Você está na página 1de 1

Anotaes de Carl Bergstrm-Nielsen - Graphic Notation in Music Therapy: A Discussion o !

hat to Notate in Graphic Notation" and #o$ %erramentas descriti&as - o'(eti&os: - descri)o ser&e para sugerir como era a m*sica" dando uma imagem mais &+&ida e permitir a &eri ica)o e o e,ame cr+tico dos dados emp+ricos -ue proporcionaram determinada concus)o. - mem/ria das sesses - 0eu acrescentaria a leitura do processo teraputico ou diagn/stico praticamente ao mesmo tempo em -ue ele ocorre. Comunica)o &er'al: pode ser uma maneira e,tremamente le,+&el de a1er a nota)o de uma m*sica. 2Atra&3s de uma representa)o pict/rica" os detalhes e o con(unto podem aparecer integrados" e um grande n*mero de dados tam'3m podem ser rapidamente compreendido por outros. 4ste 3 o aspecto descritti&o 5o&er&ie$6" o -ue signi ica -ue os detalhes s)o acilmente sinteti1ados em um todo e ainda permanecer dispon+&eis para a aten)o em sua indi&idualidade7 5p. 896 2:s &e1es" detalhes podem ser e,cessi&os. ;uanto mais comple,a a m*sica 3" com ritmo" andamento e alturas tal&e1 n)o claramente percept+&eis" maior a necessidade de um sistema de nota)o -ue capture e mostre o -ue os elementos musicais no tra'alho s)o 5por e,emplo" &<rias te,turas" tim'res" densidades" irregular iguras=moti&os" e de -ue orma de elementos re erem dinamicamente ou de outras ormas de um para o outro6.7 Duas notaes aurais 2di erem em alguns detalhes" -ue s)o de se esperar" (< -ue nossas interpretaes da m*sica e do a1er m*sica s)o criaes su'(eti&as. 4sta su'(eti&idade" no entanto" de&e ser um uma su'(eti&idade in ormada" tendo passado por uma disciplina met/dica" empregando a re le,)o cr+tica ao longo do caminho. A intersu'(eti&idade surge atra&3s das medidas do ei,o do tempo e da legenda" e atra&3s aterramento no n+&el descriti&o. 4le tam'3m de&e tornar claro -ue os autores t>m li'erdade criati&a para encontrar sua pr/pria maneira de a1>-lo.