Você está na página 1de 56
CEETEPS CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO APOSTILA DE HIGIENE OCUPACIONAL Professor: Flávio Amorim Gomes

CEETEPS

CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

APOSTILA DE HIGIENE OCUPACIONAL

Professor:

Flávio Amorim Gomes de Araújo

VERSÃO 03

FEVEREIRO / 2008

INTRODUÇÃO

O Técnico em Segurança do Trabalho (TST) tem um campo muito amplo de atuação, não só por poder atuar nos

mais diversos tipos de atividades econômicas, principalmente nas industrias de transformação, mas também por atuarem, mesmo que numa determinada atividade econômica, em todas as áreas possíveis e com os mais diferentes níveis hierárquicos.

Nesta diversificação de atuação o TST tem uma missão muito importante, em conjunto com os demais componentes do SESMT e outros profissionais afins, que é o de antecipar e controlar os riscos originados nos ambientes de trabalho. Neste foco de atuação está a Higiene Ocupacional, ciência que cuida do ambiente de trabalho para prevenir doenças ou lesões nos trabalhadores, provenientes de atividades em ambientes de trabalho com calor, ruído, vibração, manuseio de substâncias químicas, bioaresóis, agrotóxicos, etc. É uma especialização de importância crescente, pois a conscientização de que o ambiente de trabalho não deve causar danos à saúde do trabalhador tem se imposto, infelizmente, à custa de muitas vidas. Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT) quase 2 em cada 3 trabalhadores no mundo inteiro estão expostos à substâncias químicas, estimando-se que 1,5 a 2 bilhões de pessoas são afetadas.

Os trabalhadores podem encontrar no ambiente de trabalho, devido à inalação de ar impróprio, situações muito perigosas. Por exemplo, respirar ar contaminado acima da chamada concentração Imediatamente Perigosa a Vida ou à Saúde (IPVS) (por exemplo: 1.500 ppm de monóxido de carbono; 50.000 ppm de gás carbônico, 500 ppm de gás sulfídrico) produzem efeitos agudos irreversíveis à saúde, ou até morte imediata, dependendo das circunstâncias. Inalar ar com deficiência de oxigênio produz as mesmas consequências quando a concentração do O 2 no ar cai abaixo de 12,5%, ao nível do mar (significa que a pressão parcial de O 2 no ar é menor que 95 mm de Hg), isto é, o ambiente também é considerado IPVS. Nestes casos a vítima perde a coordenação motora, tem a sua capacidade de julgamento muito reduzida e ocorrem lesões irreversíveis no coração e se não for resgatada imediatamente morrerá em alguns minutos. Mesmo resgatada, apresentará problemas de saúde pelo resto da vida, devidos as lesões cerebrais e no músculo cardíaco.

Devido à sua abrangência podem trabalhar com Higienista Ocupacional profissionais das mais diversas áreas do conhecimento (médicos do trabalho, enfermeiras do trabalho, físicos, biólogos, psicólogos e engenheiros químicos, etc.).

O título de Higienista Ocupacional é dado hoje num curso de pós-gradução, oferecido a profissionais de formação

superior em outras ciências correlatas, principalmente aos Engenheiros de Segurança do Trabalho e Médicos do Trabalho. Há também um órgão específico no Brasil para este tipo de profissional, a Associação Brasileira de Higienista Ocupacional – ABHO e ainda destacamos a ACGIH – American Conference of Governmental Industrial Hygyenists, órgão corresponde no EUA.

Neste módulo do curso, você futuro Técnico em Segurança do Trabalho, poderá iniciar o aprendizado nesta ciência e visualizar o seu papel, também de fundamental importância na prevenção dos riscos ambientais.

Fevereiro de 2008.

Flávio Amorim Gomes Araújo

Página 2 de 56

ÍNDICE

INTRODUÇÃO

02

ÍNDICE

03

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

04

UNIDADES DE MEDIDAS MAIS UTILIZADAS E SUAS PRINCIPAIS CONVERSÕES

05

CAPÍTULO I

INTRODUÇÃO A HIGIENE OCUPACIONAL

07

1. CONCEITOS INICIAIS

07

2. FASES DA HIGIENE OCUPACIONAL

07

3. AGENTES AMBIENTAIS

07

4. INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE

08

5. AVALIAÇÃO AMBIENTAL

09

6. VIAS DE PENETRAÇÃO NO ORGANISMO

10

7. MEDIDAS DE CONTROLE

10

8. PROCESSOS TRABALHISTAS

10

CAPÍTULO II

AGENTES FÍSICOS

11

1. RUÍDO

11

2. VIBRAÇÃO

28

3. PRESSÕES ANORMAIS

31

4. TEMPERATURAS EXTREMAS

32

 

4.1. CALOR

32

4.2. FRIO

36

5. RADIAÇÕES

38

5.1. RADIAÇÃO IONIZANTE

38

5.2. RADIAÇÃO NÃO-IONIZANTES

40

6. UMIDADE

41

CAPÍTULO III

AGENTES QUÍMICOS

42

1. INTRODUÇÃO E GENERALIDADES

42

2. AERODISPERSÓIDES

43

3. GASES E VAPORES

44

4. ESTUDO DE ALGUNS AGENTES QUÍMICOS

44

5. CLASSIFICAÇÃO DAS SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS

45

6. LEGISLAÇÃO PERTINENTE

45

7. AVALIAÇÃO DOS AGENTES QUÍMICOS

46

CAPÍTULO IV

AGENTES BIOLÓGICOS

54

1. INTRODUÇÃO

54

2. LEGISLAÇÃO PERTINENTE

54

3. AVALIAÇÃO DOS AGENTES BIOLÓGICOS

54

4. MEDIDAS DE CONTROLE

54

5. EFEITOS A SAÚDE

55

SUGESTÕES DE SITES PARA CONSULTA

56

BIBLIOGRAFIA UTILIZADA

56

Página 3 de 56

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

AAF – Análise de Árvore de Falhas

ABIQUIM – Associação Brasileira da Indústria Química

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas

ACGIH – American Conference of Governmental Industrial Hygyenists

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho

AIHA – American Industrial Hygiene Association

AMFE – Análise de Modos de Falhas e Efeitos

ARF – Análise de Risco de Função

ART – Análise de Risco de Tarefa

ASHRAE – Amercian Society of Heating Refrigerating and Air Conditioning Engineers

ASTM – American Society dor Testing Materials

BSI – British Standards Institution

CANPAT – Campanha Nacional de Prevenção de Acidentes do Trabalho

CAT – Comunicação de Acidente de Trabalho

CB – Corpo de Bombeiros

CCOHS – Canadian Centre for Occupational Health and Safety

CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CNEN – Comissão Nacional de Energia Nuclear

CPP – Código de Processo Penal

DSST – Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho

DRT – Delegacia Regional do Trabalho

EPA – Environmental Protection Agency

EPI – Equipamentos de Proteção Individual

EUA – Estados Unidos da América

FUNDACENTRO – Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho

HSE – Health and Safety Executive

IDLH – Immediate Dangerous to Life and Heath (concentração imediatamente perigosa à vida)

IEC – International Electrotechnical Commission

IMD – International Institute for Management Development

INMETRO – Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial

INRS – Institut National de Recherche et de Sécurité

INSS – Instituto Nacional do Seguro Social

ISSO – International Standart Organization

LTCAT – Laudo Técnico das Condições do Ambiente de Trabalho

MTE – Ministério do Trabalho e Emprego

NHO – Norma de Higiene Ocupacional (emitida pela Fundacentro)

NIOSH – National Institute for Occupational Safety and Health (EUA)

NIS – Nível de Intensidade Sonora

NPS – Nível de Pressão Sonora

NR – Norma Regulamentadora

NRR – Noise Reduction Rate (Nível de Redução do Ruído)

NRR sf – Noise Reduction Rate – self feet

OSHA – Occupational Safety and Health Administration (EUA)

OHSAS – Occupational Health and Safety Assessment Series

OIT – Organização Internacional do Trabalho

OMS – Organização Mundial da Saúde

PAIR – Perda Auditiva Induzida pelo Ruído

PAT – Programa de Alimentação do Trabalho

PIB – Produto Interno Bruto

PPP – Perfil Profissiográfico Previdenciário

SI – Sistema Internacional de Medidas

SINMETRO – Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial

SIT – Secretaria de Inspeção do Trabalho

SSO – Segurança e Saúde Ocupacional

STEL – Short Temperature Exposure Limit (limite de exposição para curta duração 15’ para 4 vezes ao

dias com intervalos mínimos de 60’) SUS – Serviço Único de Saúde

TLV – Threshold Limit Value

TLV-C – Threshold Limit Value – Ceiling (valor teto)

TWA – Time Weighted Average (média ponderada no tempo para 8h/dia)

Página 4 de 56

UNIDADES DE MEDIDAS MAIS UTILIZADAS E SUAS PRINCIPAIS CONVERSÕES

UNIDADES DE PESO

1 t = 1000 kg

1 kN = 101,97 kg

1 lb = 0,45 kg = 453,59 g

1 kg = 1000 g

1 g = 10 2 cg = 10 3 mg = 10 6 g = 10 9 ng

1 onça = 0,03 kg = 28,35 g

1 gr(grão) = 0,06 g = 64,8 mg

UNIDADES DE COMPRIMENTO

1 km = 1000 m

1 m = 10 dm = 10 2 cm = 10 3 mm = 10 6 m = 10 9 nm = 10 10 Å

1 nm = 10 -9 metro = 10 Å (Ångstroms) NANOMETRO (nm): um nano ("anão") metro é 1 milionésimo de milímetro. Por exemplo: para atingir a grossura de um cabelo, são necessários 100 mil deles (100nm). Com a abreviação nm o nanometro é uma unidade de medida de grandezas muito pequenas.

1 Å = 0,10 nm ÅNGSTROM (Å): unidade usada para medidas de comprimentos de onda de radiação eletromagnética. Um Ångstrom equivale a um centésimo milionésimo de um centímetro, ou seja, 0,00000001 centímetros. Este número tão pequeno também pode ser escrito como 1 x 10 -8 centímetros, se usarmos a chamada

notação científica. O Ångstrom é, realmente, uma unidade de medida bastante especial. Basta notarmos que uma folha de papel tem a espessura de, aproximadamente, 1.000.000 de Ångstrons. Temos também que 10.000 Ångstroms correspondem a 1 micron. Seu símbolo, Å, é uma homenagem ao físico sueco Ångstrom.

1 dm = 0,1 m

1 cm = 0,01 m MEDIDAS USADAS NOS EUA E INGLATERRA

1 mi (milha) = 1609,34 m = 1,61 km

1 ft (pé) = 304,8 mm = 30,48 cm = 0,3 m

1 mão = 101,6 mm = 10,16 cm

1 in (polegada – também é usual pol ou “) = 25,4 mm = 2,54 cm

1 linha = 2,12 mm MEDIDA NÁUTICA

1 milha náutica = 1,85 km = 1852 m

MEDIDAS ASTRONÔMICAS

1 pc (parsec) = 30.856.778.570.831,27 km

parsec (p.c.): unidade de distância frequentemente usada na Astronomia para medir distâncias a estrelas

e galáxias. Ela é definida como a distância na qual um objeto celeste, como por exemplo, uma estrela, teria uma paralaxe de um segundo de arco. O parsec corresponde a 206265 unidades astronomicas e a

3,26 anos-luz. Isto significa que um parsec = 3,085678 x 10

1 kiloparsec = 1 kpc = 1000 parsecs = 10

1 megaparsec = 1 Mpc = 1 milhão de parsecs = 10 6 pc

13

km = 3,08 x 10 18 cm.

3

pc

1 ano-luz = 9.460.523.129.086,95 km

ano-luz (a.l.): unidade de distância usada na Astronomia. Ela corresponde à distância que a luz é capaz de viajar durante um ano no vácuo. Um ano-luz equivale a 9460530000000 km (aproximadamente 9500 bilhões de quilômetros!). Usando a notação científica, escrevemos que 1 ano-luz = 9,46053 x 10 12 km. Em termos de unidades astronômicas (UA) um ano-luz é igual a 63239 UA. Um ano-luz também equivale

a 0,3066 parsecs. Em termos de paralaxe, um ano-luz coresponde a uma paralaxe de 3,259 segundos de arco.

1 ae ou ua (unidade astronômica) = 149597828.68 km unidade astronômica (u.a.): medida de distância usada em Astronomia. A unidade astronomica é definida como a distância média entre a Terra e o Sol. Uma unidade astronômica equivale a 149597870,691 km. Em geral consideramos que a distância aproximada entre a Terra e o Sol (ou seja, uma unidade astronômica) é igual a 150 milhões de quilômetros, aproximadamente 500 segundos-luz. Um feixe de luz leva aproximadamente 8,3 minutos para viajar uma unidade astronomica.

Página 5 de 56

UNIDADES DE TEMPERATURA 1ºK (kelvin) = - 271,87ºC

1ºF (fahrenheit) = - 17,22ºC 1ºR (reaumur) = 1,25ºC

1 Rankine = - 271,9

UNIDADES DE ÁREA

1 km 2 = 10 6 m 2 = 100 ha

1 ha (hectare) = 104 m 2

1 m 2 = 10

UNIDADES DE ÁREA – EUA / INGLATERRA

1 município = 93,24 km 2

1 granja = 0,65 km 2 = 647496,87 m 2

1 acre = 4046,85 m 2

1 quadrado = 9,29 m 2

1 ft

1 in 2 = 645,16 m 2

2

dm 2 = 10 6 mm 2 = 10 12 m 2 = 10 18 nm²

2

= 0,09 m 2 = 92903,04 m 2

UNIDADES DE ENERGIA

1 kWh = 3599999.71 J

1 pé-libra = 1,36 J

1 kcal = 4186,8 J = 1000 cal

1 cal = 4,19 J

1 J = 6241506000000000000 eV = 6,241506 1x 10 18

Elétron-Volt (e.V.): é a energia adquirida por um elétron quando acelerado através de uma diferença de potencial de 1 volt. Unidades muito usada pelos físicos de partículas elementares:

(keV): 1

keV = 10 3 e.V.; (MeV): 1 MeV = 10

6

e.V.; (GeV): 1 GeV = 10 9 e.V.; (TeV): 1 TeV = 10 12 e.V.

UNIDADES DE PRESSÃO

1 bar = 10 5 Pa = 1,02 kg/cm

1 kg/cm 2 = 0,1 MPa = 0,98 bar = 10000 kg/m

1 kg/m 2 = 9,81 Pa

1 Mpa = 10 6 Pa

1 Pa = 0,1 kg/m

1 mH 2 O = 0,01MPa = 0,1bar = 0,1kg/cm 2 = 9,81kPA = 999,97kg/m 2 = 9806,38Pa = 39,37inH 2 O = 100cmH 2 O =

0,1atm

2 = 10197,16 kg/m 2 = 10,2 mH 2 O = 0,99 atm

2

= 98066,52 Pa = 10 mH 2 O = 0,97 atm

2

UNIDADES DE VELOCIDADE

1 km/s = 1000 m/s = 3600 km/h = 1943,85 knot(nó) = 0,62 milha/s = 3280,84 pé/s = 1943,85 nó

1 m/s = 3,6 km/h = 2,24 milha/h = 3,28 pá/s = 1,94 nó

1 km//h = 0,28 m/s = 0,62 milha/h = 0,91 pé/s = 0,54 nó

1 nó = 0,51 m/s = 1,85 km/h = 1,15 milha/h = 1,69 pé/s

1 ano = 12 meses = 52 semanas = 635,25 dias = 8766 horas = 525960 minuto

1 minuto = 60 segundos

1 segundo = 10 3 ms = 10 3 m = 10 9 nm

UNIDADES DE VOLUME

1 km 3 = 10 9 m 3

1 m 3 = 1000 l = 1000000ml = 6,11 barril = 28,38 bu(alqueire) = 113,51 pk(bique) = 227,02 gal(galão) = 908,08

qt(quarto) = 1816,17 pt(quartilho) = 1,31 yd

1 litro = 1 dm 3 = 1000 cm 3

colheres de sopa = 200 colheres de chá = 4,23 xícaras

1 ml = 1 cm 3 = 1000 mm 3 = 1000 l = 0,07 colheres de sopa = 0,2 colheres de chá

= 1000 ml = 1000000 mm 3 = 0,01 barril = 0,03 bu(alqueire) = 0,04 ft 3 = 0,23 gal = 66,67

3

(terreno cúbico) = 8,65 barril = 35,31 ft

3

(pé cúbico)

UNIDADES DE TAMANHO ANGULAR

GRAU (

círculo inteiro tem 360 graus.

MINUTO DE ARCO (

grau ou seja, 30 minutos de arco.

SEGUNDO DE ARCO (

o ): o tamanho de um objeto no céu pode ser medido pelo ângulo que ele cobre quando visto da Terra. O

'):

um minuto de arco é 1/60 de um grau. O diametro da Lua cheia é aproximadamente 1/2

"):um

segundo de arco é 1/60 de um minuto de arco ou então 1/3600 de um grau.

Página 6 de 56

CAPÍTULO I

INTRODUÇÃO A HIGIENE OCUPACIONAL

1. CONCEITOS INICIAIS

ACIDENTE DO TRABALHO: Decreto-Lei nº 79.037, de 24/12/76 – Regulamento do Seguro de Acidentes do Trabalho. Artigo 2º - Acidente do Trabalho é aquele que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que causa a morte ou a perda, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho. Do ponto de vista prevencionista, entretanto, essa definição não é satisfatória, pois o acidente é definido em função de suas conseqüências sobre o homem, ou seja, as lesões perturbações ou doenças. Visando a sua prevenção, o acidente do trabalho, deve ser definido como “qualquer ocorrência que interfere no andamento normal do trabalho”, mesmo que não cause lesão. DOENÇA OCUPACIONAL: também pode ser chamada de doença do trabalho ou doença profissional. Equipara-se ao acidente do trabalho. É causada geralmente por um agente ambiental agressor. Suas lesões são muitas vezes de difícil percepção, por serem mediatas. Daí a importância de um PCMSO eficaz

e os exames médicos periódicos. Exemplos: surdez, pneumoconioses, lombalgia.

HIGIENE OCUPACIONAL: é a ciência que visa à antecipação (prevenção), reconhecimento, avaliação, monitoramento e controle dos agentes ambientais presentes ou originados nos ambientes de trabalho, que podem prejudicar a saúde e o bem estar dos trabalhadores e/ou comunidade. Higiene Ocupacional é um conjunto de ciências e tecnologias que buscam a prevenção e o controle da exposição ocupacional aos riscos ambientais. Sua ação é de caráter multidisciplinar e seu objetivo básico envolve a identificação, o estudo, as avaliações e o gerenciamento dos riscos químicos, físicos e biológicos presentes nos locais de trabalho.

2. FASES DA HIGIENE OCUPACIONAL

ANTECIPAÇÃO: identifica os riscos que poderão ocorrer, no ambiente de trabalho, ainda na fase de projeto, instalação, ampliação, modificação ou substituição de equipamento ou processos prevendo os riscos futuros. Esta etapa é qualitativa, podendo estar associada ao tipo de trabalho executado através das técnicas modernas de análise de riscos; RECONHECIMENTO: preocupa-se com os riscos presentes, avaliando profundamente o processo, matérias primas, produtos intermediários e finais, condições de processo, métodos de trabalho e equipamentos. Esta etapa é qualitativa, podendo estar associada ao tipo de trablaho executado na elaboração do PPRA, mapa de riscos ambientais ou técnicas modernas de análise de riscos; AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO: a NR-15 está relacionada diretamente com esta etapa, que se destina

a quantificar, periodicamente, os agentes agressivos identificados nas fases anteriores, utilizando, para isso, intrumentação e metodologias adequadas que possam concluir se a exposição do trabalhador encontra-se acima dos limites de tolerância estabelecidos; CONTROLE E MELHORIA CONTÍNUA: após a avaliação é importante que se estabeleçam procedimentos necessários para garantir que o agente não chegue a valores mais agressivos, nesta fase deve-se também procurar a melhoria do processo a fim de se identificar valores ainda menos agressivos, devendo termos em mente sempre os princípios de controle, em primeiro lugar o controle na fonte, depois o controle na trajetória, em último caso o controle no trabalhador.

3. AGENTES AMBIENTAIS

São os riscos presentes nos locais de trabalho, capazes de afetar a saúde do trabalhador, devido à presença de agentes físicos, químicos, biológicos, mecânicos ou ergonômicos.

A Portaria nº 25 de 29/12/94 alterou o texto da NR-09 e criou o PPRA, que na sua redação define:

AGENTES NOCIVOS: item 9.1.5 da NR-9: consideram-se riscos ambientais os agentes físicos, químicos e biológicos existentes nos ambientes de trabalho que, em função de sua natureza, concentração ou intensidade e tempo de exposição, são capazes de causar danos à saúde do trabalhador. AGENTES FÍSICOS: item 9.1.5.1: consideram-se agentes físicos, diversas formas, de energia a que possam estar expostos os trabalhadores, tais como ruído, vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas, radiações ionizantes, radiações não ionizantes bem como o infra-som e ultra-som. AGENTES QUÍMICOS: item 9.1.5.2.: consideram-se agentes químicos as substâncias, compostos ou produtos que possam penetrar no organismo pela via respiratória, na forma de poeiras, fumos, névoas, neblinas, gases ou vapores, ou que, pela natureza da atividade de exposição, possam ter contato ou ser absorvidos pelo organismo através da pele ou por ingestão. AGENTES BIOLÓGICOS: item 9.1.5.3.: consideram-se agentes biológicos as bactérias, fungos, bacilos, parasitas, protozoários, vírus, entre outros.

Página 7 de 56

4.

INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE

4.1. DEFINIÇÕES INSALUBRE (dicionário médico): doentio, enfermo, prejudicial à saúde, nocivo; INSALUBRIDADE: inadequado a vida;

PERICULOSIDADE: condição em que se coloca aquilo ou aquele que contribui ou oferece perigo perante

as leis;

PERIGOSO: em que há perigo, que causa ou ameaça perigo; que envolve periculosidade.

4.2. DEFINIÇÃO LEGAL – LEI 6.514 DE 22 DE DEZEMBRO DE 1977, NO SEU CAPÍTULO V, SEÇÃO XII

INSALUBRIDADE: “Art. 189. Serão consideradas atividades ou operações insalubres aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos".

, aquelas que, por

PERICULOSIDADE: “Art. 193. São consideradas atividades ou operações perigosas,

natureza ou método de trabalho, impliquem o contato permanente com inflamáveis com inflamáveis ou explosivos em condições de risco acentuado.”

4.3. GRAUS DE INSALUBRIDADE

GRAU MÁXIMO: 40% sobre o salário mínimo;

GRAU MÉDIO: 20% sobre o salário mínimo;

GRAU MÍNIMO: 10% sobre o salário mínimo. Quando a avaliação for qualitativa a caracterização se dará através da elaboração de laudo técnico pericial

elaborado por Eng.Segurança ou Médico do Trabalho, conforme determina o Artigo 195 da CLT. Estes valores não podem ser cumulativos e devem incidir sobre horas extras, adicional noturno, FGTS e cálculos recisórios, não sendo obrigatório sobre premiações e participações no lucro da empresa. RESUMO DOS ANEXOS DA NR-15

ANEXO Nº

AGENTE NOCIVO

GRAU DE INSALUBRIDADE

01

RUÍDO CONTÍNUO OU INTERMITENTE

 

20

%

02

RUÍDO DE IMPACTO

 

20

%

03

CALOR

 

20

%

04(revogado)

ILUMINAÇÃO (revogado pela Portaria 3.751 de

20 % (revogado pela Portaria 3.751 de 23.11.90.)

23.11.90.)

05

RADIAÇÃO IONIZANTE

 

40

%

06

CONDIÇÕES HIPERBÁRICAS

 

40

%

07

RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES

 

20

%

08

VIBRAÇÕES

 

20

%

09

FRIO

 

20

%

10

UMIDADE

 

20

%

11

AGENTES QUÍMICOS (via respiratória)

10

%, 20 % e 40 %

12

POEIRAS MINERAIS

 

40

%

13

AGENTES QUÍMICOS (específicos)

10

%, 20 % e 40 %

14

AGENTES BIOLÓGICOS

20 % e 40 %

4.4. GRAU DE PERICULOSIDADE 30% sobre o salário sem os acréscimos resultantes de gratificações, prêmios ou participações nos lucros da empresa.

4.5. TRABALHO DO MENOR

A idade mínima para o trabalho é de 16 anos, conforme Emenda Constitucional de 15/12/1998. Para as leis

trabalhistas, dos 16 aos 18 anos, o menor é relativamente incapaz, necessitando de assistência dos pais.

O inciso XXXIII do artigo 7º da Constituição Federal/1998 proibe o trabalho noturno, perigoso ou insalubre

aos menores de 18 anos.

O inciso I do Art.405 da CLT proíbe o trabalho do menor em locais insalubres e perigosos, dando mais

detalhes e apresenta um quadro com os locais e serviços considerados perigosos ou insalubres para menores de 18 anos.

Página 8 de 56

4.6.

ELIMINAÇÃO DA INSALUBRIDADE

LEI 6.514 DE 22 DE DEZEMBRO DE 1977, NO SEU CAPÍTULO V, SEÇÃO XII Art. 191. “A eliminação ou a neutralização da Insalubridade ocorrerá:

I. Com a adoção de medidas que conservem o ambiente de trabalho dentro dos Limites de Tolerância; II. Com a utilização de equipamentos de proteção individual pelo trabalhador, que diminuam a intensidade do agente agressivo a limites de tolerância."

PORTARIA 3.214 DE 08 DE JUNHO DE 1978 – NR 15 Item 15.4.1. “A eliminação ou a neutralização da Insalubridade ocorrerá: a) com a adoção de medidas de ordem geral que conservem o ambiente de trabalho dentro do LT; b) com a utilização de EPI”.

5.

AVALIAÇÃO AMBIENTAL

5.1.

TIPOS DE AVALIAÇÃO

AVALIAÇÃO QUANTITATIVA: na avaliação quantitativa você conseguir mensurar o valor do agente agressor, normalmente através de instrumentos de medições. É importante a adoção de critérios, para todos os agentes existe metodologia devidamente estabelecida em legislação ou normas, nacionais ou internacionais.

AVALIAÇÃO QUALITATIVA: na avaliação qualitativa você apenas reconhece o agente presente no ambiente, mas não consegue estabelecer um valor.

5.2.

LIMITE DE TOLERÂNCIA (LT)

É

a concentração ou intensidade máxima ou mínima, relacionada com a natureza e o tempo de exposição

ao agente, que não causará risco de dano à saúde do trabalhador, durante sua vida laboral. A legislação brasileira é omissa na definição de alguns LT, principalmente para alguns produtos químicos, ficando a dúvida sobre que valor utilizar, no entanto com a última revisão na NR-09 (PPRA), no seu item 9.3.5.1, fica claro a possibilidade de utilização de outras normas internacionais (ACGIH, NIOSH, etc), apenas para os casos de inexistência de LT na legislação brasileira. Para isso deve constar no laudo técnico a referida norma, bem como a metodologia e outras informações pertinentes.

5.3.

VALOR TETO (VT)

É

o valor que não pode ser ultrapassado em hipótese alguma sobre risco iminente a saúde do trabalhador.

5.4.

NÍVEL DE AÇÃO (NA)

É

o valor acima do qual devem ser iniciadas ações preventivas de forma a minimizar a probabilidade de que

as exposições a agentes ambientais ultrapassem os limites de exposição. As ações devem incluir o monitoramento periódico da exposição, a informação aos trabalhadores e o controle médico. Normalmente o NA equivale a 50% do LT.

5.5.

NEXO CAUSAL Procura comprovar a relação direta entre a doença e o exercício do trabalho. Para isso se faz necessário verificar a eficácia da proteção fornecida pelo empregador, isto é, se as medidas adotadas efetivamente eliminam, ou atenuam a exposição aos riscos ambientais de modo a impedir o surgimento de uma doença ocupacional.

5.6.

FATORES QUE INFLUENCIAM

DISTÂNCIA DA FONTE GERADORA

5.6. FATORES QUE INFLUENCIAM DISTÂNCIA DA FONTE GERADORA TEMPO DE EXPOSIÇÃO CONCENTRAÇÃO / INTENSIDADE / NATUREZA

TEMPO DE

EXPOSIÇÃO

CONCENTRAÇÃO / INTENSIDADE / NATUREZA DO RISCO

SENSIBILIDADE INDIVIDUAL

Página 9 de 56

6.

VIAS DE PENETRAÇÃO NO ORGANISMO

CUTÂNEA: pode ser por contato direto da pele com o agente nocivo ou mesmo através de sua evaporação

e absorção pela pele.

DIGESTIVA: é uma via muitas vezes desconsiderada como perigosa nas empresas, no entanto deve-se levar em conta a possibilidade de ingestão acidental ou mesmo uma dosagem errada de um medicamento, por exemplo.

RESPIRATÓRIA: talvez seja a de mais difícil controle, especialmente no caso de agentes químicos.

7.

MEDIDAS DE CONTROLE

NA FONTE: é sem dúvida a melhor forma de vir a controlar qualquer agente ambiental e deve ser sempre

a

primeira opção de ação de controle.

NA TRAJETÓRIA: é uma forma alternativa de controle e deve ser utilizada quando não for possível eliminar, atenuar ou controlar o agente na sua fonte de geração.

NO RECEPTOR: deve ser a última opção e só utilizada quando não houver outra medida para o controle do agente ou numa situação provisória/emergência. Apesar de algumas vezes ser muito cômodo para empregador a aplicação desta medida, no entanto é a medida que mais controle exige para a sua eficiente aplicação, pois requer treinamento e disciplina do usuário, bem como um controle muito rígido no equipamento de proteção, normalmente o mais usual é o EPI. Também requer um controle médico eficiente (PCMSO), e adoção de outros programas de controle (PPRA, PGR, etc.), deixando a empresa e o trabalhador vulneráveis, por não conseguir eliminar ou neutralizar o agente nocivo.

8.

PROCESSO TRABALHISTA

8.1.

RECLAMATÓRIAS TRABALHISTAS

O

acidente de trabalho pode acarretar várias conseqüências jurídicas ao empregador, resultando, inclusive,

na indenização ou, até mesmo, numa ação criminal.

O

direito do empregado reclamar judicialmente os adicionais de periculosidade e insalubridade prescreve

após dois anos da recisão do contrato de trabalho. O empregado (reclamante) poderá pleiteá-lo com relação ao período máximo de cinco anos anteriores ao ingresso da reclamação na Justiça do Trabalho e não no Ministério do Trabalho. Além disso, indenizações devido a acidente de trabalho na área cível previdenciário, prescreve em 5 anos (Lei 8213, de 1991, Artigo 104) e, as reparações civis (contra o empregador) prescrevem em 3 anos (art 206 § 3º, V do novo código civil brasileiro).

8.2.

PERÍCIAS DO TRABALHO

A perícia relativa aos adicionais de risco poderá ocorrer após a demissão, o durante a vigência do contrato

de trabalho do reclamante com a reclamada. O perito é o engenheiro de segurança ou médico do trabalho (Artigo 195 da CLT), autônomo, indicado pelo juiz do trabalho, e, portanto, a serviço da justiça do trabalho, responsável pela elaboração do laudo técnico de insalubridade e periculosidade. Neste caso a perícia é obrigatório, não podendo o juiz concluir por conta própria, o litígio em questão. O empregador poderá ter a seu serviço os assistentes técnicos (engenheiro de segurança ou médico do trabalho), sendo funcionário

direto ou não da empresa que ficará responsável pelo laudo técnico de defesa.

A

perícia deve ter especial atenção para os aspectos relevantes:

descrição das atividades, local de trabalho e equipamentos;

especificação dos riscos associados;

verificar cumprimento do PCMSO e PPRA;

avaliar os laudos ambientais quantitativos, caso necessário fazer avaliação no momento da perícia;

verificar EPI fornecidos, sua utilização, ficha de controle, CA – relação com agente agressor;

verificar registros de treinamentos, advertências relativas a SSO e outros documentos pertinentes –

acidentes, afastamentos, etc; verificar se as atuais condições de trabalho são as mesmas da época do reclamante;

registrar com fotos o local periciado.

O

Código de Processo Civil (CPC), através do Artigo 429, garante ao perito judicial ampla liberdade de

diligência, podendo ouvir testemunhas, solicitar documentos e produzir fotografias, no entanto sem expor a reclamada de possíveis segredos industriais, etc. Devendo o perito ser imparcial, não devendo sensibilizar- se por questões sócio-econômicas, também sendo vedado ao perito receber honorários diretamente de

qualquer das partes, devendo receber com depósito em juízo, devendo a parte sucumbente do processo, arcar com os custos do mesmo.

Página 10 de 56

CAPÍTULO II

AGENTES FÍSICOS

1. RUÍDO 1.1. CONCEITOS INICIAIS 1.1.1. NÍVEL DE PRESSÃO SONORA (NPS): a orelha humana é
1.
RUÍDO
1.1.
CONCEITOS INICIAIS
1.1.1.
NÍVEL DE PRESSÃO SONORA (NPS): a orelha humana é sensível a uma larga faixa de pressão sonora,
indo do limiar da audibilidade ao limiar da dor. O intervalo destes limites é da ordem de
100.000.000.000.000 de unidades, o que torna impossível trabalhar-se com escala linear na sua
quantificação. Para conseguir-se um valor de unidade mais compreensível, utiliza-se variação logarítmica,
cuja unidade é chamada decibel (dB). O valor de 1 decibel é a menor variação que a orelha humana pode
perceber, isto quer dizer que frações da unidade não são perceptíveis a orelha humana. Os limites de
audibilidade e da dor variam, em dB de 0 a 140.
1.1.2.
RUÍDO DE FUNDO: a avaliação do ruído de fundo durante as medições também é importante na
determinação das fontes de ruído.
1.1.3.
PROPAGAÇÃO COM OBSTÁCULOS: quando interpomos uma superfície no avanço de uma onda sonora,
esta se divide em várias partes: uma quantidade é refletida, a outra é absorvida e outra atravessa a
superfície (transmitida).
1.1.4.
REFLEXÃO: quando a propagação de um trem de ondas é interrompida por uma superfície delimitadora do
meio elástico, ele volta ao meio primitivo, mudando sua direção.
Onda incidente
Som Incidente
Som transmitido
Onda refletida
Ventres
Nós
Som absorvido
Som refletido
1.1.5.
ABSORÇÃO: é a propriedade de alguns materiais em não permitir que o som seja refletido por uma
superfície. A tabela a seguir mostra o Coeficiente de absorção "a" para alguns materiais.
Espessura
Freqüência [Hz]
Material
[cm]
125
250
500
1k
2k
4k
Lã de rocha
10
0,42
0,66
0,73
0,74
0,76
0,79
Lã de vidro solta
10
0,29
0,55
0,64
0,75
0,80
0,85
Feltro
1,2
0.02
0,55
0,64
0,75
0,80
0,85
Piso de tábuas de madeira sobre vigas
0,15
0,11
0,10
0,07
0,06
0,07
Placas de cortiça sobre concreto
0,5
0,02
0,02
0,03
0,03
0,04
0,04
Carpete tipo forração
0,5
0,10
0,25
0,4
Tapete de lã
1,5
0,20
0,25
0,35
0,40
0,50
0,75
Concreto aparente
0,01
0,01
0,02
0,02
0,02
0,03
Parede de alvenaria, não pintada
0,02
0,02
0,03
0,04
0,05
0,07
Vidro
0,18
0,06
0,04
0,03
0,03
0,02
Cortina de algodão com muitas dobras
0,07
0,31
0,49
0,81
0,61
0,54
1.1.6.
REVERBERAÇÃO E TEMPO DE REVERBERAÇÃO: quando um som é gerado dentro de um ambiente
escuta-se primeiramente o som direto e, em seguida, o som refletido. No caso em que essas sensações se
sobrepõem, confundindo o som direto e o refletido, teremos a impressão de uma audição mais prolongada.
A esse fenômeno se dá o nome de reverberação. Se as paredes do local forem muito absorventes (pouco
reflexivas), o tempo de reverberação será muito pequeno, caso contrário ocorrerão muitas reflexões e o
tempo de reverberação será grande.
1.1.7.

RESSONÂNCIA: é a coincidência de freqüências entre estados de vibração de dois ou mais corpos. Sabemos que todo corpo capaz de vibrar, sempre o faz em sua freqüência natural. Quando temos um corpo vibrando na freqüência natural de um segundo corpo, o primeiro induz o segundo a vibrar, dizemos então que eles estão em ressonância.

Página 11 de 56

1.1.8.

CURVAS ISOFÔNICAS E OS CIRCUITOS DE COMPENSAÇÃO

90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 63 125 250 500 1
90
80
70
60
50
40
30
20
10
0
63
125
250
500
1 K
2 K
4 K
8 K
Freqüências Hz
Níveis de Som dB
500 1 K 2 K 4 K 8 K Freqüências Hz Níveis de Som dB A

A orelha humana não é igualmente sensível a todas as freqüências do espectro audível. É mais sensível na

faixa entre 2.000 Hz e 5.000 Hz e menos sensível para freqüências extremamente altas ou baixas. Assim para avaliarmos a sensação auditiva ao ruído não é suficiente apenas à medida pura e simples da pressão sonora, mas deve-se levar em conta também às freqüências que o compõe. Os aparelhos eletrônicos usados nas aferições do ruído devem ter sensibilidade que variem com a freqüência do mesmo modo que a orelha humana. Existem atualmente quatro padrões internacionais com essa sensibilidade humana, são os denominados circuitos de compensação "A", "B", "C" e "D". A escolha da resposta de freqüência nas Curvas de Compensação A, B, C ou D está relacionada à capacidade de atenuação da orelha humana aos diversos níveis de ruído. Sabe-se, entretanto, que somente o circuito de compensação "A" aproxima-se mais do comportamento da orelha humana, sendo assim mais utilizado, conforme normas da OSHA, ACGIH, NR-15 e NHO-01.

1.2.

O SOM

 

É uma vibração que se propaga pelo ar em forma de ondas e que é percebida pela orelha humana.
É

um fenômeno vibratório resultante de variações da pressão no ar. Essas variações de pressão se dão

em torno da pressão atmosférica e se propagam longitudinalmente, à velocidade de 344 m/s para 20ºC.

Qualquer fenômeno capaz de causar ondas de pressão no ar é considerado uma fonte sonora. Pode ser um corpo sólido em vibração, uma explosão, um vazamento de gás a alta pressão, etc. Basicamente, todo som se caracteriza por três variáveis físicas: freqüência, intensidade e timbre.

Certas características do som o tornam audível e permitem diferenciar os diversos sons: altura, intensidade

e

timbre.

1.2.1.

ALTURA DO SOM

É

a característica que permite a orelha humana, diferenciar os sons graves de sons agudos. A altura

depende, apenas, da freqüência; nas baixas freqüências, as partículas de ar vibram lentamente e produzem sons graves, enquanto que, nas freqüências elevadas, as partículas vibram rapidamente e produzem sons agudos.

1.2.2.

FREQÜÊNCIA SONORA (f) É a número de oscilações por segundo do movimento vibratório do som. Para uma onda sonora em propagação, é o nº de ondas que passam por um determinado referencial num intervalo de tempo. UNIDADE: hertz (Hz) é a quantidade de ondas de um som propagado no tempo de 1 segundo. TIPOS: sons de baixa freqüência são chamados de graves e os de alta freqüência de agudo. FAIXA AUDÍVEL DE FREQÜÊNCIAS: dentro da faixa audível, verificamos que a orelha percebe as

freqüências de uma maneira não linear. Experiências demonstram que a orelha humana obedece a Lei de Weber, de estímulo/sensação, ou seja, as sensações como cor, som, odor, dor, etc., variam como o logaritmo dos estímulos que as produzem. As vibrações sonoras são detectáveis quando a variação de pressão do ar atinge valores de ordem de 2 x 10 -5 Pa, para freqüência em torno de 1.000 Hz.

A faixa de freqüência audível ou captada pela orelha humana varia de 20 a 20.000 Hz.

Quanto maior a freqüência, mais agudo é o som. Os sons com menos de 20 Hz são chamados de infra- sons e os sons com mais de 20.000 Hz são chamados de ultra-sons. Esta faixa de freqüências entre 20 e 20kHz é definida como faixa audível de freqüências ou banda audível.

20 20.000 Hz Infra-sons Ultra-sons Faixa ou banda audível
20
20.000
Hz
Infra-sons
Ultra-sons
Faixa ou banda audível

Página 12 de 56

1.2.3.

COMPRIMENTO DE ONDA ( )

É o espaço percorrido pela perturbação, até o ponto em que a partícula passe a repetir o movimento.

Também pode ser definido como a distância correspondente a uma oscilação completa.

O comprimento de onda é representado por .

Chamando de o comprimento de onda do som e V a velocidade de propagação da onda, pode-se escrever:

V = Portanto, um som de 32 Hz tem uma onda de 10,63

m e, um som de 20.000 Hz tem um comprimento de

onda de 1,7 cm.

/2
/2

.

f

1.2.4. BANDAS DE OITAVAS Assim, os intervalos entre os sons de 100 e 200 Hz, 200 e 400 Hz, 400 e 800 Hz parecerão iguais na nossa orelha. Portanto, pela Lei de Weber, concluímos que o intervalo entre freqüências não se mede pela diferença de freqüências, mas pela relação entre elas. Desta maneira, se define uma oitava como sendo o intervalo entre freqüências cuja relação seja igual a 2.

200

=

400

=

800

= 2 1 oita va

100

200

400

Atualmente, usamos como freqüência de referência (padronizada pelo SI), o valor de 1000 Hz, ficando as oitavas com freqüência central em 500, 250, 125, 62,5, 31,25, e 2.000, 4.000, 8.000 e 16.000 Hz. As freqüências audíveis são divididas em 3 faixas:

Baixas freqüências ou sons graves: as quatro oitavas de menor freqüência: 31.25; 62.5; 125 e 250 Hz.

Médias freqüências ou sons médios: as três oitavas centrais: 500; 1.000 e 2.000 Hz (são as mesmas da voz humana).

Altas freqüências ou sons agudos: as três oitavas de maior freqüência: 4.000; 8.000 e 16.000 Hz.

1.2.5. INTENSIDADE

É a característica que permite a orelha humana, diferenciar sons fracos de sons fortes. Depende da

energia com que vibram as camadas de ar em contato com a orelha e, portanto, da amplitude de vibração destas camadas. A intensidade do som é a quantidade de energia contida no movimento vibratório. Essa intensidade se traduz com uma maior ou menor amplitude na vibração ou na onda sonora. Para um som de média intensidade essa amplitude é da ordem de centésimos de milímetros. Como podemos notar, do ponto de vista físico, a energia contida num fenômeno sonoro é desprezível, por exemplo, a energia sonora contida num grito de "gol" de um estádio de futebol lotado, mal daria para aquecer uma xícara de café. Se a energia da voz de toda a população de uma cidade como Bauru fosse transformada em energia elétrica, seria o suficiente apenas para acender uma lâmpada de 50 ou 60 watts. Ao fazermos uma relação entre a intensidade sonora e a audição, novamente nos encontramos com a Lei de Weber, ou seja, conforme aumentamos a intensidade sonora a nossa orelha fica cada vez menos sensível; ou ainda, precisamos aumentar a intensidade de maneira exponencial para que a orelha "sinta" o som de maneira linear. Desta maneira, quando escutamos um aparelho de som que esteja reproduzindo 20 watts de potência elétrica, e aumentamos instantaneamente a sua potência para 40 watts, o som nos parecerá mais intenso. Se quisermos agora, aumentar mais uma vez o som para que o resulte a mesma sensação de aumento, teremos que passar para 80 watts. Portanto, usamos uma escala logarítmica para a intensidade sonora, da mesma maneira que usamos para a freqüência. Esquema da formação da escala em decibels.

Limiar de audibilidade 10 - 2 10 - 4 10 - 6 10 - 8
Limiar
de
audibilidade
10 - 2
10 - 4
10 - 6
10 - 8
-10
10
-12
10
10 -14
10 -16
Watts/cm 2 Relações Bel 14 10 14 140 12 10 12 120 -10 10 10
Watts/cm 2
Relações
Bel
14
10
14
140
12
10
12
120
-10
10
10
100
8
10
8
80
6
10
6
60
4
10
4
40
2
10
2
20
1
0
0
Limiar
de
audibilidade

decibel

Página 13 de 56

1.2.6.

DECIBEL

O nome BEL foi dado em homenagem a Alexandre Graham Bell, pesquisador de acústica e inventor do

telefone. A escala ficou reduzida em excesso, pois entre o limiar de audibilidade e o ruído de uma rua, por exemplo, existem mais de oito unidades de sons audíveis. Por isso foi criado o décimo do BEL, o decibel:

podemos dizer então que o ruído de uma rua é de 80 dB ("d" minúsculo e "B" maiúsculo). Portanto, o

número de decibels (dB) nada mais é que aquele expoente da relação das intensidades físicas, multiplicado por 10.

A intensidade sonora medida em decibels é definida como Nível de Pressão Sonora (NPS) ou Sound

Intesity Level (SIL), em inglês. Intensidade Sonora

watts / cm 2 ou BAR

Nível de Pressão Sonora – NPS

decibels (dB)

O decibel não é uma unidade de medida, mas apenas uma escala.

O plural de decibel é decibels. O termo "decibeis" é errado, embora se tornou de uso popular. Assim, o

NPS, medido em decibels, satisfaz a construção fisiológica da nossa orelha. Matematicamente podemos escrever: NPS = 10 x log (P / P ref ), sendo P a pressão sonora de um som, e P ref = 10 -16 w/cm 2 .

Voltando ao exemplo do aparelho de som com 20 watts, digamos que o aparelho reproduza 60 dB; com 40

w, o aparelho reproduzirá 63 dB, e com 80 w, 66 dB. Da mesma forma, um avião a jato produz perto de

140 dB de NPS; dois aviões idênticos produzirão 143 dB. Portanto, na escala em decibels, o dobro de 70 dB é 73 dB, assim como o dobro de 120 dB é 123 dB. A metade de 90 dB é 87 dB, assim como a metade 150 dB é 147 dB. Desta forma, se uma máquina produz 60 dB, mil máquinas idênticas produzirão 90 dB. Para um operário que trabalha 8 h/dia num ambiente com 100 dB, se ele trabalhar apenas 4 h/dia, ele estaria exposto, em a 97 dB.

de
de
15 14 Limite da dor 13 12 11 Limite do conforto 10 90 80 70
15
14
Limite da dor
13
12
11
Limite do conforto
10
90
80
70
Faixa
de
60
Conversação
50
40
30
20
10
Limite
da
percepção
00

Avião a jato na pista Martelete pneumático

Trovão forte

Buzina de automóvel

Serra circular

Oficina Mecânica

Ruído do metrô

Ruído do tráfego urbano

Voz humana (alta)

Voz humana normal

Escritório

Som

estar

Ruído

biblioteca

Quarto de dormir à noite Barulho das folhas na brisa

uma

em

uma

em

sala

dB(A)
dB(A)

Portanto o limiar de percepção auditiva é de 0 dB = 20 Pa, já o limiar da dor está entre 120 dB e 130 dB. É importante notar que existe uma nítida divisão entre os sons que se apresentam abaixo e acima da voz humana; os sons com níveis inferiores à nossa voz são naturais, confortáveis e não causam perturbação; ao contrário, os sons superiores à voz humana podem ser considerados ruídos, normalmente são produzidos por máquinas, são indesejáveis, e causam perturbação ao homem.

1.2.7. TIMBRE

É a característica que permite a orelha humana distinguir dois sons de mesma altura (freqüência) emitidos por fontes diferentes. Se nós tocarmos a mesma nota, na mesma altura (mesma freqüência) com a mesma intensidade, em um piano e em um violino, notamos claramente a diferença. Em linguagem comum, dizemos que os seus timbres são diferentes. Portanto, o timbre nos permite reconhecer a fonte geradora

do som. Tecnicamente, o timbre é a forma de onda da vibração sonora.

Página 14 de 56

1.3. DEFINIÇÃO DE RUÍDO Diferencia-se som de ruído, por ser o primeiro capaz de produzir sensações auditivas prazerosas, como música ou fala, enquanto que o segundo é identificado por sensações desagradáveis, como barulho de máquinas, buzinas, etc. DEFINIÇÃO SUBJETIVA: é um som prejudicial à saúde humana que causa sensação desagradável e irritante. DEFINIÇÃO FÍSICA: é todo fenômeno acústico não periódico, sem componentes harmônicos definidos. É um som de grande complexibilidade, resultante da superposição desarmônica de sons provenientes de várias fontes.

1.4. TIPOS DE RUÍDO

1.4.1. RUÍDO CONTÍNUO: são aqueles cuja variação de nível de intensidade sonora é muito pequena em função do tempo. São ruídos característicos de bombas de líquidos, motores elétricos, engrenagens, etc. Exemplos: chuva, geladeiras, compressores, ventiladores.

1.4.2. RUÍDO INTERMITENTE: ruído cujo nível cai ao valor de fundo, várias vezes durante o período de observação, sendo o tempo em que permanece em valor constante acima do valor de fundo da ordem de segundos ou mais. São aqueles que apresentam grandes variações de nível em função do tempo. São geradores desse tipo de ruído os trabalhos manuais, afiação de ferramentas, soldagem, o trânsito de veículos, etc. São os ruídos mais comuns nos sons diários.

1.4.3. RUÍDO DE IMPACTO: ruído que apresenta picos de energia acústica de duração inferior a um segundo, em intervalos de tempo superiores a um segundo. São provenientes de explosões e impactos, tais como:

90

80

70

60

rebitadeiras, impressoras automáticas, britadeiras, prensas, etc. dB

dB 90 Ruído Contínuo 80 70 60 Ruído Intermitente Temp dB 90 Ruído de Impacto
dB
90
Ruído Contínuo
80
70
60
Ruído Intermitente
Temp
dB
90
Ruído de Impacto
80
70
Tempo
60
Temp dB 90 Ruído de Impacto 80 70 Tempo 60 Tempo 1.5. LEGISLAÇÃO PERTINENTE NHO-01 –

Tempo

1.5. LEGISLAÇÃO PERTINENTE

NHO-01 – Avaliação da Exposição Ocupacional ao Ruído Contínuo ou Intermitente e Impacto,

Portaria 3.421/78 – NR-15 – Anexos 1 e 2, do MTE;

emitida pela Fundacentro.

1.6. AVALIAÇÃO DO RUÍDO Para avaliação do nível de ruído podemos fazer desde uma simples avaliação local, passando por um levantamento mais minucioso, até uma análise de alta precisão usando analisadores de freqüência. No Brasil, os critérios para medição e avaliação do ruído em ambientes são fixados pelas Normas Brasileiras da Associação Brasileira de Normas Técnicas. As principais são:

NBR 7.731 – Guia para execução de serviços de medição de ruído aéreo e avaliação dos seus efeitos

sobre o homem; NBR 10.151 – Avaliação do ruído em áreas habitadas visando o conforto da comunidade;

NBR 10.152 – Níveis de ruído para conforto acústico. Trabalhos científicos relacionados com o ruído ambiental demonstram que uma pessoa só consegue relaxar totalmente durante o sono, em níveis de ruído abaixo de 39 dB(A), enquanto a Organização Mundial de Saúde estabelece 55 dB(A) como nível médio de ruído diário para uma pessoa viver bem. Portanto, os ambientes localizados onde o ruído esteja acima dos níveis recomendados necessitam de um isolamento acústico. Acima de 75 dB(A), começa a acontecer o desconforto acústico, ou seja, para qualquer situação ou atividade, o ruído passa a ser um agente de desconforto. Nessas condições há uma perda da inteligibilidade da linguagem, a comunicação fica prejudicada, passando a ocorrer distrações, irritabilidade e diminuição da produtividade no trabalho. Acima de 80 dB(A), as pessoas mais sensíveis podem sofrer perda de audição, o que se generaliza para níveis acima de 85 dB(A).

Página 15 de 56

1.6.1. EQUIPAMENTOS UTILIZADOS PARA AVALIAÇÃO DO RUÍDO

A) MEDIDOR DE NÍVEL DE PRESSÃO SONORA

Dosímetro de ruido marca Bruel & Kjaer, modelo 2231.
Dosímetro de ruido
marca Bruel &
Kjaer, modelo 2231.
Calibrador marca Bruel & Kjaer, modelo 4230. Filtro de freqüência marca Bruel & Kjaer, modelo
Calibrador
marca
Bruel
&
Kjaer,
modelo 4230.
Filtro de freqüência
marca Bruel & Kjaer,
modelo 1625
de freqüência marca Bruel & Kjaer, modelo 1625 Medidor de Nível de Pressão Sonora – marca
Medidor de Nível de Pressão Sonora – marca Bruel & Kjaer modelo 2231, tipo 1.
Medidor de Nível de
Pressão Sonora – marca
Bruel & Kjaer modelo
2231, tipo 1.

O medidor de pressão sonora simples, conhecido popularmente como decibelímetro, mede o ruído de

forma pontual, sem levar em consideração o tempo efeitvo de exposição à fonte, por isso não é possível

saber a dose de exposição. Existem alguns equipamentos, conhecidos como dosímetros, que calculam a pressão sonora do ruído médio equivalente (TWA ou Leq), o que facilita posteriormente o cálculo da dose com maior precisão.

A instrumentação para medição de ruído é a única que tem regulamentação internacional e a que

apresenta a maior versatilidade e opções de modelos, desde simples até complexas análises de níveis

sonoros, com diferentes graus de exatidão. Os aparelhos de boa procedência atendem os padrões da IEC (International Electrotechnical Commission) e do ANSI (Americam Standards Institute). Portanto ao comprar ou usar um equipamento de medida de som, verifique se ele atende a uma dessas normas:

IEC 651 (1979) – Sound Level Meters

IEC 804 (1985) – Integrating-Averaging Sound Level Meters

ANSI S1.4 (1983) – Specification for Sound Level Meters

ANSI S1.25 (1991) – Specification for Personal Noise Dosimeters

ANSI S1.11 (1986) – Specification for Oitave Filters. Os medidores de precisão constam, normalmente de: microfone; atenuador; circuitos de equalização;

circuitos integradores; mostrador (digital ou analógico) graduado em dB.

O microfone é peça vital no circuito, sendo sua função a de transformar um sinal mecânico (vibração

sonora) num sinal elétrico. Obrigatoriamente os equipamentos devem conter:

2 curvas de ponderação – os circuitos de equalização devem fornecer ao usuário a opção de escolha para as curvas A ou C. Alguns aparelhos contém as curvas B e D; No mínimo, 2 constantes de tempo: lenta (slow) ou rápida (fast). Alguns aparelhos possuem as constantes ‘impulso’ e ‘pico’;

Faixa de medida de 30 a 140 dB.

Calibrador.

A grande diferença entre as Curvas "A" e "C" está na atenuação para baixas freqüências. Portanto, se durante uma medição de ruído, constatarmos uma grande diferença entre os valores medidos na escala "A" e "C", isto significa que grande parte do ruído encontra-se na faixa de baixas freqüências. Os tempos correspondentes às respostas: lenta (slow) é de um segundo e, rápida (fast), é de 0,125 segundos. A resposta lenta facilita as medições, quando existe muita variação de ruído no ambiente.

Página 16 de 56

B) DOSIMETRIA PESSOAL DE RUÍDO (DOSIMETRO)

B) DOSIMETRIA PESSOAL DE RUÍDO (DOSIMETRO) O dosímetro de ruído possui, no seu interior, um processador

O dosímetro de ruído possui, no seu interior, um processador que

permite calcualar a dose de exposição do trabalhador em vários níveis de exposição, além de fornecer outros parâmetros

importantes à conclusão do laudo técnico. Embora não citada, explicitamente, na NR-15 – Anexo 1 – a avaliação de ruído com a utilização do dosímetro é mais recomendada, sendo legalmente válida, desde que realizada de acordo com a norma FUNDACENTRO NHO-01.

Utilizar para determinação da "dose de ruído" dosímetros de ruído (Noise Dose Meter) de uso pessoal, previamente calibrados com pistão fone do mesmo fabricante.

O que difere basicamente o dosímetro do decibelimetro, é que neste primeiro você pode utilizá-lo tanto

como decibelímetro, como um dosador pessoal de ruído, onde o equipamento é colocado no próprio trabalhador, acompanhando-o por toda ou parte de sua jornada de trabalho. Aliás esta discussão da validação legal dos resultados do dosímetro tem sido feito pelos profissionais da área de segurança e saúde ocupacional, pelo fato da legislação brasileira sem omissa, quanto ao uso desde equipamento, no entanto não aceitar a validação dos seus resultados é, pelo menos, não aceitar a evolução e precisão

tecnológica, frente aos cálculos manuais, pois a margem de erro deve ser sempre em favor da segurança. Para isso são importantes algumas recomendações específicas, para seu uso:

o sensor do equipamento deve estar posicionado na lapela (ombro) do trabalhador – margem de erro

de + 0,3 dB(A); caso o trabalhador esteja exposto, por quase toda sua jornada de trabalho, exposto ao ruído contínuo,

utilize-o durante, pelo menos duas horas, pegando o período de permanência constante do trabalhador no ambiente ruidoso; caso o trabalhador fique exposto a diferentes níveis de pressão sonora ou esteja exposto a um ruído

intermitente, com grande variações e incidência de ruído de impacto, pegue toda a jornada de trabalho, ou seja, 8 horas; esteja atento para eventuais ocorrência de reuniões, máquinas paradas, manutenções, serviços de limpeza, etc, pois as medições devem ser realizadas num dia de trabalho normal. Outra vantagem muito importante para uso do dosimetro é que ele permite que façamos uma simulação

prática da eficiência de atenuação de um protetor auditivo do tipo concha. A atenuação dos protetores deve ser determinada em campo real, através do seguinte procedimento:

instalar o sensor de um dosímetro de ruído, no interior de cada concha do protetor auditivo, passando o

cabo do mesmo de maneira ajustada, através de um furo feito no selo da concha, para tanto fazer uso de dois dosímetros instalados nas mesmas condições um para cada concha; fixar com auxílio de uma fita adesiva, o sensor de um terceiro dosímetro de ruído de mesmo modelo na parte externa da concha, em posição e alturas aproximadamente iguais;

fazer três leituras para cada concha e utilizar dez conchas de cada modelo de protetor auditivo, quando quiser testar a eficiência dos diferentes modelos;

chamamos a atenção para a colocação dos sensores dos dosímetros de ruído no interior de cada concha do protetor auditivo, com a finalidade de captar e registrar o nível de ruído residual atenuado em campo real, que chega a orelha do trabalhador. Um terceiro sensor preso a uma concha para registrar os níveis de ruído do ambiente de trabalho sem atenuação pela proteção individual.

C) PRECAUÇÕES DURANTE AS MEDIÇÕES

verificar a bateria antes de cada medição;

verificar a calibração sempre que for usar o aparelho. O medidor, por ter um circuito eletrônico, é muito

sensível à temperatura, e o seu microfone tem alta sensibilidade à umidade e pressão atmosférica, quando necessário calibrar, conforme recomendação do fabricante; usar corretamente as curvas de ponderação "A", "B" ou "C";

usar de maneira adequada a constante de tempo “slow” ou “fast”;

medidor deve ser colocado na posição de trabalho do operário e na altura da orelha do mesmo;

deve ser evitada a interferência do vento no microfone do medidor. Para anular esse efeito, existe um

dispositivo denominado "windscreen" que evita o "sopro" sobre o microfone; a distância do medidor à fonte de ruído deve estar de acordo com as Normas ISO 1999, ISO 1966/1 e

as recomendações ISO R 131, R 266 e R 495; devem ser evitadas superfícies refletoras, que não sejam comuns ao ambiente;

recomenda-se fazer pelo menos 5 medições em cada local.

o principal causador de erros nas medições de ruído é o ruído de fundo, por isso devemos muitas vezes medir o nível de ruído com a máquina em funcionamento e, em seguida, desligada, se a diferença do nível for menor que 3 dB, devemos procurar estudar melhor o ruído de fundo; os instrumentos mais modernos vêm com um software amigável para conexão direta no microcomputador, utilizam o ambiente Windows, para impressão das leituras realizadas (alguns instrumentos acumulam várias leituras, permitindo a opção de impressa de um relatório completo).

Página 17 de 56

1.7.

LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDO CONTÍNUO OU INTERMITENTE

NÍVEL DE RUÍDO dB (A)

MÁXIMA EXPOSIÇÃO DIÁRIA PERMISSÍVEL

85

 

8

horas

86

 

7

horas

87

 

6

horas

88

 

5

horas

89

4

horas e 30 minutos

90

 

4

horas

91

3 horas e trinta minutos

92

 

3

horas

93

2

horas e 40 minutos

94

2

horas e 15 minutos

95

 

2

horas

96

1

hora e 45 minutos

98

1

hora e 15 minutos

100

 

1 hora

102

 

45

minutos

104

 

35

minutos

105

 

30

minutos

106

 

25

minutos

108

 

20

minutos

110

 

15

minutos

112

 

10

minutos

114

 

8

minutos

115

 

7

minutos

Entende-se por ruído contínuo ou intermitente, para os fins de aplicação de limites de tolerância, o

ruído que não seja ruído de impacto. Os níveis de ruído contínuo ou intermitente devem ser medidos em decibéis (dB) com instrumento de

nível de pressão sonora operando no circuito de compensação "A" e circuito de resposta lenta (SLOW). As leituras devem ser feitas próximas a orelha do trabalhador. Utilizar microfone protegido com filtro de vento e com inclinação aproximada de 45º em relação ao piso, tudo em conformidade com o item nº 2 do Anexo nº 1 da NR 15. Para os valores encontrados de nível de ruído intermediário será considerada a máxima exposição

diária permissível relativa ao nível imediatamente mais elevado. Não é permitida exposição a níveis de ruído acima de 115 dB(A) para indivíduos que não estejam adequadamente protegidos.

As atividades ou operações que exponham os trabalhadores a níveis de ruído, contínuo ou

intermitente, superiores a 115 dB(A), sem proteção adequada, oferecerão risco grave e iminente. Para verificação do espectro de áudio freqüência do ruído, utilizar um filtro 1/1 oitava, 31,5 Hz a 16 khz. A instrumentação deve ser devidamente aferida a cada série de amostragens, com pistão fone do mesmo fabricante e as baterias tiveram seu tempo de utilização controlado.

Se durante a jornada de trabalho ocorrer dois ou mais períodos de exposição a ruído de diferentes níveis, devem ser considerados os seus efeitos combinados, de forma que, se a soma das seguintes frações.

1.7.1. VALOR TETO (VT) As atividades ou operações que exponham os trabalhadores a níveis de ruído, contínuo ou intermitente, superiores a 115 dB(A), sem proteção adequada, oferecerão risco grave e eminente.

1.7.2. NÍVEL DE AÇÃO (NA) É usual definir NA como 50% do valor de LT. No entanto para ruído contínuo ou intermitente esta regra requer uma melhor compreensão do fenômeno. O LT de 85 dB é definido para a jornada diária de 8 horas. Sabemos que a metade da energia acústica de uma ambiente com 85 dB(A) é 82 dB(A), no entanto o tempo de exposição permitido para 82 dB é mais do que a metade do tempo de exposição permitido por, que é de 4 horas, portanto como margem de segurança, devemos definir o NA pela metadade do tempo de exposição permitido por lei, que nos dá o valor máximo de 80 dB(A).

Página 18 de 56

1.7.3.

LIMITES DE TOLERÂNCIA EM OUTROS PAÍSES

 

Nível de

Tempo de Exposição (h)

Taxa de

Nível Máximo

Nível de Ruído de impacto (dB)

País

Ruído dB(A)

divisão dB(A)

dB(A)

Alemanha

85

8

3

   

Japão

90

8

 

--

--

França

90

40

3

--

--

Bélgica

90

40

5

110

140

Inglaterra

90

8

3

135

150

Itália

90

8

5

115

140

Dinamarca

90

40

3

115

--

Suécia

85

40

3

115

--

USA–OSHA

90

8

5

115

140

USA–NIOSH

85

8

5

--

--

Canadá

90

8

5

115

140

Austrália

90

8

3

115

--

Holanda

80

8

3

   

Espanha

85

8

3

110

 

Turquia

95

--

--

--

--

China

70 - 90

8

3

   

Finlândia

85

8

3

   

Hungria

85

8

3

   

Nova Zelândia

85

8

3

   

Israel

85

8

5

   

Noruega

85

8

3

   

Brasil

85

8

5

115

130

Tempo de exposição diária ou semanal. Estabelece nível contínuo de prevenção = 85 dB(A) Estabelece nível contínuo de prevenção = 80 dB(A)

 

1.7.4. LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDOS DE IMPACTO

Entende-se por ruído de impacto aquele que apresenta picos de energia acústica de duração inferior

a 1 segundo, a intervalos superiores a 1 segundo.

Os níveis de impacto deverão ser avaliados em decibéis (dB), com medidor de nível de pressão sonora operando no circuito linear e circuito de resposta para impacto. As leituras devem ser feitas próximas a orelha do trabalhador. O limite de tolerância para ruído de impacto será de 130 dB (linear). Nos intervalos entre os picos, o ruído existente deverá ser avaliado como ruído contínuo. Em caso de não se dispor de medidor de nível de pressão sonora com circuito de resposta para impacto, será válida a leitura feita no circuito de resposta rápida (fast) e circuito de compensação "C".

Neste caso, o limite de tolerância será de 120 dB(C). Atividades ou operações que exponham os trabalhadores, sem proteção adequada, a níveis de ruído

de impacto superiores a 140 dB (linear), medidos no circuito de resposta para impacto, ou superiores

a 130 dB(C), medidos no circuito de resposta rápida (fast), oferecerão risco grave e iminente.

Nível de ruído de fundo, predominante entre picos do ruído de impacto, deve ser avaliado como ruído contínuo. Embora não citado na NR-15 – Anexo 2, é importante sabermos os efeitos diferenciados quando o trabalhador estiver exposto a um número variado de impulsos (ruído de impacto). Por exemplo, receber 100 impactos de 125 dB é diferente do que receber 10.000 impactos dos mesmos 125 dB. Evidentemente, 10.000 impactos serão mais prejudiciais ao trabalhador; desta forma a relação de número de impactos e nível de pico de ruído é que determinam o máximo permissível, segundo a recomendaçãoda ACGIH. Isso é o que poderia ser chamado de dose de exposição ao ruído de impacto.

Página 19 de 56

1.7.5. LIMITE DE TOLERÂNCIA PARA JORNADAS ACIMA DE 8 HORAS

T =

16

2 (LT-80)/5

LT =

(

log 16

T

log 2

x

5 ) + 80

Onde: T – tempo da jornada requerido para o caso em questão – em horas; q – taxa de troca igual a 5 (NR-15) ou 3 (NHO-01)

Exemplo: calcule o limite de tolerância para jornada de trabalho de 10 h. Resposta: LT = (log (16/10) / log2) x 5 + 80 = 83,4 = 83 dB (A)

1.8. CÁLCULOS DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO

PROPRIEDADES EXPONENCIAIS

a x . a y = a x+y

a 0 = 1

a -n =

1

n

;

onde n > 0

a m/n = ( n √a) m

a x = N

x = log a N

LEI DOS LOGARÍTIMOS

CÁLCULO DO NPS

log a (M.N) = log a (M) + log a (N)

log a ( M )= log a (M) - log a (N)

N

log a (1) = 0

log a (M) n = n.log a (M)

log a (a) = 1

log a (M) = x

M = a x

NPS = log 10 (P s /P ref. ) 2 Bel

P

ref.

NPS = 10.log 10 (

P s

) 2

dB

P ref =20 x 10 -6 Pa

A potência é diretamente proporcional ao quadrado da pressão.

limiar inferior auditivo = 20 Pa

NPS t = NPS 1 + NPS 2

10.log 10 (10 NPS t /10 ) = 10.log 10 (10 (NPS t /10).10.log(10) = 10.log 10

(P s /P ref. ) 2 = 10 NPS t /10

NPS 1 /10 + 10 NPS 2 /10 (10 NPS 1 /10 + 10 NPS 2 /10 )

)

NPS t = 10.log(10 NPS 1 /10 +10 NPS 2 /10 ) dB

Página 20 de 56

PARA “n” FONTES SONORAS:

NPS t = 10.log.

n

(10 (NPSi)/10 ) i = 1

Exemplo: 90 + 87 NPS t = 10.log(10

NPS t = 10.log(10 9 +10 8,7 )

NPS t = 91,76 dB = 92 dB(A)

90/10 +10 87/10 )

PARA DIFERENÇA MAIOR OU IGUAL A 15

Exemplos: 90 + 70 = 90 ;

Portanto diferenças maiores ou iguais a 15 em dB(A) prevalece sempre o maior valor.

90 + 65 = 80 ;

105 + 50 = 105 – em dB(A)

PARA DIFERENÇA MAIOR OU IGUAL A 10 E MENOR QUE 15 Exemplo: 90 + 76 (em dB)

NPS t = 10.log(10 90/10 +10 76/10 )

NPS t = 10.log(10 9 +10 7,6 ) NPS t = 90,02 dB = 90 dB(A)

Outro exemplo: 90 + 80 (em dB)

NPS t = 10.log(10 90/10 +10 80/10 )

NPS t = 10.log(10 9 +10 8 ) NPS t = 90,41 dB = 90 dB(A) Portanto diferenças maiores ou iguais a 10 em dB(A) prevalece sempre o maior valor.

PARA “n” FONTES SONORAS COM A MESMA INTENSIDADE

NPS t = NPS individual + 10.log(n)

n NPS t 1 80 2 83 4 86 8 89 16 92 1.9. TEMPO
n
NPS t
1
80
2
83
4
86
8
89
16
92
1.9. TEMPO DE EXPOSIÇÃO

n

NPS t

1

80

10

83

100

86

1000

90

Sabemos que o NPS para 8 horas diárias tem de ser menor que 85dB(A)

T exp = 8 / (2

(NPS-85)/q )

1.10. FATOR DE MULTIPLICAÇÃO – “q”

RECOMENDAÇÕES:

OSHA – USA

dB(A)

T

exp

 

90

8h

A cada 5dB(A) diminui-se na metade o tempo de exposição, por isso q = 5.

95

4h

100

2h

105

1h

   

ISO – Europa

dB(A)

T

exp

 

85

8h

A cada 3dB(A)

88

4h

diminui-se na

91

2h

metade o tempo

94

1h

de exposição,

97

30’

por isso q = 3.

NR-15 - BRASIL

dB(A)

T

exp

A cada 5dB(A)

85

8h

diminui-se na

100

4h

metade o tempo

105

2h

de exposição, por isso q = 5.

   

EXEMPLOS Para 89 dB(A), qual o tempo de exposição?

Texp =

8

(2 (89-85)/3 )

Para 110 dB(A)

= 3,1749 horas = 3 horas e 10,494 min = 3h10’30”

Texp =

8

(2 (110-85)/3 )

= 1h 49min

Página 21 de 56

1.11.

AVALIAÇÃO DE RUÍDO A DISTÂNCIA

NPS x = NPS y - 20 log(x/y); onde x > y e NPS x < NPS y

Exemplo: a 10 metros ouve-se 94dB(A). Qual o NPS a 30m? NPS 30 = NPS 10 - 20 log(30/10) NPS 30 = 94 - 20 log(30/10) = 94 – 9,5 = 84 dB(A)

Distância

dB(A)

 

1

m

100

2

m

94

Sempre que se

4

m

88

dobra a distância reduz-se 6dB(A)

8

m

82

16 m

76

 

1.12. AVALIAÇÃO DE RUÍDO REFLETIDO

NPS t = NPS y - 20 log(x/y) ; onde:

NPS y X 2 y X 1
NPS y
X
2
y
X 1

1.13. CÁLCULO DA DOSE DE RUÍDO

y = (distância direta da fonte de ruído para o observador)

x = y + (distância da fonte de ruído até o objeto de refletância)

1.13.1. CONCEITO DE DOSE DE EXPOSIÇÃO Caso ocorra durante a jornada de trabalho, dois ou mais períodos de exposição a ruído, de diferentes níveis, contínuo ou intermitente, deve-se avaliar a exposição considerando o tempo efetivo da mesma, em cada situação acústica presente no local, como o tempo permitido pela legislação, chamado Dose de Exposição – “D”. Caso o valor de D seja maior que 1, a exposição estará acima do limite de tolerância. Se a pessoa ficar 8h/dia exposto a 85dB(A) em ruído contínuo a dose é igual a 1 (D = 1). O resultado do cálculo da dose é um valor admensional, que pode ser expresso em porcentagem, ou seja, se o valor de D for maior que 1, significa que o valor da dose exceder em mais de 100% o valor do Limite de Tolerância. Não se cálcula dose para ruído de impacto, mas vale salientar que se os dois tipos de ruído estiverem presentes, haverá uma sobreposição de ondas que resultará num incremento nos níveis de ruído contínuo ou inmtermitente.

1.13.2. FÓRMULA DE CÁLCULO

w

D =

i

(t exp.real /t exp.adm. )

ou seja,

C 1

+

C

2

+

C

3

+

+

C

n

T 1

Onde: D = dose de ruído C n = tempo total em que o trabalhador fica exposto a um nível de ruído específico. T n = máxima exposição diária permissível a este nível, segundo o quadro deste anexo.

T

2

T

3

T n

1.13.3. EXEMPLO

Um trabalho está exposto aos seguintes níveis de ruído e tempos: 4h – 90dB(A); 2h – 80dB(A); 2h – 100 dB(A). Qual a dose acumulada? D = 4/4 + 2/16 + 2/1 = 3,125 Para esta dose poderemos calcular o tempo de exposição máximo permissível:

T exp = 8 / (2 (NPS-85)/5

) = 8 / 3,125 = 2,56 h

1.14. CÁLCULO DO RUÍDO DE FUNDO NPS t = RF + NPS m NPS m nível de pressão sonora emitido pela máquina ou equipamento. Exemplo: num determinado galpão industrial foi instalada uma determinada máquina e encontrado o valor de 87 dB(A), sabendo que o ruído anterior existente no local, quando não havia nenhum máquina ou equipamento em operação era 82 dB(A), quando efetivamente de ruído a máquina produz? NPS t = RF + NPS m 87 = 82 + NPS m NPS m = 87 – 82 = 85,3 dB(A)

Página 22 de 56

1.15.

CÁLCULO DA ATENUAÇÃO DO PROTETOR AUDITIVO dB(C) - NRR = dB(A)(ouvido)

25% de desconto para protetores cicum-auriculares;

50% de desconto para protetores de inserção de espuma lenta;

70% de desconto para protetores de inserção pré-moldados (polímeros de forma fixa).

dB(A) - (NRR - 7) = dB(A)(ouvido)

dB(A) - NPS sf = dB(A)(ouvido)

1.16. EFEITOS DO RUÍDO SOBRE A SAÚDE E O BEM ESTAR DAS PESSOAS O ruído pode causar surdez, redução auditiva, cansaço, irritação, cefaléia, problemas do aparelho digestivo, entre outros. Quando uma pessoa é submetida a altos níveis de ruído, existe a reação de todo o organismo a esse estímulo.

1.16.1. ANATOMIA DA ORELHA HUMANA

Hoje em dia o nome chamado para todo sistema auditivo do homem é orelha, não mais se usando o nome ouvido ou pavilhão auricular. A orelha é o órgão coletor dos estímulos externos, transformando as vibrações sonoras em impulsos sonoros para o cérebro. É, sem dúvida, a estrutura mecânica mais sensível do corpo humano, pois detecta quantidades mínimas de energia.

A orelha externa compõe-se de orelha própria dita, do

canal auditivo e do tímpano. A função da orelha é a de uma corneta acústica, capaz de dar um acoplarento de impedâncias entre o espaço exterior e o canal auditivo, possibilitando melhor transferência de energia. Essa corneta, tendo certa característica diretiva, ajuda a localização da fonte sonora. As paredes do canal auditivo são formadas de ossos e cartilagens. Em média, o canal tem 25 mm de comprimento, 7 mm de diâmetro e cerca de

1 cm 3 de volume total. O tímpano (membrana timpânica) é oblíquo e fecha o fundo do canal auditivo. Tem forma aproximada de um cone com diâmetro da base de 10 mm.

É formado de uma membrana de 0,05 mm de espessura e

superfície de 85 mm 2 . Deve ficar claro, que o tímpano assemelha-se a um cone rígido sustentado em sua periferia por um anel de grande elasticidade, que lhe permite oscilar como uma unidade, sem sair do seu eixo. Logo depois do tímpano temos uma cavidade cheia de ar conhecida também como cavidade do tímpano, cujo volume é da ordem de 1,5 cm 3 e que contém 3 ossículos: o martelo (23 g), a bigorna (27 g) e o estribo (2,5 g). A função de tais ossículos é, através de uma alavanca, acoplar mecanicamente o tímpano à cóclea (caracol), triplicando a pressão do tímpano. Na parte interna da cavidade do tímpano, existem a janela oval e redonda, que são as aberturas do caracol. As áreas de tais janelas são da ordem de 3,2 e 2 mm 2 respectivamente. A janela redonda é fechada por uma membrana e a oval é fechada pelo "pé" do estribo.

membrana e a oval é fechada pelo "pé" do estribo. Martelo Bigorna Estribo A cadeia ossicular
Martelo Bigorna
Martelo
Bigorna

Estribo

A cadeia ossicular da orelha médio é mostrada

ao lado.

É possível visualizar:

martelo com o ligamento superior (1),

ligamento anterior (2), ligamento lateral (3) e músculo tensor do tímpano (4); a bigorna com seu ligamento superior (5) e ligamento posterior (6); estribo com o ligamento anular (7) e o músculo estapédio (8).

com o ligamento anular (7) e o músculo estapédio (8). O músculo estapédio tem uma importante

O músculo estapédio tem uma importante função na proteção da audição contra os altos níveis de ruído.

Página 23 de 56

A orelha interna inicia-se pela janela oval, seguindo um canal semicircular que conduz ao caracol (cóclea)

que tem um comprimento de 30 a 35 mm e é dividido longitudinalmente em duas galerias, pela membrana basilar. O caracol tem aspecto de um caramujo de jardim e mede cerca de 5 mm do ápice à base, com uma parte mais larga de aproximadamente 9 mm. Pode-se dizer que o caracol consiste de um canal duplo enrolado por 2,5 voltas em torno de um eixo ósseo. A janela oval fecha o compartimento superior e

transmite suas vibrações para a membrana basilar através da endolinfa, líquido viscoso que preenche esse conduto. O comprimento da membrana basilar é de 32 mm; tem cerca de 0,1 mm de espessura próxima à janela oval e 0,5 mm na outra extremidade. A janela redonda é uma membrana circular, muito elástica, que fecha a parte superior do canal e, mediante suas contrações, compensa as variações de pressão produzidas com oscilações da membrana basilar. Sobre a membrana basilar estão distribuídas as células acústicas (Órgão de Corti), num total de 18 mil (externas e internas), de onde saem os nervos que formam o nervo acústico e levam o sinal elétrico até o cérebro.

A membrana basilar atua como um filtro

seletivo ou analisador de freqüências, em que

a percepção de cada freqüência se realiza em um determinado ponto da membrana: as altas freqüências excitam a parte próxima da membrana oval e, à medida que se caminha

para dentro do caracol, a freqüência diminui.

O som sendo decomposto em sua freqüência

fundamental e suas harmônicas, é possível para nós distinguir o timbre dos sons, realizando uma verdadeira análise espectral. Seção da membrana basilar.

verdadeira análise espectral. Seção da membrana basilar. 1.16.2. EFEITOS SOBRE O SISTEMA AUDITIVO SURDEZ TEMPORÁRIA

1.16.2. EFEITOS SOBRE O SISTEMA AUDITIVO

SURDEZ TEMPORÁRIA – MUDANÇA TEMPORÁRIA DO LIMIAR AUDITIVO: ocorre após exposição do

indivíduo a ruído intenso, mesmo por um curto período de tempo. Isso pode ser observado, na prática, quanto após termos estado em um local barulhento por algum tempo, notamos certa dificuldade de audição

ou precisamos falar mais forte para sermos ouvidos. A condição de perda permanece temporariamente,

sendo que a audição normal volta após algum tempo. SURDEZ PERMANENTE: origina-se da exposição repetida, durante longos períodos, ocasionando uma perda irreversível associada à destruição dos elementos sensoriais da audição. Normalmente afetam a freqüência oral (500 a 2.000 Hz). TRAUMA ACÚSTICO: perda repentina após a exposição a um ruído intenso, causados por explosões ou impactos sonoros. Dependendo do tipo e da extensão pode haver uma perda temporária ou permanente. OUTROS: são investigados outros efeitos indiretos do ruído, tais como, ações sobre o sistema

cardiovascular, alterações endócrinas (glândulas de secreção interna), desordens físicas, dificuldades mentais e emocionais, irritabilidade, fadiga, etc.

O INSS publicou a OS 608/98, Norma Técnica sobre Perda Auditiva, onde apresenta aspectos técnicos

para identificar a PAIR, bem como regras para emissão da CAT de modo a garantir o auxílio-acidente.

1.16.3. MECANISMO DA PERDA AUDITIVA

As perdas de audição causadas por exposição ao ruído, PAIR, se caracterizam por iniciarem na faixa de

3000 Hz a 5000 Hz, sendo mais aguda em 4000 Hz. Esse processo é facilmente constatado através de um exame audiométrico, aparecendo como uma curva em forma de "V".

1.16.4. FATORES QUE INFLUEM NA PERDA AUDITIVA

São quatro os fatores que contribuem para a perda auditiva:

O nível depressão sonora NPS;

O tempo de exposição;

A freqüência do ruído;

A susceptividade individual.

Os três primeiros itens são conhecidos e fáceis de medir. O 4º item (susceptividade individual) é bastante

interessante, pois indivíduos que se encontram num mesmo local ruidoso podem reagir de maneiras diferentes: alguns são extremamente sensíveis ao ruído, enquanto outros parecem não ser atingidos pelo mesmo.

Página 24 de 56

1.17. MEDIDAS DE CONTROLE DO RUÍDO São medidas que devemos tomar, no sentido de atenuar o efeito do ruído sobre as pessoas. Controle nem sempre significa supressão da causa, mas sim, uma manipulação do efeito. Diagrama das Medidas de Controle

Medidas de Controle 20 Controle do Providências Ruído Sociais 21 22 no no refúgio rotatividade
Medidas de
Controle
20
Controle do
Providências
Ruído
Sociais
21
22
no
no
refúgio
rotatividade
supervisão e
educação
meio
receptor
de ruído
de função
treinamento
23
24
25
26
27
28
29
Monitoramento
30
na fonte
na
fonte

É importante lembrar que não existem soluções mágicas que indiquem quais as medidas que irão

solucionar um problema de excesso de barulho. Nós devemos utilizar os nossos conhecimentos sobre acústica, além de um conhecimento detalhado do processo industrial.

A fonte é a própria causa do ruído. O meio é o elemento transmissor do ruído, que pode ser o ar, o solo ou

a estrutura do prédio. O receptor é o operário. É importante esclarecermos a hierarquização dos três

elementos envolvidos no fenômeno: em primeiro lugar o controle na fonte, depois o controle no meio e, por

último o controle no operário.

1.17.1. CONTROLE DO RUÍDO NA FONTE

É a supressão da causa do ruído. A supressão da fonte do ruído é a melhor e a mais indicada maneira de

controlar o ruído. O ruído na fonte pode ser causado por fatores: mecânicos, pneumáticos, explosões e implosões, hidráulicos, magnéticos.

1.17.2. CONTROLE DO RUÍDO NO MEIO DE PROPAGAÇÃO

Quando não for possível o controle na fonte ou de forma auxiliar, deve-se utilizar o controle no meio de

propagação do ruído, entre a fonte o receptor (trabalhador, comunidade, etc). Trata-se de uma técnica de interrupção da propagação do som. Abaixo alguns exemplos.

Enclausuramento das partes de emissão de ruído para o ambiente.

Execução de manutenção preventiva sistemática em rolamentos e mancais das máquinas e motores

em geral, visando mantê-los lubrificados e ajustados de modo a evitar o agravamento dos níveis de pressão sonora originais e manter o regular funcionamento das máquinas e equipamentos garantindo a qualidade do produto final. Difusores do sistema de ventilação geral das salas de produção possuem aletas direcionais reduzindo a formação de turbulências nas saídas do ar contribuindo para a redução dos níveis de ruído geral no ambiente. Material absorvente acústico, contribuindo para redução do nível geral de ruído na medida em que eliminam as possíveis reverberações nos ambientes.

1.17.3. CONTROLE DO RUÍDO NO RECEPTOR

Quando não houver outra forma de controle e como último recurso deve-se buscar o controle do ruído com proteção no trabalhador, com a utilização de protetores auditivos. Deve ser sempre a última medida a ser adotada e nunca de forma definitiva. Só devemos utilizar quando todas as medidas de controle de ruído falharam ou não forem suficientes. Em resumo podemos definir dois tipos diferentes de proteção auditiva:

circum-auriculares ou tipo concha.

de inserção ou tipo plug, podendo ainda serem dos tipos: pré-moldável ou moldável; e os

Página 25 de 56

1.17.4.

CRITÉRIO PARA SELEÇÃO DOS PROTETORES AUDITIVOS

A escolha do protetor auditivo mais adequado, aos ambientes/atividades em estudo, deve estar

fundamentada em:

EPI aprovado pelo Ministério do Trabalho e Emprego mediante Certificado de Aprovação (CA);

Comportamento acústico do protetor frente ao espectro de audiofreqüência do ruído, medido em terço

de oitava em cada local de uso – confrontar dados do fabricante com as medições de campo; Maior atenuação acústica possível – NRR e NRRsf;

Melhor desempenho em teste de atenuação real, em campo – no caso do tipo concha;

Desgastes dos componentes do protetor: no tipo plug estar atento para o material utilizado e no tipo

concha especial atenção para a deformação nas hastes de sustentação das conchas; Maior conforto frente ao desenho ergonômico e no contato dos selos (almofadas) com a pele;

Peças de reposição disponíveis no mercado;

Custos envolvidos – tanto do protetor, quanto das peças de reposição, quando for o caso.

1.17.5. PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA – PCA

O PCA, também chamado de PPA – Programa de Proteção Auditiva, PGA – Programa de Gerenciamento

Auditivo ou ainda PGSA – Programa de Gerenciamento da Saúde Auditiva é o documento base para a implantação de um programa de prevenção para a saúde auditiva de pessoas expostas ao ruído. Tem o objetivo de criar e manter o compromisso entre todos os níveis hierárquicos da organização e à

prevenção e controle das perdas auditivas dos expostos ao ruído, busca soluções de engenharia visando o controle de níveis de ruído, visando melhorar as condições do ambiente de trabalho, também define critérios específicos para seleção, indicação, adaptação e acompanhamento das proteções auditivas, para evitar possíveis Perdas Auditivas Induzidas pelo Ruído – PAIR.

A OS 608/98 do INSS determina a obrigatoriedade, por parte do empregador, de implementar um PCA

constituído dos seguintes tópicos:

Monitoramento da exposição no nível de pressão sonora elevado;

Controles de engenharia e administrativos;

Monitoramento audiométrico;

Indicação de EPI;

Educação e motivação;

Conservação de Registros;

Avaliação da eficácia e eficiência do programa.

A) PRINCIPAIS ITENS DE UM PCA

DESIGNAÇÃO DE RESPONSABILIDADES Um bom PCA define claramente as responsabilidades de todos os níveis hierárquicos, desde a presidencia/diretoria da empresa até o último nível hierárquico, também deve definir claramente as responsabilidades técnicas específicas do SESMT.

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO, MONITORIZAÇÃO E CONTROLE DOS AMBIENTES

O programa deve abordar requisitos técnicos para a avaliação do ruído e a calibração dos instrumentos

utilizados. Deve estar previsto os critérios para monitorização e procedimento de possíveis ajustes necessários.

PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL Deve apontar necessidades e ajustes na proteção coletiva. Define critérios de seleção, classificação, homologação, aquisição, aplicação, treinamento, entrega, registro, utilização e manutenção dos protetores auditivos.

AVALIAÇÃO AMBIENTAL Devendo fazer parte do PPRA, na avaliação ambiental, além dos valores da avaliação de ruído pontual, deve-se constar os valores das doses por função, cálculos de atenuação dos protetores utilizados, conforme informação do fabricante, e dentro do possível com avaliação em campo, além de definir os critérios técnicos e normas utilizadas na avaliação.

INSPEÇÃO E AUDITORIA

O

programa deve prever inspeções e auditorias de campo, para verificar principalmente a correta utilização

da

proteção auditiva e conservação das proteções coletivas.

Página 26 de 56

GERENCIAMENTO AUDIOMÉTRICO Devidamente alinhado com o PCMSO define critérios técnicos dos exames audiométricos, bem como os de utilização e calibração do audiômetro. A legislação brasileira determina que os níveis de ruído de fundo, na cabina audiométrica, estejam de acordo com a OSHA 1981, apêndice D (na verdade o documento oficial da OSHA é de 1983). A proposta de aprimoramento desta legislação, apresentada na Portaria 23, de 14/11/96, da SST, sugere que o ruído de fundos das cabinas audiométricas esteja de acordo com a ISSO 8.253.1, embora a norma utilizada, internacionamente, seja a ANSI S3.1-1991.

a norma utilizada, internacionamente, seja a ANSI S3.1-1991.   FREQÜÊNCIAS POR BANDA DE OITAVA (em Hz)
 

FREQÜÊNCIAS POR BANDA DE OITAVA (em Hz)

 
 

500

1.000

2.000

3.000

4.000

6.000

8.000

OSHA 1983

40

dB

40

dB

47

dB

--

57

dB

--

62

dB

ANSI S3.1-1991

22

dB

29

dB

34

dB

39 dB

42

dB

41 dB

45

dB

Observe que os níveis mínimos determinados pela OSHA são menos exigentes do que os da ANSI.

RELATÓRIO CONSOLIDADO Anualmente deve-se emitir um relatório específico do programa, devidamente ajustado ao relatório anual do PCMSO e PPRA, para evidenciar o desempenho do sistema como um todo.

Página 27 de 56

2.

VIBRAÇÕES

2.1. INTRODUÇÃO E GENERALIDADES Vibração é o movimento periódico, ou aleatório, de um elemento estrutural ou peça de uma máquina. É um movimento repetitivo a partir de uma posição de repouso. Embora praticamente inevitável e algumas vezes até necessária, ela pode causar problemas de saúde para quem sofre seus efeitos. Estes problemas podem ir desde a sensação de enjôo, quando se viaja de navio ou avião, até a trepidação incômoda de britadeiras a ar comprimido.

No ambiente industrial é freqüente a simultaneidade entre ruído e vibrações. No entanto, os efeitos que estes dois agentes podem causar aos trabalhadores são diferentes:

As VIBRAÇÕES afetam zonas mais extensas do corpo, inclusivamente órgãos internos como o cérebro, o fígado e o coração. Na realidade, as vibrações transmitem-se ao organismo segundo três eixos espaciais (x, y, z), com

características físicas diferentes, e cujo efeito combinado é igual ao somatório dos efeitos parciais, tendo ainda em conta as partes do corpo a elas sujeitas. Um corpo está em vibração quando descreve um movimento oscilatório em torno de um ponto fixo. O número de vezes em que o ciclo completo do movimento se repete durante o período de um segundo é chamado de freqüência e, é medido em ciclos por segundo ou Hertz [Hz]. Ao contrário de outros agentes, onde o trabalhador é sujeito passivo, expondo-se aos riscos, no caso das vibrações, deve haver, caracteristicamente, o contato entre o trabalhador e o equipamento ou máquina que transmita a vibração.

A vibração consiste em movimento inerente aos corpos dotados de massa e elasticidade. O corpo humano

possui uma vibração natural. Se uma freqüência externa coincide com a freqüência natural do sistema, ocorre a ressonância, que implica em amplificação do movimento. A energia vibratória é absorvida pelo

corpo, como conseqüência da atenuação promovida pelos tecidos e órgãos. O corpo humano possui diferentes freqüências de ressonância.

O corpo humano reage às vibrações de formas diferentes. A sensibilidade às vibrações longitudinais (ao

longo do eixo z, da coluna vertebral) é distinta da sensibilidade transversal (eixos x ou y, ao longo dos braços ou através do tórax). Em cada direção, a sensibilidade também varia com a freqüência, eis que, para determinada freqüência, a aceleração tolerável é diferente daquela em outra freqüência.

RUÍDO desenvolve a sua ação fundamentalmente em relação a um órgão, a ORELHA.

2.2. TIPOS DE VIBRAÇÕES As vibrações transmitidas ao corpo humano podem ser classificadas em dois tipos, de acordo com a região do corpo atingida. VIBRAÇÃO DE CORPO INTEIRO: é de baixa freqüência e alta amplitude, situa-se na faixa de 1 a 80 Hz, mais especificamente 1 a 20 Hz. Estas vibrações são específicas para atividades de transporte e são afetas à norma ISO 2631. São transmitidas ao corpo do trabalhador, na posição sentado, em pé ou deitado; por exemplo, as vibrações a que estão expostas os motoristas de caminhão, operadores de tratores, máquinas agrícolas, etc. VIBRAÇÕES DE EXTREMIDADES: também conhecidas como segmentais, localizadas ou de mãos e braços, são as mais estudadas, situam-se na faixa de 6,3 a 1250 Hz, ocorrendo nos trabalhos com ferramentas manuais e normatizadas pela ISO5349.

2.3. LEGISLAÇÃO PERTINENTE

A Portaria nº 3.214/78 do MTE – NR-15 – anexo nº 8:

item 1: “As atividades e operações que exponham os trabalhadores, sem a proteção adequada, às vibrações localizadas, ou de corpo inteiro, serão caracterizadas como insalubres, através de perícia realizada no local de trabalho"

item 2: "A perícia, visando à comprovação ou não da exposição deve tomar por base os limites de tolerância definidos pela Organização Internacional para a Normalização – ISO em suas normas ISO 2631

e

ISO/DIS 5349 ou suas substitutas".

ISO 2631 – vibração transmitida para corpo inteiro (versão mais recente 1999)

ISO 5349 – vibrações localizadas (mãos e braços)

A ACGIH faz referências a limites admissíveis para tempo de exposição a vibrações localizadas podendo

ser utilizados como critério de avaliação já que a ISO 5349 é muito superficial, isto é, não há um limite estabelecido e sim umas probabilidades de ocorrência de determinadas lesões. Segundo NR-15 a exposição a vibrações acima do LT é considerada insalubre de grau médio, isto é, deve-

se conceder ao empregado um adicional de 20% do salário mínimo aos seus proventos.

2.4. NORMA ISO 5349

A metodologia especificada na ISO 5349 enumera os fatores que influenciam os efeitos da exposição às

vibrações transmitidas aos membros superiores: o espectro da freqüência da vibração; a magnitude da

vibração; a duração da exposição no período de trabalho; a exposição acumulada até a data.

Página 28 de 56

2.5.

LIMITES DE TOLERÂNCIA

2.5.1.

LIMITES DA ACGIH PARA VIBRAÇÕES DE MÃOS E BRAÇOS

 

A

avaliação das vibrações de mãos e braços deve ser realizada com base nos critérios da ISO 5349 de

1986. A mensuração deve ser realizada para cada eixo (x, y e z), por meio da aceleração ponderada, rms, correspondente ao eixo dominante.

 

LIMITES PARA EXPOSIÇÃO DA MÃO EM QUALQUER DAS DIREÇÕES X, Y OU Z

 

Duração Total da Exposição Diária

Valores do componente de aceleração dominante, rms, ponderada, que não devem ser excedidos

m/s 2

g

 

4

horas e menos de 8

4

0,40

 

2

horas e menos de 4

6

0,61

 

1 hora e menos de 2

 

8

0,81

 

menos de 1 hora

12

1,22

Duração Total da Exposição Diária: tempo total que a vibração entra na mão por dia, seja continuamente, seja intermitentemente. Acelaração dominate: usualmente, um dos eixos é dominante sobre os demais. Se um ou mais eixos de vibração exceder a exposição total diária, então o LT estará excedido.

2.5.2.

LIMITES DA ACGIH PARA VIBRAÇÕES DE CORPO INTEIRO Para a vibração de corpo inteiro, a ACGIH utiliza como base a norma ISO 2631.

 

2.5.3.

DIRETIVA 2002/44/EC DA COMUNIDADE EUROPÉIA

 
   

NÍVEL DE AÇÃO

 

LIMITE DE EXPOSIÇÃO

 
 

Mãos e braços

 

2,5 m/s² A(8)

 

5,0 m/s² A(8)

 

Corpo inteiro

 

0,5 m/s² A(8) ou 9,1 VDV

 

1,15 m/s² A(8) ou 21 VDV

2.6.

AVALIAÇÃO DAS VIBRAÇÕES Sendo os fenômenos ruído e vibrações essencialmente semelhantes, os aparelhos para medição são muito parecidos, mudando, apenas, a escala de medição (que poderá indicar aceleração, velocidade ou

deslocamento do movimento) e o tipo de transdutor (elemento que transforma o sinal mecânico em elétrico ou vice-versa), substituindo-se o microfone do medidor de pressão sonora por um acelerômetro.

A

avaliação é QUANTITATIVA, utilizando o Transdutor Piezoelétrico para medição de aceleração absoluta.

O

Laudo Técnico deve constar com pelo menos:

 

a. o critério adotado;

 

b. o instrumental utilizado;

c. a metodologia de avaliação;

d. a descrição das condições de trabalho e o tempo de exposição às vibrações;

 

e. o resultado da avaliação quantitativa;

 

f. as medidas para eliminação e/ou neutralização da insalubridade, quando houver.

 

De uma forma geral, a vibração deve ser captada na superfície estrutural que suporta o corpo humano, o mais próximo possível do ponto que atinge a pessoa exposta à vibração. Preferencialmente a vibração deve ser medida nas três direções ortogonais.

A

vibração pode ser caracterizada pelo deslocamento, velocidade ou aceleração, ou ainda, em decibels; no

entanto, a aceleração tem sido extensivamente utilizada como unidade em vibrações.

 

2.6.1.

EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NA AVALIAÇÃO No Brasil, o contratante de serviços de avaliação de vibrações deve ter um cuidado especial, eis que muitas empresas estão avaliando vibrações ocupacionais com equipamentos destinados a avaliar vibração em equipamentos, com finalidades de manutenção preditiva. Outras empresas possuem equipamento para avaliação de vibrações com enfoque ocupacional; no entanto, tais equipamentos estão defasados, pois seguem as normas ISO 5349 e 2631 antigas. Tais equipamentos não contemplam as novas curvas de ponderação previstas nas novas normas. Um dos mais modernos equipamentos que há em termos de avaliação de vibrações é o HAV Pro da Quest Technologies, que inclui todas as inovações das versões atuais das normas ISO 5.349 e 2.631.

Página 29 de 56

2.7.

EFEITOS DAS VIBRAÇÕES SOBRE O ORGANISMO As vibrações afetam diferentes regiões do organismo, dependendo da aceleração e comprimento de onda. As operações e atividades que geram vibrações podem afetar a saúde do trabalhador, causando diversas doenças: alterações neurovasculares nas mãos, problemas nas articulações das mãos e braços, osteoporose (perda de substância óssea), lesões na coluna vertebral, dores lombares, etc.

Por exemplo, o sistema tóraz-abdômen é muito sensível nas freqüências entre 3 Hz e 6 Hz; o globo ocular,

a freqüências entre 60 e 90 Hz; as mandíbulas e lábios, a freqüências entre 200 e 300 Hz. Em geral, as

faixas de interesse vão desde 0,1 a 1.000 Hz e desde 0,1 a 100 m/s

Exposições a vibrações menores que 16 Hz, de alta energia (níveis de 140 dB ou mais), causam, por ação mecânica, um afundamento do tórax, dando a sensação de constrição no peito, e tosse. Freqüências entre 3 Hz e 6 Hz, o efeito pode ser ainda mais acentuado. Experiências com animais, nessa faixa de freqüência, não demonstram, oscilações de grande amplitude, para provocar deslocamentos significativos de segmentos corporais, havendo, também, alterações de motricidade da musculatura lisa. Em trabalhos com martelo vibratório, os efeitos localizam-se, principalmente, nos membros superiores:

cotovelos, articulações, mãos e dedos. Os problemas provocados pelo martelete podem ser do tipo:

ósteo-articular, tais como a artrose do cotovelo, necrose dos ossos dos dedos, deslocamentos anatômicos, entre outros; problemas musculares ou agioneurológico, onde encontram-se problemas como a doença de Raynaud (dedos brancos e insensíveis); problemas nervosos, alterando a sensibilidade táctil. Nos últimos anos, diversos pesquisadores têm reunido dados sobre os efeitos fisiológicos e psicológicos das vibrações, como perda de equilíbrio, falta de concentração e visão turva, diminuindo a acuidade visual. As vibrações podem afetar o conforto, reduzir o rendimento do trabalho e causar desordens das funções fisiológicas, dando lugar ao desenvolvimento de doenças quando a exposição é intensa.

2

de aceleração rms.

2.7.1.

FATORES DECISIVOS PARA A CONSEQUÊNCIA DAS VIBRAÇÕES NO CORPO HUMANO:

pontos de aplicação no corpo;

frequência das oscilações;

aceleração das oscilações;

duração da ação;

frequência própria do organismo humano;

ressonância. Cada sistema tem uma frequência própria. Quanto mais próxima a frequência excitadora chega a frequência própria do sistema excitado, maior será a amplitude da oscilação forçada. Com isso, a amplitude da oscilação forçada pode vir a ser maior que a oscilação excitadora. A esta manifestação, chama-se de RESSONÂNCIA. De maneira inversa, em cada sistema as oscilações também podem ser diminuídas, fenômeno que se designa por AMORTECIMENTO. Assim, por exemplo, as oscilações verticais das pernas são significativamente amortecidas ao estar em pé. Especialmente forte é o amortecimento dos tecidos do corpo para as frequências de 30 Hz.

2.8.

MEDIDAS DE CONTROLE

A

regra fundamental para controle da vibração é combater prioritariamente o estado de ressonância.

2.8.1.

CONTROLE NA FONTE

A

primeira providência em relação às vibrações é tentar reduzi-las junto à fonte, e geralmente é eficiente,

mas algumas vezes pode não ser exeqüível ou pode ser uma modificação onerosa.

2.8.2.

CONTROLE NA TRAJETÓRIA (MEIO DE PROPAGAÇÃO) ISOLAR A FONTE: quando não for possível eliminar a fonte, esta pode ser isolada, para que o trabalhador não entre em contacto direto com ela. CONTROLE DA TRANSMISSÃO: suprimir meio transmissor; realizar montagens anti-vibratórias:

introdução de elementos resilientes, tais como, molas ou apoios em borracha (fibra de vidro ou cortiça) que reduzem a transmissão de energia vibratória; tratamento amortecedor dos elementos estruturais que compõem o percurso de transmissão, de modo a absorver parte da energia vibratória produzida. REDUÇÃO DA AMPLITUDE DAS VIBRAÇÕES

2.8.3.

CONTROLE DA VIBRAÇÃO NO RECEPTOR

Se as providências anteriores não forem suficientes, pode-se proteger o trabalhador individual com certos equipamentos, no entanto esta medida é mais usual como reforço as duas anteriores.

ferramentas com características antivibratórias;

luvas aintivibração: eficientes em vibrações de alta freqüência e

botas com solado em material absorvente;

práticas adequadas de trabalho: instruções e procedimentos;

programa de supervisão médica específico (PCMSO);

pausas de 10 minutos a cada hora contínua de exposição.

Página 30 de 56

3.

PRESSÕES ANORMAIS

3.1. INTRODUÇÃO

Os trabalhos sob pressões anormais, ou seja, sob pressão superior à atmosférica, obedecem a uma série de restrições e cuidados, entre os quais destacamos:

o trabalhador não poderá sofrer mais de uma compressão num período de 24 horas;

o tempo de trabalho sob ar comprimido nunca poderá exceder a 4 horas;

após a descompressão, os trabalhadores devem permanecer sob observação;

o trabalhador exposto a estas pressões, obrigatoriamente deve ter mais de 18 anos e ter

acompanhamento permanente de médico especializado.

3.2. AVALIAÇÃO

A avaliação feita é QUALITATIVA.

3.3. LEGISLAÇÃO PERTINENTE

A Norma Regulamentadora nº 15, Anexo 6, estabelece normas e procedimentos, assim como apresenta

tabelas de descompressão, define os padrões para avaliação de candidatos a esta atividade e apresenta tratamento recomendado para cada caso.

3.4. INSALUBRIDADE Conforme estabelece a Portaria n.º 3214/78 do MTE – NR-15 – Anexo nº 6, item 1.3.19: “As atividades ou operações realizadas sob ar comprimido serão consideradas insalubres de grau máximo.”

3.5. EFEITOS A SAÚDE Em suma os efeitos sobre o organismo humano são: doenças do aparelho respiratório, quedas, doenças da pele, doenças circulatórias. Os riscos à saúde do trabalhador existem diretamente em três fases da atividade:

fase de compressão (período de preparo inicial): problemas na orelha, afetando principalmente o tímpano. Nesta fase é muito importante que a compressão seja lenta, gradual e controlada; fase de pressão constante (execução do trabalho): quando há o equilíbrio ente as pressões internas e externas os riscos são menores, exceto pela possibilidade de intoxicação por monóxido de carbono, resultante da combustão; fase descompressiva (período de preparo final): é a que representa maiores riscos, tais como:

problemas na orelha; embolia gasosa (bolhas no sangue); problemas no coração, pulmão, cérebro, ossos e articulações; e enfisema subcutâneo (bolhas sob a pele).

3.6. MEDIDAS DE CONTROLE Dentre os cuidados a serem tomamos destacamos os seguintes:

seguir rigorosamente as tabelas de tratamento;

ter acompanhamento qualificado;