Você está na página 1de 6

Problemas -

PROBLEMAS • - •• • -:$ O numero de pontos ndic:a o grau de dificuldade
PROBLEMAS
• - •• •
-:$
O numero de pontos ndic:a o grau de dificuldade do problema
Informações adic1on111s d1sponivei� em O Circo Voador da Física, de Jearl Wõlker, Rio de Janeiro: LTC. 2008
seção 1 9-2
O Número de Avogadro
•1
O ourn tem uma massa molar de 197 g/rnol. (a) Quantos
mols de ouro existem em uma amostra de 2.50 g de ouro puro?
(b) Quantos átomos existem na amostra?
•2
Determine a massa em quilogramas de 7.50 x 10�4 átomos de
••11 Suponha que 0.825 mol de um gás ideal sofre uma expan·
são isotérmica quando uma energia Q é acr�ccntada ao gá� na
forma de calor. Se a Fig. 19-20 mostra o volume final Vt em run­
ção de Q. qual é a temperatura <lo gás? A escala do eixo vertical é
definida por V1.i = 0.30 m1 e a escala do eixo horizontal é definida
por Q. = 1200.J.
arsênico. que icm uma ma1.sa molar de 74.9 g/mol.
se�ão 19-3
Gases Ideais
•3
O melhor vácuo produzido em laboratório tem uma pre�­
t' 1
são de aproximadamente 1,00 x 10 1� ::mn. ou J.01 x 10-P Pa
Quantas moléculas do gás existem por centímetro cúbico neste
vácuo a 293 K'l
•4 Calcule (a) o número de mob e (b) o número de moléculas
em 1.00 cm de um gás ideal a uma pressão de 100 Pa e a uma
temperatura de 220 K.
•5 Um pneu de automóvel tem um volume de l,64x 10 i m1
e contém ar à pressão manométrica (pressão acima da presi.ão
o
Q,
atmosférica) de 165 kPa quando a temperatura é O,OO"C. Qual
Qdl
é a pressão manométrica do ar no pnt:u quando a temperatura
aumenta paru 27.<J-OC e o volume aurncntar para 1.67 x 10-2 m·1?
Suponha que a pressão almosférica é l.01x10' Pa.
FIG
19·20
Problema J I.
12 No intervalo dt: lemperaturas de 310 K a 330 K, a pre!i­
•6 L:ma
cena quantidade de um gás ideal a lCl.O"C e l 00
kPa
ocupa um volume de 2.50 m1• (a) Quantos mols do gás estão pre­
�entes? (b) Se a pressão é aumentada pcira 300 kl'a e a tempera­
tura é aumentada para 30.0"C.que volume o gás pa-.sa a ocupar?
Suponha que não há vazamentos.
são p de um certo gás não ideaJ está relacionada ao volume \'e à
temperatura Tatravés da equação
T
T2
P =(24.9 J/K)--(0.00662 JIK
) ­
V
\'
•7
Uma amo!.tTa de oxigênio com um volume de 1000 cm� a
40.0ºC e 1.0 1 x 105 Pa se expande até um volume de 1500 cm� a
Qual é o Lrabalho realizado pelo gás se a temperalura aumenta
de 315 K para 325 K enquanto a pressão permanece const.1nk?
uma pressão de l.06 x 10-� Pa. Determíne (a) o número de mols
de oxigênio present� na amostra e (b) a rempcrntura final da
amostra.
13
O ar que inicialmente ocupa 0,1 m3 a pr�'iâo manomé­
0
•B Um recipiente contém 2 mols de urn gás ideal que tem uma
massa molar M1 e 0.5 mol de um segundo gás ideal que tem uma
massa molar M� = 3M1• Que fração da pressão total sobre a pa·
rede do reopiente se deve ao segundo gás? (A explicação da te·
oria cinética dos gases para a pressão levo à lei das pressões par­
ciais para uma mistura de gases que não reagem quimicamente.
descoberta experimentalmente; A pressãn total exercüla por 11mn
lrica de 103.0 kPa se expande iso1cnnicamcmc para um;i pres­
�ào de 101.3 kPa e cm seguida é resfriado a pressão constante
até atingir o volume inicial. Calcule o trabalho reali7.ado pelo ar.
(Pressão manométrica é a diferença entre a pr�são real e a pres­
são atmosférica.)
14 Salvame/lfo 110 f1111do tio mar: Quando o submarino nme­
mütura de ga.H!\ é ig1wl " wmra das pres.çi'Jes q11e vs gases exerce­
riam se cada 11111 ocupasse mzi11J10 o volume do recipienre.)
•9 Suponha que um nml de UIIl gás ideal é levado de urn VO·
lume de 3.00 m3 para um volume de 1.50 m3 atn:nés de uma com·
pressão isoténnica a J<rC. {a) Qual(: o calor m.msfcrido durante
a compressão e (b) o calor é absorvido ou cedido pelo gás?

•10 Carraji1 ele água em um carro quente. Nos dias de calor a temperatura em um carro fechado es1ncionado no wl pode ser �uficiente para provocar queimadura.;. Suponha que uma garrafa de água removida de uma geladeira li temperatura ue 5.00"C scia aberta, fechada novamente e deixada em um carro fechado com uma temperatura interna de 75.0ºC. Desprezando a dilatação lct· mica da água e da garrafa, determine a pressão do ar contido no interior da garrafa. (A pressão pode :>er suficiente:: para arrancar uma tampa rosqueada.)

rieano Sq1111!11s enguiçou a 80 m <lc profundidade. uma câmara cilíndrica foi usada para resgatar a tripulação. A câmara tinha um rato de 1.00 m e uma altura de 4.0 m. era aberta do fundo e levava dois operadores. Foi barnida ao longo de um cabo-guia que um mergulhador havia fixado ao submarino. Depois que a câmara completou a descida e foi pn!sa a uma c�cotilha do sub­ marino. a tripulação pôde passar para a câmara. Durante a des­ cida. os operadores hheraram ar dt: tanques para que a câmara não [o:.sc mundada. Suponha que a pressão do ar no interior da câmara era igual ?! pressão da água à profundidade h. du<la por p0 � pgh. onde p0"" 1.000 alm na superfície e p = 1024 kglm' é a mas!>a específica da água do mar. Suponha uma temperatura constante de 20,0''C" na !>Uperficie e uma temperatura da água de 3,0ºC na protundidade do submarino. (a) Ounl cm o volume de ar na câmara na superfície? (b) Se não Live�'le -;ido liberado ar de tanques. 4ual seria o volume do ur na câmara à profundidade h = 80.0 m? (c) Quantos mols adíciooat!> de ar foram necessários para

manter o volume inicial de ar n<1 câmara? -r:JWJJ:.

Capítulo

19

1

A Teoria Cinética dos Gases

15

Uma

amostra

gás

ao processo cí­

Fig. 19-21.

é definida

25 kPa. No

(a) Quantos

na

a tempera­

te m­

(d) a

e

gás

(c) a

de

um

ideal é

clico abca mostrado na

A escala do

por Pb

ponto a. T

mols

gás

amostra? Quais são

tura

peratura

energia líquida

em forma de calor durante o ciclo?

submetida

eixo vertical

p,"' =

= 7,5 kPa e

do

=

do gás

do

200 K.

estão

presentes

(b)

b.

ao

no ponto

gás

no ponto e

adicionada

FIG.

19 21

(b) b. ao no ponto gás no ponto e adicionada FIG . 19 21 1 J_jj
1 J_jj b
1
J_jj
b

j

1
1

1

1�L

a

e

1,0

Volume (m3)

3,0

!

Problema 15.

seção 19-5

•25

das moléculas de um

energia cinética

(c) O,OO"C e (d) l OOºC?

Energia Cinética

gás ideal a

de Translação

(a) O,OO'C e

por

Determine o valor médio da energia cinética de translação

é a

ideal a

(b) lOOºC.

de um

gás

Qual

de translação média

mol

é a

•26

las de nitrogênio a 1600 K?

Qual

energia cinética

translacional média

das molécu­

escape

de algumas de suas moléculas da superfície. O calor de vaporiza­

27

A água

a

céu aberto a 32"C evapora por causa

do

ção

(539 caJJg) é aproximadamente igual a En, onde e é

a energia

média

das moléculas

que escapam e n

é

o

número

de

moléculas

por grama. (a) Determine e. (b) Qual é a razão entre ee a energia

cinética média

está relacionada à temperatura da mesma forma que nos gases?

esta última

16

Uma bolha de

ar com 20 cm3

de

volume está

no fundo

de um

lago de 40 m de profundidade, onde

a temperatura é 4.0ºC.

A

de 20ºC.

Considere a temperatura da bolha como sendo a mesma da água

em volta. Qual é o volume da bolha no momento em que chega

superfície?

à

bolha

sobe

até

a superfície,

que está

à

temperatura

17 OrecipienteAdaFig.19-22

pressão

. . . . . . . . . . . . . . .
.
. .
.
.
. .
.
. .
.
. .
. .
.
.
.
.
.

contém

um

gás

ideal

à

de

5.0

x 105

Pa e

à temperatura

de

300

K.

Ele está

ligado

por um

(e

uma

válvula fechada)

volume

é

o de

A. O

B contém o mesmo gás

pressão de 1.0

x

105 Pa

e

à

tubo fino

a um recipiente B, cujo

quatro vezes maior que

recipiente

ideal à

temperatura pe 400 K. A válvula é aberta para que as pressões se

igualem, mas a

temperatura de cada recipiente é mantida. Qual é

a nova pressão nos dois recipientes':>

FIG. 19·22

das moléculas

de

H20, supondo

que

seção 19-6

•28 O livre caminho médio das moléculas de nitrogênio a O.O"C

e

de temperatura e

pressão existem 2,7x101'1 moléculas/cm3• Qual é o diâmetro das

moléculas?

Livre Caminho Médio

0,80

x 10-5 cm.

das moléculas? Livre Caminho Médio 0,80 x 10-5 cm. LO atm é Nessas condições 1 molécula/cm3.

LO atm é

Nessas condições

1 molécula/cm3.

x 1o-s

•29

de 2500 km está em torno

diâmetro

nho

A concentração de

das

moléculas

médio

previsto pela

moléculas

de

é 2,0

na atmosfera a

cm, determine

Explique

uma altitude

(a) Supondo que o

o livre cami­

pre­

Eq. 19-25. (b)

médio

das

Tome

se o valor

B visto tem significado físico.

•30

é igual ao livre caminho

de

Problema 17.

Para que fr eqüência o comprimento de onda do som no ar

uma

molécula

moléculas

o diâmetro de uma

de oxigênio a

pressão

de oxigênio como sendo 3,0 x 1o-s cm.

1,0 atm e O,OO"C?

seção 19-4

Pressão, Temperatura e Velocidade Média Qua·

drática

18

1000 K.A massa molar dos átomos de hélio é dada no Apêndice F

Calcule a velocidade média quadrática de átomos de hélio a

•19

Qual é

nio a

nio (H2) é

A

menor temperarura possível no

a

velocidade média quadrática

esta temper&tura? [A

massa

dada na Tabela 19-1.]

2,7 K.

de hidrogê·

molar da molécula de hidrogê·

espaço

sideral

é

de moléculas

•20

gônio a 313 K.A massa molar do argônio é dada no Apêndice F.

Determine a velocidade média quadrática de átomos de ar­

•21

(a) Calcule

a velocidade

média

quadrática de

uma molé­

cula

de nitrogênio a 20.0"C.

A

massa

molar

da

molécula

de ni­

trogênio

{N2)

é

dada

na Tabela

1 9-1. A que

te mperatura

a velo­

cidade

média quadrática é

(b) metade desse

valor

e (c)

o dobro

desse valor?

 

•22

A

temperatura

e a

pressão

da

atmosfera

solar

são

2,00 x

dos elétrons livres (de massa

do Sol, supondo que se comportam cômo um gás ideal.

106 K

e 0,0300

Pa. Calcule

a velocidade média

quadrática

x l 0-31 kg) na superfície

igual a 9.11

mo­

m de diâmetro em uma

uma pressão

do gás

por centímetro cúbico com esta pressão. (b) Qual é o livre cami­

nho

é

câmara evacuada cujo gás residual está a 295 K

vem em uma trajetória circular

31

Em um

certo acelerador de

(a) Calcule

partículas, prótons

e a

se

de moléculas

de 23,0

de 1,00 x

10-6 torr.

o número

médio das

moléculas do gás se o diâmetro

das moléculas

2,00x10-8 cm'?

32

A 20"C e

ÀN '
ÀN
'

= 27,5 x

a uma

pressão de

750,torr, os

livres

= 9,9x10-�

a razão entre o diâme-

é o livre

caminhos

médios do argônio (Ar) e do nitrogênio (N2) são ÀAr

cm e

tro de

10-6 cm. (a) Determine

um átomo de Ar e o de uma

molécula de N2. Qual

caminho médio

do argônio (b)

a 20ºC e

150

torre (c)

a -40ºC e

750 torr?

seção 19·7

A

Distribuição de Velocidades das Moléculas

Distribuição de Velocidades das

Moléculas

•33

Dez

partículas

estão se

movendo

c-om

as

seguintes

ve­

locidades: quatro a

200 m/s,

duas a

500 mls

e quatro

a 600

m/s.

Calcule

suas velocidades

(a)

média

e (b)

média

quadnHica. (c)

Vrm,

é maior que

vméd?

•34

representa o número de partículas que possuem velocidade v;):

As
As

velocidades

de 22 partículas

são

mostradas a seguir (N

23

Um feixe

de moléculas

de hidrogênio (H 2 )

está direcio­

nado para uma parede. fazendo um ângulo de

parede. As moléculas

uma massa de 3,3

de 2,0

pressão do feixe sobre a parede?

55°

com a normal

à

do feixe têm uma

velocidade de 1,0 km/s e

a parede cm uma área

a

por

segundo.

Qual

é

x 10-24 g. O feixe atinge

taxa

de 1023

moléculas

cm2, a uma

24

A

273 K e

1.00

x 10-2

atm,

a

massa

específica

de

um

gás

é

1,24

x

10-5

g/cm3.

(a)

Determine

Vrms

para

as

moléculas

do

gás.

(b)

Determine

a

massa molar

do gás

e

(c)

identifique

o gás.

(Sugestão:

O gás aparece na Tabela

19-1.)

 

IV;

2

4

6

8

2

v;(cmls)

l,O

2,0

3,0

4,0

5,0

Determine (a)

vméd,

(b)

Vrms

e

(c) v,,.

•35

Determine

drática das moléculas.

As velocidades de

(a) velocidade

10 moléculas são:

média e

(b)

2,0; 3,0;

4,0;

; 11

a

velocidade média

km/s.

qua­

Problemas

--

36 A Fig. 19-23 mos­ 44 A temperatura de 2,00 mol de um gás ideal
36 A Fig. 19-23 mos­
44 A temperatura de 2,00 mol de um gás ideal monoatômico
tra a distribuição de pro­
babilidade da velocida­
de das moléculas de
uma amostra de nitrogê­
ofo.A escala do eixo ho­
rizontal é definida por
v, = 1200m/s. Determine
(a) a temperatura do gás
t: (b) a velocidade média ·
quadrática da� molécu­
las.
é aumentada de 15,0 K a pressão constanlc. Determine (a) o lra­
balho W realizado pelo gás. (b) a unergia Q transferida para o gás
na forma de calor. (e) a variação ó.E;., da energia interna do gás e
(d) a variação !J.K da energia cinética média por átomo.
••45 Um recipiente contém uma mistura de três gases não-re­
agentes: 2.40 mol do gás l com C11 = 12,0 J/mol · K l.SO mol do
gás 2 com C\12 = 12,8 J/mol · K e 3,20 mol do gás 3 com Cv1 = 20,0
J/mol · K. Qual é o C1, da mistura?
.
.46 Um mol de um gás ideal
o
I' •
dialõmico vai de a a e ao longo da
1 (m/,)
2 P•
trajetória diagonal na fig. 19-2
A
37 A que tempera­
FIG. 19-23
Prob!l!ma 36.
escala tio eixo vertical é definida
·
tura a velocidade média
quadrática (a) do H1 (hidrogênio molecular) e (b) do 02 (oxi­
gênio molecular) é igual à velocidade de escape da Terra (Ta­
bela 13-2)? A que temperatura a velocidade méclia quadrática (e)
do H2 e (d) do 02 é igual à velocidade de escape da Lua (onde a
aceleração da gravidade na superfície tem um módulo de 0.16g)?
Considerando as respostas dos itens (a) e (b), deve existir muito
(e) hidrogénio e (f) oxigênio na atmosfera superior da Terra.
onde a temperatura é de cerca de 1000 K?
� P
por
= 5,0 kPa e Pc == 2,0 kPa e
Pab
a escalu do eixo horilontal é deõ- í
nida por V1.r = 4,0 m� e v. = 2.0 m'
Durante a transição, (a) qual é a
I�
\Ar
\otume {nl�)
variação tia energia interna do gás
FIG. i9·25
Problema 46.
e (b) qual é a energia adicionada
ao gás na forma de calor? (e) Que caJor.: n
gás vá deu a e ao longo da Lrajetóna indireta ahc?
para que o
47 A massa da molécula de um gás pode ser calculad� a par­
38 Dois recipientes estão à mesma temperatura. O pri­
meiro contém gás à pressão p1• de massa molecular m1 e velo­
cidade méclia quadráuca vrm••· O segundo contém gás à pressão
2.0p1, de massa molecular m2 e velocidade média Vmcd2 = 2,0v n11,1•
Determine a razão m1/m2•
tir do seu calor específico a volume constante e�. (Note que não
se trata de C,-.) Tome c1 : 0.075 cal/g · C' para o argônio e cal­
cule (a) a massa de um átomo de argônio e (b) a massa molar do
argônio.
48 Quando 20.9 J foram adicionados como calor a um ceno
39 Uma molécula de hidrogênio (diâmetro 1.0 X w-� cm),
movendo-se à velocidade média quadrática. escapa de um forno
a 4000 K para uma câmara que contém átomos de argônio frios
(diâmetro 3.0 x 10- s cm) um uma concentração de 4,0x1019 úto­
mos/cm3.(a) Qual é a velocidade da molécula de hidrogênio? (b)
Qual é a distância mínima entre os centros para que a molécula
de hidrogênio colida com um átomo de argônio. supondo que
ambos são t!sféricos? (c) Qual é o número inicial tle colisões por
segundo que a mo.lécula de hidrogênio sofre? (Sugesriío: Suponha
que os átomos de argônio estão parados. Nesse cai.o. o livre cami­
nho médio da molécula de hidrogênio é dado pela Eq. 19-26. e
não p-ela Eq. 19-25.)
gás ideal. o volume do gás variou de 50.0 cm3 para 100 cm en­
quanto a pressão permaneceu em 1.00 atm. {a) De quanto vanou
a energia interna do gás? Se a quantidade de gás presente era
2.00x w-3 mol.determine (b) Cre (e) Cv.
49
A temperatura de 3.00 mols de um gás diatômico ideal é
aumentada de 40.0"C sem mudar a pressão do gás. As mol�culas
do gás giram, mas não oscilam. (a) Qual é a energia trani.ferida
para o gá� na forma de calor? (b) Qual é a variação da energia in­
terna do gás? (c) Qual é o trabalho realizado pelo gás? (d) Qual é
o aumento da energia cinética de rotação do gás'>
seção 19-9
Graus de Liberdade e Calores Específicos Mo·
40 A velocidade mais provável das moléculas de um gás
lares
quando ele t:slá a urna temperatura (uniforme) T2 é a mesma ve­
locidade média quadrática das moléculas do gás quando ele está
a uma temperntura (uniforme) T1• Calcule a razão T2/T1.
•50 Fornecemos 70 J de calor a um gás cliatõmico. que li<: ex­
pande a pressão constante. As moléculas do gás giram. mas não
oscilam. De quanto a energia interna do gás aumenta?
41 A Fig. 19-24 mostra uma
distribuição de velocidades hipo­
tética para uma amoi.tra de um
gás com N partículas (note que
•51 Quando 1,0 mol de gás oxigênio (O�) é aquecitlo a pres­
são constante a partir de O"C. quanta energia deve ser adicionada
ao gás como calor para dobrar seu volume·? (As moléculas giram,
mas não oscílam.)
52
P(v) ==O para qualquer velocidade o i· o
Vcdoddacie
Suponha que 12,0 g de gá� o.xigênio (O·) .;ão aquecidos
v > 2v(I). Quais são os valores de
FIG
19_24
Problema41.
(a) avo-(b) v�v11e (c) 1'rmJ1•0? (d)
Qual é a fração de partículas com velocidades entre l .5v11 e 2.0l'o'?
de 25,0''C a l25"C a pressão atmosférica constante. (a) Quantos
mols de oxigênio estão presentes? (A massa molar do oxigênio
está na Tabela 19-1.) (h) Quanta energia é transferida paru o oxi­

<>eção 19-8

Os Calores Específicos Molares de um Gás Ideal

Qual é a energia interna de 1.0 molde um gás ideal mono­

atómico a 273 K?

43 A temperatura de 2.00 mols de um gás ideal monoatômico

é aumentada de L5.0 K a volume constante. Quais são (a) o traba­ lho W realizado pelo gás. (b) a energia transferida como calor Q. (c) a variação ó.E,., da energia interna do gás e (d) a variaçãó ó.K da energia c 1 néLica média por átomo?

•42

gênio como calor? (As moléculas giram, mas não oscilam.) (c) Que fração do calor é usada para aumentar a energia interna do oxigênio'!

53 Suponha que 4.00 molli de um gás ideal diatõmico, com

rotação molecular, mas sem oscilação, sofrem um aumento de temperatura de 60,0 K em conclições de pressão constante. Quais são (a) a energia trnnsferida como calor Q. (b) a variação ó.E,01 da

energia interna do gás. (e) o trabalho W realit.ado pelo gás e (d) a variação !J.K da energia cinética tle translação do gás?

•56

Capítulo 19 1 A Teoria Cinética dos Gases

seção 19-11

A Expansão Adiabática de um Gás Ideal

•54

a

273

Suponha que !,00 L de um gás com 'Y = 1,30. inicialmente

K e

1.00

<1tm . 6 comprimido

adiobaticamcnte. de

forma

brusca, para meLade do volume inicial. Determine (a) a pressão final e (b) a temperatura final. (e) Se. em �eguida, o gás é resfri ado para 273 K a pressão conc;cante. qual é o volume final?

Um cena gái. ocupa um volume de 4,3 La uma pressão de:

•SS

1.2 atm e uma temperatura de 310 K. Ele é comprimido ad1abati­ camente para um \'Olume de 0.76 L. De1ermine (a) a pressão final

e (b) a temperatura final. �opondo que o gás é ideal e que 'Y= L�.

Sabemos que ,,v, = constante nos processos adiabáticos. .

CalcuJe a

.con�tanie" para um processo ad1abálico envolvendo

exatamente 2.0 mol de um

gás ideaJ

que passa por

um estado

no

qual a preso é e"tatamente p = LO atm e a temperatura é exata­

mente T = 300 K !:luponha que o gás é d1atômico e que as molé·

cuia giram.mas não oscilam

.

.

.57

A Fig. 19-26 mostra duas tra,jetórias que podem ser se­

t1-uiJa� por um gás de um ponto inicial í até um ponto final f. A traJelóna l consiste em uma expansão isotérmica (o módulo do trabalho é 50 J). uma e\,,ansão adiabática (o módulo de trabalho t! 40J1. uma compre&são isotérmica (o módulo do trabalho é 30 J)

e uma compressão ad1aháuca (o módulo do trabalho é 25 J). Qual

é a \'ariação da energia interna do gás Sl' ele vai do ponto 1 para o

ponto fseguindo o trajetóri a 2?

y- Trajetória l

.

uin do o t r a j e t ó r i a 2? y- T

�- hoierma

Traje·

Lória 2

l<01erm�a

FIG

19·26

Problema 57.

••58 Vento adwln11irn. Normalmente. o vento nas Montanh as Rocho:.as e de oe�tt: para leste. Ao subir a encosta ocidental da s

montanha o ar csma e perde boa parte <lo umidade. Ao descer a enco!>ta oriental o aumento Ja pressão com a diminuição da alti· tude fllL a temperatura do ar aumentar E11i.c fenômeno. conhe­ ciJo como \'ento cl11nook. pode aumentar rapidamente a tempe­

ratura do ar nn base das montanha �. Suponha que a pressão p Jo

ar varia com a alti tude y de acordo com a equação p = p0e 111'. onde p0 = l.00 atm c a= l.16 x 10 J m-. Suponha também que a razão emre os calorc!> específicos molares e y = 4/3. Uma certa massa de ar.a uma tcmpcrarura inicial de -5,00''C.deM:c adíaha· ticamente de y1 = .t267 m para = 1567 m Qual é a temperatura do ar no fim da dc�cida?

59 Um gás pode ser expandido de um estado inicial i por11

um estado finaJ f ao lo ngo da trajetórin 1 ou do trajetória 2 de um

ex­

diagrama p-V. A trajetória 1 é composta ue t rês etapas: uma

pansão isotérmica (o módulo do trabalho é 40 J). uma expansão

isotér­

adiabática (o módulo do trabalho é 20 J) e outra e

mica (o módu lo <lo trabalho é 30 J) A trajetória 2 é composta de duas etapas: uma rcd;io na pressão a volume constante e uma

expansão a pressão c<>nstante. Qual é a variação da energia in· terna <lo gás ao longo d:i trajetória 2?

in· terna <lo gás ao longo d:i trajetória 2? 60 Abri11d11 111110 garrafa de clwmpnnha. Em

60 Abri11d11 111110 garrafa de clwmpnnha. Em urna garrafa de

champanha. o holi;ão de gás (dióxido de carbono, principalmente)

que fica entre o líquido e a rolha está a uma pressão p1 = 5,00 atm. Quando a rolha é removida da garrafa, o gás sofre uma expansão

adiabática <ttG que sua pressão se torne igual à pressão ambie nte. 1.00 atm. Suponha que a r37Jio entre os calores específico'> mola­ res é 'Y = 4 3. Se a temperatura inicial do gás é T, = 5.00"C. qual é sua temperatura no fim da expansão adiabática?

61 O volume de um gás ideal é reduzido adiabaticamenre

de 200 L para 74,3 L. A pressão e temperatura iniciais são 1,00

atm e 300 K. A pressão final é 4.00 atm. (a) O gás é m onm1 m l co. diatômico ou poliatõmico? (b) Qual é a remperamra final" (e) Quantos mols existem no gás?

62

Um gás ideal d1alômico. com rotação. mas sem oscila

sofre urna compre.são adiabática. A pressão e o volume miciais

�ão 120 atm e 0.200 m3• A pressão final é 2.40 atm. Qual é o Lra·

balho realizado pelo gás?

63

A

Fig.

19-27

mostra

o

a · balho realizado pelo g ás? 63 A Fig. 19-27 mostra o �1G 19-27 \'Qlumc

�1G

19-27

\'Qlumc

Prohlema 63.

ciclo a que é submetido 1,00 mo!

<le um gás ideal monoatômico As temperaturas .;ão T1 = 300 K.

T� = 600 K e T,= 455 K. Para a

trajetória l -+ 2. determine (a) o calor trocado Q, (b) a variação de energia interna t:.Em1 e (e) o trabalho realizado W. Para a tra- jetória 2 -+ 3. determine (d) Q.

(e) .iEm, e (f) W. Para a rrajetória

3 -+ 1. determine (g) Q. (h) �Einl

e (i) W. Para o ciclo completo. determine (J) Q. (k)

A pressão inicial no ponto 1 é J.00 atm (= 1.013 x105 Pa). Quais

e (1) W.

são (m) o vol ume e (11) a pressão no ponto 2 e {o) o volume t.: (p)

a pressão no ponto 3'?

Problemas Adicionais

64 Em uma nuvem de gás interestelar a 50.0 K. a pressão é

1.00x w-s Pa. Supondo que os diâmetros molecularei. dos ga!> da nuvem são to<lo� iguais a 20,0 nm. qual é o livre caminho mé­ uio das moléculas'?

A temperatura de 3.00 mol de um gás com C1 = 6.00

cal/mol · K IS aumentada de 50.0 K. Se o processo é conduzido a volume <:oruumtt» quais são (a) a energia transferida como ca­ lor Q. (b) o trabalho W realizado pelo gás. (e) a vanação t:.E.,, da

energia interna do gás e (d) a variação óK da energia cinética de translação? Se o processo é conduzido a pressão constante. quais

são (e) Q. (f) W, (g)

quais são (i) Q, (j) W, (k) t:.Eun e (1) M<?

66 Uma amostra de oxigênio (02) a 273 K e 1.0 atm está con­

finada em um recipiente cúbico de 10 cm de aresta. Calcule j,f.J/KTI>M. onde M.:. é a variação da energia potencial gravitacio­ nal de uma molccula de oxigênio que cai da ahura da caixa e Km"4 é a energi a cinclica de translã o media da molécula.

peso

total de 2.45 kN e o invólucro tem uma cap acidade (volume) de

2.18 x 10-1 01·1• Quando o invólucro está totalmente inflado. qual

e (h) t:.K'l Se o processo é adial>árico,

65

e (h) t:.K'l Se o processo é adial>árico, 65 67 O i nvól uc r o
e (h) t:.K'l Se o processo é adial>árico, 65 67 O i nvól uc r o

67 O invól ucr o e a cesta de um balão de ar quente têm um

deve ser a lcmpcralura do ar no seu interior para dar ao balão a capacidade th• lc1·amamento (força) de 2.67 kN (além do peso do balão)? Suponha que o ar ambiente, a 20.0"C. Lem um peso cspe·

cífico de 11.9 N/ml, uma massa molecular de 0.028 kg/mol e está a uma pressão de 1.0 atm.

Problemas --

68 (a) Um gás ideal. intctalmcnte à pre�são p11• sofre uma ex­ 18 Calcule o
68
(a) Um gás ideal. intctalmcnte à pre�são p11• sofre uma ex­
18
Calcule o trabalho reali1ado por um agente externo duranLc
pansão livre até que seu volume �cJa 3JJO vezes o volume inicial.
Qual é a razão à nova prcl.são e p0? (b) Em seguida. o gá:. �ofre
uma lenta compressão adfabática até o volume inicial.A pressão
após a compres�ão é (3,00) 11 p0. O gás é monoatôrmco. diatômico
uma compressão isotérmica de 1.00 mol de oxigênio de um vo­
lume de 22.-1 La O"C e l,00 atm para
um volume de 16.8 1
79
Um tanque de aço contém 300g de amônia (NH3) a uma prcs­
ou poliatômico? (c) Qu�1I é a razão entre a energia cinética média
por m olécul a no estado
final e no e
tado
inicial?
�ão de 1.35 x 106 Pa e uma temperatura de 77ºC. (a) Quiil é o vo­
lume do tan que em litros? (b) Mais tarde, a tempcrarura é �C e a
pre"8ão é 8.7 x 10' Pn. Quantos gramas do gás vai'aramdo tunque'?
69
A temperatura de 2,00 mol k( um gih ideal monoatómico é
80
Em que temperatura os átomos de hélio têm a mesma ve­
aumenlnda em 15.0 K em um processo adiabático. Quais são (a)
locidade média quadrárica qth� ª' moléculas de hidrogénio a
o
trabalho W r ea l ado pelo gás. (b) a energia transferida como
20.lr'C? (As massa� molare !) são dadas na Tabda 19-1.)
calor Q, (e) a variação AE11" da energia intc;:rna do gá:,, e (d) a va­
riação 6.K da energia cinética média por átomo'!
81
A Fig. 19-28 mostra a dis­
70
Durante uma compressão a pressão constante de 250 Pa. o
tribuição hipotética de 'doci-
dades das partículas de um cerro
volume de um gás ideal diminui uc 0,80 m1 para
0,20 m1. A tem­
e!::
gás: P(v) = Cv2 para O<' S 111 e
pera cura miciaJ é 360 K e o gá.'I perde 210
J na forma de calor.
P(v) = O para v > i11• Determine
Quais são {a) a vanação da energia interna do gás e (b) a tempe­
ratura final do gái;?
tJ
(a)
uma expressão para e em ter-
i·u
\ dm irfod.:-
FIG . 19· 28
Prohlcma 81
71
Com que freqüência as moléculas de oxigênio <02) colidem
mos de v0.(b) a velocidade méJ1a
das partículas-e (c) a \docidade
à temperaLura de -IOO K e a uma pressão de 2,00 atm? Suponha
media quadrfoca dac; parúculas.
que as moléculas têm 290 prn de diâmetro e que o oxigênio se
comporta como um gás ideal.
82
Em um proceS!.O industrial. o vl)Iume de '.!5.0 mol dé um gá-i
1de:il monoatômico é redundo. a uma rnxa uniforme.de l.616 m·
72
Uma amostra de um gás ideal contém 1.50 mol de moléculas
para
0,308 m1 cm 2.00 h, enquanto a temperamra é aumentada a
diatõmicas que giram. mas não oscilam. O diâmetro das molccu­
las é 250 pm. O g�\s sofre uma expansão a uma presi.ão constante
de 1.50 x 10' Pa. com uma transferC:ncia de 200 1 na forma de ca­
uma taxa uniforme. de 27.0ºC para 4500C. Durante o processo. o
gás passa por t"Stados tle equ11fbrio termodinâmico. Quai' são (a)
o
trabalho cumulativo realizado sobre o gás. (b) a energia cumu­
lor. Qual é a variação do livre caminho médio das moléculas?
lativa absorvida pelo gás como calor e (e) o calor específico molar
73
Um gás ideal monoatõmico tem inicialmente uma tempe­
para o processo? (Su�estão: Para calcular a intc�ral paru o traba­
lbo.use a equação
ratura de 330 K e uma pressão de 6,00 atm. Ele se expande do
volume de 500 cm3 para o volume de 1500 cm3• Determine (a) a
pressão frnal e (b) o trabalho realitado pelo gás .;e a expan:.ào é
a+h.\ ·'
_ b.).
J
IO(A+ BX.·)
--
tiX-
A+Bx
8
+ --, aB-b/\ -
isotérmica. De termine (c) a pressão final e (d) o trabalho reali­
zado pelo gás se a t:xpansão é adiabática.
74
Um gás ideal com 3,00 mol está inicialmente no esta do l à
uma integra l indefinida.) Suronha que o processo é subs1ituido
por um processo de duas etapas que leva ao mesmo estado final.
No etapa l. o volume do gàs é reduZJdo a temperatura constante;
pressão p1 = 20.0 atm e volume V1 = 1500 cm1• Primeiro. eh: ele­
vado ao estado 2 com pressão p2 = l .50p1 e volumc V2 = 2.00V1•
Em seguida. ele é levado au estado 3 com pressão p� "' 2JJ0p1 e
volume V3 = 0,500Vi. Qual é a temperat ura do gás (a) no estado
1 e (b) no estado 2? (c) Qual é a variação líquida da energia in­
terna do gás do estado 1 para o estado 3?
na etapa 2. a temperatura e aum ent a da
ei.sc procei.so. quaii. são (d) o trabalho
bre o gás. (e) a energia cumulativa ab•;
a volume constante. Para
cumulalivo n:al i za do 'iO·
pck, gá!> como calor
e
(f) o calor específico molar para o processo?
83
Um gás ideal sofre uma comprci;<;ào isotérmica 1.h: um vo­
75
Um gás ideal sofre uma compressão adiabática de p = LOatm.
V= 1,0X106 L. T = O,O"C para p = 1,0 X w� atm, V= 1,0 X 10' L.
(a) O gás é monoalômico.diatôm1co ou poliatômico? (b) Qual é a
temperatura final? (e) Quantos mol� do gás estãopn:scntes? Qual
é a energia cinética de translação por mol {d) antes e (e) depois da
compressão? (f) Qual é a razão entre os quadrados das velocida­
lume inicial de 4.00 ml para um \Olumc final de 3.00 m'. E'"i.<.1em
3.50 mol do gás e a sua temperatura é JO,O"C. (a) Qual é o traba·
lho realizado pelo gtís? (b) Qual é a energia 11ocada como calor
entre o gás e o ambiente?
84
(a) Qu al é o número tlc moléculas por metro cúhicu no ar a
2ü"C e <t uma pressão de LO ntm (= l,(ll x m' Pa)'! {b) QuaJ é a
massa de l ,U m3 desse ar? Suponha que 750- d;b moléculas são
des médias quadráticas ames e apó:. a compre!>são?
de nitrogêmo (N2) e 25% sãti de oxigênio tO J
76
Um gás ídcHl, a umn temperatura imcial T1 e com um vo­
85
A Fig. 19-29 mo;;1ra um ciclo composto Jc ctnco trajetória.':
lwne inicial de 2.0 m3.sofrc uma expansão adiabática para um vo­
lume de 4,0 m'.depois uma expansão iso1érmica para um volume
AB é isokrmica a 300 K.BC� adíabálica com um lrabalho Je5.01.
de 10 m1 e.finalmente. uma compressão adiabática de volta para
T1• Qual é o volume final?
n
Uma amostra de um gas ideal sofre uma expansão de uma
pressão e volumi.: inicinis di.: 32 atm e 1.0 L para um volume flnal
de 4.0 L.A temperatura inicial é 300 K. Se o gás é monoatõrruco
e a expansão é isotérmica. quais são (a) a pressão final P J · (h) a
tempcrarura llnal Trc (e) o trabalho W realizado p.::lo gás? Se o
gás é monoatõmico e a expansão é adiabática. quais -.ão (d) p1• (e)
1je (f) W? Se o gás é diatômico e a expam.ão é adiabática.quais
são (g) PJ· (h) 7ie (i) W?
FIG
19-2q
Problema 85.
\'

- Capitulo 19

1 A Teoria Cinética dos Gases

CD é uma pressão constante de 5 atm. DE é isotérmica e EA é adiabática com uma vanação da energia interna de 8.0 l QuaJ é a variação da energia in1erna do gás ao longo <la trajetória CD'?

86

inicialmente a 300 K é comprimido a uma

isotérmica a 325 K e um aumento na pressão a volume constan1e.

88
88

(a) Plote as três elapas em um diagrama p-V. (b) Quanta en�rgia

é transferida como calor na etapa 3? (e) A energia é absorvida ou

Um gás ideal

cedida pelo gás?

pressão constante de 25 N/m2 de um volume de 3.0 m3 para um volume de 1.8 m3• No processo. 75 J são perdidos pelo gás na forma de calor. Qual é (a) a variação da energia interna do gái. e

(b) a temperatura final do gás?

87 Um gás ideal é suhmctído a um ciclo completo em três eta­

pas: expansão adiabática com wn trabalho de 125 J, contração

(a) Qual é o volume ocupado por 1,00 molde um gás ideaJ

nas condiçõe" normais de temperatura e pressão (CNTP).ou se1a.

1.00 atm (= l.01 x H>� Pa) e 273 K'! (b) Mostre que o numero de

moléculas por ce111ímetro cúbico nas CNTP é 2,69 x 10 19 (Este

número é chamado de nlÍmero de Losclunidt.)