Você está na página 1de 12

Estrutura Secundria

ESTRUTURA SECUNDRIA DA RAZ

As razes engrossam.

das

monocotiledneas

raramente

As razes das dicotiledneas e das gimnospermas, em geral, apresentam crescimento secundrio; Tal crescimento resulta da atividade de dois meristemas secundrios ou laterais:
Cmbio Felognio

O cmbio origina-se das divises das clulas do procmbio que permanecem indiferenciadas entre xilema e floema primrios.

Figura 10.11- Corte transversal da raiz de feijo ( Phaseolus vulgaris ) - Estrutura secundria mostrando a epiderme e parte do crtex sendo eliminados (seta maior). As setas menores indicam os raios vasculares. Fe = felognio; Rp = raios parenquimticos mais largos; C = cmbio.

Razes Adventcias
Originam-se em partes areas da planta, em caules subterrneos e em regies mais ou menos velhas da prpria raiz.

Desempenham um papel importante na propagao vegetativa das plantas e, desse modo, este fenmeno tem sido explorado na pesquisa de fitormnios bem como em processos de micropropagao in vitro.

Razes Gemferas
Gemas Adicionais: so formadas em um sistema radicular no perturbado e tendem a ser endgenas na origem. Gemas reparativas: so formadas em respostas a senescncia, injrias ou outros tipos de perturbao, em qualquer perodo do crescimento secundrio da raiz.

Fonte: adaptado de Hayashi et al., 2001. Figuras 10.17 - Corte transversal da raiz de Machaerium stipitatum. Observa-se o desenvolvimento de duas gemas a partir da proliferao parenquimtica resultante das divises de clulas derivadas do periciclo, dos raios parenquimticos e do cmbio.

Heliconia rostrata - bananeira-do-brejo Fonte: Arquivos do autor, 2014

Formao de gemas radiculares Fonte: Arquivos do autor, 2014