Você está na página 1de 14

Este é o carburador Mikuni BS26, a vácuo, que equipava a Suzuki Intruder

125, anterior ao modelo 2007.

A seta mostra onde está o parafuso de mistura da marcha-lenta. O círculo


mostra um dos 4 parafusos da tampa do diafragma, que darão um trabalho
danado para saírem dalí!

aqui a borboleta, é ela que se abre ao girarmos o acelerador. Bem alinhado


com o parafuso da mistura, está a saída dessa mistura: esse pequeno
orifício. O parafuso da mistura atua restringindo ou permitindo a passagem
por alí.
Os 3 pequenos orifícios da saída do circuito da "baixa/média". Este circuito
se inicia no giclê de ar, logo abaixo do diafragma.
Para soltar esses parafusos da tampa, o ideal é prender o carburador numa
morsa, protegido para não ser danificado, e sem apertá-lo demais na morsa.
Ele apenas não pode girar, porque os parafusos vêm com um torque de
aperto meio descomunal (e desnecessário). E deverá também ser apoiado
por baixo (outros jeitos de se prender o carburador também são viáveis). A
chave philips ideal para ser usada, é uma daquelas pontas de chave de
impacto, que deverá ficar o mais justa possível na fenda do parafuso. Não
se deve usar impacto!
Descobrindo o diafragma
O diafragma assentado no carburador. Há essa aba, que é referência para
que o "giclê de vácuo" do diafragma fique voltado para o motor.
O conjunto diafragma/pistonete/agulha
A entrada de ar para o giclê de ar do circuito da "baixa/média", e
compensação do diafragma.
A agulha, como ela é montada no pistonete. Logo acima dela, o orifício que
podemos chamar de "giclê de vácuo". Através dele é que o vácuo presente
naquele ponto do carburador levanta o pistonete, fazendo uma sucção na
parte de cima do diafragma.
O mesmo "giclê", visto pelo outro lado. Há essa chapinha, presa pelos dois
parafusos, cuja finalidade é segurar a agulha na sua posição.
Soltando a agulha...
A agulha, retirada do seu assento, com a mola, a travinha, e o calço
plástico, como são montados originalmente.
A travinha da agulha, na posição original: está na 4a ranhura, de cima para
baixo.
Apontada pela seta vermelha (de baixo), a posição original da travinha da
agulha. E apontada pela seta amarela, a posição em que deixei a travinha
do meu carburador.
Após alterada a posição da agulha, a remontagem obedece a ordem inversa
da desmontagem. Atentar para a sequência das peças da agulha: com a
mesma na posição vertical, ela vai inserida no pistonete com a mola
embaixo da travinha, a própria travinha, e o calço plástico acima da
travinha. E a chapinha de trava por cima de tudo. Esta chapinha tem lado e
posição certos: aquele "pontinho" estampado na mesma, é para baixo.

Depois é só refazer a regulagem da mistura da marcha-lenta. O parafuso


dela deverá ficar entre 2 e 4 voltas. O padrão é 2 1/2 voltas.

Depois colocarei fotos descrevendo circuitos do carburador.

Interesses relacionados