Você está na página 1de 1

NEXO CAUSAL Direito Penal (Geovane Moraes) 04 partes

Galera, j que comecei com questes doutrinrias, vamos falar um pouco sobre Nexo Causal. Como o tema meio longo, vou dividir em trs partes. N !" C#$%#& ' () *" resultado, de que depende a existncia do crime, somente imputvel a quem l+e deu causa. Considera,se causa a a-.o ou omiss.o sem a qual o resultado n.o teria ocorrido/. " C0digo 1enal estabelece as regras quanto ao nexo causal com fundamento 2eoria da quivalncia dos #ntecedentes Causais 3ou conditio sine qua non4. sta teoria tem por base um ju56o +ipottico de elimina-.o, que segue a seguinte premissa7 para saber se um comportamento ou n.o causa deve,se suprimir o comportamento mentalmente e indagar se sem ele o resultado manifestar,se,ia 2#& e 8$#& ocorreu. %e o resultado 9 :!#; de acontecer ou sofrer modifica-es em sua estrutura bsica porque o comportamento causa. # equivalncia dos antecedentes causais recebe uma cr5tica muito contundente7 a de que esta teoria pode representar um regresso ao finito. 1or conta disso s.o necessrios filtros, limites para a aferi-.o da rela-.o de causalidade, sendo o que mais se destaca a regra da :mputa-.o %ubjetiva ou #feri-.o do lemento <oral "brigat0rio. 1or este filtro, s0 se discute causalidade se tiver +avido 9"&" ou C$&1#. xemplo7 =o.o empresta carro para =os, este assalta um banco com o carro emprestado, porm =o.o n.o sabia do assalto, nem tin+a como saber. Neste caso como n.o agiu com dolo ou culpa, n.o existe nexo causal entre a conduta praticada por =o.o e o assalto ao banco. $m forte abra-o a todos e quem gostou vai fortalecendo meu lado dando um $1.

N !" C#$%#& ' (> ? vlido destacar tambm o instituto das concausas, que podem ser de > espcies7 a4 #bsolutamente independente7 %.o aquelas rela-es de causalidade que nada tem em comum, n.o possuindo nen+uma espcie de v5nculo na origem. Nas concausas absolutamente independentes + o ;"<1:< N2" da causalidade. 3 las n.o s.o um desdobramento natural da conduta4 b4 ;elativamente independente ' 1ossuem um ponto de encontro, de intercess.o na origem do evento. Nas concausas relativamente independentes N@" + o rompimento da causalidade. 3Aia de regra elas s.o um desdobramento natural da conduta4 9:C# <$:2" :<1";2#N2 , # supervenincia de concausa relativamente independente exclui a rela-.o de causalidade quando 1"; %: %B causa o resultado, tendo em vista que + para esta concausa tal previs.o no C )D, do #rt.)E do C1. Neste caso pergunta,se7 # supervenincia de concausa relativamente independente por si s0 causou o resultadoF %e a resposta for %:< ' exclui a imputa-.o e responde pelo crime tentado. %e a resposta for N@" ' n.o exclui a imputa-.o e reponde pelo crime consumado. C"<" #%%:<FFFFFFF 2;#9$G 1&GG. Na pr0xima postagem, mas v.o fortalecendo a5 meu lado com os $1s.

Você também pode gostar