Você está na página 1de 1

Anotaes de Eduardo Viveiros de Castro. O Anti-Narciso: lugar e funo da Antropologia no mundo contemporneo.

Revista Brasileira de Psicanlise Volume 44, n. 4, 15-26 201 0.

Duas concepes radicalmente antagnicas de Antropologia e de Cincias Humanas: - temos uma imagem do conhecimento antropolgico, ou das cincias humanas em geral, como sendo o resultado da aplicao de conceitos que so extrnsecos ao que estamos estu dando. A gente j sabe de antemo, por exemplo, o que so relaes sociais, cognio, psiquis o, parentesco, religio, poltica, economia, e vamos l no fim do mundo para ver como essas entidades se realizam neste ou naquele contexto etnogrfico. Ns temos o conce ito e queremos simplesmente ver como ele preenchido. Como sabemos, essas entidad es se realizam, em geral, pelas costas dos interessados. Os interessados realiza m sem realizar no sentido ingls da palavra que esto realizando esses conceitos - Do outro lado, como alternativa a isto (...), uma ideia do conhecimento antrop olgico como envolvendo a pressuposio fundamental de que os procedimentos que caract erizam a investigao so conceitualmente da mesma ordem que os procedimentos investig ados. Se os humanos so de fato todos iguais, preciso que a nossa investigao seja al go da mesma natureza do que estamos investigando. No podemos afirmar que os homen s so todos iguais, por um lado, e retirar isso com a outra mo. Se os humanos so todos iguais, antroplogos estudam antroplogos, psicanalistas estud am psicanalistas e, portanto, no h onde colocar assimetria nessa investigao. Temos d e assumir que os procedimentos de conhecimento so equivalentes uma equivalncia que produz uma no equivalncia radical do resto todo "Na verdade, a gente imagina cada sociedade como que preenchendo uma forma unive rsal conceito com um contedo particular, esquecendo que essa forma universal o no sso contedo particular" A segunda concepo "suspeita que os problemas sejam radicalmente diversos e, sobret udo, ela parte do princpio, a meu ver fundamental, de que o antroplogo no sabe de a ntemo quais so os problemas que caracterizam aquela sociedade. a arte de determinar os problemas postos por cada cultura, no a de achar solues par a os problemas postos pela nossa

o que acontece no uma mudana de opinio em relao a uma essncia objetiva extrnseca, na al, mas, ao contrrio, uma transformao do real. Mudana no de significado, mas de refern cia. No uma mudana na linguagem, mas uma mudana de mundo.