Você está na página 1de 612
SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO POLÍCIA MILITAR COMANDO

SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO POLÍCIA MILITAR COMANDO GERAL

PROCEDIMENTO

OPERACIONAL

PADRÃO

02 DE DEZEMBRO DE 2011

GRUPO DE TRABALHO

1. Maj PM MARCELLO MARTINEZ HIPÓLITO (PM-3)

2. Maj PM AURÉLIO JOSÉ PELOZATO DA ROSA (DIE)

3. Maj PM JÚLIO CÉSAR PEREIRA (PM-1)

4. Maj PM GILDO MARTINS DE ANDRADE FILHO (14º BPM)

5. Maj PM JOSÉ ONILDO TRUPPEL FILHO (DP)

6. Maj PM RICARDO ALVES DA SILVA (20º BPM)

7. Maj PM MARCELO EGÍDIO COSTA (3ª RPM)

8. Maj PM WALLACE CARPES (CPME)

9. Cap PM JORGE EDUARDO TASCA (PM-3)

10. Cap PM JARDEL CARLITO DA SILVA (BPMA)

11. Cap PM LUCIANO GABRIEL THIELE (PM-3)

12. Cap PM RENATO ABREU (CFAP)

13. Cap PM ANDRÉ LUIZ DIAS DE MELLO (19º BPM)

14. Cap PM MARCUS VINICIUS DE SOUZA DALMARCO (Gu Esp PM Imbituba)

15. Cap PM DANIEL NUNES DA SILVA (BOPE)

16. Cap PM RICHARD WESTPHAL (GEChoque)

17. Cap PM FABIANO DA SILVA (2ª RPM)

18. Cap PM MIGUEL ANGELO SILVEIRA (Gu Esp PMMon)

19. Cap PM FREDERICK RAMBUSCH (BPMA)

20. Cap PM PABLO NERI PEREIRA (10º BPM)

21. Cap PM MARCELO SESTREN VENERA (8º BPM)

22. 1º Ten PM THIAGO AUGUSTO VIEIRA (4º BPM)

23. 1º Ten PM JOAMIR ROGÉRIO CAMPOS (21º BPM)

24. 1º Ten PM ANDERSON STHANKE (GEChoque)

25. 1º Ten PM EDUARDO MORENO PERSON (9º BPM)

26. 1º Ten PM FABRÍCIO GILBERTO TRUPPEL (22º BPM)

27. 1º Ten PM CLARISSA DIAS SOARES (DIE)

28. 2º Ten PM CAROLINA MARIA BACHMANN (10º BPM)

29. 2º Ten PM THIAGO MATIAS FONSECA (16º BPM)

SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO POLÍCIA MILITAR COMANDO

SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO POLÍCIA MILITAR COMANDO GERAL

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRÃO DA POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA

100 - POPs PRÓ-ATIVOS

101 - Policiamento ostensivo motorizado

102 - Policiamento ostensivo a pé

103 - Análise e resolução de problemas de segurança pública

104 – Vistoria preventiva residencial

105 - Vistoria preventiva comercial

106 - Atendimento preventivo pós-crime residencial

107 - Atendimento preventivo pós-crime comercial

108 - Vistoria preventiva de ordem pública em locais de eventos, estabelecimentos e atividades

(Laudo de Ordem Pública)

200 - POPs REPRESSIVOS

201 - Barreira policial

202 - Varredura

203 - Pente Fino

204 - Patrulha urbana

205 - Patrulha rural

206 - Cerco

207 - Comando de trânsito

208 - Fiscalização de ambulantes

209 - Fiscalização de ordem pública em estabelecimentos de diversão, bares e congêneres

300 - POPs REATIVOS - ATIVIDADE ORDINÁRIA

301 - CONHECIMENTO E EMPENHO DE OCORRÊNCIA

301.1 - Conhecimento da ocorrência – 190 – Atendimento

SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO POLÍCIA MILITAR COMANDO

SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO POLÍCIA MILITAR COMANDO GERAL

301.3 - Empenho de Guarnição PM– 190

302 - DESLOCAMENTO PARA O LOCAL DA OCORRÊNCIA

302.1 - Deslocamento para o local da ocorrência - Nível 1

302.2 - Deslocamento para o local da ocorrência - Nível 2

302.3 - Deslocamento para o local da ocorrência - Nível 3

303 - CHEGADA AO LOCAL DA OCORRÊNCIA

304 - ATENDIMENTO DA OCORRÊNCIA

304.1 - Homicídio

304.2 - Roubo

304.3 - Sequestro relâmpago

304.4 - Furto

304.5 - Lei Maria da Penha

304.6 - Tráfico de drogas

304.7 - Posse de drogas

304.8 - Porte ou posse ilegal/irregular de arma de fogo

304.9 - Lesão corporal leve

304.10 - Vias de Fato/Rixa

304.11 - Dano

304.12 - Ameaça

304.13 - Perturbação do trabalho ou sossego alheios

304.14 - Jogos de azar

304.15 - Desacato

304.16 - Desobediência

304.17 – Direção de veículo automotor sem habilitação

304.18 - Ocorrência de condução de veículo sob influência de álcool

304.19 - Lesão corporal culposa na direção de veículo automotor

304.20 - Homicídio culposo na direção de veículo automotor

304.21 - Acidentes de trânsito

304.22 - Objetos e materiais encontrados ou recuperados

SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO POLÍCIA MILITAR COMANDO

SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO POLÍCIA MILITAR COMANDO GERAL

304.24 - Encontro de pessoa perdida

304.25 - Verificação de pessoa em atitude suspeita

304.26 - Animal em via pública

304.27 - Atendimento preliminar de ocorrência com bomba

304.28 - Atendimento preliminar de ocorrência com refém ou suicida

304.29 - Manifestações

304.30 - Disparo de alarme em estabelecimento bancário

304.31 - Ocorrência envolvendo pessoa com prerrogativa de função

304.32 - Ocorrência envolvendo estrangeiro

304.33 - Ocorrência envolvendo criança e/ou adolescente

304.34 - Ocorrência envolvendo guardador autônomo de veículo (flanelinha)

305 - ENCERRAMENTO DA OCORRÊNCIA

305.1 - Condução de preso/apreendido em flagrante para hospital

305.2 - Lavratura de BO-TC

305.3 - Lavratura de BO-COP

305.4 - Lavratura de BO-PF/Ap

305.5 - Lavratura de BO-Outros

305.6 - Lavratura de BO-AT

305.7 - Lavratura de BO-AT/TC

305.8 - Lavratura de BO-AT/COP

305.9 - Lavratura de BO-AT/PF-Ap

306 - NÃO EXISTÊNCIA OU NÃO CONSTATAÇÃO DE OCORRÊNCIA

307 - RESOLVIDO NO LOCAL

308 - DISPENSADO PELO SOLICITANTE

400 – POPs de TÉCNICA POLICIAL

401 – BUSCA PESSOAL

402 – USO DE ALGEMA

403 – NÍVEIS DE RISCO NA ABORDAGEM POLICIAL

SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO POLÍCIA MILITAR COMANDO

SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO POLÍCIA MILITAR COMANDO GERAL

405 – ACOMPANHAMENTO OU PERSEGUIÇÃO DE VEÍCULO

406 – CONDUÇÃO DE PRESO EM VIATURA

500 - POPs DIVERSOS

501 - PREPARAÇÃO PARA O SERVIÇO

502 - PRESERVAÇÃO DE LOCAL DE CRIME

600

- POPs Unidades Especializadas

601 – POPs BPMRv

601.1 - Fiscalização diária e ostensiva defronte aos Postos do BPMRv

601.2 - Posicionamento de viatura nos postos do BPMRv e nas rodovias

601.3 - Ocorrência envolvendo veículo com excesso de peso

602 – POPs BPMA

602.1 - Ocorrência envolvendo uso irregular de recursos florestais

602.2 - Identificação do uso irregular de recursos florestais em áreas de preservação permanente

602.3 - Identificação do uso irregular de recursos florestais integrantes do Bioma Mata Atlântica

602.4 - Destinação de animais nativos apreendidos ou entregues

602.5 - Estruturação Básica do Processo Administrativo Ambiental

603 – POPs BAPM

603.1 - Radiopatrulhamento aéreo preventivo

603.2 - Operações policiais Helitransportadas

603.3 - Atendimento Pré-hospitalar em Aeronave

603.4 - Operações de Buscas com Aeronaves

603.5 - Transporte de Equipe e Órgãos para Transplante

700

- POPs Unidades de Apoio

701 – POPs BOPE

701.1 - Policiamento Tático Móvel

SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO POLÍCIA MILITAR COMANDO

SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO POLÍCIA MILITAR COMANDO GERAL

701.2 - Atendimento de Ocorrência com Refém, Suicida ou barricados

701.3 - Procedimento em Ocorrências com Bombas e Artefatos Explosivos

702 – POPs Gu Esp PMMon

702.1 - Patrulhamento Montado

702.2 - Abordagem Policial Montado

702.3 - Operações de Choque Montado

702.4 - Patrulhamento Montado em Shows, Festas ou Eventos

703 – POPs GEChoque

703.1 – Controle de Distúrbios Civis - CDC

703.2 - Revista em Estabelecimento Prisional

703.3 – Escolta

703.4 - Rebelião em Estabelecimento Prisional

703.5 - Atuação do Choque em Policiamento de Futebol

703.6 - Atuação do Choque em Grandes Eventos

703.7 - Patrulhamento Tático Móvel - PATAMO CHOQUE

703.8 - Atuação do Choque em Reintegração de Posse

704 – POPs Cia Pol Cães

704.1 - Patrulhamento Tático K-9

704.2 - Abordagem Policial com cão

704.3 - Emprego de cão farejador de drogas

SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO POLÍCIA MILITAR COMANDO

SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO POLÍCIA MILITAR COMANDO GERAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PRÓ-ATIVO

Grupo 100

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POLICIAMENTO OSTENSIVO MOTORIZADO POP nº 101 Estabelecido em 23/12/2011 Execução

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

POLICIAMENTO OSTENSIVO MOTORIZADO

POP nº

101

Estabelecido em

23/12/2011

Execução

Guarnição PM

MATERIAL NECESSÁRIO

1. Fardamento, armamento e equipamento (POP nº 501)

2. Cobertura quando em P-115 (não há obrigatoriedade de utilização de cobertura no interior da

viatura quando em deslocamento)

ETAPAS

PROCEDIMENTOS

Chegada

-

Encerramento

-

Conhecimento da ocorrência

-

Deslocamento

-

Atendimento

-

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO  

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

 

POLICIAMENTO OSTENSIVO MOTORIZADO

POP nº

101

Estabelecido em

Execução

23/12/2011

Guarnição PM

 

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL E DOUTRINÁRIA

 

LEGISLAÇÃO/DOUTRINA

ESPECIFICAÇÃO

Manual de Técnicas de Policia Ostensiva - PMSC

Capítulos I e VII

Ordem nº 027/Cmdo-G/2003

Inteiro Teor

Diretriz de Ação Operacional Permanente

 

002/89/Cmdo G

Inteiro teor

Diretriz de Ação Operacional Permanente

 

010/89/Cmdo G

Item 3,b

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO  

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

 

POLICIAMENTO OSTENSIVO MOTORIZADO

POP nº

101

Estabelecido em

 

Execução

23/12/2011

Guarnição PM

 

SEQUÊNCIA DAS AÇÕES

 

1. Informar-se sobre o posto a ser policiado;

 

2. Informar-se sobre as ocorrências relevantes do turno de serviço anterior;

 

3. Informar-se junto ao comandante do policiamento se existe alguma atividade extraordinária

programada em sua área de atuação durante seu turno de serviço;

 

4. Iniciar o patrulhamento em seu posto;

 

a. Se houver cartão programa pré-estabelecido:

 

I. Seguir o roteiro estabelecido no cartão-programa;

 

II. Identificar outros pontos críticos que possam ser incluídos no cartão programa e

 

informar ao comandante do policiamento.

 

b. Se não houver cartão-programa:

 

I. Priorizar o patrulhamento de pontos sensíveis: bancos, escolas, casas lotéricas,

 

postos de combustíveis, supermercados, áreas de grande circulação de pessoas;

II. Os locais e horários de P-115 (permanência em posto de policiamento ostensivo

 

motorizado) e P-409 (patrulhamento/ronda) deverão ser alternados, a fim de não

tornar previsível a atuação da guarnição.

 

5. Manter, no período noturno, o dispositivo luminoso (giroflex) ligado em todos os

deslocamentos, exceto quando da aproximação de pontos críticos;

 

6. Obedecer à legislação de trânsito, inclusive no tocante ao cinto de segurança;

7. Manter a velocidade de patrulhamento de no máximo 40 km/h;

8. Informar e cadastrar junto à CRE/COPOM toda e qualquer alteração durante o turno de serviço

(P-115, abordagens, barreiras) assim como deslocamentos para J-4 (refeição), J-8

(necessidades fisiológicas) e períodos de descanso na base operacional;

 

9. Realizar P-115, observando o seguinte:

 

a. O P-115 deverá ser realizado em locais de grande visibilidade e a localização exata

deverá ser informada à CRE/COPOM;

 

b. Estacionar a viatura de forma que, havendo necessidade de deslocamento, poderá fazê-lo

em qualquer direção de saída sem realizar manobras;

 

c. Os Policiais Militares deverão desembarcar da viatura PM, atentos às comunicações de

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POLICIAMENTO OSTENSIVO MOTORIZADO POP nº 101 Estabelecido em 23/12/2011 Execução

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

POLICIAMENTO OSTENSIVO MOTORIZADO

POP nº

101

Estabelecido em

23/12/2011

Execução

Guarnição PM

rádio, devendo proceder, nos arredores, patrulhamento a pé, sem perder contato visual

com a viatura;

d. A duração do P-115 deverá ser de 15 (quinze) a 30 (trinta) minutos;

e. Os policiais deverão utilizar cobertura e manter uma postura corporal que transmita

profissionalismo e atenção.

10. Quando em P-115, fazer contato com comerciantes e com a população em geral, visando à

aproximação entre polícia militar e comunidade, com foco na atividade policial militar;

11. Realizar barreiras policiais (POP nº 201) e abordagens de pessoas (POP nº 404);

12. Caso não haja ocorrências pendentes no posto ou outras operações programadas, o comandante

do policiamento poderá conceder, a cada 02 (duas) horas de serviço, 15 (quinze) minutos de

descanso na base operacional ou OPM para a guarnição, não podendo haver mais de uma

guarnição na base simultaneamente (os períodos de descanso não são cumulativos);

13. Exceto no período de J-4, nenhuma permanência na base operacional ou OPM poderá ser

superior a 15 (quinze) minutos;

14. Todo e qualquer deslocamento fora do seu posto, que não for para atendimento de ocorrência,

só poderá ser realizado mediante prévia autorização do comandante do policiamento.

15. Ao término do serviço:

a. Repassar à próxima guarnição alterações de serviço (ocorrências, atividades

extraordinárias e outras informações relevantes);

b. Repassar ao comandante do policiamento e à próxima guarnição alterações relativas a

viatura, equipamento e armamento;

c. Informar à CRE/COPOM o encerramento do turno de serviço e os componentes da

guarnição que assumem.

ATIVIDADES CRÍTICAS

1. Obedecer às normas de trânsito;

2. Realizar P-115, abordagens e barreiras;

3. Manter a ostensividade da viatura, tanto em P-409 quanto em P-115.

ERROS A SEREM EVITADOS

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO  

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

 

POLICIAMENTO OSTENSIVO MOTORIZADO

POP nº

101

Estabelecido em

 

Execução

23/12/2011

Guarnição PM

1. Conduzir a viatura falando ao celular, fumando ou com um dos braços para fora da janela;

2. Estacionar a viatura em locais proibidos quando não estiver em atendimento de ocorrência

3. Desobedecer à legislação de trânsito, em especial, deixando de usar o cinto de segurança, salvo

nas exceções especificadas;

 

4. Realizar o patrulhamento em velocidade superior a 40 km/h, comprometendo a observação de

fatos suspeitos bem como a visualização da viatura pelos transeuntes;

 

5. Realizar P-115 aquém ou além do tempo estabelecido;

 

6. Manter postura desleixada, apoiando-se na viatura e portando-se de maneira desatenta;

7. Deixar de informar à CRE/COPOM alterações como abordagens, P-115, barreiras, J-4, J-8 e

períodos de descanso na base operacional ou OPM;

 

8. Sair de seu posto por motivo que não seja atendimento de ocorrência sem prévia autorização

do comandante do policiamento.

 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POLICIAMENTO OSTENSIVO A PÉ POP nº 102 Estabelecido em 23/12/2011 Execução

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

POLICIAMENTO OSTENSIVO A PÉ

POP nº

102

Estabelecido em

23/12/2011

Execução

Guarnição PM

MATERIAL NECESSÁRIO

1. Fardamento, armamento e equipamento (POP nº 501)

ETAPAS

PROCEDIMENTOS

Encerramento

-

Conhecimento da ocorrência

-

Deslocamento

-

Chegada

-

Atendimento

-

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POLICIAMENTO OSTENSIVO A PÉ POP nº 102 Estabelecido em 23/12/2011 Execução

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

POLICIAMENTO OSTENSIVO A PÉ

POP nº

102

Estabelecido em

23/12/2011

Execução

Guarnição PM

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL E DOUTRINÁRIA

LEGISLAÇÃO/DOUTRINA

ESPECIFICAÇÃO

Manual de Técnicas de Policia Ostensiva - PMSC

Capítulo I e V

Diretriz de Ação Operacional Permanente

002/89/Cmdo G

Inteiro teor

Diretriz de Ação Operacional Permanente

010/89/Cmdo G

Item 3, a

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO  

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

 

POLICIAMENTO OSTENSIVO A PÉ

POP nº

102

Estabelecido em

Execução

23/12/2011

Guarnição PM

 

SEQUÊNCIA DAS AÇÕES

 

1. Informar-se sobre o posto a ser policiado;

 

2. Informar-se sobre ocorrências relevantes no turno de serviço anterior;

 

3. Informar-se junto ao comandante do policiamento se existe alguma atividade extraordinária

programada em sua área de atuação durante seu turno de serviço;

 

4. Iniciar o patrulhamento em seu setor;

 

a.

Se houver roteiro pré-estabelecido:

I. Seguir o roteiro;

II. Identificar outros pontos críticos que possam ser incluídos no roteiro e informar ao

 

comandante do policiamento.

b.

Se não houver roteiro:

 

I.

Priorizar patrulhamento nas proximidades de bancos, praças, casas lotéricas,

supermercados, demais estabelecimentos comerciais e em frente a escolas.

5. policiamento

Realizar

de proximidade

com a comunidade, estabelecendo contato com

comerciantes e população em geral, com foco na atividade policial militar;

 

6. Conhecer e localizar os principais pontos de interesse público dentro de seu setor, tais como

instituições públicas, prestadoras de serviços públicos e privados e principais vias, a fim de

prestar informação ao público quando solicitado;

 

7. O policial deverá portar-se da seguinte forma:

a. Manter atenção ao que ocorre a sua volta;

b. Manter uma postura proativa, voltada à prevenção;

 

c. Estar sempre em local de boa visibilidade para garantir a ostensividade.

8. Ao se deparar com uma ocorrência (POP nº 404):

a. Se houver possibilidade de atender sozinho:

I. Informar à CRE/COPOM;

 

II. Proceder ao atendimento (POP nº 304).

 

b. Se não houver possibilidade de atender sozinho:

I. Informar à CRE/COPOM e solicitar apoio/reforço;

II. Acompanhar o desenvolvimento da ocorrência;

III. Aguardar apoio/reforço e proceder ao atendimento (POP nº 304).

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POLICIAMENTO OSTENSIVO A PÉ POP nº 102 Estabelecido em 23/12/2011 Execução

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

POLICIAMENTO OSTENSIVO A PÉ

POP nº

102

Estabelecido em

23/12/2011

Execução

Guarnição PM

9. Caso não haja ocorrências pendentes no posto ou outras operações programadas, o comandante

do policiamento poderá conceder, a cada 02 (duas) horas de serviço, 15 (quinze) minutos de

descanso. Destaque-se que os períodos de descanso não são cumulativos;

a. Se houver base operacional ou OPM no seu posto:

I. Informar à CRE/COPOM e ao comandante do policiamento sobre o início e o

término do período de descanso;

II. O descanso deverá ser realizado na base ou OPM, não podendo haver mais de uma

guarnição simultaneamente.

b. Se não houver base operacional ou OPM no seu posto:

I. Informar à CRE/COPOM e ao comandante do policiamento sobre o início e o

término do período de descanso e sobre o local em que será realizado;

II. O descanso deverá ser realizado em locais adequados (padarias, confeitarias, lojas

de conveniências), que fiquem no seu posto, não podendo haver mais de uma

guarnição neste local simultaneamente.

10. Informar ao comandante do policiamento e à CRE/COPOM o término do seu turno de serviço.

ATIVIDADES CRÍTICAS

1. Manter a ostensividade (estar em local visível);

2. Manter postura que transmita a ideia de vigilância e a sensação de segurança à população.

ERROS A SEREM EVITADOS

1. Realizar atividades pessoais durante o policiamento ostensivo a pé (pagamento de contas,

serviços bancários, pesquisas de preços, compras);

2. Deixar de informar à CRE/COPOM alterações como abordagens, J-4, J-8 e períodos de

descanso na base operacional ou OPM ou outro local escolhido para este fim;

3. Sair de seu posto por motivo que não seja atendimento de ocorrência sem prévia autorização

do comandante do policiamento.

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO  

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

 

ANÁLISE E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE SEGURANÇA PÚBLICA

POP nº

103

Estabelecido em

Execução

23/12/2011

PM capacitado

 

MATERIAL NECESSÁRIO

 

1. Fardamento, armamento e equipamento (POP nº 501)

 

2. Diagrama para a identificação de problemas de segurança pública

3. Matriz GUT (Gravidade – Urgência – Tendência)

4. Diagrama de Causa e Efeito

 

5. Plano de Ação

 

ETAPAS

 

PROCEDIMENTOS

Conhecimento da ocorrência

 

-

Deslocamento

 

-

Chegada

 

-

Atendimento

 

-

Encerramento

 

-

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO  

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

 

ANÁLISE E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE SEGURANÇA PÚBLICA

POP nº

103

Estabelecido em

Execução

23/12/2011

PM capacitado

 

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL E DOUTRINÁRIA

 

LEGISLAÇÃO/DOUTRINA

ESPECIFICAÇÃO

Plano de Comando da PMSC

Eixos Estruturantes

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO  

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

 

ANÁLISE E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE SEGURANÇA PÚBLICA

POP nº

103

Estabelecido em

Execução

23/12/2011

PM capacitado

 

SEQUÊNCIA DAS AÇÕES

 

1. Utilizar o método IARA para identificação, análise, resposta e avaliação de problemas de

segurança pública;

 

2. Identificar os problemas de segurança pública em uma determinada comunidade:

 

a. Empregar estratégias diversificadas para a identificação dos problemas de segurança

pública em uma determinada comunidade (Distribuição de urnas e formulários em

centros comerciais e igrejas; conversas informais de policiais de linha de frente com a

comunidade; a correlação entre os dados obtidos por meio de geoprocessamento e

análises estatísticas e a comunidade; observação direta como pré-identificação de

problemas; queixas em rádio comunitária; caminhadas guiadas; mapa de problemas da

vizinhança, etc.);

 

b. Realizar reunião no CONSEG para a identificação de problemas:

 

I. Mobilizar o maior número possível de pessoas diferentes para participar do

 

processo de identificação de problemas, congregando, preferencialmente, os seis

grandes da polícia comunitária;

II. Utilizar o diagrama para identificação de problemas (Anexo A), empregando a

 

técnica de brainstorming:

i. Dividir os participantes em grupos de quatro a doze pessoas, sendo o

número ideal de seis participantes. Na escolha dos participantes, é sempre

bom ter um grupo misto – quanto mais diversidade melhor;

 

ii. Orientar que cada grupo deve escolher o coordenador e um ou dois

anotadores, conforme o tamanho do grupo, para anotar os problemas que

forem sendo relatados pelos membros do grupo;

 

iii. Apresentar ao grupo com clareza e precisão o tema a ser trabalhado (– Hoje

o objetivo de nossa reunião é identificar os problemas relacionados a

segurança pública de nossa comunidade);

 

iv. Iniciar a identificação dos problemas pelos participantes (Nesta fase, a

qualidade das informações não é relevante. Os participantes lançam ideias à

medida que surgem em sua “cabeça” e estas são escritas pelos anotadores ou

em um quadro. Não se deve fazer juízo de valor nesta etapa, e sim encorajar

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO  

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

 

ANÁLISE E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE SEGURANÇA PÚBLICA

POP nº

103

Estabelecido em

Execução

23/12/2011

PM capacitado

 

todas as ideias, produzir o maior número de ideias possível e combinar as

ideias para gerar outras. Agora o que se deseja é quantidade. O papel do

coordenador passa a ser o de facilitador, encorajando a produção de ideias e

mantendo o grupo centrado na questão principal);

 

v. Avaliar os problemas relatados, eliminando que não reflitam as verdadeiras

preocupações do grupo;

vi. Garantir que cada problema seja um grupo de duas ou mais ocorrências

(grupo de incidentes) que são similares em um ou mais aspectos, ou seja,

têm um padrão que os une, (tipo da infração, procedimento, localização,

pessoas, tempo ou relacionado a um determinado evento), que causa danos e,

além disso, é uma preocupação para a polícia e, principalmente, para a

comunidade e acomete, em pouco tempo, grande número de pessoas.

vii. Especificar os problemas com seus aspectos mais importantes (o que é –

identidade; quem é impactado – extensão; onde acontece – localização; e,

quando acontece – tempo).

 

III. Listar todos os problemas identificados na reunião, agregando aqueles

 

identificados por meio de outras estratégias;

 
 

IV. Priorizar os problemas identificados utilizando a matriz GUT (Anexo B), levando

 

em conta as seguintes dimensões: a gravidade – impacto do problema sobre coisas,

pessoas, resultados, processos ou organizações e efeitos que surgirão em longo

prazo, caso o problema não seja resolvido; a urgência – relação com o tempo

disponível ou necessário para resolver o problema; e, a tendência – potencial de

crescimento do problema, avaliação da tendência de crescimento, redução ou

desaparecimento do problema:

 

V. Selecionar um problema para a sequência de aplicação das etapas do Método

 

IARA.

3.

Analisar o problema selecionado para descobrir suas causas principais:

 
 

a.

Gerar conhecimento sobre o problema:

 
 

I.

Determinar quais informações serão necessárias para, ao final do processo, se ter

 

um retrato fiel do problema, de suas consequências e, principalmente, de suas

causas, levando em consideração a vítima, o autor e o ambiente;

 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO  

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

 

ANÁLISE E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE SEGURANÇA PÚBLICA

POP nº

103

Estabelecido em

 

Execução

23/12/2011

PM capacitado

 

II. Determinar as possíveis fontes de dados para coleta das informações (comunidade,

 

instituições públicas e privadas, estudos acadêmicos, etc.);

 
 

III. Coletar as informações;

 

IV. Levantar quais são as respostas atuais aos incidentes decorrentes do problema.

b.

Utilizar o diagrama de causa e efeito (Anexo C) adaptado ao contexto da segurança

pública para caracterizar o problema, resumindo e identificando suas causas principais e

secundárias da seguinte forma:

 

I. Envolver o maior número de pessoas que conhecem o problema numa dinâmica de

 

brainstorming;

 

II. Escrever o rótulo do problema na caixa do diagrama que significa o “efeito” (tendo

 

o digrama de causa e efeito o formato de uma espinha de peixe, escrever o rótulo

na “cabeça do peixe”);

 

III. Preencher os retângulos grandes (“espinhas” grandes) com os principais

 

responsáveis pela ocorrência do problema, identificando quem são as vítimas,

quem são os infratores, em que local/ambiente ocorre o problema, quais são os

outros órgãos governamentais ou não-governamentais cujas atribuições impactam

no problema, além da Polícia Militar e da Polícia Civil que, em regra, sempre terão

relação com o problema;

 

IV. Preencher as “espinhas” médias (linhas) com as causas secundárias relacionadas ao

 

seu respectivo responsável (quais aspectos, comportamentos, fatores, etc. desta

dimensão – vítima, infrator, ambiente, outros órgãos governamentais ou não-

governamentais, Polícia Militar ou Polícia Civil – contribuem para que o problema

exista; o que esta dimensão faz ou deixa de fazer que contribui para que o

problema exista; etc.);

 

V. Sinalizar no diagrama as causas que parecem exercer um efeito mais significativo

 

sobre o problema (causas principais);

 
 

VI. Garantir que a análise seja realizada com a profundidade adequada à natureza e à

 

complexidade do problema, no sentido de gerar um conhecimento maior e mais

abrangente do que aquele que gerou o problema, de tal forma que se tenha uma

base sólida para a proposição de ações que ataquem, de maneira efetiva, as causas

principais do problema.

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO  

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

 

ANÁLISE E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE SEGURANÇA PÚBLICA

POP nº

103

Estabelecido em

Execução

23/12/2011

PM capacitado

4.

Estabelecer a solução mais adequada para o problema e implementá-la:

 

a. Encontrar ações ou alternativas que possam contribuir para a solução do problema. Essa

 

busca de alternativas deve ser muita mais ampla do que apenas buscar reprimir um

determinado fato delituosos ou prender um determinado infrator, bem como não deve ter

como escopo, simplesmente, repassar o problema para outra agência governamental que

tenha relação direta com o problema, pois somente a transferência de responsabilidade,

sem o devido acompanhamento, não garante a adoção das medidas necessária a

resolução do problema;

 

b. Rever as descobertas sobre os três lados do triângulo de análise de problemas (vítima,

 

infrator e ambiente) e desenvolver ações para lidar, pelo menos, com dois lados do

triângulo;

 

c. Estabelecer qual o objetivo desejado com a implementação das potenciais alternativas

 

para a resolução do problema:

 

I. Eliminar o problema – a efetividade é aferida pela ausência total dos incidentes

 

provocados pelo problema;

 

II. Reduzir o número de incidentes criados pelo problema – o objetivo é a redução de

 

ocorrências originadas pelo problema, geralmente é o mais viável no contexto

policial;

 

III. Reduzir a gravidade dos danos provocados pelo problema– A efetividade neste

 

caso é demonstrada pela constatação de que as ocorrências são menos danosas;

 

IV. Lidar melhor com o problema – Tratar os envolvidos de modo mais humano,

 

reduzir os custos relacionados ao problema, aprimorar a capacidade de lidar com o

problema ou os incidentes por ele gerados, etc.;

 
 

V. Desconsiderar o problema como um assunto da polícia – A efetividade deste tipo

 

de solução está em a polícia constatar e comprovar que o problema não está no seu

raio de atuação, devendo assim, encaminhar o problema para os organismos ou

pessoas que têm essa responsabilidade.

 

d. Construir as ações ou alternativas para o alcance do objetivo definido anteriormente,

 

destacando que, inicialmente, não há limite para a criatividade e a imaginação na busca

de potenciais soluções para o problema selecionado e analisado;

 

e. Priorizar a construção de formas inovadoras de intervir no problema, para, apenas em

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO  

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

 

ANÁLISE E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE SEGURANÇA PÚBLICA

POP nº

103

Estabelecido em

Execução

23/12/2011

PM capacitado

 

um momento subsequente, apresentar respostas tradicionais;

 
 

f. Averiguar, somente depois de esgotadas todas as possibilidades de criação de

 

alternativas para o problema, a viabilidade de cada uma delas, verificando,

especialmente, aspectos relacionados à legalidade, potencial efetividade, adequação aos

valores da comunidade, custos, praticidade, etc.;

 
 

g. Equilibrar a adoção de táticas tradicionais – normalmente relacionadas às atividades

 

básicas de policiamento e que sozinhas dificilmente proporcionam soluções duradouras

para os problemas, como por exemplo, prisões, intimações, saturação de policiamento;

investigação policial, etc. – com táticas não tradicionais – ligadas a ações comunitárias

ou que agreguem novas formas de intervenção, tais como, organização da comunidade,

educação da população, alteração do ambiente, mudanças no contexto social, alteração

no comportamento dos atores, comunicação transparente com a população, etc.

 

h. Utilizar para organizar as respostas ao problema o Plano de Ação (Anexo D):

 

I. Identificar o rótulo do problema;

 

II. Estabelecer o objetivo (eliminar o problema, reduzir a sua frequência ou

 

gravidade, etc.);

 

III. Definir o indicador que permitirá apurar se o objetivo estabelecido foi o não

 

alcançado;

 

IV. Listar as causas principais do problema que foram identificadas no diagrama de

 

causa e efeito;

 

V. Escrever as ações tendentes a “atacar” cada causa principal do problema em ordem

 

cronológica, detalhando o local de sua realização, o prazo, o responsável (nome, e

não função ou instituição), os custos decorrentes e o indicador que possibilitará

aferir a sua consecução;

 

VI. Definir os responsáveis por acompanhar e avaliar o andamento do plano de ação.

 

i. Monitorar a execução do plano;

 

j. Coletar os dados referentes à execução do plano para comparação com os indicadores, a

 

fim de verificar o desempenho das ações e possibilitar a avaliação dos resultados na

próxima etapa do método IARA.

 

5.

Avaliar os resultados alcançados e a efetividade das respostas ao problema:

 
 

a.

Comparar a situação inicial identificada na análise do problema, com a situação pós-

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO  

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

 

ANÁLISE E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE SEGURANÇA PÚBLICA

POP nº

103

Estabelecido em

Execução

23/12/2011

PM capacitado

aplicação das respostas, tendo por base os indicadores definidos no plano de ação;

b. Estabelecer ações de melhoria – quando os resultados obtidos na implementação das

ações estiverem em conformidade com os indicadores previstos no plano de ação; neste

caso o resultado da etapa de avaliação servirá como um novo diagnóstico a ser utilizado

no planejamento de novas ações, visando reduzir ainda mais as causas que geram os

problemas identificados ou até mesmo eliminá-las – ou ações corretivas – quando os

resultados obtidos na implementação das ações não estiverem em conformidade com os

indicadores previstos no plano de ação; neste caso o resultado da etapa de avaliação

servirá como parâmetro para rever o planejamento executado, no sentido de identificar

falhas no próprio processo de planejamento, ou corrigir eventuais ações que se

mostraram inócuas ou ainda redimensionar os indicadores de avaliação propostos;

c. Produzir um documento consolidando todo o conhecimento produzido a resolução deste

problema, como oportunidade para se refletir sobre as dificuldades, as conquistas e os

erros cometidos durante todo o processo, como forma de trocar experiências e transferir

o conhecimento obtido para outros CONSEGs (difusão de boas práticas), e como um

instrumento para garantir que todo este aprendizado não seja perdido.

 
 

ATIVIDADES CRÍTICAS

 

1. Mobilizar e manter engajado o maior número possível de pessoas diferentes para participar do

processo de análise e resolução de problemas, congregando, preferencialmente, os seis grandes

da polícia comunitária;

 

2. Especificar os problemas com seus aspectos mais importantes (o que é – identidade; quem é

impactado – extensão; onde acontece – localização; e, quando acontece – tempo);

3. Gerar conhecimento sobre o problema para descobrir suas causas principais;

 

4. Equilibrar a adoção de táticas tradicionais com táticas não tradicionais para a resolução do

problema;

5. Comparar a situação inicial identificada na análise do problema, com a situação pós-aplicação

das respostas, tendo por base os indicadores definidos no plano de ação.

 
 

ERROS A SEREM EVITADOS

 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO  

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

 

ANÁLISE E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE SEGURANÇA PÚBLICA

POP nº

103

Estabelecido em

Execução

23/12/2011

PM capacitado

1. Identificar problemas de segurança pública apenas pela percepção; situação que tende a refletir

apenas experiências pessoais;

 

2. Não distinguir problemas individuais, que não se configuram em preocupação da comunidade

com um todo, e problemas comunitários;

 

3. Não diferenciar causa, problema e sintoma;

4. Escolher problemas muito complexos nas primeiras intervenções com o método IARA;

5. Tentar resolver muitos problemas simultaneamente, sem priorizá-los, ou problemas cuja

resolução esteja além dos recursos disponíveis (tempo, dinheiro, pessoas, etc.);

 

6. Iniciar precocemente o processo de criação de ações para resolver o problema sem analisá-lo

adequadamente;

 

7. Estabelecer respostas que não estejam focadas e diretamente relacionadas com as causas

descobertas na fase de análise do problema.

 

ANEXO A (POP nº 103) DIAGRAMA PARA IDENTIFICAÇÃO DE PROBLEMAS

1. É realmente um problema de crime, violência e desordem?

2. O problema é realmente uma prioridade para a comunidade ou deveria ser?

3. O problema escolhido é pequeno ou esse problema deveria ser dividido em vários probleminhas?

UTILIZE A TÉCNICA DO BRAINSTORMING (TEMPESTADE DE IDÉIAS)

CRIME/CONTRAVENÇÃO

São fatos típicos antijurídicos, definidos em lei

MEDO DO CRIME

São os atos referentes à Sensação de insegurança.

DESORDEM

São fatos que se referem à aparência das coisas ou ao comportamento das pessoas, que não constituem um crime/contravenção, mas facilitam a sua ocorrência.

Nome e telefone dos participantes:

ANEXO B (POP nº 103) PRIORIZAÇÃO DOS PROBLEMAS MATRIZ GUT

GRAVIDADE

 

URGÊNCIA

TENDÊNCIA

PONTOS

Os prejuízos ou dificuldades são extremamente graves

É

necessária uma ação imediata

Se nada for feito, o agravamento será imediato

5

Muito graves

Com alguma urgência

Vai piorar a curto prazo

4

Graves

O

mais cedo possível

Vai piorar a médio prazo

3

Pouco graves

Pode esperar um pouco

Vai piorar a longo prazo

2

Sem gravidade

Não tem Pressa

Não vai piorar ou pode até melhorar

1

TOTAL

PONTOS

N.°

PROBLEMA

GRAVIDADE

URGÊNCIA

TENDÊNCIA

1

2

3

4

5

6

7

8

9

ANEXO C (POP nº 103) DIAGRAMA DE CAUSA-EFEITO (Espinha de Peixe)

1. Na “cabeça do peixe” escreva o rótulo do problema;

2. Preencha os retângulos (“espinhas grandes”) com as causas principais que afetam o problema (fique a vontade para alterar as causas principais sugeridas);

3. Preencha as “espinhas médias”, com as causas secundárias que afetam as causas principais;

4. As causas que parecem exercer um efeito mais significativo sobre o problema devem ser sinalizadas no diagrama.

Envolva o maior número de pessoas que conhece o problema numa dinâmica BRAINSTORMING (tempestade de idéias)

diagrama. Envolva o maior número de pessoas que conhece o problema numa dinâmica BRAINSTORMING (tempestade de

ANEXO D (POP nº 103) PLANO DE AÇÃO

Rótulo do Problema: Objetivo: Indicador: CAUSA AÇÃO PREVISTA LOCAL PRAZO RESPONSÁVEL CUSTOS INDICADOR
Rótulo do Problema:
Objetivo:
Indicador:
CAUSA
AÇÃO PREVISTA
LOCAL
PRAZO
RESPONSÁVEL
CUSTOS
INDICADOR
Responsáveis pelo acompanhamento e avaliação:
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO VISTORIA PREVENTIVA RESIDENCIAL POP nº 104 Estabelecido em 23/12/2011 Execução PM

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

VISTORIA PREVENTIVA RESIDENCIAL

POP nº

104

Estabelecido em

23/12/2011

Execução

PM capacitado

MATERIAL NECESSÁRIO

1. Fardamento, armamento e equipamento (POP nº 501)

2. Formulário de Vistoria Preventiva Residencial (Anexo A)

ETAPAS

PROCEDIMENTOS

Conhecimento da ocorrência

-

Deslocamento

-

Chegada

-

Atendimento

-

Encerramento

-

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO VISTORIA PREVENTIVA RESIDENCIAL POP nº 104 Estabelecido em 23/12/2011 Execução PM

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

VISTORIA PREVENTIVA RESIDENCIAL

POP nº

104

Estabelecido em

23/12/2011

Execução

PM capacitado

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL E DOUTRINÁRIA

LEGISLAÇÃO/DOUTRINA

ESPECIFICAÇÃO

Constituição da República Federativa do Brasil

de 1988

Arts. 5º caput, 6º caput e 144, § 5º

Constituição do Estado de Santa Catarina

Arts. 105, II e 107

Lei Complementar 454/2009

Art. 10

Parecer nº AGU/TH/02/2001- Anexo ao parecer

GM-25

Inteiro Teor

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO VISTORIA PREVENTIVA RESIDENCIAL POP nº 104 Estabelecido em 23/12/2011 Execução PM

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

VISTORIA PREVENTIVA RESIDENCIAL

POP nº

104

Estabelecido em

23/12/2011

Execução

PM capacitado

SEQUÊNCIA DAS AÇÕES

1. Receber do Comando a relação dos locais a serem vistoriados;

2. Estabelecer contato prévio com o morador responsável pelo imóvel:

a. Identificar-se;

b. Explanar sobre o motivo e objetivos da vistoria;

c. Agendar vistoria, caso haja interesse do morador responsável pelo imóvel (não havendo

interesse, agradecer a atenção e informar que se posteriormente houver o desejo de

receber a vistoria, basta entrar em contato com a OPM local).

3. Comunicar o início dos trabalhos de vistoria à CRE/COPOM;

4. Deslocar ao local previsto e efetuar contato com o morador responsável pelo imóvel;

a. Se o morador responsável pelo imóvel estiver presente:

I. Explicar a dinâmica da vistoria;

II. Colher consentimento do morador responsável pelo imóvel no formulário de

Vistoria Preventiva Residencial (Anexo A);

III. Iniciar o preenchimento do formulário de Vistoria Preventiva Residencial, com o

respectivo levantamento fotográfico quando necessário, na ordem prevista no

formulário;

IV. Encerrar a vistoria;

V. Enviar, ao morador responsável pelo imóvel, orientações complementares

baseadas na vistoria realizada.

b. Se o morador responsável pelo imóvel estiver ausente:

I. Deixar o cartão de visita com registro da data e da hora do comparecimento.

5. Verificar se há outras vistorias agendadas:

a. Se houver, deslocar para a próxima vistoria;

b. Se não houver, comunicar o término dos trabalhos de vistoria à CRE/COPOM.

6. Estabelecer contato, novamente, com o morador responsável ausente na data agendada, para

marcar uma nova vistoria.

ATIVIDADES CRÍTICAS

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO VISTORIA PREVENTIVA RESIDENCIAL POP nº 104 Estabelecido em 23/12/2011 Execução PM

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

VISTORIA PREVENTIVA RESIDENCIAL

POP nº

104

Estabelecido em

23/12/2011

Execução

PM capacitado

1. Estabelecer contato prévio com o morador responsável pelo imóvel;

2. Seguir a sequencia estabelecida no formulário de vistoria (Anexo A);

3. Enviar, ao morador responsável pelo imóvel, orientações complementares baseadas na vistoria

realizada;

4. A vistoria deverá ser realizada por, no mínimo, dois policiais.

ERROS A SEREM EVITADOS

1. Realizar a vistoria sob a supervisão de pessoa não qualificada para prestar as informações

necessárias, ou que não seja o morador responsável pelo imóvel.

ANEXO A (POP nº 104) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA

ANEXO A (POP nº 104)

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO POLÍCIA MILITAR

VISTORIA PREVENTIVA RESIDENCIAL

 

DADOS GERAIS DA VISTORIA

 

Tipo de Residência: Unifamiliar

Multifamiliar

   

E-Mail:

Nome do Prop. / Resp:

 

Data:

Endereço:

Nº.

Complemento:

Bairro:

Município:

Telefone:

CPF:

RG

Estado:

Ponto de referencia:

 

Empregado:

Sim

Não

informal

Escolaridade:

Analfabeto

Fundamental

 

Médio

Superior

 

IDENTIFICAÇÃO DA RESIDÊNCIA

O

nome da via / rua está claramente visível?

Sim

Não

Nome inexistente

O

número da residência está claramente visível? Sim

 

Não

Número inexistente

 

HISTÓRICO DE VITIMIZAÇÃO

 

Já ocorreu algum crime nesta residência:

Sim

Não

Não sabe

 

Se SIM, quantas vezes ocorreu?

01

02

03

04

05

06

07

08 ou mais

 

Se SIM, foi feito alguma mudança comportamental ou estrutural para evitar novamente o delito? Sim

Não

Não sabe

Se SIM, Esta mudança ocorreu depois de qual vitimização? 01°

02°

 

03°

04°

05°

06°

07°

08° ou posterior

OBS.?

 

ACESSIBILIDADE

 

A via pública permite e possui um bom fluxo de veículos em frente a residência?

Sim

 

Não

Não se aplica

A via pública permite e possui um bom fluxo de pedestres em frente a residência?

Sim

 

Não

Não se aplica

A entrada da residência é recuada da via pública?

 

Sim

 

Não

Não se aplica

 

A Propriedade possui segurança eletrônica?

 

Sim

 

Não

Não se aplica

 

A Propriedade possui portão eletrônico?

Sim

 

Não

 

Não se aplica

 
 

ILUMINAÇÃO

 

Existe iluminação pública adequada em frente à residência?

Sim

Não

Não se aplica

 

Existe iluminação privada suficiente para iluminar todo o perímetro interno da propriedade?

Sim

Não

Não se aplica

A

iluminação do perímetro interno é protegida?

Sim

Não

Não se aplica

 

Luzes no perímetro da

Possui Sensor de Movimento?

   

Sensor de Claridade?

 

Timer?

propriedade?

Sim

Não

Sim

Não

Sim

Não

 

BARREIRA PERIMETRAL

 

Existe muro, barreira perimetral ou contenção?

 

Sim

Não

Não se aplica

Se SIM, a barreira permite a visibilidade para o interior e exterior da propriedade?

Sim

Não

Não se aplica

Se SIM, a barreira está íntegra não necessitando de manutenção?

 

Sim

Não

Não se aplica

Se SIM, a propriedade é toda circundada pela barreira?

Sim

Não

Não se aplica

 

Existem ofendículos como arames farpados, lancetas e outros?

Sim

Não

Não se aplica

Existe segurança privada?

Existem cães de guarda

Existem alarmes

 

Existem câmeras de vídeo

Sim

Não

Não se aplica

Sim

Não

Não se aplica

Sim

Não

Não se aplica

Sim

Não

Não se aplica

Os portões permitem boa visibilidade quando fechados?

 

Entrada de veículos

 

Entrada pessoas

 

Sim

Não

Não se aplica

Sim

Não

Não se aplica

Foram removidas estruturas físicas ou vegetação que possibilitem o acesso à propriedade?

Sim

Não

Não se aplica

O depósito de lixo não permite acesso ao interior da propriedade?

Sim

Não

Não se aplica

 

ARBORIZAÇÃO E PAISAGISMO

Existe arborização / paisagismo, na via pública, em frente a residência?

Sim

Não

Não se aplica

Se SIM, a arborização / paisagismo, na via pública, não obstruem a visibilidade e /ou a iluminação?

Sim

Não

Não se aplica

Existe arborização / paisagismo no interior da residência?

Sim

Não

Não se aplica

Se SIM, a arborização / paisagismo, na residência, não obstrui a visibilidade e /ou a iluminação?

Sim

Não

Não se aplica

Se SIM, a arborização / paisagismo, na residência, não permite esconderijos?

Sim

Não

Não se aplica

 

VISIBILIDADE

EXTERNA

A edificação é facilmente visualizada da via pública?

Sim

Não

Não se aplica

INTERNA

Há visibilidade para a via pública pelas aberturas da edificação (portas e janelas)?

Sim

Não

Não se aplica

 

REFORÇO TERRITORIAL / VIGILÂNCIA NATURAL

 
 

Manhã?

Sim

Não

Não se aplica

Existe Fluxo de Pedestres?

Tarde?

Sim

Não

Não se aplica

Noite?

Sim

Não

Não se aplica

 

Madrugada?

Sim

Não

Não se aplica

 

Existe coleta de Lixos e Resíduos?

Sim

Não

Não se aplica

Não há construções abandonadas na proximidades?

Sim

Não

Não se aplica

Há boa conservação das estruturas?

Sim

Não

Não se aplica

Áreas com aspecto de desordem e abandono?

A área está livre do comércio/Consumo de Drogas no local? Sim

Não

Não se aplica

A área está livre da Prostituição no local?

Sim

Não

Não se aplica

A área está livre de Pixações / Depredações? Sim

Não

Não se aplica

Os terrenos laterais estão ocupados?

Sim

Não

Não se aplica

 

Frente?

Sim

Não

Não se aplica

Há contatos sociais e relacionamentos com os vizinhos?

Esquerda?

Sim

Não

Não se aplica

Direita?

Sim

Não

Não se aplica

 

Fundos?

Sim

Não

Não se aplica

 

AMBIENTE EDIFICADO

 
 

Trancas em bom estado de funcionamento e conservação?

Sim

Não

Não se aplica

AS JANELAS

 

POSSUEM

Chaves em bom estado de funcionamento e conservação?

Sim

Não

Não se aplica

Grades em bom estado de funcionamento e conservação?

Sim

Não

Não se aplica

 

Olho mágico?

 

Sim

Não

Não se aplica

 

AS PORTAS

Fechadura em bom estado de funcionamento e conservação?

Sim

Não

Não se aplica

EXTERNAS

A

porta é reforçada e está em bom estado de conservação?

Sim

Não

Não se aplica

POSSUEM

Os vidros nas portas não permitem o acesso a fechadura?

Sim

Não

Não se aplica

A

dobradiça é reforçadas e não acessíveis pela parte externa?

Sim

Não

Não se aplica

PORTÃO DA

 

GARAGEM

Possui fechadura e dobradiça reforçadas?

Sim

Não

Não se aplica

 

SEGURANÇA NO

Alarmes?

Sim

Não

 

Câmeras?

Sim

Não

Cão?

Sim

Não

INTERIOR DA

       
 

EDIFICAÇÃO

Segurança Privada?

Sim

Não

Não se aplica

 

NO PISO

Nas Janelas?

Sim

Não

Não se aplica

 

SUPERIOR

 

EXISTEM

 

Nas Portas?

 

Sim

Não

Não se aplica

GRADES OU

TRANCAS

 

Nas Varandas?

Sim

Não

Não se aplica

 

O(s) piso(s) superior(es) está(ao) isola(s) de acessos alternativos? (ex:. Árvore, muro entulhos, entulhos, etc.)

Sim

Não

Não se aplica

 
 

VALIDAÇÃO

 

POLICIAL MILITAR

Nome:

   

VISTORIADOR

   
 

Mat.:

 

OPM:

Assinatura

PROPRIETÁRIO OU

   

RESPONSÁVEL

 
   

Nome

 

Assinatura

Feed Back ao Morador: Verbalmente

E-mail

Pen-driver

Pegará na OPM

Não teve interesse Outros:

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO VISTORIA PREVENTIVA COMERCIAL POP nº 105 Estabelecido em 23/12/2011 Execução PM

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

VISTORIA PREVENTIVA COMERCIAL

POP nº

105

Estabelecido em

23/12/2011

Execução

PM capacitado

MATERIAL NECESSÁRIO

1. Fardamento, armamento e equipamento (POP nº 501)

2. Formulário de Vistoria Preventiva Comercial (Anexo A)

ETAPAS

PROCEDIMENTOS

Conhecimento da ocorrência

-

Deslocamento

-

Chegada

-

Atendimento

-

Encerramento

-

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO VISTORIA PREVENTIVA COMERCIAL POP nº 105 Estabelecido em 23/12/2011 Execução PM

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

VISTORIA PREVENTIVA COMERCIAL

POP nº

105

Estabelecido em

23/12/2011

Execução

PM capacitado

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL E DOUTRINÁRIA

LEGISLAÇÃO/DOUTRINA

ESPECIFICAÇÃO

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988

Arts. 5º caput, 6º caput e 144, § 5º

Constituição do Estado de Santa Catarina

Arts. 105, II e 107

Lei Complementar 454/2009

Art. 10

Parecer nº AGU/TH/02/2001- Anexo ao parecer GM-25

Inteiro Teor

  PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO    
 

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

   

VISTORIA PREVENTIVA COMERCIAL

POP nº

105

 

Estabelecido em

   

Execução

23/12/2011

 

PM capacitado

 
 

SEQUÊNCIA DAS AÇÕES

 

1. Receber do Comando a relação dos locais a serem vistoriados;

 

2. Estabelecer contato prévio com o proprietário ou responsável pelo estabelecimento:

a. Identificar-se;

 

b. Explanar sobre o motivo e objetivos da vistoria;

 

c. Agendar

vistoria,

caso

haja

interesse

do

proprietário

ou responsável pelo

estabelecimento

(não

havendo interesse, agradecer a atenção e informar que se

posteriormente houver o desejo de receber a vistoria, basta entrar em contato com a

OPM local).

 

3. Comunicar o início dos trabalhos de vistoria à CRE/COPOM;

 

4. Deslocar

ao

local

previsto

e

efetuar

contato

com

o

proprietário

ou

responsável pelo

estabelecimento;

 

a. Se o proprietário ou responsável estiver presente:

 

I. Explicar a dinâmica da vistoria;

 

II. Colher consentimento do proprietário ou responsável no formulário de Vistoria

 

Preventiva Comercial (Anexo A);

 

III. Iniciar o preenchimento do formulário de Vistoria Preventiva Comercial com o

 

respectivo levantamento fotográfico quando necessário, na ordem prevista no

formulário;

 

IV. Encerrar a vistoria;

V. Enviar,

ao

proprietário

ou

responsável

pelo

estabelecimento,

orientações

 

complementares baseadas na vistoria realizada.

b. Se o proprietário ou responsável estiver ausente:

 

I.

Deixar o cartão de visita com registro da data e da hora do comparecimento.

5. Verificar se há outras vistorias agendadas:

 

a. Se houver, deslocar para a vistoria;

b. Se não houver, comunicar o término dos trabalhos de vistoria à CRE/COPOM.

6. Estabelecer contato, novamente, com o proprietário ou responsável ausente na data agendada,

para marcar uma nova vistoria.

 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO VISTORIA PREVENTIVA COMERCIAL POP nº 105 Estabelecido em 23/12/2011 Execução PM

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

VISTORIA PREVENTIVA COMERCIAL

POP nº

105

Estabelecido em

23/12/2011

Execução

PM capacitado

ATIVIDADES CRÍTICAS

1. Estabelecer contato prévio com o proprietário ou responsável pelo estabelecimento;

2. Seguir a sequencia estabelecida no formulário de vistoria;

3. Enviar, ao proprietário ou responsável pelo estabelecimento, orientações complementares

baseadas na vistoria realizada;

4. A vistoria deverá ser realizada no mínimo por dois policiais.

ERROS A SEREM EVITADOS

1. Realizar a vistoria sob a supervisão de pessoa não qualificada para prestar as informações

necessárias, ou que não seja o proprietário ou responsável pelo estabelecimento;

ANEXO A (POP nº 105) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA

ANEXO A (POP nº 105)

ESTADO DE SANTA CATARINA

SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO POLÍCIA MILITAR

VPC - Nº

VISTORIA PREVENTIVA COMERCIAL

 

DADOS GERAIS DA VISTORIA

 

E-Mail:

Nome do Prop. / Resp:

Data:

Endereço:

Nº.

Complemento:

Bairro:

Município:

Telefone:

CPF:

RG

Estado:

Ponto de referencia:

 

HISTÓRICO DE VITIMIZAÇÃO

 

Já ocorreu algum crime neste estabelecimento:

Sim

Não

Não sabe

Se SIM, ocorreu alguma mudança comportamental ou estrutural para evitar novamente o delito: Sim

Não

Não sabe

Sob posse destas informações o policial entrevistador deverá atentar para dinâmica do crime ocorrido, focando nos quesitos que podem prevenir a reincidência.

 

ANÁLISE EXTERNA DO ESTABELECIMENTO COMERCIAL

 
 

IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO

O

nome da via / rua está claramente visível?

Sim

Não

Não se aplica

O

número da empresa esta claramente visível?

Sim

Não

Não se aplica

O

nome empresa esta claramente visível?

Sim

Não

Não se aplica

Pelos fundos é possível identificar o estabelecimento?

Sim

Não

Não se aplica

 

PERÍMETRO INTERNO E EXTERNO (PÚBLICO) DO ESTABELECIMENTO

 

A via pública permite e possui um bom fluxo de veículos em frente ao estabelecimento?

 

Sim

Não

Não se aplica

A via pública permite e possui um bom fluxo de pedestres em frente ao estabelecimento? Sim

Não

Não se aplica

Há outros estabelecimentos próximos que abrem e fecham nos mesmos horários?

 

Sim

Não

Não se aplica

O

perímetro interno esta livre de esconderijos em potencial? (ex.: arbustos, entulhos, detalhes arquitetônicos na edificação, etc.)

 

Sim

Não

Não se aplica

O

perímetro interno e externo é regularmente limpo e organizado? (ex.: limpeza do pátio e da calçada, calçamento em boas condições,

etc.)

Sim

Não

Não se aplica

O

perímetro externo está livre de usuários de drogas, prostitutas ou pessoas em atitudes suspeitas? Sim

Não

Não se aplica

Os terrenos ou prédios vizinhos estão ocupados e em bom estado de conservação?

 

Sim

Não

Não se aplica

Os arbustos e vegetações próximas às aberturas não obstruem a visibilidade e a luminosidade? Sim

Não

Não se aplica

As estruturas físicas ou vegetações que possibilitem acesso ao estabelecimento foram removidas ou protegidas? (ex.: caixa do correio

ou

lixeira rente ao muro)

Sim

Não

Não se aplica

Os pisos superiores estão afastados de estruturas físicas ou vegetação que possibilite o acesso à edificação? (ex.: Árvore ou muro que

acesso ao 2º piso)

Sim

Não

Não se aplica

Os depósitos de lixo são adequados? (ex.: Bem iluminados, protegidos contra vandalismos, não servem como esconderijo,etc.)

 

Sim

Não

Não se aplica

A posição da edificação no terreno permite amplo campo de visão da rua? (ex. negativo: edificação recuada no terreno)

 
 

Sim

Não

Não se aplica

A fachada do estabelecimento possui amplo campo de visão, tanto de fora para dentro como de dentro para fora?

 
 

Sim

Não

Não se aplica

 

BARREIRA PERIMETRAL

Há cercas ou muros construídos em torno do estabelecimento?

 

Sim

Não

Não se aplica

Estas cercas ou muros possuem ofendículos? (ex.: Lanças, cacos de vidros, cerca elétrica, etc.) Sim

Não

Não se aplica

O

muros e as cercas estão em boas condições? (ex.: limpos, íntegros, livres buracos,etc)

Sim

Não

 

Não se aplica

Havendo muros, estes estão livres de pichações e depredações?

Sim

Não

 

Não se aplica

 

ILUMINAÇÃO DO PERÍMETRO INTERNO E EXTERNO

 

A iluminação pública é suficiente para iluminar todo o perímetro externo do estabelecimento? Sim

Não

Não se aplica

A iluminação do pátio/estacionamento/perímetro interno é suficiente para iluminá-lo integralmente?

Sim

 

Não

Não se aplica

A iluminação do perímetro interno permanece ligada no período noturno ou possui sensor de presença? Sim

Não Não se aplica

A iluminação do perímetro interno é protegida? (Ex.: grades, arandelas, etc.)

 

Sim

Não

Não se aplica

A iluminação própria esta em bom funcionamento e em bom estado de conservação?

Sim

Não

Não se aplica

 

ANÁLISE DA PARTE EDIFICADA DO ESTABELECIMENTO COMERCIAL

 
 

AMBIENTE EDIFICADO

A construção é sólida o suficiente para controlar o acesso ao seu interior? (Ex.: Paredes maciças,lonas,etc.)

 
 

Sim

Não

 

Não se aplica

A edificação é facilmente visualizada da via pública? (ex.: Não está construída no fundo do terreno) Sim

Não

Não se aplica

Se houver bueiros dentro do estabelecimento, estes são protegidos ou lacrados?

 

Sim

Não

Não se aplica

As áreas de acesso restrito possuem formas de controlar o acesso dos clientes? (Ex.: Portas, placas indicativas, muretas de

contenção, etc.)

 

Sim

Não

Não se aplica

As gôndolas estão dispostas de forma que possibilitem a visualização de todo ambiente? (ex.: prateleiras baixas, vazadas, sem

produtos aglomerados, etc.)

 

Sim

Não

Não se aplica

As gândolas expositoras, localizadas próximo à vitrine ou janelas, possuem altura que permite a visualização externa? (Ex.: até 1,20

mts)

 

Sim

Não

Não se aplica

O

funcionário dentro do estabelecimento consegue observar quando um cliente adentra ao ambiente? Sim

 

Não

 

Não se aplica

Há espelhos estrategicamente posicionados, para ampliar a visibilidade do interior do ambiente?Sim

Não

Não se aplica

Há alguma área que possa servir de esconderijo dentro do estabelecimento?

 

Sim

Não

 

Não se aplica

Existe mais de uma entrada ou saída?

Sim

Não

Não se aplica

Havendo piso superior este possui os mesmos critérios de segurança do pavimento inferior?

Sim

Não

 

Não se aplica

 

PORTAS

As portas externas do estabelecimento são de materiais sólidos, resistentes? (ex.: portas PVC, madeira, metal, etc)

 

Sim

Não

Não se aplica

As portas são equipadas com trancas adequadas e em bom estado de conservação?