-de-leitão, mão-de-vaca, mão-fechada,
mãos-atadas, mesquinho, migalheiro, mingolas, mirra, miserável,
mísero, mitra, miúdo, mofino, morrinha, morto-a-fome, munheca-
de-samambaia, muquira, muquirana, onzenário, onzeneiro, pão-
duro, pelintra, pica-fumo, pirão-na-unha, piroca, resmelengo,
rezina, rídico, ridículo, seguro, socancra, somítico, sórdido,
sorrelfa, sovelão, sovina, tacanho, tamanduá, tenaz, tranca,
unhaca, unha-de-fome, unhas-de-fome, unhas, usurário,
usureiro, vilão, vinagre, zura, zuraco.
Mt 6,
19
Não acumuleis tesouros na terra, onde
a traça e a ferrugem os corroem e os ladrões
arrombam os muros, a fim de os roubar.
20
Acumulai tesouros no Céu, onde a traça e a
ferrugem não corroem e onde os ladrões não
arrombam nem furtam.
21
Pois, onde estiver o
teu tesouro, aí estará também o teu coração.
Mt 6,
24
Ninguém pode servir a dois Senhores. Com efeito, ou
odiará um e amará o outro, ou se apegará ao primeiro e
desprezará o segundo. Não podeis servir a
Deus e ao dinheiro.
Lc 16,
13
Ninguém pode servir a dois
Senhores: com efeito, ou odiará um e amará o
outro, ou se apegará a um e desprezará o
outro. Não podeis servir a Deus e ao
dinheiro.
Mt 13,
22
Aquele que recebeu a semente entre
espinhos é o que ouve a palavra, mas os
307
cuidados deste mundo e a sedução da riqueza sufocam a
paIavra que, por isso, não produz fruto.
Lc 8,
14
A que caiu entre espinhos são aqueles que ouviram,
mas, indo pelo seu caminho, são sufocados peIos cuidados
(do mundo), peIa riqueza, peIos prazeres da vida e não
chegam a dar fruto.
Lc 12,
15
Depois lhes disse (Jesus): "precavei-vos
cuidadosamente de quaIquer cupidez (avareza), pois, mesmo
na abundância, a vida do homem não é assegurada por seus
bens¨.
24.1 Amor aos pobres X amor as riquezas
§2445 O amor aos pobres é incompatível com o amor
imoderado das riquezas ou o uso egoísta delas:
"Pois bem, agora vós, ricos, chorai e gemei por causa das
desgraças que estão para vos sobrevir. Vossa riqueza
apodreceu e vossas vestes estão carcomidas pelas traças.
Vosso ouro e vossa prata estão enferrujados, e sua ferrugem
testemunhará contra vós e devorará vossas carnes.
Entesourastes como que um fogo nos tempos do fim!
Lembrai-vos de que o salário, do qual privastes os
trabalhadores que ceifaram vossos campos, clama, e os gritos
dos ceifeiros chegaram aos ouvidos do Senhor dos exércitos.
Viveste faustosamente na terra e vos regalastes; vós vos
saciastes no dia matança. Condenastes o justo e o pusestes à
morte: ele não resiste¨. Tg 5,
1-6
.
24.2 Felicidade X riquezas
§1723 A prometida bem-aventurança nos coloca diante de
escolhas morais decisivas. Convida-nos a purificar nosso
coração de seus maus instintos e a procurar o amor de Deus
acima de tudo. Ensina que a verdadeira felicidade não está
nas riquezas ou no bem-estar, nem na glória humana ou no
poder, nem em qualquer obra humana, por mais útil que seja,
como as ciências, a técnica e as artes, nem em outra criatura
qualquer, mas apenas em Deus, fonte de todo bem e de todo
amor.
308
A riqueza é o grande deus atual; a ela prestam homenagem
instintiva a multidão e toda a massa dos homens. Medem a
felicidade pelo tamanho da fortuna e, segundo a. fortuna,
medem também a honradez... Tudo isto provém da convicção
de que, tendo riqueza, tudo se consegue. A riqueza é, pois,
um dos ídolos atuais, da mesma forma que a fama... A fama, o
fato de alguém ser conhecido e fazer estardalhaço na
sociedade (o que poderíamos chamar de notoriedade da
imprensa), chegou a ser considerada um bem em si mesma,
um sumo bem, um objeto, também ela, de verdadeira
veneração.
24.3 Liberdade do coracão diante das riquezas
necessária para entrar no Reino
§2554 O batizado combate a inveja pela benevolência, pela
humildade e pelo abandono nas mãos da Providência divina.
§2556 O desapego das riquezas é necessário para entrar no
Reino dos Céus. "Bem-aventurados os pobres de coração.¨
24.4 Paixão desordenada pelas riquezas
§2536 O décimo mandamento proíbe a avidez e o desejo de
uma apropriação desmedida dos bens terrenos; proíbe a
cupidez desmedida nascida da paixão imoderada das
riquezas e de seu poder. Proíbe ainda o desejo de cometer
uma injustiça pela qual se prejudicaria o próximo em seus
bens temporais:
Quando a Lei nos diz: "Não cobiçarás", ordena-nos, em outros
termos, que afastemos nossos desejos de tudo aquilo que não
nos pertence. Pois a sede dos bens do próximo é imensa,
infinita e nunca saciada, como está escrito: "Quem ama o
dinheiro nunca se saciará de dinheiro¨ (Ecl 5,
9
)
24.5 Explicacão da parábola do semeador.
Mt 13,
18
"Escutai, pois, a parábola do semeador.
19
Quando um
homem ouve a palavra do Reino e não compreende, chega o
maligno e apodera-se do que foi semeado no seu coração. Este
309
é o que recebeu a semente à beira do caminho.
20
Aquele que
recebeu a semente em sítios pedregosos é o que ouve a palavra
e a acolhe, de momento, com alegria;
21
mas não tem raiz em si
mesmo, é inconstante: se vier a tribulação ou a perseguição, por
causa da palavra, sucumbe logo.
22
AqueIe que recebeu a
semente entre espinhos é o que ouve a paIavra, mas os
cuidados deste mundo e a sedução da riqueza sufocam a
paIavra que, por isso, não produz fruto.
23
E aquele que
recebeu a semente em boa terra é o que ouve a palavra e a
compreende: esse dá fruto e produz ora cem, ora sessenta, ora
trinta.¨
a
24.6 O jovem rico
Mt 19,
16
Aproximou-se dEle um jovem e disse-lhe: "Mestre, que
hei-de fazer de bom, para alcançar a vida eterna?¨
17
Jesus
respondeu-lhe: "Porque me interrogas sobre o que é bom? Bom
é um só. Mas, se queres entrar na vida eterna, cumpre os
mandamentos.¨
18
"Quais?¨ - perguntou ele. Retorquiu Jesus: Não
matarás, não cometerás adultério, não roubarás, não levantarás
falso testemunho,
19
honra teu pai e tua mãe; e ainda: Amarás o
teu próximo como a ti mesmo.
20
Disse-lhe o jovem: "Tenho
cumprido tudo isto; que me falta ainda?¨
21
Jesus respondeu: "Se
queres ser perfeito
b
, vai, vende o que tens, dá o dinheiro aos
pobres e terás um tesouro no Céu; depois, vem e segue-me.¨
22
Ao ouvir isto, o jovem retirou-se contristado, porque possuía
muitos bens.
23
Jesus disse, então, aos discípulos
c
: "Em verdade
vos digo que dificiImente um rico entrará no Reino do Céu.
24
Repito-vos
d
: É mais fáciI passar um cameIo peIo fundo de
uma aguIha, do que um rico entrar no Reino do Céu.¨
25
Ao
|a| '' Mc 4.
13-20
; Lc 8.
11-15
|b| Ser perIeito entende-se da perIeicão de todo aquele que. seguindo Jesus.
cumpre toda a Lei (v.
18-19
; 5.
17.48
). Essa Iiel correspondência pode entender-se
como reservada aos colaboradores mais proximos de Jesus. chamados a
renunciar as preocupacões da Iamilia (v.
12
) e das riquezas (6.
19-21
; 8.
19-20
).
|c| Jesus lembra o obstaculo das riquezas para quem quer alcancar a vida
eterna. mas não impõe a pobreza como regra para ser seu discipulo. Ele chama
mesmo pessoas de elevada condicão social. sem exigir delas o abandono total
da sua posicão.
310
ouvir isto, os discípulos ficaram estupefatos e disseram: "Então,
quem pode salvar-se?¨
26
Fixando neles o olhar, Jesus disse-lhes:
"Aos homens é impossível, mas a Deus tudo é possível.¨
a
24.7 O homem rico
Mc 10,
17
Quando se punha a caminho, alguém correu para Ele
e ajoelhou-se, perguntando: "Bom Mestre, que devo fazer para
alcançar a vida eterna?¨
18
Jesus disse: "Porque me chamas
bom? Ninguém é bom senão um só: Deus.
19
Sabes os
mandamentos: Não mates, não cometas adultério, não roubes,
não levantes falso testemunho, não defraudes, honra teu pai e
tua mãe.¨
20
Ele respondeu: "Mestre, tenho cumprido tudo isso
desde a minha juventude.¨
21
Jesus, fitando neIe o oIhar, sentiu
afeição por eIe e disse: "FaIta-te apenas uma coisa: vai,
vende tudo o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um
tesouro no Céu; depois, vem e segue-me.¨
22
Mas, ao ouvir tais
palavras, ficou de semblante anuviado e retirou-se pesaroso,
pois tinha muitos bens.
Lc 18,
18
Certo chefe perguntou-lhe, então: "Bom Mestre, que
hei-de fazer para alcançar a vida eterna?¨
19
Respondeu-lhe
Jesus: "Porque me chamas bom? Ninguém é bom senão Deus.
20
Tu sabes os mandamentos: Não cometerás adultério, não
matarás, não roubarás, não levantarás falso testemunho; honra
teu pai e tua mãe.¨
21
Ele retorquiu: "Tudo isso tenho cumprido
desde a minha juventude.¨
22
Ouvindo isto, Jesus disse-lhe:
"Ainda te falta uma coisa: vende tudo o que tens, distribui o
dinheiro pelos pobres e terás um tesouro no Céu. Depois, vem e
segue-me.¨
23
Quando isto ouviu, ele entristeceu-se, pois era
muito rico.
24
Vendo-o assim, Jesus exclamou: "Como é difíciI
para os que têm riquezas entrar no Reino de Deus!
25
Sim, é
mais fáciI um cameIo passar peIo fundo de uma aguIha do
que um rico entrar no Reino de Deus!¨
26
Os que o ouviram
disseram: "Então, quem pode salvar-se?¨
27
Jesus respondeu: "O
que é impossível aos homens é possível a Deus.¨
b
|d| A hiperbole. de sabor oriental. sublinha os riscos postos pelas riquezas a
quem deseia seguir de perto a Jesus.
|a| '' Mc 10.
17-27
; Lc 18.
18-27
|b| '' Lc 10.
25-28
; Mt 19.
16-26
; Mc 10.
17-27
311
24.8 Como é difícil se salvar os apegados às riquezas
Mc 10,
23
Olhando em volta, Jesus disse aos discípulos: "Quão
difíciI é entrarem no Reino de Deus os que têm riquezas!
a
¨
24
Os discípulos ficaram espantados com as suas palavras. Mas
Jesus prosseguiu: "FiIhos, como é difíciI entrar no Reino de
Deus!
25
É mais fáciI passar um cameIo peIo fundo de uma
aguIha, do que um rico entrar no Reino de Deus.¨
26
Eles
admiraram-se ainda mais e diziam uns aos outros: "Quem pode,
então, salvar-se?¨
27
Fitando neles o olhar, Jesus disse-lhes: "Aos
homens é impossível, mas a Deus não; pois a Deus tudo é
possível.¨
b
24.9 Recompensa do desprendimento
Mc 10,
28
Pedro começou a dizer-lhe: "Aqui estamos nós que
deixamos tudo e te seguimos.¨
29
Jesus respondeu: "Em verdade
vos digo: quem deixar casa, irmãos, irmãs, mãe, pai, fiIhos
ou campos por minha causa e por causa do EvangeIho,
30
receberá cem vezes mais agora, no tempo presente, em
casas, e irmãos, e irmãs, e mães, e fiIhos, e campos,
juntamente com PERSEGUIÇÕES , e, no tempo futuro, a vida
eterna.
31
Muitos dos que são primeiros serão últimos, e muitos
dos que são últimos serão primeiros.¨
c
24.10 Explicacão da parábola do semeador
Lc 8,
11
O significado da parábola é este: a semente é a Palavra
de Deus.
12
Os que estão à beira do caminho são aqueles que
ouvem, mas em seguida vem o diabo e tira-lhes a palavra do
coração, para não se salvarem, acreditando.
13
Os que estão
sobre a rocha são os que, ao ouvirem, recebem a palavra com
alegria; mas, como não têm raiz, acreditam por algum tempo e
afastam-se na hora da provação.
14
A que caiu entre espinhos são
aqueles que ouviram, mas, indo pelo seu caminho, são
sufocados peIos cuidados, peIa riqueza, peIos prazeres da
vida e não chegam a dar fruto.
15
E a que caiu em terra boa são
|a| Mt 19.
23-26
; Lc 18.
24-27
|b| '' Mt 19.
16-22
; Lc 10.
25-28
; 18.
18-23
|c| '' Mt 19.
27-30
; Lc 18.
28-30
312
aqueles que, tendo ouvido a palavra, com um coração bom e
virtuoso, conservam-na e dão fruto com a sua perseverança.¨
a

24.11 Cuidado com a ganância
Lc 12,
13
Dentre a multidão, alguém lhe disse: "Mestre, diz a
meu irmão que reparta a herança comigo.¨
14
Ele respondeu-
lhe: "Homem, quem me nomeou juiz
b
ou encarregado das
vossas partiIhas?¨
15
E prosseguiu: "OIhai, guardai-vos de toda
a ganância, porque, mesmo que um homem viva na
abundância, a sua vida não depende dos seus bens.¨
24.12 Parábola do rico insensato
Lc 12,
16
Disse-lhes, então, esta parábola: "Havia um homem
rico, a quem as terras deram uma grande colheita.
17
E pôs-se a
discorrer, dizendo consigo: 'Que hei-de fazer, uma vez que não
tenho onde guardar a minha colheita?'
18
Depois continuou: 'Já sei
o que vou fazer: deito abaixo os meus celeiros, construo uns
maiores e guardarei lá o meu trigo e todos os meus bens.
19
Depois, direi a mim mesmo: Tens muitos bens em depósito para
muitos anos; descansa, come, bebe e regala-te.'
20
Deus, porém,
disse-Ihe: 'Insensato! Nesta mesma noite, vai ser recIamada
a tua vida; e o que acumuIaste para quem será?'
21
Assim
acontecerá ao que amontoa para si, e não é rico em reIação
a Deus.¨
c
24.13 Confianca na Providência
Lc 12,
22
Em seguida, disse aos discípulos: "É por isso que vos
digo: Não vos preocupeis quanto à vossa vida, com o que haveis
de comer, nem quanto ao vosso corpo, com o que haveis de
vestir;
23
pois a vida é mais que o alimento, e o corpo mais que o
vestuário.
24
Reparai nos corvos: não semeiam nem colhem, não
|a| '' Mt 13.
18-23
; Mc 4.
13-20
|b| Jesus recusa assumir uma tareIa temporal. distinguindo-se de Moises.
estabelecido cheIe e iuiz do povo (Ex 2.
14
).
|c| A parabola e uma ilustracão do risco que a riqueza pode constituir. A licão
do 'tesouro no Ceu¨ e condensada na conclusão (v.
21
) e repetida noutras
passagens (v.
33
; Lc 16.
9
; 18.
22
).
313
têm despensa nem celeiro, e Deus alimenta-os. Quanto mais não
valeis vós do que as aves!
25
E quem de vós, pelo fato de se
inquietar, pode acrescentar um côvado à extensão da sua vida?
26
Se nem as mínimas coisas podeis fazer, porque vos preocupais
com as restantes?
27
Reparai nos lírios, como crescem! Não
trabalham nem fiam; pois Eu digo-vos: Nem Salomão, em toda a
sua glória, se vestiu como um deles.
28
Se Deus veste assim a
erva, que hoje está no campo e amanhã é lançada no fogo,
quanto mais a vós, homens de pouca fé!
29
Não vos inquieteis
com o que haveis de comer ou beber, nem andeis ansiosos,
30
pois as pessoas do mundo é que andam à procura de todas
estas coisas; mas o vosso Pai sabe que tendes necessidade
delas.
31
Procurai, antes, o seu Reino, e o resto vos será dado
por acréscimo.
32
Não temais, pequenino rebanho, porque
aprouve ao vosso Pai dar-vos o Reino.¨
24.14 O tesouro do Céu
Lc 12,
33
"Vendei os vossos bens e dai-os de esmoIa.
Arranjai bolsas que não envelheçam, um tesouro inesgotável
no Céu, onde o ladrão não chega e a traça não rói.
34
Porque,
onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso
coração.¨
a
24.15 Reflexões sobre o dinheiro
Lc 16,
9
"E Eu digo-vos
b
: Arranjai amigos com o dinheiro
desonesto, para que, quando este faltar, eles vos recebam nas
moradas eternas.
10
Quem é fieI no pouco também é fieI no
|a| '' Mt 6.
19-21
|b| Encontram-se aqui reunidas diversas sentencas sobre o uso do dinheiro
(Eclo 31.
8
). A ligar esses elementos ha varios termos com raiz semita: dinheiro
(lit.. 'mamon¨): v.
9.11.13
; Mt 6.
24
). Iiel (aman: digno de conIianca: v.
10.11.12
).
verdadeiro (autêntico: v.
11
). O dinheiro e personiIicado como potência
enganadora que escraviza. mas que o discipulo deve utilizar. arraniando um
tesouro no ceu (v.
4
; 12.
16-21
). mediante o investimento nos pobres (amigos).
ReIlete-se aqui um tema caro a Lc: o conIronto com os bens materiais.
nomeadamente na esmola aos pobres (Lc 11.
41
). Moradas eternas. lit.. 'Tendas
eternas¨. Esta expressão inspira-se no imaginario da Iesta das Tendas onde se
preIigurava a era da salvacão (Zc 14.
16-21
).
314
muito; e quem é infieI no pouco também é infieI no muito.
11
Se, pois, não fostes fiéis no que toca ao dinheiro desonesto,
quem vos há-de confiar o verdadeiro bem?
12
E, se não fostes
fiéis no alheio, quem vos dará o que é vosso?
13
Nenhum servo
pode servir a dois Senhores
a
; ou há-de aborrecer a um e amar
o outro, ou dedicar-se a um e desprezar o outro. Não podeis
servir a Deus e ao dinheiro.¨
24.16 Parábola do rico e de Lázaro
Lc 16,
19
"Havia um homem rico que se
vestia de púrpura e linho fino e fazia todos
os dias esplêndidos banquetes.
20
Um
pobre, chamado Lázaro
b
, jazia ao seu
portão, coberto de chagas.
21
Bem
desejava ele saciar-se com o que caía da
mesa do rico; mas eram os cães que
vinham lamber-lhe as chagas.
22
Ora, o
pobre morreu e foi levado pelos anjos ao
seio de Abraão. Morreu também o rico e
foi sepultado.
23
Na morada dos mortos
c
,
achando-se em tormentos, ergueu os
olhos e viu, de longe, Abraão e também Lázaro no seu seio
d
.
24
Então, ergueu a voz e disse: 'Pai Abraão, tem misericórdia de
mim e envia Lázaro para molhar em água a ponta de um dedo e
refrescar-me a língua, porque estou atormentado nestas
chamas.'
25
Abraão respondeu-lhe: 'Filho, lembra-te de que
recebeste os teus bens em vida, enquanto Lázaro recebeu
somente males. Agora, ele é consolado, enquanto tu és
|a| Servir a Deus e ao dinheiro. Na Biblia. o termo servir tem tambem um
sentido cultual. O dinheiro e apresentado como um idolo. encerra o risco de
aIastar de Deus (Mt 6.
24
).
|b| Lazaro signiIica 'Deus aiuda¨. Este nada tem a ver com o Lazaro
ressuscitado por Jesus (Jo 11).
|c| Na morada dos mortos. lit.. 'Hades¨. ou 'Cheol Xeol - Sheol¨. em
hebraico. Lc e o unico evangelista a apresentar a situacão das pessoas no Alem.
O seu obietivo e indicar a Iidelidade ou inIidelidade ao proieto de Deus.
|d| Seio de Abraão e o lugar de honra no banquete presidido por Abraão. pai
dos crentes (Lc 23.
43
; Rm 4.
11.12
). Sobre o banquete messiânico. ver Lc 13.
28
.
315
atormentado.
26
Além disso, entre nós e vós há um grande
abismo, de modo que, se alguém pretendesse passar daqui para
junto de vós, não poderia fazê-lo, nem tão-pouco vir daí para
junto de nós.'
27
O rico insistiu: 'Peço-te, pai Abraão, que envies
Lázaro à casa do meu pai, pois tenho cinco irmãos;
28
que os
previna, a fim de que não venham também para este lugar de
tormento.'
29
Disse-lhe Abraão: 'Têm Moisés e os Profetas; que os
oiçam!'
30
Replicou-lhe ele: 'Não, pai Abraão; se algum dos mortos
for ter com eles, hão-de arrepender-se.'
31
Abraão respondeu-lhe:
'Se não dão ouvidos a Moisés e aos Profetas, tão-pouco se
deixarão convencer, se alguém ressuscitar dentre os mortos.'¨
24.17 Recompensa do desprendimento
Lc 18,
28
Disse-lhe Pedro: "Nós deixamos os próprios bens e
seguimos-te.¨
29
Ele disse-lhes: "Em verdade vos digo: Não há
ninguém que tenha deixado casa, mulher, irmãos, pais ou filhos,
por causa do Reino de Deus,
30
que não receba muito mais no
tempo presente e, no tempo que há-de vir, a vida eterna.¨
a
24.18 1esus era pobre das riquezas mundanas
§517 Toda a vida de Cristo é mistério de Redenção. A
Redenção nos vem antes de tudo pelo sangue da Cruz, mas
este mistério está em ação em toda a vida de Cristo: já em
sua Encarnação, pela qual, fazendo-se pobre, nos enriqueceu
por sua pobreza; em sua vida oculta, que, por sua submissão,
serve de reparação para nossa insubmissão; em sua palavra,
que purifica seus ouvintes; em suas curas e em seus
exorcismos, pelos quais "levou nossas fraquezas e carregou
nossas doenças¨ (Mt 8,
17
); em sua Ressurreição, pela qual
nos justifica.
§525 Jesus nasceu na humildade de um estábulo, em uma
família pobre; as primeiras testemunhas do evento são
simples pastores. É nesta pobreza que se manifesta a glória
do Céu. A Ìgreja não se cansa de cantar a glória dessa noite:
Hoje a Virgem traz ao mundo o Eterno
|a| '' Mt 19.
27-30
; Mc 10.
28-31
316
E a terra oferece uma gruta ao Ìnacessível.
Os anjos e os pastores o louvam
E os magos caminham com a estrela.
Pois Vós nascestes por nós,
Menino, Deus eterno!
§544 O Reino pertence aos pobres e aos pequenos, isto é,
aos que o acolheram com um coração humilde. Jesus é
enviado para "evangelizar os pobres¨ (Lc 4,
18
). Declara-os
bem-aventurados, pois "o Reino dos Céus é deles¨ (Mt 5,
3
); foi
aos "pequenos¨ que o Pai se dignou revelar o que permanece
escondido aos sábios e aos entendidos. Jesus compartilha a
vida dos pobres desde a manjedoura até a cruz; conhece a
fome, a sede e a indigência. Mais ainda: identifica-se com os
pobres de todos os tipos e faz do amor ativo para com eles a
condição para se entrar em seu Reino.
24.19 Apelo a conversão. pelo exemplo
Lc 1,
51
Manifestou o poder do seu braço e dispersou os
soberbos.
52
Derrubou os poderosos de seus tronos e exaltou
os humildes.
53
Aos famintos encheu de bens e aos ricos
despediu de mãos vazias.
Sl 119(118),
36
Ìnclinai meu coração às vossas leis, * e nunca ao
dinheiro e à avareza.
37
Desviai o meu oIhar das coisas vãs, *
dai-me a vida pelos vossos mandamentos!
Dt 15,
7
Se houver junto de ti um indigente [pobre] entre os teus
irmãos, numa das tuas cidades, na terra que o Senhor, teu Deus,
te há-de dar, não endurecerás o teu coração e não fecharás a
tua mão ao irmão necessitado.
8
Abre-lhe a tua mão, empresta-
lhe sob penhor, de acordo com a sua necessidade, aquilo que
lhe faltar.
9
Guarda-te de alimentar no teu coração um
pensamento perverso [avarentos], dizendo: 'O sétimo ano, o ano
do perdão das dívidas, está próximo', recusando-te sem piedade
a socorrer o teu irmão necessitado. EIe cIamaria ao Senhor
contra ti, e aquiIo tornar-se-ia para ti um pecado.
10
Deves
dar-lhe, sem que o teu coração fique pesaroso; porque, em
recompensa disso, o Senhor, teu Deus, te abençoará em todas
as empresas das tuas mãos.
11
Sem dúvida, nunca faltarão
317
pobres na terra; por isso, eu te ordeno: Abre generosamente a
mão ao teu irmão, ao pobre e ao necessitado que estiver na tua
terra.
Sl 113(112),
7
EIe Ievanta do pó o indigente e tira o pobre da
miséria,
8
para o fazer sentar entre os grandes, entre os grandes
do seu povo.
Lc 6,
24
"Mas ai de vós, os ricos, porque recebestes a vossa
consoIação!
25
Ai de vós, os que estais agora fartos, porque
haveis de ter fome! Ai de vós, os que agora rides, porque
gemereis e chorareis!
26
Ai de vós, quando todos disserem bem
de vós! Era precisamente assim que os pais deles tratavam os
falsos profetas¨
a
.
2Cor 8,
9
Conheceis bem a bondade de Nosso Senhor Jesus
Cristo que, sendo rico, se fez pobre por vós, para vos
enriquecer com a sua pobreza.
Tg 1,
9
Que o irmão de condição humilde se glorie na sua
exaltação,
10
e o rico na sua humiIhação, pois ele passará como
a flor da erva.
11
Com efeito, ao despontar o Sol com ardor, a erva
seca e a sua flor cai, perdendo toda a beleza; assim murchará
também o rico nos seus empreendimentos.
Ap 3,
15
'Conheço as tuas obras: não és frio nem quente. Oxalá
fosses frio ou quente.
16
Assim, porque és morno - e não és frio
|a| As bem-aventurancas de Lc são seguidas de quatro antiteses que
proclamam o Iracasso dos que são Ielizes neste mundo. O esquema de Lc
encontra raizes no AT. onde ia existiam duplicados de bem-aventurancas e
maldicões (Is 3.
10
Feliz o iusto. porque porque tudo lhe vai bem' Com efeito.
colhera o fruto do seu procedimento.
11
Mas ai do impio. do homem mau'
Porque sera tratado de acordo com suas obras. Jr 17.
5
Assim diz Jave. Maldito
o homem que confia no homem e que busca apoio na carne. e cuio coracào
se afasta de Jave.
6
Sera como a arvore solitaria no deserto. que nào chega a
ver a chuva. habitara no deserto abrasador. na terra salgada e inabitavel.
7
Bendito o homem que confia em 1avé, e em 1avé deposita a sua seguranca.
8
Ele sera como a arvore plantada a beira dagua e que solta raizes em direcào
ao rio. Nào teme quando vem o calor. e suas folhas estào sempre verdes, no
ano da seca. nào se perturba. e nào para de dar frutos.). mas a dureza das
ameacas não corresponde a docura e a mensagem de misericordia do Jesus de
Lc. Não se trata condenacões irrevogaveis. mas de lamentacões e ameacas. de
apelos a conversão.
318
nem quente ÷ vou vomitar-te da minha boca.
17
Porque dizes:
'Sou rico, enriqueci e nada me faIta' ÷ e não te dás conta de
que és um infeIiz, um miseráveI, um pobre, um cego, um nu
a

÷
18
aconselho-te a que me compres ouro purificado no fogo, para
enriqueceres, vestes brancas para te vestires, a fim de não
aparecer a vergonha da tua nudez e, finalmente, o colírio para
ungir os teus olhos e recobrares a vista.
19
Aos que amo, eu os
repreendo e castigo. Sê, pois, zeloso e arrepende-te.
20
Olha que
Eu estou à porta e bato: se alguém ouvir a minha voz e abrir a
porta, Eu entrarei na sua casa e cearei com ele e ele comigo.'
21
Ao que vencer, farei que se sente comigo no meu trono, assim
como Eu venci e estou sentado com meu Pai, no seu trono.
Mt 25,
31
"Quando o Filho do Homem vier na sua glória,
acompanhado por todos os seus anjos, há-de sentar-se no seu
trono de glória.
32
Perante Ele, vão reunir-se todos os povos e Ele
separará as pessoas umas das outras, como o pastor separa as
ovelhas dos cabritos.
33
À sua direita porá as oveIhas e à sua
esquerda, os cabritos.
34
O Rei dirá, então, aos da sua direita:
'Vinde, benditos de meu Pai! Recebei em herança o Reino
que vos está preparado desde a criação do mundo.
35
Porque
tive fome e destes-me de comer, tive sede e destes-me de
beber, era peregrino e recoIhestes-me,
36
estava nu e destes-
me que vestir, adoeci e visitastes-me, estive na prisão e
fostes ter comigo.'
37
Então, os justos vão responder-lhe:
'Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer,
ou com sede e te demos de beber?
38
Quando te vimos peregrino
e te recolhemos, ou nu e te vestimos?
39
E quando te vimos
doente ou na prisão, e fomos visitar-te?'
40
E o Rei vai dizer-
Ihes, em resposta: 'Em verdade vos digo: Sempre que
fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, a
mim mesmo o fizestes.'
41
Em seguida dirá aos da esquerda:
'Afastai-vos de mim, maIditos, para o fogo eterno, que está
preparado para o diabo e para os seus anjos!
42
Porque tive
fome e não me destes de comer, tive sede e não me destes
de beber,
43
era peregrino e não me recoIhestes, estava nu e
não me vestistes, doente e na prisão e não fostes visitar-me.'
44
Por sua vez, eles perguntarão: 'Quando foi que te vimos com
|a| Deus os considera pobre das suas gracas e bencãos.
319
fome, ou com sede, ou peregrino, ou nu, ou doente, ou na prisão,
e não te socorremos?'
45
Ele responderá, então: 'Em verdade
vos digo: Sempre que deixastes de fazer isto a um destes
pequeninos, foi a mim que o deixastes de fazer.'
46
Estes irão
para o suplício eterno, e os justos, para a vida eterna.¨
320
ConcIusão
Esperamos ter esclarecido as dúvidas, no próximo fascículo,
trataremos dos seguintes assuntos:
Espírito Santo;
Bíblia;
Oração (Liturgia das Horas ÷ Ofício Divino);
Dons e Carismas;
Entre outros.
Oração
a
Senhor. nosso Pai. Deus Santo e Fiel. que enviastes o Espirito
prometido por vosso Filho. para reunir os seres humanos divididos pelo
pecado. Iazei-nos promover no mundo os bens da unidade e da paz. Por
Cristo. nosso Senhor.
|a| Liturgia das Horas. Livro III Primeira a Decima Setima Semana do
Tempo Comum. II Semana. Quarta-Ieira. Oracão das Nove Horas. Pag. 828
321
25 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
A BíbIia da Ave Maria, traduzida do francês e publicada pela
Editora Ave Maria em 1957.
A BíbIia da Vozes, traduzida por um grupo de exegetas católicos
brasileiros, editada pela Vozes em 1982.
A BíbIia de JerusaIém, traduzida por uma equipe de exegetas
brasileiros e publicada pela Paulus em 1981. Nova edição,
inteiramente revista e ampliada, com novas opções textuais e
notas atualizadas, foi lançada em 2002, com o título de Bíblia de
Jerusalém - Edição Revisada.
A BíbIia do Pontifício Instituto BíbIico de Roma, traduzida do
italiano e publicada pela Paulus em 1967.
A BíbIia Mensagem de Deus, publicada pela Loyola em 1983.
A BíbIia Santuário, publicada pela Editora Santuário em 1982.
A Tradução Ecumênica da BíbIia (TEB) é baseada na
conceituada TOB francesa, trabalho ecumênico da maior
importância, publicada pela Loyola em 1994.
BíbIia do Peregrino, de Luís Alonso Schökel, traduzida do
espanhol, e que se caracteriza pela tradução idiomática e
abundância de notas, publicada, em edição completa, pela
Paulus em novembro de 2002.
BíbIia Sagrada traduzida do latim pelo Pe. Matos Soares, Lisboa
1932.
BíbIia Sagrada, Edição PastoraI, que se caracteriza pela
linguagem acessível e por interessantes notas explicativas, foi
publicada pela Paulus em 1990. Site:
http://www.paulus.com.br/BP/_ÌNDEX.HTM
BíbIia Sagrada, tradução oficial da CNBB, publicada, em 2001,
publicada pela própria CNBB.
BíbIia Sagrada. Difusora BíbIica. On-line:
http://www.paroquias.org/biblia 3.ª edição revista. 2001.
322
A BíbIia Sagrada. AImeida Corrigida FieI. On-line:
http://www.biblias.com.br/leiturabiblica.php
Catecismo da Igreja CatóIica. On-line: http://catecismo-
az.tripod.com
25.1 Sites para aprofundamento:
A Editora CIéofas http://www.cleofas.com.br
Veritatis SpIendor: Nosso Apostolado têm origem na fusão de
diversos outros Apostolados católicos que, na Ìnternet, vinham
trabalhando na defesa da Fé Católica e na divulgação do
Evangelho que o Senhor confiou aos cuidados da Santa Ìgreja
Católica. Muitos de nossos membros são ex-protestantes que
após conhecerem os Escritos dos Santos Padres se converteram
à Fé Católica após descobrirem que Sua Doutrina é a mesma
doutrina que sempre foi pregada desde os primeiros anos do
Cristianismo. http://www.veritatis.com.br
Doutrina CatóIica http://br.geocities.com/worth_2001
ACI DigitaI http://www.acidigital.com
presbiteros http://www.presbiteros.com.br
Associação CuIturaI e Edições Santo Tomás
http://www.santotomas.com.br
Santa Missa: http://www.santamissa.com.br
Compêndio do Catecismo da Igreja CatóIica:
http://www.ecclesia.pt/catecismo
Quem quiser corrigir ou sugerir algum tema entre em contato por
e-mail: depositodefe@gmail.com
e no site pode pegar os documento:
http://www.4shared.com/dir/5439146/63d1786e/sharing.html
Mc 4,
39
Então Jesus se levantou e ameaçou o vento e disse ao
mar: "CaIe-se! AcaIme-se!¨ O vento parou e tudo ficou calmo.
40
Depois Jesus perguntou aos discípulos: "Por que vocês são tão
medrosos? Vocês ainda não têm fé?¨
41
Os discípulos ficaram
muito cheios de medo e diziam uns aos outros: "Quem é esse
homem, a quem até o vento e o mar obedecem?¨

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->