P. 1
COLETANEA - POEMAS E POESIAS - CONSCIÊNCIA NEGRA PROFº EDUARDO ROHLING

COLETANEA - POEMAS E POESIAS - CONSCIÊNCIA NEGRA PROFº EDUARDO ROHLING

3.5

|Views: 84.300|Likes:
Publicado poreduardorohling

More info:

Categories:Types, Brochures
Published by: eduardorohling on Oct 16, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/12/2015

pdf

text

original

Num mundo de competição e individualismo, a diferença é motivo de discriminação e dominação.

Num mundo de solidariedade, a diferença é motivo de enriquecimento e complementação. O caminho é distante? Quando sabemos a direção, basta caminhar. Neste Dia da Consciência Negra, 20 de novembro, não vamos perder a oportunidade de dar mais um passo.

CONSCIÊNCIA NEGRA Chega de racismo De história mal contada Chega de hipocrisia De mentira esfarrapada Esse preconceito infeliz Que por aí diz Que negro não vale nada. O negro também precisa Ser privilegiado Chega de arrogância Branco tenha cuidado Com o preconceito em alta Pois quem muito se exalta É sempre humilhado. Preto, branco e mulato Vamos nos unir O preconceito é horrível E não é para existir Já que todos somos irmãos Essa grande nação Espalhada por aí. A consciência negra Quer exatamente Provar que somos iguais E não diferentes São lutas populares Como as de Zumbi dos Palmares Que morreu pela sua gente. É preciso desde já Com amor todo gentil Acabar com o preconceito E ver em nosso Brasil O negro sorrindo tanto Como a Daiane dos Santos, Pelé e Gilberto Gil. de Francisco Carneiro Barbosa Trairi - CE - por carta AINDA SOMOS ESCRAVOS Cada símbolo cada gesto Cada momento em ação Esse é o espaço da gente

Demolir a escravidão Que ainda corrói agente Falar de consciência negra Não é coisa tão banal É um jeito diferente De se questionar Não queremos troféu Só que saia do papel Leis que protegem a gente 20 de novembro É uma data especial Para juntos refletirmos A indiferença social Cada irmão em seu dever Juntos combater Essa questão racial Dia da consciência negra É símbolo de luta e liberdade Que nossas mãos não se cansem Nossa voz não se cale Devemos ter na memória Se guiemos as mesmas trilhas Do nosso herói zumbi Modelo da igualdade Nosso povo nossa gente Nossos heróis nossos irmãos Deu a vida pelos seus Não queria guerra não Só queria ser mais gente Viver a vida decente Sem chicote, sem grilhões A cada canto da terra Há uma senzala, um porão Há um engenho, um tronco Um negro é chicoteado Há um feitor de plantão Cada hora cada minuto Cada momento em vão Um irmão é tombado acho Cada momento é cruel Uma mulher é estuprada Morta violentada Essa é a triste questão Essa tal desigualdade Parece não ter solução Já não podemos aceitar Tanta discriminação Chega de hipocrisia Queremos mais respeito

Nossa cidadania. de Maria da Conceição Amparo Alves Ipiaú - BA - por correio eletrônico OPOSTOS Há opostos que se atraem comprovadamente, o positivo e o negativo o dia e a noite, a sombra e a luz, o giz e o carvão o leite e o café. Como dizia o escritor Pedro Bandeira, somos todos muito diferentes, mas dependemos um do outro. Para vivermos não dependemos de nossas cores e sim do propósito de nossas vidas. de Amanda Carolina Lopes do Couto Tombos - MG - por correio eletrônico IGUALDADE Nem sempre o negro gosta da sua cor, mas como podemos ver que muitas coisas combinam entre o preto e o branco. O arroz e o feijão que dá um colorido em nosso prato. O cacau e o chocolate e que delícia! Tanto o branco quanto o preto. O céu à noite com as estrelas cintilantes. O carvão e a fumaça. E é assim que todos devem pensar, que tudo na vida tem com o que combinar. de Cristiane Lourenço Bernardo

Tombos - MG - por correio eletrônico CONDIÇÃO RACIAL Quebre os grilhões E receba os medalhões. Este é o assunto do momento A luta pela cota da razão Baseado na divisão da cota racial. Meu irmão não divida a sociedade Neste tema ficcional Os limites precisam ser quebrados Quebre os limites E sente-se no topo Da cadeia social. Preconceito é feio Puxa o freio Para este assunto da chacota nacional Não seja racista Nem egoísta No momento da divisão percentual. Lá se vão às cores E todos os valores Estamos acima da condição racial Somos o resultado Da nossa condição natural. Grite! Sente-se com a elite Vença o limite Sem depender de cota racial. de Cesar Moura por correio eletrônico SER NEGRO É SER Ser negro é ter a pele pintada de dor e beleza. É ter consciência de que consciência, ainda não existe. Ser negro é ser dono da alegria, e generosamente

dividi-la entre os filhos do preconceito. Ser negro é ser brasileiro duas vezes. É gritar não aos nãos da vida. Ser negro é ter a liberdade disfarçada de alma. Ser negro é ser. de Sintia Regina de Lima e Lira Planaltina - DF - por correio eletrônico ZUMBI, REI E POVO Nas senzalas os negros escravos viviam em condições desumanas... Trabalhavam o dia inteiro e no momento de dormir eram amontoados uns em cima dos outros. As vestimentas tão surradas, Não sabiam decifrar as letras, não entendiam de geometria, nem tão pouco as ciências, comiam qualquer coisa sem direitos civis. Os Negros assim seguiam sua saga até aparecer entre eles, Zumbi dos Palmares aquele que fez das senzalas, salas de reunião, pela libertação de seu povo, que lutou até o fim por justiça, que derramou seu suor e seu sangue precioso em favor dos irmãos Zumbi, aquele que foi rei e foi povo, que foi povo e foi rei, que não foi Jesus Cristo mas queria um mundo mais

justo. Zumbi Dos Palmares a Honra de uma nação. de Nadja Araújo da Silva Serrolândia - BA - por correio eletrônico SOU NEGRO, QUERO LIBERDADE Das veias D’África o negro saiu Deixando pra trás mulheres e crianças Os quais jamais os veria outra vez Na sua bagagem apenas lembranças De um tempo que não volta mais Pra terras distantes em mares navegou Caminhos abertos em alto mar Feridas na alma Pra não mais fechar Presos e acorrentados Muitas lágrimas e gemidos Açoitados e castigados Nas senzalas machucados e feridos Hoje luto por igualdade Nas senzalas da sociedade Porque sou cidadão Quero liberdade. de Cledineia Carvalho Santos Jaguaquara - BA - por correio eletrônico CONSEQÜÊNCIA? NÃO! CONSCIÊNCIA Meu amigo... Meu irmão! Ser honesto

e encontrar um lugar ao sol Não é fácil, não! E se for afro, então?! Pra qualquer povo ou raça Com Deus, com fé, com esperança Há! E com muita perseverança. Mesmo que seja negro Com atitude otimista alcança. Nunca valorize o negativo Não valorize um "não” É apenas um não. Quando isso acontecer Duvide! Critique! Determine! Busque o sim... A solução É isso aí meu irmão! de Aparecida dos Santos Andrade Amaporã - PR - por correio eletrônico ASCENSÃO DO NEGRO NO BRASIL Os negros vieram da África Para no Brasil trabalhar Arrancados de suas terras Sem direito a opinar. Transportados em navios Acorrentados e maltratados Chegaram a nossa terra Para serem escravizados. A situação no Brasil Em nada melhorou Trabalhando sem descanso Obedecendo ao feitor. Começaram a se rebelar Muita luta aconteceu Após anos de agrura A liberdade apareceu.

Finalmente a esperança O seu valor é reconhecido Com a lei 10.639 O negro se sente incluído. de Rivannilde Madalena Salomão Cordeiros - BA - por correio eletrônico AMA DE LEITE Venderam o meu sonho Venderam o amor Venderam meu sorriso Venderam minha dor Vendido em leilão Moendo em moinho Plantei meu suor Reguei com o meu sangue Meu sonho maior Meu corpo bonito Minha bela cor O filho no ventre Pertencem ao senhor Filho nos braços Foste arrancado Vendido em leilão Praças e mercados Gritos e gemidos Lágrimas roladas ao chão Leite esbanjado Serve ao filho patrão Dança, minha negra, dança Ao som dos tambores Grita, minha negra, grita Grita teus clamores Canta, minha negra, canta, Que alguém há de te escutar Dança, minha negra, dança Que a liberdade virá. de Maria da Conceição do Amparo Alves Ipiaú - BA - por correio eletrônico SEM VOLTA Ser arrancado dos seus, sem direito de chorar uns já tendo até filhos sem o direito de amar

sabendo que não vão poder ver seu filho amado crescer só viram quando corriam compartilhando a agonia de ver seus pais açoitados sendo presos acorrentados tratados como animais o que eles não sabiam por ser tão pequeninos é que aquela seria a última vez que eles viam e nem sequer podiam sentir um último carinho. de Inácia Santos por correio eletrônico MÃE ÁFRICA Com certeza, fostes o berço da humanidade, Em minhas veias, ainda corre o teu sangue. Teus filhos foram arrancados com maldades E ainda o teu rico solo é regado com sangue. Tuas raízes históricas são ricas e milenares, Da humanidade, és patrimônio rico e natural, Pelas tuas diversidades culturais e valores, Há a cobiça do capitalismo descomunal. És negra e original na riqueza da tua pele, E os teus filhos ainda lutam pela liberdade, Repudiando o capitalismo sujo da maldade. Mãe negra, dividida e palco de exploração, És rica não precisando de ofertas e esmolas, Por direito e justiça é necessário reparação. de Everaldo Cerqueira

Salvador - BA - por correio eletrônico DISCRIMINAÇÃO RELIGIOSA Epa baba ifá! Queria falar de esperança Que fosse sem discriminação Dá-me então Orunmilá Referencial de anjos Que não sejam somente ocidentais Pra eu poder, quando chegar perto de ti, Sentir que também faço parte de teu céu Sinto-me só, Orunmilá! Sintome só! Como negro de orfanato Que todo mundo olha e quase ninguém quer! Os anjos deveriam parecer com Ósúnmaré De todas as cores, mas cor preta também! *Epa baba ifá - Saudações *Órunmilá - Deus do destino *Ósunmaré - Deusa do arcoíris. de Jeremias Brasileiro Uberlândia - MG - por correio eletrônico SOU NEGRO PORQUE ENCARO MINHAS ORIGENS Não precisa ter cor, nem raça, nem etnia. É preciso amar É preciso respeitar Não sou negro porque minha pele é negra Não sou negro porque tenho cabelo embolado de “pixain” Não sou negro porque danço a capoeira Não sou negro porque vivo África Não sou negro porque canto

reggae. No sou negro porque tenho o candomblé como minha religião Não sou negro porque tenho Zumbi como um dos mártires da nossa raça. Não sou negro porque grito por liberdade Não sou negro porque declamo Navio Negreiro Não sou negro porque gosto das músicas de Edson Gomes, Margareth Menezes ou Cidade Negra. Não sou negro porque venho do gueto. Não sou negro porque defendo as idéias e Nelson Mandela Não sou negro porque conheço os rituais afro. Sou negro porque sou filho da natureza Tenho o direito de ser livre. Sou negro porque sei encarar e reconhecer as minhas origens. Sou negro porque sou cidadão. Porque sou gente. Sou negro porque sou lágrimas Sou negro porque sou água e pedra. Sou negro porque amo e sou amado Sou negro porque sou palco, mas também sou platéia. Sou negro porque meu coração se aperta Desperta, Deseja, Peleja por liberdade. Sou negro na igualdade do ser Para o bem à nossa nação. Porque acredito no valor de ser livre Porque acredito na força do meu sangue numa canção que jamais será calada. Sou negro porque a minha energia vem do meu coração. E a minha alma jamais se entrega não. Sou negro porque a noite sempre virá antecedendo o alvorecer de um novo dia. Acreditando num povo afrodescendente que ACORDA,

LEVANTA E LUTA. de Genivaldo Pereira dos Santos Floresta Azul - BA - por correio eletrônico MENINO DE COR Sou defensor de minha raça, De minha cor, de minha cultura De meu povo. Se defendo meu ideais, É por que cresci sendo chamado de menino de cor, É por que não tenho mais medo As ofensas, deixei pra trás Junto com a recusa e o desrespeito por minha cor. Se defendo minha cultura, É por que, como menino de cor Me tornei rapaz de cor E hoje sou um homem de cor É porque sigo de cabeça erguida cantando o ilê aiê. Viva o negro trabalhador... Que em seu canto sedutor Ouve agora o meu cantar. Se saio agora do anonimato E sou reconhecido pelo meu nome É por que conquistei o meu lugar E enfim serei lembrado, Mas sempre me orgulharei De ter a minha cor. de José Sérgio Costa Ubaitaba - BA - por correio eletrônico SEBASTIÃO Nasci desta cor, não fui eu que escolhi, Não pedi pra ser preto, não dependeu de mim;

Foi a mãe natureza quem fez a escolha, a opção; Podia ter sido você, já pensou nisso, por que não? Pois me chamam “negão,” “tição,” até mesmo de “carvão”, Uns nem se incomodam de meu nome não saber, Pra que nome? Se apelido é mais fácil, difícil esquecer. Vivo e convivo com as piadas, a gozação sem sentido para mim, Sem motivo para eles, apenas diversão. Destas pessoas sem brios, sem alma, nem coração. Pois sou negro nato, não sou mulato, sou puro de pai e mãe, Descendentes do Sudão, sou preto e sem preconceito, goste de mim quem quiser, Me faça entender você que ainda não sabe o que quer, Que vive em um passado que há muito já se foi, Um tempo de desgraças, de aflição do meu povo. Agora, grito de novo suplicando liberdade, procurando nas pessoas, Os traços da igualdade Que fazem de uma Nação sua força, seu patrimônio. O povo, o ser Humano. Tanto faz a cor que tem, pois é a ele que convém Escrever a sua história e a mudá-la também. Cabe-nos, porém, mudar todo este conceito, Para que nem nas piadas esbraveje o preconceito fantasiado de alegria, Demonstrando a hipocrisia que o povo ainda tem. Sou negão, não sou mulato, sou negro nato e meu nome é... de Wilmar Gama de Souza Camaquã - RS - por correio eletrônico

NEGRO É FORÇA O negro veio da África Sem ter direito de escolha Não esqueceu sua prática Ensinando remédios de folhas. Trouxe consigo a cultura Que hoje aqui se apresenta Sua arte está na moldura Que a sua história sustenta. Ao Brasil deu identidade Mostrando sua força e valor Sofreu a pior crueldade Do país a quem tanto ensinou. de Adriano Souza Paraíso Ubaitaba - BA - por correio eletrônico CORAÇÃO NEGRO CHORA Encontrei outro dia um negro, Que estava a chorar. A partir destas lágrimas, Que comecei a pensar... O que há naquela pele que levou à escravidão? Será que essa cor é condenação? O negro ainda é visto com olhar inferior que me atenta. Concluo que é olhar de gente que não chega nem aos pés do que a cor representa. Representa luta, conquistas, raça. Negro é esperto, bonito, e tem olhar forte. Tão forte que identifica a desgraça do preconceito de pessoas sem porte. E a partir daquela lágrima, pude perceber Que o negro ainda sofre, por isso devemos saber:

Racismo é uma coisa inútil e deve o mais rápido morrer! de Ana Carla Campregher da Silva Registro - SP - por correio eletrônico NEGRO, NEGRITUDE Negro, negritude na vida, no sangue, no povo nos lábios do poeta, no artesanato nos focos da luz em sonhos na história da gente viva na marca dos que se foram nos olhos dos que o são Negro, negritude na consciência dos que têm nos porões da imanência na memória de Zumbi nos corpos negros da dança na culinária saborosa nas marcas da inteligência Negro, negritude na beleza da mulher negra nas cores incalculáveis nos rostos tão incansáveis nos labirintos do preconceito nas lembranças de dor e vitória na vida de nossa gente brasileira. de Rogério Medrado Barro Preto - BA - por correio eletrônico ISSO É SER NEGRO Dos porões para a vida. Do mundo para a história Isso é ser negro. Agora, quando nos oferecerem correntes Eu lhes mostrarei a liberdade, Plantarei a semente da igualdade E exterminarei as raízes do preconceito Por quê?

Porque não custa nada sonhar Porque essa realidade deve ser vista E vivida por nós negros que Construímos a história do Brasil Se hoje saio dos porões, saio De cabeça erguida, mesmo Sabendo que lá fora vai ser bem pior Se caminho para a vida, é porque Chegou o momento de dizer chega. E se entrei na história, É porque eles reconheceram, nossa importância. E agora irmãos, quando nos oferecem Correntes, eu lhes mostrarei a liberdade As minhas mãos sem calos, meu coração sem mágoas E minha mente sem preconceitos. de José Sérgio Costa Ubaitaba - BA - por correio eletrônico A ÁFRICA ESTÁ EM NÓS A discriminação racial Existe de todos os lados: De pardos, negros e escravos. Por que tanta desumanidade Se a África está em nós? O Brasil, segundo país Que a discriminação racial traz. Por que tanto preconceito? Vivemos num país Em que a tecnologia predomina. Por que tanta escravidão Se somos uma miscigenação? de Maria Aparecida Nunes São José do Belmonte - PE por carta FILHOS D´ÁFRICA

Criaturas nobres da mãe África, Jogados nos imundos porões, Dos tumbeiros para a América, Como animais sem corações... Nos desumanos e fétidos porões, Vivia-se com a cor da dor e horror, Na promessa de outras civilizações, Identificados pelo racismo da cor... Uns agonizantes na triste travessia, Ainda vivos eram lançados ao mar, Muitos se iam na diabólica fantasia... Ao chegarem na terra santa e prometida, Sob a égide marcada pela cruz e espada, Produziam para a aristocracia abastada... de Everaldo da Silva Cerqueira Salvador - BA - por correio eletrônico ALFORRIA Ouviu-se distante Um som estridente Sem dúvida, um grito, Angustiado e reverente... Uma voz de súplica, De desespero e terror Cuja intenção na noite Era demonstrar a dor! Chegando a ser sinistro Aquele grito ecoou E na noite vazia de nuvens Como um bicho noturno voou.

Estremecendo as estrelas, Em meio à agonia, No tronco, uma negra escrava implorava Pela carta de alforria! de Fernanda Lisboa Candiba - BA - por carta TODAS AS CORES Todas as cores refletem A beleza dos seres, das coisas Paisagens, personagens, animados, inanimados Fundamentais na construção do mundo Como um imenso mosaico multicor Que esbanja graça, luz,essência do amor Negra, negro, raça e liberdade Consciência de lutar do desigual pra igualdade Sem se prender ao medo, ao mito, aos ismos A vida é muito mais, o ser bem mais ainda A cor é um detalhe, o ser é uma escolha O importante é se integrar no universo E se revelar como artesão da vida Manufatura de esperança, arte viva Espelho interior, brilho transcendente Passado que quase beira o futuro Mas não sai do presente Salve a luta e a dignidade Salvem as riquezas das cores Os ancestrais,os que já se foram ... Engrandeçam os valores Luz, cor, sonho, poesia Axé da vida, benção da alegria A música mais bela sempre terá Notas que cantam a liberdade

Porque a vida baila no palco onde brilha o sol... E a primavera é sempre esperada. de Luiz Claudio Bezerra Costa Ribeirão Pires - SP - por correio eletrônico MINHA DOR E VIDA Sou negro Sou gente Que dá jeito e que constrói. Fizeram de mim Injustiças migrações que não pude caminhar E sim, apanhar. Amor de mãe, que tive. Sendo escrava, ela me disse. Amamentou o filho do branco. Fraca, sofrida e dando a vida. Lá vou eu... Derramando o meu sangue por toda essa terra Que eu ajudei. Tiraram nossas vidas. Espancaram-me de dor Com essa violenta burguesia Somos sem valor. Hoje sou discriminado, Não sou aceito, Não tenho valor no cargo, E sou marginalizado. Vivo sofrendo, Sempre escutando e sem alegria No dia-a-dia. Quero romper. Criar asas e voar. Unidos iremos formar Liberdade irá conquistar. Formaremos a vida pura

Formando a nossa cultura, Nossa organização e nosso futuro. Meu corpo cansado e torturado, Mas não fracassado Pra lutar e se unir Sempre ao teu lado. Tenho tanto amor. Como tenho valor, O sistema é contra nós porque nos deve favor. Vamos levantar as mãos Dando grito para libertação De dentro e fora do coração Formamos essa nação. É muito bonito quando a gente vai à luta Pra esse povo humilde que sofre escravidão. Hoje, multiplicaremos a união, Para que haja libertação Dessa raça negra que sofre escravidão. de Gilberto Soares da Silva Montanhas - RN - por correio eletrônico NEGRO É ISSO AÍ Negro, semente africana jogada em terras brasileiras! Negro, germinou força, fez crescer a união e produziu trabalho! Negro, marcado em brasa, maltratado na senzala, sedento e faminto! Negro, acorrentado, chicoteado, derramando suor e sangue! Negro, fugindo para o quilombo por não suportar tanta dor! Negro, homem de fé e

esperança, sonhando com justiça e liberdade! Negro: monumento de fortaleza, retrato da beleza, inspiração da nostalgia, morada da saudade, espelho da fraternidade, voz que implora por igualdade, cor destaque da humanidade! de Maria do Carmo da S. Santos Mutuipe - BA - por carta RECORDAR E SENTIR Lá na mãe África Éramos reis, rainha, gente. Como com rolo compressor, Definiram-nos diferentes. E como animais ou sacos de batatas. Dos porões para o mundo, Imundo, desmundo... Comeram fogo, feito ratos, baratas... Aqui no país tropical Dos porões para o canavial. E do torrão, cada vez mais distante, Arrancaram tudo, Sua terra, sua gente... Arrancaram, separaram, Pisaram, humilharam, exploraram... Por mais de 300 anos, Foram infinitos os danos, Gente forte, gente brava, Não se entrega, dá às mãos. Forma cordão, não fica no chão. Salve Zumbi, Martin Luter King, Mandela... de Márcia Marcolina Santos de Freitas Santana Luis Eduardo Magalhães - BA - por carta

FILHOS DA ÁFRICA Tu, que do ventre da mãe África, Nasceste forte e liberto Tornando fecundas, as terras do deserto Tinhas a liberdade como tua meta. Por que te roubaram esta liberdade? Que lei criaram com esse direito? Por que ainda hoje há preconceito Da tua cor na sociedade? Por que os meios de comunicação, Nos seus filmes e novelas, Fazem da mulher negra: gerente de panela E do homem, motorista e guarda de portão? A Constituição, em um dos seus artigos, Garante a ti, direito de igualdade. Mas ainda existe na sociedade, Discriminações, desde os mais antigos. Vamos levar a todos, a conscientização De que, da tua cor (este pigmento) Não interfere no teu sentimento Nem nos teus direitos perante a nação. de Hélvia Callou Campina Grande - PB - por correio eletrônico ANJOS NEGROS As “pragas devastadoras”

invadiram a Diáspora, E embranqueceram nossa cultura. Transformaram em vovós e vovôs, Nossas iaiás e ioiôs. Instituíram um “bem” branco E um “mal” negro... Uma “paz” branca, E um “luto” negro... Almas brancas que vão pro céu, Almas negras, pro inferno. Deuses brancos que são benéficos, Deuses negros que são maléficos... Anjos brancos que são “cristos”, Anjos negros que são demônios. Chega!!! A negritude dá seu grito de desabafo! As crianças negras querem anjos da guarda negros. O povo negro quer magia negra. O povo negro quer cultura negra! Repudiamos sua prepotência, Repudiamos sua divisão racial, Repudiamos sua aquarela racista. Queremos anjos negros! Faremos um “bem negro”. Somos povo N E G R O!!!

De resistência à escravidão. Querem silenciar os atabaques A dança da negra gente, Que na força do Axé Sonha um Brasil diferente. Querem emudecer nosso grito De denúncia e indignação Contra o sistema corrupto Que gera miséria e opressão. Querem nos negar a terra, O pão, a dignidade, O direito de marchar Em busca de liberdade. Mas o sonho, a dança e o canto, Calados não serão, Pois é sonho de Olorum, O Deus da Libertação! de Arlekson Barreto Ramos Ilhéus - BA - por carta

de Shirley Pimentel de Souza Ibotirama - BA - por correio eletrônico SONHO DE DEUS Querem calar o poeta Que canta a libertação Que resgata a memória

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->