Você está na página 1de 7

LUS VAZ DE CAMES

Poeta 1524? 1580?


Nem me falta na vida honesto estudo, Com larga experincia misturado
Os Lusadas, X, 154

TRISTE VIDA
Fidalgo pobre, de famlia arruinada, tem uma infncia cheia de privaes. O pai, Simo Vaz de Cames, morre em Goa. educado em Lisboa pelo tio, D. Bento de Cames. Frequenta os centros aristocrticos, onde tem acesso s obras de Petrarca - a quem toma por modelo -, Bembo, Garcilaso, Ariosto, Tasso, Bernardim Ribeiro, entre outros. Domina a literatura Clssica da Grcia e Roma; L latim, sabe italiano e escreve o castelhano.

VIDA ERRANTE

Cames apontado como sujeito folgado e briguento. Ganha a alcunha de Trinca-Fortes.

As suas desavenas do origem ao desterro,


em 1548, durante seis meses.

Embarca para Ceuta no Outono de 1549. Perde o olho direito numa escaramua

contra os mouros inimigos de Cristo.

Em 1551, volta a Lisboa.

M FORTUNA

Cames chega a Lisboa na Santa Clara, em 1570. Traz com ele os dez cantos dOs Lusadas.

Em 1579 a peste assola Lisboa. Num quarto escuro, Cames estirado na cama.
Morre

de peste em 1580.

A OBRA
Poesia Lrica
rene sonetos,

canes, odes, sextinas, elegias, clogas, oitavas

Teatro

so trs os autos ou comdias escritos por Cames

Auto dos Anfitries Auto do Filodemo Auto del Rei Seleuco

Epopeia

Os Lusadas

OS LUSADAS, 1572
ESTRUTURA EXTERNA
Poema pico dividido em 10 cantos, de estrofes de oito versos OITAVAS. Versos decassilbicos Esquema rimtico ABABABCC

O assunto central a viagem martima de Vasco da Gama ndia. O heri o povo portugus simbolizado por Vasco da Gama.

Proposio (I, 1-3): O poeta apresenta o poema, em que so identificados o heri e o tema.
Invocao(I, 4-5) o poeta pede inspirao s Tgides. Dedicatria (I,6-18) o poeta dedica o poema a D. Sebastio Narrao (19 fim) o poeta narra os acontecimentos da viagem at ndia, iniciando-se a narrao numa fase adiantada da viagem narrao in media res.