Você está na página 1de 5

Resposta Técnica

Assunto
Eletricidade, gás e água
Palavras-chave
Biodigestor, biogás, energia alternativa
Identificação da demanda
Gostaria de saber a respeito da construção de um biodigestor para utilização no
aquecimento de aviários na fase inicial (pintos) e quantidade ideal para
armazenamento dos gases para um aviário de 150 x 14 (30.000 aves).
Solução apresentada
O biogás é a combinação de gases resultantes da digestão anaeróbia da matéria
orgânica contida nos dejetos. Sua composição média de gases é:
• Metano - 55 a 65%
• Carbônico - 25 a 45%
• Sulfídrico - Traços
• Amônia - Traços
As vantagens
• O resultado da decomposição é a geração de um gás de alto poder energético
capaz de substituir a lenha, gasolina e o GLP.
• Valorização dos dejetos para uso agronômico como fertilizante.
• Redução do poder poluente e do nível de patógenos.
• Menor tempo de retenção hidráulica e de área para degradação anaeróbia, em
comparação com outros sistemas.
O dimensionamento
Existem vários modelos de biodigestores. Os mais simples possuem um único
estágio, alimentação contínua sem agitação e sem isolamento.
O tempo de retenção dos dejetos depende da capacidade das bactérias em degradar
a matéria orgânica.
Um método prático de estimar o tamanho do biodigestor é dado pela fórmula abaixo:
TB = V * TRH
Onde :
TB = Tamanho do biodigestor (m3)
V = Vazão diária de dejetos (m3/dia)
TRH = Tempo de retenção necessário para a degradação da matéria orgânica (varia
de 20 a 50 dias).
A produção
Estima-se que a produção de biogás (m3/cabeça/dia) seja de:
• Bovinos (500Kg) - 0,360
• Suínos (90Kg) - 0,240
• Aves (2,5Kg) - 0,014
O manejo
Os dejetos devem ser manejados de forma a manter uma concentração adequada de
sólidos totais para otimizar a produção de biogás:
• Bovinos - 10 a 12%
• Suínos - 8 a 10%
• Aves - 7 a 9%

O gás sulfídrico, gás carbônico e vapor d'água devem ser removidos por serem
corrosivos e diminuírem a eficiência energética.
Os custos
A armazenagem e o sistema de liquefação do biogás são fatores limitantes à
popularização dos biodigestores. Eles influenciam diretamente o custo/benefício do
biogás.
O investimento em armazenagem pode ser substancialmente reduzido com a
utilização do filme plástico de PVC. É um material resistente, seguro e durável.
Uma opção é o biodigestor chinês
O biodigestor chinês tem uma grande vantagem em seu custo reduzido e na sua
simplicidade de construção. Há lugares e situações onde isso é um fator
determinante.
Onde haja recursos limitados e principalmente uma necessidade de saneamento
básico e de biofertilizante o modelo chinês é o mais indicado.
O biodigestor indiano encontra o seu ponto a favor num aproveitamento do gás mais
aprimorado e uma visibilidade do processo mais imediata pelo movimento da
campânula.
Onde deseja-se um aproveitamento maior dos recursos energéticos do biogás esse
modelo torna-se uma opção mais apropriada

Outra opção é o biodigestor indiano

O Biodigestor Indiano é composto basicamente por:

· Caixa de Carga

· Tubo de Carga

· Câmara de biodigestão cilíndrica

· Gasômetro

· Tubo-guia

· Tubo de Descarga

· Caixa ou Caneleta de Descarga

· Saída de Biogás

Sendo que:

· Caixa Descarga: feita em alvenaria, refere-se ao local onde os dejetos


diluídos em água serão colocados para serem introduzidos no sistema;

· Tubo de Carga: serve para conduzir o material, por gravidade, desde


a caixa de carga até o interior do biodigestor. Normalmente utiliza-se um
tubo em PVC com 150 mm de diâmetro;

· Câmara de biodigestão cilíndrica: refere-se ao local onde ocorrerá a


fermentação do material e a conseqüente liberação do biogás. Ela
também deverá ser construída em alvenaria;

· Gasômetro: refere-se ao elemento que será responsável por


armazenar o biogás produzido, permitindo o seu fornecimento com
pressão constante. Isto é possível, porque ele se movimentara para cima
ou para baixo, de acordo com o volume de biogás acumulado ou
retirado. Geralmente o gasômetro é feito de chapa de aço numero 14, a
qual deverá ser soldada em uma estrutura metálica, feita de cantoneiras
de aço carbono ¾”. Ele deverá ter formato cilíndrico, sendo a cobertura
superior abaulada (em forma de cone), para evitar a deposição de
impurezas e água na parte externa do mesmo;
· Tubo-guia: terá a função de guiar o gasômetro, quando este se
movimentar para cima ou para baixo. Esse elemento deverá ser obtido a
partir de um tubo galvanizado com duas e meio de polegadas de
diâmetro;

· Tubo de descarga: servirá para fazer a retirada do material


fermentado (sólidos e líquidos) de dentro do biodigestor. Para isso,
deve-se utilizar também tubo PVC com 150 mm de diâmetro;

· Caixa ou caneleta de descarga: refere-se ao local para onde será


encaminhado o material retirado de dentro do biodigestor até ser
conduzido para outro local. Ela também deverá ser construída em
alvenaria; e

· Saída de biogás: refere-se a um dispositivo que deverá na parte


superior do gasômetro, pelo qual o biogás sairá do interior do gasômetro
e será conduzido até os pontos de consumo de combustível.
Recomenda-se que esse dispositivo seja de mangueira flexível, para
possibilitar acompanhar os movimentos do gasômetro.

A fermentação ocorrerá mais intensamente quando a


temperatura do material estiver entre 30º e 35º C, sendo que
nestas condições, a produção de biogás, por quilograma de
material utilizado, é maior e ocorre em menor tempo. Por essa
razão é que o biodigestor é construído enterrado, pois abaixo da
superfície do solo as temperaturas são mais elevadas e as suas
variações são menores. Alem disso, o manejo dos biodigestores
enterrados é mais fácil de ser executado.

Indicações:
ESPECIALISTAS / INSTITUIÇÕES:
Embrapa Suinos e Aves
BR 153, km 110 Concordia – SC
CEP 89700-000
Telefone (49) 442-8555
www.cnpsa.embrapa.br

Sistema Brasileiro de Respostas Técnicas


http://sbrt.ibict.br/upload/sbrt436.pdf
Conclusão e recomendações
O biodigestor com utilização de biogás para aquecimento de aviários é uma das
tecnologias que a Embrapa Suínos e Aves apresentou no 4º Show Tecnológico Rural
do Oeste Catarinense- Tecnoeste , ocorrido em Janeiro de 2005 na cidade de
Concórdia – SC.
O biodigestor é um sistema de tratamento que estabiliza parcialmente o dejeto, o que
implica em cuidados redobrados com o manejo. O produto final deve passar por
tratamento complementar, como lagoas de estabilização, se o destino final forem os
corpos d’água. Normalmente o sistema tem um abatimento de 70 a 80% da carga
orgânica, ou seja, ele reduz o poder poluente do dejeto nestas percentagens
O biogás gerado pelo biodigestor, pode ser utilizado em sistemas de geração de
energia térmica e elétrica.
O mais comum e recomendável é o uso do biogás para aquecimento de aviários e
leitores em creche, secagem de grãos e aquecimento de água.
Para maiores informações sobre essa tecnologia pode ser obtida com a Embrapa
Suínos e Aves pelo telefone (49) 442-8555.
Metodologia do Atendimento / Fontes de informação consultadas /
Bibliografia
Embrapa
www.enpsa.embrapa.br/?/tecnologias/biodigestor.html
acesso em 07/04/05
Embrapa Suínos e Aves
www.cnpsa.embrapa.br/?/noticias/2005/01/noticias-2005-01n04.html

Nome do técnico responsável


Sérgio Vallejo
Nome da Instituição respondente
Disque-Tecnologia/CECAE/USP
Data de finalização
07/04/05