P. 1
Risco para Broncoaspiração

Risco para Broncoaspiração

|Views: 20.775|Likes:
Publicado porIntensimed
INTENSIMED – EDUCAÇÃO CONTINUADA

PROTOCOLO MÉDICO – ASSISTENCIAL (3)

RISCO PARA BRONCOASPIRAÇÃO
Introdução: - Existem vários fatores de risco que podem levar o paciente à aspiração e resultar em várias complicações como: desnutrição, problemas pulmonares e óbito, portanto deve ser identificado clinicamente cedo para previnir o aumento de morbidade e mortalidade. Classificação Alto e médio risco: Higiene oral inadequada com formação de placas orofaringeas Pacientes com
INTENSIMED – EDUCAÇÃO CONTINUADA

PROTOCOLO MÉDICO – ASSISTENCIAL (3)

RISCO PARA BRONCOASPIRAÇÃO
Introdução: - Existem vários fatores de risco que podem levar o paciente à aspiração e resultar em várias complicações como: desnutrição, problemas pulmonares e óbito, portanto deve ser identificado clinicamente cedo para previnir o aumento de morbidade e mortalidade. Classificação Alto e médio risco: Higiene oral inadequada com formação de placas orofaringeas Pacientes com

More info:

Published by: Intensimed on Oct 08, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF or read online from Scribd
See more
See less

03/04/2015

INTENSIMED – EDUCAÇÃO CONTINUADA

PROTOCOLO MÉDICO – ASSISTENCIAL (3)

RISCO PARA BRONCOASPIRAÇÃO
Introdução: - Existem vários fatores de risco que podem levar o paciente à aspiração e resultar em várias complicações como: desnutrição, problemas pulmonares e óbito, portanto deve ser identificado clinicamente cedo para previnir o aumento de morbidade e mortalidade. Classificação Alto e médio risco: Higiene oral inadequada com formação de placas orofaringeas Pacientes com intubação orotraqueal maior que 24 hs Pacientes com traqueostomia Disfagia Reflexo de tosse diminuida ou ausente Uso de sonda nasogástrica e sonda enteral Rebaixamento do nível de consciência: Glasgow menor que 12 P. O de cirurgia buco maxilares Uso de sedativos que causem rebaixamento do nível de consciência com Glasgow menor que 12 Pacientes portadores de doenças neurológicas (AVC, paralisia cerebral, demência, etc) que causem déficit de deglutição e/ou rebaixamento do nível de consciência com Glasgow menor que 12 Demora no esvaziamento gástrico Prematuridade: relacionado a reflexo de sucção/deglutição prejudicados Neonato: relacionado a diminuição do tono muscular de esfíncter esofágico inferior Refluxo gastroesofágico

Atuação Multiprofissional - Os profissionais da saúde: médicos, fisioterapeutas e enfermeiros, estão aptos a classificar o risco de broncoaspiração e sinalizar os outros membros da equipe multiprofissional para tomarem as ações preventivas necessárias, bem como registrar em prontuário. Ações Preventivas e Profissionais envolvidas: - Manter paciente em decúbito elevado 45° (caso não haja contra-indicação): enfermagem - Realizar higiene oral adequada, certificando que não haja presença de resíduos alimentares em cavidade oral: enfermagem - Em pacientes com presença de traqueostomia ou TOT, certifique-se adequada: fisioterapeuta que a pressão do cuff esteja

- Pausar a dieta durante os procedimentos de banho, transporte e 6 horas antes da extubação: médico, fisioterapeuta, enfermagem - Em pacientes idosos com tempo de intubação maior que 24 hs aguardar 48 hs após a extubação para administrar dieta via oral e solicitar avaliação fonoaudiológica sempre que for detectado dificuldade de deglutição, tosses, engasgos e na presença de déficit neurológico: equipe multiprofissional deve comunicar o médico responsável pelo paciente para que seja solicitado avaliação da fonoaudióloga.

- Em pacientes adultos com tempo de intubação maior que 24 hs aguardar 24 hs após a extubação para administrar dieta via oral e solicitar avaliação fonoaudiológica sempre que for detectado dificuldade de deglutição, tosses, engasgos e na presença de déficit neurológico: equipe multiprofissional deve comunicar o médico responsável pelo paciente para que seja solicitado avaliação da fonoaudióloga - Não administrar dieta via oral na presença de rebaixamento do nível de consciência com Glasgow menor que 12: enfermagem e nutrição

- Atentar para sinais de alerta como: tosse, engasgos, sudorese, cianose e “voz molhada”, suspender a dieta e comunicar equipe multiprofissional: enfermeiro da unidade - Aspirar conteúdo gástrico residual antes de realizar medicação em sonda e antes de instalar dieta enteral: enfermagem - Solicitar avaliação Fonoaudiológica sempre que for identificado alto risco de broncoaspiração: equipe médica Referências Bilbliográficas: 1- Macedo.E; Pisani.JC;Carneiro.José;Gomes.G. Disfagia- Abordagem multidisciplinar. Frontis Editorial. 3 edição.1999 2-Jacobi.J;Levy.D;Silva.LM.Disfagia.Avaliação e Tratamento.Revinter .2003. 3- Furkim.AM; Santini.C; Disfagias Orofaríngeas. Pro-Fono . 1999.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->