P. 1
Oceanografia Dinâmica

Oceanografia Dinâmica

|Views: 8.498|Likes:
Publicado porfelipesmag

More info:

Categories:Types, Resumes & CVs
Published by: felipesmag on Oct 15, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/02/2013

pdf

text

original

Sections

IOF0221 - Oceanografia Dinâmica

Paulo S. Polito
Departamento de Oceanografia Física Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo polito@io.usp.br

1 Introdução
1.1 Bibliografia
Consulte o livro Fluid Mechanics, Pijush K. Kundu, Academic Press, 1990, Capítulo 1, pp 1-8. É um excelente livro, simples, direcionado para a oceanografia e portanto será nossa referência básica. Esta parte introdutória pode ser encontrada em vários livros de mecânica dos fluidos e oceanografia, com várias nuances diferentes.

1.2 Oceanografia Dinâmica e Mecânica dos Fluidos
Este é o passo inicial em direção à dinâmica do fluido geofísico. A disciplina “mecânica dos fluidos” é tradicionalmente ensinada nos departamentos de engenharia e devota a maior parte do tempo a problemas típicos de engenharia. A parte da mecânica dos fluidos que interessa efetivamente aos oceanógrafos é um caso especial e particularmente complicado desta disciplina bastante abrangente. Nossos problemas tem várias características peculiares: • o fluido (ar, água) é viscoso e turbulento; • ele está confinado em uma casca esférica; • esta casca é muito fina; • há trocas de momentum, calor e massa; • há mudanças de estado físico; • o fluido é estratificado, não homogêneo; • a geometria é irregular; • “eppur si muove”! a rotação dá brilho ao curso de dinâmica do fluido geofísico; Portanto, dada a complexidade do problema, precisamos começar por problemas muito simplificados, idealizados ao extremo e progredir passo a passo. Os grandes fluido-dinamicistas combinam, em suas carreiras, a intuição física - baseada em experimentação e observação científica - com a desenvoltura matemática. Meu objetivo principal com este curso é desenvolver a intuição física.

1.3 O que é um Fluido?
De uma forma geral, entende–se por fluido um líquido ou gás. Sólidos tem forma própria, ou seja, cessada a ação de uma força tangencial, o sólido retorna a sua forma inicial. Neste caso trata–se de uma deformação elástica. Se a força for suficientemente grande para deformar permanentemente o sólido, a deformação é chamada de plástica. 1

Os fluidos se deformam continuamente quando se aplica uma força tangencial. Por menor que seja essa força, as forças de coesão entre as moléculas são insuficientes para impedir–lhes o movimento. Notem que há fluidos e “fluidos”. Certos fluidos muito viscosos tem um comportamento que a primeira vista nos levaria a considerá–los sólidos, como é o caso do asfalto e de certos vidros. Outras substâncias, como clara de ovo, massa de bolo e gel para cabelos são chamadas de viscoelásticas e são estudadas à parte. Entre líquidos e gases a diferença é simples: gases se expandem até ocuparem o recipiente todo; líquidos não. A mecânica dos fluidos versa sobre fenômenos cujo comprimento típico é muito maior que o tamanho de uma molécula, ou que o seu livre caminho médio. Para todos os cálculos que fizermos, o fluido será considerado contínuo. Isto significa fundamentalmente que as propriedades e medidas são médias estatísticas tomadas sobre um numero muito grande de moléculas. Só para quantificar estas considerações, o livre caminho médio do ar nas CNTP é da ordem de 5 × 10−8 m.

1.4 Propriedades Físicas dos Fluidos
Densidade ρ é a razão entre massa e volume e mede a inércia de um volume unitário de fluido. Em nossa experiência diária notamos que é muito menos cansativo andar quando as ruas não estão alagadas. A densidade varia em função da temperatura e da pressão . Para uma dada massa de fluido, se fixarmos a pressão e aumentarmos a temperatura, a energia cinética média das moléculas aumenta, a separação média entre elas aumenta, o fluido expande e a densidade diminui. Se fixarmos a temperatura e aumentarmos a pressão o oposto ocorre e a densidade aumenta. Como as moléculas dos líquidos estão mais agregadas que a dos gases, este processo é mais pronunciado nos gases. Para quantificar este raciocínio podemos dizer que para pequenas mudanças de densidade δρ causadas por variações de temperatura e pressão δT e δp podem ser expressas em termos de derivadas parciais:

δρ =

∂ρ ∂p

δp +
T

∂ρ ∂T

δT ;
p

1 dividindo os dois lados por ρ, lembrando da regra da cadeia e que d lnρ = ρ dρ, temos:

δρ = ρ
Ou ainda, mais elegantemente,

∂ ln ρ ∂p

δp +
T

∂ ln ρ ∂T

δT.
p

δρ = κδp − βδT, ρ

onde κ é o coeficiente de compressibilidade e β é o coeficiente de expansão térmica.

1.5 O Transporte de Propriedades – um Exemplo de lei Empírica
Considere a distribuição heterogênea de duas substâncias:

Figura 1: Fluxo de tinta em um aquário com água colorida de um lado e água incolor de outro, separadas por um membrana que foi retirada.

2

Temos aqui um aquário com água colorida de um lado e água pura do outro, separadas por uma membrana. Certo tempo após removermos a membrana a tinta se diluirá. De algum modo, parte das moléculas de tinta que estavam de um lado foram para o outro. Houve assim um fluxo de matéria (tinta) através da área indicada pelo retângulo tracejado. Este fluxo aumentaria ou diminuiria se colocássemos um pouco de tinta do lado que antes tinha a água pura? E se colocássemos a mesma concentração de tinta? É intuitivo pensar que o fluxo é diretamente proporcional à diferença de concentração de tinta. Considere o caso limite, se a concentração de tinta for igual nos dois lados, o fluxo é zero; se colocarmos apenas tinta de um lado e apenas água do outro teremos o fluxo máximo. Este raciocínio intuitivo–experimental se traduz em termos quantitativos na lei de Fick ou de difusão Fickeana:

q = −k∇C
Nesta fórmula: • q representa o vetor fluxo de massa, no caso de tinta, em kg.m −2.s−1 , • k é uma constante que depende da substância e da temperatura, • ∇C é o gradiente da concentração da substância, • note que há um sinal negativo, indicando que o fluxo age contra o gradiente. Existe uma expressão completamente análoga para o transporte de calor, chamada de lei de Fourier:

(1)

qt = −kt ∇T
Neste caso: • qt representa o fluxo de calor, em J.m−2 .s−1 , • kt é a condutividade térmica, • ∇T é o gradiente de temperatura.

(2)

A chamada fricção Newtoniana segue o mesmo padrão, porém a esta altura do curso vamos simplificar ao máximo e considerar apenas o movimento unidimensional:

y
Figura 2: Na parte superior do rio a água move-se com velocidade u e a inferior é estagnante. Se removermos a membrana imaginária que as separa, após certo tempo a velocidade será constante e igual de uma margem até a outra.

3

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

u
  ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡

u

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

 

¡

  ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡ ¡

  ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡   ¡

 

O fluxo de Couette unidimensional é um dos casos mais simples e ilustra bem como esta disciplina depende muito da

1.6 Fluxo de Couette - um Problema Intuitivo

para o interior do fluido.

intuição física. Considere o esquema abaixo:

Note também que µ como definido na equação 3 é chamado de viscosidade dinâmica para diferenciá–lo da visµ cosidade cinemática definida como ν ≡ ρ . Neste caso ν mede o quão rápido o stress aplicado na superfície se propaga

uma vez que Sir Isaac Newton foi o primeiro a propor a relação linear entre tensão de cisalhamento e a derivada da velocidade.

Os processos governados pelas equações 1, 2 e 3 se referem a transportes associados a processos moleculares onde os comprimentos característicos são muito pequenos comparados com os do termo do gradiente. Estas equações

lineares são aplicáveis a uma grande gama de fenômenos, desde que os gradientes não sejam muito intensos. Cabe ressaltar aqui que a maioria dos fluidos obedecem a equação 3 e são propriamente chamados de Newtonianos

Porém o fluido não está sendo acelerado, portanto τ é constante. Assim, sendo c uma constante de integração ,

¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢  ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡  ¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢ ¢  ¢ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡¢ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡   ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡ ¢ ¢ 
h u=0

¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ £¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡ ¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡ ¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡ £¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡ ¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡¤ £¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤£ ¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£ £¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤ ¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£ ¤£¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤ £¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£ ¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤ £¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£ ¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤ £¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡ ¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡£¤£¤£
u=Vo

• µ é o coeficiente de viscosidade dinâmica,

Manipulando e integrando a Eq. 3 temos:

• τ representa a tensão de cisalhamento, em N.m−2 ,

Neste caso:

Qual é a tensão de cisalhamento (stress) em cada ponto do fluido? Como é o perfil de velocidades u(y)?

y

Figura 3: A placa superior move-se com velocidade Vo e a inferior é fixa. A viscosidade do fluido de espessura h é µ.

du dy

é o “ gradiente” de velocidade.

τ y = u(y) + c, µ τ du = , µ dy τ=µ du dy
Z

4

τ dy = µ

τ u(y) + c = y µ
Z

du dy. dy

x
(3)

Se pensarmos que junto às placas o fluido não escorrega (no-slip boundary condition), temos:

u=0 @ y=0
aplicando na equação anterior,

u = Vo @ y = h,

0+c = Vo + 0 =

τ τ 0 ⇒ c = 0 ⇒ u(y) = y µ µ

τ Vo Vo h ⇒ τ = µ ⇒ u(y) = y µ h h

1.7 Algumas Unidades de Medida Grandeza Massa Comprimento Tempo Temperatura Área Volume Velocidade Aceleração Força Pressão e Tensão de cisalhamento Freqüência Energia, Calor e Trabalho Potência Densidade Viscosidade Calor específico Dimensão M L T Θ L2 L3 LT−1 LT−2 MLT−2 ML−1 T−2 T−1 ML2 T−2 ML2 T−3 ML−3 ML−1 T−1 2 L T−2 Θ−1 Unidade kg m s K m2 m3 m/s m/s2 N = kg.m/s2 Pa = N/m2 Hz J = N.m W = J/s kg/m3 kg/(m.s) m2 /(K.s2 )

5

2 Revisão
2.1 Cálculo
Embora estes tópicos já tenham sido vistos ad nauseam, uma pequena revisão das técnicas essenciais ao presente curso é oportuna. 2.1.1 Derivada A derivada mede a taxa de variação de uma função em relação a uma de suas variáveis. Sendo y = f (x), a derivada de y em relação a x é comumente indicada por: y , y, dy, Dy, ˙
dy dx ,

f (x),

d f (x) dx

e

D f (x) dx .

A definição de derivada é o limite:

f (x + ∆x) − f (x) d f (x) = lim . ∆x→0 dx ∆x
A definição de derivada parcial é completamente análoga:

f (x + ∆x, y, z,t, · · ·) − f (x, y, z,t, · · ·) d f (x, y, z,t, · · ·) = lim . ∆x→0 dx ∆x
A definição de derivada total é:

D f (x, y, · · ·) =

∂f ∂f dx + dy + · · · ∂x ∂y

A regra da cadeia é aplicada para calcularmos derivadas de funções compostas ou “funções de funções ”:

dy du dy = . dx du dx
Por exemplo, para calcular a derivada da função y = (2x3 − 5x2 + 4)5 fazemos:

y = (2x3 − 5x2 + 4)5 = u5 definindo u = 2x3 − 5x2 + 4 dy = (5u4 ) (6x2 − 10x) = 5(2x3 − 5x2 + 4)4 (6x2 − 10x) dx
Para calcularmos a derivada de um expressões que podem ser reduzidas a um produto de funções , usamos a regra do produto:

d d f (x) dg(x) ( f (x)g(x)) = g(x) + f (x). dx dx dx
Um exemplo:

d (sin(x) cos(x)) = cos(x) cos(x) − sin(x) sin(x) = cos2 (x) − sin2 (x). dx
Quando a expressão a derivar pode ser reduzida a um quociente de funções , usamos a regra da divisão :

d dx

f (x) g(x)

=
sin(x) x2

f (x)g(x) − f (x)g (x) . g2 (x)
podemos utilizar a regra acima:

d Em termos práticos, se queremos calcular dx

d dx

sin(x) x2

=

cos(x) x2 − sin(x) 2x x cos(x) − 2 sin(x) = . 4 x x3
6

2.1.2 Integrais O cálculo de integrais de algumas funções pode ser mais fácil se utilizarmos a regra da substituição : definindo x = Φ(t) então

Z

f (x)dx =

Z

f (Φ(t))Φ (t)dt.

R √ Por exemplo, para calcularmos ( 3x + 4)dx podemos substituir 3x + 4 por Φ:

Φ = 3x + 4 dΦ = 3dx ⇒ dx =
portanto

dΦ , 3 Φ2
3 2
3 3 2 (3x + 4) 2 + c 9

Z √

( 3x + 4)dx =

Z

1 dΦ = (Φ) 3 3
Z

Z

1 (Φ)dΦ = 3

+c =

Tão útil quanto a regra da cadeia para a derivação é a regra da integração por partes:

Z

udv = uv −

vdu onde u = u(x) e v = v(x).
R

Um exemplo da aplicação da regra da integração por partes é o cálculo da integral arctan(x)dx: definindo

u = arctan(x) e dv = dx temos 1 dx e v = x + c1 1 + x2
Z

du =
Z

1 dx = 1 + x2 Z Z x 1 x arctan(x) + c1 arctan(x) − dx − c1 dx = 2 1+x 1 + x2 1 1 x arctan(x) + c1 arctan(x) − ln |1 + x2 | − c1 arctan(x) +c2 = x arctan(x) − ln(1 + x2 ) + c2 2 2 arctan(x)dx = arctan(x) (x + c1 ) − (x + c1 ) 2.2 Operadores Vetoriais
Neste curso vamos utilizar bastante a noção de operadores vetoriais, mais específicamente de gradiente, divergente e rotacional. 2.2.1 Gradiente O gradiente ∇ f é um vetor, obtido a partir de uma função escalar que por ora vamos definir como f (x, y, z):

∇f =

∂f ∂f ∂f i+ j+ k ∂x ∂y ∂z ∂f ∂f i+ j ∂x ∂y

Por exemplo, se f (x, y) = −2x + 3y então o gradiente ∇ f é:

∇f =

∇ f = −2i + 3 j
As isolinhas da função escalar f e do vetor gradiente estão plotadas na figura 4. Note que: 7

• o gradiente é perpendicular a estas isolinhas, • portanto ele aponta para onde f varia mais rapidamente no espaço, • a magnitude do gradiente, ou seja, o tamanho do vetor é constante e igual a ( também é uniforme,
Isolinhas de f(x,y)=−2x+3y e ∇ f (vetores) 3

(2) +

(3))/2, a direção

10

5
2

10

0

1

5 0

0

y

5 0 −5

−1

0
−2

−5

−1

0

−5
−3 −3 −2 −1 0 x

−1

0
2 3

1

de f .

Figura 4: Resultado gráfico do gradiente de f (x, y) = −2xi + 3y j. Contornos indicam o valor de f e os vetores ilustram o gradiente

2.2.2 Divergente O divergente ∇ • f é um escalar como indica o sinal de produto escalar (•) entre o operador ∇ e a função vetorial f . Produto escalar é a soma dos produtos de cada par de componentes que apontam na mesma direção, portanto:

∇• f =

∂ ∂ ∂ i+ j+ k ∂x ∂y ∂z ∇• f =

fx i + fy j + fz k ,

∂ fy ∂ fx ∂ fz + + . ∂x ∂y ∂z

No exemplo da Figura 5 foram plotadas isolinhas do divergente da função f (x, y) = sin(x) i + sin(y) j. A função f foi representada como vetores. Note que: • na origem o valor do divergente é máximo´ , • o valor do divergente na origem é 2 pois é dado pela soma cos(0) + cos(0), • nas vizinhanças da isolinha do zero os vetores são paralelos e de mesmo tamanho, • nos quatro cantos o divergente é negativo, há convergência.

8

Isolinhas de ∇. f e vetores f= i sin(x) + j sin(y) 3

−1

0

.5 −1

−0

−1 .5

−0 .5

.5

0

2

0.5

−1
1

0.

5

0

1

0
0 .5

1

1.5

0

y

1
1.5

1
−1

1.5
0.
0

5
1
0

−2

−1

0. 5

0.5

−1

−0 .5

.5 −0

0
−1 0 x

−3 −3

0
1 2

−2

−1 .5

Figura 5: Resultado gráfico do divergente de f (x, y) = sin(x)i + sin(y) j. Contornos indicam o valor do divergente e os vetores
ilustram a função f .

.5 −1

3

2.2.3 Rotacional O rotacional ∇ × f é, como indicado pelo sinal de produto vetorial ×, um vetor. A componente do produto vetorial numa direção é dada pela diferença das derivadas cruzadas nas outras duas direções :

∇× f =

∂ ∂ ∂ i+ j+ k ∂x ∂y ∂z

×

fx i + fy j + fz k ,

É usual se escrever o rotacional na forma de determinante da seguinte matriz: i ∇× f =
∂ ∂x

j
∂ ∂y

k
∂ ∂z

.

fx

fy

fz

A notção do tipo determinante facilita a memorização da fórmula a seguir: ∇× f = ∂ fz ∂ fy − i+ ∂y ∂z ∂ fx ∂ fz − ∂z ∂x j+ ∂ fy ∂ fx − ∂x ∂y k.

A seguir foram plotados dois exemplos de campos vetoriais e seus respectivos rotacionais. Nos dois casos foi escolhida uma função de duas dimensões (x, y) para facilitar a visualização . Desta forma o rotacional tem apenas a componente z cujo valor pode ser indicado por isolinhas como se fosse um escalar. Na figura 6 a função vetorial f é dada por f = sin(y)i + cos(x + π ) j e é indicada pelo campo vetorial. Pontos a 2 ponderar: • na origem o valor do rotacional é mínimo e igual a -2, • nas vizinhanças da isolinha do zero os vetores são paralelos e de mesmo tamanho, • o valor do rotacional em torno da origem é negativo, os vetores mudam de direção seguindo a regra da mão direita e o rotacional “fura” o papel, 9

• nos quatro cantos o rotacional é positivo, o rotacional “sai” do papel.
Isolinhas de ∇ × f e vetores f= i sin(y) + j cos(x+π/2) 3

0.5

0

1 .5

0.5

1.5
2

1

0

−0.5

1

−1
1

0.5

0
0

−0

.5
−1

0.5

.5 −0

5 −1.

−1.5

0
−1

−1.

5

0.5

−0

−1

0

y

−1

.5 −0

.5
0

0.5

−1
−2

1.5

−0.5
0
0.5

1

0
0 x

−3 −3

−2

−1

1

2

1.5

Figura 6: Resultado gráfico do rotacional de f = sin(y)i + cos(x + π ) j. Contornos indicam a magnitude da componente vertical 2
do rotacional e os vetores ilustram a função f .

Na figura 7 a função vetorial f é dada por f = sin(y/2)i + 0 j e é indicada pelo campo vetorial. Note o seguinte: • não é necessário que as isolinhas se fechem para que tenhamos um rotacional não nulo (o mesmo vale para o divergente e para o gradiente), • O rotacional é negativo (“furando” o papel) em toda a região amostrada, isso é fácil de visualizar na vizinhança de y = 0 onde os vetores estão em direções opostas, • porém, longe de y = 0 o rotacional ainda é negativo pois o que importa é a variação da função e não sua direção .
Isolinhas de ∇ × f e vetores f= i sin(y/2) + j 0 3 −0.15 −0.2 2 −0.25 −0.3 −0.35 −0.4 1 −0.3 −0.35 −0.4 −0.45

−0.05 −0.1
−0.15

1
0 .5

3

−0.05 −0.1 −0.15 −0.2 −0.25

−0.05 −0.1

−0.2
−0.25

−0.3
−0.35

−0.4
−0.45

−0.45

0

y

−1 −0.4 −0.35 −2

−0.45

−0.45 −0.4 −0.35
−0.4

−0.45

−0.35
−0.3 −0.3

−0.3
−0.25 −0.2

−0.25 −0.2 −0.15 −0.15 −0.1 −0.05 0 x

−0.25 −0.2
−0.1 −0.05 2

−0.15
−3 −3

−0.1 −0.05 −2

−1

1

3

Figura 7: Resultado gráfico do rotacional de f = sin(y/2)i + 0 j. Contornos indicam a magnitude da componente vertical do rotacional e os vetores ilustram a função f .

10

2.2.4 Estimando Numericamente o Gradiente, Divergente e o Rotacional Para adquirir a habilidade de visualizar os resutados da aplicação dos operadores vetoriais, é interesante trabalhar com o programa a seguir. O programa foi escrito em Matlab (mas pode ser modificado para rodar em Octave, Python ou GMT, que são open source e gratuitos). Este programa se divide em quatro partes muito similares e a idéia deste experimento é variar as funções ora definidas para outras funções quaisquer e estudar os resultados. De particular interesse são funções cujo divergente é nulo mas o rotacional não , e vice–versa.
%================ GRADIENTE ================================= % Cria o espaco x,y dx=1; dy=1; [x,y]=meshgrid(-3:dx:3,-3:dy:3); l=size(x);l=l(1); % f e uma funcao ESCALAR f=-2*x+3*y; % gx e a componente x do gradiente gx=diff(f,1,2)/dx; % gy e a componente y do gradiente gy=diff(f,1,1)/dy; % note que a matriz do gradiente calculado numericamente % e menor que o campo original pois se define como a diferenca % entre os valores de f calculada ENTRE os pontos de x,y gx=gx(1:l-1,:); gy=gy(:,1:l-1); % portanto precisamos criar xx,yy para podermos plotar gx,gy [xx,yy]=meshgrid(-2.5:dx:2.5,-2.5:dy:2.5); figure(1) % plota os pontos x,y plot(x,y,’.k’) hold on % plota as isolinhas de f [c,h]=contour(x,y,f); clabel(c,h); % plota o vetor gradiente quiver(xx,yy,gx,gy); hold off % completa o grafico axis (’equal’) axis([-3 3 -3 3]) xlabel(’x’);ylabel(’y’) title(’Isolinhas de f(x,y)=-2x+3y e \nabla f (vetores) ’) %================ DIVERGENTE ================================= % Cria o espaco x,y dx=.1; dy=.1; [x,y]=meshgrid(-3:dx:3,-3:dy:3); l=size(x);l=l(1); % Neste caso f e uma funcao VETORIAL f= i sin(x) + j sin(y); fx=sin(x); fy=sin(y); % gx e a componente dfx/dx do divergente (dx=.1) Dx=diff(fx,1,2)/dx; % gy e a componente dfy/dy do divergente (dy=.1) Dy=diff(fy,1,1)/dy; % note que a matriz do divergente calculado numericamente % e menor que o campo original pois se define como a diferenca % entre os valores de f calculada ENTRE os pontos de x,y Dx=Dx(1:l-1,:); Dy=Dy(:,1:l-1); % portanto precisamos criar xx,yy para podermos plotar o divergente [xx,yy]=meshgrid(-2.95:.1:2.95,-2.95:.1:2.95); % O divergente e escalar D=Dx+Dy; % plota um a cada 10 pontos x,y figure(2) g=(1:10:l); plot(x(g,g),y(g,g),’.k’) hold on % plota as isolinhas de D [c,h]=contour(xx,yy,D); clabel(c,h); % plota o vetor f, seleciona um a cada 10 quiver(x(g,g),y(g,g),fx(g,g),fy(g,g)); hold off % completa o grafico axis (’equal’) axis([-3 3 -3 3]) xlabel(’x’);ylabel(’y’) title(’Isolinhas de \nabla. f e vetores f= i sin(x) + j sin(y) ’)

11

%================ ROTACIONAL ================================= % Cria o espaco x,y [x,y]=meshgrid(-3:.1:3,-3:.1:3); l=size(x);l=l(1); % Neste caso f e uma funcao VETORIAL f= i sin(y) + j cos(x+pi/2) fx=sin(y); fy=cos(x+pi/2); % gx e a componente dfy/dx do Dfydx=diff(fy,1,2)/dx; % gy e a componente y do divergente Dfxdy=diff(fx,1,1)/dy; % note que a matriz do rotacional calculado numericamente % e menor que o campo original pois se define como a diferenca % entre os valores de f calculada ENTRE os pontos de x,y Dfydx=Dfydx(1:l-1,:); Dfxdy=Dfxdy(:,1:l-1); % portanto precisamos criar xx,yy para podermos plotar o rotacional [xx,yy]=meshgrid(-2.95:.1:2.95,-2.95:.1:2.95); % O rotacional e um vetor que, NESTE CASO bi-dimensional % so possui a componente k na direcao z R=Dfydx-Dfxdy; % plota um a cada 10 pontos x,y figure(3) g=(1:10:l); plot(x(g,g),y(g,g),’.k’) hold on % plota as isolinhas de R [c,h]=contour(xx,yy,R); clabel(c,h); % plota o vetor f, seleciona um a cada 10 quiver(x(g,g),y(g,g),fx(g,g),fy(g,g)); hold off % completa o grafico axis (’equal’) axis([-3 3 -3 3]) xlabel(’x’);ylabel(’y’) title(’Isolinhas de \nabla \times f e vetores f= i sin(y) + j cos(x+\pi/2) ’) %================ ROTACIONAL II ================================= % Cria o espaco x,y [x,y]=meshgrid(-3:.1:3,-3:.1:3); l=size(x);l=l(1); % Neste caso f e uma funcao VETORIAL f= i sin(y/2) + j 0 fx=sin(y/2); fy=zeros(size(y)); % gx e a componente dfy/dx do Dfydx=diff(fy,1,2)/dx; % gy e a componente y do divergente Dfxdy=diff(fx,1,1)/dy; % note que a matriz do rotacional calculado numericamente % e menor que o campo original pois se define como a diferenca % entre os valores de f calculada ENTRE os pontos de x,y Dfydx=Dfydx(1:l-1,:); Dfxdy=Dfxdy(:,1:l-1); % portanto precisamos criar xx,yy para podermos plotar o rotacional [xx,yy]=meshgrid(-2.95:.1:2.95,-2.95:.1:2.95); % O rotacional e um vetor que, NESTE CASO bi-dimensional % so possui a componente k na direcao z R=Dfydx-Dfxdy; % plota um a cada 10 pontos x,y figure(4) g=(1:10:l); plot(x(g,g),y(g,g),’.k’) hold on % plota as isolinhas de R [c,h]=contour(xx,yy,R); clabel(c,h); % plota o vetor f, seleciona um a cada 10 quiver(x(g,g),y(g,g),fx(g,g),fy(g,g)); hold off % completa o grafico axis (’equal’) axis([-3 3 -3 3]) xlabel(’x’);ylabel(’y’) title(’Isolinhas de \nabla \times f e vetores f= i sin(y/2) + j 0’)

12

3 Hidrostática
3.1 Pressão Hidrostática como “Escalar”
A hidrostática trabalha com problemas onde os fluidos estão em repouso ou seja, a caracterização do problema independe do tempo. Imposto o estado de repouso, decorre que a resultante das forças sobre elementos quaisquer do fluido é sempre nula. Fuidos neste estado estão em equilíbrio hidrostático. Um fato simples e instrutivo de ser demonstrado é que a pressão que age sobre um elemento infinitesimal de fluido em equilíbrio hidrostático independe da direção. Considere um fluido em repouso e um elemento em forma de cunha, com uma dimensão unitária, como mostra a figura 8. As pressões p1 , p2 , p3 são aplicadas nas faces da cunha, de áreas dsdy, dxdy e dzdy. Nos balanços de forças há ainda o peso do fluido ρV g. Considere o balanço horizontal de forças: na direção x não há aceleração e portanto a resultante de forças é nula. Portanto, projetando–se p1 na horizontal temos:
, Balanco vertical θ

ds
z

dz dy=1

dx
x

Balanco horizontal ,
y

θ p 1

ds
ρ Vg

dz
p 3

dx
p 2

p1 sin(θ) ds dy = p3 dy dz
mas dy = 1 e dz = ds sin(θ), o que implica na igualdade:

Figura 8: A pressão que age sobre um elemento infinitesimal de fluido em equilíbrio hidrostático independe da direção.

p1 = p 3
Considere o balanço vertical de forças: na direção z também não há aceleração. Portanto, eliminando dy pois dy = 1 e projetando p1 na vertical temos:

p1 cos(θ) ds = p2 dx + ρV g
como ds cos(θ) = dx e V = dxdydz, eliminando dx e dy obtemos:

1 p1 = p2 + ρgdz. 2
Fazendo o volume V encolher indefinidamente, a força peso do elemento de fluido tenderá a zero, resultando em:

p1 = p 2 = p 3 .
Ou seja, a pressão hidrostática independe da direção, ela é a mesma em todos os lados de um elemento infinitesimal de fluido e pode ser tratada como um escalar.

13

3.2

A Pressão Hidrostática Depende da Profundidade
dx

Considere o elemento infinitesimal de fluido da figura 9. Do balanço horizontal de forças, como no caso anterior

dy p+dp dz

∂p ∂p = = 0. ∂x ∂y
Do balanço vertical de forças temos:

p dx dy − (p + d p) dx dy − ρ g dx dy dz = 0, −d p = ρ g dz ⇒
Z Z

p

dp = −ρ g. dz

Integrando-se a expressão acima obtemos:

ρ gdV

dp = −

ρ g dz ⇒ p − po = −ρ g z,

onde po é constante.

Figura 9: A pressão que age sobre um fluido em equilíbrio hidrostático depende apenas da profundidade.

Em 1654 Blaise Pascal publicou seu Tratado sobre o Equilíbrio de Líquidos. Pascal reconheceu que esta pressão hidrostática é transmitida igualmente em todas as direções no fluido e, como fica evidente na lei que leva seu nome, que depende apenas da profundidade. Pascal era contemporâneo de Fermat e Huygens, e os três trocaram cartas que continham os fundamentos da estatística. Entre outras contribuições, Pascal provou a existência do vácuo e construiu uma calculadora mecânica, a Pascaline. Consideremos por exemplo a pressão atmosférica média de p = 1013 mbar ao nível do mar. Qual é a massa m de uma coluna de ar com área unitária e da altura da estratosfera? Note que 1bar = 10 5 Pa = 105 N/m2 . Pensando em termos de p = −ρgz, multiplicando ambos os lados pela área unitária A, resulta na igualdade pA = ρ g z A = mg ou

seja, m = pA/g = 105 /10 = 104 kg. Um outro exemplo interessante é o do batiscafo. Para construirmos a estrutura de um submersível que chegue a

Um exercício oportuno a este ponto é calcular a que profundidade a pressão devida exclusivamente ao peso da coluna d’agua é igual à pressão atmosférica.

5000 m queremos saber a que pressão ele deve resistir. Utilizando ρ = 1000 kg/m 2 , g = 10 m/s2 e z = −5 × 103 m em p = −ρgz obteremos p = 5 × 107 N/m2 , ou seja 500 atmosferas!

3.3 Tensão Superficial
Diferentemente dos gases, os líquidos não se expandem indefinidamente e formam uma interface bem definida tanto quando em contato com gases como quando em contato com outros líquidos imiscíveis. Na figura 10 temos uma representação esquemática da tensão superficial como resultante das forças intermoleculares. A tensão superficial depende da substância e da temperatura. Essencialmente ela é controlada pela interação elétrica entre as moléculas do líquido. É importante perceber que a substância que determina a tensão superficial é a que está na superfície, na última camada de moléculas. Portanto a presença de detritos, óleo, ácidos graxos ou sabão altera radicalmente o valor da tensão superficial.

14

cheio de líquido, a altura da superfície livre do líquido dentro do tubo é maior que a altura da superfície no recipiente. O líquido sobe pelas paredes e traz consigo uma pequena coluna d’agua.

Figura 10: A tensão superficial é a resultante das forças intermoleculares devida à formação de uma interface. Nesta interface, ao

O fenômeno da capilaridade é exemplificado pela figura 12. Quando inserimos um tubo fino dentro de um recipiente

 ¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡                                                 ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡  ¢¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡ ¢   ¢¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢ ¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡   ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡  ¢¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡  ¢¡¢  ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  ¢¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡  ¢¢   ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡ ¢ ¢ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  ¢¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡¢   ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  ¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢  ¢¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡ ¢  ¢  ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡¢ ¢ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢¢¡ ¢  ¢¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡¢   ¢¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡ ¢¢                                                  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢ ¢ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  ¢ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡¢   ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡  ¢ ¢ ¢  ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡

3.4 Capilaridade

de raio R de um sabão com coeficiente de tensão superficial σ? s

gota se forma, a tensão aumenta pois R diminui até igualar-se ao raio da torneira. Exercício rápido: Qual seria a expressão para descrever a pressão devida à tensão superficial dentro de uma bolha

balanceada pela pressão p integrada na área πR2 da torneira. Ou seja:

um hemisfério de raio R, preso à torneira pela tensão superficial integrada ao redor de seu perímetro 2πR. Esta força é

contrário do interior do fluido, a metade superior da “teia de forças” moleculares está ausente.

σ e dos raios R1 e R2 indicados na figura 11. O coefi-

A expressão geral da tensão superficial é :

figura 11:

ciente σ tem unidades de N/m.

onde a diferença entre a pressão interna pint e a externa pext fica em função do coeficiente de tensão superficial

Portanto a pressão dentro da gota é maior que a pressão externa por causa da tensão superficial. À medida que a

Considere por exemplo o caso de uma incômoda torneira que pinga. Uma gota d’agua parada, prestes a cair, forma

Um elemento infinitesimal de superfície pode ser descrito pela curvatura em duas direções, como ilustra a

∆p = pint − pext = σ

π R2 ∆p = σ 2π R ⇒ ∆p =

1 1 + R1 R2

15 Figura 11: Um elemento infinitesimal de superfície pode ser descrito pela curvatura em duas direções.

2σ R
R2 R1

                    ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡   ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡ ¢¡§¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢  ¡  ¢¡§§¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢¢ ¡                                 ¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¡  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¡ ¡§¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢ ¡                      ¢¡§¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢ ¡  ¢¢¡§§¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢¢¡                                 ¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡  ¡  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¢¡§¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢ ¡                      ¢¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¡ ¡§§¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢¢ ¡                                 ¢¡§¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢ ¡   ¡¢¢ ¡¢¢ ¡¢¢ ¡¢¢ ¡¢¢ ¡¢¢ ¡¢¢ ¡¢¢ ¡¢¢ ¡ ¢¡§¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢¡  ¢¡§§¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢¢¡                                 ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  ¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡  ¡  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢¡§¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢ ¡                      ¢¡§¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢ ¡  ¢¡§§¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢¢ ¡                                  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¢¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¡ ¡§¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢ ¡                      ¢¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¡ ¡§§¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢¢ ¡                                           ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  ¢¡§§¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¢¡    ¡¢  ¡¢  ¡¢  ¡¢  ¡¢  ¡¢  ¡¢  ¡¢  ¡¢  ¡¡ ¢¡§§¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢¢ ¡    ¢¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡  ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  ¡ ¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¡  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢¡§§§¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢¢¡      §                  § §§ §§ §§ §§ §§
F

o líquido que sobe pelo tubo e o fluido que esta acima deste líquido.

com a parede. A força que ergue a coluna d’agua de peso é a integral da componente vertical da tensão superficial ao redor do tubo:

Figura 12: A elevação h da coluna d’agua resulta do efeito integrado da tensão superficial dentro do tubo delgado de raio R.

No esquema da figura 12, a região ampliada mostra que a superfície do líquido dentro do tubo forma um ângulo θ

O ângulo θ depende de que substâncias estão interagindo. Note que são três: o material de que é feito tubo capilar,

¤¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ ¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡ ¤¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡ £¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡ ¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤£ ££¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡£¤¤ ¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ £ ¤¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡¤££¤ ¤£¡£¤¤¡£¤¤¡£¤¤¡£¤¤¡£¤¤¡£¤¤¡£¤¤¡£¤¤¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡£ £££¤¡££¤¡££¤¡££¤¡££¤¡££¤¡£¤¡££¤¡££¤¡£¤¤ £¤¤ £¤¤ £¤¤ £¤¤ £¤¤ £¤¤ £¤¤ £¤¤ £¤¤ £¤¤ £¤¤ £¤¤ ¤ ¤¡¡¡¡¡¡¡¡¡££¤¡££¤¡££¤¡££¤¡££¤¡££¤¡££¤¡££¤¡££¤¡££¤¡££¤¡££¤¡££¤¡£¤ ¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡£¡£¡£¡¡£¡£¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡£¤ ¤¡¡¤¡¤¡¤¡¤¡£¡¤¡¤¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡ £¡£¤¡£¡£¡£¡£¡£¤¤¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡ ¡¡¡¡¡¡£¡¡¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¤ £¡£¡£¡£¡£¡£¡¡£¡£¡££¤¡££¤¡££¤¡££¤¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¤¤ £¤¤ £¤¤ £¤¤ £¤ £¤¤ £¤¤ £¤ £¤¤ £¤¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¤¡¤¡¤¤¡£¤¡¤¡¤¤¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡£ £¡£¡£¡£¡£¡£¡£¤¤¡£¡£¡¤¡¤£¤¡¤£¤¡¤£¤¡£¤ £¤ £¤ £¤ £¤ £¤ £¤ £¤ £¤ ¡¡¡¡¡¡¡¡¡£¡¡¡¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡¤¤¡£¤ £¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡ ¡¡¡¡¡¤¡¡¡¤¡££¤¡¡¡¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¤ £¤¡£¤¡£¤¡£¤¡£¤¤¡£¡£¤¡£¤¤¡£¡¤¡£¤¡¦ £¤¡¦ £¤¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡ ¦¡¥¡¥¡ ¡¡¡¡¡¡¡¡¡£¤¤ ¡¦¡¦¡ £¤ £¤ £¤ £¤ £¤ £¤ £¤ £¤ £¤ ¥¡¦¡¦¡¥¦ ¡¡¡¡¡¡¡¡¡£ ¦¥¦¡¥¥¦¡¥¥¦¡ ¥¥¦¡¥¡¥¡ ¡¡¡¥¦¦ ¡¥¡¥¡¥ ¥¦¦¡¦¡¦¡¥¦¥¦ ¡¥¦¡¥¦¡ ¦ ¦ ¡¥¡¥¡¦ ¦¥¥¦¡¦¡¦¡¥ ¥¡¥¡¥¡ ¡¦¡¦¡¦ ¦¦¡¦¥¡¦¥¡¥ ¥¡¦¡¦¡¥¦ ¥¥¦¡¦¡¦¡¥¦¦ ¡¦¥¡¦¥¡ ¥ ¥ ¡¥¡¥¡¥ ¥¦¡¡¡¥¦ ¥¡¥¡¥¡¥¦¦ ¥¦¦¡¥¦¡¥¦¡ ¦¡¦¡¦¡¥ ¥¡¥¡¥¡ ¡¡¡¥¦¥¦
h

2 σ cos θ = ρ g R h ⇒ h =

R

2π R σ cos θ = ρ gV

16

2 σ cos θ ρgR
θ F cos θ

inâmicas sejam lentas em comparação ao tempo de relaxamento. Esta escala de tempo é suficiente para que ocorram apenas algumas poucas colisões moleculares, muito menor que os tempos relevantes para experimento oceanográficos.

Desta forma podemos conceptualizar o fluxo como uma série de estados de equilíbrio.

tornariam de pouco uso para a oceanografia dinâmica, pois os fluidos com os quais trabalhamos esão quase sempre em movimento. Experimentos demonstram que os resultados obtidos pela teoria clássica valem para a vasta maioria

dos problemas tratados pela oceanografia dinâmica e pela dinâmica de fluidos. A condição de aplicabilidade dos resultados da termodinâmica clássica é que as variações das propriedades termod-

Uma maneira de visualizarmos o trabalho de compressão feito em um sistema termodinâmico é através do seguinte

4.1.1 Trabalho e Calor

representado pelo gráfico da direita. O trabalho para levar o sistema de 1 até 2 é a integral ou a área do polígono hachurado verticalmente. A temperatura neste caso é controlada de forma que a variação de p com V seja linear.

aparato:

Figura 13: Um pistão de área A feito de material isolante desce sem atrito da posição 1 para a posição 2 sob ação da força F. Ele comprime o fluido contido na câmara, reduzindo seu volume em Ads unidades .

4.1 Termodinâmica Clássica

A termodinâmica clássica estuda os estados de equilíbrio da matéria. As leis básicas da termodinâmica são empíricas,

4 Termodinâmica

ou seja, não são deduzidas a partir de relações mais simples porque elas são o que há de mais básico. As propriedades termodinâmicas são consideradas localmente homogêneas e independentes do tempo. Um sistema

termodinâmico pode mudar de forma, trocar calor, fazer ou receber trabalho, mas sempre deve conservar a massa. A definição acima de termodinâmica clássica é um tanto estrita e se tomada ao pé da letra seus resultados se

Os casos típicos onde a termodinâmica clássica não se aplica envolvem reações químicas e nucleares.

Area A

F

1

p ds 2

¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡  ¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢                                         ¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡  ¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢                                          ¡¢ ¨§¡¢ ¨§¡¢ ¨§¡¢ ¨§¡¢ ¨§¡¢ ¨§¡¢ ¨§¡¢ ¨§¡¢ ¨§¡¢ ¨§¡¢ ¨§¡¢ ¨§¡¢ ¨§¡¢ ¨§¡¢ ¨§¡¢ ¨§¡¢ ¨§¡¢ ¨§¡¢ ¨§¡                                       ¨¨¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢   ¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡ ¦§¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡§¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡ ¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡ ¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡ ¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡ §¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡ ¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡ £¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¦¨¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢¤  £¥¦§¨ § £¥§¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡ ¥¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¨¡¤ ¦¨¡¤ ¦¨¡¤ ¦¨¡¤ ¦¨¡¤ ¦¨¡¤ ¦¨¡¤ ¦¨¡¤ ¦¨¡¤ ¦¨¡¤ ¦¨¡¤ ¦¨¡¤ ¦¨¡¤ ¦¨¡¤ ¦¨¡¤ ¦¨¡¤ ¦¨¡¤ ¦¨¡¤ ¦¨¡¤ ¦¨¡ ¦§¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¦¨¥§ ¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡ ¡¥§¦¡¥§¦¡¥§¦¡¥§¦¡¥§¦¡¥§¦¡¥§¦¡¥§¦¡¥§¦¡¥§¦¡¥§¦¡¥§¦¡¥§¦¡¥§¦¡¥§¦¡¥§¦¡¥§¦¡¥§¦¡¥§¦¡ ¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡ §§ §§ §§ §§ §§ §§ §§ §§ §§ §§ §§ §§ §§ §§ §§ §§ §§ §§ §§ ¦¨ £¥¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢¤  £¥¦§¨ ¦¨¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢¤ ¦¨¥¦§¨ ¦¨ ¦¨ ¦¨ ¦¨ ¦¨ ¦¨ ¦¨ ¦¨ ¦¨ ¦¨ ¦¨ ¦¨ ¦¨ ¦¨ ¦¨ ¦¨ ¦¨ ¦¨ ¦¨ ¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡  £¥§¥§¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡ ¥¦§¨¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¢¤ ¡¦¨ £¥§ ¥¦§¨ £¥§ ¥¦§¨ £¥§ ¥¦§¨ £¥§ ¥¦§¨ £¥§ ¥¦§¨ £¥§ ¥¦§¨ £¥§ ¥¦§¨ £¥§ ¥¦§¨ £¥§ ¥¦§¨ £¥§ ¥¦§¨ £¥§ ¥¦§¨ £¥§ ¥¦§¨ £¥§ ¥¦§¨ £¥§ ¥¦§¨ £¥§ ¥¦§¨ £¥§ ¥¦§¨ £¥§ ¥¦§¨ £¥§ ¥¦§¨ £¥§ ¥¦§¨ £¥§  £¥¦§¨¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢¤ ¦¨¥§ ¨¨ £¥¦§¨ ¨¨ £¥¦§¨ ¨¨ £¥¦§¨ ¨¨ £¥¦§¨ ¨¨ £¥¦§¨ ¨¨ £¥¦§¨ ¨¨ £¥¦§¨ ¨¨ £¥¦§¨ ¨¨ £¥¦§¨ ¨¨ £¥¦§¨ ¨¨ £¥¦§¨ ¨¨ £¥¦§¨ ¨¨ £¥¦§¨ ¨¨ £¥¦§¨ ¨¨ £¥¦§¨ ¨¨ £¥¦§¨ ¨¨ £¥¦§¨ ¨¨ £¥¦§¨ ¨¨ £¥¦§¨ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¥¦§¨¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¥¦§¨ £¥§ ¥¥¦¡¥¥¦¡¥¥¦¡¥¥¦¡¥¥¦¡¥¥¦¡¥¥¦¡¥¥¦¡¥¥¦¡¥¥¦¡¥¥¦¡¥¥¦¡¥¥¦¡¥¥¦¡¥¥¦¡¥¥¦¡¥¥¦¡¥¥¦¡¥¥¦¡ ¡¨£¡¨£¡¨£¡¨£¡¨£¡¨£¡¨£¡¨£¡¨£¡¨£¡¨£¡¨£¡¨£¡¨£¡¨£¡¨£¡¨£¡¨£¡¨£¡ ¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡ ¦§¡¦§¡¦§¡¦§¡¦§¡¦§¡¦§¡¦§¡¦§¡¦§¡¦§¡¦§¡¦§¡¦§¡¦§¡¦§¡¦§¡¦§¡¦§¡ ¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡ ¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡ §¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡ ¨ £¥¦§¨¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¦¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢¤ ¦¨ §¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡¨¡ ¥¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡ £¥§ §¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡§¡ ¨¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡¦¡ ¦¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡£¡¦¨ §¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡¥¡ ¥¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ £¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡¤ ¡  ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢¤  £¥¦§¨¥§

uma vez que dV = Ads. Integrando–se a expressão acima,

Quando o pistão de área A desce a distância ds ele comprime o fluido e reduz seu volume em Ads. A temperatura do fluido é controlada pela parte inferior do pistão, por onde ocorre o fluxo de calor.

Alternativamente, o sistema pode ser levado do estado 1 ao estado 2 pela curva tracejada, basta que a temperatura seja

Nesta integral o trabalho realizado depende do caminho que liga o estado 1 ao estado 2. Na figura 13 isto é

O trabalho dW pode ser expresso como:

Temperatura Controlada

dW = −Fds = −(p A) ds = −p dV,

W = −

2

17

Z V2

V1

p 1

p dV.
V 2 2 V 1 1

controlada adequadamente. Neste caso o trabalho é maior e ultrapassa o caso anterior pelo valor da área hachurada com escamas. 4.1.2 1a Lei da Termodinâmica A variação da energia interna de um sistema termodinâmico é igual à soma do calor adicionado e do trabalho exercido no sistema. Esta lei é uma forma de conservação de energia. Representando–se o calor por Q, o trabalho por W e a variação da energia interna entre o estado final e2 e o inicial e1 por ∆e = e2 − e1 temos:

Q + W = ∆ e.
A variação ∆e é sempre a mesma e não depende de como o sistema vai do estado 1 para o estado 2, Q e W , como comentado anteriormente, dependem do “caminho”. Portanto e é uma propriedade termodinâmica ou função de estado e Q e W não o são. 4.1.3 Processos Reversíveis Processos reversíveis são aqueles que ocorrem lentamente em um meio invíscido. Subentende–se que o processo é lento em comparação ao tempo de relaxamento. Considere o processo reversível de contração e expansão de um elemento de fluido de volume dV e densidade ρ. Seja ν o volume específico definido como 1/ρ. Então o trabalho por unidade de massa feito para expandir–se o fluido é:

1 dV dW = −F dx = − p dAdx, = −p = −p dν. m m m
Neste caso podemos escrever a primeira lei da termodinâmica como:

de = dQ − p dν
4.1.4 Equações de Estado

(4)

Em sistemas simples, compostos de uma única substância, podemos descrever o estado termodinâmico por meio de duas propriedades através das equações de estado:

p = p(ν, T ) e = e(p, T )
Para sistemas mais complicados, como a água do mar ou a atmosfera, a especificação de mais propriedades se faz necessária para caracterizarmos o estado do fluido. No caso da água do mar, para descrevermos a densidade em um ponto precisamos da salinidade, temperatura e pressão ρ = ρ(s, T, p). 4.1.5 Entalpia e Calor Específico A entalpia h é definida como

h ≡ e + pν.
Esta definição será útil no estudo do fluxo compressível. Em sistemas simples, os calores específicos são definidos como:

(5)

  Cp =  Cv =

∂h ∂T ∂e ∂T

p v

Calor específico a pressão constante Calor específico a volume constante.
18

Para alguns processos comuns no estudo de fluxos de fluidos a troca de calor pode ser relacionada aos calores específicos. Por exemplo, em processos reversíveis onde o trabalho é da forma pdν a primeira lei se expressa como na equação 4. Mantendo–se a pressão constante, utilizando–se a definição de entalpia (equação 5 e dividindo–se pela variação de temperatura dT temos:

dQ dT

=
p

∂h ∂T ∂e ∂T

= Cp.
p

De forma similar, em processos reversíveis onde o volume é mantido constante, podemos obter:

dQ dT

=
v

= Cv .
v

Estas deduções demonstram que C p dT (e Cv dT ) reprentam a tranferência de calor por unidade de massa em um processo reversível. Estas expressões se assemelham matemáticamente à tradicional Q = mC∆T da mecânica dos sólidos, levando–se em conta as diferenças conceituais. 4.1.6 2a Lei da Termodinâmica Um dos enunciados da segunda lei (atribuído a Carnot) é que: “Não é possivel construir uma máquina para transferir calor continuamente de um corpo para outro corpo mais quente sem que simultaneamente se produza algum efeito compensatório”. Embora um tanto críptica, esta lei tem conseqüências práticas cuja compreensão é bastante intuitiva. Por exemplo, em termos práticos, esta lei nos diz que se contruirmos uma geladeira que por unidade de tempo retire de seu interior uma quantidade Q de calor, ela gastará mais do que o equivalente de Q em energia elétrica para fazê–lo. Em termos não tão práticos assim, a segunda lei estabelece a idéia de entropia, uma propriedade termodinâmica definida para um processo reversível como:

S2 − S 1 =

Z 2 dQrev.
1

T

.

Para um processo qualquer, i.e. não necessariamente reversível,

S2 − S 1 ≥

Z 2 dQ
1

T

,

sendo que neste caso a entropia só pode aumentar do estado 1 para o estado 2. Isto implica também que os coeficientes de viscosidade e condutividade térmica são sempre positivos. É tradicional pensarmos na entropia como algo que quantifica o estado de desorganização de um sistema. Se a segunda lei não fosse válida poderíamos observar a organização espontânea de alguns sistemas, como tinta verde se “desmisturando” em suas componentes azul e amarela, cacos se juntando para formar copos e outras cenas surreais. Algumas outras considerações a respeito das consequências desta lei nos serão úteis. Em um processo reversível temos:

T ds = dQ ou mas como dQ = de + pdν ⇒ T dS = de + pdν,
ou, em termos da entalpia h,

(6)

T dS = dh − ν d p.
19

(7)

As equações 6 e 7 são chamadas de relações T dS e expressam a variação da entropia. Apesar de serem derivadas a partir de equações válidas apenas para processos reversíveis, as relações T dS são válidas para processos reversíveis e irreversíveis. Porquê? Observe que nas equações 6 e 7 lidamos apenas com varáveis de estado (S, T, e, h, p, ρ) e portanto valem para qualquer processo. 4.1.7 Velocidade do Som Acústica, se vista em detalhe, seria por si só material para um curso a parte. Este assunto será abordado em outros cursos e por ora gostaria apenas de introduzir a relação entre a velocidade do som e o gradiente de densidade:

c2 =

∂p ∂ρ

.
S

O índice S significa que a passagem da onda sonora é tratada como um processo isoentrópico, ou seja, o meio antes e depois da passagem da onda está no mesmo estado de organização. A dependência entre c e a variação da pressão com a densidade indicam que em regiões onde p(ρ) varia de forma não-linear as ondas sonoras são defletidas verticalmente. Isto cria a possibilidade de que o som gerado a uma determinada profundidade seja desviado para a superfície (ou para o fundo). A aplicação militar desta propriedade da acústica do mar é evidente. 4.1.8 Expansão Térmica Como a densidade depende da temperatura (além da salinidade e da pressão) podemos definir um coeficiente de expansão térmica α tal que:

α ≡ −

1 ρ

∂ρ ∂T

.
p

O índice p significa que a expansão térmica ocorre a pressão constante. A unidade de α é K−1 pois ele quantifica o quanto a coluna d’agua “cresce” relativa ao tamanho da própria coluna por unidade de temperatura. 4.1.9 Gases Perfeitos O capítulo sobre gases perfeitos será ministrado na aula de meteorologia.

20

5 Tensores, Teorema de Gauss e de Stokes
5.1 Tensores
Embora este curso não faça uso de intensivo de tensores, é necessário saber que certas entidades usualmente descritas como vetores ou até mesmo escalares possuem uma natureza matematicamente mais complexa. Somente assim poderemos apreciar o valor das simplificações e sabermos quando estas são aplicáveis e principalmente quando não são. No espaço tri–dimensional cartesiano (3D) os • escalares são representados por 1 número, • vetores são representados por 3 números e • tensores por 9 números. faz sentido falarmos em “direção da temperatura”. Em um ponto (x, y, z) qualquer descrevemos completamente o campo de temperatura com um único número. Por exemplo tomemos a temperatura que no ponto x = −39.432 ◦E, y = −23.5◦N e z = 765m é T = 19◦C. Não

No caso da velocidade é diferente. Para descrevermos uma velocidade v(x, y, z) qualquer, precisamos de 3 números, por exemplo: v = 1i + 0 j + 2.365k . Em qualquer sitema de coordenadas (cartesiano, cilíndrico, esférico) estes 3 números assumem valores e significados diferentes, combinando magnitudes e ângulos. Para a descrição completa da tensão de cisalhamento ou do stress necessitamos 9 números. Descrevemos o stress como uma força aplicada a uma superfície. Portanto precisamos de 3 números para descrever a força combinados a 3 outros para descrevermos a orientação da superfície. z

τzy τzz τzx τyz τyy
y

As componentes diagonais indicadas pelos retângulos são as pressões normais e as demais formam as tensões de cisalhamento.

τyx

τxz τxy

τxx
x

tadas pelos vetores τi j onde o índice i identifica a superfície e j representa a direção da força. Da permutação de i e j 2 a 2 obtemos as 9 componentes.

Figura 14: As componentes do tensor stress são represen-

 τ =  τyx  τzx

τxx

τxy τyy τzy

τxz

 τyz   τzz

Portanto podemos dizer que, para organizarmos os conceitos, • um escalar é um tensor de ordem zero, • um vetor é um tensor de ordem um e • um tensor como o descrito acima tem ordem dois. 5.1.1 Simplificações e Mudanças de Ordem Podemos multiplicar vetores de duas formas muito diferentes, fazendo o produto escalar (•) ou o produto vetorial (×). Do produto escalar obtemos um tensor de ordem zero (escalar) a partir de dois tensores de ordem um (vetores). O 21

produto vetorial não altera a ordem. Os tensores tem operações análogas chamadas contrações, que podem resultar e tensores de maior ou menor ordem, dependendo das regras algébricas de combinação dos índices. Para alívio geral, raramente precisamos descrever variáveis oceanográficas como tensores. Em um fluido em repouso, como apresentado em aula, a pressão não depende da direção, o que na prática reduz o tensor a um escalar. Se um fluido em movimento for homogêneo e isotrópico a álgebra tensorial simplifica–se bastante. Um tratamento um pouco mais detalhado encontra–se nas páginas 89–93 do livro texto (Kundu). A disposição geométrica e a escala espaço–temporal do fluxo geofísico também simplificam de forma muito oportuna o tratamento de variáveis tensoriais (stress, gradiente de velocidade, etc.). Direções e superfícies privilegiadas (e.g. interface ar–mar) e também simetrias devido ao tratamento macroscópico (e.g. homogeneidade) reduzem muito o número de componentes interessantes dos tensores. Assim sendo, para a vasta maioria dos casos lidaremos com vetores e escalares.

5.2 Teorema de Gauss
O teorema de Gauss é uma afirmação matemática de caráter extremamente geral. É uma constatação da conservação de...praticamente qualquer coisa! Sejamos um pouco mais formais.

ρ v v∆ t ∆A

Figura 15: Considere um fluido de densidade ρ fluindo com velocidade v através da superfície perpendicular a v de área ∆A no
tempo ∆t.

Considere a figura 15 A massa total m de fluido passando pela área ∆A no tempo ∆t é aquela contida no cilindro de base ∆A e comprimento v∆t, ou seja, m = ρv∆t∆A. O fluxo de massa através de ∆A por unidade de tempo é F = ρv∆A (expresso em kg/s).

v

θ ∆ A’

v∆ t

Figura 16: No caso de uma superfície não perpendicular à velocidade precisamos do tratamento vetorial. Generalizando para o caso da superfície não perpendicular à velocidade torna–se necessário levar em conta as direções relativas da superfície e da velocidade (Figura 16. Fazemos isso expressando dA ,v e F como vetores, portanto F = ρ(v • ∆A ) n, onde n é o versor na direção perpendicular à superfície e apontando para fora do volume.

22

n1

n2

A 1
através de todas as superfícies dos dois cubos.

2

Figura 17: O fluxo para dentro ou para fora da região que envolve os dois volumes cúbicos infinitesimais 1 e 2 é a soma dos fluxos Considerando a superfície fechada que envolve os dois cubos da figura 17, o fluxo total através desta superfície é igual à soma dos fluxos através das superfícies de cada um dos cubos. Matemáticamente podemos dizer que:

Z

F dA =
A

i=1,2

Z

Ai

F dAi .

(8)

Considerando apenas o fluxo entre os volumes 1 e 2 através da superfície A, é fácil perceber que os versores normais são opostos, n1 = − n2 , em termos da superfície A, dA1 = − dA2 . Portanto temos:

Z
isso não acontece.

A

F dA1 +

Z

A

F dA2 =

Z

A

F dA1 −

Z

A

F dA1 = 0,

ou seja, a contribuição das áreas internas não colabora em nada no cálculo do fluxo total. No caso das áreas externas

Tomando a figura 17 como exemplo, podemos extrapolar para o caso de uma superfície arbitrária qualquer e dividi–la em cubinhos infinitesimais. Não há direção privilegiada na figura 17, portanto podemos afirmar que qualquer que seja a direção considerada, ao totalizarmos todas as contribuições, vale a idéia que sobra apenas a contribuição das faces externas dos cubinhos.

dV

dA

Figura 18: Generalizando o esquema da figura 17, na soma dos fluxos parciais apenas a contribuição da face externa dos cubinhos não é anulada pela face vizinha.

Se reescrevermos uma generalização da equação 8 para N cubinhos como

Z

F dA =
A dA

i=1,N

1 ∆Vi

Z

Ai

F dAi ∆Vi ,

(9)

Fazendo N → inf ⇒ ∆Vi → 0 e notando que dVi i

=

1 dxi podemos reescrever a equação 9 na forma:

Z Z

F dA =
A

i=1,N


V

(∇ • F)i

(10)

F dA =
A

Z

∇ • FdV,

que é uma das formas mais comuns do teorema de Gauss: “ A integral de volume da divergência de F é igual à integral de área do fluxo de F para fora da área que envolve este volume”.

23

5.3 Teorema de Stokes
O teorema de Stokes lembra muito o teorema de Gauss e é mostrado de forma conceitualmente semelhante. Uma demonstração formal e detalhada pode ser encontrada em bons livros de cálculo vetorial. Queremos calcular a integral de linha de F(x, y, z) = Fx i+ Fy j + Fz k) em torno do ponto (x, y, z). Para isso considere o retângulo infinitesimal de lados abcd cujos lados medem ∆x e ∆y, ilustrado na figura 19. Vamos, por ora esquecer a componente z para simplificar o desenho. As integrais de linha nos lados a e c são:

Z

a

F • dl = −Fx x, y + F • dl = Fx

Z

c

∆y , z ∆x, 2 ∆y x, y − , z ∆x. 2

(11)

Note que o versor (vetor unitário) dl ao longo do retângulo na face superior vai “contra” o eixo x e daí o sinal negativo. A integral de linha é, por definição, o produto escalar acima. O produto escalar é o tamanho da projeção de F sobre dl, portanto nas faces a e c que são perpendiculares ao eixo y a contribuição de Fy (vertical) sobre dl (horizontal) é zero.

y y−∆ y 2 y y+ ∆ y 2 b dl

dl a

∆y ∆x c dl

dl

d

x x− ∆ x 2
z do rotacional de F.

x

x+ ∆ x 2

Figura 19: A circulação em torno do elemento retangular abcd é calculada para o limite ∆x → 0, ∆y → 0 e resulta na componente

Somando-se as duas componentes temos:

Z

a+c

F • dl =

−Fx x, y +

∆y ,z 2

+ Fx x, y − ∆y

∆y ,z 2 .

∆x,

(12)

1 ∆x∆y

Z

a+c

F • dl = −

Fx x, y + ∆y , z − Fx x, y − ∆y , z 2 2

As outras duas laterais dão uma contribuição análoga:

1 ∆x∆y

Z

d+b

F • dl =

Fy x + ∆x , y, z − Fy x − ∆x , y, z 2 2 . ∆x
24

Fazendo ∆x → 0 e ∆y → 0:

1 lim ∆x,y→0 ∆x∆y

I

abcd

F • dl = Fy x + ∆x , y, z − Fy x − ∆x , y, z 2 2 ∆x
∂Fy ∂x

=

Fx x, y + ∆y , z − Fx x, y − ∆y , z 2 2 ∆y
∂Fx ∂y

1 lim ∆x,y→0 ∆x∆y

I

abcd

F • dl =

∂Fy ∂Fx − ∂x ∂y

= (∇ × F)k .

Assim obtivemos a componente do rotacional de F na direção z. Para os outras direções o cálculo é completamente análogo e resulta na já conhecida expressão do rotacional em coordenadas cartesianas. Tomando–se como exemplo duas áreas adjacentes que têm um lado em comum, calculemos a integral de linha em torno dos polígonos 1 e 2, no sentido convencionado, como ilustrado na figura 20a. O caminho de integração do polígono 1 é indicado no diagrama b. Quando adicionamos a contribuição do polígono 2, seguindo o mesmo método, podemos notar no diagrama c que a contribuição do lado comum se anula.
a 1 b 2 1 c 2

1

2

Figura 20: Como no esquema da figura 17, na soma das integrais de linha parciais apenas a contribuição do lado periférico dos polígono não é anulada pelo lado vizinho.

A

a C

Figura 21: Semelhante à “dedução” do teorema de Gauss, neste caso dividimos a superfície A em circuitos infinitesimais e reconhecemos que a única contribuição não–nula vem da borda C. Cosidere a figura 21 um contorno fechado C, com uma forma qualquer e a superfície A presa a este contorno, como um puçá preso ao seu aro. Dividindo em pequenas áreas retangulares e extrapolando do exemplo anterior, apenas a contribuição dos lados “sem vizinhos” vão contribuir no cálculo da integral de linha (ou circulação). Fazendo algo muito semelhante ao que fizemos para o teorema de Gauss, vamos considerar aqui a circulação na área A toda. Esta área é limitada pelo perímetro C e pelas considerações anteriores, depreende–se que apenas a integral de linha sobre C resultará numa contribuição não nula pois sobre ela se apoiam os lados “sem vizinhos” dos retângulos infinitesimais. Esta integral de linha pode ser convenientemente reescrita a exemplo da equação 9: 25

 ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢  ¢  ¢  ¢  ¢  ¢  ¢  ¢  ¢  ¢  ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¢¡  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¡   ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¢ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¡  ¢ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¢ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢¡  ¢ ¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡¢¡  ¢¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡    ¡ ¢ ¡ ¢ ¡ ¢ ¡ ¢ ¡ ¢ ¡ ¢ ¡ ¢ ¡ ¢ ¡ ¢ ¡  ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢   ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¡  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢   ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¢¡   ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢¡  ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡¢¡  ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¡    ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡¢ ¡  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢   ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¢¡  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¡  ¢ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¢  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢¡   ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡  
b

I

C

F • dl =

i=1,N

1 ∆Ai

I

Ci

F • dli ∆Ai ,

(13)

onde ∆Ai é a área infinitesimal do i-ésimo polígono. No limite onde N → inf e consequentemente ∆Ai → 0, temos a forma usual do teorema de Stokes:

I

C

F • dl = limN→inf F • dl =
Z
A

i=1,N

(∇ × F)i • ∆Ai , (14)

I

C

∇ × F • dA.

Ou seja, “a integral de linha da componente tangencial de uma função vetorial calculada sobre um circuito fechado é igual à integral de superfície da componente normal do rotacional da função calculada sobre qualquer superfície que cubra o circuito”.

26

6 Cinemática de Fluidos
6.1 Definição
A dinâmica lida com as forças que causam o movimento. Para este capítulo vamos esquecer temporariamente das causas do movimento para nos atermos à descrição do movimento em si. Há essencialmente duas maneiras de descrevermos o movimento de um fluido, a Euleriana e a Lagrangeana. Estas duas visões de uma mesma realidade devem–se às duas principais maneiras de tirarmos medidas de velocidade no oceano e na atmosfera. Podemos navegar até um determinado ponto do oceano, ancorar o navio e descer o correntômetro, ADCP ou CTD. Podemos ainda levar uma bóia de fundeio (e.g. PIRATA, TAO) com estes instrumentos, ancorá–la ao fundo do oceano e receber os dados continuamente via satélite. O análogo atmosférico nestes casos seriam as estações meteorológicas fixas ou PCDs. O importante é que desta forma fixamos o instrumento e tiramos as medidas do fluxo que passa por ele. Esta é a maneira Euleriana de descrever o movimento. Alternativamente podemos construir bóias de deriva (e.g. PNBOIA), flutuadores (e.g. RAFOS, SOFAR, ARGO, etc.), lançá–los do navio e acompanhar os movimentos através dos dados enviados automaticamente pelos instrumentos, via satélite. Neste caso a idéia é que os instrumentos podem ser tratados como partículas individuais que acompanham o fluxo enquanto tiram medidas. Esta é a descrição Lagrangeana do fluxo.

6.2 Especificação Lagrangeana
Na especificação Lagrangeana descrevemos o movimento pela história das partículas individuais. Seguimos uma partícula de fluido e nela fazemos todas as medidas, anotando também o tempo e a posição. Portanto utilizamos o tempo (t) e a posição inicial (x0 ) para “marcar” uma partícula ou volume elementar, para que em seguida possamos descrever a evolução de uma propriedade qualquer no tempo, acompanhando essa mesma partícula. Assim sendo, qualquer variável F que caracterize o fluxo é descrita como F(x 0 ,t). Em particular, a posição da partícula x também é descrita desse modo: x = x(x0 ,t) = x(x0 , y0 , z0 ,t)i + y(x0, y0 , z0 ,t) j + z(x0 , y0 , z0 ,t)z.
y t1 t0 x =(x ,y ,z ) i0 0 0 0 x i1 x i2 x z t2

Como estamos lidando com uma partícula individual, introduzindo a notação indicial, a velocidade é dada simplesmente por:

u = ui =

∂xi ∂ui ∂2 xi e a aceleração por: ai = = 2. ∂t ∂t ∂t

Figura 22: Na descrição Lagrangeana do movimento perseguimos uma partícula individual. As medidas ficam em função do tempo t e da posição inicial (x0 ).

6.3 Especificação Euleriana
Neste caso o observador está fixo e observa as variáveis do fluxo no ponto xi sem se importar com partículas individuais. As partículas passam pelo ponto de observação e caracterizam o fluxo naquele local e naquele momento específico. As variáveis que caracterizam o fluxo são portanto da forma F = F(xi ,t) = F(x, y, z,t). É fundamental perceber que neste caso a derivada ∂F não dá uma descrição completa da variação de F pois não estamos lidando ∂t

27

com uma única partícula. Precisamos levar em conta a mudança nas características das partículas que estão chegando no ponto de observação (Figura 23).

y y0
Observando um ponto fixo, temos a taxa variação local ∂F e mais uma componente devida a chegada de ∂t novas partículas ao ponto de observação. As novas

f(x ,y ,z ,t ) 0 0 0 0

partículas tem propriedades F distintas e portanto contribuem com a taxa de variação. Este preâmbulo introduz o conceito de derivada material.

x0 z x z0

Figura 23: Na descrição Euleriana do movimento o ponto
de observação é fixo. As medidas ficam em função do tempo e da posição. Note que as partículas que estão chegando no ponto (x0 , y0 , z0 ,t0 ), trazidas pela corrente, estão cada vez mais claras.

6.3.1 Derivada Material Seja F uma variável de campo (e.g. temperatura, stress, velocidade). Desejamos expressar de forma Euleriana a taxa de variação de F em cada ponto do espaço cartesiano (xi ,t) levando em conta a identidade das partículas. Queremos representar de forma Euleriana algo que é inerentemente Lagrangeano (o fluxo). Definindo incrementos pequenos, arbitrários e independentes no espaço e no tempo como dxi e dt, a variação correspondente de F(xi ,t) é:

dF = dF dt

∂F ∂F dt + dxi , ∂t ∂xi ∂F ∂F dxi = + . ∂t ∂xi dt

(15)

Agora imaginemos que os incrementos dxi e dt não são arbitrários, mas que foram escolhidos de forma a acompanhar uma partícula do fluido. Desta forma dxi e dt estão relacionados através da velocidade ui da partícula, dxi = ui dt. Portanto, substituindo na equação 15 temos:

dF dt DF Dt

=

∂F ∂F + ui , ou, na notação usual, ∂t ∂xi ∂F ∂F = + ui . ∂t ∂xi

(16)

∂F da taxa de variaçãode F e o segundo fator, ui ∂x , é a componente advectiva, que é a variação trazida pelo fluxo. i Por exemplo, considere o fluxo de temperatura num local qualquer do oceano tropical num dia de sol forte, em

D A derivada Dt é chamada de derivada material, substancial ou total. O primeiro fator, ∂F , é a componente local ∂t

uma localidade onde o gradiente de temperatura horizontal seja significativo.

28

©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤ ¨¨¨¨¨¨¨¨ ©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤ ©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¨ ¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¤¨ ©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤¨© ¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¤¨ ©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤¨© ¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¤¨ ©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤¨© ¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¤¤¤¤¤©¤¨ ©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤¨¤¨¤¨¤¨¤©¤©¤©¤©¤©¤¤¨ ¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤©¤©¤©¤©¤¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨© ¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤©¤©¤©¤©¤©¨¤©¨¤©¨¤©¨¤©¨¤¤¨ ©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤¤¤¤¤¤©¨ ¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤©¤©¤©¤©¤©¤¤¨ ©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨© ¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤©¤©¤©¤©¤©¤¤¨ ©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤©¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨© ¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤©¤©¤©¤©¤©¤¤¨ ¥ ¥ ¥ ¥ ¥ ¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤©¤©¤©¤©¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨© £¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤¨¤¨¤¨¤¨¤©¤©¤©¤©¤©¤¤¨ ¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤£¤£¤£¤£¤¤¤¤¤¤¤¨ £¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤¥¤¥¤¥¤¥¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨¤¨© ¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤£¤£¤£¤£¤£¥ £¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤¥¤¥¤¥¤¥¤¤£ ¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥£ £¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤¤£ ¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤£¥ £¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤¤£ ¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤£¥ £¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤¤£ ¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤£¥ £¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤¤¤¤¤¥¤£ ¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¤£ £¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£ £ £ £ £ ¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤£¤£¤£¤£¤£¥ £¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤¥£¤¥£¤¥£¤¥£¤¤£ ¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¤¤¤¤¥£ £¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤¥¤¥¤¥¤¥¤¤£ ¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤¥¤£¤£¤£¤£¤£¥ £¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤£¤¥¤¥¤¥¤¥¤¤£ ¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¥¤¥¤¥¤¥¤£¥ § § § § §¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤£¤£¤£¤£¤ ¦§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤£¤£¤£¤£¤£¥¤£ ¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤§¤¤¤¤¤£ ¦¦§¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤ ¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤¦ §§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§ ¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤ ¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤¦ ¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤§ ¦§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤¦ ¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤§ ¦§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤¦ ¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤§ ¦§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤¦ ¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦§ §¦§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§ ¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦ §¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§ ¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦ §¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§¤§ ¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤¦¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¦§¦§¦
Sol 

¤¤¤¤¤¤¤¤  ¤¤¤¤¤¤¤¤         ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤      ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤      ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤     ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤     ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤ ¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤¤
o T=26 C o T=26 C

¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢  ¢¡¡¡¡¡¡¡¡¢ ¢¡¡¡¡¡¡¡¡¢    ¢  ¢  ¢  ¢  ¢  ¢  ¢  ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡   ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¡¡¡¡¡¡¡ ¢
u

1, ou seja u • (∇F) = |u| ∂F . ∂s

corrente (figura 25) . Nos textos em inglês são chamadas streamlines. na mesma direção da velocidade u. O produto escalar entre dois vetores A e B é definido como A • B = |A| |B| cos θ, Considere o fluxo em um fluido qualquer onde existe um vetor velocidade u = u(x i ,t) associado a cada momento e a cada ponto do espaço. As curvas instantâneas que são tangentes à direção desta velocidade são chamadas de linhas de 6.4.1 Linhas de Corrente onde theta é o ângulo entre eles. Neste caso definimos que o ângulo entre a direção s e u é zero, portanto o cosseno é formas usuais de notarmos o movimento de partículas em um fluido. Matemáticamente podemos formalizar algumas estratégias para visualizar o fluxo, dependendo do enfoque que julgamos mais apropriado aos diversos problemas. assim fica claro que a contribuição do segundo termo depende de um gradiente espacial da propriedade, no caso, da
∂T quentes pelo fluxo devido a u é expresso como u ∂x . i

temperatura T . O fluxo devido a u carrega para o ponto de observação águas mais quentes. Este efeito se soma à insolação local para nos dar a taxa de variação total da temperatura expressa na equação 17.

É comum olharmos para o céu e vermos as trilhas de vapor causadas pela passagem de aviões a jato ou a espuma que sucede a passagem de uma lancha ou a abominável fumaça dos cigarros indicando a direção do vento. Estas são

Figura 24: O aquecimento devido ao sol tem uma contribuição local, ∂T . O aquecimento devido à advecção de águas mais ∂t

6.4 Visualização do Movimento

A equação 17 pode ser colocada em forma escalar se escolhermos uma direção privilegiada (s) que sempre aponta

Em notação vetorial, a equação 16 fica:

Seguindo a notação do livro texto, |u| = q portanto:

DT Dt

DF Dt

=

=

∂T + u • (∇T ), ∂t

29

∂F ∂F +q . ∂t ∂s

o T=20 C

o T=20 C

(17)

(18)

y u u u u u z ds dx dy u v u

Como indicado no triângulo na parte inferior da figura 25, da definição de linha de corrente temos que:
dx u

=

x

dy v

=

dz w ao longo de uma linha de corrente. Se

o fluxo for independente do tempo (ou estacionário) a linha de corrente descreve também a trajetória das partículas no fluxo.

Figura 25: As curvas instantâneas que são tangentes à direção de u = ui + v j são chamadas de linhas de corrente. Um elemento diferencial das linhas de corrente é definido como ds = dxi + dy j (para simplificar o desenho a direção z foi suprimida). Vejamos um exemplo prático de como ficariam as linhas de corrente de uma bola de futebol em sua gloriosa viagem rumo à meta adversária.

t=t2

t=t1

Figura 26: As duas figuras correspondem a duas “fotos” batidas em seguida, nos tempos t 1 e t2 . As linhas de corrente são ilustradas
pelas linhas contínuas. A trajetória de uma única partícula é indicada pela linha tracejada.

Na figura 26 as linhas de corrente permanecem aproximadamente inalteradas em relação à bola, porém em relação a um espectador sentado na arquibancada elas variam no tempo, movendo–se junto com a bola. Uma partícula é ilustrada como um pequeno círculo cuja trajetória inicia na região frontal da bola. À medida que a bola passa a partícula move-se acompanhando a velocidade instantânea, que varia tanto no tempo como no espaço. Portanto neste caso a trajetória é muito diferente das linhas de corrente. 6.4.2 Linhas de Corrente e Sistemas de Referência Tomando como exemplo um navio que chega ao porto com velocidade constante u, no sistema de referência de um observador parado no cais, o fluxo em torno do navio muda com o tempo pois a posição do navio muda (Figura 27). As linhas de corrente, sempre tangenciais ao fluxo também dependem do tempo.

30

¤¡£¡£¡£¡£¡ ¤ ¤ ¤ ¤ ¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡£¤ ££¡£¡£¡£¡£¡ ¡¤¡¤¡¤¡¤¡ ¡£¡£¡£¡£¡¤ £¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤£ ¡£¡£¡£¡£¡£ ¤£¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤ £¡£¡£¡£¡£¡£ ¤¡¤¡¤¡¤¡¤¡¤ £¡£¡£¡£¡£¡ ¡¡¡¡¡£¤£

¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¡   ¢  ¢  ¢  ¢  ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡   ¡ ¡ ¡ ¡ ¡  ¢¡¡¡¡¡¢¢¡    ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¡¡¡¡     ¢  ¢  ¢  ¢  ¢¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢ ¡   ¡ ¡ ¡ ¡ ¡  ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¡ ¡¡¡¡¡¢¢¡    ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¡¡¡¡

u u’

t=1 t=2
u

Figura 27: Para um observador parado no cais as linhas de corrente mudam com o tempo à medida que o navio se move, mesmo que com velocidade constante u. Porém, no sistema de referência do capitão do navio que está parado na ponte de comando, o fluxo é estacionário. A uma distância grande do navio, o oceano move–se para trás do navio, com velocidade −u. Próximo ao navio o

fluxo é tal que a componente da velocidade do fluido paralela à trajetória do navio tem de ser igual a −u. Sabemos também que a componente perpendicular ao fluxo (leia–se às linhas de corrente) é igual à u . Por adição de vetores a velocidade aparente das partículas de fluido no ponto P vistas do navio será igual a u a .

Figura 28: Para um observador no navio o oceano se move com velocidade −u e as linhas de corrente são estacionárias. 6.4.3 Trajetória Embora já tenhamos mencionado o vocábulo “trajetória” no sentido corriqueiro, uma definição formal é necessária. Trajetória (path line) é o caminho percorrido por uma partícula individual durante um determinado tempo. Marcamos no espaço a posição ocupada pela partícula em vários tempos. Analisando novamente a figura 26, a trajetória da partícula que foi desenhada é apenas aproximada, para fins ilustrativos. Para uma figura mais precisa, a trajetória da partícula seria obtida a partir da aplicação, a cada pequeno intervalo de tempo dt, da equação linear dS = S0 + udt onde S0 é a posição anterior. Este cálculo se repeteria para muitos intervalos pequenos de tempo, notando–se que a cada passo é necessário se saber o valor da velocidade instantânea u(x, y, z,t) na posição S0 da partícula. Podemos imaginar as as linhas de corrente nos tempos intermediários entre t 1 e t2 na figura 26. Conforme a bola se move, as linhas de corrente que interceptam a partícula não são as mesmas. Como as linhas de corrente são, por definição, sempre tangentes à velocidade, a partícula experimenta uma mudança contínua no campo de velocidades. (t +t ) Perto do tempo t1 as velocidades são para Noroeste, depois para Norte. No tempo 1 2 2 a velocidade na posição da partícula é para Leste. No final, perto do tempo t2 a velocidade volta–se para o Sudoeste. Deta forma a partícula faz um pequeno laço.

¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡                          ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢¢¡  ¢¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡    ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡  ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢   ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢ ¡  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¡  ¢ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¢  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¡  ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¢  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢¡ ¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡  
u
u u’ ua
31

6.4.4 Linha de partículas A linha de partículas (streakline) é aquela que conecta uma seqüencia de partículas individuais colocadas no fluxo. Novamente, se o fluxo for estacionário as linhas de corrente, trajetórias e linhas de partículas são coincidentes. Por outro lado, se o fluxo variar no tempo as linhas de corrente, trajetórias e linhas de partículas não serão coincidentes. É uma forma de visualizar o fluxo onde marcamos no espaço a posição de várias partículas em um dado tempo. Note o contraponto com a trajetória.

0h
1

1h
2 1

2h
3 2 1

3h
4

4h
3 2 1

0:30

1:30

2:30

3:30

Figura 29: As quatro figuras correspondem a quatro “fotos” batidas em seguida, nos tempos indicados, na mesma região. A cada hora é liberada uma bóia numerada. A posição de cada bóia é marcada a cada hora (0:30, 1:30, 2:30 e 3:30). A linha contínua que une as quatro bóias no último mapa é uma linha de partículas.

6.5 Tensão e Deformação
Nos sólidos a deformação ocorre como resultante à uma força aplicada. O corpo se deforma até que se estabeleça o equilíbrio estático. Os líquidos se deformam continuamente portanto trabalharemos com taxas de deformação e a tensão associada às deformações (em inglês strain rate). 6.5.1 Tensão de Deformação Linear ou Normal Cosidere o elemento de fluido na figura 30. Sendo a posição inicial das duas faces A e B, após um tempo dt o elemento de fluido se moveu e as faces estão um pouco mais separadas, a distância AB é menor que A B . O elemnto de fluido se “esticou” sob ação de uma tensão normal. Seja δx1 o comprimento inicial (δx1 = AB) e δx2 o comprimento final (δx2 = A B ). Dizer que o elemento de fluido se “esticou” significa que a face A se moveu mais lentamente que a face B enquanto ele se deslocava. Ou seja, se a velocidade da face A é u 1 , a velocidade da face B será, para um δx1 ∂u suficientemente pequeno, u1 + ∂x1 δx1 .
1

u 1 A

u B

2 A’ u1dt u dt 2 B’

AB t

A’B’ t+dt

Figura 30: As faces A e B do elemento de fluido AB movem–se com velocidades diferentes u 1 e u2 respectivamente. Passados dt
segundos, diferença de deslocamento resulta em um estiramento do elemento de fluido pois u 2 > u1 .

Podemos expressar a distância percorrida de A até A como u1 dt e a de B a B como (u1 + ∂x1 δx1 ) dt . A taxa 1 de variação do comprimento do elemento de fluido por unidade de comprimento é:

∂u

1 D(δx1 ) u1 1 1 1 1 ∂u1 δx1 + δx1 dt − δx1 = = (A B − AB) = δx1 Dt dt AB dt δx1 x1 ∂x1

(19)

Extrapolando este resultado para as outras duas dimensões (x 2 , x3 ) teremos a taxa de deformação volumétrica: 32

1 D(δV ) D 1 1 D(δx1 ) 1 D(δx2 ) 1 D(δx3 ) = (δx1 δx2 δx3 ) = + + ⇒ δV Dt δx1 δx2 δx3 Dt δx1 Dt δx2 Dt δx3 Dt 1 D(δV ) ∂u1 ∂u2 ∂u3 ⇒ = + + δV Dt ∂x1 ∂x2 ∂x3 ∂ui em notação indicial. (20) = ∂xi
Note que a última expressão da equação 20 é escalar. 6.5.2 Tensão de Cisalhamento Além de “amassar” o fluido como no caso da tensão de deformação linear, ao movermos de forma diferenciada dois lados não adjacentes do elemento de fluido. A taxa de deformação por cisalhamento (ou shear strain rate) é definida como a taxa de decréscimo dos ângulos formados por duas linhas mutuamente perpendiculares do elemento de fluido. Esta definição fica mais clara na figura 31.

u dt 3 C u dt 3 u dt 2 u 3 B u 2 δx 2 δx 1 u 4 u1dt u dt 1 u4dt dα dβ D E u dt 4 A

u dt 2

u 1

Figura 31: As faces paralelas do elemento de fluido movem–se com velocidades diferentes. Passado um tempo infinitesimal dt,
diferença de deslocamento resulta em uma deformação do elemento de fluido pois u 2 > u1 .

0x3 podemos usar u1 como escalar para facilitar a notação; o mesmo se aplica às outras três velocidades. Os ãngulos aos quais a definição se refere podem ser expressos como:

Na figura 31 note que u3 u1 |u3 | > |u1 |, e nas faces perpendiculares, u4 u2 |u4 | > |u2 |. Como u1 = u1 x1 + 0x2 +

dα =

CA AB ED . dβ = DB

(21)

Similar ao que foi feito no caso da tensão de deformação, para obtermos os valores de CA, AB, CD e DB em termos de dt, δx1 , δx2 , u1 , u2 , u3 e u4 basta computarmos os deslocamentos dos vértices do quadrado inicial. Porém, levando em conta que: 33

u3 = u4

∂u1 δx2 ∂x2 ∂u2 = δx1 , ∂x1

a definição da taxa de deformação por cisalhamento pode ser expressa como:

1 1 ∂u1 1 dα + dβ = δx2 dt + dt dt δx2 ∂x2 δx1 ∂u1 ∂u2 = + . ∂x2 ∂x1
mação por cisalhamento ei j através de um tensor:

∂u2 δx1 dt ∂x1 (22)

Atentando para os índices alternados nas derivadas parciais da equação 22 podemos expressar a taxa de defor-

ei j =

1 2

∂ui ∂u j + ∂x j ∂xi

.

(23)

Os termos diagonais (i = j) de ei j são a parte relacionada à taxa de deformação linear (equação 20). Os demais termos deste tensor simétrico (ei j = e ji ) são relacionados à taxa de deformação por cisalhamento. 6.5.3 Vorticidade e Circulação Para definirmos a rotação de um elemento de fluido sem ambiguidades é prático definir uma grandeza chamada vorticidade como sendo o dobro da velocidade angular. Considere a figura 31. A velocidade angular dos elementos de fluido nas linhas perpendiculares ao papel, girando
dβ 1 em torno do ponto B, no eixo x3 , é dada por − dα e dt . A velocidade angular média é 2 dt dβ dt

da vorticidade ω na direção x3 (ou z, como queira) é ω3

=

dβ dt

− dα .A componente dt

− dα .Usando as relações 6.5.2 temos: dt

ω3 = ω3

1 ∂u2 1 1 ∂u1 δx2 dt − δx1 dt dt δx2 ∂x2 δx1 ∂x1 ∂u2 ∂u1 = − ⇒ extrapolando para as outras direções, ∂x1 ∂x2

⇒ (24) (25)

ω = ∇ × u na familiar notação vetorial, ou ainda, ∂uk ωi = εi jk em notação tensorial. ∂x j
O tensor alternante εi jk é definido como:

Outro tensor cuja definição pode ser útil é o delta de Kronecker:

1 se i jk = 123, 231, 312, εi jk = 0 se quaisquer dois índices forem iguais,   −1 se i jk = 321, 213, 132. δi j = 1 se i = j, 0 se i = j.
34

  

O fluxo é dito irrotacional se

velocidade pode ser expresso como o gradiente de uma função escalar qualquer φ(x i ,t) onde ui

ω=0 ⇒

∂ui ∂x j

=

∂u j ∂xi qualquer que seja

i = j. Note que neste caso o vetor =
∂φ ∂xi . À semelhança

da eletrostática, chamamos φ de potencial da velocidade. Fisicamente os fluxos irrotacionais são mais simples pois não entra em jogo a conservação do momento angular. A circulação Γ em torno de um circuito fechado C é definida como (equação 14) temos:

Γ =

H

C udl . Do Teorema de Stokes

I

C

u • dl =

Z

A

∇ × u • dA,

definições de circulação e vorticidade temos:

portanto a integral de linha da velocidade em torno de C é igual ao fluxo total de ∇ × u na área A. Se utilizarmos as

Γ=

Z

A

ω • dA.

(26)

6.5.4 Deformação e Rotação do Ponto de Vista Tensorial Considere dois pontos em um fluxo separados pela distância onfinitesimal dx. A velocidade relativa entre estes dois pontos pode ser expressa na forma tensorial como:

dui =
Abrindo os índices dos tensores, isto é, tornando explícitas as somas temos:

∂ui dx j . ∂x j
onde o tensor gradiente de velocidade pode ser reconhecido:
∂u1 ∂u1 ∂u1 ∂x1 + ∂x2 + ∂x3 ∂u2 ∂u2 ∂u2 ∂x1 + ∂x2 + ∂x3 ∂u3 ∂u3 ∂u3 ∂x1 + ∂x2 + ∂x3

Um tratamento mais detalhado deste assunto está no livro texto (Kundu), pp. 58–59.

 ∂u1 ∂u1 ∂u1  du1 = ∂x1 dx1 + ∂x2 dx2 + ∂x3 dx3  dui = du = ∂u2 dx + ∂u2 dx + ∂u2 dx ∂x ∂x ∂x  2 ∂u1 1 ∂u2 2 ∂u3 3  du3 = ∂x3 dx1 + ∂x3 dx2 + ∂x3 dx3
1 2 3

∂ui ∂x j

=

  

 .

Da decomposição do tensor gradiente de velocidade em parte simétrica (A i j = A ji ) e anti–simétrica (Ai j = −A ji ) podemos obter a velocidade relativa como a soma do tensor deformação e do tensor rotação:

dui =

ei j dx j
vide equação 23

1 εi jk ωk dx j . 2
vide equação 25

(27)

Como interpretar o que está expresso de forma tão compacta na equação 27? O primeiro passo é notarmos que o que causa o afastamento entre duas partículas é o gradiente de velocidade. No espaço 3D este gradiente de velocidade só pode ser completamente descrito por nove números e daí a necessidade do uso de notação tensorial. No espaço 2D podemos fazê–lo com três números. O segundo passo é notarmos que obrigamos a distância entre as partículas a ser infinitesimal (dx) para podermos estimar a velocidade na outra partícula. A mudança de velocidade nesta distância pequena é simplesmente gradiente × distância.

Por fim a decomposição ilustra a independência entre rotação e deformação. Em um fluido pode ocorrer o movimento ordenado das partículas, como em um sólido, de modo que apenas e i j se anule. De forma similar, podemos ter

apenas deformação sem rotação nenhuma, anulando–se ε i jk ωk . 35

6.6 Vórtices
Vórtices são fluxos fechados e aproximadamente circulares onde as partículas giram em torno de um ponto. No oceano, vórtices em geral ocorrem associados a correntes instáveis, como ilustra a figura 32. Uma excelente referência para este assunto é o livro Eddies in Marine Science de Allan R. Robinson (ISBN: 0-387-12253-2 / 0387122532).

1

2

3

4

Figura 32: Inicialmente a corrente é estável (1), sendo perturbada, ela se instabiliza (2) e progressivamente desenvolve um meandro (3) que eventualmente se fecha e se separa da corrente (4).

Figura 33: Imagem de satélite na banda de infra–vermelho mostrando a formação de vórtices na Corrente do Golfo.

Há exemplos de vórtices associados a correntes como os da Corrente do Golfo (figura 33), da confluência Brasil– Malvinas, da Corrente das Agulhas que se formam como na figura 32 e se propagam. Em outros casos o vórtice pode ser estacionário, como no caso da costa da Somália. Ondas também podem contribuir na formação de vórtices, como acontece com ondas de Rossby curtas na Corrente Norte do Brasil ou com ondas de instabilidade tropical no leste do Pacífico equatorial. O processo de formação pode ocorrer também abaixo da superfície como por exemplo, no caso das lentes salinas do Mediterrâneo (Meddies). 6.6.1 Rotação de Corpo Sólido Um fluido está em regime de rotação de corpo sólido quando as partículas se mantêm na mesma posição relativa em relação às outras. Considerando o vórtice circular da figura 34, usaremos aqui coordenadas cilíndricas (polares) por conveniência pois o problema tem simetria circular. O apêndice B do livro texto tem a formulação dos diversos sistemas de coordenadas e dos operadores vetoriais em cada um deles.

Queremos calcular a vorticidade ω. Fica evidente da formulação acima que ω = ωz . A componente z do rotacional em coordenadas cilíndricas é:

  ur = 0  u ∝ r,  θ  uz = 0

=

ω0 r

θ r

ωz =

1 ∂(ruθ ) 1 ∂ur − = r ∂r r ∂θ 1 ∂(ω0 r2 ) = 2ω0 . = r ∂r
36

Figura 34: O vórtice em regime de rotação de corpo sólido possui velocidade tangencial uθ proporcional ao raio r.

Portanto no caso de rotação de corpo sólido a vorticidade é constante em toda a região ocupada pelo vórtice. Cada partícula do vórtice, pela própria definição de corpo sólido, mantêm a posição relativa ao resto do vórtice. Isto implica que a velocidade angular de revolução da partícula em torno do centro do vórtice é igual à velocidade angular de rotação em torno de si mesma.
1

O barco gira à deriva carregado pelas correntes do vórtice da figura 34. Considerando primeiramente um observador parado fora do vórtice, ele vê o navio completar uma volta no intervalo de tempo ∆t, portanto com uma velocidade angular de 2π/∆t. No mesmo intervalo de tempo, um observador pairando num balão acima do barco vê o barco girar em torno de si mesmo, dando uma volta completa. Portanto o barco gira em torno de si mesmo também com velocidade angular 2π/∆t.
2 3 4 1

2

3

4

Calculemos agora a circulação Γ:

Figura 35: O navio à deriva gira em torno do vórtice da figura 34 com velocidade de rotação e revolução iguais.

Γ=

I

udl =

Z 2π
0

uθ rdθ =

Z 2π
0

ω0 r2 dθ = 2πr2 ω0 ,

(28)

note que neste caso como a vorticidade é constante, a circulação é simplesmente produto da área pela vorticidade. Este resultado não deve ser nada surpreendente, haja visto o teorema de Stokes. A consequência prática disso é que se tivermos uma imagem do vórtice e um par de medidas de velocidade de corrente dentro de um vórtice, podemos verificar se ele está aproximadamente em rotação de corpo sólido. Em caso positivo, podemos calcular não só o campo de velocidade no vórtice todo, mas também o campo de vorticidade (via teorema de Stokes). 6.6.2 O Vórtice Irrotacional Dada a definição de vórtice, a idéia de um vórtice irrotacional parece não ter sentido. Este exemplo mostra claramente que o fato de termos linhas de corrente fechadas e não–nulas não implica obrigatoriamente em vorticidade não–nula. Considere neste exemplo o caso de um vórtice cuja velocidade angular de rotação cresce em direção ao centro, em proporção inversa ao raio, como ilustra a figura 36:

A D B C

Vejmos neste caso como fica a vorticidade. De forma similar à rotação
r

  ur = 0  u ∝ r−1 ,  θ  uz = 0

=

C r

de corpo sólido, ω = ωz ; aplicando–se o rotacional à velocidade angular temos:

ωz =
Figura 36: Em um vórtice irrotacional a velocidade angular decai com r −1 .

1 ∂(ruθ ) 1 ∂ur − = r ∂r r ∂θ 1∂ r C r = 0. = r ∂r

37

O vórtice é mesmo irrotacional! A vorticidade é zero em todo o vórtice, exceto na origem onde a velocidade angular é indefinida. Vamos calcular a circulação pela integral de linha:

Γ=
como conciliar Γ = 0 com ωz = 0?

I

udl =

Z 2π
0

uθ rdθ =

Z 2π
0

Cdθ = 2πC,

(29)

Note que ωz = 0 em todo vórtice menos na origem, portanto toda a contribuição não–nula a Γ vem da origem. Se calcularmos a circulação em um circuito que não contém a origem, Γ deve ser zero. Verifiquemos esta afirmação com o auxílio da figura 36.

ΓABCD = ΓABCD = ΓABCD =

ZAB ZAB
AB Z

Z

udl + udl +

ZBC

Z

udl + udl

Z

udl +

CD

Z

udl,
DA

uθ rdθ + Cdθ +

CD Z

( ur = 0, dl = rdθ )

ΓABCD = −
6.6.3 Vórtice de Rankine

Z CD

uθ rdθ ( C = uθ r, dlAB = −rdθ, dlCD = rdθ ) = 0.

Cdθ

Os vórtices reais, como os do tanque de lavar roupa, furacões e vórtices oceânicos tem uma região central que gira aproximadamente em regime de corpo sólido. Fora desta região central ou núcleo a velocidade angular diminui rapidamente de modo que o campo tende a ser irrotacional longe do vórtice. Isto é ilustrado pela figura 37:

Real

Rankine

ωz

ωz u θ r R u θ r

Figura 37: Vórtices reais (esquerda) possuem perfis radiais de velocidade tangencial uθ e de vorticidade ωz que se assemelham ao
vórtice de Rankine (direita).

O vórtice de Rankine é uma descrição simplificada do caso real, onde do centro até um raio R o regime é de corpo sólido e a partir deste raio a velocidade cai com r −1 . Desta forma a vorticidade é constante dentro do vórtice e zero fora dele.

38

7 Alguns Fluxos Simples
7.1 Fluxos Uni–, Bi– e Tridimensionais
A idéia que permeia as simplificações no tratamento dos fluxos é que se as variáveis que caracterizam o fluxo são constantes em uma dada direção, então essa direção pode ser desconsiderada. Podemos desconsiderar uma direção para facilitar os cálculos, mas precisamos manter as unidades consistentes. Conceitualmente trata–se aqui de desenvolver a habilidade de identificarmos simetrias no fluxo. Considerando por exemplo o fluxo de um canal que passa sob uma ponte, os pilares cilíndricos da ponte são simétricos na vertical. É possível tirar vantagem desta informação para facilitar os cálculos envolvidos no estudo deste fluxo. 7.1.1 Fluxos em uma dimensão Um fluxo verdadeiramente unidimensional é evidentemente uma idealização, uma simplificação, onde todas as variáveis que caracterizam o fluxo são funções de uma única dimensão espacial. Esta aproximação é utilizada tipicamente em casos onde estamos interessados nos valores médios do fluxo em uma seção transversal, como ilustra a figura 38.

z

x y Real u=u(x,y,z) Unidimensional u=u(x)

Figura 38: Considere um tubo cilíndrico que afina linearmente. O fluxo real pode ser simplificado como unidimensional se estivermos interessados no valor médio do fluxo na seção transversal. No caso da figura 38 podemos desconsiderar as dimensões y e z se quisermos estudar apenas o fluxo médio dentro do tubo. A velocidade torna–se, nesta simplificação, apenas função de x, ou seja u = u(x). O valor desta simplificação fica claro quando tentamos calcular o fluxo de volume. O volume de fluido que passa por unidade de tempo numa seção qualquer do tubo é obtido pela integral da velocidade na área da seção. No caso real precisamos realmente integrar u em y e em z para uma dada posição em x. No caso unidimensional basta que para cada posição x multipliquemos a velocidade média ¯ pela área da seção reta do tubo. u(x) 7.1.2 Fluxos em duas dimensões O fluxo plano ou bidimensional é aquele onde as características do fluxo variam em duas direções ortogonais. Seguindo o exemplo citado no começo desta seção, vejamos como seria o fluxo perpendicular a um cilindro muito longo.

39

z u=u(r, θ )

r θ

Figura 39: Considere o fluxo que passa por uma coluna cilíndrica de comprimento muito longo em relação à largura. O fluxo real pode ser simplificado como bidimensional por causa da simetria na direção z. Se considerarmos qualquer região da coluna longe do fundo e da superfície, qualquer que seja a altura (z) considerada, o fluxo é o mesmo. Isto está ilustrado na figura 39 utilizando–se linhas de corrente. Desta forma podemos visualizar um fluxo idêntico em alturas diferentes, portanto independente de z. Cabe aqui comentar que este tipo de problema fica muito mais fácil de ser tratado em coordenadas cilíndricas, por causa da geometria. Desta forma teremos u = u(r, θ) 7.1.3 Fluxos em três dimensões Em todos os outros casos onde as simplificações acima não são possíveis, os fluxos são tratados em três dimensões. A geometria dos problemas pode, às vezes, reduzir–lhes a complexidade matemática. A escolha do sistema de referência adequado também pode facilitar os cálculos. 7.1.4 Sistemas de Coordenadas Estamos mais acostumados com o sistema retangular de coordenadas cartesianas onde E é uma função escalar e V é uma função vetorial:

40

Sistema de Coordenadas Retangular ou Cartesiano Função escalar Função vetorial Gradiente é vetor! Divergente é escalar! Rotacional é vetor! Laplaciano é escalar! Laplaciano é vetor!

E V ∇E ∇ •V ∇ ×V ∇2 E ∇ 2V

= = = = = = =

E(x, y, z) u(x, y, z)i
∂E ∂x i ∂u ∂x ∂v ∂w ∂y − ∂z i ∂2 E ∂x2 2 2 2u ∂ +∂ u+∂ u ∂x2 ∂y2 ∂z2 i 2 2 ∂2 v +∂ v+∂ v ∂x2 ∂y2 ∂z2 j ∂2 w ∂2 w ∂2 w 2 + ∂y2 + ∂z2 ∂x k
+ + + + + + +

v(x, y, z) j
∂E ∂y ∂v ∂y ∂w ∂u ∂z − ∂x ∂2 E ∂y2 j j

+ + + + +

w(x, y, z)k
∂E ∂z k ∂w ∂z ∂u ∂v ∂x − ∂y k ∂2 E ∂z2

Sistema de Coordenadas Cilíndrico ou Polar Função escalar Função vetorial Gradiente é vetor! Divergente é escalar! Rotacional é vetor! Laplaciano é escalar! Laplaciano é vetor!

E V ∇E ∇ •V ∇ ×V ∇2 E ∇ 2V

= = = = = = =

E(r, θ, z) u(r, θ, z)ir
∂E ∂r i r ∂(r u) 1 r ∂r ∂v 1 ∂w r ∂θ − ∂z i r 1 ∂ ∂E r ∂r r ∂r ∂v ∇2 u − ru2 − r22 ∂θ ir iθ
+ + + + + + +

v(r, θ, z)iθ
1 ∂E r ∂θ i θ 1 ∂v r ∂θ ∂u ∂w ∂z − ∂r i 1 ∂2 E r2 ∂θ2

+ + + +
θ

w(r, θ, z)iz
∂E ∂z i z ∂w ∂z 1 ∂(r v) 1 ∂u r ∂r − r ∂θ i z ∂2 E ∂z2

+

∂u ∇2 v + r22 ∂θ − rv2

∇2 w

iz

41

Sistema de Coordenadas Esférico Função escalar Função vetorial

E = E(r, θ, φ) V = u(r, θ, φ)ir v(r, θ, φ)iθ w(r, θ, φ)iφ
∂E ∂r i r 1 ∂E r ∂θ i
+ +

Gradiente é vetor!

∇E =

+ +
θ

Divergente é escalar!

Rotacional é vetor!

1 ∂E r sin θ ∂φ i φ ∂(r2 u) ∂ ∇ • V = r1 ∂r ∂r 2 1 ∂(v sin θ) r sin θ ∂θ 1 ∂w r sin θ ∂φ ∂(w sin θ) 1 ∇ × V = r sin θ ∂θ

+ +

∂(r w) 1 1 ∂u r sin θ ∂φ − ∂r iθ 1 1 ∂(r v) ∂u r r ∂r − ∂θ i φ
Laplaciano é escalar!

∂v − ∂φ

ir

+ +

∂ ∇2 E = r1 ∂r r 2 ∂E 2 ∂r 1 ∂ sin θ ∂E ∂θ r2 sin θ ∂θ 2E ∂ 1 r2 sin2 (θ) ∂φ2

+ +

Laplaciano é vetor!

2 ∇2V = ∇2 u − 2u − r2 sin θ + r2

∂(vsinθ) ∂θ

∂u v ∇2 v r22 ∂θ − r2 sin2 θ − r2 cos2θθ ∂w 2 sin ∂φ

2 − r2 sin θ + ∂w ∂φ iθ

ir

+ +

∂v 2 ∂u w ∇2 w + r2 sin θ ∂φ + r22 r2cos θ θ ∂φ − r2 sin2 θ sin2

42

8 Função de Corrente e Potencial de Velocidade
8.0.5 A Função de Corrente O estudo da cinemática de fluidos incompressíveis em duas dimensões pode ser consideravelmente simplificado se definirmos uma função que satisfaz a conservação de massa, dadas as restrições acima impostas. Partindo da taxa de deformação volumétrica, equação 20, temos:

1 D(δV ) ∂ui = , δV Dt ∂xi
mos inferir que o volume é invcersamente proporcional à densidade, ou seja, δV
D como Dt significa que estamos considerando um determinado volume infinitesimal, por conservação de massa pode1 ∝ ρ . Portanto:

1 Dρ ρ Dt

=

∂ui . ∂xi

(30)

A equação 30 é a famosa, importante e imprescindível equação da continuidade e é por vezes chamada de forma diferencial da conservação de massa. Note que esta equação se simplifica bastante se a densidade ρ não mudar rapidamente com o tempo, pois se

Dρ →0 Dt ∂ui ∂xi

∂ui → 0. ∂xi

Em muitos casos, com boa precisão, pode–se dizer que

=

∂u ∂v ∂w + + ∂x ∂y ∂z

=

0.

Esta simplificação é deveras interssante e pode ser feita se a velocidade do fluxo for muito menor que a velocidade do som no fluido. Essa condição é portanto aplicável na grande maioria dos problemas oceanográficos. Matematicamente a condição que se procura é:

1 Dρ ρ Dt Dρ Dt
∂ρ

=

∂ui , lembrando que ∂xi ∂ρ ∂ρ + ui . ∂t ∂xi

(31)

O termo ∂t será relativamente grande se a densidade variar rapidamente, como na propagação de som. O termo ∂ρ ui ∂x só será relativamente grande se houver um salto de densidade em uma distância muito curta, como no caso de
i

meios descontínuos (e.g. na interface entre a água e o óleo). Em muitos casos a equação da continuidade se reduz a duas dimensões pois as velocidades verticais no oceano são, em geral, extremamente pequenas em comparação com as velocidades horizontais. Isto significa que, numa primeira aproximação, o fluxo ocorre em um plano paralelo às superfícies de densidade. As exceções são regiões onde há ressurgência (e.g. Cabo Frio) ou plumas hidrotérmicas (e.g. Juan de Fuca Ridge) Aos ávidos e curiosos internautas, uma breve pesquisa no Google sobre equatorial upwelling mostra, entre outras páginas sobre ressurgência equatorial, o site: http://www-das.uwyo.edu/~geerts/cwx/notes/chap11/equat_upwel.html , uma procura por hydrothermal vents me levou a este site, que diga–se de passagem é muito bem elaborado: http://www.pmel.noaa.gov/vents/plumestudies.html divirtam–se. Considerando assim um caso onde a aproximação bi–dimensional é possível, teremos: 43

∂u ∂v + ∂x ∂y
Será muito útil definirmos aqui uma função ψ tal que:

=

0.

u =

∂ψ ∂y ∂ψ v = − ∂x

(32)

esta função satisfaz a equação da continuidade automaticamente pois:

∂ ∂ψ ∂ ∂ψ ( ) + (− ) ∂x ∂y ∂y ∂x

=

0.

Lembrando que as linhas de corrente deste fluxo bi–dimensional incompressível são definidas como:

dx dy = u v
podemos introduzir ψ nesta definição:

, ou seja,

v dx

=

u dy

∂ψ −∂ψ dx − dy ∂x ∂y
linhas de corrente coincidem com as curvas de ψ constante.

=

0,

A interpretação da equação acima é que dψ é zero ao longo das linhas de corrente. Para um dado instante t = t 0 as
y x−dx y+dy Ψ+dΨ x y Ψ −v dx

Considerando duas isolinhas de Ψ cujos valores são Ψ e Ψ + dΨ, o fluxo de volume entre elas, abstraindo–se a dimensão z, é dado por:

u dy

Figura 40: Considere duas linhas de corrente, coincidentes com os valores Ψ e Ψ + dΨ. O fluxo de volume entre elas pode ser determinado pela simples subrtração de seus valores numéricos. Portanto a diferença entre os valores das duas isolinhas, ou seja dΨ é igual ao fluxo de volume entre elas. Este resultado tem uma consequência muito útil: se plotarmos as isolinhas de Ψ poderemos imediatamente visualizar o fluxo de forma quantitativa pois temos o valor dos vários Ψs e a distância entre eles. Nos locais onde as linhas se aproximam a velocidade é maior pois o fluxo é o mesmo mas a distância entre as linhas diminui. O inverso também é válido: se as linhas se afastam a velocidade é menor pois o fluxo é o mesmo mas a distância entre as linhas aumenta. Uma outra razão para trabalharmos com a função de corrente em vez das velocidades (quando for possível) é que podemos reduzir o número de variáveis e simplificar assim alguns sistemas de equações um tanto complicados. Tome por exemplo algo que será tratado mais adiante, as equações do movimento para um fluxo viscoso na presença de uma parede: 44

F = −v dx + u dy ∂ψ ∂ψ dx + dy = ∂x ∂y = −dΨ.

utilizando a definição de Ψ

x

  ∂u  u + v ∂u = ν ∂2 u  ∂x ∂y ∂y2   
∂u ∂x

Conservação de momentum Continuidade.

+ ∂v = 0 ∂y

Introduzindo a definição de Ψ teremos o sistema acima de duas equações a duas incógnitas (u, v) reduzido a uma equação e uma incógnita (Ψ):

∂Ψ ∂2 Ψ ∂Ψ ∂2 Ψ ∂3 Ψ − = 3 ∂y ∂x∂y ∂x ∂y2 ∂y
8.0.6 O Potencial de Velocidade A equação da continuidade em fluxos bi–dimensionais incompressíveis garante a existência da função de corrente Ψ, definida como já visto anteriormente:

∂u ∂v + =0 ∂x ∂y

u≡

∂Ψ , ∂y

v≡−

∂Ψ . ∂x

De forma simétrica a condição de irrotacionalidade garante a existência de de uma outra função escalar, o potencial de velocidade Φ:

∂u ∂v − =0 ∂y ∂x

u≡

∂Φ , ∂x

v≡

∂Φ . ∂y

Como o potencial de velocidade tem de existir em todos os fluxos irrotacionais, estes ganham o apelido de fluxos potenciais. Quem já estudou eletrostática achará este apelido bastante apropriado.

45

9 Leis de Conservação
9.1 Volumes de Controle e Superfícies de Controle
Neste curso abordaremos fluxos que obedecem a leis conservação de • massa, • momentum e • energia. Mais à frente teremos nesta lista a conservação de vorticidade em suas várias formas (potencial, total, de Ertel, etc., que é essencialmente a conservação de momento angular em fluidos. Estas leis de conservação podem ser expressas em forma • diferencial - se aplica a um ponto qualquer do fluxo ou • integral - se aplica a uma região do fluxo. No caso integral podemos nos referir a – volumes fixos no espaço, ou volumes de controle, geralmente denotados por V , cujas “paredes” ou superfícies externas são indeformáveis e – volumes materiais, ou superfícies de controle, geralmente denotados por V , que se movem acompanhando o fluxo e cujas superfícies externas são elásticas e encerram uma quantidade fixa de matéria. 9.1.1 Derivadas no Tempo de Integrais de Volume Neste tópico será frequente a necessidade de fazermos operações matemáticas do tipo:

d dt

Z

F dV

V (t)

onde F(x,t) é um tensor de qualquer ordem (i.e. pode ser escalar, vetor ou tensor) ∂ d e V é uma região fixa ou móvel V . Note que neste caso temos dt em vez de ∂t pois o resultado da integração no espaço será apenas função do tempo.

No caso geral, quando o volume não é fixo nem segue o fluxo (velocidade arbitrária), podemos utilizar o Teorema de Leibnitz para o fluxo uni–dimensional:

d dt

Z b(t)

F(x,t) dx =

x=a(t)

Z b ∂F
a

∂t

dx +

db da F(b,t) − F(a,t). dt dt

(33)

Este teorema mostra como podemos diferenciar uma integral cujo integrando (F) e cujos limites de integração (a, b) dependem da variável de integração (t). Trata–se da integral de uma diferencial, portanto pensar em termos de uma diferença de áreas é bastante razoável. Na figura 41 temos os três termos do lado direito da equação 33 representados como áreas hachuradas. A linha cheia grossa representa tempo t + dt. Os termos do lado direito da equação 33 representam: 1. a integral de (∂F/∂t) na região, 2. o ganho de F pois a parede b se move vom velocidade db/dt para fora, e 3. a perda de F pois a parede a se move vom velocidade da/dt para dentro.
R

Fdx no tempo t e a linha tracejada representa

R

Fdx no

46

Note que V não é mais V (t) e isto nos permite trazer a derivada parcial para dentro da integral.

onde uA é a velocidade da superfície que envolve o volume V (t) e A(t) é a área desta superfície. A integral de área na equação 34 inclui todos os ganhos e perdas de forma que uma decomposição como nos dois últimos termos da

Esta expressão é chamada de teorema do transporte de Reynolds. Apesar de não ser estritamente necessário, uti-

¦ ¥¡¦ ¤ £¡ ¦¡¥¡ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤ ¤ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡£¡£¡¤ ¦¡¥¡¡¥ ¥¡¦¡¦ ¤¡¤¡¤¡£ £¡¡¡ ¦¡¥¡¡ ¡¢ ¡¡¥¥¥¥ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¢ ¡¤¡¤¡£¤ ¢¥ ¥¡¦¡¥¦ ¤¡£ £ £¡ ¦¡¥¡¡ ¢ ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ £¡£¡ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  ¤¡¤¡ ¥¡¦¡¥¦ ¢ ¡¥¡¥¦¡   ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ £¡£¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢ ¤¡¤¡£¤ ¤¡ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  £¡£¡  ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢ ¤¡¤¡£¤ ¤£¡ £¡ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  £¡£¡  ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢ ¤¡¤¡£¤ ¤¡ £¡ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢  £¡£¡£¤ ¤¡ £¡ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢  ¤¡¤¡£¤ ¤¡ £¡ ¢ ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ £¡£¡ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  ¤¡¤¡   ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ £¡£¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢ ¤¡¤¡£¤ ¤¡ £¡ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  £¡£¡  ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢ ¤¡¤¡£¤ ¤¡ £¡ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  £¡£¡  ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢ ¤¡¤¡£¤ ¤¡ £¡ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢  £¡£¡£¤ ¤¡ £¡ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢  ¡¡£¤ ¤¡ £¡ ¢ ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢  ¢  ¢  ¢  ¢  ¢  ¢  ¢ £¡¤ ¤ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¡¡¡¡¡¡¡¡  £¡£¡   ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡¢ ¤¡¤¡£¤ ¤¡ £¡ ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¡¡¡¡¡¡¡¡  £¡£¡  ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¤¡¤¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢ £¡£¡£¤ ¤¡ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡  ¤¡¤¡  ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢ £¡£¡£¤ ¤¡ £¡ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡  ¤¡¤¡  ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¡¡¡¡¡¡¡¡ ¢ ¡¡£¤ ¤¡ £¡ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ £¡£¡  ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¡¡¡¡¡¡¡¡ ¢ £¡£¡£¤ ¤¡ £¡ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¢  ¢  ¢  ¢  ¢  ¢  ¢  ¢ £¡¤ ¤  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¡¡¡¡¡¡¡¡¢ ¡¡£¤ ¤¡ £¡ ¢ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡  £¡£¡ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¢  ¢  ¢  ¢  ¢  ¢  ¢  ¢ ¡  ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡©¡©¡©¡©¡©¡©¡ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¤¡¤¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡©¡©¡©¡©¡©¡©¡  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢ £¡£¡£¤  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¡¡¡¡¡¡¡¡ ¤ ¤ ¤¡ ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡©¡©¡©¡©¡©¡©¡©  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡  ¤¡¤¡  ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¡¡¡¡¡¡ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢ £¡£¡£¤  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¤¡ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¡¡¡¡¡¡© ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  ¤¡¤¡ ¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡  ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¡¡¡¡¡¡©  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢  ¤¡¤¡£¤  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¤£¡ £¡ ¡ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡©¡©¡©¡©¡©¡©¡ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ £¡£¡ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  ¢¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡©© ¡¡¡¡¡¡¡¡  ¢¢ ¡¡£¤£¤  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡©¡©¡©¡©¡©¡©¡  ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ ¢¡ £¡£¡ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡   ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡©¡©¡©¡©¡©¡©¡  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¡¡¡¡¡¡© ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡  ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡©¡©¡©¡©¡©¡©¡ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¡¡¡¡¡¡  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢  ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¡¡¡¡¡¡© ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡   ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¡¡¡¡¡¡© ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¢ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡© ¢¡© ¢¡© ¢¡© ¢¡© ¢¡© ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡ ¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡¢¢¡  ¢¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡  ¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¢ ¨ ¨ §¡§¡§¨ ¡¡¡§ ¢ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡   ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¢ ¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡¢¡   ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡ ¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡¡ ¢ ¢
a dt
a

de fluido.

o volume V (t) se move na mesma velocidade u do fluxo, portanto u A = u:

lizamos a derivada material D/Dt no lado esquerdo da equação 36 para enfatizar que estamos seguindo uma parcela

equação 33 é desnecessária. Para o caso particular de um volume fixo ou volume de controle a equação 34 se simplifica pois a superfície que

envolve o volume V (t) está parada, portanto uA é zero:

Generalizando o terorema de Leibnitz para três dimensões espaciais podemos escrever:

No caso de um volume material ou supefície de controle a equação 34 se simplifica pois a superfície que envolve

F

daF(a,t)

D Dt

d dt

da

Z

Z

V (t)

V (t)

Figura 41: Representação gráfica do teorema de Leibnitz.

F(x,t) dV =

F(x,t) d V =

d dt

Z

V

F(x,t) dV =

Z

Z

V (t)

V (t)

47

∂F dV + ∂t

δ F dx δt

b

∂F dV + ∂t
Z
V

∂F dV. ∂t

dbF(b,t)

Z

A(t)

Z

A(t)

F uA • dA,

Fu • dA,

b db

F(x,t+dt)

x

F(x,t)

(35)

(34)

(36)

Uma outra forma do teorema do transporte de Reynolds pode ser derivada a partir da equação 30 da continuidade e do teorema de Gauss (equação 11). Aplicando o teorema de gauss à integral de área do lado direito da equação 36 temos:

D Dt

Z

V

F dV =

Z

V

∂(ui F) ∂F + dV ∂t ∂xi

Aqui podemos definir uma função f = F/ρ onde ρ é a densidade do fluido para facilitar as contas. Desta forma teremos:

D Dt

Z

V

ρ f dV =

Z

V

∂(ρ f ) ∂(ui ρ f ) dV = + ∂t ∂xi

Z

V

ρ

∂f ∂f ∂ρ ∂(ρui ) + ρui +f +f ∂t ∂t ∂xi ∂xi

dV .

Utilizando aqui a condição de continuidade (equação 30) teremos:

D Dt
que será utilizada no futuro próximo. 9.1.2 Conservação de Massa

Z

V

ρ f dV =

Z

V

ρ

Df dV , Dt

(37)

A forma diferencial da conservação de massa derivada foi anteriormente (equação 30) a partir da fórmula de deformação volumétrica de uma superfície de controle. Isto pode ser feito de outra forma. Considere um volume V fixo R no espaço e limitado pela área A. A massa dentro deste volume é ρdV . A taxa de aumento de massa dentro deste volume pode ser descrita por:

d dt

Z

V

ρdV =

Z

V

∂ρ dV, ∂t

pois o volume é fixo e a equação 35 se aplica. Por outro lado, a taxa de perda de massa para fora da área A é dada por:

Z

A

ρu • dA,

onde dA = ndA onde n é o versor normal ao elemento de área dA, apontando para fora. Note que ρu • dA é o fluxo de massa através da área dA. Se a massa se conserva, então a taxa de aumento de massa dentro deste volume tem de ser igual ao fluxo de massa

para dentro da área A, ou seja:

Z

V

∂ρ dV = − ∂t

Z

A

ρu • dA.

(38)

Esta é a forma integral da lei de conservação de massa para um volume fixo no espaço. Para obtermos a forma diferencial devemos recorrer ao bom e velho teorema de Gauss, aplicando–o ao lado esquerdo da equação 38:

Z

A

ρu • dA =

Z

V

∇ • (ρu)dV,

e substituindo o resultado acima na equação 38:

Z

V

∂ρ + ∇ • (ρu) dV = 0. ∂t

Para que esta relação seja válida para qualquer volume é necessário que o integrando se anule para todos os pontos, ou seja:

48

∂ρ + ∇ • (ρu) = 0, ∂t

(39)

esta é outra forma da equação da continuidade e expressa a forma diferencial da conservação de massa. Esta equação aparece nos livros didáticos de várias formas equivalentes. Por exemplo, o termo do divergente pode ser expresso como:

∂ui ∂ρ ∂(ρui ) = ρ + ui . ∂xi ∂xi ∂xi
Desta forma, substituindo na equação da continuidade podemos rearranjar os termos e obter:

1 Dρ + ∇ • u = 0, ρ Dt
A derivada total
Dρ Dt

(40)

expressa a taxa de variação de densidade de um volume material que se move com o fluxo.

considerado incompressível. Esta simplificação faz parte e será discutida mais adiante quando analisarmos o conjunto de fatores que justificam aproximação de Boussinesq. Para fluxos aproximadamente incompressíveis, que dependem ou não do tempo, a equação da continuidade se reduz a:

Este termo pode ser não–nulo por causa de mudanças de pressão, temperatura e salinidade. A água é muito aproximadamente incompressível. Para o ar, se a velocidade característica do fluxo for inferior a ∼100 m/s o fluxo pode ser

∇ • u = 0,
9.1.3 Classificação das Forças em um Fluido

(41)

Forças agim em um fluido de diversas formas, e podem ser agrupadas dependendo número de dimensões espaciais envolvidas nesta ação: 3D - Forças de Corpo são as que atuam à distância, sem contato físico, através de um campo. Este pode ser gravitacional, elétrico ou magnético e evidentemente estaremos voltando nosssa atenção ao campo gravitacional. Neste caso a força é distribuída por todo o volume do fluido de acordo com a massa do mesmo. No caso do campo gravitacional, a aceleração da gravidade (g) expressa a força gravitacional por unidade de massa. O campo gravitacional é conservativo, pois a soma da energias potencial e cinética é constante na ausência de dissipação. Campos conservativos podem ser expressos como gradiente de um potencial, isto é: g = − ∇Π onde Π = gz é o potencial gravitacional. Note que o potencial gravitacional é o mesmo que a energia potencial por unidade de massa. 2D - Forças de Superfície agem em um elemento de área por contato com a matéria imediatamente adjacente a ele e são proporcionais a esta área. Convenientemente expressamos estas forças por unidade de área e as separamos em componentes tangencial (tensão de cisalhamento) e normal (pressão) à superfície em que atuam. Embora sejam comuns os problemas que nos permitam trabalhar com uma única componente da tensão, que nestes casos pode ser encarada como escalar, cabe sempre lembrar que a tensão é um tensor com nove componentes. 1D - Forças de Linha ou de tensão superficial atuam na interface (linha de separação) entre dois materiais e são proporcionais à extensão desta linha. Forças de linha não aparecem diretamente nas equações do movimento, mas apenas nas condições de contorno.

49

9.1.4 A Tensão em um Elemento Puntual de Fluido As componentes diagonais indicadas pelos retângulos são as pressões normais e as demais formam as tensões de cisalhamento. Todas são forças de superfície por unidade de área. O elemento infinitesimal só é representado pelo cubinho pois facilita a explicação, na verdade ele representa um ponto do fluido à medida que as dimensões do cubo tendem simultaneamente a zero.
z

τzy τzz τzx τyz τyy τyx τxy τxz τxx
x

É útil demonstrar aqui que o tensor τ é simétrico, ou seja, que τ i j = τ ji pois isso reduzirá o número de componentes independentes de nove para seis. Cosidere o torque T exercido no elemento (cubo) em relação ao eixo central paralelo a z. O torque por unidade de comprimento em z é gerado apenas pelas componentes da tensão no plano xy e é portanto igual a:

 τxx    τ =  τyx    τzx

τxy τyy τzy

τxz     τyz     τzz

y

Figura 42: As componentes do tensor stress são representadas pelos vetores τi j onde o índice i identifica a superfície e j representa a direção da força. Da permutação de i e j 2 a 2 obtemos as 9 componentes.

T = τxy + τyx +

1 ∂τxy dx 1 ∂τxy dx dx dy + τxy − dx dy − 2 ∂x 2 2 ∂x 2 1 ∂τyx dy 1 ∂τyx dy dy dx − τyx − dy dx 2 ∂y 2 2 ∂y 2

= (τxy − τyx )dxdy.
A condição de equilíbrio rotacional do elemento requer que T = I dωz onde I é o momento de inércia do cubo e ωz dt é a aceleração angular no eixo z. Para um elemento retangular I

=

ρ 2 2 12 dxdy(dx + dy ), portanto

T = (τxy − τyx )dxdy = (τxy − τyx ) =

ρ dωz dxdy(dx2 + dy2 ) ⇒ 12 dt

ρ dωz (dx2 + dy2 ) , 12 dt

se as dimensões do cubo tendem a zero, a igualdade acima só será verificada se τxy = τyx . Portanto o tensor é simétrico. 9.1.5 Conservação de Momentum A idéia central desta seção é aplicar a lei de conservação de momentum, i.e. o bom e velho F = m a, a um volume infinitesimal de fluido. O primeiro resultado será a lei de conservação na forma diferencial. Em seguida a mesma lei será obtida a partir da forma integral da segunda lei de Newton.

50

Considere, como indicado pelos vetores da figura 43, o valor absoluto das tensões apenas na direção x.

z

|a|=τxx +
c

∂τxx dx ∂x 2 ∂τyx dy ∂y 2 ∂τzx dz ∂z 2 ∂τxx dx ∂x 2 ∂τyx dy ∂y 2 ∂τzx dz ∂z 2

|b|=τyx + |c|=τzx +
a

e d b f y
Figura 43: As componentes do tensor stress são

x

|d|=τxx − |e|=τyx − | f |=τzx −
áreas onde estas tensões se aplicam:

O

A soma das forças na direção x será o produto das tensões pela

representadas pelos vetores τ j1 , onde o índice 1 corresponde à direç ao x. As tensões se referem ao centro do cubo, que fica à distância dx/2, dy/2, e dz/2 das faces. Para uma variação infinitesimal de distância, a tensão na face superior é τzx + ∂τzx dz , ∂z 2 ou seja, é igual à tensão no centro somada à variação da tensão com a distância. Os vetores d, e e f são aplicados às faces ocultas do cubo.

Fx = (τxx + ∂τxx dx )−(τxx + ∂τxx dx ) dydz ∂x 2 ∂x 2 + (τyx +
∂τyx dy ∂τyx dy ∂y 2 )−(τyx + ∂y 2 )

dxdz

+ (τzx + ∂τzx dz )−(τzx + ∂τzx dz ) dxdy. ∂z 2 ∂z 2
que se reduz a

Fx = (

∂τ j1 ∂τxx ∂τyx ∂τzx dV + + ) dx dy dz = ∂x ∂y ∂z ∂x j

como demonstrado, τi j = τ ji. Usando esse resultado, adotando aqui a notação indicial, generalizando para as três direções e expressando a força por unidade de volume teremos:

F
V

=

∂τi j ∂x j

Porém até aqui só contabilizamos as forças de superfície (por unidade de volume). As forças de corpo, ou seja, a gravidade tem um papel bem mais simples e entra na equação acima como (ρ é a densidade):

F
V
na forma:

= ρgi +

∂τi j . ∂x j

Portanto a segunda lei de Newton pode ser expressa em termos de força por unidade de volume que segue o fluxo

Dui 1 ∂τi j = gi + Dt ρ ∂x j

(42)

Esta é a equação do movimento de Cauchy e vale para qualquer material contínuo, sólido líquido ou gasoso, incluindo os fluidos não Newtonianos pois não impusemos restrições sobre como a tensão depende da deformação. Podemos obter uma expressão equivalente partindo da forma integral da segunda lei de Newton para um volume
V que segue o fluxo. Neste caso as tensões internas ao volume dão lugar às forças externas aplicadas na superfície

51

exterior. Lembrando que a força aplicada a um elemento de área dada por F = τdA e da expressão da derivada temporal da integral de volume (equação 37), podemos obter a expressão integral da conservação de momentum linear. Da equação 37 temos:

D Dt Dui dV Dt

Z

V

ρui d V =

Z

V

ρ

Dui dV , Dt

utilizando esta forma a conservação de momentum pode ser expressa como:

Z

V

ρ

=

Z

V

ρ gi d V

+

Z

V

τi j dA j

,

Variação de momentum

Forças de corpo

Forças de superfície ∂τi j dV ∂x j

Utilizando–se o teorema de Gauss na integral de área temos:

Z

V

τi j dA j =

Z

V

“ ∇“ • τ i j d V =

Z

V

Voltando à 2ł Lei de Newton temos:

Z

Dui dV − ρ Dt V

Z

V

ρ gi d V −

Z

V

∂τi j d V = 0. ∂x j

Para que esta expressão seja válida sempre para qualquer ponto do fluxo, é necessário que o integrando se anule, portanto:

ρ

∂τi j Dui − ρ gi − = 0. Dt ∂x j

(43)

9.1.6 Conservação de Momentum para um Volume Fixo Na derivação precedente trabalhamos com um elemento de volume e depois com um volume inteiro, sendo que ambos seguiam o fluxo. Agora o faremos para um volume fixo no espaço. Começando com a equação 42, do movimento de Cauchy e abrindo a derivada material temos:

ρ

∂τi j ∂ ui ∂ui + (ρu j ) = ρ gi + ∂t ∂x j ∂x j

Podemos somar zero a esta equação (?!) de uma forma bastante conveniente, utilizando a equação da continuidade multiplicada por ui :

ui

∂(ρ u j ) ∂ρ + ui =0 ∂t ∂x j

É uma equação válida em todo espaço e podemos somá-la ao lado esquerdo da equação precedente:

ui

∂(ρ u j ) ∂τi j ∂ui ∂ ui ∂ρ + ui +ρ + (ρu j ) = ρ gi + ∂t ∂x j ∂t ∂x j ∂x j

Desfazendo as derivadas do produto no lado esquerdo (1 o e 3o termos, 2o e 4o termos) teremos:

∂(ρ ui u j ) ∂τi j ∂(ρ ui ) + = ρ gi + . ∂t ∂x j ∂x j

(44)

52

1. Integrando a equação 44 no volume fixo V e pensando por ora apenas na derivada temporal, teremos, ao aplicarmos os resultados prévios sobre derivadas temporais de integrais de volume:

Z
notando que
R
v

V

d ∂(ρ ui ) dV = ∂t dt

Z

V

ρ ui dV,

ρ ui dV = Mi é o momentum total dentro do volume V , temos:

Z

V

dMi ∂(ρ ui ) dV = . ∂t dt

2. Retomando a equação 44, mas trabalhando agora com a integral de volume da derivada espacial, com a ajuda do teorema de Gauss teremos:

Z

V

∂(ρ ui u j ) dV = ∂x j

Z

Aj

ρ ui u j dA j ≡

∂Miout ∂t

Note que ρ u j dA j = mout é o fluxo de massa para fora do elemento dA na casca externa do volume de controle. ∂M out Deste modo ui mout = ∂ti é o fluxo de momentum para fora do volume na direção i. 3. A integral de volume do terceiro termo da equação 44 é simplesmente:

Z

V

ρ gi dV = Fib ,

onde Fib é o total de forças de corpo (i.e. de gravidade) agindo sobre o volume de controle na direção i. 4. A integral de volume do quarto termo é:

Z

V

∂τi j dV = ∂x j

Z

V

“ ∇“ • τ i j dV.

Recorrendo novamente ao teorema de Gauss temos:

Z

V

∂τi j dV = ∂x j

Z

Aj

τi j dA j ≡ Fis ,

onde Fis é o total de forças de superfície (i.e. de stress, de pressão) agindo sobre a superfície externa do volume considerado, na direção i. Juntando os quatro termos da equação 44 que integramos para no volume fixo teremos:

F =

d M ∂M out + dt ∂t

ou Fi =

dMi ∂M out + dt ∂t

ou F =

dM ˙ + M out . dt

(45)

Esta é a equação da conservação de momentum para um volume fixo no espaço. Ela nos diz que a força total resultante em um volume fixo é igual à taxa de variação do momentum dentro do volume (dM ) somada ao fluxo total dt ˙ de momentum para fora do volume através da superfície externa ( M out ). Vejamos agora uma aplicação prática destes conceitos e resultados. Considere um fluxo estacionário, bi–dimensional, de um fluido homogêneo, incompressível e viscoso. Assuma que não há conversão de energia mecânica em térmica. Neste fluxo temos um objeto imerso, como ilustra a figura 44. Neste experimento medimos (em unidades do S.I.) o perfil meridional de velocidades zonais ao longo de x = x0 que fica antes do objeto, resultando em u(x0 , y) = U∞ = 2. Medimos também as velocidades zonais no ponto x = x1 que fica depois do objeto, resultando no perfil u(x1, y) = 2 − cos( πy ). As velocidades zonais nas linhas PQ e RS são iguais a U∞ . Queremos saber qual a força de atrito média 2b por unidade de comprimento do objeto.

53

y

P

Q y=b

S x0

R y=−b x 1

x

Figura 44: Neste experimento medimos (em unidades do S.I.) o perfil meridional de velocidades zonais ao longo de x = x0 que
fica antes do objeto, resultando em u(x0 , y) = U∞ = 2. Medimos também as velocidades zonais no ponto x = x1 que fica depois do πy objeto, resultando no perfil u(x1, y) = 2 − cos( 2b ). As velocidades zonais nas linhas PQ e RS são iguais a U∞ .

Para resolver este problema, iniciemos pela conservação de momentum, notando que se o fluxo é estacionário a

derivada temporal se anula:

˙ F = M out .
Como o problema é bi–dimensional, o fluxo de momentum que estamos interessados é apenas o na direção x. Considerando o “volume” retangular PQRS tudo que precisamos fazer é calcular a taxa de saída de momentum nas quatro “faces” e somar. Começemos pelo que é mais fácil:

˙ M PS = −

Z b

−b

U∞ ( ρU∞ ) dy

=

2 −2 b ρU∞ ,

o sinal negativo indica fluxo para dentro do volume de controle.

˙ M QR =

Z b

−b

u ( ρ u ) dy

=

ρ

Z b
Rb

u2 dy.

−b

˙ ˙ Note que M PS e M QR não são iguais. Por conservação de momentum tem de haver um fluxo de momentum através
b das outras duas paredes. Note também que como −b ρU∞ dy difere de massa (m) através de PQ e de SR. Por conservação de massa temos: ˙

R

−b ρudy,

tem de haver também um fluxo de

2b ρU∞ = ˙ + ˙ + ρ m m
PQ SR

Z b

u dy

ou seja,

−b

˙ + ˙ = ρ m m
PQ SR

Z b

−b

(U∞ − u) dy,

e analogamente o fluxo de momentum é dado por:

M

˙PQ

+M

˙SR

= ρU∞

Z b

−b

(U∞ − u) dy,

pois a componente zonal de u nas laterais é igual a U∞ , uma vez que as paredes estão suficientemente longe do objeto. Combinando as equações de variação de momentum através das quatro paredes, temos:
2 ˙ ˙ ˙ ˙ ˙ M out = M PS + M QR + M PQ + M SR = −2b ρU∞ + ρ
2 Como −2b ρU∞ = −ρ

Z b

−b

u dy + ρU∞
2

Z b

−b

(U∞ − u) dy.

Rb

2 −b U∞ dy,

podemos reescrever a expressão acima como: 54

˙ F = M out = ρ
Substituindo agora os valores medidos teremos:

Z b

−b

u(U∞ − u) dy.
Z b

fazendo φ =

πy πy (2 − cos( ))( 2 − 2 + cos2 ( )) dy = ρ F =ρ 2b 2b −b
Z b
πy 2b

temos dφ =

π 2b dy

−b

(2 cos(

πy πy )) − cos2 ( ) dy. 2b 2b

e dy =

2b π dφ.

Substituindo na integral em y:

2b F =ρ π

Z π/2

−π/2

2 cos φ − cos2 φ dφ = ρ

2b π π 1 π 1π 1 −π 1 −π (2(sin −sin ) − ( sin(2 ) + − sin(2 )− )) π 2 2 4 2 22 4 2 2 2 2b π (4 − ) π 2 2ρb.

F = ρ

Lembrando que esta é a força de arrasto média por unidade de comprimento do objeto.

9.2 Momento Angular para um Volume Fixo
H Da mecânica dos sólidos temos T = ddt onde T é o torque resultante de todas as forças externas aplicadas a um corpo em relação a um dado eixo de rotação. d H é a taxa de variação de momento angular do corpo em relação a este mesmo dt

eixo. O momento angular H é definido como:

H =

Z

(dm u) × r

onde dm é um elemento de massa, r é o vetor posição que liga perpendicularmente o eixo de rotação à massa dm e u é a velocidade desta massa.

u r dm

Figura 45: O momento angular depende da massa, da velocidade e do raio. Note que isto é um princípio de conservação para uma partícula (dm) que pode ser derivado da 2 a Lei de Newton, ele não é uma lei independente. Para derivá–lo, basta fazermos o produto vetorial de r com os dois lados da conservação de momentum. 55

É possível demonstrar que a conservação de momento angular vale também para um volume material e para um volume fixo. Para um volume fixo temos:

T =

dH ˙ + Hout dt

note que esta equação é semelhante à equação 45, da conservação de momento linear. Ela nos diz que o torque é igual á variação do momento angular mais a perda de momento angular para o fora do volume de controle, através da superfície externa. Podemos esmiuçar cada componente desta equação, buscando entender fisicamente o significado de cada um deles:

T
Torque total

=

Z Z Z

A

(τ dA) × r ×r

+

Z

V

(ρgdV ) × r

(46)

Torque das forças de superfície

Torque das forças de corpo

H
Momento angular do corpo

=

(ρudV )

(47)

V

Momento linear do corpo

˙ Hout
Taxa de evasão de mom. ang.

=

A

[ (ρu • dA) u] × r.
Fluxo de massa

(48)

A equação 46 desmembra as contribuições do torque por causa do stress na superfície e da força gravitacional. É no primeiro termo que entrará o efeito do vento sobre o oceano e no segundo termo entrará, por exemplo, a contribuição do empuxo devido a diferenças de densidade. Na equação 48 notamos de forma cristalina a relação entre momento angular e momento linear de um dado corpo. Note que as unidades dos dois momentos são diferentes, pois o momento angular tem um “r a mais”. No lado direito da equação 48 pode–se notar que o fluxo de massa é multiplicado pela velocidade, e isso resulta em um momento linear, cujo produto vetorial com o raio nos dá o momento angular. Como este fluxo é para fora da superfície que envolve o volume, temos uma evasão de momento angular.

9.3 Equação Constitutiva dos Fluidos Newtonianos
A equação constitutiva relaciona a tensão a que o fluido está submetido e a deformação causada por esta tensão. Se esta relação for linear, o fluido é Newtoniano. Como visto anteriormente, em um fluido em repouso a pressão independe da orientação da superfície à qual ela se aplica. A pressão hidrostática é portanto um tensor isotrópico, ou seja, tem simetria esférica e as componentes não se alteram com a rotação do sistema de coordenadas. Matematicamente isso se expressa da forma:

1 τi j = −p δi j
onde

0 0 1 0 0 1

δi j = 0 0

neste caso estático i = j, p = p11 + p22 + p33 com p11 = p22 = p33 ; p é a pressão termodinâmica, relacionada à densidade ρ e à temperatura e T (por exemplo, via p = ρRT para os gases perfeitos). 56

Um fluido em movimento experimenta tensões adicionais devido à viscosidade. Os termos não–diagonais de τ i j , onde i = j, não são mais nulos como no caso da pressão e nem os termos diagonais, onde i = j são iguais. A tensão ou stress pode ser descrita da forma:

τi j = −p δi j + σi j .

Para que p continue a representar a pressão termodinâmica é necessário que haja equilíbrio termodinâmico. Assim, as escalas de tempo envolvidas nesta derivação são muito maiores que o tempo médio de ”colisão” entre as moléculas, maior que o tempo de relaxamento. A parte da tensão que não é relacionada à pressão, σi j é o tensor desviante (deviatoric stress tensor) e é relacionada ao tensor gradiente de velocidade. Cabe lembrar que a tensão é proporcional às derivadas espaciais da velocidade e que o fator de proporcionalidade é o coeficiente de viscosidade. O gradiente de velocidade pode ser decomposto em parte simétrica e anti–simétrica para facilitar a dedução a seguir:

∂u j ∂u j 1 ∂ui ∂ui 1 ∂ui = ( + )+ ( − ), ∂x j 2 ∂x j ∂xi 2 ∂x j ∂xi
simétrico anti–simétrico

a parte anti–simétrica está associada à rotação. Note como o conteúdo do termo anti–simétrico se assemelha a um rotacional. Por estar associado à rotação, este termo não gera tensão de cisalhamento. a parte simétrica está associada à deformação. Note como o conteúdo do termo simétrico se assemelha a um divergente. Por estar associado à deformação, este termo gera tensão de cisalhamento. Interpretando o termo simétrico à luz da dedução que levou à equação 23, veremos que ele expressa uma deformação por cisalhamento. A relação entre tensão e deformação mencionada no início desta seção é:

σi j = ki jmn emn ,

(49)

onde o coeficiente de viscosidade k é um tensor de quarta ordem com 81 componentes que dependem do estado termodinâmico do sistema. Cada componente do stress σ esta linearmente relacionada a 9 componentes da taxa de deformação e através de k. Evidentemente precisamos simplificar o problema. É razoável supor que o meio é isotrópico, isto é, não tem direções privilegiadas a nível microscópico e que o tensor das tensões é simétrico. A primeira simplificação implica (sem entrar em detalhes da álgebra tensorial) que:

ki jmn = λδi j δmn + µδim δ jn + γδin δ jm .

(50)

Os coeficientes λ, µ e γsão escalares relacionados ao estado termodinâmico do sistema e representam viscosidades que dependem da direção do movimento. É possível também que se utilizar o fato que se σi j é simétrico, como:

σi j = ki jmn emn então ki jmn é simétrico em i j.

(51)

57

Este resultado deve ser consitente com a equação 50 o que obriga γ = µ. Por causa do condição de isotropia, o tensor ki jmn dos coeficientes de viscosidade se simplificou bastante. Por causa da simetria, o tensor das tensões σj i também se simplifica. A utilização destas simplificações na equação 49 resulta em:

σi j = 2µei j + λemm δi j ,

onde emm é a taxa de deformação volumétrica (compare a equação 20) e a equação 23).A equação constitutiva fica, portanto:

τi j = −pδi j + 2µei j + λemm δi j ,
fazendo i = j, somando no índice repetido e notando que δ ii = 3 temos:

(52)

τii = −3p + (2µ + 3λ)emm

1 2 p = − τii + ( µ + λ)∇ • u. 3 3

(53)

Os termos diagonais de ei j podem ser desiguais. Neste caso o tensor τi j também terá termos diferentes em sua diagonal, termos estes que vem do ternmo em µ na equação 52. Se considerarmos a média destes termos poderemos 1 definir uma pressão média ¯ = − τii . É crucial notar que ¯ é uma pressão dinâmica, associada à viscosidade e p p 3 portanto fisicamente diferente de p, a pressão termodinâmica. Substituindo ¯ na equação 53, temos: p

2 p − ¯ = ( µ)∇ • u. p 3

(54)

Para um fluido completamente incompressível, a pressão termodinâmica é indefinida, restando–nos apenas a pressão dinâmica. O termo em λ na equação 52 se anula pois e mm = ∇ • u = 0 (isto é importante pois se usa bastante nesta dedução), restando apenas:

τi j = − ¯ i j + 2µei j , pδ

(55)

Para um fluido compressível mantêm–se p e ¯ Uma constante de proporcionalidade k entre p − ¯ e a taxa de p. p deformação volumétrica pode ser definida com o auxílio da equação 54,de modo que k = λ + 2 µ. Esta constante pode 3 ser encarada como um coeficiente de viscosidade total (ou bulk). Na maioria dos casos k = 0 é uma aproximação válida e é chamada de ”hipótese de Stokes”. Com ela a equação constitutiva ( 52) se reduz a

2 τi j = −(p + µ∇ • u)δi j + 2µei j . 3

(56)

Esta equação constitutiva é consitente com a definição de tensão de cisalhamento uni–dimensional da equação 3. Daí decorre a definição de que fluido Newtoniano é aquele que obedece à equação 56. 58

Os termos não–diagonais da equação 56 são da forma:

τ12 = µ
stress

∂u1 ∂u2 + ∂x2 ∂x1
deformação, cisalhamento

e relacionam a tensão ao cisalhamento que ela causa, tendo µ, o coeficiente de atrito como constante de proporcionalidade. Os termos diagonais da equação 56 são da forma:

τ11
pressões

  = −p + 2µ  

1 ∂ui − 3 ∂xi
deformação média

diferença em relação à média

∂u1   +  ∂x1 

(57)

e mostram que a tensão na direção x1 aplicada ao plano normal ao eixo x1 é proporcional à diferença entre a taxa de deformação na direção x1 e a taxa de deformação média.

59

10 A Equação de Navier-Stokes em um Referencial Inercial
10.1 Forma geral
A equação de Navier-Stokes combina a segunda Lei de Newton com a equação constitutiva. Portanto ela descreve a conservação de momentum nos fluidos Newtonianos em um referencial inercial. A equação de Navier-Stokes é certamente a equação mais importante deste curso. Na derivação desta equação e em sua discussão utilizaremos vários conceitos desenvolvidos ao longo do curso com a finalidade de possamos agora aplicá–los. Substituindo-se a equação ( 56) constitutiva dos fluidos Newtonianos,

2 τi j = −(p + µ∇ • u)δi j + 2µei j , 3

na equação ( 42) de Cauchy ou da conservação de momentum,

ρ

∂τi j Dui = ρ gi + , Dt ∂x j

teremos:

2 ∂ Dui −pδi j + 2µei j − µ(∇ • uδi j ) , = ρ gi + Dt ∂x j 3 ∂p ∂p δi j = (Kundu, pag. 35) mas como ∂x j ∂xi Dui ∂p ρ = ρ gi − + ... Dt ∂xi ρ
força por unid. volume peso, empuxo gradiente de pressão

+ ...

∂ ∂x j
derivada espacial da...

 2µ

ei j
deformação

2  − µ (∇ • u) δi j  . 3
compressão

(58)

A equação 58 é uma forma geral da equação de Navier-Stokes para um referencial inercial. Nela, o coeficiente de viscosidade µ é uma função do estado termodinâmico do fluido, ou seja, µ = µ(T, p, . . .). Como o campo de temperaturas muda no espaço e no tempo, T = T (xi ,t), µ também muda. Portanto, µ fica dentro da derivada parcial ∂ ∂x j . Entretanto é necessário ressaltar que µ é uma viscosidade molecular, isto é, assumimos implicitamente que o fluxo é laminar e não turbulento. Os fluxos no oceano e na atmosfera, como veremos no futuro, são turbulentos. Para compatibilizar a equação de Navier-Stokes com os fluxos turbulentos, definimos um “µ turbulento” que difere do µ laminar por algumas ordens de grandeza e funciona razoavelmente bem. Por fim, nunca é demais recapitular que µ mede o quão eficiente é a transmissão lateral de momentum no fluxo; quanto mais viscoso for o fluido, mais distante será sentido o efeito do movimento. ∂T Podemos simplificar a equação 58 considerando que, se ∂xi for relativamente pequeno, sendo, podemos considerar µ aproximadamente constante e colocá–lo fora da derivada:
∂µ ∂xi

também o será. Assim

60

ρ

∂ei j 2 ∂(∇ • u) Dui ∂p + 2µ − µ = ρ gi − Dt ∂xi ∂x j 3 ∂xi

(59)

Note que, equação 59 temos:

2µei j =

∂u j 2µ ∂ui ( + ) portanto 2 ∂x j ∂xi

∂ei j ∂2 u j ∂2 ui = µ( 2 + ), ∂x j ∂ xj ∂xi x j
∇ 2 ui
∂(∇•u) ∂xi

onde é possível identificar o laplaciano e o divergente da velocidade. Com isso podemos voltar à equação de Navier– Stokes:

ρ

Dui 1 ∂(∇ • u) ∂p + µ∇2 ui + µ = ρ gi − Dt ∂xi 3 ∂xi

(60)

Se o fluido for incompressível, a equação da continuidade nos dá ∇ • u = 0, portanto temos:

ρ

∂p Dui = ρ gi − + µ∇2 ui . ou, em notação vetorial, Dt ∂xi Du = ρ g − ∇p + µ∇2 u. ρ Dt

(61)

Se, adicionalmente, pudermos considerar o fluido como invíscido temos µ = 0 e portanto obtemos a equação de Euler:

ρ

Du = ρ g − ∇p Dt

(62)

10.1.1 Viscosidade e rotação de corpo sólido: um paradoxo aparente Considere a equação ( 55) constitutiva para fluidos incompressíveis:

τi j = − ¯ i j + 2µei j , pδ

e note que:

2µei j = µ (

∂u j ∂ui + ). ∂x j ∂xi
deformação

61

Portanto apenas a deformação gera tensão viscosa, a rotação não gera. A rotação, dada por:

(

∂u j ∂ui − ) ∂x j ∂xi

não está presente na formulação acima, porque na derivação da equação constitutiva assumimos implicitamente que o volume infinitesimal girava como um corpo sólido. Um fluido em rotação de corpo sólido não deforma seus elementos de volume e portanto não gera dissipação interna. Esta é a razão pela qual os vórtices oceânicos se mantém íntegros por longos períodos de tempo (alguns anos). Neles, a dissipação ocorre apenas na camada externa, que é aproximadamente irrotacional. Porém, a força viscosa por unidade de volume em um ponto é dada por:

Fi = µ

∂u j ∂ ∂ui ( + ) ∂x j ∂x j ∂xi

=

µ(

∂2 u j ∂2 ui ) + ∂x j xi ∂x2 j

(63)

e na expressão acima podemos obter artificiosamente ∇ × ω se notarmos que ∇ × ω = ∇ × (∇ × u). Por conveniência, vamos examinar inicialmente apenas o termo na direção k:

∇×ω ∇×ω
em notação tensorial temos:

= =

∇× ... + ... + ... + ... +

∂v ∂u − ∂y ∂x 2u 2v ∂ ∂ − − ∂y2 ∂x∂y

∂2 u ∂2 v − 2 ∂x∂y ∂x

∇×ω
usando a incompressibilidade:

=

∂2 u j ∂(∇ • u) ∂2 ui ∂2 ui + = + ∂xi ∂x j ∂xi ∂x j ∂x j ∂x2 j ∂2 ui ∂xi ∂x j (64)

∇×ω

=

Substituindo a expressão 64 para obtermos ∇ × ω na equação 63:

Fi = −µ(∇ × ω)

(65)

À primeira vista a equação 65 relaciona a força viscosa com a vorticidade, indicando portanto que a rotação gera força viscosa, ao contrário do que foi obtido inicialmente. Este é o paradoxo mencionado no título desta seção. Isto não é verdade, pois as derivadas espaciais qua aparecem sob a forma ∇× fazem toda a diferença. Do capítulo sobre vórtices lembramos que em fluido em rotação de corpo sólido a vorticidade é constante e portanto a sua derivada se anula, fazendo Fi = 0! Portanto a rotação dos elementos de fluido, implicitamente assumida como sendo de corpo sólido, não gera forças viscosas. É a taxa de variação espacial da rotação que está associada à força viscosa. Um comentário similar pode ser feito diretamente sobre a equação 63. Na forma mais à esquerda vemos a derivada espacial da deformação. Ela é quem determina a força viscosa, não a deformação por si só.

62

11 A Equação de Navier-Stokes em um Referencial Girante
11.1 Conversão do Sistema Não–Inercial para o Inercial
As leis de Newton só são válidas em sua forma mais simples para sistemas de referência livres de aceleração. Sistemas de referência que obedeçam estritamente a esta definição são difíceis de se estabelecer, pois mesmo as tradicionais “estrelas fixas” não são exatamente fixas. Vistas da Terra, as posições mudam ao decorrer dos milênios. Na falta de uma definição melhor, as estrelas distantes são nosso sistema de referência inercial. Todavia, para as aplicações oceanográficas e meteorológicas esta definição é excelente. Por outro lado, como teria murmurado Galileu, “eppur si muove”. Justamente por se mover numa trajetória elíptica, a Terra está continuamente mudando a direção de sua velocidade e é portanto sujeita a uma aceleração, configurando– se como um sitema de referência não–inercial. É extremamente importante notar que isso não significa que as leis de Newton não valham aqui. Para saber se a rotação da Terra influi em maior ou menor grau na dinâmica de um sistema, temos de fazer uma análise de escala. De uma forma geral, fluxos oceanográficos que duram muito menos que um dia e tem escalas de distância muito menores que 100 km não sofrem uma influência apreciável da rotação. Este tipo de análise de escala está nos primeiros capítulos dos livros didáticos de oceanografia física (e.g Pond and Pickard, Gill, Apel).

x2

X2 P X1

i2 i3 x3 X3

i1

x1

Figura 46: O sistema não–inercial R cujas componentes são (X1 , X2 , X3 ) e cujos versores são (i1 , i2 , i3 ) gira com velocidade angular

constante Ω em relação ao sistema inercial F cujas componentes são (x1 , x2 , x3 ). Um vetor qualquer P pode ser representado nos dois sistemas de forma consistente.

Considere os sistemas de referência da figura 46, F é o fixo e R é o que gira com velocidade angular Ω. Para transformarmos nossas medidas tiradas em R (e.g. na Terra) para o sistema inercial F, onde se aplicam as leis de Newton, vejamos como se relacionam as representações do vetor P nos dois sistemas. No sistema R não–inercial temos:

P = P1 i1 + P2 i2 + P3 i3 .

63

Para um observador no sistema não–inercial R, a variação temporal de P é representada por:

(

dP2 dP3 dP1 dP i1 + i2 + i3 . )R = dt dt dt dt

Para um observador no sistema inercial F, a variação temporal de P é representada por:

(

dP d )F = (P1 i1 + P2 i2 + P3 i3 ), dt dt

mas os versores do sistema R giram, mudam de direção conforme o tempo passa, e portanto devem ficar dentro da derivada. Pela regra do produto temos:

(

dP d i1 dP1 d i2 dP2 d i3 dP3 )F = P1 + i1 + P2 + i2 + P3 + i3 , dt dt dt dt dt dt dt

e portanto:

(

dP d i1 d i2 d i3 dP )F = ( )R + P1 + P2 + P3 . dt dt dt dt dt

(66)

Precisamos agora calcular as derivadas temporais dos versores ( i1 , i2 , i3 ). A figura 47 representa a variação di do versor genérico i, momentaneamente tratado como escalar, que ocorre no tempo dt. Esta variação é dada por di = sin αdθ pois para ângulos pequenos ou infinitesimais θ sin θ tan θ. Ou seja:

di dθ = sin α = Ω sin α. dt dt

Ω θ

di

i |i|=1 α

Figura 47: Os versores (i1 , i2 , i3 ), aqui representados por i giram com velocidade angular constante Ω em relação ao sistema inercial F. Em um intervalo diferencial de tempo dt, a posição do versor i muda de di. A direção da variação de di com o tempo é perpendicular ao plano definido entre i e Ω, portanto, retornando à forma vetorial e notando que o produto vetorial × inclui em si o seno do ângulo α, temos: 64

                
Desta forma, a equação 66 fica:

d i1 dt d i2 dt d i3 dt

= Ω × i1 = Ω × i2 = Ω × i3

ou simplesmente

dP dP )F = ( )R + P1 Ω × i1 + P2 Ω × i2 + P3 Ω × i3 dt dt dP dP ( )F = ( )R + Ω × P. dt dt (

(67)

A equação 67 nos permite transformar a derivada temporal de P no sistema não–inercial R para o sistema inercial F, sendo que Ω e P são conhecidos. Agora vamos aplicar este resultado. Se P é a posição que usualmente chamamos de r, então a velocidade, que é por definição a variação temporal da posição, é dada por:

uF = u R + Ω × r

e a aceleração fica sendo portanto:

(

d uF d uF )F = ( )R + Ω × u F , dt dt

e substituindo uF do lado direito temos:

(

d uF d )F = (uR + Ω × r) + Ω × (uR + Ω × r), dt dt d uR dr d uF )F = +Ω× + Ω × uR + Ω × (Ω × r), ( dt dt dt aF = aR + 2Ω × uR + Ω × (Ω × r) .
Coriolis Centrípeta

(68)

65

A equação 68 relaciona as acelerações e portanto as forças nos referenciais fixos e girantes: • O termo relacionado à força de Coriolis pode ser reconhecido facilmente pois já está em sua forma usual. • É possível se demonstrar em poucas linhas que o último termo é a aceleração centrípeta com o auxílio da figura 48. • Note que Ω × r = Ω × R pois só a componente de r perpendicular a Ω contribui com o produto vetorial. • É necessário também lembrar que Ω × (Ω × R) = (Ω • R)Ω − (Ω • Ω) × R. • Porém (Ω • R)Ω = 0 pois Ω é perpendicular a R, restando apenas Ω × (Ω × R) = −Ω2 R, a força centrípeta. Figura 48: Sendo r a posição e Ω a velocidade angular, o

R

r

produto vetorial Ω × r aponta na direção qua sai do papel e o produto Ω × (Ω × r) aponta na direção de R.

Podemos agora voltar à equação de Navier–Stokes e generalizá–la para o caso de um referencial girando com velocidade angular constante:

1 Du = − ∇p + ν∇2 u + Dt ρ
Ω ΩR R gn ga
2

(gn + Ω2 R)
gravidade aparente

− 2Ω × u .
Coriolis

(69)

Na equação 69 introduz–se o conceito de gravidade aparente, ilustrado na figura 49. Há de se notar também a presença importantíssima do termo de Coriolis. Esta forma da equação de Navier–Stokes se aplica em referenciais não–inerciais como o nosso planeta, a problemas cuja escala temporal e espacial são extremamente comuns no oceano. Portanto trata–se de um resultado essencial à oceanografia dinâmica.

Figura 49: A gravidade aparente ga é a soma da gravidade
comum ou Newtoniana gn com a força centrípeta Ω2 R.

66

12 As Equações da Conservação de Energia
12.1 Equação da Conservação da Energia Mecânica
A energia cinética Ec é o produto entre o momentum e a velocidade. A equação de conservação pode ser derivada através da multiplicação da equação de conservação de momentum pela velocidade do fluxo. Portanto não se trata de um novo princípio básico ou de uma nova lei, é apenas uma consequência da segunda lei de Newton. Um ponto a ressaltar é que a força (fictícia) de Coriolis não contribui com nenhum termo na equação da energia mecânica. Esta força que só existe em referenciais não–inerciais é sempre perpendicular à velocidade e portanto não gera trabalho. Partindo da equação 42, de Cauchy ou da conservação de momentum:

ρ

∂τi j Dui = ρ gi + , Dt ∂x j

e multiplicando–a pela velocidade, adotando a notação u 2 = u2 + u2 + u2: i 1 2 3

ρ ρ

1 2 2 Dui

Dt

= ρ u i gi + u i = ρu•g

∂τi j , ou ainda, ∂x j + u • (∇ • τ)
trab. forças superfície

(70) ,

1 2 2 Du

Dt

variação da energia

trab. forças corpo

onde a equação 70 é semelhante ao teorema da energia cinética da mecânica dos sólidos, que estabelece a igualdade entre trabalho e variação da energia cinética. Neste caso o trabalho está separado entre a parte realizada por forças de corpo e a parte realizada por forças de superfície. Uma forma alternativa desta equação pode ser derivada com o auxílio da equação da continuidade, multiplicando–a por 1 ρu2 : i 2

∂ρ u j ρ u2 ∂ρ i + , 2 ∂t ∂x j

= 0

(71)

e somando a equação acima ao lado esquerdo da equação 70. Porém é ilustrativo abrir a derivada material da equação 70 antes:
1 2 2 Dui

= ... Dt ρ ∂u2 ρ ∂u2 i + uj i = ... 2 ∂t 2 ∂x j
somando–se a eq. 71, i.e. somando–se zero,

ρ

ρu2 i

∂ρ ρ ∂u2 i + 2 ∂t 2 ∂t

+

ρ ∂u2 ρu2 ∂ρ u j i + uj i 2 ∂x j 2 ∂x j
67

= ...

aglutinando–se as derivadas de produto e escrevendo também o lado direito, temos:

∂τi j ∂ 1 2 1 ∂ (u j ρu2 ) = ρui gi + ui . ( ρ ui ) + i ∂t 2 ∂x j 2 ∂x j
1 Na equação 72 podemos reconhecer a energia cinética por unidade de volume como E = 2 ρu2 , e portanto: i

(72)

∂E + ∇ • (uE) = ρu • g + u • (∇ • τ) ∂t
Há vários aspectos importantes da equação 73 que devem ser notados:

(73)

• na ausência de forças o lado direito se anula e temos uma equação de conservação como as que vimos no início do curso; • o segundo termo é a divergência do fluxo de energia cinética e quantifica a advecção de energia em um ponto; • O último termo representa o trabalho feito pelas forças de superfície e portanto o trabalho de deformação que está relacionado à dissipação viscosa.

12.1.1 Revendo a 1a Lei da Termodinâmica Da primeira lei da termodinâmica deduz–se a equação da energia armazenada que é a soma das energias mecânica e térmica. Ela estabelece que “a taxa de variação da energia armazenada é igual à soma do trabalho realizado e do calor adicionado a um volume material”. Isto se traduz matemáticamente como:

D Dt

Z

1 ρ(e + u2 ) dV = 2 i V

Z

V

ρui gi dV

+

Z

A

τi j ui dA j

Z

A

qi dAi

(74)

var. energia armazenada

trab. forças corpo

trab. forças superfície

fluxo superf. calor

A forma diferencial da equação 74 é derivada utilizando–se as propriedades das derivadas temporais das integrais de volume (teorema de Leibnitz) vistos anteriormente e também o teorema de Gauss. O resultado final é a equação de conservação da energia para um ponto, onde vemos explicitamente a conexão entre energia mecânica e energia térmica:

ρ

1 ∂ D (e + u2 ) = ρui gi + (τi j ui ) − ∂qi ∂xi . i Dt 2 ∂x j

(75)

Os termos em e (energia interna) e q (fluxo de calor pela superfície) se referem à energia térmica e os demais à energia mecânica. Se subtrairmos a equação da energia mecânica da equação 75, obtemos a equação da conservação do calor ou da energia térmica:

ρ

De Dt

=

−∇ • q
convergência de calor

− p(∇ • u) +
compressão

φ dissipação viscosa

(76)

var. energia interna

68

A convergência de calor é o termo dominante em comparação com o trabalho de compressão e com a dissipação viscosa. Embora as pressões no oceano abissal grandes, o divergente do fluxo é muito pequeno; em outras palavras, os elementos de volume não sofrem grandes variações de pressão pois o movimento se dá majoritáriamente na horizontal. A geração de calor por atrito ou dissipação viscosa é extremamente pequena no oceano, mesmo se considerarmos que o fluxo é turbulento e adotarmos um coeficiente de atrito apropriado. É importante esclarecer que embora não esteja explícito na dedução, a conservação do calor assume implicitamente a conservação de massa. Isto tem consequências práticas quando, por exemplo, tentamos estimar o transporte de calor nos oceanos. É necessário assegurar que a massa se conserva no sistema onde o transporte de calor está sendo estimado. 12.1.2 Revendo a 2a Lei da Termodinâmica A segunda lei da termodinâmica essencialmente estabelece que existe a entropia (S), uma entidade que quantifica o grau de inhomogeneidade macroscópica do sistema, e que em um sistema isolado esta entropia nunca diminui. Da termodinâmica temos que:

T dS = de + pdV = de +

p dρ ρ2

e portanto, seguindo uma partícula temos:

T

DS De p = + 2 DρDt. Dt Dt ρ

(77)

Utilizando a equação 76 e a da continuidade, da equação 77 podemos deduzir a equação da produção de entropia:

1 ∂qi φ DS = + Dt T ∂t T φ DS ∂ qi qi ∂T ρ + = − 2 Dt ∂t T T ∂xi T ρ

(78)

utilizando q = −k∇T em 78 temos:

ρ

DS Dt

= −∇ •

q T

+

φ k (∇ • T ) 2 + 2 T T
produção de entropia

(79)

var. da entropia

converg. calor

O termo da convergência de calor se refere a processos reversíveis, pois não envolve condutividade térmica. Os últimos dois termos tratam dos processos irreversíveis, que geram entropia por condução de calor (penúltimo termo, em k) e por dissipação viscosa. A segunda lei da termodinâmica garante que os dois últimos termos sejam positivos. 69

12.2 Equação de Bernoulli
A equação de Bernoulli é uma consequência da conservação de momentum com muitas aplicações práticas pois relaciona pressão, velocidade e densidade em uma fórmula relativamente simples. Há várias formas da equação de Bernoulli, dependendo da complexidade do sistema a ser analisado i.e. se o fluido é compressível, se o fluxo varia com o tempo, etc.. Considere a equação 61:

ρ

∂u + ρu(∇ • u) = ρ g − ∇p + µ∇2 u. ∂t

quando o fluxo for irrotacional e incompressível podemos fazer duas simplificações importantes. 1. Considere o termo em µ, que representa as forças viscosas. Utilizando–se a identidade vetorial:

∇2 u = ∇(

=0 incompr.

∇•u

) − ∇ × ( ∇ × u ),
=0 irrot.

portanto as condições de irrotacionalidade e incompressibilidade equivalem à ausência de viscosidade e o último termo se anula. 2. Considere o termo advectivo da derivada material e a seguinte identidade vetorial

u (∇ • u) =
Desta forma ficamos com:

=∇(u•u)

∇u2 ) − u × ( ∇ × u ).
=0 irrot.

ρ
e se o fluxo for estacionário, resta apenas

∂u + ρ∇u2 = ρ g − ∇p ∂t

ρ∇u2 = ρ g − ∇p.
Sendo que se reescrevermos o termo das forças de corpo como um gradiente podemos agrupar tudo dentro de um mesmo gradiente:

ρu2 + ρ g z + p = 0, 2

para que o gradiente seja sempre nulo, seu argumento deve ser constante, ou seja, sendo B uma constante, etmos aqui a equação de Bernoulli:

ρu2 + ρ g z + p = B. 2

(80)

A aplicação mais famosa da equação 80 é o tubo de Pitot, que serve para medir a velocidade de um fluxo. Este é aquele tubinho na extremidade da asa esquerda dos aviões antigos (da segunda guerra mundial). Considere o fluxo dentro de um cano de água, constante no tempo, irrotacional e incompressível, ilustrado na figura 50:

70

z

h1

h2

v 1

v2

Figura 50: No ponto 1 a velocidade do fluxo é v e no ponto 2 ela ’e zero, pois está na entrada do tubo que contém um fluido em repouso. Essencialmente, estamos equilibrando a energia cinética e a potencial dentro to tubo 2. Aplicando–se a equação de Bernoulli aos pontos 1 e 2 na figura 50 temos:

ρu2 ρu2 2 1 + ρ g z1 + p1 = + ρ g z2 + p2 2 2
onde z1 e z2 são as alturas dos pontos 1 e 2. A velocidade no ponto 1 é v e no ponto 2 a velocidade é zero. Da hidrostática, p = ρgz e como z1 = z2 temos:

ρv2 + ρgh1 = ρgh2 2
portanto

v =

2(p2 − p1 ) = ρ

2g(h2 − h1 )

71

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->