P. 1
Taxonomia Animal

Taxonomia Animal

|Views: 6.723|Likes:
Publicado porlhoyane

More info:

Published by: lhoyane on Sep 27, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPTX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/23/2015

pdf

text

original

Microbiologia

Centro Educacional Metropolitano
Turma: AE 79

Profª Lhoyane Oliveira

Programa
17 de Setembro à 19 de Novembro 19 de Novembro: avaliação 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. Introdução Vírus Bactérias Protozoários Fungos Platelmintos Nematelmintos Prevenção de doenças infecciosas Controle de agentes infecciosos

Vamos lá! Introdução...

O início de tudo...

O homem primitivo já se preocupava com a classificação dos seres vivos que os cercavam: perigosos/não perigosos, terrestres/aquáticos, comestíveis/não comestíveis... Sistemática não científica, mas útil à sobrevivência, sendo considerada uma CLASSIFICAÇÃO ARTIFICIAL não levava em conta o parentesco evolutivo entre os indivíduos. Registros de classificação antigas: Aristóteles (384 -322 a.C.). Dividia os animais em dois grupos: animais com sangue vermelho(enaima) e sem sangue vermelho (anaima). Até o século XVIII houve pouco progresso: a comunicação entre os naturalistas era difícil, impossibilitando um sistema de classificação único, universal.

Taxonomia Animal
do grego... Taxis Nomos ordem, arranjo lei, administrar

Classificação dos seres vivos para tornar mais fácil a compreensão e manipulação.

Carl Von Linné (Suécia, 1707-1778)
Médico. Dedicado à botânica e à física. Criou a taxonomia, ciência que classifica os seres vivos. Fixista. Geração espontânea.
Fixismo: todas as espécies foram criadas como são por poder divino, e permanecem assim, imutáveis, por toda sua existência, sem que jamais ocorram mudanças significativas na sua descendência. ..

Em 1735 publicou o livro ´Systema naturaeµ que propunha:
1º uso de palavras latinas ou latinizadas para denominar os seres vivos. 2º nomenclatura binominal. 3º uso de categorias de classificação (reino, classe, ordem, gênero, espécie) como em uma hierarquia.

Classificação Natural
Embora Lineu não acreditasse na evolução dos seres vivos, elaborou um sistema de classificação natural (agrupando os seres de acordo com o ´grau de parentescoµ ² aparência externa). Assim, começaram as classificações naturais e que atualmente contam com o auxílio da Anatomia, Fisiologia Comparada, Embriologia, Paleontologia, Genética e Bioquímica.

Classificação Atual
É uma adaptação dos sistema de Lineu. Este sistema proposto continua sendo usado, com mais duas categorias: filo e família. Unidades básicas de classificação.
REINO FILO CLASSE ORDEM FAMÍLIA GÊNERO ESPÉCIE
Nota: para as plantas no lugar de
Filo, usa-se o termo Divisão.

Classificação científica do homem
Categoria Taxonômica Classificação
Homem

Reino Filo Classe Ordem Família Gênero Espécie

Animalia Chordata Mammalia Primata Hominidae Homo Homo sapiens sapiens

Continente País Estado Cidade Bairro Rua Nº
Unidade de classificação

Se um animal pertence ao mesmo gênero que o outro, ambos pertencem à mesma família, ordem, classe, filo e reino.

Continuando... Reino>Filo>Classe>Ordem>Família>Gênero>Espécie
Animalia>Chordata>Mammalia>Primata>Hominidae>Homo
Todos os animais Mamíferos Que possuem notocorda na formação embrionária Humanos, gorilas, chimpanzés, orangotangos, lêmures e outros. Catarrinos, sem caudas ou calosidades isquiais, porte vertical.

Espécie: Conjunto de indivíduos semelhantes entre si. Apresentam um mesmo patrimônio genético. Capaz de se reproduzir, gerando descendentes férteis. Devem estar isolados reprodutivamente de outros grupos. Abreviatura de espécie: sp. e espécies (plural): spp.

‡ Reino - categoria superior da classificação científica dos organismos introduzida por Lineu no século XVIII. Mineral , Animalia (seres com movimento) e Plantae (seres sem movimento).
Há ainda: Filo (animais)/Divisão (plantas), Subfilo/Subdivisão e Superclasse.

Categorias facultativas ‡ Classe - agrupa ordens relacionadas filogeneticamente , distinguíveis das outras por diferenças marcantes, e que é a principal subdivisão dos filos.
Há ainda: Infra-classe, Subclasse e Superordem.

‡ Ordem - agrupa famílias relacionadas filogeneticamente , distinguíveis das outras por diferenças marcantes, principal subdivisão das classes.
Há ainda: Subordem e Superfamília.

‡ Família - reúne gêneros semelhantes e estão reunidas em classes e em divisão.
Há ainda: Subfamília.

‡ Gênero - agrupamento de espécies semelhantes ou parecidas entre si, que possuam relações genéticas.
Há ainda: Subgênero.

‡ Espécie - indivíduos que, além dos caracteres genéricos, têm em comum outros caracteres pelos quais se assemelham entre si e se distinguem dos das demais espécies. Há ainda: Subespécie. E chega!

Espécies parecidas podem ser reunidas no gênero; gêneros afins formam famílias e estas compõem ordens, que se reúnem em classes. Classes semelhantes compõem os filos que são reunidos em Reinos.

Regras de nomenclatura
Elimina nomes múltiplos

1º: Todo nome científico deve ser latino ou latinizado. Carl Linné: Carolous Linnaeus. 2º: Todo animal deve ser descrito pela nomenclatura binomial. 3º: O GÊNERO é designado por um substantivo, o qual deve ser escrito com INICIAL MAIÚSCULA. A espécie é geralmente designada por um adjetivo e deve ter a letra inicial minúscula. 4º: Entre o gênero e a espécie, o animal pode ter um terceiro nome, o subgênero, escrito com inicial maiúscula e entre parênteses. Ex: Aedes (Stegomya) aegypti ou seja Gênero (Subgênero) espécie 5º: Deve ser usada a grafia itálica ou sublinhada quando escrito manualmente. Ex: Cão doméstico: Canis familiaris ou Canis familiaris Lobo: Canis lupus ou Canis lupus

Lei da prioridade:
Adota-se para cada gênero e espécie, o nome mais antigo pelo qual foi designado. Desejando citar o nome do autor, colocá-lo logo após o nome científico sem qualquer pontuação intermediária. Coloca-se a data, separada do nome do autor por uma vírgula (nome e data não são grifados). Ex: Passer domesticus Linnaeus - Passer domesticus L. Entamoeba histolytica Shaudinn, 1903 Para nomenclatura de família usa-se: Gênero + sufixo Ex: Apis + IDAE = Apidae Em plantas o sufixo é aceae (Rosaceae).

Híbridos
Espécies diferentes podem cruzar entre si (intervenção humana). Jumento (Equus asinus) + Égua (Equus caballus) = Burro ou Mula.
Filhotes estéreis (não produzem espermatozóides ou óvulos). Macho e fêmea não possuem órgãos genitais bem desenvolvidos; dificulta o acasalamento. Cavalo + jumenta = bardoto. Este possui maior semelhança com a jumenta (isolamento reprodutivo).

Leão (Panthera leo) + Tigresa (Panthera tigris) = Liger
Gênero Panthera (sem espécie). Filhotes estéreis.

Os Cinco Reinos
Reino característica Nº de células Organização celular Nutrição Parede celular Exemplos Reino Monera
Unicelular

Reino Protista
Unicelular

Reino Funghi
Unicelular e Pluricelular

Reino Vegetal
Pluricelular

Reino Animalia
Pluricelular

Procarionte Autótrofo Heterótrofo Peptídeoglicanos (gran) Bactérias

Eucarionte Autótrofo Heterótrofo Composição variada Amebas

Eucarionte

Eucarionte

Eucarionte

Heterótrofo

Autótrofo

Heterótrofo

Quitina

Celulose

-

Cogumelos

Bananas

Humanos

Quiz!
Um entomólogo estudando a fauna de insetos da mata atlântica encontrou uma espécie, cujos caracteres não se encaixavam naqueles característicos dos gêneros de sua família. Isso levará o cientista a criar: a. Uma nova família com um novo gênero. b. Somente uma nova espécie. c. Um novo gênero com uma nova espécie. d. Uma sub espécie. e. Uma nova ordem com uma nova família. Se reunirmos as famílias "Canidae" (cães), "Ursidae" (ursos) e "Hienidae" (hienas), veremos que todos são carnívoros, portanto pertencem à (ao) mesma (o): a. Espécie. b. Ordem. c. Subespécie. d. Família. e. Gênero.

Introdução à Microbiologia
Principais temas de pesquisa usados na Microbiologia Básica:
Características Morfológicas - forma e tamanho da célula; composição química e função de suas estruturas internas. Características Fisiológicas - necessidade nutricional específica condições físicas necessárias ao crescimento e reprodução. e

Atividades Bioquímicas ² metabolização de nutrientes para obter energia e síntese de compostos. Potencial Patológico - presença ou ausência para o homem, animais e plantas . Características Ecológicas - ocorrência natural no ambiente e relação com outros. Classificação - a relação taxonômica entre os grupos.

Um pouco de história...
Microrganismos descritos pela primeira vez pelo microscopista holandês Anton van Leeuwenhoek entre 1670 a 1680. Início do século XIX: Louis Pasteur e Robert Koch: distribuição dos microrganismos no ambiente, meios para controlá-los, refutação da teoria da geração espontânea, desenvolvimento das teorias microbianas das fermentações e doenças. Contribuições que permitiram o desenvolvimento de práticas como a cirurgia anti-séptica (Lister), quimioterapia (Ehrlich), Imunologia (Metchnikoff e Ehrlich) e virologia.

Importância da Microbiologia
Microrganismos: seres vivos ideais para estudo dos fenômenos biológicos e bons instrumentos para compreender a biologia molecular das células. Muitos problemas ou transformações importantes da sociedade humana são conseqüência da atividade dos microrganismos.

Características principais das células
Metabolismo: Apresentam nutrição própria. Crescimento: Possuem as informações para seu crescimento e autoduplicação. Diferenciação: formam estruturas celulares diferenciadas durante o ciclo de vida. Interação: São capazes de emitir sinais químicos ou físico-químicos importantes na comunicação entre elas ou durante nutrição e resposta a ambientes hostis. Evolução: alteram suas propriedades biológicas caso necessário.

Longevidade de uma célula
Células lábeis: curta duração, resultam de diferenciação rápida de células indiferenciadas de origem embrionária, não se reproduzem. Ex: hemácias. Células estáveis: duração de meses ou anos, se diferenciam durante o desenvolvimento embrionário e mantêm um ritmo constante de multiplicação. Ex: fibras musculares lisas, células epiteliais e conjuntivas. Células permanentes: resultam de uma diferenciação celular precoce no embrião, duram toda a vida, atingem alto grau de especialização (após a formação embrionária, perdem a capacidade de reprodução). Ex: fibras musculares estriadas, neurônios.

E estas células formam seres que se relacionam...
Relações ecológicas Relações harmônicas Relações desarmônicas

Harmônicas interespecíficas Mutualismo: lucro mútuo para ambos os sócios (+/+)
Ex: algas + fungos = líquens.

Protocooperação: lucro mútuo para ambos os sócios (+/+)
Ex: pássaro palito e jacaré.

Comensalismo: comensal lucra e o anfitrião não ganha nem perde (+/0)
Ex: rêmora e tubarão.

Inquilinismo: inquilino lucra e base não perde nem ganha (+/0)
Ex: fierasfer e pepino do mar.

Harmônicas intra-específicas Colônias: indivíduo e estrutura física da colônia lucram (+/+)
Ex: corais.

Sociedades: indivíduo e população da sociedade lucram (+/+)
Ex: pinguins.

Desarmônicas interespecíficas Predatismo: o predador lucra e a presa tem prejuízo (+/-)
Ex: carnívoros.

Parasitismo: o parasita lucra e o hospedeiro tem prejuízo (+/-)
Ex: endo e ectoparasitas.

Amensalismo: o inibidor lucra e o amensal tem prejuízo (+/-).
Ex: fungo Penicillium notatum: Penicilina.

Esclavagismo: o esclavagista lucra e os escravizados têm prejuízo (+/-)
Ex: humanos e abelhas.

Competição: o mais forte lucra e o mais fraco tem prejuízo (+/-)
Ex: corujas e cobras pelas mesmas presas.

Agora, vamos lá!

Quiz!
Algumas reações fragmentam moléculas orgânicas complexas e ricas em energia, originando moléculas mais simples e pobres em energia como dióxido de carbono, água e amônia. O conjunto dessas reações caracteriza: A) o anabolismo como o processo básico. B) o catabolismo como o processo básico. C) o catabolismo como síntese de moléculas variadas. D) a homeostase como o processo de fragmentação de moléculas. E) a homeostase como o processo de síntese de moléculas simples. Um animal ao se alimentar, terá parte deste alimento aproveitado na produção de novas moléculas, podendo estas serem usadas no processo de crescimento de seu organismo. As reações de síntese de novas moléculas no organismo são denominadas: A) anabolismo. B) metabolismo. C) catabolismo. D) homeostase. Durante o desenvolvimento de um organismo multicelular, as células assumem formas e funções diferentes em conseqüência de transformações estruturais e bioquímicas. As alterações que ocorrem durante o crescimento de um organismo após a fertilização são conhecidas como: A) reprodução. B) diferenciação. C) crescimento. D) adaptação.

Existem inúmeras características que nos permitem diferenciar a matéria viva da inanimada. A característica ´O ser vivo é capaz de manter a constância do meio internoµ é identificada como: A) homeostase. B) metabolismo. C) irritabilidade. D) nutrição. Os processos gerais pelos quais os sistemas vivos adquirem e utilizam a energia livre que necessitam para desempenhar diferentes funções são denominados A) catabolismo. B) metabolismo. C) processos oxidativos. D) respiração. E) fototropismo.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->